Teologia 35

405 visualizações

Publicada em

Teologia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teologia 35

  1. 1. Convenio FENIPE e FATEFINA Promoção dos 300.000 Cursos Grátis Pelo Sistema de Ensino a Distancia – SED CNPJ º 21.221.528/0001-60 Registro Civil das Pessoas Jurídicas nº 333 do Livro A-l das Fls. 173/173 vº, Fundada em 01 de Janeiro de 1980, Registrada em 27 de Outubro de 1984 Presidente Nacional Reverendo Pr. Gilson Aristeu de Oliveira Coordenador Geral Pr. Antony Steff Gilson de Oliveira APOSTILA Nº. 35/300.000 MIL CURSOS GRATIS EM 347 PAGINAS. Apostila 35 Estudo da Teologia de Seitas e Heresia EINSTEIN E OS CAMINHOS DA CRIAÇÃO Parte I A cosmogonia judaica e o conceito espaço-tempo - em Gênesis Um Aos olhos de Hitler e de seus fiéis, conforme descreve Raphaël Draï [La Pensée Juive et L'Interrogation Divine, Exégèse et Épistémologie (Paris: Presses Universitaires de France, 1966) 1], existia um perigoso pensamento judaico, caracterizado por sua essência maléfica, inspiradora da física de Einstein, da literatura de Kafka, da música de Schoenberg e da psicanálise de Freud. Deixando de lado os delírios hitlerianos, podemos dizer que há um criativo e fecundo pensamento judaico, que através dos séculos soube combinar Torah e conhecimento, ética e epistemologia. Nosso propósito é, numa primeira aproximação, mostrar que os estudos judaicos dos conteúdos de Gênesis Um produziram uma epistemologia que interliga o conceito espaço/tempo em Gênesis Um com a teoria da relatividade. Essa dialética tem especial importância para a teologia cristã, já que a partir dela podemos entender melhor a realidade de Gênesis Um. No começar Deus criando o fogoágua e a terra. E a terra era lodo torvo e a treva sobre o rosto do abismo E o sopro-Deus revoa sobre o rosto da água. [Tradução de Augusto de Campos in Bere'shith, A Cena da Origem, SP, Perspectiva, 1988, p. 45]. O desafio maior para quem analisa significações é o próprio exercício da leitura. O desejo de conservar a linguagem pode levar a uma solução oposta àquela se pretende. Considerar o simbólico como abstrato e irrelevante é, em última instância, separar signo e objeto. Assim quando um texto passa a ser apenas e Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 1
  2. 2. somente um conjunto fechado costumamos dizer que compreendemos o referido texto. Mas ao fazer isso, na verdade, eliminamos a possibilidade de restaurar sua intenção original e de ultrapassar a letra para captar o sentido primeiro de seu autor. Logicamente, esse midrash tem como ponto de partida, e exige como garantia, a compreensão do primeiro discurso. Em novembro de 1942, o poeta e crítico Ezra Pound afirmava que "o mistério profundo da vida é descobrir porque os outros não compreendem aquilo que se escreve e diz. A coisa parece simples e clara ao escritor, mas outros o tomam em sentido diferente. E se gastam anos para saber porque e como" [Ezra Pound, Lettere 1907-1958, Milão, Feltrinelli Editore, 1980, p. 7]. Logicamente, como autor e crítico, Pound falava de hermenêutica em seu sentido laico, que não implica na inesgotabilidade do texto sagrado. Produto não inspirado, esse texto, fruto da inteligência e arte de um homem, pode ser percorrido por outro homem em sua totalidade, arrancando do discurso poético os elementos lógicos que lhe deram constituição, interpretando-o com tal maestria e clareza quanto poderia fazê-lo seu próprio autor. Mas mesmo assim, como alerta Pound, isso pode transformar-se em tarefa de anos. Interpretar o texto bíblico, decifrá-lo, arrancar dele significações é um desafio que não se resume a um homem ou a um curto período de anos. É nosso pressuposto que Gênesis Um enquanto palavra/ordem do Deus criador apresenta mais conteúdos do que é perceptível na leitura de toda uma geração. Aqui há uma dialeticidade que permanecerá no equilíbrio de seus contrários, sem solução ou síntese enquanto houver história: a revelação do que é perfeito dá-se através de um instrumento imperfeito, a linguagem humana. Nossa necessidade histórica de interpretar nasce daí, dessa inadequação entre significante e significado. "A tarefa do intérprete consiste, pois, na explicitação da mensagem divina, através do raciocínio bem dirigido. As conclusões a que se chega nada acrescentam ao significado do texto, pois já estavam contidas ali desde sempre; embora para ele sejam novas, uma vez que diferem do que está escrito, em si mesmas não o são, porque estavam gravadas no subsolo do texto que se interpretou. Contudo, sendo a Bíblia obra de um ser infinito, as interpretações jamais se esgotam. Cada novo corte no texto aprofunda o seu sentido, mas é sempre possível avançar mais. Elas se sucedem através do tempo, porém, por mais surpreendentes que pareçam, têm a garantia de se situarem no mesmo campo inicial". [Renato Mezan, Freud: A Trama dos Conceitos, SP, Perspectiva, 1982, p. 342]. Exatamente, por isso, parto do pressuposto de que a teologia judaica nos últimos mil e novecentos anos apresenta uma hermenêutica bastante criativa do Gênesis Um. Essa hermenêutica ou midrash não ficou restrita aos círculos rabínicos, mas fez parte da tradição e da cultura do judaísmo através dos séculos. Escritores, artistas e cientistas judeus utilizaram esses conhecimentos em seus campos de trabalho. Einstein conhecia essas fontes, em parte desconhecidas para o mundo cristão, mas ricas e cheias de significados para todo intelectual judeu. Por isso, esta releitura da teoria do caos tem como roteiro a cosmogonia judaica e as idéias centrais da teoria da relatividade. Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 2
  3. 3. Albert Einstein era judeu, acreditava em Deus criador, mas não aceitava o conceito bíblico de Deus pessoal. Foi um sionista militante durante toda sua vida, a ponto de em 1952 lhe ser oferecida a presidência de Israel. Não aceitou. Estava casado com a física. "As equações são mais importantes para mim porque a política é feita para o presente, ao passo que uma equação é algo para toda a eternidade". [Stephen W. Hawking, Uma Breve História do Tempo, RJ, Rocco, 1988, pp. 240-241]. DO TZIMTZUM AO PROCESSIO DEI AD EXTRA Apesar de seus matizes, o judaísmo mostrou uma coerência em relação à hermenêutica de Gênesis Um, a defesa da criação ex nihilo. Assim, o recuo de Deus para permitir que surgisse o vazio, o nada, e nele o universo finito, é desenvolvido na teoria da contração, em hebraico tzimtzum. Essa teoria formalizada pelo rabino Luria (1534-1572) é uma das concepções mais surpreendentes do pensamento judaico. Isaac Luria, um dos maiores expoentes da tradição mística no judaísmo, nasceu no Cairo, mas desenvolveu seu ministério em Safed, na Palestina. A expressão tzimtzum significa originariamente concentração, mas acabou sendo entendida como retirada. Segundo Scholem, Luria partiu de textos do Midrash, onde encontramos que Deus concentrou sua Shekiná, sua presença divina, no Santo dos Santos, assim todo seu poder retraiu-se num único ponto. É assim que surge a expressão tzimtzum. [Exod Raba ao Êx 25:10, Lev. Raba ao Lv 23:24; Pessikta de Rab Kahana, Ed. Buber 20 a; Midrasch Schir Ha-Schidim, Ed. Griinhut (1899), f. 15b, citado por Gershom Scholem, A Mística Judaica, SP, Perspectiva, 1972, p. 263]. Infelizmente, as duas expressões, concentração e retirada, que deveriam ser entendidas como complementares, já que Deus se retira e então concentra a sua luz sobre este ponto, passa a dividir os estudiosos em dois grandes grupos: os que defendem o tzimtzum como base para a doutrina da creatio ex nihilo e também para aqueles que defendem a doutrina da emanação (em hebraico atsilu) ou processio Dei ad extra. Dessa maneira, o próprio Luria, apesar de partir de uma expressão que naturalmente deve levar à creatio ex nihilo, torna-se o principal expositor dentro do misticismo judaico do processio Dei ad extra, que tem por base não um processo no tempo, mas uma estrutura da realidade, enquanto emanação, criação, formação e ação. Assim, para esses rabinos, níveis inferiores de realidade emanaram de níveis superiores que, por sua vez, tiveram origem em Deus. Dentro dessa concepção há um midrash, a teoria do vaso quebrado, que trabalha com a hipótese de que o mundo foi feito de remanescentes de mundos anteriores, que Deus havia destruído. Uma conhecida lenda rabínica explica esse processo como o desprender de uma chama de carvão da roupa de Deus. "No princípio (Gênesis 1:1), a vontade do Rei começou a gravar signos na esfera Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 3
  4. 4. superior. Do recesso mais oculto, uma negra chama brotou do mistério do ein sof, o Infinito, como um novelinho de massa informe, como que inserido no aro dessa esfera, nem branca nem preta, nem vermelha nem verde, de nenhuma cor. Somente depois de distender-se como um fio, produziu ela cores para luzir em si. Do âmago da chama, jorrou uma fonte da qual brotaram cores e se espalharam sobre tudo embaixo, oculto na ocultação mais misteriosa do ein sof. Mal rompeu ela, inteiramente irreconhecível, seu círculo de éter, sob o impacto da irrupção, um ponto oculto, superno fulgiu da irrupção final. Aquém desse ponto está excluído todo conhecimento e por isso ele é chamado reschit, princípio, a primeira palavra do Todo". [O Princípio, Sefer ha-Zohar (Livro do Esplendor), in J. Guinsburg, Do Estudo e da Oração, SP, Perspectiva, 1968, p. 605]. Apesar de sua riqueza teológica, não estaríamos longe da verdade ao classificar a doutrina da emanação como um panenteísmo, que define o mundo material como o desdobramento de Deus em diferentes níveis. E porque o mundo existe dentro de Deus, os defensores do processio Dei ad extra consideram necessário descobrir o que há de divino nos fenômenos do cotidiano. Se entendermos, porém, a teoria do tzimtzum, como a relação dialética de dois movimentos, o da retirada e o da concentração ficará mais fácil aproveitar os estudos de Luria. O tzimtzum explica o recuo de Deus para permitir que surgisse o vazio, o nada, e nele o universo finito. Como Deus é infinito, sem o tzimtzum não haveria o nada no qual pudesse produzir a estrutura espaço/tempo de uma criação separada. É interessante notar, que se por um lado a dialética da autocontração e concentração divinas deu origem ao mundo material, o choque entre o movimento restritivo e o transbordante amor de Deus criou também a possibilidade do mal. Nesse sentido, a cosmogonia judaica, vê a criação em primeiro lugar como consciente autolimitação e na seqüência como revelação e julgamento. E como julgamento é entendida a imposição de limites, ele faz parte da revelação, que se expressa pela primeira vez como criação de Deus. Em outras palavras: se o mal é uma probabilidade que surge da dialética amor divino e retração, o julgamento passa a ser inerente a tudo na criação, já que todas as coisas estão determinadas enquanto limites. A tradição do debate sobre a creatio ex nihilo é antiga no pensamento judaico. Na verdade, podemos dizer que começa a ser realizada no segundo século. Por isso, não é de estranhar que encontremos reflexões profundas sobre Gênesis Um nos séculos posteriores. Assim, em um dos textos mais representativos do pensamento caraíta, movimento medieval de retorno à letra da Escritura, considerado por muitos um protestantismo judeu de coloração pietista, a "Explanação dos Mandamentos", de Aha Nissi ben Noah de Bassorá, que ensinou em Jerusalém na segunda metade do século IX, lemos: "No primeiro dia, Deus criou sete coisas: o céu, a terra, as trevas, a luz, a água, o abismo e o vento (Gn.1:1-12). Primeiro criou tohu e bohu (a solidão e o caos), dos quais surgiu a terra (Gn.1:1-2). Criou as trevas: 'Ele formou a luz e criou as trevas' (Isaías 45:6). Criou o vento, conforme a palavra: 'e criou o vento'. Criou a água, pois com a criação da terra havia água. Criou o abismo, para que a água tivesse uma profundidade e uma submersão. Criou a luz (Gn.1:3). Para a criação do Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 4
