Revista Canavieiros - Setembro de 2007
Revista Canavieiros - Setembro de 2007
Editorial

Cinco séculos de
história

A

história da cana-de-açúcar se
confunde com a própria história do Brasil. Desde a ...
Indice

EXPEDIENTE

Capa

CONSELHO EDITORIAL:
Antonio Eduardo Tonielo

500 anos da
cana-de-açúcar no
Brasil

Augusto César...
Entrevista

João de Almeida
Sampaio Filho

Fotos: João Luiz

Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de
São Pa...
Entrevista
Revista Canavieiros: Como o se- outras desconexas. A comissão tem cana ocupa praticamente metade da
nhor avalia...
Entrevista
é um exemplo de produtividade denSampaio: Temos uma situação até a iniciar trabalhos através da Codasp
tro da p...
Ponto de Vista

Sertãozinho e o Vale do Silício
Manoel Carlos de Azevedo Ortolan*

L

i, dias atrás, uma comparação
intere...
Ponto de vista

O cenário econômico e
seu impacto no setor
canavieiro
* 1 - Marcos Fava Neves // 2 - Marco Antonio Conejer...
Ponto de vista

Há área disponível para
a cana-de-açúcar
sem comprometer as reservas
florestais e as demais culturas?

Cle...
Ponto de vista
milhões de hectares, 220 milhões de
hectares estão ocupados com pastagens e 62 milhões com agricultura.
A á...
Notícias
Copercana

Produção de mudas de
cana-de-açúcar na Fazenda
Santa Rita
Gustavo Nogueira - Gerente do Departamento T...
Notícias
Copercana
causar danos superiores a 50% em variedades suscetíveis ou intolerantes. L. xyli
subsp. xyli é transmit...
Notícias
Canaoeste

Presidente participa de
Congresso no MS
Ortolan abordou o relacionamento entre indústrias e fornecedor...
Notícias
Canaoeste

Canaoeste realiza reunião
técnica em Pitangueiras
O evento contou com a presença de cooperados e assoc...
Notícias
Cocred

Cocred realiza evento
beneficente em Batatais
Marcelo Massensini

3 mil pessoas compareceram ao Centro de...
Notícias
Cocred
Balancete
Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana
de Sertãozinho BALANCETE MENSAL - JULHO/2007
Valo...
Notícias
Cocred

Cocred Batatais:
Agricultores da cidade
agradecem
Marcelo Massensini

Criada há menos de dois anos, a agê...
Revista Canavieiros - Setembro de 2007
Reportagem de Capa

500 ANOS DE CANA-DE
500 ANOS DE CANA-DE

Desde a época do descobrimento do Brasil, variedades de difer...
Reportagem de Capa

DE-AÇÚCAR NO BRASIL
DE-AÇÚCAR NO BRASIL

ências ajudaram a tornar o país o maior e melhor produtor de ...
Reportagem de Capa
O surgimento
dos
programas de
melhoramento
Os programas de melhoramento
genético da cana-de-açúcar fora...
Reportagem de Capa

Revista Canavieiros - Setembro de 2007

23
Destaque

Fenasucro & Agrocana 2007
Com maior tempo para visitação e público direcionado, as feiras pretendem superar o
fa...
Destaque

Feacoop fecha em R$ 162
milhões
Feira de Agronegócios Coopercitrus supera em 47% o faturamento de 2006
Da Redaçã...
Safra Canavieira

Acompanhamento da
qualidade da matéria-prima
da safra 2.007/2.008
Por Thiago de Andrade Silva
Assistente...
Safra Canavieira
Gráfico 1 – Comparativo das
Médias de Brix (%)

A Pureza do Caldo (%) da Safra 2.007/2.008 foi
sempre inf...
Informações setoriais

CHUVAS DE AGOSTO
e Prognósticos Climáticos

N

o quadro abaixo, estão anotadas as chuvas que ocorre...
Informações setoriais
Mapa 3: Água Disponível no Solo ao final de agosto de 2007.

Como subsídio a planejamentos de ativid...
Artigo Técnico

Adubação da cultura da
cana de açúcar:
porque o Nitrogênio e o Enxofre são
tão importantes
Antonio de Padu...
Artigo Técnico
A segunda e grande vantagem da
introdução do Sulfato de Amônio, no programa de adubação da cana-de-açúcar é...
Legislação

Protocolo Agroambiental do
Setor Canavieiro

C

omo foi amplamente divulgado em todos os meios de comunicação,...
Pragas e Doenças

Controle integrado de pragas
urbanas
Regina Claudia Del Grande Aires
Supervisão de Processo de Secagem d...
Semana de Administração

Unesp Jaboticabal
realiza II Semana de
Administração
Palestras e cases foram apresentados aos alu...
Foto: Antoninho Perri - Ascom - Unicamp

“A prioridade agora
deve ser a capacitação dos
trabalhadores rurais, para
que ele...
Biblioteca
“GENERAL ÁLVARO
TAVARES CARMO”
"AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO BRASIL"
Márcia Azanha Ferraz Dias de Moraes
Pery Fr...
Agende-se
Outubro

de 2007

Curso de Armazenamento de Grãos
Data: 01 a 05 de outubro de 2007
Local: Sede do CENTREINAR (Ce...
Ed15setem07
Ed15setem07
Ed15setem07
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ed15setem07

356 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
356
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ed15setem07

