Educação Ambiental: Política Cicloviária Aristides Faria. Aluno da Especialização em Estudos Mercadológicos em Turismo & H...
Momentos da pesquisa <ul><li>Educação ambiental  enquanto meio de promoção da  cidadania  planetária, geração de  identida...
<ul><li>Art 5º São  objetivos  fundamentais da  educação ambiental : </li></ul><ul><li>o desenvolvimento de uma  compreens...
Artigo 2º da Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981 Um de seus princípios a: “ Ação governamental na manutenção do  equilíbr...
“ Hoje, o drama ambiental vivido pela humanidade está intimamente ligado à  crise das cidades : abastecimento de água, sol...
Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
Hospitalidade: formação de identidade “ Turismo é um  processo sócio-cultural  que ultrapassa o entendimento enquanto funç...
“ O  uso  das praias como  áreas de lazer  foi uma lenta conquista. Foi primeiro uma conquista  sanitária , porque as área...
Política regional de fomento a mobilidade não-motorizada
<ul><li>Política de Incentivo ao Uso da Bicicleta no Âmbito do  Estado de São Paulo </li></ul><ul><li>Art. 1º O incentivo ...
Política local de fomento a acessibilidade urbana
Sociedade civil organizada vs Poder Público
<ul><li>1998 : prefeitura desativa três ciclovias, ao todo, com  7.730  m de extensão, das quatro recebidas do governo ant...
<ul><li>2004 : construída ciclovia na região da orla da praia, batizada como “ ciclovia de lazer ”, por onde pedalavam cer...
<ul><li>AULICINO, Madalena Pedroso.  Turismo e estâncias : impactos e benefícios para os municípios. São Paulo: Futura, 20...
rhemhospitalidade.blogspot.com <ul><li>MSN: aristidesfls@hotmail.com </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>(...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Educacao Ambiental Politica Cicloviaria

1.701 visualizações

Publicada em

Apresentação do artigo Educação Ambiental e Política Cicloviária, publicado no Simpósio Nacional sobre Ética, Política e Educação, acontecido entre os dias 11 e 13 de junho de 2008 na UNICAMP (SP).

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.701
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
314
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educacao Ambiental Politica Cicloviaria