  5. 5. mundo foram necessárias quatro coisas: a ordem, o trabalho, a determinação e a proclamação" [Nissi ben Noach, Explanação dos Mandamentos, in J. Guinsburg, op. cit., p.309]. Nesse texto aparentemente tão simples, encontramos dois conceitos muito importantes: tohu e bohu fazem parte da criação e para que haja criação é necessário ordem. Outro grande teólogo judeu, que fez oposição ao pensamento caraíta, foi Saadia Gaon (892-942). Influenciado pela efervescente teologia do Islã e pelo pensamento helenístico clássico, Gaon combateu a presença heterodoxa, de tendência maniqueísta, os remanescentes de Filo e a crítica gnóstica. Seu texto sobre a doutrina da creatio ex nihilo é de uma profunda beleza, apesar de apresentar imperfeições normais ao conhecimento da época, como, por exemplo, sua visão geocêntrica. Mas, de forma brilhante enfrenta opositores bem parecidos aos que encontramos hoje em dia. "Aqueles que acreditam na eternidade do mundo procuram provar a existência de algo que não tem começo nem fim. Por certo, nunca depararam com uma coisa que percebessem, pelos sentidos, sem ser começo nem fim, mas procuram estabelecer sua teoria por meio de postulados da razão. Semelhantemente, os dualistas empenham-se em provar a coexistência de dois princípios separados e opostos, cuja mistura fez que o mundo viesse a ser. Sem dúvida, nunca testemunharam dois princípios separados e opostos, nem o pretenso processo da mistura, mas tentaram suscitar argumentos derivados da razão pura em favor de sua teoria. De maneira similar aqueles que acreditam numa matéria eterna consideram-na como um hilo, isto é, algo em que não há originalmente qualidade de quente ou frio, de úmido ou seco, mas que se transforma por uma determinada força e assim produz aquelas quatro qualidades. Indubitavelmente, seus sentidos nunca perceberam uma coisa carente de todas essas quatro quantidades, nem jamais perceberam um processo de transformação e a geração das quatro qualidades como é sugerido. (...) Assim sendo, é claro que todos concordam em admitir alguma opinião concernente à origem do mundo que não tem base na percepção sensorial". [Saadia Gaon, Criação Ex-Nihilo in J. Guinsburg, op. cit., p. 316]. Para sua defesa da criação ex-nihilo, Gaon trabalha com quatro argumentos, três dos quais muito bem expostos: de finitude do universo, estrutura e acidentalidade. "(...) continuou a afirmar que nosso Senhor, louvado e enaltecido seja, informou- nos que todas as coisas foram criadas no tempo, e que Ele as criou do nada (...). Ele nos comprovou essa verdade por meio de sinais e milagres, e nós a aceitamos. Examino ainda mais nesta matéria com o intuito de saber se ela podia ser comprovada por especulação como foi comprovada por profecia. Achei que era este o caso por um certo número de razões, da quais, devido à brevidade, selecionei as quatro seguintes: 1. A primeira prova baseia-se no caráter finito do universo (...). 2. A segunda prova é derivada da união de partes e da composição de segmentos. Vi que os corpos consistem de partes combinadas e de segmentos ajustados entre si (...). 3. A terceira prova baseia-se na natureza dos acidentes. Verifiquei que nenhum dos corpos são desprovidos de acidentes que os afetem Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 5
  6. 6. direta ou indiretamente. Animais, por exemplo, são gerados, crescem até que alcançam sua maturidade, então, definham e se decompõem. Então eu disse a mim mesmo: Será que a terra como um todo é livre destes acidentes? (...) 4. A quarta prova baseia-se na natureza do tempo. Sei que o tempo é triplo: passado, presente, futuro. Embora o presente seja menor do que qualquer instante, tomo o instante como se toma um ponto e digo: Se um homem tentasse em seu pensamento ascender deste ponto no tempo ao ponto mais elevado, ser-lhe-ia impossível fazê-lo, porquanto o tempo é agora admitido como infinito e é impossível ao pensamento penetrar no ponto mais remoto daquilo que é infinito." [Saadia Gaon, Quatro Argumentos para a Criação, idem, op. cit., pp. 317-320]. De todos os pensadores judeus medievais, talvez o mais conhecido fora dos meios judaicos, seja o talmudista francês Shlomo bar Itzhak, o rabi Rashi de Troyes (1040-1105). Exegeta, Rashi apresenta uma tradução para o versículo um de Gênesis que leva em conta estrutura e acidentalidade: "No princípio, ao criar Deus os céus e a terra, a terra era vã..." E segundo seu midrash, o texto não está preocupado em mostrar a ordem da criação, mas em afirmar o ato criador de Deus. Rashi mostra-se preocupado com o sentido literal, mas define claramente sua hermenêutica: "Todo texto se divide em muitos significados, mas, afinal nenhum texto está destituído de seu sentido literal" [Herman Hailperin, Rashi and the Christian Scholars, Pittsburgh, University of Pittsburgh Press, 1963]. A DIALÉTICA DA ESTRUTURA E ACIDENTALIDADE Dessa maneira, tanto para expositores da creatio ex nihilo como para os defensores do processio Dei ad extra a intenção primeira de Gênesis-Um é apresentar Deus como criador, que utiliza tohu e bohu como matéria prima para a formação do universo. E é a partir dessa relação entre criação e revelação, que os estudiosos judeus entenderão a redenção, já que o fim messiânico ou estágio final do mundo revelado significa uma volta ao começo, uma nova criação. "A Redenção deveria ser conseguida não por um movimento tempestuoso na tentativa de apressar crises e catástrofes históricas, mas antes pela remarcação do caminho que conduz aos primórdios da Criação e da Revelação, ao ponto em que o processo do mundo (a história do universo e de Deus) principiou-se a desenvolver-se dentro de um sistema de leis. Aquele que conhecia a senda pela qual viera podia ter esperanças eventualmente de poder retornar sobre seus passos". [Gershom Scholem, A Mística Judaica, SP, Perspectiva, 1972, p. 248]. Assim, mais do que qualquer intencionalidade em apresentar a cronologia da criação, Gênesis Um apresenta uma ordem enquanto dialética da estrutura e acidentalidade. Esse processo é interpretado por Scholem como "o primeiro ato, o ato do tzimtzum, no qual Deus determina e (...) limita a Si mesmo, é um ato de julgamento que revela as raízes dessa qualidade em tudo o que existe. Essas raízes do julgamento divino subsistem em mistura caótica com o resíduo da luz divina que remanesceu, após a retirada ou retraimento original, dentro do espaço primário da criação de Deus. Então um segundo raio de luz emanado da essência Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 6
  7. 7. do Ein-Sof traz ordem ao caos e põe o processo cósmico em movimento, ao separar os elementos ocultos e moldá-los em nova forma" [Iossef ibn Tabul in Gershom Scholem, Kiriat Sefer, vol. XIX, pp. 197-199]. E dois escritos antigos nos mostram que a doutrina da creatio ex nihilo tem suas bases tanto no Tanach, como apócrifos intertestamentários. Lemos em Isaías: "Assim diz Iahveh, teu redentor, aquele que te modelou desde o ventre materno. Eu, Iahveh, é que fiz tudo, e sozinho estendi os céus e firmei a terra. Com efeito, quem estava comigo?" (Is.44:24). E em II Macabeus 7:28: "Eu te suplico, meu filho, contempla o céu e a terra e observa tudo o que neles existe. Reconhece que não foi de coisas existentes que Deus os fez, e que também o gênero humano surgiu da mesma forma". Esta, aliás, é a primeira afirmação explícita da criação ex nihilo. A primeira vista, a cosmogonia judaica define a centralidade de Gênesis-Um no ato criativo de Deus apenas enquanto espacialidade. Seria uma busca do lugar, da centralidade espacial. O que leva muitos a afirmarem que não há nenhum elemento espaço-temporal em Gênesis. Mas, isso não é verdade. Em 1740, Anton Lazzaro Moro, cristão novo, geólogo e exegeta italiano, desenvolveu uma sofisticada defesa da hipótese espaço-temporal em Gênesis Um. Dizia ele que tudo que está "envolto e fechado" precisa de um tempo para libertar-se e tornar-se evidente, e que Deus, ao criar a natureza, colocou-se com administrador das leis criadas. Daí conclui: "Quando a Escritura afirma que 'Spiritus Dei ferebatur super aquas (...)' indica uma função que traz consigo sucessão de tempo" [Anton Lazzaro Moro, De Crostacei e degli altri Corpi Marini che si Truovano su Monti, 1740, in Paolo Rossi, A Ciência e a Filosofia dos Modernos, São Paulo, Editora Unesp, 1992, p. 345]. Desenvolvendo sua tese espaço-temporal, explica que toda a criação sofreu duas produções diferentes, que precisam ser cuidadosamente separadas: "a primeira é a do nada pela mão imediata do criador; a outra provém do seio das segundas causas acionadas pelo administrador da natureza. A primeira produção é instantânea e é ato divino proporcionado pela onipotência e eternidade de Deus; a segunda [produção] implica que o ato divino seja adaptado às exigências da natureza que Deus estabeleceu em cada coisa" [Idem, op. cit., p. 345]. A partir daí sua cosmogonia é surpreendente. Explica que é Deus quem moveu circularmente "a celeste matéria de todo o planetário vórtice", obrigando essa matéria que formaria o Sol a colocar-se no lugar que lhe era destinado. Constatando que seja qual for a velocidade que se queira atribuir ao movimento diário do Sol e de seu vórtice, "isso não aconteceu num só dia e em só vinte e quatro horas". A formação do Sol, assim como a produção dos planetas, afirma Moro, "comprova que aqueles seis dias não foram de medida igual aos dias modernos, mas que foram espaços de tempo de duração muito mais longa, ou seja, de uma duração proporcional à atividade das causas segundas e à exigência dos efeitos produzidos; espaços esses que foram chamados dias, conforme o costume freqüentemente usado nas Escrituras de exprimir com o nome de dias certos espaços de tempo longos e indeterminados" [Idem, op. cit., p. 347]. É interessante Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 7
