Aniversário de Campinas

377 visualizações

Publicada em

Em comemoração ao aniversário de 242 de Campinas, o jornal Correio Popular publica matéria sobre os institutos de pesquisa ligados à APTA, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aniversário de Campinas

  1. 1. C ampinas concentra o mais importante polo de tecnologia agrícola do Brasil, por unir um grande número de institutos de pesquisa na área - Instituto Agronômico (IAC), Instituto Biológico (IB), e Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), todos sob a batuta da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo com a missão de gerenciar as atividades científicas e tecnológicas voltadas ao agronegócio. Somente na cidade a Apta coordena um time de 255 pesquisadores e 400 servidores alocados nos três institutos, e administra um orçamento anual de R$ 103 milhões da receita do Estado, 90% empregado no pagamento de salários, e mais R$ 34 milhões provenientes da iniciativa privada, que aposta na capacidade dos institutos para o desenvolvimento de pesquisas e novas tecnologias. De acordo com o coordenador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), Orlando Melo de Castro, o agronegócio é um viés importante da economia e só no ano passado gerou R$ 7 bilhões de Produto Interno Bruto (PIB) nos 25 municípios da regional Campinas, desse montante R$ 1,1 bilhão corresponde ao Valor de Produção Agrícola (VPA), aquilo que sai do campo. A região é forte em frango, uva, cana de açúcar e uma grande variedade de frutas. Se o consumidor encontra hoje uma grande variedade de frutas o ano todo, produtos mais resistentes e com menor uso de agroquímicos, alimentos semiprocessados com melhor preservação de suas características, deve muito dessas conquistas ao incansável trabalho dos pesquisadores dos institutos da Apta em Campinas. Castro diz que a diminuição do uso de agroquímicos nas lavouras está relacionada à tecnologia do controle biológico, a partir dos "insetos do bem" desenvolvidos no Instituto Biológico, no Centro Experimental da Fazenda Mato Dentro. "A partir da assessoria e tecnologia desenvolvida no IB muitas empresas na região montaram biofábrica. Existem unidades em Valinhos e Indaiatuba, por exemplo", diz o coordenador da Apta. As contribuições do Ital, que centraliza toda a pesquisa em Campinas, e bem antes do surgimento de cursos superiores na área de alimentos era o único centro de pesquisa do setor. De acordo com Castro, suas contribuições abrangem desde o processamento de carnes e outros produtos, passando por tecnologia empregada em embalagens e o melhoramento em bebidas lácteas e outros derivados do leite. "São tecnologias que fazem muita diferença para as pequenas e microempresas de bebidas e alimentos. Campinas tem um número grande de empresas desse ramo e o trabalho do Ital ajuda a elevar a saudabilidade dos produtos nas prateleiras", ressalta. Na visão do coordenador da Apta, os avanços a partir do pioneirismo no passado construíram em Campinas um legado de pesquisa, que reflete no presente e projeta a cidade para o futuro, sempre buscando inovações que atendam às necessidades da população, seja com a solução de uma praga ou uma nova variedade de produtos. A agricultura avança com foco na sustentabilidade, novos produtos com qualidades incorporadas e embalagens que reduzam as perdas. As instituições do setor buscam agora a integração de pesquisas e cooperação no novo modelo do agropolo. Campinas reúne grande número de institutos de pesquisa na área, como IAC, IB e ITAL CAMPINAS, 242 ANOS. SER O PRIMEIRO SHOPPING DE CAMPINAS NOS ENCHE DE ORGULHO. NÃO PELO PIONEIRISMO, MAS POR NOS PERMITIR CRESCER JUNTOS E CONTRIBUIR COM 36 DESSES 242 ANOS. ENTRE UMA CIDADE ACOLHEDORA E UMA COSMOPOLITA, NOS ORGULHAMOS DE TER ESCOLHIDO AS DUAS. IGUATEMICAMPINAS.COM.BR Nascida em 14 de julho Cidade é polo de tecnologia agrícola “Campinas não foi só a cidade onde eu nasci e cresci, é o lugar que posso chamar de lar. E quem não tem um lugar preferido na cidade? Eu adoro a Lagoa do Taquaral, onde é possível apreciar a natureza em meio à cidade. Campinas mistura o ar de uma cidade grande com toda a calmaria do nosso Interior, parabéns Campinas ! E obrigada por tudo que me proporcionou até hoje!” Caroline Batalha Dias Rosa Menali, nascida em 14/07/1987 Orlando Melo de Castro, coordenador da Apta: o agronegócio é um viés importante da economia AGRICULTURA CAMPINAS, 242 ANOS CORREIO POPULAR E13 Campinas, quinta-feira, 14 de julho de 2016