  1. 1. Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  2. 2. Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  3. 3. Editorial Cinco séculos de história A história da cana-de-açúcar se confunde com a própria história do Brasil. Desde a época do descobrimento, a cultura esteve sempre presente no país. Apesar de não se saber ao certo quando a cana chegou aqui, uma certeza todos os historiadores têm: o altíssimo valor do açúcar na época, combinado com as ótimas condições encontradas no país, foram decisivas para que os portugueses começassem a plantar cana e produzir açúcar no Brasil. A reportagem de capa da Revista Canavieiros deste mês fala sobre isso: os 500 anos da cana-de-açúcar no Brasil. Quais foram as principais variedades plantadas neste período e de onde elas vieram? O que mudou? Como funciona e qual a importância do melhoramento genético e da criação de novas variedades? Essas e outras questões, bem como curiosidades sobre o cultivo da cana foram respondidas pelo o diretor do Centro de Cana e coordenador do Programa Cana IAC (Instituto Agronômico de Campinas), Marcos Guimarães de Andrade Landell, que mantém um jardim com mais de 300 variedades de cana-de-açúcar plantadas no Brasil. Landell ainda mostra, em primeira mão, variedades criadas pelo Instituto e que serão lançadas ainda este ano. O secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, João de Almeida Sampaio Filho, foi o entrevistado desta edição e diz acreditar que a estrutura fundiária do território paulista, onde se cultiva 60% de toda a cana processada pela indústria, coloca parâmetros para o crescimento dos grandes conglomerados do setor. Sampaio destaca a importância dos trabalhos da Comissão Especial de Bioenergia, constituída em abril, defende a estadualização do Porto de Santos e destaca a importância de o produtor de cana estar orga- nizado em associações. As páginas das Notícias Copercana desta edição trazem um artigo do gerente do Departamento Técnico, Gustavo Nogueira, e do consultor agronômico, Oswaldo Alonso, sobre a produção de mudas de cana-de-açúcar na Fazenda Santa Rita, em Terra Roxa. A editoria da Canaoeste fala sobre a reunião técnica realizada para os associados de Pitangueiras e sobre a palestra ministrada pelo presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Logo em seguida você confere o balanço do "Cocred em Ação" em Batatais - um evento beneficente organizado pela Cocred em prol de entidades assistenciais da cidade e uma matéria sobre a opinião dos cooperados da cidade sobre o atendimento e os serviços prestados pela agência. O destaque deste mês fica para a Fenasucro & Agrocana, as maiores feiras do mundo voltadas ao setor sucroalcooleiro e que acontecem entre os dias 18 e 21 de setembro em Sertãozinho. O sistema Copercana, Canaoeste e Cocred e a Revista Canavieiros estarão presentes com um estande nas feiras. O assistente de controle agrícola da Canaoeste, Thiago Andrade Silva, fala sobre o acompanhamento da qualidade da matéria-prima da safra 2007/2008 e Regina Del Grande da Uname, discorre sobre o controle de pragas urbanas em grãos. Além disso, a Revista traz o artigo jurídico do Dr. Juliano Bortoloti, os prognósticos climáticos do Dr. Oswaldo Alonso e um artigo técnico sobre Adubação da cultura de canade-açúcar. Além das dicas de português, indicação de livros, agenda de eventos, repercutiu e classificados. Boa Leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros -- Setembro de 2007 Revista Canavieiros Setembro de 2007 03
  4. 4. Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo 500 anos da cana-de-açúcar no Brasil Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Desde a época do descobrimento do Brasil, variedades de diferentes procedências ajudaram a tornar o país o maior e melhor produtor de cana-de-açúcar Oscar Bisson Pag. Pag. OUTRAS DESTA DESTA QUES CONSECANA Entrevista Pag. 14 João de Almeida Sampaio Filho DESTAQUE Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Pag. Pag. 05 Ponto de vista Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Uma comparação entre o Vale do Silício, nos EUA e Sertãozinho. Pag. Pag. Notícias Pag. 24 Pag. 2 6 CANAVIEIRA SAFRA INFORMAÇÕES Pag. SETORIAIS 28 Pag. Pag. 14 Canaoeste Canaoeste realiza reunião técnica em Pitangueiras ARTIGO TÉCNICO Pag. LEGISLAÇÃO Pag. 16 Cocred Cocred realiza evento beneficente em Batatais 32 35 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo FOTOS: Carla Rossini Marcelo Massensini COLABORAÇÃO: Marcelo Massensini COMERCIAL E PUBLICIDADE: (16) 3946-3311 revistacanavieiros@copercana.com.br DEPARTAMENTO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO: Ana Carolina Paro, Carla Rossini, Daniel Pelanda, Giselle Mariano, Letícia Pignata, Marcelo Massensini, Rafael Mermejo, Roberta Faria da Silva, Talita Carilli. CULTURA Pag. TIRAGEM: 10.000 exemplares 36 AGENDE-SE 37 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é CLASSIFICADOS Pag. 38 autorizada, desde que citada a fonte. ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 Pragas e Doenças 04 PROJETO GRÁFICO E IMPRESSÃO: REPERCUTIU Pag. Pag. Controle integrado de pragas urbanas Carla Rossini – MTb 39.788 Cristiane Barão – MTb 31.814 São Francisco Gráfica e Editora Pag. Notícias 30 08 08 12 Copercana Produção de mudas de cana-de-açúcar na Fazenda Santa Rita Notícias 20 EQUIPE DE JORNALISMO: 33 Pag. Pag.
  5. 5. Entrevista João de Almeida Sampaio Filho Fotos: João Luiz Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo “Não dá para o setor expandir sem os pequenos e médios” Cristiane Barão O secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, João de Almeida Sampaio Filho, 41, acredita que a estrutura fundiária do território paulista, onde se cultiva 60% de toda a cana processada pela indústria, coloca parâmetros para o crescimento dos grandes conglomerados do setor. A cana ocupa hoje 4,2 milhões de hectares e pode chegar a 6 milhões em cinco anos e, ainda assim, a agricultura paulista continuará diversificada, na opinião do secretário. “A diversificação da agricultura paulista possibilita um crescimento justo em todas as cadeias produtivas”, diz. Sampaio destaca a importância dos trabalhos da Comissão Especial de Bioenergia, constituída em abril, defende a estadualização do Porto de Santos e destaca a importância de o produtor de cana estar organizado em associações. Leia a entrevista que ele concedeu, por email, à Canavieiros. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 05
  6. 6. Entrevista Revista Canavieiros: Como o se- outras desconexas. A comissão tem cana ocupa praticamente metade da nhor avalia o avanço da cana em SP? entre seus intuitos uniformizar essas área com culturas e tende a se exJoão Sampaio: A cana atinge hoje ações, criar um ambiente de trabalho pandir. Isso preocupa a secretaria? Sampaio: Na verdade, nos 22 micerca de 20% da área ocupada com ati- que seja pró-ativo e produtivo. O obvidade agrícola no Estado. No total, jetivo destes encontros é discutir com lhões de hectares ocupados com a atisão 22 milhões de hectares com a ati- a cadeia produtiva alternativas para a vidade agrícola, temos 9,7 milhões de vidade e correlatos, a cana tem atual- capacitação tendo em vista o proces- hectares com pastagens, 1,1 milhão mente 4,5 milhões de hectares de ocu- so de mecanização da colheita da cana, com reflorestamento, 650 mil hectares pação. Pelo ritmo de expansão, a ex- assim como a profissionalização do com citros e 243 mil de café e depois pectativa é que ultrapasse um pouco setor sucroalcooleiro como um todo. segue a composição com culturas anumais que 6 milhões de hectares nos Estão sendo realizados grupos de dis- ais e outras culturas perenes, também próximos 5 anos. A diversificação con- cussão em todas as áreas: ambiental, a cobertura vegetal natural. Acredito tinuará a ser marca do Estado de São social, transportes e logística, o resul- que o agronegócio paulista continuaPaulo. A própria estrutura fundiária do tado virá com a produção de propos- rá a crescer pela capacidade de nossa Estado com pequenas e mé- “O produtor/fornecedor de cana deve procurar agroindústria de processar o que é produzido no campo dias propriedades coloca um se unir em associações e cooperativas para aqui e o que vem de fora de freio nesta expansão da nosso Estado. O setor de açúcana. E, além disto, a grande poder, inclusive, trabalhar melhor não só na car e álcool, o de citros e a explosão nas áreas de cana cana como também na própria integração com cafeicultura vão impulsionar já está menos acelerada. Os lavoura e também pecuária, com nossas vendas internaciocenários para álcool e açúcar, principalmente este últi- aproveitamento de bagaço e outras alternativas” nais, gerando renda internamente. A diversificação da mo, sofreram uma alteração muita brusca. Os preços internacio- tas de políticas públicas combinadas agricultura paulista possibilita um nais do açúcar estão num patamar com a iniciativa privada para o desen- crescimento justo em todas as cadeimuito baixo, mesmo quando compara- volvimento da bioenergia no Estado as produtivas. Com a recuperação do setor de grãos em todo o país, isto tamdo com seu período de baixa. Além do de São Paulo. bém influencia a nossa produção, reque, temos um mercado cheio de açúRevista Canavieiros: O senhor cuperando a nossa indústria de mácar colocado pelos países europeus e os reflexos da demanda de álcool com- acha que haverá espaço para os pe- quinas e insumos, o que também gera bustível ainda não chegaram a refletir quenos e médios produtores de cana empregos e renda nos municípios do nos preços. Trata-se de consolidação nesse processo de expansão do setor? interior. Mesmo a pecuária, que teve Sampaio: A própria estrutura grandes reveses nestes últimos três do mercado de combustível alternatifundiária do Estado com pequenas e anos, segue para a recuperação. No vo e isso irá colocar em evidência o nosso potencial exportador. O que in- médias propriedades coloca Estado de São Paulo, ela deve ser feicentivamos e trabalhamos junto com parâmetros para o crescimento dos ta de forma intensiva com a ampliação a assistência técnica é que o produtor grandes conglomerados do setor. Não no número de confinamentos, o que que está na sua atividade agrícola dá para o setor expandir sem a parce- já vem acontecendo em muitas regicontinue nela. A cana deve ser uma ria de pequenos e médios fornecedo- ões. A pecuária com alta tecnologia, alternativa de alta rentabilidade no mo- res. O que incentivamos é que o pro- uso intenso da bovina genética como dutor seja um fornecedor da usina, ferramenta no aumento da produtivimento. trabalhamos junto com a assistência dade e na precocidade do abate. A cana Revista Canavieiros: Recentemen- técnica para que a gestão da produ- deve ser integrada à alimentação anite foi realizado um encontro para dis- ção dentro das propriedades seja fei- mal e ajudar na intensificação da procutir a formação de recursos huma- ta pelo seu dono, para que o produ- dução. Apostamos no desenvolvinos na cadeia produtiva de cana e tor que está na sua atividade agríco- mento da criação de pequenos animais biodiesel e as relações do trabalho la continue nela. Acredito que tere- – ovinocultura e caprinocultura, a peno setor sucroalcooleiro. Quais as mos espaço para permanecermos di- cuária de leite em crescimento, plantaversificados e o produtor/fornecedor ções de seringueiras, são todas boas conclusões? Sampaio: Quando o governador de cana deve procurar se unir em as- alternativas para o produtor. José Serra criou a Comissão Especial sociações e cooperativas para poder Revista Canavieiros: O Centro de de Bioenergia do Estado de São Paulo inclusive trabalhar melhor não só na cana como também na própria Cana de Ribeirão Preto recebeu mais em abril deste ano, tinha em mente a urgência de se pensar a questão de integração com lavoura e também pe- pesquisadores e ampliou sua estrubioenergia com um objetivo comum cuária com aproveitamento de baga- tura de laboratórios. Há planos para pesquisas visando à produção de aos diversos participantes da cadeia. ço e outras alternativas. etanol celulósico? Várias ações têm sido feitas pelo EsRevista Canavieiros: Em SP, a Sampaio: O nosso Centro de Cana tado, muitas vezes em duplicidade, 06 Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  7. 7. Entrevista é um exemplo de produtividade denSampaio: Temos uma situação até a iniciar trabalhos através da Codasp tro da pesquisa agropecuária e uma que privilegiada em comparação com para a recuperação de estradas rurais, vitrine da parceria com a iniciativa pri- outros Estados brasileiros, pois te- assegurando trafegabilidade e escoavada. A Orplana e outras instituições mos um conjunto de rodovias em ple- mento da produção durante todo o ano. do setor são as grandes propulsoras no funcionamento. Pesquisas apon- Além disto, está em estudo com o sedo desenvolvimento de novas varie- tam que das 20 melhores rodovias tor produtivo, a construção do dades. São mais de 35 delas em pro- do país, 19 estão em São Paulo. Ain- alcoolduto, projeto importante na amdução e cerca de 25% das variedades da assim temos alguns gargalos. O pliação e competitividade das nossas de cana cultivadas no país nasceram Porto de Santos, grande corredor exportações. Uma outra questão a ser do trabalho dos nossos resolvida imediatamente é centros de pesquisa. Para “O que incentivamos é que o produtor seja um o meio ambiente, para proesta outra fase da pesqui- fornecedor da usina, trabalhamos junto com a duzir um combustível limpo sa em busca de aumento de é preciso ser limpo e pareassistência técnica para que a gestão da produção e melhor aproveicer limpo para os nossos tamento do bagaço, as pes- produção dentro das propriedades seja feita pelo compradores internacioquisa paulista está na fren- seu dono, e para que o produtor que está na sua nais. Por isso, o fim das te. A Fapesp vai destinar queimadas, a recuperação atividade agrícola continue nela” R$ 150 milhões em recurdas matas ciliares serão exisos para os mais diversificados proje- das nossas exportações, é um des- gências, as quais teremos que nos ortos, e o nosso Centro participa dos tes gargalos, precisa ser moderniza- ganizar para cumpri-las. Nos casos da grupos de trabalho que integram esta do, ampliado e talvez um caminho mecanização e o problema social geimensa rede da bioenergia. seja a sua estadualização para me- rado pelo desemprego, também temos lhor atender as necessidades. O go- que atuar em conjunto na qualificação Revista Canavieiros: Quais são os vernador José Serra inicia numa par- e capacitação de trabalhadores e prograndes gargalos para o ceria com o Banco Mundial a recu- dutores também para que possam enagronegócio paulista e para ativida- peração das rodovias vicinais e já frentar os desafios tecnológicos imde canavieira? autorizou a Secretaria de Agricultura postos pelo mercado. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 07