  8. 8. ver como a física do século vinte, principalmente aquela que sofreu influências dessa mesma cosmogonia, traduziu para uma nova linguagem antigos conceitos. É verdade, que desde Aristóteles a ciência avaliou equivocadamente o conceito tempo, considerando-o absoluto, sem relação imediata e causal com o espaço. Pensou um tempo sem ambigüidades, achando que se fosse medido corretamente, entre dois espaços ou eventos, o intervalo de mensuração seria sempre igual. Durante séculos, inclusive para Newton, o tempo foi independente do espaço. Mas, em 1905, Einstein tornou pública uma nova teoria de espaço, tempo e movimento, que ele chamou de relatividade especial. Comprovada em experiências de laboratório, essa teoria, aceita pela grande maioria dos físicos atuais, levanta algumas hipóteses simplesmente impressionantes, como a equivalência da massa e da energia, a elasticidade do espaço e do tempo e a criação e destruição da matéria. Dez anos depois, na seqüência da teoria anterior, Einstein publica a sua teoria da relatividade geral, com novas e surpreendentes previsões: a curvatura do espaço e do tempo, a possibilidade de que o universo seja finito, mas ilimitado e a possibilidade de o espaço e o tempo se esmagarem, deixando de existir. "(...) estas considerações levou-nos a conceber teoricamente o universo real como um espaço curvo, de curvatura variável no espaço e no tempo, de acordo com a densidade de distribuição da matéria, susceptível porém, quando considerada em larga escala, de ser tomado como um espaço esférico. Esta concepção tem, pelo menos, a vantagem de ser logicamente irrepreensível, e de ser aquela que melhor se cinge ao ponto da teoria da relatividade geral". [Albert Einstein, Considerações Cosmológicas sobre a Teoria da Relatividade, in O Princípio da Relatividade, H. A Lorentz, A. Einstein, H. Minkowski, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1958, pp. 239-240]. E ao criticar a teoria do tempo absoluto, Einstein vai mostrar que à medida que o deslocamento de um objeto se aproxima da velocidade da luz, sua massa aumenta mais rapidamente, de forma que gasta mais energia para aumentar sua velocidade. Por isso, muito possivelmente nunca possa atingir a velocidade da luz, pois deixaria de ter massa intrínseca. O importante dessa teoria é ter modificado a compreensão de tempo e de espaço. Antes, considerava-se que a velocidade da luz era a distância que ela percorre, dividida pelo tempo que leva para fazer isso. Agora, compreendemos que a velocidade pode ser a mesma, mas não a distância percorrida. A partir da teoria da relatividade, o conceito de simultaneidade, ou seja, da existência de um mesmo momento em dois lugares diferentes, deixou de ter qualquer significado em termos de universo. O TEMPO ENQUANTO NÃO-DETERMINAÇÃO Em linguagem da física da relatividade o tempo gasto é a velocidade da luz multiplicada pela distância que a luz percorreu. Temos então várias medidas de tempo, ou seja, medições diferentes entre dois eventos ou espaços. Gênesis nos apresenta este conceito de tempo com Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 8
  9. 9. Dessa maneira, à medida que a luz percorre verticalmente o campo gravitacional da Terra perde energia e sua freqüência diminui. Em outras palavras, espaço e tempo são quantidades dinâmicas. Quando um corpo se move no universo afeta a curva do espaço-tempo e, por sua vez, a curva do espaço-tempo afeta a forma como os corpos se movem e as forças atuam. Só que, e esse conceito é importantíssimo para a relatividade geral, não há como falar de espaço-tempo fora dos limites do universo. Essa premissa é interessante, pois descarta a idéia de um universo imutável, que sempre existiu, para trabalhar com a possibilidade de um universo que teve início, é plástico e encontra-se em expansão. Ora, o que Gênesis está mostrando é que o universo teve um início, que a criação não é um mito. "Não há nenhum paralelo bíblico aos mitos pagãos que relatam a morte de deuses mais velhos (ou poderes demoníacos) pelos mais jovens; não se acham presentes nos tempos primevos quaisquer outros deuses. As batalhas de Iahveh com monstros primevos, aos quais é feita ocasionalmente alusão poética, não são lutas entre deuses pelo domínio do mundo. As batalhas de Iahveh com Raabe, o dragão, Leviatã, no mar, a serpente veloz, etc., não são esclarecidas pela referência ao mito da derrota de Tiamat por Marduc e sua subsequente tomada do poder supremo". [Yehezkel Kaufmann, A Religião de Israel, São Paulo, Perspectiva, 1989]. Assim, para a teoria da relatividade o universo tem começo como singularidade, que ficou conhecida como Big Bang e deverá ter um final também singular, o colapso total ou Big Crunch. Mesmo sem querer forçar, o Big Crunch nos leva ao texto de Pedro: "Ora, os céus e a terra estão reservados pela mesma palavra ao fogo (...) O dia do Senhor chegará como ladrão e então os céus se desfarão com estrondo, os elementos, devorados pelas chamas se dissolverão e a terra, juntamente com suas obras, será consumida" (II Pedro 3.7 e 10). Só que, como o espaço-tempo é finito, mas sem limites, o Big Crunch poderia levar a uma concentração de energia tal, que muito possivelmente possibilitaria a formação de um novo universo. E essa formulação nos leva a outro texto bíblico: "Vi então um céu novo e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra se foram (...)" Apocalipse 21.1. "De forma semelhante, se o universo explodisse novamente, deveria haver um outro estado de densidade infinita no futuro, o Big Crunch, que seria o fim do tempo. Mesmo que o universo como um todo não entrasse novamente em colapso, haveria singularidades em algumas regiões determinadas, que explodiriam para formar buracos negros. Essas singularidades seriam o fim do tempo para quem ali caísse. Na grande explosão e demais singularidades todas as leis são inoperantes. Então, Deus ainda teria tido completa liberdade para escolher o que aconteceu e como o universo começou". [Stephen Hawking, op. cit., p. 236]. Ora, como a expansão do universo implica em perda de temperatura, que é uma medida de energia, quando o universo dobra de tamanho, sua temperatura cai Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 9
  10. 10. pela metade. Assim, quando Deus cria o universo, supõe-se que tinha tamanho zero e temperatura infinitamente quente. Mas à medida que se expande, a temperatura cai. Isso explica porque o universo é tão uniforme, e parece igual mesmo nos mais diferentes pontos do espaço. Uma das consequências, caso consideremos o fiat divino como o Big Bang, é que a partir da grande explosão não houve tempo de a luz se deslocar por ilimitadas distâncias. É por isso que Gênesis apresenta em primeiro lugar tohu e bohu, as trevas e o abismo, e só no versículo três o surgimento da luz. É interessante ver que uma das possibilidades que alguns físicos baralham, um pouco a contragosto, é a de que Deus escolheu a configuração inicial do universo por razões que não temos condições de compreender. Consideram que os acontecimentos do surgimento do universo não se deram de forma arbitrária, mas refletem um ordem comum. Hawking, como não é teólogo, opta por uma variável que chama limitação caótica ou escolha ao acaso. Dentro desse ponto de vista, o universo primordial surgiu como caos. Ora a segunda lei da termodinâmica mostra que há essa tendência no universo, e que a ordem e o equilíbrio, ou seja, a vida, que é a forma mais organizada da matéria, surge como oposição a este caos. "Einstein uma vez formulou a pergunta: 'Que nível de escolha Deus teria tido ao construir o universo?' Se a proposta do não limite for correta, ele não teve qualquer liberdade para escolher as condições iniciais. Teria tido, ainda naturalmente, a liberdade de escolher as leis a que o universo obedece. Isto, entretanto, pode não ter sido um grau assim tão elevado de escolha. Pode ter sido apenas uma, ou um pequeno número de teorias completas unificadas, tal como a teoria do filamento heterótico, que são autoconsistentes e permitem a existência de estruturas tão complexas quanto os seres humanos, que podem investigar as leis do universo e fazer perguntas acerca da natureza de Deus". [Stephen Hawking, op. cit., p. 237]. "Toda variação de entropia no interior de um sistema termodinâmico pode ser decomposta em dois tipos de contribuição: a entrada exterior de entropia, que mede as trocas com o meio e cujo sinal depende da natureza dessas trocas, e a produção de entropia, que mede os processos irreversíveis no interior do sistema. É essa produção de entropia que o segundo princípio define como positiva ou nula". [Ilya Prigogine e Isabelle Stengers, Entre o Tempo e a Eternidade, São Paulo, Companhia das Letras, 1992, p. 53]. "(...) as leis científicas não distinguem entre as direções para frente e para trás do tempo. Entretanto, há pelo menos três setas de tempo que distinguem o passado do futuro, que são a seta termodinâmica, direção do tempo em que a desordem aumenta; a seta psicológica, direção do tempo na qual se recorda o passado e não o futuro; e a seta cosmológica, direção do tempo em que o universo se expande mais do que se contrai. Demonstrei que a seta psicológica é essencialmente a mesma que a termodinâmica, de modo que ambas sempre apontam para a mesma direção. A proposta do não limite para o universo prevê a existência de uma seta termodinâmica do tempo bem definida, porque o universo Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 10
  11. 11. deve começar num estado plano e ordenado. E a razão por que se observa esta seta termodinâmica se adequar à cosmologia é que os seres inteligentes só podem existir na fase de expansão". [Stephen Hawking, idem, op. cit., pp. 210, 211]. Coerente com sua visão de que Deus não joga dados com o universo, Einstein dará um feroz combate às teses de acausalidade na mecânica quântica, defendidas pelas escolas de Copenhagem e Gottingen. "Não posso suportar a idéia de que um elétron exposto a um raio de luz possa, por sua própria e livre iniciativa, escolher o momento e a direção segundo o qual deve saltar. Se isso for verdade, preferia ser sapateiro ou até empregado de uma casa de jogos em vez de ser físico". Citado por Franco Selleri, Paradoxos e realidade, Ensaios sobre os Fundamentos da Microfísica, Lisboa, Fragmentos, 1990, p. 41. Em 1944, voltaria à carga: "Nem sequer o grande sucesso inicial da teoria dos quanta consegue convencer-me de que na base de tudo esteja o indeterminismo, embora saiba bem que os colegas mais jovens considerem esta atitude como um efeito de esclerose. Um dia saber-se-á qual destas duas atitudes instintivas terá sido a atitude correta". [Ibidem, op. cit. p. 59]. Guardadas as devidas proporções, Agostinho, pai e mestre da igreja cristã, também considera que o caos transcende o tempo. "E por isso o Espírito, Mestre do vosso servo, quando recorda que no princípio criaste o céu e a terra, cala-se perante o tempo. Fica em silêncio perante os dias. O céu dos céus, criado por Vós no princípio, é, por assim dizer, uma criatura intelectual, que apesar de não ser coeterna convosco, ó Trindade, participa contudo da vossa eternidade. (...) Sem movimento nenhum desde que foi criada, permanece sempre unida a Vós, ultrapassando por isso todas as volúveis vicissitudes do tempo. Porém, este caos, esta terra invisível e informe não foi numerada entre os dias. Onde não há nenhuma forma nem nenhuma ordem, nada vem e nada passa; e onde nada passa, não pode haver dias nem sucessão de espaços de tempo" [Santo Agostinho, Confissões, XII, 9, SP, Abril, 1973, pp. 264, 265]. O bispo de Hipona faz claramente uma separação, não somente neste texto, entre os céus dos céus, uma dimensão além dos limites da ciência, e "o nosso céu e a nossa terra" (universo), que segundo ele é terra. Para ele é totalmente compreensível que essa terra fosse "invisível e informe", pois estava reduzida a um abismo sem luz, exatamente porque não tinha forma. Diríamos hoje, não há espaço-tempo. E, de maneira brilhante, tenta uma definição, apesar de alertar para suas limitações: "um certo nada, que é e não é". Interessante, Nissi ben Noach diria praticamente a mesma coisa. "O conceito de tempo não tem significado antes do começo do universo. O que foi apontado pela primeira vez por Agostinho, quando indagou: 'O que Deus fazia antes de criar o universo?'"[Stephen Hawking, op. cit., p. 27]. Conhecemos as três principais teorias cristãs sobre a criação: tudo é criação original, teoria da brecha e teoria do caos. A partir do que vimos, gostaria de fazer Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 11
