Nahor Lopes de Souza Junior, SCJ
 Alguns itens são necessários para iniciar a 
Santa Missa... 
 O essencial e imprenscidível são duas 
substâncias: 
O pã...
 O templo da Igreja Católica possui dois locais 
distintos: o presbitério e a nave da Igreja. 
 No presbitério, ficam o ...
 Missal Romano 
 Lecionário (dominical, semanal ou santoral)
 Para o padre: Túnica, estola, casula (amito e 
cíngulo quando necessários) 
 Para o diácono: túnica, estola, dalmática ...
 A procissão de entrada, segundo a Instrução 
Geral sobre o Missal Romano (IGMR), é da 
seguinte forma 
1º) Turíbulo e na...
 Após a reverência (que pode ser a 
vênia/inclinação ou a genuflexão), o padre 
beija o altar (quando houver incenso usa-...
 No Ato Penitencial, os fiéis são convidados a 
um momento de reconciliação com Deus 
através de uma confissão pública re...
 “O Glória é um hino antiquíssimo e 
venerável, pelo qual a Igreja glorifica a Deus 
Pai e ao Cordeiro. Não constitui acl...
 A oração da coleta, convidada pelo sacerdote 
no “Oremos”, seguida de um pequeno 
silêncio, é o momento propício para co...
 Vai da Primeira Leitura até a Oração dos 
Fiéis. 
 O local de preferência para essas 
ações é o ambão ou púlpito. 
 O ...
 As leituras proclamadas pelos leigos são a 
Primeira (geralmente um livro do Antigo 
Testamento ou Atos no tempo Pascal)...
 No canto do “Aleluia”, todos ficam de pé. O 
sacerdote ou o diácono (este primeiro pede a 
benção do sacerdote) dirige-s...
 Na homilia, proferida pelo sacerdote 
presidente, ou eventualmente um outro 
sacerdote ou até o diácono, é o momento 
pa...
 O Credo, símbolo cristão, é proferido pelo 
sacerdote com o povo. Pede-se uma pequena 
inclinação nas palavras “(...) e ...
 Tem início com a apresentação das oferendas. Os 
acólitos trazem o altar as alfaias que se 
encontram na credência. 
 O...
 O diácono ou o padre derrama vinho e um 
pouco de água no cálice, simbolizando a 
comunidade diluída no Cristo. 
 O pad...
 Convidando o povo para rezar a fim de que 
Deus aceite o sacrifício, o padre reza a 
oração sobre as oferendas e dá iníc...
 Terminado o Santo, vem o momento da 
epíclese: o padre invoca o Espírito Santo 
para santificar as oferendas do pão e do...
 TOMAI, TODOS, E COMEI: ISTO 
É O MEU CORPO, QUE SERÁ 
ENTREGUE POR VÓS. 
 Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o 
c...
 “Eis o mistério da fé!”: a comunidade nesse 
momento fica de pé para anunciar a morte e 
proclamar a ressurreição de Jes...
 Segue-se com o Pai Nosso, o “Livrai-nos” e a 
Oração da Paz. Somente o Pai Nosso é 
proferido pelo padre e pelo povo jun...
 Após o Abraço da Paz (que pode ser omitido), 
o padre parte o pão e coloca um pedaço no 
cálice, simbolizando agora a un...
 Há dois modos de receber a comunhão: 
diretamente na boca ou na mão esquerda e 
pegando a hóstia com a direita, sempre 
...
Após a comunhão eucarística, 
momentos de silêncio para oração 
pessoal, mesmo se houver canto de 
ação de graças. 
O pa...
 Após o Oremos, se necessário, dar 
comunicações ao povo. Se possível, o próprio 
presidente da celebração ou apenas uma ...
 No rito antigo da missa, quando o sacerdote 
ou o diácono despediam o povo, diziam em 
latim: “Ite, missa est.” (“Ide, a...
 CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. 
Animação da vida litúrgica no Brasil. 17. ed. São 
Paulo: Paulinas, 2002 (Do...
Missa parte por parte
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Missa parte por parte

1.011 visualizações

Publicada em

Pequeno slide didádico para pastoral litúrgica, coroinhas e ministros da Eucaristia, sobre a Santa Missa.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.011
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
177
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Missa parte por parte

