Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial

4.801 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.801
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial

  1. 1. Escola Secundária de Rocha Peixoto Curso Tecnológico de Desporto Psicologia A Trabalho realizado por: Daniel Simões Nº7 João Giesteira Nº13 Joaquim Correia Nº14 Mário Almeida Nº17 Marta Mendes Nº19 12ºL
  2. 2. Biografia a 15 de Julho de 1902, na Alemanha. Em 1927, Erikson , tornando-se a convite de um antigo colega de escola, que se distinguia pelo seu estilo muito progressivo.Durante este período da sua vida Erikson começou a relacionar se com a famíliaFreud, muito especialmente com Anna Freud, com quem iniciou
  3. 3. BiografiaTambém em 1933 emigrou para os Estados Unidos ondeiniciou a prática da psicanálise infantil em Boston,associando-se à faculdade de medicina de Harvard.A partir desta altura Erikson começou a preocupar-se como estudo da forma como o Ego ou a consciência operam deforma criativa em indivíduos considerados sãos.Em 1936, Erikson abandonou a universidade de Harvardpara trabalhar no Instituto de Relações Humanas de Yale.E em 1938 deu inicio aos seus primeiros estudos sobre as
  4. 4. Teoria Psicossocial do DesenvolvimentoErikson propõe uma concepção de desenvolvimento em oitoestágios psicossociais, perspectivados por sua vez em oito idades quedecorrem desde o nascimento até à morte, pertencendo as quatroprimeiras ao período de bebé e de infância, e as três últimas aosanos adultos e à velhice, cada estágio é atravessado por uma crise
  5. 5. Teoria Psicossocial do DesenvolvimentoCada estágio contribui para a formação da personalidade total (princípioepigenético), sendo por isso todos importantes mesmo depois de se osatravessar.O núcleo de cada estágio é uma crise básica, que existe não só duranteaquele estágio específico, nesse será mais saliente, mas também nosposteriores a nível de consequências, tendo raízes prévias no anteriores.A formação da identidade inicia-se nos primeiros quatro estágios, e oentendimento desta é negociado na adolescência evolui e influencia osúltimos três estágios.
  6. 6. Teoria Psicossocial do Desenvolvimento Erikson perspectivava o desenvolvimento tendo em conta três aspectos:Processo biológico: organização dos sistemas orgânicos queconstituem o corpo;Processo psíquico: organiza os traços da experiênciaindividual de síntese do ego;Processo social: organização cultural e interdependência daspessoas.
  7. 7. Estádios de Desenvolvimento de Erikson Confiança X Desconfiança (até 1 ano de idade) 1º Autonomia X Vergonha e Dúvida (segundo e terceiro 2º ano) Iniciativa X Culpa (quarto e quinto ano) 3º 4º Indústria/Mestria X Inferioridade (dos 6 aos 11 anos) Identidade X Confusão de Papéis (dos 12 aos 18 anos) 5º Intimidade X Isolamento (jovem adulto) 6º Produtividade X Estagnação (meia idade) 7º Integridade X Desesperança (velhice) 8º
  8. 8. Confiança X Desconfiança (até 1 ano de idade)Durante o primeiro ano de vida a criança é Vertente Positiva : Se esta identificação for positiva, ou seja,substancialmente dependente das pessoas que se a mãe corresponder, ele vai criar o seu primeiro e bomcuidam dela, requerendo cuidado quanto à conceito de si e do mundoalimentação, higiene, locomoção, aprendizado (representado pela mãe), o que Erikson chama de ritualização da de divindade.palavras e seus significados, bem como Vertente Negativa: Se aestimulação para perceber que existe um mundo identificação for negativa, temos o ritualismo do idolismo,em movimento ao seu redor. ou seja, o culto a um herói, onde o bebé acha que nuncaO amadurecimento ocorrerá de forma vai chegar ao nível da sua mãe,equilibrada se a criança sentir que tem que ela é demasiadamente capaz e boa, e que ele não se segurança identifica assim.e afecto, adquirindo confiança nas pessoas e no
  9. 9. Autonomia X Vergonha e Dúvida (segundo e terceiro ano)Neste período a criança passa a ter controle de Vertente Positiva: A ritualização deste estágio é osuas necessidades fisiológicas e responder por discernimento , isto é, a criança torna-se acertada, julga-se a si sua e aos outros, diferenciando ohigiene pessoal, o que dá a ela grande autonomia, certo do errado e as pessoas ditas diferentes.confiança e liberdade para tentar novas coisas Vertente Negativa: o sem legalismo, ou seja, quando a criança começa a achar que amedo de errar. punição tem que ser aplicadaSe, no entanto, for criticada ou ridicularizada incondicionalmente quando uma regra não for respeitada. Édesenvolverá vergonha e dúvida quanto a sua quando a punição vence a compaixão; se a criança secapacidade de ser autónoma, provocando uma mobiliza com a punição do colega que perdeu o controlovolta ao estágio anterior, ou seja, a dependência. de uma regra, ou então sente-
