Aula de Histologia Animal (Power Point)

28.263 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
25 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12.375
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
800
Comentários
1
Gostaram
25
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de Histologia Animal (Power Point)

  1. 1. HISTOLOGIA ANIMAL PROFESSOR VASCO
  2. 2. TIPOS DE TECIDOS ANIMAIS EPITELIAL CONJUNTIVO NERVOSO MUSCULAR
  3. 3. TECIDO EPITELIAL Características: • As células são justapostas ( bem unidas ) • Praticamente não possuem substância intercelular • Não possui vasos sanguíneos (É avascularizado) • Obs.: O tecido epitelial por não apresentar vasos sanguíneos recebe nutrientes por difusão a partir de vasos sanguíneos encontrados no tecido conjuntivo subjacente ( ex. derme). • LÂMINA BASAL: é uma região de glicoproteínas que promove a adesão entre os dois tecidos(epitelial e conjuntivo), promovendo a nutrição do tecido epitelial através do processo de difusão.
  4. 4. Funções do Tecido Epitelial • • • • Proteção Revestimento Secreção de substâncias Absorção ( através, por exemplo, das microvilosidades intestinais; que aumentam a absorção de nutrientes) • Percepção Sensorial (sentidos)
  5. 5. OBSERVAÇÃO • Pele - É constituída por tecido epitelial (epiderme) e por tecido conjuntivo (derme) que reveste o corpo externamente. Tipos de membranas de Tecido Epitelial: • Mucosa - É constituída por tecido epitelial e tecido conjuntivo que reveste internamente cavidades como nariz, boca, estômago etc. O papel da mucosa é dar proteção. • Serosa - É constituída por tecido epitelial e tecido conjuntivo que reveste externamente certos órgãos: coração (pericárdio), os pulmões (pleura) e órgãos abdominais (peritônio)
  6. 6. TIPOS DE TECIDOS EPITELIAIS Tecido Epitelial de Revestimento • Esse tecido reveste o corpo tanto externo (epiderme) quanto internamente. (Ex. epitélio nasal, bucal, intestinal etc.) Epitélio Glandular • É aquele que se origina através da proliferação de células epiteliais de revestimento, formando glândulas endócrinas (ex. tireóide, hipófise ) e exócrinas ( ex. lacrimais, sudoríparas )
  7. 7. Tecido Epitelial de Revestimento CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO NÚMERO DE CAMADAS DE CÉLULAS • Epitélio Simples ou Monoestratificado - é aquele que possui apenas uma camada de células. Ex. : Endotélio ( é um tipo de epitélio simples que reveste internamente os vasos sangüíneos) • Epitélio Estratificado ou Pluriestratificado - é aquele que possui várias camadas de células epidérmicas • Epitélio Pseudoestratificado - é constituído por apenas uma camada de células, porém de tamanhos diferentes, dando a falsa idéia de várias camadas. Ex.: Traquéia
  8. 8. CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA DAS CÉLULAS • Pavimentoso : células achatadas, bem unidas, lembrando ladrilhos. Ex. Endotélio dos vasos sanguíneos • Cúbico : células com forma cúbica. Ex. Ovários • Cilíndrico ou Prismático : células alongadas. Ex. Intestino • De Transição : a forma das células depende da contração e da distensão do órgão. Ex. Bexiga • Observação : O tecido pavimentoso estratificado dependendo do local ( órgão ou cavidade ) pode apresentar queratina ( proteína impermeabilizante) . Ex.: Superfície epitelial da pele – queratinizada ; Esôfago – não queratinizado
  9. 9. Epitélio Glandular
  10. 10. TIPOS DE GLÂNDULAS QUANTO AO LOCAL DE ELIMINAÇÃO DE SUAS SECREÇÕES Glândulas exócrinas : • São aquelas que lançam suas secreções em cavidades ou superfícies do corpo através de canais ou dutos. Glândulas salivares, glândulas mamárias, glândulas sudoríparas, glândulas lacrimais. Glândulas endócrinas : • São aquelas que eliminam suas secreções (hormônios) diretamente na corrente sangüíneas. Essas glândulas não possuem canais. Como a hipófise, Tireóide, Supra- Renal. Glândulas mistas ou Anfícrinas • São Aquelas que possuem funções endócrinas e exócrinas. • Pâncreas : insulina -> sangue (função endócrina) suco pancreático-> intestino delgado (função exócrina) • Ovário: progesterona -> sangue (endócrina) e óvulo -> Tuba uterina (exócrina)
  11. 11. • TIPOS DE GLÂNDULAS QUANTO AO MODO DE ELIMINAÇÃO DE SUAS SECREÇÕES: • Glândulas Merócrinas São aquelas que eliminam somente as secreções ficando suas células intactas. Glândulas Lacrimais, Glândulas Salivares, Glândulas Sudoríparas. • Glândulas Apócrinas São aquelas que eliminam parte (pedaço) das células junto da secreção. Glândula mamária. • Glândulas Holócrinas São aquelas que eliminam células juntamente com a secreção. Glândulas Sebáceas.
