IndependêNcia NãO é Só Grito!

6.988 visualizações

Publicada em

reflexoes sobre a independência do Brasil

Publicada em: Educação
5 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.988
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
203
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
324
Comentários
5
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IndependêNcia NãO é Só Grito!

  1. 1. INDEPENDÊNCIA NÃO É SÓ GRITO!
  2. 2. Quem acha que a independência foi só o famoso grito "Independência ou Morte!" de D. Pedro I às margens do Ipiranga?
  3. 3. <ul><li>Durante nossa história tivemos muitas lutas pela independência, todas reprimidas pelo governo português. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>As mais famosas foram a Inconfidência Mineira, em Minas Gerais, no ano de 1789 _ aquela que acabou levando Tiradentes à forca; a Conjuração Baiana, também conhecida como Revolta dos Alfaiates, na Bahia, quase dez anos depois, em 1798; e a Revolta Pernambucana, em 1817 (20 anos depois) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O fato era que o Brasil era uma espécie de galinha dos ovos de ouro de Portugal, a quem tinha de fornecer riquezas e mais riquezas, mesmo à custa de muito sacrifício. Não tinha autonomia, por isso as lutas por essa liberdade existiam. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Quando a Família real veio para o Brasil parte disso mudou pois o Rei D.João transformou o Brasil em Reino Unido, assim ele podia comercializar livremente com outros países. </li></ul><ul><li>Quem mais lucrou com isso foi a aristocracia rural. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Durante muito Tempo D. João ficou aqui, mas em abril de 1821 Portugal exigiu sua volta. </li></ul><ul><li>Conta a lenda que, pouco antes de embarcar, D. João disse a D. Pedro: &quot; Pedro, se o Brasil se separar de Portugal, antes seja para ti, que me hás de respeitar, do que para algum desses aventureiros.&quot; </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Com a volta de D. João VI para Portugal e as exigências para que também o príncipe regente voltasse, a aristocracia rural passa a viver sob um difícil dilema: conter a recolonização e ao mesmo tempo evitar que a ruptura com Portugal assumisse o caráter revolucionário. A solução foi convencer o príncipe a ficar. </li></ul><ul><li>E ele ficou em 09 de janeiro de 1822. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>É claro que D. Pedro decidiu ficar bem menos pelo povo e bem mais pela aristocracia, que o apoiaria como imperador em troca da futura independência não alterar a realidade sócio-econômica colonial. Contudo, o Dia do fico era mais um passo para o rompimento definitivo com Portugal </li></ul>
  10. 10. <ul><li>13 de maio de 1822 D. Pedro, aceita o título de Defensor Perpétuo do Brasil, oferecido pela maçonaria e pelo Senado. </li></ul><ul><li>Em 3 de junho foi convocada uma Assembléia Geral Constituinte e Legislativa e em primeiro de agosto considerou-se inimigas as tropas portuguesas que tentassem desembarcar no Brasil. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Em Portugal, a reação tornava-se radical, com ameaça de envio de tropas, caso o príncipe não retornasse imediatamente. José Bonifácio, transmitiu a decisão portuguesa ao príncipe, juntamente com carta sua e de D. Maria Leopoldina, que ficara no Rio de Janeiro como regente. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>No dia sete de setembro de 1822 D. Pedro que se encontrava às margens do riacho Ipiranga, em São Paulo, após a leitura das cartas que chegaram em suas mãos, bradou: &quot;É tempo... Independência ou morte... Estamos separados de Portugal&quot;. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Em 14 de setembro de 1822, no Rio de Janeiro, D. Pedro foi aclamado Imperador Constitucional do Brasil. Era o início do Império, embora a coroação apenas se realizasse em primeiro de dezembro de 1822 </li></ul>
  14. 14. <ul><li>a Guerra da Independência do Brasil não significou nenhuma grande mudança. Nem na economia, nem na sociedade. Apesar de muitos negros e índios terem participado dos combates, o escravismo continuou e a destruição das tribos também. </li></ul><ul><li>Os latifundiários (grandes proprietários de terras) continuaram dominando a cena, tanto na política quanto na economia. E a gente continuou a ser governado por um rei (imperador) português, filho do rei de Portugal: D. Pedro I, o primeiro imperador do Brasil. </li></ul>
  15. 15. O Hoje... <ul><li>Passado quase 185 anos o Brasil ainda mantêm problemas que impendem que brademos que somos totalmente independente. </li></ul><ul><li>Se antes Portugal nos controlava, hoje Nações européias e norte americanas nos subjugam economicamente e invadem nossos lares com sua cultura imperialista e dominadora. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>A corrupção , a violência , a fome , a falta de Saúde e educação publica de qualidade ainda representam nossos principais entraves rumo a total independência. </li></ul>
  17. 17. Mas e eu? <ul><li>Será que estou contribuindo para a independência de meu pais? </li></ul><ul><li>Quantas vezes eu o ridicularizei desrespeitando e defendendo outras nações ao invés dele? </li></ul><ul><li>Será que só sei amar meu país em copa do mundo, olimpíadas e outros jogos? </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Se um povo não ama seu pais com seus defeitos e qualidades não poderá nunca adquirir a verdadeira independência. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Vamos construir um Brasil novo, independente em todas as esferas. </li></ul><ul><li>E para isso vamos começar fazendo nossa parte. </li></ul><ul><li>Não vamos deixar a independência ficar só no grito. </li></ul>
  20. 20. Criação e Apresentação: <ul><li>Nila Michele Bastos Santos </li></ul><ul><li>Historiadora, Psicopedagoga e Professora da Rede Municipal e Privada de São Luis -Ma </li></ul>

×