<ul><li>A propósito dos verbetes neologísticos </li></ul>
 
 
<ul><li>infinitivos são sempre agudos: </li></ul><ul><li>an dar </li></ul><ul><li>fa zer </li></ul><ul><li>Na cabeça de um...
<ul><li>sinónimo de ... </li></ul>
<ul><li>pedira  abonações </li></ul><ul><li>etimologia  não era obrigatória, mas... </li></ul>
<ul><li>para étimos latinos: </li></ul><ul><li>-ARE </li></ul><ul><li>-U(M) </li></ul><ul><li>-A(M) </li></ul>
<ul><li>num trabalho destes, espera-se que a abordagem não seja económica </li></ul>
<ul><li>60 = sessenta </li></ul><ul><li>1.º = primeiro </li></ul><ul><li>3 = três </li></ul><ul><li>14 = catorze </li></ul>
<ul><li>fizemos </li></ul><ul><li>dissemos </li></ul><ul><li>quisemos </li></ul><ul><li>pudemos ( vs.   podemos ) </li></ul>
<ul><li>a  a lentejana </li></ul><ul><li>o  A lentejo </li></ul>
<ul><li>No caso dos verbos, pode haver acento em palavras graves, se for necessário distinguir duas formas que seriam  hom...
<ul><li>and ámos  (Perfeito) </li></ul><ul><li>and amos  (Presente) </li></ul><ul><li>fal ámos  (Perfeito) </li></ul><ul><...
<ul><li>outrem </li></ul>
<ul><li>Uma aposta  falhada </li></ul><ul><li>Em Braga, todos os concertos  desiludiram </li></ul>
<ul><li>Terminou no passado sábado, com um  desmotivante  concerto do quarteto de Steve Wilson e da cantora Carla Cook, o ...
<ul><li>Esta edição terá mesmo sido, talvez, a mais  pobre  dos últimos anos, com a apresentação de uma série de concertos...
<ul><li>No primeiro dia, com o quarteto de Ugonna Okegwo, surgiu um jazz  incipiente  com músicos  ultrapassados , com des...
<ul><li>que, com um timbre  desajustado ,  desperdiçou , nas composições de Okego e de Monk, a  força  tantas vezes associ...
<ul><li>O concerto duplo do dia seguinte teve alguns aspectos  caricatos . Primeiro, a  incompetência  dos músicos portugu...
<ul><li>que, embora tendo como matéria prima uma música sem surpresas,  conseguiram  revelar o seu  amadorismo .   </li></ul>
<ul><li>No quinteto de Christophe Schweizer, se o trombonista líder pareceu melhor organizador do que improvisador, o saxo...
<ul><li>O concerto final do Max Nagal Big Four mostrou quanto a  ignorância da  tradição do jazz pode  ser perversa ,  </l...
<ul><li>embora uma certa  elegância  da execução coexistisse com  momentos  de emoção.   </li></ul>
<ul><li>Exactamente o que não aconteceu com Steve Wilson e o seu quarteto, sobretudo depois da aparição da cantora Carla C...
<ul><li>que  foi capaz de rechaçar  o  já raro  público, sobretudo num «espiritual» a lembrar os trágicos acontecimentos d...
 
<ul><li>A relação que há entre os dois verbos «mofar» cujos verbetes (do  Grande Dicionário , Porto Editora) te apresento ...
<ul><li>O étimo de «mofar» é o germânico « mupfen » (‘estar mal-humorado’), enquanto «mofar» virá de «mofo» + « ar ».   </...
<ul><li>A estas palavras, que, tendo étimos diferentes, vieram a coincidir (mas apenas na aparência gráfica e fonética), c...
<ul><li>Este processo nada tem que ver com o da  polissemia : aí, temos uma mesma palavra original, que ganha vários senti...
<ul><li>Quanto a «mofo» e «bafio», são palavras  polissémicas . Aliás, têm uma acepção comum a ambas, ‘ bolor ’, e uma out...
<ul><li>(Há depois uma acepção popular, coloquial, de «mofo», correspondente a ‘ coisa grátis, borla ’, mas já distante da...
<ul><li>Ou seja, a diferença que no  sketch  se queria encontrar não está dicionarizada: a diferença percepcionada pelos a...
<ul><li>mofo  De  mofar  (por derivação regressiva) </li></ul><ul><li>mofar De  mofo  +  -ar </li></ul>
<ul><li>Vejamos um outro tipo de dicionário, o de sinónimos (também da Porto Editora).  </li></ul><ul><li>As palavras que ...
<ul><li>mas figuram como sinónimos de «mofo» três palavras que não vemos em «bafio»: « aleurisma », « borla », « molagem »...