  12. 12. TECIDO CONJUNTIVO • Apresenta abundância de substância intercelular. • Apresenta polimorfismo celular ( vários tipos de células com funções específicas), como por exemplo: . Macrófagos – fagocitam agentes estranhos atuando na defesa do organismo. . Adipócitos – armazenam gordura como reserva de energia. . Plasmócitos – produzem anticorpos. . Mastócitos – liberam heparina e histamina. . Leucócitos – glóbulos brancos de defesa no sangue.
  13. 13. CLASSIFICAÇÃO DE TECIDO CONJUNTIVO 1) Tecido conjuntivo propriamente dito: - É o mais abundante . De acordo com a quantidade de fibras protéicas , pode ser dividido em : . Frouxo : mais flexível, apresentando menor quantidade de fibras, envolve nervos e músculos. . Denso : rico em fibras colágenas ; mais rígido ; é encontrado nos tendões ( Modelado com fibras organizadas ) e na epiderme ( Não modelado, com fibras sem organização).
  14. 14. 2) Tecido Adiposo • Suas células armazenam gordura ( lipídios). • Funções: reserva energética, proteção mecânica, isolante térmico. • Pode ser classificado em : - Unilocular : células adiposas apresentam no citoplasma apenas uma única gota de gordura , cuja quebra libera energia para o metabolismo. Predomina no adulto. Produz o hormônio LEPTINA que diminui o apetite e aumenta o gasto de energia. - Multilocular : células adiposas apresentam várias gotículas de gordura no citoplasma, cuja quebra fornece energia na forma de calor. Predomina nos recém-nascidos e em animais que hibernam.
  15. 15. TECIDO ADIPOSO UNILOCULAR TECIDO ADIPOSO MULTILOCULAR
  16. 16. 3) Tecido Reticular ou Hematopoético • Responsável pela formação sanguínea. • É encontrado : - Na medula óssea vermelha sendo chamado Tecido Mielóide. Forma células do sangue ( hemácias e leucócitos ) e plaquetas. - Nos órgãos linfáticos, como Timo, Tonsilas e Baço , sendo chamado Tecido Linfóide ( rico em linfócitos, macrófagos e plasmócitos).
  17. 17. Sangue • Formado por duas partes: - Plasma : porção líquida do sangue, apresentando cerca de 7% de proteínas, 0,9% de sais inorgânicos e 2,1% de compostos orgânicos ( aminoácidos, vitaminas, hormônios, etc). - Elementos figurados : Hemácias (glóbulos vermelhos ou eritrócitos ), Leucócitos ( glóbulos brancos ) e Plaquetas. . Principais proteínas do sangue: Albumina e Imunoglobulinas ( anticorpos ).