  8. 8. Ponto de Vista Sertãozinho e o Vale do Silício Manoel Carlos de Azevedo Ortolan* L i, dias atrás, uma comparação interessante entre o Vale do Silício, berço do desenvolvimento tecnológico nos Estados Unidos, e Sertãozinho, pólo de tecnologia para o setor sucroalcooleiro. De fato, há muito em comum entre as duas regiões. O Vale do Silício é uma região no Estado da Califórnia onde estão concentradas as mais importantes empresas de tecnologia, como a Intel, Apple, IBM, Microsoft. Surgiu em 1938, quando Bill Hewlet e Dave Packard, abriram uma pequena empresa na cidade de Palo Alto e desenvolveram o primeiro produto da HP, um oscilador para testar equipamentos de som. Foi o primeiro passo para que a região se transformasse no centro das grandes descobertas em tecnologia e das grandes sociedades que hoje dão nomes aos equipamentos de informática que temos em nossas casas e no trabalho. Assim, tornou-se muito comum denominar de Vale do Silício regiões que concentram empresas que acabam originando novos produtos e também novas empresas. Sertãozinho seria o Vale do Silício do etanol. De fato, encravada na região maior produtora de açúcar e álcool do mundo, a cidade é o endereço de saltos tecnológicos e também concentra representantes de todos os elos da cadeia de produção. Não por acaso as indústrias de açúcar e álcool instaladas no município e ao redor dele são pioneiras em tecnologias de ponta, desde a geração de energia elétrica a partir do bagaço da cana, que hoje já se transformou em algo simples e comum, e de subprodutos que a cada dia são apresentados no mercado. E as empresas que fabricam equipamentos exportaram no ano passado US$ 157,5 milhões em tecnologia para diferentes lugares do planeta. Esse valor é mais que o dobro do registrado em 2003. Creio que a Zanini foi um importante marco nesse processo. A empresa foi criada ainda na década de 50 para a produção de equipamentos para o setor sucroalcooleiro e chegou a ter por volta de 5.000 funcionários. Acabou se dissolvendo, mas seus funcionários resolveram aproveitar a experiência para abrir seu próprio negócio. Hoje, a região de Sertãozinho concentra cerca de 550 empresas, 90% voltadas ao setor. E como o processo de expansão do mercado de etanol, principalmente, a cidade tornou-se referência na geração de empregos. Está todo mês no ranking dos municípios que mais geraram 08 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 Praça 21 de abril em Sertãozinho - SP vagas de trabalho e o setor, entre os que mais empregaram no Estado. De janeiro a julho, 151 mil vagas foram abertas nas indústrias paulistas. As empresas ligadas à produção de açúcar e álcool são responsáveis por dois terços disso. No entanto, toda essa expressão econômica e tecnológica é fruto do empreendedorismo de pessoas e grupos que acreditaram no que estavam fazendo e foram em frente. Entre eles podemos citar as famílias Biagi, Balbo, Zanini e tantas outras. O Vale do Silício do etanol também já amargou os efeitos de várias crises do setor e sobreviveram porque estavam preparadas para enfrentar os reveses, graças à visão estratégica e de longo alcance de seus líderes. Mesmo na década de 70, com o Proálcool, eram poucos os que acreditavam que o setor elevaria o Brasil à vanguarda na produção de biocombustíveis. Sem essas lideranças, o Vale do Silício do etanol poderia ser um vale qualquer. O empreendedorismo é que fez a diferença. Assim, a Fenasucro e a Agrocana, que acontecem de 18 a 21 deste mês, são uma grande vitrine da expressão que o setor e a cidade adquiriram e também do olhar para o futuro, que foi e ainda é uma marca dos nossos líderes. *presidente da Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo). www.canaoeste.com.br
  9. 9. Ponto de vista O cenário econômico e seu impacto no setor canavieiro * 1 - Marcos Fava Neves // 2 - Marco Antonio Conejero E m continuidade ao artigo apre sentado na edição passada da Revista Canavieiros, pretendemos aqui trabalhar o cenário econômico positivo para o setor sucroalcooleiro. Vemos com bons olhos a inserção internacional do governo Brasileiro ao defender uma maior adoção dos biocombustíveis, em especial o álcool combustível, na matriz energética mundial, mas com ressalvas. O objetivo está correto, os recursos adequados, mas a estratégia não está tão alinhada assim. O objetivo correto reside no fato de o governo brasileiro divulgar a imagem do álcool como "o combustível da paz": reduz a dependência dos países do petróleo importado e escasso; garantia de um sistema de produção sustentável com balanço energético elevado (reduz emissões de GEE), co-geração de energia limpa (com uso do bagaço), geração de créditos de carbono, inclusão de pequenos produtores e remuneração adequada; e com capacidade de estabelecer e honrar contratos de longo prazo. E por que isso? Porque é um setor de grande importância sócio-econômica no contexto brasileiro. Segundo dados da Unica, o PIB da cana-de-açúcar é de US$ 68 bilhões (27% do PIB do agronegócio e 7,5% do PIB brasileiro). As mais de 350 unidades industriais envolvem mais de 11.000 produtores independentes de cana. Além da geração de empregos na atividade agrícola e industrial, a cadeia produtiva da cana é responsável por movimentar todos os setores envolvidos a ela. Só para citar um exemplo, o setor de insumos para cana fatura US$ 4 bilhões ao ano e envolve 50 mil fornecedores. Mas não é apenas os setores econômicos que ganham, o governo também recebe aproximadamente R$ 12 bilhões do setor sucroalcooleiro em impostos e taxas. agrícolas. É o etanol de segunda geração, que permite dobrar a produção de álcool no Brasil (com bagaço), sem alterar a produção de cana. Nesse ponto a inserção da Petrobrás é super bem-vinda. E os recursos disponíveis? Para sustentar esse crescimento vertiginoso, não há dúvida que temos recursos financeiros (até mesmo capital estrangeiro), recursos humanos, recursos tecnológicos (CTC, IAC, Indústria de base) e, principalmente, recursos territoriais. O cultivo da canade-açúcar no Brasil ocupa menos de 10% da área cultivada do País, ou seja, menos de 0,5% do território nacional (6 milhões de hectares). Quanto a infra-estrutura de distribuição, cadê os investimentos nos álcooldutos? Por que não uma PPP para construção disso? De qualquer forma, não só para exportação isso é importante. Vemos com muito bons olhos iniciativas das usinas de entrar no mercado de distribuição de combustível, com postos de bandeira branca. Isso contribui para reduzir a volatilidade de preços do álcool e aumentar a competitividade dos canais de distribuição. Agora falta trabalhar melhor a estratégia! Não podemos mostrar ao mundo um setor que corre o risco da intervenção governamental. É preciso segurança institucional. Precisamos e devemos mostrar um setor maduro, bem regulado com regras claras e críveis, com total previsibilidade do quanto precisa ser produzido, quanto precisa ser exportado e quanto precisa ser estocado. Para isso, precisamos de três coisas imediatas: infraestrutura de distribuição, estoques estratégicos e P&D do etanol celulósico. Quanto ao etanol celulósico, tanto a opção americana pelo milho como a européia pela canola (colza) não são as melhores saídas para produção de biocombustíveis, porque concorre diretamente com a produção de alimentos. Isso pode gerar uma pressão inflacionária. Por tudo isso é que esses países estão investindo em tecnologias eficientes para produção de etanol a partir de qualquer fonte de celulose como quaisquer resíduos E, por fim, os estoques reguladores. Além de contribuir para reduzir a volatilidade de preços, os estoques podem melhorar a imagem do setor no Brasil e no Mundo e fornecer segurança do abastecimento no mercado interno e externo. Resta saber quem arcará com esse ônus? *1 - Marcos Fava Neves é engenheiro agrônomo pela Esalq/ USP, mestre e doutor em Administração de Empresas pela FEA-USP. Pós-graduado em Agribusiness & Marketing Europeu na França e em canais de distribuição na Holanda. É coordenador do PENSA/USP (Programa de Estudos dos Negócios do Sistema Agroindustrial). *2 - Marco Antonio Conejero é mestre em Administração de Organizações pela FEARP/ USP; Economista formado pela FEA/USP em São Paulo. É pesquisador do PENSA/USP (Programa de Estudos dos Negócios do Sistema Agroindustrial). Revista Canavieiros - Setembro de 2007 09
  10. 10. Ponto de vista Há área disponível para a cana-de-açúcar sem comprometer as reservas florestais e as demais culturas? Cleber Moraes - Consultor CANAOESTE M. Moraes Consultoria Agronômica Ltda E ste é o tipo de pergunta que causa temor a milhões de brasileiros e estrangeiros que não convivem com a agropecuária brasileira e certa irritação nos agricultores que conhecem mais profundamente o solo brasileiro. A Figura 1 traz o mapa do Brasil, a localização das principais áreas de preservação e a localização das lavouras de cana-de-açúcar na Região Centro-Sul. Existem outras áreas de preservação como parques nacionais e áreas impróprias à produção agrícola que devido à escala do mapa abaixo não aparecem. Apenas para esclarecimento, há também produção de cana-de-açúcar no Nordeste brasileiro, mas, devido à intensa presença de nuvens nesta região, seu mapeamento é muito difícil. Figura 1 – Mapa do Brasil, Principais Áreas de Preservação e Localização da Produção de Canade- açúcar na Região Centro-Sul. Em artigo publicado em 03 de março de 2.004 pela Revista Veja e que pode ser encontrado na internet através do site: http:// veja.abril.uol.com.br/ 030304/p_078.html, destaca-se o tamanho do território brasileiro e a área ocupada à época com pastagem e com agricultura, que praticamente se mantém a mesma até hoje. Áreas são as seguintes: Área total do Território Brasileiro: 851 milhões de ha: A. Área de Preservação e onde não se pode produzir: 463 milhões de ha. B. Área Agricultável: 388 milhões de ha: I. Área com Produção Agrícola: 282 milhões de ha 1. Área de Pastagens: 220 milhões de ha 2. Área com Agricultura: 62 milhões de ha Principais culturas(1): a. Soja: 20,7 milhões de ha; b. Milho: 13,2 milhões de ha; c. Cana-de-açúcar: 6,6 milhões de ha; d. Feijão: 4,3 milhões de ha; e. Arroz: 3,0 milhões de ha; f. Outras Culturas: 14,2 milhões de ha II. Área onde ainda se pode produzir: 106 milhões de ha (1) Atualização com Dados do IBGE para a Safra 2.006 O território brasileiro conta com 851 milhões de hectares, destes 463 milhões de hectares são áreas onde não se pode produzir, isto é, floresta amazônica, mata atlântica, pantanal matogrossense, parques e reservas florestais, etc. Restando 388 milhões de hectares para a agricultura. Fonte: CTC – Centro Mata Atlântica Cana-de-açúcar localizada na região de maior concentração populacional e, diferentemente das outras culturas que só produzem no verão, a cana-de-açúcar continua cobrindo o solo também no inverno, o que faz com que milhões de pessoas, desta área de concentração populacional do país, a vejam o ano todo. Do total de 388 milhões de hectares agricultáveis, 282 milhões de hectares já estão ocupados com a agropecuária, isto é, com agricultura ou pecuária, restando ainda 106 milhões de hectares onde ainda se pode produzir. A área de cana-de-açúcar representa 2,34% da área com Produção Agrícola, 1,70% da área agricultável e 0,78% da área total do país, contudo está 10 Apenas como exemplo, quem vive às margens do Rio Amazonas imagina que nunca faltará água doce no mundo ou que haja um mar de água doce, o que não é verdade, pois a água doce representa 1% do total de água do planeta. Se analisarmos apenas a área total com agricultura no Brasil, dos 282 Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  11. 11. Ponto de vista milhões de hectares, 220 milhões de hectares estão ocupados com pastagens e 62 milhões com agricultura. A área de 220 milhões de hectares de pastagem conta com 207 milhões de cabeças segundo dados do IBGE, a taxa de ocupação é de 0,95 An/ha (Animais por hectare), porém menos de 0,5 UA/ha (Unidade Animal por hectare – 1 UA/ha corresponde a 450 Kg de peso vivo por hectare). Apenas analisando os Cerrados do Brasil Central no site da EMBRAPA destaque-se que: > Existem 45 a 50 milhões de hectares de área de pastagens; > 60% da Produção Nacional de Carne; > 80% da área apresentam algum grau de degradação (Barcellos, 1996); > Índices zootécnicos muito baixos: - Lotação das pastagens: 0,5 UA/ha/ano - Produtividade na faixa de 100 kg de peso vivo/ha/ano Em estudo realizado por Zimmer e Euclides Filhos (1997) constatou que a capacidade de lotação poderia ser dobrada com a adoção de algumas tecnologias já disponíveis como seleção de gramínea adequada, praticas de adubação, calagem, etc, como pode ser visto na tabela apresentada abaixo e que pode ser encontrada no site da EMBRAPA (http://www.cnpgc.embrapa.br/~val/piracicaba/texto/ 03sistema.html) Isto implica que poderia-se liberar cerca de 100 milhões de hectares, mantendo-se exatamente a mesma área explorada e mantendo-se a produção atual de carne do Brasil. 