Cinema Expandido, experimentação e novos
formas cinema: um diálogo com a teoria e novos
formatos do cinema e do audiovisua...
Estratégia:
Para isso vamos discutir 3 exposições que trazem
obras e textos que operam com o conceito do cinema
expandido:...
Future Cinema/ ZKM 2003 (Peter Weibel/
Curadoria)
Rede global de produção de imagens = Padronização.
Resistência e diálogo...
Foco será a expansão do código cinematográfico no
campo do digital e se concentra no dispositivo. A
ênfase na inovação téc...
Jeffrey Shaw (Future Cinema / Curador)
Questionamento da hegemonia da forma cinema
(dispositivo) Hollywood pelas novas mod...
Enquanto as formas tradicionais de expressão são
interativas por serem interpretadas e reconstruídas pelo
espectador, a in...
Tarefa central da pesquisa é a concepção e design de técnicas
narrativas que permitam recursos interativos indo além da
ba...
A noção de um cinema digitalmente estendido na verdade habitado por
seu público, que se torna agente e protagonista do seu...
Movimentos Improváveis - o efeito cinema na
arte contemporânea (Phillipe Dubois /Ivana
Bentes / 2007)
Questionamento do es...
Criação visual se expressa cada vez mais por
conjuntos complexos e mestiços nos quais as
identidades e especificidades não...
A questão da percepção, (o deslocamento da experiência pela
incerteza dos códigos)
Organização temática da expo: Vôos líqu...
Quase cinema (Oiticica - Cosmococa VI) - imagens
modificadas de imagens conhecidas (Duchamp, Jimi
Hendrix, Andy Warhol) - ...
Cinema Sim, 2008 / Roberto Moreira Cruz
É cada vez mais frequente a presença de uma situação
cinematográfica em espaços di...
As imagens projetadas no espaço expositivo fazem
com que a atenção do espectador se desloque da
ilusão da tela bidimension...
Ocupado pelos dispositivos da projeção, pelos códigos
sonoros e visuais da imagem em movimento e pelos
aspectos informativ...
Questões para discussão:
1.A curadoria como parte do dispositivo,
2.A contradição do novo e do discurso moderno (a idéia
d...
4.Estabilidade / Instabilidade - nome x conceitos
5. O aspecto conceitual e o ilusionismo (clichês
e imersão na narrativa ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O que é cinema expandido.posdoc

4.367 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor, Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.367
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
69
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é cinema expandido.posdoc