  18. 18. HEMÁCIAS • São os glóbulos vermelhos do sangue, também chamadas Eritrócitos. • São anucleadas. • Apresentam o pigmento respiratório Hemoglobina, responsável pelo transporte de O2 e CO2 . • Sua taxa varia de acordo com : - Idade, Sexo ( maior nos homens ) e Altitude ( maior altitude, maior taxa de hemácias, pois o ar é rarefeito ). • A maior parte do O2 é transportada pela hemoglobina na forma de Oxiemoglobina. • Uma pequena porcentagem de CO2 é transportada pela hemoglobina na forma de Carboemoglobina. A maior parte do CO2 é tranportada pelo plasma na forma de íon bicarbonato.
  19. 19. LEUCÓCITOS • São os glóbulos brancos do sangue que atuam na defesa do organismo. • De acordo com a presença de grânulos no citoplasma , podem ser classificados em: - GRANULÓCITOS : com presença de grânulos. - AGRANULÓCITOS : ausência de grânulos.
  20. 20. RESPOSTA IMUNITÁRIA • Resposta Imunitária Primária: É quando o antígeno é exposto pela primeira vez ao organismo, estimulando a produção de anticorpos de forma mais lenta e em menor quantidade. • Resposta Imunitária Secundária: Quando o antígeno é exposto pela segunda vez ao organismo e devido à memória do sistema imunológico a produção de anticorpos será mais rápida e em maior quantidade.
  21. 21. PLAQUETAS • Não são células, mas fragmentos anucleados de células denominadas megacariócitos. • Promovem o processo de coagulação sanguínea. • Trombocitopenia (ou plaquetopenia) é a diminuição do número de plaquetas no sangue. • Trombocitose (ou plaquetose) é o aumento do número de plaquetas no sangue.
  22. 22. 3) TECIDO CARTILAGINOSO • Não possui vascularização, bem como nervos e vasos linfáticos. • É nutrido pelos capilares do pericôndrio (tecido conjuntivo que envolve o cartilaginoso) . • As cartilagens que revestem os ossos das articulações móveis não possuem o pericôndrio, sendo assim recebem nutrientes do líquido sinovial presente nas cavidades articulares
  23. 23. TIPOS DE CÉLULAS CARTILAGINOSAS • CONDROBLASTOS: -Formam fibras colágenas e reticulares que constituem a substância fundamental das cartilagens. -Tem alta atividade metabólica. • CONDRÓCITOS: -Resultantes da diminuição da atividade metabólica dos condroblastos. -Localizam-se em lacunas na matriz cartilaginosa.
  24. 24. TIPOS DE CARTILAGENS • Cartilagem hialina: é a mais comum no organismo e sua matriz possui fibrilas delicadas de colágeno. É responsável por formar o primeiro esqueleto do embrião, presente entre a diáfise e a epífise de ossos longos, sendo responsável pelo crescimento do osso em extensão. Nos adultos, ela está presente na traquéia, na parede das fossas nasais, brônquios e extremidades das costelas e recobrindo as superfícies articulares dos ossos longos. • Cartilagem elástica: possui escassas fibrilas de colágeno e um grande número de fibras elásticas. É encontrada no pavilhão auditivo, no conduto auditivo externo, na trompa de Eustáquio, na epiglote e na cartilagem da laringe. • Cartilagem fibrosa: possui matriz formada por fibras de colágeno. Este tipo de cartilagem é encontrada nos discos intervertebrais, nos pontos de inserção de alguns tendões e ligamentos e na sínfese pubiana.
  25. 25. 4) Tecido ósseo • Promove a formação do osso que atua na sustentação do corpo. • Ossos são órgãos ricos em vasos sanguíneos, também apresentando Tecido Reticular, Adiposo, Cartilaginoso e Nervoso. • Conjunto de ossos do corpo = Sistema Esquelético. • Funções do Sistema Esquelético: -Sustentação; -Movimento do corpo; -Proteção de órgãos internos; -Armazenamento de minerais e íons; -Produção de células sanguíneas ( função hematopoética) -Armazenamento de lipídios na medula óssea amarela.