  1. 1. Nahor Lopes de Souza Junior, SCJ
  2. 2.  Alguns itens são necessários para iniciar a Santa Missa...  O essencial e imprenscidível são duas substâncias: O pão e o vinho
  3. 3.  O templo da Igreja Católica possui dois locais distintos: o presbitério e a nave da Igreja.  No presbitério, ficam o local mais importante para o templo: o altar. Junto ali, tem a mesa da palavra (ambão ou púlpito), a cadeira presidencial, as cruzes (a fixa, a do altar e porventura a processional, as velas do altar e a credência. No presbitério ficam sentados o presidente da celebração, os diáconos assistentes e acólitos.  A nave da Igreja é o espaço dedicado ao povo.
  4. 4.  Missal Romano  Lecionário (dominical, semanal ou santoral)
  5. 5.  Para o padre: Túnica, estola, casula (amito e cíngulo quando necessários)  Para o diácono: túnica, estola, dalmática (amito e cíngulo quando necessários)
  6. 6.  A procissão de entrada, segundo a Instrução Geral sobre o Missal Romano (IGMR), é da seguinte forma 1º) Turíbulo e naveta (quando houver); 2º) Velas e entre elas a cruz processional; 3º) Os acólitos e outros ministros; 4º) O leitor, que poderá levar o livro dos Evangelhos 5º) O sacerdote que vai celebrar a missa
  7. 7.  Após a reverência (que pode ser a vênia/inclinação ou a genuflexão), o padre beija o altar (quando houver incenso usa-se depois disso).  O sacerdote dá início à Santa Missa com o sinal da cruz: EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO  Cuidar com cantos que contenham mudanças nos termos. Ex: “Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo.”
  8. 8.  No Ato Penitencial, os fiéis são convidados a um momento de reconciliação com Deus através de uma confissão pública rezada ou cantada.  Convém reforçar, através de invocação pelo sacerdote ou canto, o Kirie (Senhor, tende piedade)  O padre absolve a comunidade com fórmula própria.
  9. 9.  “O Glória é um hino antiquíssimo e venerável, pelo qual a Igreja glorifica a Deus Pai e ao Cordeiro. Não constitui aclamação trinitária.” (Documento “Animação da Vida Litúrgica no Brasil”, nº 257.)
  10. 10.  A oração da coleta, convidada pelo sacerdote no “Oremos”, seguida de um pequeno silêncio, é o momento propício para colocar as intenções pessoais para a Santa Missa.
  11. 11.  Vai da Primeira Leitura até a Oração dos Fiéis.  O local de preferência para essas ações é o ambão ou púlpito.  O leitor, ao dirigir-se para proclamar a leitura, deverá fazer reverência ao altar.
  12. 12.  As leituras proclamadas pelos leigos são a Primeira (geralmente um livro do Antigo Testamento ou Atos no tempo Pascal), o Salmo e a Segunda Leitura (uma carta paulina, omitida nos dias de semana).  Fazem juz à história da Salvação.  O povo está sentado como ouvinte atento e reflexivo.
  13. 13.  No canto do “Aleluia”, todos ficam de pé. O sacerdote ou o diácono (este primeiro pede a benção do sacerdote) dirige-se ao ambão para proclamar o Evangelho.  Depois de dizer “O Senhor esteja convosco”, ele traça o sinal da cruz sobre o livro, dizendo qual evangelista será lido. O povo traça o sinal da cruz sobre a fronte, boca e peito. Há variadas formas tradicionais de rezar em silêncio este momento.
  14. 14.  Na homilia, proferida pelo sacerdote presidente, ou eventualmente um outro sacerdote ou até o diácono, é o momento para explicação das leituras e sua ligação com a vida.  Por excelência proferida do ambão, o sacerdote pode também deslocar-se como achar conveniente, mas não algo extravagante.
  15. 15.  O Credo, símbolo cristão, é proferido pelo sacerdote com o povo. Pede-se uma pequena inclinação nas palavras “(...) e se encarnou pelo Espírito Santo.”  Em seguida, faz-se a Oração Universal ou dos Fiéis, onde colocam-se pedidos pela Igreja, pelo Santo Padre, clérigos em geral, pelos governantes, e outras questões atuais e relevantes.  Pode ser feita do ambão ou de outro local propício.
  16. 16.  Tem início com a apresentação das oferendas. Os acólitos trazem o altar as alfaias que se encontram na credência.  O padre recebe as oferendas do pão e profere em voz baixa: “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo, pelo pão que recebemos de vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano, que agora vos apresentamos, e para nós se vai tornar pão da vida.” (Quando o ofertório é feito sem canto, o povo responde: “Bendito seja Deus para sempre!”)