  1. 1. Educação Ambiental: Política Cicloviária Aristides Faria. Aluno da Especialização em Estudos Mercadológicos em Turismo & Hotelaria (FIPE).
  2. 2. Momentos da pesquisa <ul><li>Educação ambiental enquanto meio de promoção da cidadania planetária, geração de identidade com o “lugar”, senso de pertencimento; </li></ul><ul><li>Hospitalidade : turismo enquanto fenômeno consumidor do espaço (no caso, urbano), discute-se a acessibilidade e a prioridade de meios de transporte não-motorizados ; </li></ul><ul><li>Apresentação da sobre a intervenção do governo santista de fomento ao transporte não-motorizado em Santos (SP). </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Art 5º São objetivos fundamentais da educação ambiental : </li></ul><ul><li>o desenvolvimento de uma compreensão do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações , envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos; </li></ul><ul><li>o incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, entendendo-se a defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania ; </li></ul><ul><li>o estímulo à cooperação entre as diversas regiões do País em níveis micro e macro-regionais, com vistas à construção de uma sociedade ambientalmente equilibrada, fundada nos princípios da liberdade, igualdade , solidariedade , democracia , justiça social , responsabilidade e sustentabilidade ; </li></ul><ul><li>o fortalecimento da cidadania, autodeterminação dos povos e solidariedade como fundamentos para o futuro da humanidade. </li></ul>
  4. 4. Artigo 2º da Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981 Um de seus princípios a: “ Ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico , considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo ”. Política Nacional de MA
  5. 5. “ Hoje, o drama ambiental vivido pela humanidade está intimamente ligado à crise das cidades : abastecimento de água, solos contaminados em maior ou menor grau, desconforto físico e psicológico relacionado ao stress do trânsito , da moradia , da ausência de opções de lazer e da segurança pública” SCARLATO e PONTIN (1999, p.6) Hospitalidade: formação de identidade
  6. 6. Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
  7. 7. Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
  8. 8. Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
  9. 9. Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
  10. 10. Política nacional de fomento a mobilidade não-motorizada
  11. 11. Hospitalidade: formação de identidade “ Turismo é um processo sócio-cultural que ultrapassa o entendimento enquanto função de um sistema econômico, ou seja, envolve todo o meio ambiente ”. Os impactos do turismo referem-se a um conjunto de modificações ou seqüência de eventos , provocados pelo desenvolvimento da atividade nas localidades receptoras.
  12. 12. “ O uso das praias como áreas de lazer foi uma lenta conquista. Foi primeiro uma conquista sanitária , porque as áreas próximas as praias, em Santos, estavam infestadas de mosquitos transmissores de febre amarela e malária, que afastavam os trabalhadores e, com muito maior razão, os turistas. Mas foi também uma lenta conquista social , porque não havia ainda o hábito de usar calções de banho. A exibição dos corpos era vista como um espetáculo chocante ”. CORNEJO e GERODETTI (2001, p.172) Hospitalidade: formação de identidade
  13. 13. Política regional de fomento a mobilidade não-motorizada
  14. 14. <ul><li>Política de Incentivo ao Uso da Bicicleta no Âmbito do Estado de São Paulo </li></ul><ul><li>Art. 1º O incentivo ao uso da bicicleta como forma de mobilidade urbana tem por objetivo proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço urbano , por meio da priorização dos modos de transporte: </li></ul><ul><li>Coletivo </li></ul><ul><li>Não-motorizado. </li></ul>Política Cicloviária Lei nº 12.286/2006
  15. 15. Política local de fomento a acessibilidade urbana
  16. 16. Sociedade civil organizada vs Poder Público
  17. 17. <ul><li>1998 : prefeitura desativa três ciclovias, ao todo, com 7.730 m de extensão, das quatro recebidas do governo anterior, ficando apenas com a ciclovia da Av. Mário Covas com 3.100 m. Resultado da intervenção: o número de acidentes cresceu de 210 em 1997 para 461 em 2001; </li></ul><ul><li>2000/2003 : a prefeitura municipal realiza melhorias na Av. Francisco Glicério, inserindo no projeto uma ciclovia. Em sua continuidade, que leva nome de Av. Afonso Pena, a ciclovia foi eliminada (sendo implantada apenas entre o final de 2007 e maio de 2008). Conseqüência: número de acidentes na Av. Francisco Glicério em 8 anos somou apenas 30 (3,7/ano) contra 157 (19,6/ano) na Av. Afonso Pena; </li></ul>
  18. 18. <ul><li>2004 : construída ciclovia na região da orla da praia, batizada como “ ciclovia de lazer ”, por onde pedalavam cerca de 15 mil ciclistas/dia . A extensão da obra não alcançava a balsa de ligação entre Santos e Guarujá, tampouco a divisa entre Santos e São Vicente em seu outro sentido (esta última ligação foi concretizada entre o final de 2007 e fevereiro de 2008). Resultado: a previsão da redução de acidentes envolvendo ciclistas era de 90 %. Mas, o índice caiu em apenas 23 %; </li></ul><ul><li>2006 : verificou-se os seguintes índices (desde 1999 ): 43 acidentes envolvendo ciclistas na Alameda Saldanha da Gama (Norte) contra 257 na Av. Presidente Wilson. Qual a prioridade? </li></ul>
  19. 19. <ul><li>AULICINO, Madalena Pedroso. Turismo e estâncias : impactos e benefícios para os municípios. São Paulo: Futura, 2002. </li></ul><ul><li>BENI, Mário Carlos. Política e planejamento de turismo no Brasil . São Paulo: Aleph, 2006. </li></ul><ul><li>OLIVEIRA. Fernando Vicente. Capacidade de carga nas cidades históricas . Campinas: Papirus, 2003. </li></ul><ul><li>PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS (SP). Cartilha de capacitação profissional dos trabalhadores do setor turístico e hoteleiro de Santos . Santos (SP): PMS, 2002. </li></ul><ul><li>REIGOTA, Marcos. O que é Educação Ambiental? São Paulo: Brasiliense, 1994. </li></ul><ul><li>TULIK, Olga. Turismo e meios de hospedagem : casas de temporada. São Paulo: Roca, 2001. </li></ul>Referências
  20. 20. rhemhospitalidade.blogspot.com <ul><li>MSN: aristidesfls@hotmail.com </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>(13) 8136-3397 </li></ul>Muito Obrigado!

×