  26. 26. • O osso é revestido internamente e externamente por uma camadas de tecido conjuntivo denominada Endósteo e Periósteo, respectivamente. Matriz Óssea: - Adulto : cerca de 50% constituída de material inorgânico (Ex.: Cálcio, Fosfato, Magnésio) e 50% material orgânico (Ex.: colágeno). - Sob ação de ácidos a matriz óssea sofre descalcificação, ficando apenas colágeno, tornando o osso flexível. Tipos de células ósseas: - Osteoblastos - Osteoclastos - Osteócitos
  27. 27. • Osteoblastos: - Células jovens, com alta atividade metabólica. - Produzem parte da matriz óssea, incorporando minerais. • Osteócitos: - Resultantes da diminuição da atividade dos osteoblastos. - Promovem a manutenção do tecido ósseo. - Situadas em lacunas no tecido ósseo que se comunicam através de prolongamentos ( canalículos) e estes com canais centrais ( Canais de Havers ) onde passam vasos e nervos. • Osteoclastos: - Promovem a destruição da matriz óssea por ação de enzimas para que ocorra renovação do tecido ósseo. - Promove a reabsorção da matriz óssea. - Atua em processos de regeneração óssea.
  28. 28. NUTRIÇÃO DO TECIDO ÓSSEO • Ocorre através dos Canais de Havers ( ou Centrais) e Canais de Volkmann ( ou Perfurantes) por onde passam vasos capilares que trazem nutrientes para as células do tecido ósseo. • Através dos canalículos existentes no tecido comunicando as lacunas (osteoplastos) onde se localizam os osteócitos, ocorrem as transferências dos nutrientes entre as células ósseas.
  29. 29. OSSIFICAÇÃO INTRAMEMBRANOSA : - - Ocorre a partir de membrana de tecido conjuntivo embrionário. Origina ossos chatos. Nessa membrana conjuntiva existem pontos ( centros ) de ossificação , onde ocorre diferenciação de células mesenquimatosas ( células de tecido embrionário) em osteoblastos que passam a produzir fibras colágenas. Com o aumento desses centros de ossificação, ocorrem deposição de sais inorgânicos e os osteoblastos passam a ocupar lacunas e se diferenciam em osteócitos. ENDOCONDRAL : - É o processo mais comum, onde ocorre substituição de cartilagem hialina embrionária por osso. Forma ossos longos
  30. 30. Ossoficação Endocondral – a mais comum
  31. 31. TECIDO MUSCULAR • Relacionado ao movimento dos membros e visceras. • Células ( MIÓCITOS ou FIBRAS MUSCULARES ) são alongadas. • Os miócitos são ricos em proteinas filamentosas (miofilamentos) responsáveis pela contração e distensão das células musculares. Ex.: Actina e Miosina. • OBS: - SARCOLEMA - membrana plasmática do miócito - SARCOPLASMA – citoplasma do miócito - RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO – retículo endoplasmático do miócito.
  32. 32. CLASSIFICAÇÃO TECIDO MUSCULAR LISO • • • • • • • Miócitos alongados e uninucleados. Sem estriações transversais. Contração : Involuntária e lenta. Pode ser encontrado, por exemplo, nas visceras ( ex.: vesícula biliar, esôfago, intestino ) e também em artérias, músculo eretor dos pêlos, bexiga. É responsável pelo Peristaltismo do tubo digestório, promovendo o deslocamento do alimento. Células musculares pobres em mitocôndrias e glicogênio. Cálcio fica armazenado em vesículas no sarcoplasma.