  2. 2. R eferência internacional, o Instituto Agronômico de Campinas completou 129 anos de uma história construída no avanço tecnológico e empenho de pesquisadores comprometidos com a inovação no ambiente agrícola. No IAC trabalham 433 profissionais considerando as unidades de outras cidades, entre os quais 152 pesquisadores, que só se dedicam a pesquisas contínuas. Atualmente, estão em andamento 282 projetos de pesquisa em diversas áreas. Sérgio Augusto Morais Carbonell, diretor-geral do Instituto Agronômico (IAC), diz que as pesquisas do IAC estão no dia a dia dos brasileiros, já que a tecnologia do IAC está presente em muitos dos produtos usados no cotidiano. A lista abrange café, plantas aromáticas, roupas de algodão, arroz e feijão importante dupla no prato do brasileiro, o suco de laranja e o etanol. As pesquisas em melhoramento vegetal recebem grande investimento e somam, ao longo de 129 anos de trabalho, a colocação no mercado de 1039 cultivares, de 99 espécies. O Instituto Agronômico (IAC) dedica-se ao melhoramento genético convencional de plantas agrícolas e aos pacotes tecnológicos que envolvem essas espécies, desde o plantio à colheita, incluindo estudos de solo, clima, pragas e doenças e segurança e eficiência na aplicação de agrotóxicos. Só no ano passado foram lançadas 15 cultivares, de milho, milho pipoca, sorgo vassoura e plantas ornamentais, além do registro de um software e um depósito de patentes. O trabalho do IAC atraí à atenção de diversos países e recebeu, em 2015, visitantes de 24 países dos cinco continentes. "Os pacotes tecnológicos do Instituto Agronômico estão em vários estados do Brasil porque têm eficiência comprovada nas diferentes situações de clima, solo e disponibilidade hídrica brasileiras. Cultivares de feijão, trigo, cana, citros e café, por exemplo, representam seguramente o alicerce da agricultura nacional", diz Carbonell. Além da sede do IAC com 10 hectares, o Centro Experimental Central soma mais 720 hectares, além de 1 mil hectares considerando a soma das áreas dos Centros avançados em Ribeirão Preto, Cordeirópolis, Votuporanga e Jundiaí. Para dar suporte ao trabalho, o IAC deve receber até o final do ano, R$ 2,6 milhões do Tesouro do Estado de São Paulo, R$ 6 milhões do Fundo Especial de Despesas e R$ 25 milhões de agências de fomento e projetos com a iniciativa privada. Para o futuro, Carbonell diz que o IAC está realinhando as pesquisas de acordo com as demandas. O Instituto vem investindo nos laboratórios de referência, como os Laboratórios de Análise Física do Solo, Análise de Fertilizantes e Resíduos, Análise de Fertilidade do Solo, Sementes e o Quarentenário. O Instituto também está envolvido com o Agropolo Campinas-Brasil, com o objetivo de discutir estratégias para que os potenciais agrícolas do país sejam plenamente aproveitados sem prejuízos à sustentabilidade. Atualmente, estão em andamento 282 projetos de pesquisa em diversas áreas IAC, 129 anos, referência internacional HOJE Nascida em 14 de julho "Gosto muito da minha cidade. Pena que a data do aniversário passe despercebida porque resolveram comemorar em 8 de dezembro, dia da padroeira. Isso causa muita confusão. Tem gente que nem se toca que dia 14 de julho é o dia de Campinas, mas isso não me impede de sempre lembrar que é o dia da cidade. Cresci na região do Taquaral, quando a lagoa ainda não era cercada. É um lugar de muitas recordações e, na minha opinião, uma das melhores atrações da cidade porque reúne opções para todas as idades." Maria Antonia Bonareti Fortunato, nascida em 14/07/1957 ONTEM O trabalho do Instituto recebeu, em 2015, visitantes de 24 países dos cinco continentes: pesquisas alinhadas de acordo com as demandas Avenida Salles de Oliveira, na Vila Industrial, em 1978, imagem do arquivo CEDOC/Rac, e em foto atual de Dominique Torquato INSTITUTO AGRONÔMICO E14 CORREIO POPULAR CAMPINAS, 242 ANOS Campinas, quinta-feira, 14 de julho de 2016

×