  12. 12. alguns acréscimos à teoria do caos: 1. O versículo primeiro de Gênesis-Um está fora do espaço-tempo. Nesse sentido refere-se à dimensão divina do céus dos céus conforme explicita Agostinho. A criação do espaço-tempo começa com o próprio caos, que não deve ser entendido como negação ou pura ausência, mas como entropia. É ex-nihilo enquanto universo-espaço-temporal que surge, mas não enquanto realidade de Deus, que repousa naqueles quatro conceitos enumerados por Noach: determinação, proclamação, trabalho e ordem. 2. O tempo não pode ser medido pois não é cronológico, é o tempo da ordem/organicidade de Deus, ou se quisermos kairoV, ou. Isso é explicável porque não há um tempo, mas diversos tempos. A criação implica na expansão do espaço-tempo. Assim o espaço-tempo de Gênesis 1:3 é totalmente diferente do espaço-tempo de Gênesis 1:12. 3. Toda discussão que tente uma polaridade entre evolução teísta ou criação de seis dias de vinte e quatro horas não procede. Isto porque o espaço-tempo entre os seis dias não são iguais e porque não há evolução, uma teoria do progresso aplicada à natureza. Há criação e expansão da massa, o que na Bíblia traduz-se em criação e sustentação. "És tu, Iahveh, que és o único! Fizeste os céus, os céus dos céus, e todo o seu exército, a terra e tudo o que ela contém, os mares e tudo o que eles encerram. A tudo isso és tu que dás vida, e o exército dos céus diante de ti se prostra". (Neemias 9.6). Parte II A CONFISSÃO POSITIVA E AS ENFERMIDADES A seguinte declaração de Jesus deve causar algum incômodo aos filhos da Confissão Positiva: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt 8.20). Como é que Jesus fez tal declaração negativa? Ele desconhecia que as palavras têm poder? Que o que falamos se transforma em realidade? Que confirmar miséria é duvidar da providência divina? É dar brecha ao diabo? É claro que Jesus desconhecia tal doutrina. A doutrina dEle era a da Verdade. Jesus sabia que nem sempre o que é positivo é verdadeiro. Não procurava enganar a Si próprio. Se um “positivista”, por algum motivo, for morar debaixo de uma ponte dirá: “Estou morando numa linda mansão com piscina de água cristalina”. Jesus disse que Pedro O negaria três vezes. Aconteceu exatamente como afirmara, apesar da confissão positiva de Pedro (Lc 22.34, 57-60). Que coisa! Como é que o Mestre fez essa confissão negativa? Falou negativo, deu negativo. Em outra ocasião, Pedro disse a Jesus, em tom de branda repreensão, que de modo nenhum Ele iria padecer em Jerusalém, nas mãos dos principais sacerdotes e escribas. Ouviu uma dura repreensão: “Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” (Mt 16.22,23). Jesus disse que Pedro estava agindo Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 12
  13. 13. de modo semelhante ao diabo, querendo impedir Sua morte expiatória. Pedro já deveria ter aprendido que o positivo para Jesus era sempre o verdadeiro, e não o falso. Se ele disse que seria morto Jerusalém, é porque Ele seria morto em Jerusalém. O rei Josafá andou na contramão da Confissão Positiva. Fez tudo ao contrário. Em vez de levantar-se e exigir que o diabo saísse do seu caminho; em vez de “confessar a Palavra de Deus” que sempre prometeu livramento ao seu povo; em vez de “decretar” a sua vitória, “pôs-se a buscar o Senhor, e apregoou jejum em todo o Judá”, e disse: “Em nós não há força perante esta grande multidão que vem contra nós, e não sabemos o que faremos; porém os nossos olhos estão postos em ti” (2 Cr 20.3,12). As palavras de Deus ainda estavam bem conservadas no coração daquele rei: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2 Cr 7.14). A Bíblia nos ensina que nossas confissões positivas não podem contrariar a verdade dos fatos. Se um crente está com um câncer nos intestinos, com metástase no estômago e no fígado, não pode simplesmente afirmar que são apenas sintomas ou artimanhas do diabo para que haja confissão negativa. E quando o crente morre é porque morreu mesmo; não são sintomas da morte. Se o apóstolo Paulo fosse um “positivista”, teria negado a existência de um espinho na sua carne. Teria dito: “Saia de cima de mim, Satanás. Você quer me enganar com seus sintomas, mas você não me engana não. Ouviu bem, seu safado? Arrume tudo o que é seu e esqueça meu endereço. O Senhor já levou as minhas dores e enfermidades. Já fui completamente curado por Suas pisaduras”. Porém, com humildade, e reconhecendo a realidade da situação, revelou que “orei [pediu] ao Senhor por três vezes” para que desviasse de mim esse espinho. A reposta de Deus foi um “NÃO” bem grande. Os “positivistas” não querem nem ouvir falar nessa “fraqueza” de Paulo. O apóstolo era um pessimista? Ou era porque ele, seguindo o exemplo de Cristo, sempre falava a verdade? Falava o que era verdadeiro sem perder a confiança: “Como a verdade de Cristo está em mim, esta glória não me será impedida nas regiões da Acaia” (2 Cr 11.10). De modo algum Paulo seria admitido no rol dos arautos da Confissão Positiva. Como é que um crente que já foi sarado pode sofrer tantas adversidades? Mas Paulo se gloriava nas fraquezas: “Sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor a Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte” (2 Co 12.10). Os arautos ensinam e afirmam: “Não sou fraco, não fico doente, não passo necessidade, então sou forte”. Não podemos confessar nossas doenças porque elas não existem, porque são apenas sintomas colocados pelo diabo para nos enganar? O Apóstolo desconhecia essa estratégia do inimigo. Não negou que estava doente quando pregou pela primeira vez aos gálatas (Gl 4.13-14) e confessou a doença de Trófimo e a freqüente enfermidade de Timóteo (2 Tm 4.20; 1 Tm 5.23). Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 13
  14. 14. Deus é bom, não castiga ninguém com doenças nem que seja para provar a fé de seus filhos? Leiamos: 1) “E disse-lhe o Senhor: Quem fez a boca do homem? Ou quem fez o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o Senhor? (Êx 4.11). 2) “E o Senhor feriu o rei, e ficou leproso até ao dia da sua morte” (2 Rs 15.5). 3) “A lepra lhe saiu na testa [de Uzias]... visto que o Senhor o ferira” (2 Cr 26.19,20). 4) “Miriã ficou leprosa como a neve” porque “a ira do Senhor se acendeu” contra ela” (Nm 12.9-10). 5) Jó “era homem íntegro, reto e temente a Deus e se desviava do mal”; foi chamado por Deus de “meu servo”, mas Deus permitiu que a destruição viesse sobre ele: perdeu seus filhos e seus bens, e ficou coberto de “úlceras malignas, desde a planta do pé ao alto da cabeça” (Jó 1.1,8,12; 2.5). Deus sempre atende ao que lhe pedimos? Deus disse “não” a Moisés quando este pediu para entrar em Canaã: “Rogo-te que me deixes passar, para que veja esta boa terra. Porém o Senhor não me ouviu. Antes o Senhor me disse: Basta, não me fales mais deste assunto” (Dt 3.25-26). É porque esse Deus era do Antigo Testamento? Mas na Nova Aliança Ele também não atendeu ao pedido de Paulo na questão do espinho na carne (2 Co 12.7-9). Hoje em dia, Ele diz não a muitos de seus filhos, porque muitas vezes pedimos coisas inconvenientes, ou que serão pedra de tropeço no futuro. Graças a Deus não somos atendidos em tudo que Lhe pedimos. O melhor é dizermos “se Deus quiser”, pois Ele sabe o que é melhor para nós (Tg 4.15). A Confissão Positiva condena com veemência a oração em que se diz “se for da Sua vontade”. Mas vejam: “Porque melhor é que padeçais fazendo bem, se a vontade de Deus assim o quer, do que fazendo o mal” (1 Pe 3.17; cf 4.19). “Esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve” (1 Jo 5.14). Os crentes são exortados a orarem para que a vontade de Deus seja feita (Mt 6.10; 26.42. Lc 11.2; Rm 15.30-32; Tg 4.13-15). Comparemos agora esses fatos bíblicos com o pronunciamento de alguns arautos da Confissão Positiva: “Jesus era sempre positivo em Sua mensagem” (E.W.Kenyon). Positivo ou sincero? A conotação do Movimento é diferente. Confessar positivo é dizer as coisas boas segundo as promessas da Bíblia. Exemplo: se alguém está doente, nunca deve confessar que está doente, mas dizer que já foi curado. Se um casal crente tiver um filho paraplégico, deve dizer que a criança está curada. Levar uma criança ao médico, ainda que os sintomas nos digam que se trata de grave enfermidade, é não confiar na Palavra de Deus. Assim, podemos dizer que Deus foi sincero, e não positivo, quando disse ao primeiro casal: “Porque no dia em que dela comeres certamente morrerás” (Gn 2.17). E quando disse à mulher: “Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos” (3.16). E quando disse a Adão: “Maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida” (v.17). Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 14
  15. 15. “Nosso problema é que oramos e confessamos muito., mas não mandamos. É gostoso mandar!... Jesus pagou o preço para fazermos isso...” (Kenneth Hagin Jr). Isto é, orar muito não convém; confessar nossas fraquezas, idem. Mandar seria o melhor caminho. Que arrogância! Tal ensino destoa dos termos da oração-modelo ensinada por Jesus: “Pai nosso, que estais nos céus, seja feita a tua vontade... não nos deixes cair em tentação, livra-nos do mal...”. Na relação com o Pai, Jesus não mandava: “Se queres, passa de mim este cálice” (Lc 22.42). “Não ore mais por dinheiro... Exija tudo o que precisar. Deus quer que seus filhos usem a melhor roupa, dirijam os melhores carros e tenham o melhor de tudo... simplesmente exija o que você precisa” (Kenneth Hagin). O tema principal da Confissão Positiva é dinheiro, sucesso, prosperidade para viver bem aqui e agora. Muito pouco ou quase nada se fala em arrependimento e perdão, uma das primeiras recomendações de Pedro, no início da Igreja (At 2.38). “Satanás, espíritos demoníacos da AIDS, eis que eu os amarro! Vocês, espíritos demoníacos do câncer, da artrite, das infecções, da enxaqueca, da dor – saiam já desse corpo. Espíritos de enfermidades que atormentam o estômago, Satanás, eu amarro você, no nome de Jesus” (Roberto Tilton, na televisão). Algumas dessas enfermidades não têm nada a ver com demônios, mas com desejos pecaminosos da carne. “Infelizmente, porque esses vícios humanos [como o de fumar], como a lascívia, o egoísmo e a glutonaria são tidos como provocados pelos demônios, os crentes se condicionam a interpretá-los como ataques satânicos, fugindo à sua responsabilidade pessoal. Quando um homem casado comete adultério, ele pode racionalizar convenientemente o seu pecado, ser exorcizado do “demônio” da lascívia, e seguir seu caminho sem ao menos descobrir seu verdadeiro problema espiritual – que é a raiz de tudo – e a única e real solução – o arrependimento” (Hank Hanegraaff). “Quase a cada dia um novo personagem da Fé parece emergir do nada. Entretanto, todos têm uma coisa em comum: as conseqüências de seus ensinos são letais. Nalguns casos, o dano é físico; noutros, espiritual, e, tragicamente, em alguns poucos, o dano é múltiplo, tanto um como o outro. Só podemos orar para que a Igreja cristã finalmente reconheça os proponentes da Fé [Confissão Positiva] como o que de fato são: falsos mestres que estão desviando seus seguidores da verdadeira fé para o reino das seitas” (Hank Hanegraaff, Cristianismo em Crise, p.393). “Recuso-me a considerar o meu corpo, recuso-me a ser movido pelo que vejo e pelo que sinto...Escolho ouvir sua Palavra, em vez de dar crédito ao que meu corpo tenta dizer... Tenho visto pessoas morrerem, mas eu continuo firme, dizendo: `Bendito seja Deus, você não vai morrer! E de qualquer jeito morrem!´ Mas permaneço alegre porque resisti” (Kenneth Copeland). Aí temos uma confissão negativa da Confissão Positiva. Ou seja: há pessoas que adoecem e morrem, apesar da oração, apesar de “por suas pisaduras fostes sarados”. Copeland não deveria permanecer alegre ao ver os outros morrerem. Deveria se Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 15