  1. 1. Cinema Expandido, experimentação e novos formas cinema: um diálogo com a teoria e novos formatos do cinema e do audiovisual.  O projeto tem como objetivo principal mapear as principais questões que envolvem o até aqui chamado “cinema expandido”, a saber: mudanças / deslocamentos nas formas de exibição, produção e recepção do cinema dominante (dispositivo); transformação das estratégias de criação e do lugar do artista/cineasta nos circuitos de produção e exibição; relação com a tecnologia, espaços de exibição, convergência de formatos, etc.
  2. 2. Estratégia: Para isso vamos discutir 3 exposições que trazem obras e textos que operam com o conceito do cinema expandido: Future Cinema (ZKM/2003), Movimentos Improváveis – o efeito cinema na arte contemporânea (CCBB/2003), Cinema Sim – narrativas e projeções (Itaú Cultural/2008). O objetivo é registrar e refletir sobre a instabilidade que se reflete na forma de nomear e pensar essas novas forma(s) cinema(s).
  3. 3. Future Cinema/ ZKM 2003 (Peter Weibel/ Curadoria) Rede global de produção de imagens = Padronização. Resistência e diálogo com a cultura industrial / momentos históricos: 1. Cinema expandido de 1960 –2. Década de 70 – vídeo e a revolução eletrônica, 3. Décadas de 80 e 90 – imagem de síntese, algoritmos.
  4. 4. Foco será a expansão do código cinematográfico no campo do digital e se concentra no dispositivo. A ênfase na inovação técnica não exclui o conteúdo artístico e ideológico, já que seguindo a teoria do dispositivo da década de 70, o conteúdo ou a ideologia artística está inscrita no próprio dispositivo. Faz do dispositivo o conceito de base para pensar a relação ideologia x conteúdo x técnica, colocando a expo como o lugar de novas possibilidades de invenção.
  5. 5. Jeffrey Shaw (Future Cinema / Curador) Questionamento da hegemonia da forma cinema (dispositivo) Hollywood pelas novas modalidades da mídias digitais, As novas modalidades do digital estão colocando novas bases para as tradições do cinema independente, experimental e expandido. O domínio do digital é principalmente sua ampla grade de metodologias de interação.
  6. 6. Enquanto as formas tradicionais de expressão são interativas por serem interpretadas e reconstruídas pelo espectador, a interação digital oferece uma nova e imediata dimensão de controle do usuário e envolvimento nos procedimentos criativos. Estas novas formas de interação mudam a relação compulsiva espectador espetáculo - crítica a autocracia do formato dramático (intriga, conflito central, etc) Busca por novas estratégias onde a autocracia do diretor e seu dispositivo ótico de submissão possa ser mudada na direção de um novo cinema.
  7. 7. Tarefa central da pesquisa é a concepção e design de técnicas narrativas que permitam recursos interativos indo além da banalidade de opções de enredo e labirintos de videogame (ramificações), Desenvolver estruturas modulares de conteúdo narrativo que permitam número indeterminado ainda significativo de permutação. Concepção de caracterizações de conteúdo através de modelos algorítmicos que permitam a geração automática de sequências narrativas que o usuário pode modular, por exemplo, usando um modelo genético de seleção.
  8. 8. A noção de um cinema digitalmente estendido na verdade habitado por seu público, que se torna agente e protagonista do seu desenvolvimento narrativo. Ênfases da curadoria é de instalações que divergem dos formatos gráficos convencionais e exploram formatos mais imersivos e ambientes tecnologicamente inovadores, tais como multi-screen, panorâmica, cúpula de projeção, compartilhada multi-usuário, e configurações online, concepção de narrativas não-lineares, Temas e Formatos Expo - 1)Remapeamento; 2) Transcrição; 3)Recombinatório (Estética Banco de Dados); 4) Interpolados (Ficção x Documental); 5) Imersivo; 6) Calculado (Imagens de síntese); 7) Sem Tela (geração de imagens diretas no cérebro. Novo cinema de atrações (Parques temáticos)
  9. 9. Movimentos Improváveis - o efeito cinema na arte contemporânea (Phillipe Dubois /Ivana Bentes / 2007) Questionamento do estatuto das imagens: o que é uma imagem hoje? O que é olhar? Mudança nas relações da imagem: origem, destino, lugar, materia, poder e potência,
  10. 10. Criação visual se expressa cada vez mais por conjuntos complexos e mestiços nos quais as identidades e especificidades não são mais marcas estáveis para nossa percepção. (incerteza do visível) Eleição da questão do movimento como tema central da expo, efeito cinema na arte contemporânea, (cinema de exposição só há invenção na arte qdo. se coloca em cheque clivagens estabelecidas (fotografia=imobilidade, cinema=movimento)
  11. 11. A questão da percepção, (o deslocamento da experiência pela incerteza dos códigos) Organização temática da expo: Vôos líquidos (mudança de perspectiva da imagem produzindo outra percepção/ leitura - ondas verticais); A caverna das ilusões (cuba com peixes / espelho/ projeção); O quarto para dormir de pé (Fotografias, espelhos, objetos do quarto que sugerem outro uso); Corpos Impossíveis (auto retratos; imagens computadorizadas interpoladas das imagens fotográficas em sequência, dispostas em círculo, gerando um efeito de dúvida sobre o que são as imagens); Humanidade Impensável (36976 retratos) Obras: instalações multimídias.
  12. 12. Quase cinema (Oiticica - Cosmococa VI) - imagens modificadas de imagens conhecidas (Duchamp, Jimi Hendrix, Andy Warhol) - questões sobre a reprodução das imagens. Quem semeia vento colhe tempestade - (imagens de roupas ao vento/ percurso/ imagens de tempestade - experiência do sublime)
  13. 13. Cinema Sim, 2008 / Roberto Moreira Cruz É cada vez mais frequente a presença de uma situação cinematográfica em espaços distintos ao da sala de cinema. Nos circuitos dos museus, galerias, mostras de arte contemporânea e centros dedicados à artemídia, o público encontra o que pode ser considerada uma tendência nos modos de exibição de obras audiovisuais. O espaço da exposição vira o espaço da projeção.
  14. 14. As imagens projetadas no espaço expositivo fazem com que a atenção do espectador se desloque da ilusão da tela bidimensional para o espaço que a circunscreve e para os mecanismos e dispositivos de projeção da imagem em movimento, Recursos de projeções transformam o ambiente expositivo em espaço-tempo da exibição; elementos narrativos também se efetivam no próprio processo de exibição, bem como são modificados as relações de fruição e participação do público.
  15. 15. Ocupado pelos dispositivos da projeção, pelos códigos sonoros e visuais da imagem em movimento e pelos aspectos informativos da narrativa, o espaço expositivo integra-se ao espaço fílmico e vice-versa, e dessa imbricação de funções decorre uma expansão sobre o que se entende e se define por cinema. Artistas e obras - aspectos narrativos.
  16. 16. Questões para discussão: 1.A curadoria como parte do dispositivo, 2.A contradição do novo e do discurso moderno (a idéia do futuro como emancipatória, da tecnologia como revolução, seu caráter desenvolvimentista de novas formas de mundo, etc.) 3.A questão da percepção como tema central dos trabalhos (Formalismo x Realismo)
  17. 17. 4.Estabilidade / Instabilidade - nome x conceitos 5. O aspecto conceitual e o ilusionismo (clichês e imersão na narrativa / Avatar) 6.O aspecto coletivo da recepção - a narrativa como link, forma de coesão social 7.A questão da estética digital (Janet Murray / hibridismo e interconectividade)

×