  10. 10. Iniciativa X Culpa (quarto e quinto ano)Durante este período a criança passa a perceberas diferenças sexuais, os papéis Vertente Positiva: desempenhados Formação do senso de responsabilidadepor mulheres e homens na sua cultura (conflitoedipiano para Freud) entendendo de forma Vertente Negativa: Adiferente o mundo que a cerca. personificação , ou seja, a criança exagera na fantasia deSe a sua curiosidade “sexual” e intelectual, ter outras personalidades, de ser totalmente diferente do quenatural, for reprimida e castigada poderá é várias vezes, ela pode sedesenvolver sentimento de culpa e diminuir sua tornar compulsiva por esconder seu verdadeiro “eu”.iniciativa de explorar novas situações ou debuscar novos conhecimentos.
  11. 11. Indústria/Mestria X Inferioridade (dos 6 aos 11 anos)Neste período a criança está sendo alfabetizadae frequentando a escola, o que propicia o Vertente Positiva: A socialização.convívio com pessoas que não são seus familiares,o que exigirá maior sociabilização, trabalho em Vertente Negativa: Oconjunto, cooperatividade, e outras habilidades formalismo , ou seja, a repetição obsessiva denecessárias. Caso tenha dificuldades o próprio formalidades sem sentido algum para determinadasgrupo irá criticá-la, passando a viver a ocasiões, o que empobrece a personalidade e prejudica asinferioridade em vez da construtividade. j relações sociais da criança.
  12. 12. Identidade X Confusão de Papéis (dos 12 aos 18 anos)O jovem experimenta uma série de desafios que Vertente Positiva: Oenvolve suas atitudes para consigo, com seus adolescente adquire uma identidade pessoalamigos, com pessoas do sexo oposto, amores e psicossocial, isto é, entende a a sua singularidade, o seu papel no mundo.busca de uma carreira e de profissionalização.Na medida que as pessoas à sua volta ajudam Vertente Negativa: Refere os na aspectos, sentimentos de confusão/difusão de quem aindaresolução dessas questões desenvolverá o não se encontrou a si próprio, nãosentimento de identidade pessoal, caso não sabe o quer e tem dificuldades em fazer opções.encontre respostas para suas questões pode sedesorganizar, perdendo seu senso de referência.
  13. 13. Intimidade X Isolamento (jovem adulto)Nesta idade o interesse, além de profissional,gravita em torno da construção de relações Vertente Positiva: Oprofundas e duradouras, podendo vivenciar descobrir do próprio “eu”momentos de grande intimidade e entregaafectiva. Vertente Negativa: O isolamento de quem nãoCaso ocorra uma decepção a tendência consegue partilhar afectos com intimidade nas relaçõesserá o isolamento temporário ou duradouro. privilegiadas.
  14. 14. Produtividade X Estagnação (meia idade) Vertente Positiva: É oNeste período, as pessoas procuram definir sentimento de compromisso social, deobjectivos e motivações para o que querem que se tem coisasproduzir nas suas vidas. interessantes a passar às gerações futuras.Pode aparecer uma dedicação à sociedade à sua Vertente Negativa: é avolta e realização de valiosas contribuições, ou centralização nos seus interesses próprios egrande preocupação com o conforto físico e superficiais, omaterial. empobrecimento das relações interpessoais, ou seja, a estagnação.
  15. 15. Integridade X Desespero (velhice) Vertente Positiva: A virtude a desenvolver neste estádio é aSe o envelhecimento ocorre com sentimento sabedoria, a consciência de de que, dadas as circunstâncias e asprodutividade e valorização do que foi vivido, nossas potencialidades,sem arrependimentos e lamentações sobre não vivemos em vão.oportunidades perdidas ou erros cometidos Vertente Negativa: Advémhaverá integridade e ganhos, do contrário, um quando se renega a vida, mas se sabe que já não sesentimento de tempo perdido e pode recomeçar uma novaa impossibilidade de começar de novo trará existência.tristeza e desespero.
  16. 16. ConclusõesCom isto, podemos concluir que:• cada estádio é atravessado por uma crise psicossocial entre uma vertente positiva e uma negativa, sendo as duas vertentes necessárias;• é essencial sobrepor a vertente negativa;• a vertente positiva é essencial ao desenvolvimento, pois a forma como cada pessoa enfrenta cada crise determina e promove forças para ser bem sucedido no estádio seguinte.
  17. 17. ConclusõesA crise psicossocial é o resultado de um conflito entre a vertentepositiva e a vertente negativa.Como em cada um dos oito estágios o ego passa por uma crise, odesfecho da crise pode ser positivo ou negativo; se o desfecho forpositivo surge um ego mais forte e estável, enquanto se for um desfechonegativo gera um ego mais fragilizado.

×