  17. 17.  O diácono ou o padre derrama vinho e um pouco de água no cálice, simbolizando a comunidade diluída no Cristo.  O padre recebe as oferendas do vinho e profere em voz baixa: “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo, pelo vinho que recebemos de vossa bondade, fruto da videira e do trabalho humano, que agora vos apresentamos, e para nós se vai tornar vinho da salvação.”  Após outras orações pessoais, o padre faz a purificação das mãos.
  18. 18.  Convidando o povo para rezar a fim de que Deus aceite o sacrifício, o padre reza a oração sobre as oferendas e dá início à Oração Eucarística. É uma oração dirigida ao Pai.  Existem ao todo 14 orações eucarísticas no Missal Romano e diversos prefácios para elas.  Terminado o prefácio o padre invoca a comunidade a rezar ou cantar o Santo.  O canto do Santo deve estar de acordo com a letra prescrita no Missal Romano.
  19. 19.  Terminado o Santo, vem o momento da epíclese: o padre invoca o Espírito Santo para santificar as oferendas do pão e do vinho para que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo. No momento da invocação deve-se ajoelhar.  O padre então profere as mesmas palavras de Jesus, que não devem ser mudadas em nenhuma ocasião, sob o risco de invalidar o sacramento.
  20. 20.  TOMAI, TODOS, E COMEI: ISTO É O MEU CORPO, QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS.  Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o deu a seus discípulos, dizendo:  TOMAI, TODOS, E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS PARA REMISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM.
  21. 21.  “Eis o mistério da fé!”: a comunidade nesse momento fica de pé para anunciar a morte e proclamar a ressurreição de Jesus.  A oração eucarística continua até a doxologia final: “Por Cristo...” que é feita somente pelo sacerdote, onde ele eleva o cálice e a patena, contendo as espécies sagradas.
  22. 22.  Segue-se com o Pai Nosso, o “Livrai-nos” e a Oração da Paz. Somente o Pai Nosso é proferido pelo padre e pelo povo juntos. As demais orações são reservadas ao sacerdote.  Após a Oração da Paz, o sacerdote e o diácono convidam o povo para cumprimentar-se segundo o costume. Evitar deslocamentos grandes e cantos para esse momento.
  23. 23.  Após o Abraço da Paz (que pode ser omitido), o padre parte o pão e coloca um pedaço no cálice, simbolizando agora a união total universal.  Reza-se ou canta o Cordeiro de Deus.  Após algumas orações pessoais prescritas no Missal, o padre eleva a hóstia sobre a patena e apresenta-a ao povo, com oração própria.  A comunidade espera de pé a comunhão.
  24. 24.  Há dois modos de receber a comunhão: diretamente na boca ou na mão esquerda e pegando a hóstia com a direita, sempre comungando na frente do ministro.  Diretamente na boca, há duas formas: de joelhos ou em pé.  Não se pode negar a comunhão para nenhuma pessoa, mas pode-se orientar antes da comunhão algumas prescrições.
  25. 25. Após a comunhão eucarística, momentos de silêncio para oração pessoal, mesmo se houver canto de ação de graças. O padre e/ou os ministros (num local apropriado), fazem a purificação da patena e do cálice (bem como dos cibórios) O padre profere a Oração pós-comunhão, com a comunidade em pé.
  26. 26.  Após o Oremos, se necessário, dar comunicações ao povo. Se possível, o próprio presidente da celebração ou apenas uma só pessoa. Cuidar com longos avisos.  O padre profere a benção final com o sinal da cruz e o diácono ou o próprio sacerdote despede o povo.  O sacerdote beija o altar, faz a devida reverência e retira-se com os ministros. Caso a sacristia seja próximo da porta de entrada, não temer em avisar o povo em esperar, até educá-los liturgicamente.
  27. 27.  No rito antigo da missa, quando o sacerdote ou o diácono despediam o povo, diziam em latim: “Ite, missa est.” (“Ide, a missa é”, em tradução literal).  A missa é a missão iniciada, celebrada, transformada e continuada!
  28. 28.  CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Animação da vida litúrgica no Brasil. 17. ed. São Paulo: Paulinas, 2002 (Documentos da CNBB).  ________. Cerimonial dos Bispos: Cerimonial da Igreja. São Paulo: Paulus, 2013.  ________. Guia Litúrgico-Pastoral. 2. ed. Brasília: Edições CNBB, s/d.  ________. Missal Romano. São Paulo: Paulus, 2014.  CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVIDO E A DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS. Instrução Redemptionis Sacramentum: sobre alguns aspectos que se deve observar e evitar acerca da Santíssima Eucaristia. 3. ed. São Paulo: Paulinas: 2004 (Col. Documentos da Igreja).  VÁRIOS. Código de Direito Canônico. 15. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

×