Missa parte por parte

1.695 visualizações

Publicada em

Pequeno slide didádico para pastoral litúrgica, coroinhas e ministros da Eucaristia, sobre a Santa Missa.

Publicada em: Espiritual
  • Parabéns pela iniciativa e que Deus te abençoe.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Muito bom trabalho. Bem didático, prático e bastante objetivo. No entanto, farei algumas e pequenas adaptações para dar em formação ok?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Missa parte por parte

  1. 1. Nahor Lopes de Souza Junior, SCJ
  2. 2.  Alguns itens são necessários para iniciar a Santa Missa...  O essencial e imprenscidível são duas substâncias: O pão e o vinho
  3. 3.  O templo da Igreja Católica possui dois locais distintos: o presbitério e a nave da Igreja.  No presbitério, ficam o local mais importante para o templo: o altar. Junto ali, tem a mesa da palavra (ambão ou púlpito), a cadeira presidencial, as cruzes (a fixa, a do altar e porventura a processional, as velas do altar e a credência. No presbitério ficam sentados o presidente da celebração, os diáconos assistentes e acólitos.  A nave da Igreja é o espaço dedicado ao povo.
  4. 4.  Missal Romano  Lecionário (dominical, semanal ou santoral)
  5. 5.  Para o padre: Túnica, estola, casula (amito e cíngulo quando necessários)  Para o diácono: túnica, estola, dalmática (amito e cíngulo quando necessários)
  6. 6.  A procissão de entrada, segundo a Instrução Geral sobre o Missal Romano (IGMR), é da seguinte forma 1º) Turíbulo e naveta (quando houver); 2º) Velas e entre elas a cruz processional; 3º) Os acólitos e outros ministros; 4º) O leitor, que poderá levar o livro dos Evangelhos 5º) O sacerdote que vai celebrar a missa
  7. 7.  Após a reverência (que pode ser a vênia/inclinação ou a genuflexão), o padre beija o altar (quando houver incenso usa-se depois disso).  O sacerdote dá início à Santa Missa com o sinal da cruz: EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO  Cuidar com cantos que contenham mudanças nos termos. Ex: “Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo.”
  8. 8.  No Ato Penitencial, os fiéis são convidados a um momento de reconciliação com Deus através de uma confissão pública rezada ou cantada.  Convém reforçar, através de invocação pelo sacerdote ou canto, o Kirie (Senhor, tende piedade)  O padre absolve a comunidade com fórmula própria.
  9. 9.  “O Glória é um hino antiquíssimo e venerável, pelo qual a Igreja glorifica a Deus Pai e ao Cordeiro. Não constitui aclamação trinitária.” (Documento “Animação da Vida Litúrgica no Brasil”, nº 257.)
  10. 10.  A oração da coleta, convidada pelo sacerdote no “Oremos”, seguida de um pequeno silêncio, é o momento propício para colocar as intenções pessoais para a Santa Missa.
  11. 11.  Vai da Primeira Leitura até a Oração dos Fiéis.  O local de preferência para essas ações é o ambão ou púlpito.  O leitor, ao dirigir-se para proclamar a leitura, deverá fazer reverência ao altar.
  12. 12.  As leituras proclamadas pelos leigos são a Primeira (geralmente um livro do Antigo Testamento ou Atos no tempo Pascal), o Salmo e a Segunda Leitura (uma carta paulina, omitida nos dias de semana).  Fazem juz à história da Salvação.  O povo está sentado como ouvinte atento e reflexivo.
  13. 13.  No canto do “Aleluia”, todos ficam de pé. O sacerdote ou o diácono (este primeiro pede a benção do sacerdote) dirige-se ao ambão para proclamar o Evangelho.  Depois de dizer “O Senhor esteja convosco”, ele traça o sinal da cruz sobre o livro, dizendo qual evangelista será lido. O povo traça o sinal da cruz sobre a fronte, boca e peito. Há variadas formas tradicionais de rezar em silêncio este momento.
  14. 14.  Na homilia, proferida pelo sacerdote presidente, ou eventualmente um outro sacerdote ou até o diácono, é o momento para explicação das leituras e sua ligação com a vida.  Por excelência proferida do ambão, o sacerdote pode também deslocar-se como achar conveniente, mas não algo extravagante.
  15. 15.  O Credo, símbolo cristão, é proferido pelo sacerdote com o povo. Pede-se uma pequena inclinação nas palavras “(...) e se encarnou pelo Espírito Santo.”  Em seguida, faz-se a Oração Universal ou dos Fiéis, onde colocam-se pedidos pela Igreja, pelo Santo Padre, clérigos em geral, pelos governantes, e outras questões atuais e relevantes.  Pode ser feita do ambão ou de outro local propício.
  16. 16.  Tem início com a apresentação das oferendas. Os acólitos trazem o altar as alfaias que se encontram na credência.  O padre recebe as oferendas do pão e profere em voz baixa: “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo, pelo pão que recebemos de vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano, que agora vos apresentamos, e para nós se vai tornar pão da vida.” (Quando o ofertório é feito sem canto, o povo responde: “Bendito seja Deus para sempre!”)