100 milhões de hectares são 15 vezes a área atual de produção de cana-deaçúcar. Restariam ainda 106 milhôes de hectares onde ainda se pode produzir. Em suma, há área disponível para plantar-se 30 vezes a área atual de cana-de-açúcar sem afetar as áreas de preservação ambiental, a produção brasileira das demais culturas e de carne. Contudo é impossível que a canade-açúcar ocupe toda essa área, pois muito antes que toda essa área pu- desse ser ocupada, a tecnologia de produção de álcool a partir de celulose e utilização de célula de combustão ou de hidrogênio haverá avançado, tornando desnecessário um crescimento desta ordem da cultura de cana-de-açúcar. O Brasil é hoje o país com a maior área agricultável disponível no mundo. E mais, área esta com grande potencial de mecanização, sendo por isso fonte de preocupação principalmente para as grandes potências mundiais como Estados Unidos e União Européia, que buscam de toda forma encontrar justificativas para barrar a entrada dos produtos agrícolas brasileiros. O que assistimos atualmente é a busca incessante de argumentos fal- sos apoiada na ignorância local, que visam retardar o avanço da melhor alternativa para a redução do consumo de gasolina, com o objetivo de dar tempo para que Estados Unidos e Europa encontrem nova alternativa tecnológica e com isso evitem importações de álcool do Brasil, já que o álcool de milho é uma alternativa inviável. Vejamos: Tanto a produção de cana-de-açúcar como de milho utilizam-se de fertilizantes, diesel ou biodiesel, tratores, implementos, que por sua vez consumiram energia, em geral petróleo. Além destes bens e insumos é necessária também uma termoelétrica para o processo industrial. No caso da cana-deaçúcar, esta termoelétrica utiliza o próprio bagaço da cana e é um processo autosustentável, mas no milho não, é preciso consumir energia de fora, sendo mais comum o uso de petróleo. Para cada unidade de energia fóssil, isto é, vinda do petróleo, que é consumida no processo de produção do álcool de milho, é gerada 1,2 unidade de energia renovável, assim, se toda a gasolina fosse substituída por álcool de milho, ainda seria preciso extrair 83% do consumo atual de petróleo. Já o álcool de cana-de-açúcar gera 8,3 unidades de energia renovável para cada unidade de energia fóssil consumida, assim, substituindo toda a gasolina por álcool de cana-de-açúcar, seria preciso 12% do consumo atual de petróleo. Mas a grande pergunta é: · Onde é possível produzir canade-açúcar em larga escala? · E a resposta um tanto óbvia é: Em países do terceiro mundo como América do Sul, África e Ásia. · Para quem não tinha entendido o que estava acontecendo, imagino que tenha ficado mais clara a questão. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 11
  12. 12. Notícias Copercana Produção de mudas de cana-de-açúcar na Fazenda Santa Rita Gustavo Nogueira - Gerente do Departamento Técnico Osvaldo Alonso - Consultor Técnico Agronômico D entre as culturas de larga escala, a lavoura canavieira, provavelmente, é a que utiliza o maior peso de material botânico para plantio por unidade de área, ou seja, de 8 a 15 t. ha-1, em função do diâmetro e comprimento dos entre-nós ou do sistema de plantio. Comercialmente, a propagação da cana-de-açúcar é assexuada (vegetativa, através de brotações das gemas dos colmos), podendo mostrar problemas fitossanitários diversos, principalmente doenças sistêmicas, cujo controle requer esmerado nível de manejo no preparo de viveiro para a produção de mudas, que assegure elevada fitossanidade e a indispensável autenticidade varietal. Com a epidemia de carvão e ferrugem na segunda metade da década de 80, significativas áreas de viveiros de mudas não puderam ser utilizadas para plantios comerciais, face à suscetibilidade de muitas variedades a essas doenças. Em função disto, foi necessário empregar outras variedades, mas que não eram provenientes de viveiros de mudas. Essa alternativa, infelizmente, tornou-se rotina na maioria das empresas, expondo as variedades assim utilizadas e as áreas comerciais aos observados danos fitossanitários. O carvão, a ferrugem, o mosaico e o amarelecimento são doenças importantes, atualmente controladas pelos programas de melhoramento, através da seleção de variedades resistentes. Tornam-se, pois necessárias, e mesmo exigíveis, que as técnicas de formação dos viveiros de mudas sadias sejam retomadas, como prática rotineira para excluir ou minimizar possibilidades de indesejáveis epidemias. Dadas as freqüentes ocorrências de esti12 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 agens, é possível que raquitismo da soqueira possa estar causando algum nível de dano. Em escala comercial, existem variedades suscetíveis a esta doença, cujos sintomas não são de fácil percepção, inclusive para os especialistas. Mesmo que seja difícil avaliar o retorno econômico de tratamento térmico de mudas das novas variedades, certamente os investimentos em formação de mudas sadias trarão significativos retornos. Para a obtenção de mudas sadias são necessárias algumas medidas: a) tratamento térmico, visando à eliminação do raquitismo da soqueira; b) roguing - inspeção e eliminação de touceiras que apresentem outras doenças (carvão, mosaico, escaldadura) não controladas pela termoterapia, erradicar eventuais misturas varietais e observar intensidades de incidência de outras doenças como a ferrugem, estrias vermelhas e as consideradas como secundárias. Deve-se assinalar, também, que o sucesso na produção de mudas dependerá dos tratos culturais aplicados aos viveiros como: apuradas adubações de plantio e de cobertura; rigoroso controle de plantas daninhas e de pragas; e efetuar irrigação quando necessárias, objetivando ótima brotação das gemas ou evitar restrição ao desenvolvimento vegetativo por estresse hídrico. Deste modo, os associados e coperados, terão ao seu dispor mudas de cana-de-açúcar em quantidade e, principalmente, qualidade que, certamente, permitirão lavouras mais sadias e produtivas. As diferentes variedades ou cultivares, associadas às condições de clima, solo e manejo, constituem os pilares de sustentação para qualquer projeto agrícola. Os programas de melhoramento genético de cana-de-açúcar têm disponibilizado variedades cada vez mais produtivas e resistentes às principais doenças e pragas, com maior potencial de acúmulo de sacarose e cada vez mais adaptadas às condições atuais de manejo, como para colheita de cana crua, por exemplo. No entanto, todas as etapas de produção de cana-de-açúcar são fortemente influenciadas pela qualidade aplicada ao planejamento do plantel varietal e à formação dos viveiros de mudas para os plantios comerciais e, este planejamento, é um dos principais fatores de produção quali-quantitativa de matéria-prima às unidades industriais. Tratamento térmico A termoterapia de gemas isoladas ou de toletes da cana-de-açúcar, sempre foi e é uma medida recomendada e necessária para controle do raquitismo da soqueira, uma das mais importantes doenças da cana-de-açúcar, causada pela bactéria Leifsonia xyli subsp. xyli. Esta doença foi primeiramente descrita em Queensland na Austrália, em 1944 e em 1989 já havia sido relatada em mais de 60 países. Hoje, é encontrada na quase totalidade das áreas cultivadas com cana-de-açúcar, podendo
  13. 13. Notícias Copercana causar danos superiores a 50% em variedades suscetíveis ou intolerantes. L. xyli subsp. xyli é transmitida por estacas ou colmos-sementes provenientes de plantas doentes. A transmissão ocorre quando facões cortam plantas sadias, depois de utilizados em plantas doentes. Logo, colhedoras e plantadoras de cana-de-açúcar também são responsáveis pela transmissão desta bactéria. Como o nome desta doença sugere, os sintomas externos mais comuns que ocorrem principalmente em soqueiras, são: crescimento lento e irregular, encurtamento dos entre-nós e colmos que, em condições extremas, as plantas infectadas apresentam com aspecto de murcha, necrose nas pontas e bordas das folhas. Internamente, ocorre coloração rosa nos tecidos meristemáticos de plantas jovens e pontuações ou vírgulas avermelhadas nas regiões inferiores dos nós de plantas adultas. Estes sintomas, no entanto, não são específicos do RSD, ocorrem também em função de ataques de outros patógenos, como Fusarium moniliforme, Colletotrichum falcatum, Xanthomonas albilineans, X. campestris pv. vasculorum e Erwinia herbicola. Termoterapia Recomendações Técnicas a Termoterapia Fazenda na Fazenda Santa Rita O tratamento térmico na Fazenda Santa Rita é realizado no mês de março, período em que as temperaturas médias do ar e do solo são ideais para a brotação das gemas. Entretanto, tal período pode ser ajustado às condições ambientais das regiões produtoras de cana-de-açúcar, desde que as temperaturas médias do ar não sejam inferiores a 25°C. A escolha cuidadosa do material a ser utilizado no tratamento térmico deve ser criteriosa, a fim de evitar futuras ocorrências de doenças que não são controladas pela termoterapia e que possam prejudicar a qualidade das mudas. É utilizado materiais de áreas provenientes de viveiros que já foram tratados termicamente, obtendo-se, a cada tratamento, mudas de melhor qualidade sanitária e a idade média das mudas deve ser próxima de 10 meses. A primeira medida a ser tomada, na seleção de colmos para o tratamento térmico, é efetuar as operações de roguing nas áreas selecionadas, visando não utilizar variedades e colmos que apresentem qualquer tipo de doença sistêmica aparente e, também, eliminando-se a possibilidade de misturas varietais, a fim de não comprometer a qualidade dos viveiros préprimários. O roguing deve ser rigoroso em variedades que apresentem alguma suscetibilidade ao vírus do mosaico e escaldadura, doenças que não são controladas pela termoterapia. As mudas resultantes poderão apresentar estas duas doenças e, pior, serem fontes de inóculos às multiplicações futuras. No corte dos colmos para o tratamen- to térmico, sem despalha, os facões devem ser desinfetados com solução de amônia quaternária ou flambados (à fogo) e carregá-las de modo a evitar danos mecânicos às gemas. Em variedades que apresentem despalha natural, as operações de corte, carregamento e transporte requerem mais cuidados. Os colmos, após despalha manual, são fracionados em toletes de uma ou três gemas, descartando as gemas perfuradas por broca, em início de brotação ou algum outro dano. Após esta seleção, as gemas isoladas ou toletes de três gemas são acondicionados em sacos de malhas largas (como os de batata ou amendoim), evitando-se adensamentos, a fim de permi- tir livre circulação da água entre toletes ou gemas. De qualquer modo e em função do tamanho do tanque a ser utilizado, é respeitar uma relação mínima de 6 volumes de água para cada volume de cana. Na Fazenda Santa Rita o tanque de tratamento térmico possui maior capacidade (2.000 litros de água), 10 resistências de 2.500 watts, bomba para circulação forçada de água e painel com termostato para controle da temperatura. Estes equipamentos permitem utilizar toletes de três gemas, que são tratados à temperatura de 50,5°C por duas horas ou à 52°C por 30 minutos. A operação deste equipamento requer pessoal bem treinado. Cuidados no corte das mudas No momento do corte das mudas, os instrumentos de corte são desinfetados para que não haja disseminação de inóculos de doenças para as áreas comerciais. Presume-se que touceiras reconhecidamente doentes tenham sido erradicadas pelo roguing. Porém, esta isenção de infecção pode ser aparente, pois algumas touceiras podem ser portadoras de patógenos, sem que apresentem sintomas, sendo fonte de inóculo por ocasião do corte das mudas. É o que geralmente ocorre com a transmissão de escaldadura e raquitismo. Para esterilizar os equipamentos de corte, é utilizado uma solução composta por amônia quaternária Chemitec (cloreto de alquil-dimetil-benzilamônio) a 30% e Killbac (digluconato de clorhexidina) a 20%. Considerações gerais na condução do viveiro Primeiro, deve-se atentar a todos os detalhes e recomendações técnicas na condução de todas as etapas, principalmente quanto ao roguing e desinfecção dos instrumentos de corte, para que inóculos de doenças não sejam disseminadas, produzindo e fornecendo-se mudas certificadas. O segundo é o momento da colheita. Como ideal, a área deve estar livre de ervas daninhas, caso contrário será necessário redobrar as atenções por ocasião do corte e carregamento (se o corte for manual) dos colmos para não transportar algum propágulo de planta daninha, quer seja sementes, rebentos ou estolões. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 13