<ul><li>Nos verbetes de «maniatar» e de «bloquear» reconhecemos a acepção em que o político usava as duas palavras; a acep...
<ul><li>É provável que a aversão a «maniatar» se relacione com o facto de esta palavra ter entre a suas outras acepções pa...
<ul><li>Trabalho para ir fazendo durante este mês </li></ul><ul><li>Microfilme de publicidade à Escola Secundária José Gom...
<ul><li>Objectivo da mensagem   [o que se pretende inculcar no público, mas não slogan]   </li></ul><ul><ul><li>ESJGF  (‘é...
<ul><li>Formato e regras básicas </li></ul><ul><li>WMP. / Máximo de três minutos (mas admito que o tamanho médio dos filme...
<ul><li>Conselhos vários </li></ul><ul><li>Estilo será mais de clip do que anúncio muito «matraqueado». Evitar elogio ingé...
<ul><li>Tem de haver voz (pode não percorrer todo o vídeo, mas, note-se, na maioria dos anúncios de televisão acaba por ha...
<ul><li>Se houver dizeres escritos, zelar para que não haja erros ortográficos.  </li></ul>
<ul><li>Proximamente, será útil analisar boa publicidade, para retirar o máximo de ensinamentos para o vosso caso; em  GdN...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 8

865 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
865
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
91
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 8

  1. 2. <ul><li>A propósito dos verbetes neologísticos </li></ul>
  2. 5. <ul><li>infinitivos são sempre agudos: </li></ul><ul><li>an dar </li></ul><ul><li>fa zer </li></ul><ul><li>Na cabeça de um verbete de verbo, não haverá acento, já que palavras agudas com -r final não levam acento . </li></ul>
  3. 6. <ul><li>sinónimo de ... </li></ul>
  4. 7. <ul><li>pedira abonações </li></ul><ul><li>etimologia não era obrigatória, mas... </li></ul>
  5. 8. <ul><li>para étimos latinos: </li></ul><ul><li>-ARE </li></ul><ul><li>-U(M) </li></ul><ul><li>-A(M) </li></ul>
  6. 9. <ul><li>num trabalho destes, espera-se que a abordagem não seja económica </li></ul>
  7. 10. <ul><li>60 = sessenta </li></ul><ul><li>1.º = primeiro </li></ul><ul><li>3 = três </li></ul><ul><li>14 = catorze </li></ul>
  8. 11. <ul><li>fizemos </li></ul><ul><li>dissemos </li></ul><ul><li>quisemos </li></ul><ul><li>pudemos ( vs. podemos ) </li></ul>
  9. 12. <ul><li>a a lentejana </li></ul><ul><li>o A lentejo </li></ul>
  10. 13. <ul><li>No caso dos verbos, pode haver acento em palavras graves, se for necessário distinguir duas formas que seriam homógrafas : </li></ul><ul><ul><li>pôde (Perfeito) </li></ul></ul><ul><ul><li>pode (Presente) </li></ul></ul>
  11. 14. <ul><li>and ámos (Perfeito) </li></ul><ul><li>and amos (Presente) </li></ul><ul><li>fal ámos (Perfeito) </li></ul><ul><li>fal amos (Presente) </li></ul>
  12. 15. <ul><li>outrem </li></ul>
  13. 16. <ul><li>Uma aposta falhada </li></ul><ul><li>Em Braga, todos os concertos desiludiram </li></ul>
  14. 17. <ul><li>Terminou no passado sábado, com um desmotivante concerto do quarteto de Steve Wilson e da cantora Carla Cook, o Braga Jazz 2004, que se revelou uma aposta sem consistência . </li></ul>
  15. 18. <ul><li>Esta edição terá mesmo sido, talvez, a mais pobre dos últimos anos, com a apresentação de uma série de concertos que tiveram sempre equívocos e falhas técnicas . </li></ul>
  16. 19. <ul><li>No primeiro dia, com o quarteto de Ugonna Okegwo, surgiu um jazz incipiente com músicos ultrapassados , com destaque para o saxofonista soprano Sam Newsorne, </li></ul>
  17. 20. <ul><li>que, com um timbre desajustado , desperdiçou , nas composições de Okego e de Monk, a força tantas vezes associada ao instrumento. </li></ul>
  18. 21. <ul><li>O concerto duplo do dia seguinte teve alguns aspectos caricatos . Primeiro, a incompetência dos músicos portugueses comandados por Mário Barreiros, </li></ul>
  19. 22. <ul><li>que, embora tendo como matéria prima uma música sem surpresas, conseguiram revelar o seu amadorismo . </li></ul>