  17. 17.  O diácono ou o padre derrama vinho e um pouco de água no cálice, simbolizando a comunidade diluída no Cristo.  O padre recebe as oferendas do vinho e profere em voz baixa: “Bendito sejais, Senhor, Deus do Universo, pelo vinho que recebemos de vossa bondade, fruto da videira e do trabalho humano, que agora vos apresentamos, e para nós se vai tornar vinho da salvação.”  Após outras orações pessoais, o padre faz a purificação das mãos.
  18. 18.  Convidando o povo para rezar a fim de que Deus aceite o sacrifício, o padre reza a oração sobre as oferendas e dá início à Oração Eucarística. É uma oração dirigida ao Pai.  Existem ao todo 14 orações eucarísticas no Missal Romano e diversos prefácios para elas.  Terminado o prefácio o padre invoca a comunidade a rezar ou cantar o Santo.  O canto do Santo deve estar de acordo com a letra prescrita no Missal Romano.
  19. 19.  Terminado o Santo, vem o momento da epíclese: o padre invoca o Espírito Santo para santificar as oferendas do pão e do vinho para que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo. No momento da invocação deve-se ajoelhar.  O padre então profere as mesmas palavras de Jesus, que não devem ser mudadas em nenhuma ocasião, sob o risco de invalidar o sacramento.
  20. 20.  TOMAI, TODOS, E COMEI: ISTO É O MEU CORPO, QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS.  Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o deu a seus discípulos, dizendo:  TOMAI, TODOS, E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS PARA REMISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM.
  21. 21.  “Eis o mistério da fé!”: a comunidade nesse momento fica de pé para anunciar a morte e proclamar a ressurreição de Jesus.  A oração eucarística continua até a doxologia final: “Por Cristo...” que é feita somente pelo sacerdote, onde ele eleva o cálice e a patena, contendo as espécies sagradas.
  22. 22.  Segue-se com o Pai Nosso, o “Livrai-nos” e a Oração da Paz. Somente o Pai Nosso é proferido pelo padre e pelo povo juntos. As demais orações são reservadas ao sacerdote.  Após a Oração da Paz, o sacerdote e o diácono convidam o povo para cumprimentar-se segundo o costume. Evitar deslocamentos grandes e cantos para esse momento.
  23. 23.  Após o Abraço da Paz (que pode ser omitido), o padre parte o pão e coloca um pedaço no cálice, simbolizando agora a união total universal.  Reza-se ou canta o Cordeiro de Deus.  Após algumas orações pessoais prescritas no Missal, o padre eleva a hóstia sobre a patena e apresenta-a ao povo, com oração própria.  A comunidade espera de pé a comunhão.
  24. 24.  Há dois modos de receber a comunhão: diretamente na boca ou na mão esquerda e pegando a hóstia com a direita, sempre comungando na frente do ministro.  Diretamente na boca, há duas formas: de joelhos ou em pé.  Não se pode negar a comunhão para nenhuma pessoa, mas pode-se orientar antes da comunhão algumas prescrições.
  25. 25. Após a comunhão eucarística, momentos de silêncio para oração pessoal, mesmo se houver canto de ação de graças. O padre e/ou os ministros (num local apropriado), fazem a purificação da patena e do cálice (bem como dos cibórios) O padre profere a Oração pós-comunhão, com a comunidade em pé.
  26. 26.  Após o Oremos, se necessário, dar comunicações ao povo. Se possível, o próprio presidente da celebração ou apenas uma só pessoa. Cuidar com longos avisos.  O padre profere a benção final com o sinal da cruz e o diácono ou o próprio sacerdote despede o povo.  O sacerdote beija o altar, faz a devida reverência e retira-se com os ministros. Caso a sacristia seja próximo da porta de entrada, não temer em avisar o povo em esperar, até educá-los liturgicamente.
  27. 27.  No rito antigo da missa, quando o sacerdote ou o diácono despediam o povo, diziam em latim: “Ite, missa est.” (“Ide, a missa é”, em tradução literal).  A missa é a missão iniciada, celebrada, transformada e continuada!
  28. 28.  CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Animação da vida litúrgica no Brasil. 17. ed. São Paulo: Paulinas, 2002 (Documentos da CNBB).  ________. Cerimonial dos Bispos: Cerimonial da Igreja. São Paulo: Paulus, 2013.  ________. Guia Litúrgico-Pastoral. 2. ed. Brasília: Edições CNBB, s/d.  ________. Missal Romano. São Paulo: Paulus, 2014.  CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVIDO E A DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS. Instrução Redemptionis Sacramentum: sobre alguns aspectos que se deve observar e evitar acerca da Santíssima Eucaristia. 3. ed. São Paulo: Paulinas: 2004 (Col. Documentos da Igreja).  VÁRIOS. Código de Direito Canônico. 15. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

×