  16. 16. recolher em arrependimento e reconhecer que acima de tudo está a soberania de Deus, que não promete cura instantânea e automática para todos os que passam à condição de filhos de Deus (Jo 1.12). “A fé em Deus – fé que parte do coração – acredita na Palavra de Deus, sem importar quais sejam as evidências físicas. Uma pessoa que busque cura deveria olhar para a Palavra de Deus e não para seus sintomas. Ela deveria dizer: “Sei que estou curada, porque a Palavra diz que pelas suas pisaduras eu fui curada” (Kenneth Hagin). Seguindo os passos doutrinários de Hagin e de outros “positivistas”, o televangelista brasileiro R.R. Soares assim resume suas convicções: É errada a idéia que “o Senhor Deus é quem cura, e que Ele é o responsável para que os milagres ocorram. Enquanto você esperar que Ele venha curá-lo, provavelmente continuará sofrendo. Se você descobre que certa coisa é sua, você não precisará de nenhuma fé para exigir aquilo que sabe que é seu. Você simplesmente tomará posse do que é seu. Você deve exigir o cumprimento do seu direito imediatamente e, logicamente, ficar curado. Você deve “exigir os seus direitos em Cristo. Usar a frase `se for a Tua vontade´ em oração pode parecer espiritual, e demonstrar atitude piedosa de quem é submisso à vontade do Senhor, mas além de não adiantar nada, destrói a própria oração. Não é pela misericórdia de Deus que você poderá ser curado, mas sim que você tem o direito de exigir a sua cura. É só você crer no que o Senhor declara e exigir a Sua bênção [exigir de Deus a bênção], ordenando ao mal que saia do seu corpo. Você não precisa orar, jejuar ou pedir a quem quer que seja para orar por você. Segundo estas declarações [Is 53.4,5] você pode ter certeza absoluta que Deus já o curou. Você é o único responsável por sua cura. Você deve exigir o cumprimento do seu direito imediatamente e, logicamente, ficar curado” (R.R.Soares, “O Direito de Desfrutar Saúde”, pp. 6,7,8,10,17-19,23,31). “Aquilo que você diz invariavelmente torna-se no que você será ou terá. Falar em fracasso, comentar o quanto você sofre, confessar o que o mal está lhe fazendo, é dar aos poderes das trevas o senhorio da sua vida. As suas palavras farão de você um vencedor ou um derrotado. São as nossas palavras que nos darão saúde, ou que nos manterão enfermos. Os sintomas não significam que você já esteja doente. Quando você fala dos seus sofrimentos e dissabores... você faz com que o inimigo tenha mais força e controle sobre a sua vida. Quem confessa isso está semeando as piores sementes da destruição. Quando o diabo lhe trouxer qualquer sintoma de doença ou de qualquer outra coisa, recuse receber e resista- lhe usando a Palavra do Senhor. Assim, você não ficará enfermo. É impossível alguém confessar fracassos e derrota e viver vitoriosamente. Não adianta ficar orando, jejuando e pedindo ao Senhor que o vença [o diabo] por você”. (R.R.Soares, A Sua Saúde Depende do que Você Fala, pp. 5,6,9,10,42,43). Os bereanos foram chamados de “mais nobres” em relação aos de Tessalônica “porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim” (At 17.11). Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 16
  17. 17. Sejamos tão nobres quanto aqueles irmãos de Beréia. Façamos um resumo da doutrina apresentada por R. R. Soares: 1) Não é Deus quem cura. 2) A ocorrência de milagres não é responsabilidade de Deus. 3) É inútil ficar esperando por Deus. 4) O crente não precisa de fé para exigir o que é seu. 5) O crente deverá simplesmente exigir seus direitos em Cristo. 6) Colocar-se à mercê da vontade de Deus anula a oração. 7) A cura não decorre da misericórdia de Deus, mas do direito a que fizemos jus, o qual deve ser exigido. 8) Basta exigir que o mal saia do corpo, sem necessidade de orar ou jejuar, ou pedir oração a qualquer pessoa. 9) As doenças que os crentes julgam ter são apenas sintomas. 10) Quem fala de seus sofrimentos e dissabores está semeando as piores sementes da destruição. Essa doutrina é estranha à Bíblia. Os expositores da teologia da prosperidade têm a liberdade de criar dia após dia novas teses, conceitos, dogmas, modismos sem fim. Agora mesmo – escrevo em setembro de 2004 – a Igreja Universal lançou a campanha para troca do anjo da guarda. Os cristãos brasileiros foram convidados a comparecerem aos templos daquela Igreja para os procedimentos legais com vistas à substituição do seu anjo guardião. Mas voltemos ao que foi ensinado pelo missionário, que tentou sintetizar em dois ou três livros a doutrina da teologia da prosperidade. Para contradizer esses ensinos, vejamos, em primeiro lugar, a carta de Paulo aos filipenses: “Mas confio no Senhor que também eu mesmo, em breve, irei ter convosco. Julguei, contudo, necessário mandar-vos Epafrodito, meu irmão, e cooperador, e companheiro nos combates... porquanto tinha muitas saudades de vós todos e estava muito angustiado de que tivésseis ouvido que ele estivera doente. E, de fato, esteve doente e quase à morte, mas Deus se apiedou dele e não somente dele, mas também de mim, para que eu não tivesse tristeza sobre tristeza” (Fp 2.24-27). Primeiro, deduz-se desse relato que crente adoece e poderá chegar a morrer em conseqüência da doença. Paulo também declara que Timóteo sofria de freqüentes enfermidades no estômago (1 Tm 5.23) e que ele mesmo orou três vezes ao Senhor para que se livrasse de um espinho na carne, e o Senhor não o atendeu (2 Co 12.7-10). Segundo, vimos que Epafrodito e Timóteo não estavam com sintomas de doença, mas estavam enfermos mesmo. Terceiro, Paulo não apelou para exigir seus direitos em Cristo ou para mandar o diabo sair nem dele nem de seus discípulos. Pelo contrário, considerou que a cura de Epafrodito foi resultado da misericórdia de Deus (“Deus apiedou-se dele”). Quarto, o texto nos revela que Paulo sempre esperava que a vontade de Deus prevalecesse. Isto está ainda mais claro na questão do espinho na carne. Quinto, vê-se que não se pode interpretar em termos absolutos o versículo 22, capítulo 21 de Mateus: “E tudo o que pedirdes em oração, crendo, o recebereis” Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 17
  18. 18. (v.Mc 11.24). Vimos que Deus disse “não” para Paulo e Timóteo e “sim” para Epafrodito. É que nossos pedidos esbarram na soberana vontade de Deus, que pode agir ou deixar de agir, atender ou não atender. Sexto, vimos que em nenhum momento Paulo julgou que a enfermidade de Epafrodito e Timóteo fosse de origem maligna, embora o apóstolo fosse dotado de discernimento para detectar tal investida (v.Atos 13.8-11; 16.16-17). Sétimo, deduz-se que a vontade de Deus prevaleceu nas enfermidades desses dois irmãos, pois Deus, “pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias, de sorte que até os lenços e aventais levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam” (At 19.11-12). Apesar de tais poderes, não pôde curar seus queridos companheiros. Entendemos portanto que tudo o que pedirmos receberemos... se for da vontade de Deus. Filipenses 2.24-17 talvez não tenha sido suficiente para convencer os contradizentes (Tt 1.9). Vamos então obter mais subsídios no livro de Tiago, escrito “para encorajar os crentes judeus que enfrentavam várias provações, que punham sua fé à prova, para corrigir crenças errôneas a respeito da natureza da fé salvífica”. Não há dúvida quanto aos destinatários do livro: “Doze tribos da Dispersão” (Tg 5.1); “irmãos” (5.2,19; 2.1,5; 5.7,9,10,12). Vejamos o que diz: “Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores. Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará... Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” (Tg 5.13- 16). Deduz-se que: Primeiro, em qualquer situação devemos falar com Deus e rogar por Sua misericórdia. Segundo, o pedido é feito, mas quem levanta o enfermo é o Senhor, se Ele quiser. Não é a nossa atitude isolada de levantar-se e exigir nossos direitos em Cristo Jesus. Terceiro, contrariando a doutrina da prosperidade, Tiago recomenda pedir oração a outro irmão, “orai uns pelos outros”. Falta mais alguma coisa. A Confissão Positiva diz que se confessarmos nossos problemas estaremos semeando destruição e dando brecha para o diabo nos dominar. Vamos recorrer em primeiro lugar ao Senhor, que revelou não ter onde repousar a cabeça, como já dito no início deste trabalho (Mt 8.20). E mais uma vez recorremos a Paulo, que de modo algum seria aceito como arauto da Confissão Positiva. Além de não negar seu “espinho na carne”; de não ocultar a doença em Timóteo e Epafrodito, ele jogou pesado ao falar de suas vicissitudes. Vejamos. “São ministros de Cristo? Eu ainda mais; em trabalhos, muito mais; em açoites, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes. Recebi dos judeus cinco quarentena de açoites menos um; três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; em viagens, muitas vezes; em perigos de rios, de salteadores; em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, na cidade, no deserto, no mar, entre falsos irmãos; em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum, muitas vezes, em frio e nudez” (2 Co 11.23-27). Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 18
  19. 19. Como o próprio nome diz, a Confissão Positiva ensina que devamos falar positivamente, confessando a Palavra. O Espírito Santo não orientou Paulo nessa direção. Ele, segundo essa doutrina, deveria ter dito: “Nunca passei fome nem sede, nem sofri açoites nem perseguições porque a Palavra diz que Deus supre as minhas necessidades. Porque Deus não deseja que nenhum filho seu sofra; porque Deus é amor dEle não pode se originar o mal, por isso eu vivo num mar de rosas, e a minha casa tem uma piscina de água mineral e empregados à minha disposição. Eu sou um homem próspero”. Nada disso. Paulo falou simplesmente a verdade, sem receio de que suas “poderosas” palavras o colocasse sob o senhorio de forças malignas. Não satisfeito com o relato de suas mazelas, Paulo ainda declarou que se gloriava em suas fraquezas (v.30), que sentia “prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando estou fraco, então, sou forte” (2 Co 12.10). Jamais um discípulo da Confissão Positiva diria tamanha asneira. Falaria assim: “Sinto prazer na minha boa vida, quando estou no meu carro importado, comendo em bons restaurantes, ganhando muito dinheiro. Porque, enquanto sou próspero, sou forte”. Nossas palavras têm poder? Aquilo que falamos se concretiza? Não aconteceu com Jonas. Ele preferiu morrer a cumprir a missão em Nínive. Foi preciso passar pelo vale da sombra da morte para compreender que Deus é soberano e faz o que lhe agrada (Jn 1.12,17): “Agindo eu, quem o impedirá?” (Is 43.13). Eu mesmo, durante a doença de minha esposa, pedi que, se fosse da vontade de Deus levá-la para Si, levasse a mim. Eu a substituiria na morte. Deus tinha outro plano. Ele não me atendeu. Pelas suas pisaduras fomos sarados A principal coluna em que a Confissão Positiva se sustenta, com relação às enfermidades, é Isaías 53.4-5, como segue: “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si... Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades. O castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. A partir daí, os arautos defendem que, ao sermos aceitos como filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo, estamos automaticamente livres de qualquer espécie de doença; que a nossa conquista de saúde perfeita se deu na cruz; que não precisamos orar, ter fé ou pedir que a vontade de Deus seja feita; que cabe a cada um se levantar e tomar posse da bênção e exigir de Deus seus direitos, e, do diabo, que saia do nosso corpo. Em síntese, é assim que a Confissão Positiva apresenta sua doutrina. Benny Hinn tenta resumir a questão assim: “Se seu corpo pertence a Deus, não pode pertencer às enfermidades”. Kenneth Copeland: “Depende de você decidir se quer ou não viver sofrendo enfermidades”. Kenneth Hagin: “Faz grande diferença aquilo que alguém pensa. Acredito que esse é o motivo pelo qual muitas pessoas estão enfermas. O que faz um crente ser bem-sucedido é o pensamento certo, a crença certa e a confissão certa”. Devemos aceitar pacificamente tais ensinos, ou fazermos como os bereanos? A Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 19