  33. 33. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELÉTICO • Miócitos multinucleados, com presença de estriações transversais constituídas pela proteina Miosina. • Contração : Voluntária e rápida. • Miócitos ricos em mitocôndrias e glicogênio. • Cálcio fica armazenado no Retículo Sarcoplasmático, sendo necessário para a contração das células musculares. • O estímulo nervoso até a célula muscular estriada esquelética por meio de fibras nervosas motoras ( 1 fibra nervosa pode inervar 1 célula muscular ou se ramificar e inervar mais de 100 células musculares estriadas ). • OBS: O local onde a fibra nervosa estimula a célula muscular estriada esquelética é denominado PLACA MOTORA.
  34. 34. • O músculo estriado esquelético é envolvido por uma bainha de tecido conjuntivo denso denominada Epimísio, rica em colágeno. • Do epimísio partem para o interior do músculo septos de tecido conjuntivo chamado Perimísio, dividindo o músculo em fascículos formados por conjuntos de células musculares. • Cada célula é envolvida por uma camada de fibras reticulares denominada Endomísio.
  35. 35. OBSERVAÇÃO: O local onde a fibra nervosa estimula a célula muscular estriada esquelética é denominado PLACA MOTORA, que é exclusiva da musculatura estriada esquelética. •A Placa Motora provoca despolarização da sarcolema ( membrana plasmática da célula muscular ). •A despolarização é rápida por toda a célula, pois a sarcolema possui invaginações que penetram profundamente o interior da célula , conduzindo o impulso nervoso até a membrana do Retículo Sarcoplasmático , promovendo a liberação do Cálcio.
  36. 36. CONTRAÇÃO MUSCULAR • Na contração muscular, a actina desliza sobre os filamentos da miosina, que conservam seus comprimentos originais. A contração se inicia na faixa ansiotrópica, ou A, onde a actina e a miosina se sobrepõem. Durante a contração, a faixa isotrópica (I) diminui de tamanho, enquanto os filamentos de actina penetram na faixa A. Concomitantemente, a faixa H, formada somente pelos filamento grossos (miosina) também se reduz, à medida que esses filamentos são sobrepostos pelos filamentos finos (actina). Isso irá resultar em um grande encurtamento do sarcômero ( UNIDADE DE CONTRAÇÃO)
  37. 37. • Portanto, para que ocorra contração muscular, são necessários : ìons Cálcio e ATP. OBSRVAÇÃO:  Músculo suprido de ATP se contrai.  Músculo desprovido de ATP, mas suprido de Fosfocreatina e ADP se contrai.  Músculo suprido apenas de Fosfocreatina não se contrai. • Fosfocreatina é um composto que , quando quebrada,fornece fosfato para o ADP formando ATP. • A Fosfocreatina é quebrada pela ação da enzima CPK ( Creatinofosfoquinase ).
  38. 38. TIPOS DE FIBRAS MUSCULARES FIBRAS VERMELHAS ou TIPO I : • • • • • São ricas em Mioglobina ( pigmento que transporta O 2 ). São ricas em mitocôndrias. A energia para sua contração vem da respiração celular. Contração: Lenta e Duradoura. Ex.: Predominam em maratonistas. FIBRAS BRANCAS ou TIPO II : • • • • • São pobres em Mioglobina. São pobres em mitocôndrias. A energia para sua contração vem da fermentação lática. Contração : Rápida e Intensa. Ex.: Predominam em jogadores de basquete, de vôlei, atletas corredores velocistas, nadadores, levantadores de pesos e lutadores
  39. 39. OBS: • A mioglobina está em maior concentração nos músculos com maior atividade. • Ex.: Nas aves não voadoras, o músculo do peito é branco, pois a musculatura é pobre em mioglobina. Portanto, a musculatura da coxa é vermelha, pois é rica em mioglobina.
  40. 40. TECIDO NERVOSO • Forma o sistema nervoso. • O sistema nervoso age juntamente com o sistema endócrino ( formado pelas glândulas produtoras de hormônios). • Ação Sistema nervoso: rápida Sistema endócrino: lenta • Efeito Sistema nervoso : de curta duração Sistema endócrino : duradouro
  41. 41. TIPOS DE CÉLULAS NEURÔNIOS : • Promovem a condução do impulso nervoso. CÉLULAS DA GLIA ( Neuróglia ) : • Sustentação e nutrição dos neurônios. • Não conduzem impulso nervoso. • Formação do Estrato mielínico ( Bainha de mielina).