  14. 14. Notícias Canaoeste Presidente participa de Congresso no MS Ortolan abordou o relacionamento entre indústrias e fornecedores Cristiane Barão O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, foi um dos palestrantes do Canasul 2007 (1º Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul), realizado nos dias 27 e 28 de agosto, em Campo Grande. O congresso foi realizado pelo governo do Estado junto com as Federações Estaduais da Agricultura e Pecuária (Famasul) e das Indústrias (Fiems), reuniu lideranças de todos os elos da cadeia de produção e cerca de 900 participantes. Em sua palestra, Ortolan abordou "O relacionamento entre indústrias e fornecedores", com destaque para a experiência do Consecana e para a necessidade de os produtores independentes estarem organizados em associações e cooperativas. "Mesmo em setores onde se tem a idéia de que só haja espaço para os grandes, como é o sucroalcooleiro, as cooperativas têm contribuído de forma decisiva para fortalecer o pequeno e médio produtor e prepará-lo para que ele faça parte do atual momento de expansão. É importante que o ingresso de novos produtores na Consecana Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A cultura da cana se dê por meio de associações e cooperativas fortes e organizadas porque elas são a garantia de permanência e crescimento dentro da atividade", ressaltou. O Mato Grosso do Sul conta com 11 usinas instaladas, processando anualmente mais de 15,5 milhões de toneladas de cana. Há ainda 31 novos empreendimentos em andamento, além de outros 31 projetos que se encontram em negociação. O investimento previsto na expansão no setor no Estado até 2012 é de R$ 19 bilhões. CIRCULAR Nº 07/07 DATA: 31 de agosto de 2007 seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de AGOSTO de 2007. O preço médio acumulado do kg de ATR para o mês de AGOSTO é de R$ 0,2506. Os preços de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do álcool anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de ABRIL a AGOSTO e acumulados até AGOSTO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) e os do álcool anidro e hidratado destinados à industria (AAI e AHI), incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do álcool anidro e hidratado, carburante e destinados ao mercado externo, são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de ABRIL a AGOSTO e acumulados até AGOSTO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/07, estão representados nas tabelas ao lado: 14 Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  15. 15. Notícias Canaoeste Canaoeste realiza reunião técnica em Pitangueiras O evento contou com a presença de cooperados e associados da região Da redação N o dia 16 de agosto, foi realizado em Pitangueiras, um Seminário sobre Fertilidade do Solo para Altas Produtividades de Cana-de-Açúcar, promovido pela Canaoeste, SN Centro e Mosaic Fertilizantes. No evento foram ministradas as seguintes palestras: · Manejo da Fertilidade do Solo para Altas Produtividades de Cana-deAçúcar, com o Professor Godofredo C. Vitti da ESALQ/USP. - Benefícios do Uso do Sulfato de Amônio na Cultura de Cana-de-Açúcar, com o Engenheiro Agrônomo, An- tonio de Pádua da SN Centro. - Micronutrientes na Adubação da Cana-de-Açúcar, com Fábio Vale da Mosaic Fertilizantes. O evento contou com a participação de associados e cooperados do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred, de várias regiões, que puderam discutir um assunto atual e de suma importância para o ganho de produtividade, pois, a adubação da canade-açúcar começa com a amostragem e análise de solo, continua com as práticas corretivas (calagem, gessagem e fosfatagem) e termina com a utilização do fertilizante mineral. Segundo o gerente do departamento técnico da Canaoeste, Gustavo Nogueira, “este tipo de evento atualiza os produtores rurais sobre as melhores técnicas a serem adotadas para cuidar da lavoura”, afirmou. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 15
  16. 16. Notícias Cocred Cocred realiza evento beneficente em Batatais Marcelo Massensini 3 mil pessoas compareceram ao Centro de Lazer do Trabalhador para ajudar 9 entidades assistenciais da cidade A lém de se preocupar em oferecer sempre o melhor atendimento e os melhores serviços a seus cooperados, a Cocred investe também em solidariedade. No dia 19 de agosto, a cooperativa realizou o primeiro Cocred em Ação em Batatais. Com o apoio de empresas da cidade - que doaram prêmios sorteados durante o evento - o Cocred em Ação beneficiou nove entidades de Batatais que, juntas, atendem mais de 1.900 pessoas. Cada entidade vendeu, antecipadamente, mais de 2.800 vales-cartelas, que davam direito ao sorteio de uma moto doada pela Cocred, e foram responsáveis pela venda de comida e bebida no local. Durante o evento foram vendidas mais 3.400 cartelas para os outros prêmios. As entidades beneficiadas foram: Adepab, Abadef, Apae, Comarev, Creche Menino Jesus, Cantinho do Futuro, Lar São Vicente, Fundação José Lazzarini e Os Samaritanos. Ao todo, foram arrecadados 34 mil reais, que foram divididos entre as instituições. O gerente da agência de Batatais, César Henrique Sousa e o superintedente da Cocred, Márcio Fernando Meloni, entregaram a moto para Sônia Regina Batista 16 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 Mais de 3 mil pessoas compareceram ao Centro de Lazer do Trabalhador para os sorteios De acordo com o superintendente da Cocred, Márcio Fernando Meloni, eventos como este são tidos como prioridade para a cooperativa que, se preocupa em promover o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida dos moradores da região. "Para isso, nós contamos com a ajuda dos cooperados que, investindo na Cocred, nos ajudam a promover mais eventos como este, com prêmios cada vez melhores, para que possamos ajudar mais as enGANHADORES Sônia Regina Batista Marcilio Santos Luccheta Adriana Paula do Nascimento e Silva Milton Cesar Laurinda Marques Riul Vânia Fonseca Adoniram Fernandes Trovo João Batista dos Santos Eliana Caetano Maria Auxiliadora Dal Picolo Gustavo Ferrão Antônio Carlos Gomes tidades", explica. O Cocred em Ação contou com o apoio da Prefeitura Municipal, Guarda Municipal, Conselho Menor Adolescente, Associação Comercial, Sindicato Rural de Batatais e das empresas: Tristão & Pereira Motos, 3D Informática, Posto São José, Lizote, Rs Guina/Safra Lider, Popimar, Passatempo Bar, DMK Brasil, Supermercados Nori e Guiagro. PRÊMIOS Moto Honda 0km TV 29" TV 20" e DVD Forno Microondas TV 20" Forno a Gás DVD MP3 Player DVD Bicicleta Bicicleta Liquidificador
  17. 17. Notícias Cocred Balancete Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho BALANCETE MENSAL - JULHO/2007 Valores em Reais Revista Canavieiros - Setembro de 2007 17
  18. 18. Notícias Cocred Cocred Batatais: Agricultores da cidade agradecem Marcelo Massensini Criada há menos de dois anos, a agência Cocred de Batatais cresce a cada dia e já possui mais de 330 cooperados E ste mês você conhece a agência Cocred de Batatais. O melhor atendimento, as melhores taxas, prazos, produtos e serviços. Tudo feito para garantir, sempre, a satisfação de seus cooperados. rente. Tem menos taxas e no final do ano nós recebemos participação", completa. Operando na cidade desde dezembro de 2005, a agência já possui mais de 330 cooperados. Um deles é Luis Carlos Tardivo, cooperado desde 1999, antes mesmo da filial ser aberta na cidade. "Na verdade, quando me tornei um cooperado da Cocred, ainda não existia agência em Batatais e era bem difícil de trabalhar. A vinda da cooperativa para a cidade foi uma das melhores coisas que poderiam acontecer para os agricultores da cidade", explica o produtor. Há 14 anos, Tardivo tem um engenho de cachaça em sua propriedade e conta que, até hoje, não precisou de ajuda para manter o negócio. Mas se um dia precisar a Cocred seria a primeira opção. "Lá nós temos acesso com facilidade e o atendimento é muito bom. Em um banco, mesmo quando sou bem atendido, demora muito mais", explica. "Na cooperativa de crédito é totalmente dife- Fachada da agência Cocred de Batatais: 330 cooperados em menos de 2 anos. O produtor rural e presidente do Sindicato Rural de Batatais, André Scavazza Bianco, é cooperado há pouco mais de 1 ano e, aos poucos, transferiu todas as movimentações que possuía em bancos para a Cocred. "A cooperativa me atraiu O cooperado e presidente do Sindicato Rural de Batatas, André Scavazza Bianco: “Eu não tenho medo nem dúvidas em recomendar aos agricultores que venham e se tornem um cooperado da Cocred”. 18 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 pelos serviços diferenciados e tratamento digno. Não existem filas, as instalações do banco são adequadas, e os funcionários são capacitados e muito simpáticos", diz. "Durante esse período que sou cooperado eu não tenho críticas negativas a fazer", completa. Ainda segundo Scavazza, além do atendimento a Cocred possui uma série de outras vantagens que atraem e satisfazem os cooperados. "(Na cooperativa) existe uma burocracia muito menor, linhas de financiamento a mais, etc. Isso tudo traz um conforto maior", explica e completa: "além disso, ela se preocupa com a área social. Há pouco tempo foi realizado o Cocred em Ação aqui na cidade (página 16), que é mais um motivo para nos aproximarmos da Cocred. Ela mostrou interesse na nossa cidade e isso é muito importante". Para Luis Carlos Tardivo, o principal atrativo são os princípios cooperativistas defendidos pela Cocred. "Estamos indo no caminho certo. Indo devagar, trabalhando em conjunto. Cada vez mais, se nos unirmos, a cooperativa vai trazer mais retorno para gente e vice versa", termina. O cooperado Luis Carlos Tardivo, seu filho Fernando Tardivo e o gerente da agência de Batatais, César Henrique de Sousa.
  19. 19. Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  20. 20. Reportagem de Capa 500 ANOS DE CANA-DE 500 ANOS DE CANA-DE Desde a época do descobrimento do Brasil, variedades de diferentes procedênc Carla Rossini A história da cana-de-açúcar se confunde com a própria história do Brasil. Desde a época do descobrimento, com a fundação das primeiras cidades, a cana-de-açúcar está presente até o desenvolvimento da tecnologia para fabricação do açúcar e do álcool. Segundo alguns historiadores a cana teria chegado ao Brasil em 1532, na expedição de Martim Afonso de Souza e aqui a gramínea se espalhou com a ajuda do clima tropical e da mão-de-obra dos escravos. Mas, ocorre que outros historiadores dizem que em 1501, a cana já teria sido trazida as terras brasileiras, uma vez que na época das Grandes Navegações, a Europa procurava por áreas cultiváveis que pudessem prosperar a cana, cujo produto, o açúcar, era escasso e caro no continente Europeu. Para o diretor do Centro de Cana e coordenador do Programa Cana IAC (Instituto Agronômico de Campinas), Marcos Guimarães de Andrade Landell, possivelmente os historiadores que aceitam a idéia da chegada da cana em 1501 estão certos. "Eles tem razão porque a cana naquela época era um grande negócio para os portugueses e existem informações de que o quilo do açúcar chegou a valer o equivalente ao quilo do ouro", afirma Marcos. Mas, que tipo de variedade de cana os portugueses trouxeram para as novas terras? Na época, Portugal plantava cana nas Ilhas de Cabo Verde, Açores e Madeira e será que o Brasil tinha terras apropriadas para a cultura? Essa história foi reconstruída num jardim varietal com 300 variedades de cana-de-açúcar, no Centro de Cana de Açúcar do IAC, em Ribeirão Preto. Lá, estão variedades como a Creoula - primeiro tipo a ser cultiva20 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 do em terras brasileiras - até futuras variedades que serão lançadas pelo instituto no final de 2007. Resultado de muito trabalho, a importância da coleção está em contribuir para a preservação da variação genética da cana-de-açúcar, ser- vindo como repositório de material de importância atual e potencial. Para a sociedade, os benefícios consistem na possibilidade oferecida aos interessados em conhecer parte da história da cana-de-açúcar e em valorizar a manutenção de bancos para a pesquisa atual e futura. A cana-de-açúcar A cana-de-açúcar é uma planta que pertence ao gênero Saccharum. Há pelo menos seis espécies do gênero, sendo a cana-de-açúcar cultivada um híbrido multiespecífico, recebendo a designação "Saccharum spp.". As espécies de cana-de-açúcar são provenientes do Sudeste Asiático. Landell explica que a Creoula não é uma espécie de cana única, ela é um híbrido natural de duas espécies de Saccharum, a S.officinarum e a S.barberi. "A Creoula era um tipo de cana rústica, que apresentava baixo potencial de acúmulo de sacarose, mas com boa adaptação onde era plantada. Ela foi cultivada aqui no Brasil, durante pelo menos 300 anos", afirma o pesquisador. Mas, por volta de 1800, a Creoula começou a apresentar problemas com doenças, principalmente o mosaico, e assim foram introduzidas as chamadas canas nobres, que nada mais era que tipos representantes da espécie Saccharum officinarum, dentre elas a cana Caiana, que foi trazida da Guiana. Suas principais características era a maciez, doçura e um bom diâmetro dos colmos. As canas nobres começaram a serem plantadas no Brasil, no início do século XIX e foram muito importantes na substituição da Creoula. Durante 100 anos, elas dominaram o cultivo no território brasileiro. Em 1922, houve um surto de Mosaico (doença) no Estado de São Paulo, que dizimou os canaviais paulistas. Segundo Marcos, "em 5 anos, a produção que era de 1 milhão de sacas de açúcar foi reduzida para 100 mil sacas. Foi nesse momento que começou a