  20. 20. segunda opção é a mais correta, pois tudo deve ser examinado e passado pela peneira da Palavra. Vejamos a experiência pessoal. Você conhece ou teve notícias de crentes verdadeiros que estão ou estiveram doentes? Muitos, não é verdade? Você conheceu crentes fiéis que morreram em conseqüência de determinada doença, apesar das orações e vigílias? Muitos, não é verdade? Talvez o próprio leitor esteja lutando contra determinado mal, apesar de se levantar, de exigir, de repreender. As evidências nos revelam que os crentes adoecem e eventualmente morrem em conseqüência das enfermidades adquiridas. Isto é um fato. Outra comprovação, além das nossas experiências pessoais e dos exemplos bíblicos, já relatados (Paulo, Timóteo, Epafrodito), é a que lemos no livro de Tiago, capítulo cinco, já citado. Ali se diz que crente pode adoecer, e, quando, adoece, o melhor é pedir oração (vv. 14,15 e 16). Tais evidências nos levam a refletir no seguinte: a) Se “pelas suas pisaduras fomos sarados”, por que as doenças ocorrem? b) As doenças relatadas na Bíblia e as que conhecemos por experiências pessoais são apenas sintomas? Elas não existem e nunca existiram? c) Se nossas doenças foram levadas por Jesus há dois mil anos, por que Deus na Sua Palavra, pela carta de Tiago aos crentes, recomenda que estes chamem os presbíteros para receberem oração? d) Por que a doutrina de não pedir oração, de não aceitar, de decretar, estrebuchar, exigir somente foi dada aos santos da Confissão, depois de dois mil anos? e) Tiago não foi inspirado pelo Espírito Santo e portanto suas recomendações não servem para os dias atuais? Tais proposições nos levam a examinar com maior atenção Isaías 53.4-5. O versículo quatro fala em “enfermidades” e “dores”. Os versículos 5 a 12 falam em “transgressões”, “iniqüidades”, “expiação do pecado” “justificará a muitos e “levar sobre si o pecado de muitos”. Então, o livramento proporcionado por Jesus envolve os problemas físicos e espirituais, isto é, abrange enfermidades e pecados, porém em tempos diferentes. Como veremos mais adiante, a profecia de Isaías foi cumprida uma parte durante o ministério de Jesus (Mt 8.16-17) e outra na Sua expiação (1 Pe 2.24). Se a morte expiatória de Cristo nos torna imune às doenças, como propõem os “positivistas”, deveria também nos tornar imunes ao pecado, pois os efeitos da expiação envolvem “transgressões”. “iniqüidades” e “enfermidades” (Is 53.4-5). Se a proposta dos “positivistas” diz que estamos livres das enfermidades, por que não encampa também o pecado? Seríamos então seres perfeitos em todos os aspectos, iguais a Adão e Eva antes da queda. Não sofreríamos sequer de dor de dente ou de unha cravada, e estaríamos isentos de qualquer pecado. Mas não é assim. Já vimos que estamos sujeitos às doenças, e, quanto ao pecado, sabemos que não estamos isentos dele. Não vivemos na prática do pecado (1 Jo 5.18), o pecado não tem domínio sobre nós (Rm 6.14), mas pecamos eventualmente. Tiago recomenda aos crentes que confessem seus pecados uns aos outros (Tg Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 20
  21. 21. 5.16). “Ele foi ferido por nossas transgressões” (Is 53.5) é o mesmo que “Cristo morreu por nossos pecados” (1 Co 15.3). Os presbíteros, assim como todos os crentes, estão sujeitos a pecar (1 Tm 5.20). Leiam mais: “Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós” (1 Jo 1.8,10). A natureza pecaminosa é uma ameaça constante na vida do crente. Contamos com o socorro do Espírito Santo para que as obras do corpo sejam mortificadas (Rm 8.13; Gl 5.16-25). Mas há um escape para quem peca: “Se confessarmos nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.9). Todos os dias os “positivistas” oram por crentes enfermos. É uma incoerência. Eles oram, rogam a Deus, expulsam as enfermidades chamando-as pelo nome e declaram que “estão curados em nome de Jesus”. Ora, seria o caso de agir conforme ensinam, isto é, não adianta orar nem ter fé; basta tomar posse do direito conquistado. Para que haja coerência com o que pregam, em vez de oração deveriam dizer aos irmãos doentes: “Voltem para seus lugares. Vocês não estão enfermos. Será preciso explicar tudo novamente? Vocês foram curados há dois mil anos. O que vocês estão sentindo é apenas um sintoma colocado pelo diabo para enganar vocês. Essa miopia, essa dor de dente, dor na coluna, sinusite, câncer nas vias respiratórias, tudo isso vai passar. Basta mandar o diabo sair do corpo de vocês e proferir palavras de comando para que se cumpra o que está dito na Palavra. Voltem tranqüilos; não procurem médicos nem tomem remédios. Se alguém morrer, é porque já estava no tempo. Pelo menos morrem positivamente”. Ademais, quando oram pela cura dos crentes estão “confessando” a doença de cada um. Incoerência. Dizem que Deus não deseja que seus filhos fiquem doentes. Este argumento é mais ou menos semelhante ao usado pelo espiritismo com relação ao inferno. Ora, Deus, sendo amor, bondade e misericórdia, também não deseja que nenhum se perca ou cometa qualquer pecado. Porém, ele conhece as nossas fraquezas. Para o pecado, temos o Espírito Santo que nos convence quando nos desviamos da Palavra. Pelo arrependimento, recebemos o perdão e a nossa conciliação com Deus se restabelece. Para a doença, Deus capacitou a Igreja com “dons de curar” destinados à restauração da saúde (1 Co 12.9; cf. Mc 16.18). Deus estaria sendo incoerente? Observadas as recomendações de Tiago 5.14-15, entende-se que os dons de curar se destinam a curar também os crentes. Como pode? Os crentes foram ou não foram curados há dois mil anos “pelas pisaduras” de Jesus? Podemos entender como dons de curar sintomas? Improvável. Mateus 8.17 é usado pela Confissão como prova de que nenhum vírus ou bactéria ataca os crentes: “E chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele, com a sua palavra, expulsou deles os espíritos e curou todos os que estavam enfermos, para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e levou as nossas doenças”. Quando realizou essa cura e outras mais, Jesus ainda não havia passado pelo Calvário. Ao realizá-las durante seu ministério, cumpriu-se a profecia messiânica Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 21
  22. 22. de Isaías 53. Foi necessário que assim procedesse para mostrar que Ele era realmente o Messias esperado e profetizado; que se Ele tinha poder para curar, também o tinha para perdoar. Caso semelhante ocorreu quando, no início de sua missão, leu Isaías 61.1, e, ao final, disse: “Hoje, se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos” (Lc 4.21). Ele veio para libertar os cativos, e libertou-os. A dois discípulos de João Batista, que lhe perguntaram se ele era o Messias esperado, Jesus respondeu: “Ide e anunciai a João as coisas que ouvis e vedes: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, e aos pobres é anunciado o evangelho” (Mt 11.1-5). O reino de Deus chegou com demonstração de poder. Jesus explica: “Se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é conseguintemente chegado a vós o Reino de Deus” (Mt 12.28). Para melhor compreensão, vejamos: “Elevando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça. E pelas suas feridas fostes sarados” (1 Pe 2.24). “Pelas suas pisaduras fomos sarados”, de Isaías 53.5, recebe aqui o seu significado maior e o seu cumprimento na morte expiatória. Não a cura automática das doenças, mas a remissão de nossos pecados, que se verificou no Calvário, e não antes, visto que Ele morreu por nossos pecados (1 Co 15.3; cf. Jo 1.29; 2 Co 5.21; 1 Pe 3.18). Pedro não está afirmando que o sofrimento e morte de Jesus nos tornaram imunes às doenças. Ele ressalta que “Cristo carregou os nossos pecados na cruz, tornando-se nosso substituto, quando tomou sobre Si a penalidade dos nossos pecados. O propósito de Sua morte vicária foi livrar-nos totalmente da culpa, poder e influência do pecado. Cristo, pela sua morte, removeu nossa culpa e o castigo dos nossos pecados e proveu um caminho, mediante o qual pudéssemos voltar a Deus, conforme a sua justiça (Rm 3.14-26) e receber a graça de vier em retidão diante dEle (Rm 6.2,3; 2 Co 5.15; Gl 2.20). Pedro usa a palavra “sarados” ao referir´se à salvação e todos os seus benefícios” (Bíblia de Estudo Pentecostal). A cura de enfermidades continua na Igreja. Para isso, Deus distribui dons de curar, como já dito. A Igreja também pode proclamar o perdão dos pecados, desde que haja sincero arrependimento (Mc 2.7; Jo 20.23; At 2.38; 1 Jo 1.9). À guisa de conclusão, destacamos: 1 - Não há uma cura automática de todos os enfermos que se convertem. Um paraplégico poderá ser curado na hora da conversão, ou permanecer enfermo pelo resto da vida. Nem por isto deixará de ser feliz e ter paz no coração, pois a alegria em Cristo independe das circunstâncias. 2 – As conseqüências da queda de Adão, pelo que herdamos um corpo corruptível e cheio de fraquezas, só serão desfeitas quando estivermos no céu, onde teremos um corpo incorruptível e imortal (1 Co 15.54). Na glória, “Deus limpará de seus olhos toda a lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas” (Ap 21.4). Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 22