  42. 42. NEURÔNIOS
  43. 43. TIPOS DE NEURÔNIOS SENSITIVOS : • Recebem estímulos do meio e do organismo. MOTORES : • Atuam sobre órgãos efetores que manifestam uma resposta a um estímulo. Ex.: Atuam sobre células musculares e glandulares. ASSOCIATIVOS: • Estabelecem conexões entre outros neurônios formando interações entre suas ramificações.
  44. 44. SINAPSE • Conexão entre neurônios (neuroneurônica)ou entre neurônio com músculo ( neuromuscular ) ou entre neurônio com glândula ( neuroglandular). • Não há prosseguimento entre os citoplasmas dos neurônios em conexão sináptica. • Ocorre uma espaço entre os neurônios, denominado Fenda Sináptica, onde são liberados neurotransmissores ( mediadores químicos) que promovem a continuidade do impulso de um neurônio para outro ou para um músculo ou glândula.
  45. 45. • Na porção terminal do axônio de um neurônio, são encontradas vesículas contendo neurotransmissores que serão liberados na fenda sináptica. Tais vesículas são produzidas pelo retículo endoplasmático. • Exemplos de neurotransmissores: Serotonina, Dopamina, Acetilcolina, GABA ( ácido gama-aminobutírico).
  46. 46. Os neurotransmissores são liberados na fenda sináptica com a chegada do impulso nervoso na porção terminal do axônio ( membrana pré sináptica). Os neurotransmissores se ligam a receptores na membrana pós-sináptica do outro neurônio ou de um órgão efetor, onde atuam enzimas que promovem a rápida destruição do neurotransmissor, permitindo uma nova transmissão de impulso nervoso.
  47. 47. • Exemplo de enzima que age na membra pós-sináptica: Colinesterase - inativa a acetilcolina ( estimula a contração muscular ), permitindo a condução de novo impulso. - Inseticidas que inibem a colinesterase nos insetos faz com que a transmissão do impulso seja contínua , provocando espasmos musculares que levama à exaustão do sistema nervoso do animal e , consequentemente, à morte. Monoaminoxidade (MAO) a dopamina, a noradrenalina. - Inativa a serotonina,
  48. 48. IMPULSO NERVOSO AXÔNIO EM REPOUSO - Diferença de potencial elétrico entre a face externa e a interna da membrana plasmática é chamada Potencial de Repouso. - Externamente a membrana é positiva ( + ) e internamente , negativa ( - ), ou seja, ele se encontra POLARIZADA. AXÔNIO TRANSMITINDO IMPULSO - Membrana do axônio sofre despolarização, ou seja, no local da passagem do impulso ocorre alteração da permeabilidade da membrana plasmática do neurônio ( abrem-se os canais de sódio e de potássio ) permitindo a entrada de sódio ( Na+ ) e a saída de potássio ( K+ ). Com isso, a membrana torna-se negativa externamente e positiva internamente. - Após a passagem do impulso, ocorre a bomba de sódio/potásio repolarizando a membrana do axônio.
  49. 49. OBSERVAÇÃO LEI DO TUDO OU NADA: • Nem todo estímulo gera um impulso nervoso. • Cada neurônio responde a um valor de intensidade de estímulo. • Abaixo desse valor crítico, o estímulo causa apenas alterações locais e não desencadeia impulso nervoso. • Qualquer estímulo acima do valor crítico desencadeia um impulso. • Cuidado: Para que uma sensação seja mais intensa, o número de neurônios despolarizados e a frequência dos estímulos é que devem ser maiores. • Ex.: Nas queimaduras, quanto maior a área afetada, maior a dor devido ao maior nº de neurônios despolarizados.

×