Aparelho cardiovascula

22.059 visualizações

Publicada em

0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.059
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
280
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aparelho cardiovascula

  1. 1. PRÁTICAS MÉDICAS IExame aparelho cardíaco e vascular periférico Prof. Maria de Lourdes Lima, Nivaldo Filgueiras, Renata Britto, Tatiana Galvão
  2. 2. Avaliação dos pulsos arteriais: 1)Frequência. 2)Ritmo. - regular - irregular.
  3. 3. Avaliação dos pulsos arteriais,3-Simetria. Percepção da amplitudedos pulsos palpáveis em comparação com o mesmo pulso contralateral. 4-Amplitude. amplitude normal, aumentada ou reduzida.
  4. 4. EXAME FÍSICO CARDIOVASCULAR• Periférico – Palpar pulsos• Exame do precórdio – Inspeção – Palpação – Ausculta
  5. 5. ROTEIRO• Pulso radial• Pulsos periféricos• Pulso venoso• Turgência jugular• Pressão arterial• Veias periféricas• Precórdio (exame do coração)
  6. 6. PULSO• Impacto do sangue contra a parede arterial produzido pela contração ventricular
  7. 7. PULSOS PERIFÉRICOS• Avaliar (comparando as artérias homólogas): – presença ou ausência – amplitude (+/++++)
  8. 8. PULSOS PERIFÉRICOS• Avaliar (comparando as artérias homólogas): – presença ou ausência – amplitude (+/++++)• Examinar os pulsos: – Axilar – Braquial – Femoral – Poplíteo – Pedioso – Tibial posterior
  9. 9. CarotídeoEntre a laringe e região anterolateral doesternocleidomastoídeo.
  10. 10. Tibial Posterior• Região retro-maleolar interna.
  11. 11. Pulso Pedioso• Dorso do pé lateralmente ao tendão do extensor longo do hallux (para identificá-lo eleva-se o hallux).
  12. 12. Pulso Poplíteo• Parte posterior da perna na altura do joelho.
  13. 13. Pulso FemoralDistância média entre o tubérculo púbico ea espinha ilíaca ântero-superior.
  14. 14. Pulso BraquialSuperfície medial do terço médio do braço, entreos compartimentos musculares anterior eposterior.
  15. 15. Pulso RadialParte de dentro do pulso.
  16. 16. Pulso Temporal• A frente da orelha.
  17. 17. PULSO VENOSO• Posição confortável• Cabeça relaxada e voltada para o lado E.• Iluminação tangencial ao pescoço - melhorara percepção• A cama do paciente - ângulo de 45o
  18. 18. TURGÊNCIA JUGULAR• É o enchimento persistente das veias jugulares quando se adota a posição semi- sentada (45°) ou sentada• Traduz hipertensão venosa
  19. 19. PRECÓRDIO• Inspeção• Palpação• Percussão – valor limitado• Ausculta
  20. 20. PRECÓRDIO Inspeção• “Ictus cordis” choque da ponta – ventrículo esquerdo• Batimento do ventrículo direito• Impulsões sistólicas• Abaulamentos (aneurisma /cardiomegalia)
  21. 21. PRECÓRDIO PalpaçãoPesquisa-se:• Abaulamentos (aneurisma /cardiomegalia)• Ictus Cordis (choque da ponta)• Batimentos ou movimentos palpáveis• Frêmito cardiovascular
  22. 22. ICTUS CORDIS• Impulso apical ou choque da ponta → contato da porção anterior do VE com a parede torácica, durante a fase de contração do ciclo cardíaco• O ictus pode ser percebido em cerca de 25% dos pacientes• Pode ser observado com o paciente em posição supina, em decúbito dorsal ou lateral esquerdo.• O decúbito lateral esquerdo - aproxima o coração da parede torácica