  23. 23. 3 – Se acometido de alguma enfermidade, o crente deverá seguir as recomendações da Palavra de Deus, conforme Tiago 5.14-16: a) limpar sua vida de qualquer impureza; b) limpar o coração de qualquer sentimento de vingança ou ódio, e perdoar as ofensas; c) solicitar oração aos líderes da Igreja e aos irmãos; d) esperar no Senhor, confiante que Ele ouve as orações de seus filhos e agirá no tempo determinado, segundo a Sua vontade. 4 – O texto de Isaías 53.4-5, examinado o contexto, fala de cura espiritual (“transgressões”, “iniqüidades”) como resultado da morte vicária de Cristo, isto é, nossos pecados foram cancelados “por suas pisaduras”, no Calvário. Tal interpretação é evidenciada em 1 Pedro 2.24. 5 – A profecia de Isaías 53.4-5 concernente às enfermidades foi cumprida em Jesus durante seu ministério. Tal evidência está explicitada em Mateus 8.16-17. 6 – Assim como não precisamos decretar o perdão de nossos pecados, recebido pela fé, não precisamos decretar a cura de nossas enfermidades, que depende, como vimos, de nossa fé e da soberana vontade de Deus. Parte III A DIVINDADE DE JESUS CRISTO No espiritismo, Ele era um reformador da Judéia, com a missão de ensinar aos homens uma elevada moral, a moral evangélico-cristã; foi a segunda revelação de Deus (a primeira teria sido Moisés, e a terceira, o espiritismo); foi um médium de primeira grandeza, um espírito iluminado. Para os testemunhas-de-Jeová, Ele é um ser criado por Jeová, poderoso, mas não todo-poderoso. No budismo, Jesus foi um grande Mestre. No mormonismo, Jesus não foi gerado pelo Espírito Santo, e viveu em poligamia: Marta e Maria, irmãs de Lázaro, teriam sido suas esposas. No islamismo, um mensageiro de Deus, porém menor que Maomé. Na Nova Era, Jesus não é Deus porque todos somos deuses; a Era de Peixes, de Jesus, está se expirando, e um novo avatar surgirá para conduzir a humanidade à Era de Aquários, que colocará o mundo em ordem e estabelecerá a paz. Negar a divindade de Jesus é uma das características das seitas, mas "as portas do inferno não prevalecerão" contra a Igreja de Cristo. Para nós, cristãos, Jesus Cristo é Deus. A prova disso não é apenas a nossa fé. Contamos com a Bíblia Sagrada, livro escrito por cerca de 40 escritores, divinamente inspirados; contamos com o testemunho de apóstolos que caminharam com Jesus, ouviram suas palavras e viram seus milagres, a exemplo de Pedro que declarou enfático: "TU ÉS O CRISTO, O FILHO DO DEUS VIVO" (Mateus 16.16). Temos as palavras do próprio Jesus que afirmou: "EU E O PAI SOMOS UM" (João 10.30). Temos o testemunho do profeta Isaías que, 700 anos de o Verbo habitar entre nós, chamou-O de "Deus Forte" e "Pai da Eternidade" (Isaías 9.6). Contamos, também, com o testemunho de milhões de vidas transformadas pelo poder que há no nome de Jesus. Tratar-se-ia de apenas um espírito evoluído, um homem com poderes mediúnicos como desejam os kardecistas? Se Jesus é apenas um espírito iluminado, por que não "baixa" nas sessões espíritas? Se Jesus foi igual a Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 23
  24. 24. Buda e Maomé, onde estão seus ossos? Em lugar nenhum iremos encontrá-los porque Jesus ressuscitou, e vive e reina para sempre. Aleluia! Vejamos o que dizem as Escrituras sobre a divindade de Jesus. CRISTO, O CRIADOR § "Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez... estava no mundo, e o mundo foi feito por ele e o mundo não o conheceu (João 1.3, 10)). "Pois nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades, tudo foi criado por ele e para ele" (Colossenses 1.16). "...a nós falou-nos [Deus] nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez o mundo (Hebreus 1.2). CRISTO, O DEUS § "A virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamarão pelo nome de Emanuel, que quer dizer: Deus conosco" (Mateus 1.23). "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus... e o Verbo se fez carne e habitou entre nós (João 1.1,14). Atenção: "O Verbo era Deus", e não "o Verbo era um deus", como desejam os testemunhas-de-Jeová. "Eu e o Pai somos um" (João 10.30); "Quem me vê, vê o Pai" (João 14.9). "O Pai está em mim, e eu nele" (João 10.38); "Disse-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu" (João 20.28); "Deles são os patriarcas, e deles descende Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém". (Romanos 9.5). "Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade (Colossenses 2.9). "Porque um filho nos nasceu...o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz" (Isaías 9.6). "Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna" (1 João 5.20). Outras referências: João 1.15,18,30; Colossenses 1.15; 2 Coríntios; 4.4; 5.19. CRISTO, O ETERNO § "Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o princípio e o fim" (Apocalipse 22.13). "Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão nascesse, eu sou" (João 8.58). "Eu e o Pai somos um" (João 10.30,38). "Há tanto tempo estou convosco e não me conheces, Filipe? Quem me vê, vê o Pai... crede-me quando digo que estou no Pai e o Pai está em mim" (João 14.9-11,20; 17.21). "Vim do Pai e entrei no mundo; agora deixo o mundo e volto para o Pai" (João 16.28) Outras ref.: João 1.18; 6.57; 8.19. CRISTO, O TODO-PODEROSO § "É-me dado todo o poder no céu e na terra" (Mateus 28.18). "Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso" (Apocalipse 1.8). Outras referências: Efésios 1.20-23; João 21.17. CRISTO, O SALVADOR Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 24
  25. 25. § "Mas quando apareceu a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens, não por obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante a lavagem da regeneração e da renovação pelo Espírito Santo, que ele derramou ricamente sobre nós, por meio de Jesus Cristo nosso Salvador"(Tito 3.4-6). § "E em nenhum outro há salvação, porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos" (Atos 4.12). Vejam a ênfase: "Em nenhum outro nome". Não sobra para Buda, para Allan Kardec, para Maomé, para Confúcio, para Lao-Tsé, para ninguém. E mais: João 3.16; Lucas 4.18; Isaías 61.1. Jesus não foi um simples fundador de uma religião. Os afamados fundadores de seitas que surgiram na história da humanidade estão todos mortos e devidamente enterrados; seus corpos foram comidos pelos vermes, e seus ossos, se ainda restam, estão em algum lugar. Com Jesus não aconteceu a mesma coisa. A terra não pôde detê-lo, a morte não teve domínio sobre Ele. Jesus ressuscitou do sepulcro e sobre isto há o testemunho das Escrituras; há o registro de testemunhas oculares que com Ele estiveram durante sua vida terrena e após a sua ressurreição, e viram-no ascender aos céus (Mateus 28.1-10; 16-18; Marcos 16.1-14; Lucas 24.1-53; João 20.1-18). OS TÍTULOS DE JESUS De forma direta ou indireta, pelo nome ou pelos títulos, o nosso Salvador permeia toda a Bíblia, onde é apresentado, por exemplo, como Messias, Redentor, Libertador, Perdoador de pecados, Juiz, Rei dos reis e Senhor dos senhores. Vejamos alguns dos títulos de Jesus distribuídos por vários livros: Gênesis: Semente da mulher. Jó: Redentor. Salmos: Pedra angular. Cantares: Rosa de Saron. Isaías: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, Emanuel, Glória do Senhor, Legislador, Poderoso de Jacó, Renovo, Santo de Israel. Jeremias: Justiça nossa. Daniel: Ungido ou Messias. Miquéias: Juiz de Israel. Ageu: Desejado de todas as nações. Zacarias: Rei. Malaquias: Mensageiro da aliança, Sol da justiça. Mateus: Filho amado, Filho de Davi, Filho de Deus, Filho do homem, Guia, Rei dos judeus. Marcos: Filho do Deus Bendito, Santo de Deus. Lucas: Consolação de Israel, Filho do Altíssimo, Poderoso Salvador, Profeta, Salvador, Sol nascente. Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 25
  26. 26. João: A Porta, a Ressurreição e a Vida, Bom Pastor, Cordeiro de Deus, Criador, Deus Unigênito, Eu Sou, Luz do mundo, Luz Verdadeira, Verbo, Verdade, Vida, Videira verdadeira. Atos: Justo, Santo, Senhor de todos. Romanos: Deus bendito, Libertador. 1 Coríntios: Adão, Nossa Páscoa, Rocha, Senhor da glória. 2 Coríntios: Imagem de Deus. Efésios: Cabeça da Igreja. 1 Timóteo: Bem-aventurado e único Soberano, Mediador, Rei dos reis, Rei dos séculos, Senhor dos senhores. Tito: Salvador. Hebreus: Apóstolo da nossa confissão, Herdeiro de todas as coisas, Autor e Consumador da fé, Grande Sumo Sacerdote. 1 Pedro: Pastor e Bispo das almas, Príncipe dos pastores. 1 João: Advogado. Apocalipse: Alfa e Ômega, Cordeiro, Leão da Tribo de Judá, O Primeiro e o Último, Primogênito, Rei dos santos, Resplandecente estrela da manhã, Todo- poderoso. A TRINDADE Negar a divindade de Jesus é negar a existência do Deus trino, ou seja, do Deus único, eternamente subsistente em três Pessoas: a Primeira Pessoa, Deus Pai; a Segunda Pessoa, Deus Filho; e a Terceira Pessoa, Deus Espírito Santo. A unidade divina é uma unidade composta dessas três pessoas, coexistentes, porém distintas. Examinemos a Palavra: § "Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR" (Deuteronômio 6.4). Este versículo é muito usado pelos que não aceitam a Trindade. Sustentam que não existem três Deuses, mas apenas um. Ora, a idéia do Deus trino, da unidade composta, está subjacente em outras passagens, como veremos a seguir. § "Então disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem..." (Gênesis 1.26). O uso da primeira pessoa do plural - FAÇAMOS - indica que Deus não estava só na obra da Criação: o Filho e o Espírito estavam presentes. Vejam também Gênesis 3.22; 11.7; Isaías 6.8. § "Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" (Mateus 28.19). § "A graça do Senhor Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós" (2 Coríntios 13.13). Conhecida como a "bênção apostólica", este versículo revela o Deus trino. § No batismo de Jesus no Jordão, conforme Mateus 3.16-17, temos o Espírito de Deus "descendo sobre Jesus"; a voz do Pai dizendo "Este é o meu Filho amado"; e o Verbo, o Deus Filho ali encarnado e habitando entre nós. Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 26
  27. 27. § O livro de Judas fala da Trindade: "Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo, conservai a vós mesmos na caridade de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna" (Judas 20.021). § O apóstolo Pedro deixou o seu testemunho sobre as Pessoas da Trindade: "Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo" (1 Pedro 1.2). § Na seguinte passagem Jesus mais uma vez revela sua divindade e reafirma a existência da trindade em Deus: "E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder" (Lucas 24.49). A promessa diz respeito ao batismo no Espírito Santo, plenamente cumprida em Atos 2.1-4. Vejam que a promessa é do Pai, mas quem envia é o Senhor Jesus; envia do alto, do céu. Jesus confirma o que já houvera dito: "Eu e o Pai somos um". Outra referência: Atos 2.32-33. A verdade é que "Deus estava em Cristo", como afirmou o apóstolo Paulo (2 Coríntios 5.19). Finalmente, fiquemos com estas palavras gloriosas: "O Filho é o resplendor da sua glória e a expressa imagem da sua pessoa [do próprio Deus], sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder. Havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade nas alturas" (Hebreus 1.3). § Estejamos mais conscientes de que Deus habitou entre os homens, falou a língua dos homens, sofreu nossos sofrimentos, sentiu nossas dores; foi desprezado, perseguido, traído, injustamente condenado; morreu por nós numa cruz, ressuscitou ao terceiro dia, e voltou para sua glória. Parte IV AS FALSAS PROFECIAS das Testemunhas de Jeová (1914,1918,1920,1925 e 1975) As declarações oficiais da Sociedade Torre de Vigia mencionadas neste trabalho foram extraídas, com permissão dos autores, do livro `A Verdade sobre as Testemunhas de Jeová´, de Cid de Farias Miranda e William do Vale Gadelha, Editora gráfica LCR, 1a edição/2004). Os autores trabalharam por duas décadas na Sociedade. "Mas o profeta que presumir de falar em meu nome alguma palavra que eu não lhe tenho mandado falar, ou o que falar em nome de outros deuses, o tal profeta será morto. Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e o que disse não acontecer nem se realizar, essa palavra não procede do Senhor. Com soberba a falou o tal profeta. Não tenham temor dele" (Dt 18.20-22). "Assim diz o Senhor dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam; eles vos ensinam vaidades. Falam da visão do seu próprio Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 27