  21. 21. Reportagem de Capa DE-AÇÚCAR NO BRASIL DE-AÇÚCAR NO BRASIL ências ajudaram a tornar o país o maior e melhor produtor de cana-de-açúcar surgir os programas de melhoramento genético com cana-de-açúcar". Com a catástrofe que ocorreu nos canaviais paulistas, algumas usinas, começaram a importar variedades de cana-de-açúcar de Java, onde existia um programa de melhoramento de cana, e assim, foram trazidas as canas conhecidas como POJs, sendo as principais POJ36 e POJ213. Em 1930, foram introduzidas as variedades indianas, originárias de Coimbatore que apresentavam melhor adaptação as condições paulistas. As mais cultivadas foram a Co281, Co290, Co312 e Co313. Essas variedades eram consideradas "estrelas" e chegavam a ocupar áreas de até 50% do território nacional. A partir daí, começaram a ganhar destaque os programas de melhoramento no Brasil. O IAC e Campos-RJ foram os precursores e atuaram de forma contínua. Na década de 50, começaram a serem lançadas as primeiras variedades brasileiras, do programa Campos. O IAC lançou sua primeira variedade em 1959. Na década de 60, o IAC lançou uma variedade importantíssima até hoje: IAC48-65 que é mãe da SP70-1143 que, por sua vez, inaugurou uma linha de rusticidade de quem faz parte variedades importantes na atualidade como a SP83-2847 e a IAC87-3396. Com o Proalcool, na década de 70, os agricultores iniciaram o cultivo em novas áreas, com baixa fertilidade, o que tornou a variedade SP701143 que apresentava características rústicas, a variedade mais plantada no Estado de São Paulo. No período que se seguiu a isto, iniciou-se uma nova fase da cultura de cana-de-açúcar: os grupos varietais. Esta tendência se consolidou com o aparecimento da doença conhecida como amarelinho da canade-açúcar na variedade SP71-6163 no início da década de 90. Assim, desde este período deixou de existir somente uma variedade ocupando uma grande área de cultivo. Na atualidade, predominam os grupos varietais, formado por variedades que dividem a responsabilidade de sustentar a produtividade da canavicultura brasileira. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 21
  22. 22. Reportagem de Capa O surgimento dos programas de melhoramento Os programas de melhoramento genético da cana-de-açúcar foram promovendo freqüentes ganhos de produtividade. Há 100 anos, a produção era de 30 a 40 toneladas por hectare e atualmente, a produtividade média é de 90 toneladas por hectare. Creoula Caiana Hoje a cana-de-açúcar é uma das culturas agrícolas mais importantes do mundo, gerando milhares de empregos, fonte de renda e desenvolvimento. O setor sucroalcooleiro brasileiro despertou o interesse de diversos países, principalmente pelo baixo custo de produção de açúcar e álcool. Espécies POJ2878 "Essa evolução se deve a programas de melhoramento como a Copersucar, o Planalsucar, a Ridesa, o IAC, o CTC e a Canaviallis que está chegando agora no mercado. Todos esses programas atuam hoje de forma positiva para o crescimento e sustentabilidade do negócio da cana", afirma Landell. POJ213 A cana-de-açúcar também vem ganhando destaque num momento em que a conservação do meio ambiente e a redução das emissões de poluentes ganham os olhares do planeta. "Somos os melhores e maiores produtores de cana do mundo e conseguimos atingir esse patamar graças às pesquisas e a disponibilidade de todas as variedades que já foram e ainda estão sendo cultivadas. Cada uma no seu tempo, com a sua contribuição e importância", finaliza Landell. Mauro Alexandre Xavier - Pesquisador Cientifíco do Centro de Cana do IAC e coordenador do Jardim Varietal IAC47-31 SP70-1143 IAC48-65 RB72454 SP80-1842 IAC87-3396 } Proálcool 1980 } CO419 22 CB45-3 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 Variedades que serão lançadas até 2008
  23. 23. Reportagem de Capa Revista Canavieiros - Setembro de 2007 23
  24. 24. Destaque Fenasucro & Agrocana 2007 Com maior tempo para visitação e público direcionado, as feiras pretendem superar o faturamento dos anos anteriores. Marcelo Massensini E ntre os dias 18 e 21 de setembro, Sertãozinho será a sede das duas maiores feiras do setor sucroalcooleiro, do mundo. Pela terceira vez, a Fenasucro & Agrocana acontecem simultaneamente no Centro de Eventos Zanini. Mas este ano, devido ao grande crescimento da indústria canavieira para atender a demanda de etanol no Brasil e no mundo, o evento apresenta algumas novidades para facilitar o contato entre expositores e visitantes como: aumento no horário de visitação e foco maior em empresas e profissionais que realmente atuam no setor. "Promovemos algumas benfeitorias na infra-estrutura, como a criação de uma recepção vip internacional, a ampliação dos estacionamentos e criação de novas opções de alimentação", explica Fernando Barbosa, diretor da promotora Multiplus. A Fenasucro terá estandes das principais empresas fornecedoras do setor, com produtos ligados às áreas de utilidades, serviços, automação e instrumentação, elétrica, caldeiraria e mecânica pesada, química e derivados, energia e outros. Já na Agrocana os destaques são os equipamentos e insumos voltados para o preparo de solo, plantio, tratos culturais e colheita da cana-de-açúcar. Graças a atual repercussão, os organizadores das feiras esperam um público de 25 mil pessoas. A Agrocana conta ainda com o apoio do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred, que terá um estande na feira para mostrar todas as vantagens oferecidas a seus cooperados e associados. A Fenasucro será realizada dentro do Pavilhão I, (16 mil metros quadrados de área), no Pavilhão II e numa área externa do Centro de Eventos Zanini (com mais de 8 mil metros quadrados). Já a Agrocana ocupará o espaço externo do recinto, numa área de 24 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 A organização prevê um público de 25 mil pessoas aproximadamente 18 mil metros quadrados. O Centro fica localizado às margens da Rodovia Armando de Salles Oliveira, na saída de Sertãozinho para Bebedouro. O horário de funcionamento das Feiras é das 10h às 20h30, mas a entrada de visitantes pré-credenciados acontecerá somente até às 19 horas. O evento é direcionado apenas para convidados já credenciados ou profissionais que possam comprovar sua atuação direta no setor sucroalcooleiro. Para os demais, haverá uma bilheteria funcionando das 10 às 18 horas, com um preço de R$ 50,00. Juntas, as duas feiras reunirão 420 expositores. PROGRAMAÇÃO PARALELA Durante as Feiras, os visitantes ainda contarão com uma ampla programação de eventos simultâneos, como o Fórum Internacional sobre o Futuro do Álcool, o Brasil Cana Show, o Encontro de Negócios, o Prêmio MasterCana e o Seminário Gegis. O Fórum Internacional sobre o Futuro do Álcool acontecerá no dia 17 de setembro no Teatro Municipal de Sertãozinho, e contará com a presença de diversas autoridades e lideranças do setor. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva falará sobre “A Relação do Setor Sucroalcooleiro com o Meio Ambiente”. Outros nomes de peso já têm presença confirmada no Fórum: Marcos Sawaya Jank, presidente da Unica; Paulo Adalberto Zanetti, presidente da Vale do Ivaí; Roberto Isao Kishinami, presidente da NRG - Energia e Meio Ambiente; Luis Carlos Guedes Pinto, vice-pre- sidente de Agronegócios do Banco do Brasil; Adriano de Oliveira e Egon Krakhecke, do Ministério do Meio Ambiente; e Antônio Eduardo Tonielo, presidente da Copercana, Cocred e do Sindicato Rural de Sertãozinho. “O crescimento ideal e o tamanho do Mercado Mundial” (do etanol) é outro assunto do Fórum de Abertura das Feiras e reúne os debatedores Maria Antonieta Andrade Souza, superintendente de Biocombustíveis da ANP; Paulo Francisco de Siqueira Costa, secretário executivo da IETHA; Plínio Nastari, presidente da Datagro; Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento e Preços da Petrobras; e Roberto Rodrigues, ex-ministro e coordenador do Centro de Agronegócios da FGV. Mais informações sobre as feiras e as palestras nos sites: www.fenasucro.com.br e www.agrocana.com.br.
  25. 25. Destaque Feacoop fecha em R$ 162 milhões Feira de Agronegócios Coopercitrus supera em 47% o faturamento de 2006 Da Redação A oitava edição da Feacoop (Feira de Agronegócio Coopercitrus), realizada entre 8 e 10 de agosto, faturou R$ 162 milhões, 47% superior aos R$ 110 milhões obtidos em 2006. Cerca de 12 mil pessoas visitaram a feira. O volume de comercialização no setor de insumos chegou à casa de R$ 130 milhões, expressando mais vendas para a cultura de citros, que correspondeu a 46% das vendas. Cana, 31%, café, 9%, soja e milho, 6% são as culturas que também ajudaram a obter o resultado. "É uma grande satisfação perceber que esta foi à feira de Citros, para a área de Insumos. Isto quer dizer que o citricultor volta a demonstrar crescimento", afirmou o ge- rente do setor comercial de Insumos, Jair Guessi. Para o setor, as vendas em longo prazo foram praticadas com mais ênfase: R$ 90 milhões contra R$ 40 milhões em curto prazo. O setor de máquinas e implementos foi responsável por R$ 32 milhões do total de vendas. O setor de grãos realizou operações de troca de 20 mil sacas de café de produtores por insumos agrícolas. Embora a operação tenha sido praticada para culturas como soja e milho, foi a cultura cafeeira a maior responsável pela movimentação do setor na feira. Segundo Nicolau Nemer, gerente do setor de Grãos Coopercitrus, a procura pela operação por produtores de grãos foi menor devido ao panorama que a cultura enfrenta, "mas as operações deverão ser feitas com mais ênfase a partir de setembro", afirmou. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 37
  26. 26. Safra Canavieira Acompanhamento da qualidade da matéria-prima da safra 2.007/2.008 Por Thiago de Andrade Silva Assistente de Controle Agrícola da CANAOESTE C om os dados até a 2ª quinzena de julho, é possível fazermos uma primeira análise do andamento da Safra. Na Tabela 1, podemos observar os teores médios de ATR do início da safra até a 2ª quinzena de julho em Kg/ tonelada das Safra 2.006/2.007 e a Safra atual 2.007/2.008, sendo que o teor de ATR da safra 2.007/2.008 até a 2ª quinzena de julho está com 7,99 Kg de ATR/tonelada abaixo do teor médio de ATR da Safra 2.006/2.007 no mesmo período. Apenas como observação, todas as análises neste artigo serão feitas sem considerar o ATR Relativo, isto é, será considerado o ATR Convencional. Apenas como referência o teor médio de ATR Convencional da cana entregue por Fornecedores associados à CANAOESTE até a 2ª quinzena de julho da Safra 2.007/2.008 é de 135,17 kg de ATR, conforme apresentado na Tabela 1, e o teor médio de ATR Relativo, para o mesmo período é de 145,37 kg de ATR que está sujeito a alteração em função do ATRus (teor médio de ATR da Usina na Safra) de fechamento de Safra. Nas tabelas 2 e 3, são apresentados mais detalhes da qualidade tecnológica média da matéria-prima das safras 2.006/2.007 e 2.007/2.008. Tabela 2 – Dados Tecnológicos Médios das Canas Entregues até a 2ª quinzena de julho por Fornecedores da CANAOESTE na Safra 2.006/2.007 Tabela 3 – Dados Tecnológicos Médios das Canas Entregues até a 2ª quinzena de julho por Fornecedores da CANAOESTE na Safra 2.007/2.008 Tabela 1 - Teor médio de ATR (Kg/ton) das Canas Entregues por Fornecedores da CANAOESTE da Safra 2.006/2.007 e da Safra atual 2.007/2.008 até a 2ª quinzena de julho O Brix (%) da Safra 2.007/2.008 começou abaixo do Brix (%) da Safra 2.006/ 2.007, mas a partir da 2ª quinzena de abril ultrapassou o Brix (%) da Safra 2.006/ 2.007 até a 2ª quinzena de maio, quando, novamente, voltou a ficar abaixo do Brix (%) da Safra 2.006/2.007, havendo uma diferença considerável a partir da 2ª quinzena de junho até a 2ª quinzena de julho. 26 Revista Canavieiros - Setembro de 2007
  27. 27. Safra Canavieira Gráfico 1 – Comparativo das Médias de Brix (%) A Pureza do Caldo (%) da Safra 2.007/2.008 foi sempre inferior ao da Safra 2.006/2.007, exceto na 1ª quinzena de abril. Gráfico 5 – Comparativo das Médias de Pureza do Caldo (%) O mesmo comportamento do Brix (%) ocorreu com o Pol do Caldo (%). Gráfico 2 - Comparativo das Médias de Pol do Caldo (%) Observa-se que as chuvas acima da média em maio e julho, causaram uma queda expressiva, em junho e julho, do Brix (%), Pol do Caldo (%) e consequentemente da Pol da Cana (%), resultando na queda no teor de ATR. Isso fez com que a diferença na média do teor de ATR fosse de 7,99 kg de ATR em relação a Safra 2.006/2.007. Excetuando-se a 2ª quinzena de abril e a 1ª quinzena de maio, em todas as demais, o teor de ATR da Safra 2.007/2.008 sempre foi inferior à Safra 2.006/2.007. Gráfico 6 – Comparativo das Médias de Açúcares Totais Recuperáveis - ATR (Kg/tonelada) Os teores de Fibra (%) das quinzenas em análise estiveram próximas, exceto na 1ª quinzena de maio e 2ª quinzena de julho. Gráfico 3 - Comparativo das Médias de Fibra (%) O índice pluviométrico de janeiro de 2.007 ficou acima do dobro da média de 2.006, porém em fevereiro ocorreu o inverso. Já em março de 2007 a média de chuvas ficou um pouco abaixo da média de 2006. E nos meses de abril e junho os índices foram muito próximos. Já nos meses de maio e julho observamos chuvas expressivas apenas em 2007. Gráfico 7 - Comparativo das Médias de Chuvas (mm) A Pol da Cana (%) da Safra 2.007/2.008 começou pouco abaixo da Safra 2.006/ 2.007, superou a partir da 2ª quinzena de abril até a 1ª quinzena de maio, ficando muito próxima na 2ª quinzena de maio. Já a partir da 1ª quinzena de junho os teores de Pol da Cana (%) da Safra 2.007/2.008 ficaram bem inferiores aos da Safra 2.006/2.007. Gráfico 4 - Comparativo das Médias de Pol da Cana - PC (%) Analisando trimestralmente, em 2.007 sempre houve um volume maior de chuvas que em 2.006. Gráfico 8 – Comparativo das Médias de Chuvas (mm) por Trimestre Revista Canavieiros - Setembro de 2007 27