  23. 23. ICTUS CORDIS Características• Localização (varia com o biótipo)• Extensão• Intensidade• Mobilidade• Freqüência
  24. 24. ICTUS CORDIS Características• Localização (varia com o biótipo)• normolíneos – 4º espaço intercostal esquerdo, 6 a 10 cm da linha médio esternal.• brevelíneos – 4º espaço intercostal esquerdo, a mais de 8 cm da linha médio esternal.• longilíneos – 5º espaço intercostal esquerdo, a menos de 8 cm da linha médio esternal.
  25. 25. Descrição do Ictus Cordis• Ictus cordis (normal) – Localização: 5° espaço intercostal esquerdo (EICE), na linha médio-clavicular (LMC) – Extensão: duas polpas digitais – Intensidade:impulsivo ou pouco impulsivo
  26. 26. ICTUS CORDIS
  27. 27. ICTUS CORDISMobilidade:• Normal: 1 - 2 cm com as mudanças de decúbito
  28. 28. ICTUS CORDIS• Importância na semiotécnica cardiológica,• Presença de cardiomegalia. – deslocado para a esquerda – Rebaixado – estendendo-se por três ou mais espaços intercostais – duração prolongada
  29. 29. Palpação• Impulsão para-esternal – 2°, 3° e 4° dedos nos referidos espaços intercostais na região para-esternal esquerda – Quando presente denota hipertrofia de VD• Frêmito: sensação táctil do fluxo - sopro – Localização – Situação no ciclo cardíaco (sistólico ou diastólico) – Intensidade
  30. 30. Frêmito Cardiovascular• É a sensação tátil das vibrações produzidas no coração ou nos vasos. Correspondem aos sopros• Características: Localização (focos) Situação no ciclo cardíaco (S/D) Intensidade (+ a ++++)
  31. 31. Ausculta CardíacaNormas:• Ambiente silencioso e posição confortável• Paciente em decúbito dorsal• Tórax descoberto• Médico à direita. – Variações: sentado inclinado para frente (base) / DLE (mitral) / em pé debruçado (hipofonese/base)• Usar estetoscópio do tipo membrana-campânula: Membrana - sons de alta freqüência Campânula - B3 / B4 / ruflar (baixa freqüência)
  32. 32. AUSCUSTA CARDÍACAComponentes e característica das bulhas• B1 = M1T1• B2 = A2 P2• Bulhas Normofonéticas Fim da Sístole fecha-se a válvula Aórtica e HipofonéticasPulmonar =B2 Hiperfonéticas
  33. 33. Precórdio Localização focos cardiacos2º EICD 2º EICE, linhalinha paraesternal D, paraesternal E ictus cordis apêndice xifóide
  34. 34. Bulhas• Primeira bulha: B1 (TUM) – Fechamento da mitral e tricúspide – Coincide com íctus e pulso carotídeo – Melhor audível no foco mitral• Segunda Bulha: B2 (TÁ) – Fechamento da aórtica e pulmonar – Desdobramento fisiológico em foco pulmonar na inspiração (TLÁ)
  35. 35. AUSCUSTA CARDÍACAComponentes e característica das bulhas• B1 = M1T1• B2 = A2 P2• Bulhas Normofonéticas Hipofonéticas a válvula mitral e Sístole fecha-se tricúspide =B1 Hiperfonéticas
  36. 36. Ritmo e freqüência cardíaca• Normal: – Bulhas rítmicas, normofonéticas em dois tempos, sem sopros – 60 a 100 bpm• Quando a FC está abaixo de 40 ou acima de 160bpm, há redução do fluxo sangüíneo em alguns órgãos
  37. 37. Arritmias cardíaca• Taquicardia sinusal – FC >100bpm, B1 hiperfonética• Bradicardia sinusal – FC < 60bpm, com alongamento do ciclo cardíaco• Arritmia sinusal – Irregularidade na seqüência das bulhas, que ocorrem mais ou menos lentamente – Extra-sístole (ES)

×