  28. 28. coração, não da boca do Senhor. Dizem continuamente aos que me desprezam: O Senhor disse: Paz tereis. Não mandei esses profetas, todavia eles foram correndo; não lhes falei, todavia profetizaram. Ouvi o que dizem esses profetas, profetizando mentiras em meu nome. Até quando continuará isso no coração desses profetas mentirosos, que profetizam o engano do seu próprio coração? O profeta que tem um sonho conte o sonho, mas aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra, com verdade. Portanto, eu sou contra esses profetas, diz o Senhor, que furtam as minhas palavras. Deveras, sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor. Eles os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades, mas eu não os enviei, nem lhes dei ordem. Não trazem proveito nenhum a este povo, diz o Senhor" (Jr 23.1-32). "Acautelai-vos, porém dos falsos profetas, que vêm até vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos conhecereis" (Mt 7.15-16). Surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos (Mt 24.11). Vejam que a advertência no Antigo Testamento é confirmada na Nova Aliança. Em resumo, qualquer profecia que não se cumpre não é de Deus. Na maioria dos casos nem é preciso esperar o longo tempo até a confirmação ou não da profecia. Basta examinar a Bíblia. As profecias do Corpo Governante do grupo conhecido por Testemunhas de Jeová se enquadram perfeitamente nessa palavra. Aliás, se enquadram aqui todas as palavras mentirosas que não saíram da boca de Deus, mas do coração enganoso do homem. A Sociedade Torre de Vigia para Bíblias e Tratados, representada por seu Corpo Governante, se autoproclama: "Organização de Jeová para a salvação" (A Sentinela, 15.07.1982, página 21). Portanto, a Sociedade é o caminho. "Instrumento usado por Deus, para recebermos a vida eterna no Paraíso terrestre", sendo "necessário identificar essa organização e servir a Deus como parte dela" (A Sentinela, de 15.09.1983, página 14). "A organização (Sociedade) está [de tal forma] "unida sob a proteção do Organizador Supremo", que "apenas as Testemunhas de Jeová têm esperança bíblica de sobreviver ao iminente fim deste sistema condenado" (A Sentinela, de 01.09.1989, página 19). Portanto, fora da Sociedade não há salvação. "Por meio desta agência [da Sociedade], Jeová revela suas verdades, e faz com que se cumpra o profetizar em escala intensificada e sem paralelo" (A Sentinela, 15.12.1964, pág. 749). Portanto, o corpo Governante é o único capaz de profetizar com acerto. "Tem Deus algum profeta para declarar as coisas futuras? Tem. São as testemunhas cristãs de Jeová" (A Sentinela, 01.10.1972, página 58). "A Bíblia não pode ser entendida sem se ter presente a organização visível de Jeová" (A Sentinela, 01.06.1968). Isto é, a Sociedade detém a exclusividade no que tange à interpretação das Escrituras. Logo, os seus seguidores são declarados incapazes de raciocinar. Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 28
  29. 29. "Só a organização de Jeová, em toda a terra, é dirigida pelo espírito santo ou a força ativa de Deus. Apenas esta organização funciona para o propósito de Jeová e para seu louvor. Ela é a única para a qual a Palavra Sagrada de Deus, a Bíblia, não é um livro lacrado" (A Sentinela, 01.01.1974, pág. 18, parágrafo 4). Para progredir na vida é necessário que "estejamos em contato com este canal [a organização visível, a Sociedade]" (A Sentinela, 01.08.1982, página 27, parágrafo 4). "Sem a ajuda do "escravo fiel e discreto" [O Corpo Governante], nem entenderíamos o pleno sentido do que lemos, nem saberíamos como aplicar aquilo que aprendemos - Mateus 24.454-47" (A Sentinela, 15.07.1987, página 19). Portanto, estão em situação deplorável os quase 500 milhões de evangélicos no mundo, pois dispensam a ajuda da Sociedade. "É por meio deste instrumento [a Sociedade] designado pelo espírito que suas diretrizes e sua estratégia são comunicadas a todos os seus "soldados" (A Sentinela, 01.12.1982, página 19, parágrafo 10). Se para os TJs o Espírito Santo é uma força ativa de Deus, como aqui está sendo tratado como uma Pessoa que designa, orienta, manda? Incoerência. Se é guiada pelo Espírito Santo, por que as profecias da Sociedade não se cumpriram? "Lá no ano de 613 a.C., Jeová passou por cima do Sumo Sacerdote Seraías e do segundo sacerdote Sofonias, no templo de Jerusalém, e designou Ezequiel, filho de Buzi, um subsacerdote, para ser seu profeta na terra de Babilônia... O mesmo se deu com as testemunhas ungidas e dedicadas de Jeová lá no ano de 1919 d.C. Os fatos desde então provam que receberam sua ordenação, designação e comissão para seu trabalho neste "tempo do fim" do próprio Jeová, mediante sua organização celestial." (Livro "As Nações Terão de Saber Que Eu Sou Jeová", publicado em 1973, página 63). "Os fatos provam"? Onde está escrito? Mesmo com essa suposta unção especial o Corpo Governante até agora não acertou uma só profecia; todas elas foram um fiasco, como veremos mais adiante. "Do mesmo modo, a moderna classe de Ezequiel foi enviada...este grupo de testemunhas ungidas de Jeová... em breve saberão que houve realmente um "profeta" de Jeová entre eles" (Mesmo livro, página 66). O Corpo governante da Sociedade se autoproclama equiparado aos grandes profetas de Deus, como Ezequiel. Eles não dizem que querem ser; afirmam que são. Vejamos as falsas profecias desse "instrumento de Deus". Registraremos apenas os trechos mais importantes das declarações oficiais da STV. O fim do mundo virá em 1914: "Em vista desta forte evidência bíblica concernente aos Tempos dos Gentios, Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 29
  30. 30. consideramos como uma verdade estabelecida que o final definitivo dos reinos deste mundo e o pleno estabelecimento do Reino de Deus estarão cumpridos em fins de 1914 A.D." (The Time is at Hande (O Tempo Está Próximo, mencionado no livro Testemunhas de Jeová - Proclamadores do Reino de Deus, pg. 53, rodapé), de 1889, pg. 99). Notem que a Sociedade, afirmando possuir informações privilegiadas sobre o fim do mundo, declara que sua profecia é "uma verdade estabelecida". Antes de prosseguirmos, vejamos o que disse Jesus sobre o tempo do fim: "Porém, a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas unicamente o Pai; portanto vigiai, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor; por isso estai vós também apercebidos, porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis" (Mt 24.36,42,44). Na sua condição humana Jesus não sabia, mas agora, ressurreto e glorificado, sabe todas as coisas. O Corpo Governante se colocou em posição superior aos anjos. Somente a ele Deus teria revelado o mês e o ano do estabelecimento definitivo do Reino do Céu. Prossigamos: "E, com o fim de 1914 A.D., aquilo que Deus chama de Babilônia e os homens chamam de Cristandade, terá passado, conforme já demonstrado pela profecia" (Livro Thy Kingdom Come (Venha o Teu Reino, mencionado no Proclamadores, pg 53, rodapé), de 1891, pg. 153). "A data do encerramento dessa "batalha" está definitivamente marcada nas Escrituras como sendo outubro de 1914. Ela já está em andamento, seu início tendo se dado em outubro de 1874" (The Watch Tower (A Sentinela), 15.01.1892, pg. 23). O Corpo Governante faltou com a verdade. A Escritura nunca marcou data nenhuma. "Não vemos razão para mudar os números, nem poderíamos mudá-los, se quiséssemos. Estas são, acreditamos, datas de Deus, e não nossas. Mas tenham em mente que o final de 1914 não é a data do início, mas do fim do tempo de aflições. Não vemos razão para mudar nossa opinião expressa no conceito apresentado na Sentinela de 15 de janeiro de 1892. Aconselhamos que leiam novamente" (A Sentinela, 15.07.1894, pg. 16). Ora, se fossem realmente "datas de Deus", exclusivamente confiadas ao Corpo Governante, essas datas teriam sido cumpridas e Jesus teria mentido quando disse que ninguém as conhece. Afirmam os autores de "A Verdade sobre as Testemunhas de Jeová" que, hoje, "a Sociedade ensina que 1914 marcou o início do tempo do fim, época de maiores aflições, e não do seu encerramento" (Ibidem, cap 3, pg. 29). Tentativas de explicar o fracasso da profecia: "A data marcava apenas um ponto de partida quanto ao domínio do Reino" (Livro ´Proclamadores´, 1993, pg 135). Aqui começam a mudar a ênfase do discurso. Em 1894 afirmaram que 1914 era o final e não o início dos templos de aflições. Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 30
  31. 31. "Em 1914 alguns Estudantes da Bíblia, como eram então chamadas as Testemunhas de Jeová, esperavam ser "arrebatados em nuvens, para encontrar o Senhor no ar...Um dia, alguns deles foram para um lugar isolado a fim de esperar o evento ocorrer. Entretanto, quando nada aconteceu, foram obrigados a voltar novamente para casa num estado mental bem deprimido. Como resultado, muitos deles caíram da fé" (Anuário das Testemunhas de Jeová de 1983, pg. 120). Notem que o Corpo Governante, que antes definiu como certo o fim de todas as coisas em 1914, agora tenta fugir à responsabilidade pelo fracasso da profecia. Esses "profetas de Deus" nunca confessaram seus erros. O ´Anuário´ de 1978, sobre a Noruega, página 205 diz que "alguns cujas expectativas quanto a 1914 eram demasiadas ficaram desapontados e abandonaram a verdade. Mas, na maior parte, os irmãos continuaram fiéis". Houve uma baixa considerável. Um grande número de testemunhas ficaram decepcionadas e abandonaram a Sociedade. Não abandonaram a verdade. Ao contrário, abandonaram a mentira e ficaram do lado da verdade. O Corpo Governante, único responsável pelas falsas profecias, faz de conta que não tem nada a ver com o assunto. No Anuário de 1981, página 45, sobre a França, referindo a uma testemunha chamada Emile Lanz, diz que "ele viu 1914 chegar ao fim sem os cristãos serem arrebatados...para encontrar o Senhor no ar, de acordo com o seu entendimento de 1 Tessalonicenses 4.17". Ora, foi o Corpo Governante quem criou a falsa expectativa de 1914, enganando um número incalculável de incautos, que, em vez de confiar no que diz a Bíblia, confiaram na palavra de homens falíveis, enganadores, sem temor de Deus. Fim do mundo adiado para 1918 e 1920: "Também, no ano de 1918, quando Deus destruir as igrejas em escala total e os membros das igrejas aos milhões, será nesse dia que, qualquer um que escapar, se voltará para as obras do Pastor Russell para aprender o significado da derrocada do "Cristianismo" (The Finished Mystery (O Mistério Consumado), publicado pela sociedade em 1917, pg. 485). Até para enganar as pessoas é preciso alguma sabedoria. Se 1914 fracassou, como é que marcam nova data tão próxima? Deveriam ter empurrado o fim para vinte anos depois, para que pessoas ficassem mais tempo iludidas. "Até as repúblicas desaparecerão no outono de 1920. Todos os reinos da terra passarão, serão tragados pela anarquia" (O Mistério Consumado, pg. 258). Nada disso aconteceu. Fim do mundo adiado para 1925: "Este período de tempo principiando 1.575 anos antes da era cristã, naturalmente terminará no outono do ano de 1925. Desde que outras escrituras definitivamente estabelecem o fato, de que Abrahão, Isaac e Jacó ressuscitarão e outros fiéis antigos, e que estes seriam os primeiros favorecidos, podemos esperar em 1925 a volta desses homens fiéis de Israel, ressurgindo da morte e completamente restituído à perfeição humana,os quais serão visíveis e reais representantes da Reverendo Gilson de Oliveira Pastor da Igreja Presbiteriana de Nova Vida 31

×