  28. 28. Informações setoriais CHUVAS DE AGOSTO e Prognósticos Climáticos N o quadro abaixo, estão anotadas as chuvas que ocorreram na região de abrangência da CANAOESTE durante o mês de agosto de 2007. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste Mapa 1: - Água Disponível no Solo entre 20 a 22 de agosto de 2007. O Mapa 1, acima, mostra claramente que, desde meados de agosto, o índice de Água Disponível no Solo já se apresentava como crítico em toda área canavieira do Estado de São Paulo. 28 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 Não houve ocorrência de chuvas nos locais habitualmente observados ou consultados. O que contribui para melhores operações de colheita e melhor qualidade da matéria prima, notadamente, durante a segunda quinzena de agosto e até então (ou, pelas previsões meteorológicas), até o início da primavera) Mapa 2: - Água Disponível no Solo ao final de agosto de 2006. Comparando-se os mapas 2 e 3 mostram que, ao final de agosto destes dois anos, toda região canavieira do Estado de São Paulo apresentava-se com índices críticos de Água Disponível no Solo.
  29. 29. Informações setoriais Mapa 3: Água Disponível no Solo ao final de agosto de 2007. Como subsídio a planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de setembro a novembro. - Na faixa equatorial do Oceano Pacífico, próximo à costa do Equador e Peru, as condições térmicas atmosféricas e (negativas)do mar não ficaram bem pronunciadas para ocorrência do fenômeno La Niña, · A temperatura média poderá ser acima ou ligeiramente acima nas normais climáticas em toda região Centro Sul do Brasil; · Quanto às chuvas previstas para os meses de setembro a novembro, estas poderão “ficar” abaixo das respectivas médias históricas nos Estados de Goiás, Mato Grosso, larga faixa norte do Estado do Mato Grosso do Sul e faixas oeste dos Estados de Minas Gerais e São Paulo. Nas demais áreas da Região Centro Sul do Brasil as chuvas poderão ficar próximas das normalidades climáticas. · Exemplificando para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, as médias históricas pelo Centro Apta-IAC, são de 55mm em setembro, 130mm em outubro e 215mm em novembro. Lembrando as Reuniões Técnicas realizadas entre julho e início de agosto, a CANAOESTE volta recomendar que revisem e deixem “tinindo” os equipamentos para tratos culturais, adubações e pulverizadores de herbicidas, pois as chuvas estão próximas. Quando muito, a partir do início da primavera. Deve-se acrescentar, ainda, que tratos culturais mecânicos mais enérgicos (por exemplo, as escarificações) são dispensáveis em áreas que não sofreram pisoteios, mesmo após chuvas de 40-50mm. Também nas áreas que tenham sido colhidas no início da safra e não foram cultivadas na época, os cultivos enérgicos não são recomendados, pois após o reinício das chuvas o sistema radicular terá condições, com rapidez, para emitir novas raízes, principalmente, as de absorção de água e nutrientes. Os cultivos profundos nestes casos, cortam estas raízes e as pesquisas mostraram que tais cultivos provocam danos em produtividades. Por outro lado, devem atentar para o controle do mato, preferentemente em pré-emergência, desde que a umidade do solo permita. Lembrando, ainda, que face às previsões efetuadas pela Somar Meteorologia, a CANAOESTE recomenda muita atenção às Umidades Relativas do Ar durante a primeira quinzena de setembro. Persistindo dúvidas, consultem os Técnicos mais próximos. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 29
  30. 30. Artigo Técnico Adubação da cultura da cana de açúcar: porque o Nitrogênio e o Enxofre são tão importantes Antonio de Padua Cruz 1 Eduardo S. Spolidorio 2 O nitrogênio (N) e o enxofre (S) são dois importantes nutrientes para a cultura da cana-de-açúcar, visto que no primeiro corte, para produzir 100 t de colmos, a cultura consome cerca de 150 kg.ha-1 de N e 50 kg.ha-1 de S. Nos demais cortes a cultura consome 130 kg.ha-1 de N e 40 kg.ha-1 de S (Malavolta,1989). Mas o que tem aumentado a importância desses nutrientes é que, com o advento do sistema de colheita de cana crua, o manejo correto dos fertilizantes que contem Nitrogênio e Enxofre requer atenção especial para se obter o máximo retorno econômico da adubação. A colheita de cana crua é uma tendência irreversível pelos benefícios que essa prática traz ao solo e ao meio ambiente. Porém, a enorme quantidade de palha remanescente na superfície do solo vai exigir - pelo menos num primeiro instante - uma quantidade maior de N e S mineral para evitar que ocorra uma deficiência desses nutrientes, induzida pela alta relação carbono/nitrogênio dos restos culturais. Os números apresentados na tabela 1 (abaixo) mostram que a decomposição da "palhada" em condições naturais ocorre de maneira bastante lenta. Outro fenômeno que assume maior importância na adubação da cana soca, em áreas onde se faz a colheita sem “despalha” a fogo (cana crua), são as perdas de nitrogênio por volatilização, quando a uréia é a fonte de N utilizada. Os dados obtidos por Vitti (2003) e apresentados na figura 1 mostram que em áreas de cana crua, adubadas com uréia em faixas e em área total, houve um aproveitamento de 48,7% e 51,8%, do nitrogênio do fertilizante, enquanto que nas áreas adubadas com sulfato de amônio o aproveitamento foi respectivamente de 69,3% e 71,6%. Figura 1: Recuperação do nitrogênio do sulfato de amônio e da uréia na dose de 70 kg.ha-1, aplicados em faixa e em área total retido pelo sistema (solo-cana-de-açúcarpalha). Fonte: Vitti, A., 2003. 30 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 Sabemos que uréia é o fertilizante nitrogenado mais disponível no mundo e também é o que tem o nitrogênio mais barato. Diante disso, o que fazer para aumentar a eficiência da adubação nitrogenada? A substituição da uréia pelo nitrato de amônio na adubação da cana soca pode resolver o problema da volatilização, contudo eleva o custo da adubação e gera os problemas de armazenamento e manuseio que naturalmente ocorrem com as fórmulas com nitrato de amônio (“melamento e empedramento”). Muitos trabalhos têm sido conduzidos buscando reduzir as perdas do nitrogênio, proveniente da uréia, por volatilização de amônia. Uma alternativa é a associação de diferentes fontes nitrogenadas objetivando reduzir essas perdas, e aumentar o aproveitamento do nitrogênio do fertilizante pela planta. Nesse particular a mistura de sulfato de amônio com uréia apresenta inúmeras vantagens sobre as demais misturas nitrogenadas. Destacando-se, em primeiro lugar, a redução das perdas de nitrogênio por volatilização (figura 2). Figura 2: Efeito da associação de sulfato de amônio (SAM) e uréia na redução do nitrogênio percentual volatilizado. Fonte: Vitti, G. C.; et al., 2002.
  31. 31. Artigo Técnico A segunda e grande vantagem da introdução do Sulfato de Amônio, no programa de adubação da cana-de-açúcar é o fato de que essa é uma maneira prática e econômica de fornecer enxofre, juntamente com o N, para essa cultura. A análise econômica, baseada nesses resultados de campo, mostra um aumento do lucro líquido de R$ 292,08 na cana-planta e de R$ 370,04 na canasoca, quando parte do N da uréia é substituído pelo sulfato de amônio no programa de adubação da cultura. Malavolta e outros colaboradores conduziram experimentos de campo, com a cultura da cana-de-açúcar, em diversas regiões do Estado de São Paulo, onde se avaliou a inclusão do Sulfato de Amônio no programa de adubação. Os resultados obtidos em Guariba –SP, na cana planta e na cana soca, encontram-se na figura 3. * Fonte: Sulfato de Amônio Obs.: Preços médios praticados em agosto de 2007. Tabela 2: Análise econômica dos experimentos utilizando S (sulfato de amônio) na adubação em cana planta e cana-soca em experimentos na região de Guariba-SP. Elaborado com base nos resultados obtidos de Malavolta, 1989. Não nos esqueçamos que, na adubação, tão ou mais importante que os critérios de ordem financeira são os critérios de ordem técnica, pois a adubação mais cara que existe é a adubação mal feita. Por isso, quando for adquirir o seu fertilizante procure saber como esse fertilizante foi produzido. Isso poderá aumentar o retorno econômico da adubação do seu canavial. Eng. Agr (MS), Gerente Técnico do Grupo de Marketing do Sulf-N Sulfato de Amônio. Eng. Agr (Dr), Assessor Agronômico do Grupo de Marketing do Sulf-N Sulfato de Amônio. *1 *2 Figura 3: Aumento de produtividade de colmos com a adição de S (sulfato de amônio) na adubação de cana-planta e cana-soca. Médias de quatro repetições na região de Guariba-SP. Fonte: Adaptado de Malavolta, 1989. Bibliografia LARA CABEZAS, W.A.R. Comportamento dos adubos nitrogenados em clima e solo de cerrado. Revista Plantio Direto Especial Cerrado, v. 45, p. 52-60, 1998. MALAVOLTA, E. Efeitos de doses e fontes de enxofre em culturas de interesse econômico –V- Cana-de-açúcar. São Paulo: SN-Centro de Pesquisa e promoção de Sulfato de Amônio; n.5, p. 1-50, 1989. OLIVEIRA, M.W.; et al. Decomposição e liberação de nutrientes da palhada de cana-de-açúcar em campo. Scientia Agrícola, 1999. PENATTI, C.P. Manejo de nitrogênio em cana colhida sem queimar. STAB Açúcar, Álcool e Subprodutos, v. 18, nº 5, p. 29, 2000. VITTI, A. C., Adubação da cana-de-açúcar (soqueira) colhida mecanicamente sem a queima prévia: manejo e efeito na produtividade. Piracicaba, 2003. 114p.Tese (doutorado).- Centro de Energia Nuculear na Agricultura. VITTI, G.C. et .al., Influência da mistura de sulfato de amônio com uréia sobre a volatilização de nitrogênio amonical. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.26: p. 663-671, 2002. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 31
  32. 32. Legislação Protocolo Agroambiental do Setor Canavieiro C omo foi amplamente divulgado em todos os meios de comunicação, no dia 04 (quatro) de Junho deste ano foi celebrado entre o Governo do Estado de São Paulo, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento e a União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (UNICA), um protocolo de cooperação visando a adoção de ações destinadas à consolidar o desenvolvimento sustentável da indústria da cana-de-açúcar, denominado pelo setor de protocolo agroambiental. Referido protocolo que, aliás, é de adesão voluntária por parte das indústrias, traz uma série de diretivas técnicas que devem ser cumpridas, tais como o reflorestamento das áreas de preservação permanente de nascentes, implantação de projetos técnicos de conservação de recursos hídricos e de solo, adoção de práticas destinadas à minimização da poluição atmosférica, dentre outras. Destaca-se entre as diversas diretivas técnicas o item que antecipa o fim da queima da palha como método despalhador da cana-de-açúcar para o ano de 2014, em áreas passíveis de mecanização e 2017, em áreas não mecanizáveis. Além disso, a indústria que aderir ao protocolo, cumprindo integralmente as diretivas técnicas receberá um Certificado de Conformidade Agroambiental, concedido pelo Governo do Estado de São Paulo, documento este que representa uma imagem positiva da unidade industrial e do setor sucroalcooleiro, além de ser útil nas relações comerciais, mormente as de exportação, nas relações financeiras, nas relações institucionais junto aos próprios órgãos governamentais, dentre outras que aqui não convêm enumerar. Visando zelar pela operacionalidade das ações, estabelecendo metodologias para avaliação das metas e podendo propor ajustes ao aludido protocolo, 32 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 além de definir critérios técnicos para expedição e renovação do Certificado de Conformidade Agro-ambiental, foi constituído um Grupo Executivo, composto de três membros titulares e três suplentes, tendo como seus titulares integrantes da Secretaria da Agricultura (01), da Secretaria do Meio Ambiente (01) e da ÚNICA (01). Neste último dia 05 (cinco) de setembro, no auditório do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), em Piracicaba, em reunião conjunta do Comitê de Meio Ambiente do CTC/UNICA, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, formalizou-se a regulamentação do protocolo, disciplinando a forma de cadastramento do produtor, que se dará através do "site" www.ambiente.sp.gov.br, a partir do qual o próprio produtor cria um plano de ação cuja fiscalização ficará a cargo da Secretaria do Meio Ambiente. À par disso tudo, é importante salientar que os produtores de cana-deaçúcar independentes não participaram do protocolo assinado pelas industrias, pela evidente diferença entre ambos, tais como: a capacidade técnica, logística e financeira para aderir à mecanização, motivo pelo qual necessitam de um prazo mais dilatado para a eliminação do uso do fogo; dispensabilidade de implementação de alguns projetos descritos no protocolo, visto serem eminentemente industriais; dentre outras peculiaridades que cada classe possui e que devem ser respeitadas. Paralelamente a isto, a Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro Sul do Brasil (ORPLANA), entidade representativa dos produtores de cana-de-açúcar independentes, juntamente com o Governo Estadual, representado pelas Secretarias do Meio Ambiente e da Agricultura, vêm confeccionando um Protocolo Agro- ambiental a ser oferecido aos seus associados, documento este que já se encontra em fase final de formalização e que, segundo integrantes do Governo e Juliano Bortoloti - Advogado da ORPLANA, é Departamento Jurídico Canaoeste semelhante ao avençado com os industriais, com algumas alterações no que diz respeito às atividades meramente de indústria, devendo ser assinado ainda no mês de Setembro de 2007. Desta forma, como se trata de um protocolo de cooperação mútua entre o Governo e o setor privado é de se aguardar que os produtores de cana-de-açúcar, acompanhando as indústrias de açúcar e álcool aderentes, assim como as exigências governamentais, façam a adesão ao Protocolo de Cooperação Agro-ambiental a si destinados, uma vez que se trata de um processo irreversível, aliado ao fato de que tal atitude significará uma melhora na imagem do setor canavieiro como um todo e, ainda, no estreitamento das relações para com os órgãos governamentais. - QUEIMA IMPORTANTE Foi disponibilizado no “site” da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (www.ambiente.sp.gov.br), através do “link” Queima da Palha de Cana, na data de 12.09.2007, a informação de que o produtor terá o prazo de até 72 horas para efetuar a queimada, a partir da data prevista em sua comunicação eletrônica à referida Secretaria.
