Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"

591 visualizações

Publicada em

Debate moderado por Pedro Príncipe, enquanto coordenador do Grupo de Trabalho das Bibliotecas de Ensino Superior da BAD, sobre bibliotecas universitárias na Conferência Advocacy for Libraries organizada pelo Goethe Institut e BAD.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
591
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Debate sobre Bibliotecas Universitárias na Conferência "Advocacy for Libraries"

  1. 1. Bibliotecas de Ensino Superior 11H00 – 12H30 SESSÃO PARALELA 1 – DEBATE (MODERAÇÃO DE PEDRO PRÍNCIPE) GRUPO DE TRABALHO DAS BIBLIOTECAS DE ENSINO SUPERIOR
  2. 2. Para este debate vamos recuperar algumas ideias das sessões anteriores… O QUE DESTACAM E MAIS VALORIZARAM… O MAIS DESAFIANTE E OPORTUNO…
  3. 3. Recuperando algumas ideias do 2º Encontro das BES Tendências, boas práticas, ideias inovadoras, grupos de discussão…
  4. 4. Recuperando algumas ideias do 2º Encontro BES Das tendências nas Bibliotecas de Ensino Superior, destacaram-se: Fortes desafios ligados à tecnologia, especificamente a tecnologia móvel, a adequação de conteúdos e ações aos Massive Open Online Courses (MOOCs); Os novos papéis de intermediação: o suporte à publicação; Aposta nas competências e valorização dos profissionais; As redes de profissionais e instituições, que potenciem a partilha e a racionalização de recursos. 10 tendências (ACRL): Comunicar valor; Dados científicos; Preservação digital; Ensino superior; Tecnologias da informação; Mobile; E-books; Comunicação científica; Pessoal; Expetativas dos utilizadores.
  5. 5. Recuperando algumas ideias do 2º Encontro BES Juntámo-nos e discutimos… Gerir com engenho e criatividade: como podem as bibliotecas fazer mais com menos. Literacia da informação no contexto académico: conteúdos e metodologias relevantes para a formação Novos espaços para novas necessidades nas bibliotecas académicas Consórcios, Redes e Infraestruturas: caminhos futuros em Portugal Métricas vigentes e métricas alternativas: papel das bibliotecas
  6. 6. INFObiblioPOINT ESART: reinventando a itinerância Maria Eduarda Pereira Rodrigues, ESACB/ESART–Instituto Politécnico de Castelo Branco Produtos de comunicação ao serviço da comunidade de utilizadores das Bibliotecas do IPL Liliana Gonçalves, Serviços de Documentação do Instituto Politécnico de Leiria Nova plataforma para a criação de guias e tutoriais de literacia da informação na Uminho Daniela Castro, Maria Cristina Gonçalves, Serviços de Documentação da Universidade do Minho Códigos QR: uma biblioteca aos quadradinhos Ana Isabel Roxo, Salima Rehemtula, Silvia Reis, Divisão de Documentação e Biblioteca da FCT da UNL A Biblioteca Informa: conteúdos relevantes mais perto dos utilizadores Ana Bela Martins, Cecília Reis, Diana Silva, Univ. Aveiro 3 sessões PECHA KUCHA
  7. 7. Sistema de identificação de cor para daltónicos – tornar a biblioteca da FCT/UNL mais inclusiva Salima Rehemtula, Ana Alves Pereira, Faculdade de Ciência e Tecnologia da Univ. Nova de Lisboa Enriquecimento do catálogo: mais informação, mais interação! Daniela Vieira Castro, Nuno Fernandes, Serviços de Documentação – Univ. Minho A biblioteca nas tuas mãos Diana Silva, Cecília Reis, Bella Nolasco, Bibliotecas da Universidade de Aveiro UC Digitalis Ana Miguéis, Serviço Integrado das Bibliotecas da Univ. Coimbra 3 sessões PECHA KUCHA
  8. 8. Serviço de Empréstimo Intercampus nas Bibliotecas do IPL Dulce Correia, Serviços de Documentação do Instituto Politécnico de Leiria Três filmes das bibliotecas da UA: o cenário, o guião, as personagens, os resultados Ana Bela Martins, Susana Dias, Bibliotecas da Univ. de Aveiro A dinâmica cultural em bibliotecas do ensino superior: o caso da biblioteca da FCT/UNL Ana Alves Pereira, Maria do Rosário Duarte, Sílvia Reis, Isabel Carvalho, Divisão de Documentação e Biblioteca da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Univ. Nova de Lisboa Bibliotecário de Referência Online: intermediário entre a informação e o utilizador Ana Cristina Sousa Gonçalves, Alice de Jesus Rodrigues, Biblioteca ICBAS/FFUP do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Univ. do Porto DALI – Divulgação, Apoio e Literacia de Informação Diana Silva, Cecília Reis, Rita Gonçalves, Bibliotecas da Universidade de Aveiro 3 sessões PECHA KUCHA