  33. 33. Pragas e Doenças Controle integrado de pragas urbanas Regina Claudia Del Grande Aires Supervisão de Processo de Secagem da Copercana A estrutura do Controle Integrado de Pragas (CIP) foi criada para minimizar o uso abusivo e indiscriminado de praguicidas. A necessidade de um sistema de controle de pragas no qual fosse empregado o mínimo de produtos químicos foi um anseio de ambientalistas e profissionais preocupados com a contaminação gerada por práticas de controle inadequado. Atualmente esta necessidade é prioritária nas áreas urbanas e industriais, onde antigos métodos baseados exclusivamente no residual dos princípios ativos colocavam em risco o meio ambiente, a qualidade de vida dos usuários e a dos produtos fabricados. Diante disso, o CIP é um trabalho que pode ser definido como um sistema que incorpora e integra ações preventivas e corretivas destinadas a minimizar os riscos de ocorrência de insetos, aracnídeos e roedores que possam gerar problemas significativos. Em geral, a presença e a proliferação de pragas estão ligadas principalmente ao fato do próprio homem fornecer condições favoráveis de abrigo, alimentação, acesso e disponibilidade de água. Essas situações propiciam a reprodução desenfreada das pragas. Para controle desses insetos é realizado um serviço conhecido como desinsetização, que compreende a pulverização de produtos inseticidas líquidos ou em formulação gel em pontos específicos, sempre levando em conside- ração o tipo de praga encontrada, as características biológicas desses animais e as características do ambiente a ser tratado. Dependendo da espécie infestante e das condições do local, podem ser utilizadas armadilhas de captura: luminosas e biológicas. Quando se constata a ocorrência de roedores, é preciso realizar a desratização através da inspeção dos setores e instalação de dispositivos porta iscas raticidas para controle químico destes animais ou dispositivos para captura. É necessário identificar a praga e o motivo da infestação para realizar o tratamento necessário. A preocupação não é só com o controle, mas também com as medidas preventivas que impedem a proliferação das pragas. Higiene, barreiras físicas e organização são as palavras de ordem. A formação de uma educação para mudança de hábito é imprescindível, fazendo parte de medidas corretivas. A Copercana, preocupada com o armazenamento do amendoim, é parceira da Astral - maior empresa de con- Regina Claudia Del Grande Aires trole de pragas urbanas do Brasil. A preocupação com o meio ambiente, qualidade na mão-de-obra através do uso correto de equipamentos e produtos, rapidez e seriedade no trabalho executado são as prioridades da parceria entre a Copercana e a Astral que vem permitindo a obtenção de excelentes resultados. O armazenamento e a secagem são itens de suma importância para o amendoim, o que fez a Unidade de Grãos da Copercana - UNAME, buscar uma parceria com a Universidade Federal de Viçosa. Junto com a professora Dra. Leda Favaroni, especialista em secagem, armazenagem e controle de pragas, a UNAME vem desenvolvendo um trabalho para treinar e capacitar sua equipe de funcionários e assim evitar a proliferação de pragas dentro dos seus armazéns. Funcionário da empresa Astral durante aplicação no barracão de armazenamento de Amendoim da UNAME O objetivo da UNAME é satisfazer os seus clientes e cooperados, fornecendo produtos de qualidade nos mercados interno e externo. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 33
  34. 34. Semana de Administração Unesp Jaboticabal realiza II Semana de Administração Palestras e cases foram apresentados aos alunos do curso de administração Da Redação D e 27 a 31 de agosto, aconteceu no Centro de Convenções da Faculdade de Ciências Agrárias e veterinárias da UNESP Jaboticabal a II Semana de Administração. Uma média de 200 pessoas por dia comparecem nas palestras com os seguintes temas: 1 - Mercados e Habilidades necessárias 2 - Gerenciamento de Projetos 3 - Administração Rural 4 - Mercado de Luxo 5 - Empresas Virtuais 34 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 Segundo a comissão organizadora, o objetivo do evento foi intensificar o contato entre a universidade e as organizações por meio de palestras que demonstrem a aplicação na prática organizacional. O destaque deste ano foi o tema Administração Rural, que aconteceu na quarta-feira (29), com a palestra "A administração Porteira adentro", ministrada pelo professor da ESALQ, Dr. Fernando Curi Peres. Em seguida, o engenheiro agrônomo e empresário rural, Paulo de Araújo Rodrigues que é sócio-gerente da Fazenda Santa Isa- bel, demonstrou um "case" sobre a administração da propriedade.
  35. 35. Foto: Antoninho Perri - Ascom - Unicamp “A prioridade agora deve ser a capacitação dos trabalhadores rurais, para que eles sejam recolocados no mercado de trabalho até 2015, quando não haverá mais o corte de cana manual”. Iza Barbosa, consultora de Responsabilidade Social da Unica (União da Indústria de Cana-deAçúcar) durante palestra sobre Responsabilidade Social Corporativa e Agronegócio, em Ribeirão Preto. Foto: Agência Brasil “Com a hidrólise desses materiais haverá um aproveitamento integral da cana-deaçúcar e maior produção de etanol em relação à área plantada. Estimativas conservadoras apontam para um aumento de 35% a 40% a mais do combustível”. Pesquisadores e professor da Unicamp, Carlos Eduardo Rossell. Segundo ele o Brasil está novamente numa situação privilegiada, pois parte do bagaço remanescente, após a extração do açúcar poderá ser usado para produzir combustível. O mesmo irá acontecer futuramente com a palha da cana, que hoje é queimada. “O Brasil não tem poupado esforços na difusão dos benefícios que os biocombustíveis podem trazer”. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, durante encontro que reuniu, no Rio de Janeiro, ministros de Meio Ambiente e Relações Exteriores de 22 países. Eles discutiram o aperfeiçoamento de políticas ambientais internacionais. Foto: Agência Brasil Foto: Divulgação Unica Repercutiu “Eles já importam etanol do Brasil, mas precisam aumentar consideravelmente. Eles produzem muito pouco e a partir de trigo e cevada, o nosso é economicamente muito mais rentável em todos os sentidos”. A embaixadora Maria Edileuza Fontenele Reis, chefe do Departamento da Europa do Ministério das Relações Exteriores, sobre a viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Estocolmo, capital da Suécia, nos dias 11 e 12 de setembro. Revista Canavieiros - Setembro de 2007 37
  36. 36. Biblioteca “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” "AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO BRASIL" Márcia Azanha Ferraz Dias de Moraes Pery Francisco Assis Shikida Cultura Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português 1) Os papéis estavam “IMPRIMIDOS” e prontos para serem entregues ao cliente. Desta forma, com o erro de Português, não haverá entrega. Renata Carone Sborgia* Vamos a explicação, prezado amigo leitor: IMPRESSO: deve ser empregado com os verbos ser e estar. Ex.: ser impresso, estavam impressos. IMPRIMIDO: deve ser usado com os verbos ter e haver. Ex.: tem imprimido, haviam imprimido. 2) E agora: IMPLANTAR ou IMPLEMENTAR??? Dica fácil: IMPLANTAR - é dar início, fixar (se), estabelecer (se). Ex.: É um sistema novo que ainda não foi implantado na empresa. IMPLEMENTAR - é desenvolver, pôr em prática. Ex.: Os projetos para 2007 já estão aprovados, falta só implantá-los. E sta obra procura construir um espaço pluralista e de natureza científica sobre temáticas relacionadas à agroindústria canavieira, pautandose unicamente pela excelência acadêmica e técnica. O livro inicia com a questão da desregulamentação, as novas formas de atuação do Estado e de modelos de gestão dessa agroindústria, temática de importância no atual ambiente institucional/ concorrencial experimentado pelo setor. Com a desregulamentação, surge a necessidade de enfatizar os efeitos e desafios das novas tecnologias na agroindústria canavieira. Esse contexto, aliado à maior abertura comercial do Brasil, torna importantes as análises de temas ligados ao comércio internacional e barreiras protecionistas no mercado de açúcar, o desenvolvimento de um mercado internacional para o álcool combustível e a inserção do produto brasileiro, novas formas de comercialização dos produtos dessa cadeia produtiva, bem como as oportunidades que se apresentam no mercado de carbono e na cogeração de energia elétrica. Com esse elenco de temas, rigorosamente discutidos por autores das mais diversas áreas e formações, o leitor poderá ter elementos para discutir, técnica e cientificamente, sobre evolução, desenvolvimento e desafios da agroindústria canavieira no Brasil. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)39463300 - Ramal 2016 36 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 3) Ele “VAI A” Portugal este mês ou Ele “VAI PARA”Portugal??? Prezado amigo leitor, o verbo IR A indica curta permanência. O verbo IR PARA dá a idéia de destinação, demora, não curta permanência. Ex.: Ele vai a Portugal este mês.(vai e volta de forma breve, rápida) Ele vai para Portugal no final do ano.(vai e fica durante algum tempo, forma mais demorada de permanecer em algum lugar) * Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Consultora de Português, MBA em Direito e Gestão Educacional, Escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia
  37. 37. Agende-se Outubro de 2007 Curso de Armazenamento de Grãos Data: 01 a 05 de outubro de 2007 Local: Sede do CENTREINAR (Centro Nacional de Treinamento em Armazenagem) - Viçosa - MG Temática: O Curso de Armazenamento de Grãos oferecido pelo CENTREINAR tem como objetivo treinar os profissionais que atuam na Área de Armazenamento a como armazenar bem os grãos de tal forma que as perdas quantitativas e qualitativas inerentes aos diversos processos de armazenagem sejam as mínimas possíveis. Mais Informações: (31) 3891-2270 ENERBIO 2007 - Feira Internacional de Agroenergia, Biocombustíveis e Energias Renováveis Data: 09 a 11 de outubro de 2007 Local: Blue Tree Park Brasília Hotel - Brasília - DF Temática: A Enerbio/2006 se consolidou como um dos mais importantes eventos internacionais de agroenergia e biocombustíveis promovidos no ano, reunindo expositores, participantes nos eventos paralelos e simultâneos e visitantes do país e do exterior. Um dos pontos altos do conjunto de eventos foi a infra-estrutura oferecida pelos organizadores no Blue Tree Park Brasília Hotel e a qualidade do seu público-alvo. Mais Informações: (11) 4154-2366 FENACOOP 2007 Data: 03 a 05 de outubro de 2007 Local: Centro de Convenções Frei Caneca - São Paulo - SP Temática: O sucesso alcançado em suas duas primeiras edições nos autoriza a profetizar que a Fenacoop 2007, seguramente, será ainda maior e mais estimulante para o cooperativismo brasileiro mostrar a sua força, e sobretudo, seu grande potencial que movimenta anualmente R$ 90 bilhões e exporta US$ 2 bilhões. Tudo isso aliado ao profissionalismo na condução dos preparativos e na organização, dão a garantia dos excelentes resultados que vêm sendo alcançados pela Fenacoop. Mais Informações: (11) 2193-7740 V Congresso Brasileiro de Agroecologia Data: 01 a 04 de outubro de 2007 Local: Centro de Convenções do SESC - Guarapari - ES Te m á t i c a : A A s s o c i a ç ã o B r a s i l e i r a d e Agroecologia (ABA-Agroecologia) promoverá no Espírito Santo, em outubro de 2007, o V CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROECOLOGIA. O CBA tem oportunizado a reunião de cerca de 3000 profissionais, estudantes e agricultores de todo o país para intercambiar conhecimentos, experiências e promover deliberações e orientações para a ação da entidade e a promoção da Agroecologia. Mais Informações: (27) 3371-5217 Seminário de Tendências de Mercado e Projeções para o Suprimento de Soja, Milho, Carnes e Bionergia para 2007 e 2008 Data: 26 de outubro de 2007 Local: Hotel Deville Curitiba - Curitiba - PR Temática: O evento contará com as palestras: "As Tendências para o Mercado de Milho" e As Tendências para o Mercado de Carnes, por Paulo R.Molinari, Economista e Analista de SAFRAS & Mercado; "As Tendências para o clima na safra 2007/08", por Luiz Renato Lazinski, Meteorologista do Inmet; "As Tendências para o Mercado de Soja", por Flávio Roberto de França Jr, Economista e Analista de SAFRAS & Mercado; e "As Tendências para o Mercado de Bioenergia - Álcool e Biodiesel", por Miguel Biegai Junior, Economista e Analista de SAFRAS & Mercado. Mais Informações: (51) 3224-7039 Palestra sobre Ferramentas para Logística e Gestão na Produção Canavieira Data: 31de outubro de 2007 Local: Anfiteatro do Pavilhão de Engenharia da ESALQ/ USP - Piracicaba - SP Temática: O objetivo do evento é trazer informação e motivação para a melhoria da logística e gestão através da informatização do setor sucroalcooleiro e estreitar as relações entre as empresas fornecedoras de serviços, produtores e pesquisadores. Mais Informações: (19) 3417-6604 Revista Canavieiros - Setembro de 2007 37

×