  9. 9. Desafios lançados para o debate: O QUE É QUE ESTAMOS A FAZER? O QUE É QUE PODEMOS OU DEVERÍAMOS FAZER?
  10. 10. Destacando algumas ideias de ontem… Da comunicação de Eloy Rodrigues: Gerar e disponibilizar serviços de valor acrescentado aos utilizadores.  Mas não é suficiente... temos que provar e demonstrar! Importância da necessidade de evidências com estudos e relatórios que destaquem esse valor.  Resultados no ensino, no impacto da investigação, na reputação institucional. Conseguir aliados – os amigos da biblioteca – por canais informais e formais.  Advocay definindo claramente objetivos e questões concretas. Por exemplo, novas agendas da biblioteca: Open Access, Gestão de dados científicos. Importância de planos de comunicação (lobby). Partilha de experiências com outros colegas, parcerias, trabalho em rede. Assumir novos papéis.
  11. 11. Recordando as frases da sessão da manhã… “A minhoca tem que agradar ao peixe e não ao pescador…” “Aquele que luta pode perder, mas aquele que não luta perde sempre” “Nada tem mais sucesso que o sucesso” “Deve-se malhar o ferro enquanto está quente” “Grão a grão enche a galinha o papo” “Como fizeste farei”
  12. 12. Desafios para o debate: O QUE É QUE ESTAMOS A FAZER? O QUE É QUE PODEMOS OU DEVERÍAMOS FAZER?
  13. 13. Alguns comentários do debate (1/2): O QUE É QUE ESTAMOS A FAZER? O QUE É QUE PODEMOS OU DEVERÍAMOS FAZER? Lutas que se travam junto dos responsáveis institucionais – Necessidade de consubstanciar e evidenciar a importância da agenda da biblioteca, e também utilizar diferentes estratégias, como por exemplo a comparação com outras instituições (competição entre instituições). Ter parceiros privilegiados para valorizar as coleções da biblioteca e conseguir € com o resultado desta colaboração. Por exemplo na Biblioteca de Arte da FCG trabalham com os responsáveis dos departamentos de arte das Univ. em Lisboa para identificar trabalhos a serem desenvolvidos, coleções a destacar. … A biblioteca enquanto espaço, valorizar com formas criativas de design os espaços (salas de leitura, etc.) da biblioteca. Temos hoje diferentes públicos, por isso oferecer novos serviços, preocupação principalmente com 2º e 3º ciclos. O que os alunos e docentes não dispensam – em que é que somos únicos – demonstrar com formas de ação. Antecipar os desafios da dimensão internacional. Valorização das nossas coleções – aquilo em que somos únicos. A Biblioteca ser participante ativo também na dinâmica académica (por exemplo, com sugestão de trabalhos), algo que está a ser feito com sucesso no Centro de Documentação 25 de Abril. …
  14. 14. Alguns comentários do debate (2/2): O QUE É QUE ESTAMOS A FAZER? O QUE É QUE PODEMOS OU DEVERÍAMOS FAZER? Um bom exemplo e boa prática partilhada é o conselho consultivo da Biblioteca da FCSH da UNova que participa de forma direta na vida, opções e iniciativas da Biblioteca. Aproveitar oportunidades – por exemplo da escola doutoral da UNova. Demorou, mas conseguiu-se com base num grupo de bibliotecários, presença sensível do Reitor e convite a uma pessoa de fora que veio reforçar a mensagem. Valorizar fundos, nomeadamente os doados quando assumem muito valor (Unova). … Necessidade do estabelecimento de uma Rede Nacional de BES - seria essencial para Advocacy a nível de políticas nacionais. Como fazer emergir esta rede? Arranjar apoios? Não depender de tutelas. Olhar com atenção o exemplo francês de consórcio que partiu de relatório que era muito critico à visibilidade das bibliotecas e seus profissionais. Quem dirige a biblioteca? Em muitas instituições ainda perduram os professores bibliotecários, que nalguns casos não favorecem o trabalho dos profissionais bibliotecários. …

×