  20. 23. <ul><li>No quinteto de Christophe Schweizer, se o trombonista líder pareceu melhor organizador do que improvisador, o saxofonista Dave Binney e o baterista Dan Weiss revelaram uma insuficiência técnica e uma insensibilidade ao ritmo absolutamente risíveis . </li></ul>
  21. 24. <ul><li>O concerto final do Max Nagal Big Four mostrou quanto a ignorância da tradição do jazz pode ser perversa , </li></ul>
  22. 25. <ul><li>embora uma certa elegância da execução coexistisse com momentos de emoção. </li></ul>
  23. 26. <ul><li>Exactamente o que não aconteceu com Steve Wilson e o seu quarteto, sobretudo depois da aparição da cantora Carla Cook, uma mulher que tem os blues, o soul e o jazz no seu próprio umbigo , </li></ul>
  24. 27. <ul><li>que foi capaz de rechaçar o já raro público, sobretudo num «espiritual» a lembrar os trágicos acontecimentos de Madrid, ele próprio um acontecimento também trágico. </li></ul>
  25. 29. <ul><li>A relação que há entre os dois verbos «mofar» cujos verbetes (do Grande Dicionário , Porto Editora) te apresento é de homonímia . São palavras homónimas , como se conclui do facto de terem origem diferente. </li></ul>
  26. 30. <ul><li>O étimo de «mofar» é o germânico « mupfen » (‘estar mal-humorado’), enquanto «mofar» virá de «mofo» + « ar ». </li></ul>
  27. 31. <ul><li>A estas palavras, que, tendo étimos diferentes, vieram a coincidir (mas apenas na aparência gráfica e fonética), chamamos convergentes . </li></ul>
  28. 32. <ul><li>Este processo nada tem que ver com o da polissemia : aí, temos uma mesma palavra original, que ganha vários sentidos (várias acepções ), num fenómeno de enriquecimento semântico (seja por extensão do sentido inicial, seja por redução, etc.). </li></ul>
  29. 33. <ul><li>Quanto a «mofo» e «bafio», são palavras polissémicas . Aliás, têm uma acepção comum a ambas, ‘ bolor ’, e uma outra em que o sentido aparece reportado precisamente ao outro elemento do par de aqui se trata. </li></ul>
  30. 34. <ul><li>(Há depois uma acepção popular, coloquial, de «mofo», correspondente a ‘ coisa grátis, borla ’, mas já distante das outras.) </li></ul>
  31. 35. <ul><li>Ou seja, a diferença que no sketch se queria encontrar não está dicionarizada: a diferença percepcionada pelos amigos dever-se-ia apenas a uma conotação , de ordem puramente subjectiva. </li></ul>
  32. 36. <ul><li>mofo De mofar (por derivação regressiva) </li></ul><ul><li>mofar De mofo + -ar </li></ul>
  33. 37. <ul><li>Vejamos um outro tipo de dicionário, o de sinónimos (também da Porto Editora). </li></ul><ul><li>As palavras que podem ser sinónimas de «bafio» ou de «mofo» não são exactamente as mesmas. Há três vocábulos comuns aos dois verbetes — « mofo », « ranço », « sito » —, </li></ul>
  34. 38. <ul><li>mas figuram como sinónimos de «mofo» três palavras que não vemos em «bafio»: « aleurisma », « borla », « molagem ». Pelo menos os dois ultimos destes sinónimos de «mofo» são privativos da acepção popular (‘borla’). </li></ul>
  35. 39. <ul><li>Nos verbetes de «maniatar» e de «bloquear» reconhecemos a acepção em que o político usava as duas palavras; a acepção n.º 3 de «maniatar» e a n.º 4 de «bloquear». No entanto, as pessoas que ouvem o discurso parecem atribuir a «maniatar» conotação diferente da que dão a «bloquear». </li></ul>
  36. 40. <ul><li>É provável que a aversão a «maniatar» se relacione com o facto de esta palavra ter entre a suas outras acepções palavras do campo lexical da ‘polícia’: « algemar », « prender ». A multidão interpretaria a palavra nesse outro sentido, mais desagradável. </li></ul>
  37. 41. <ul><li>Trabalho para ir fazendo durante este mês </li></ul><ul><li>Microfilme de publicidade à Escola Secundária José Gomes Ferreira </li></ul>
  38. 42. <ul><li>Objectivo da mensagem [o que se pretende inculcar no público, mas não slogan] </li></ul><ul><ul><li>ESJGF (‘é bom andar na ESJGF’); </li></ul></ul><ul><ul><li>Voz activa (‘vale a pena ser leitor, colaborador, do Voz Activa ); </li></ul></ul><ul><ul><li>CRE e leitura (‘é bom e útil ler; na escola há bons sítios para ler, incluindo CRE’); </li></ul></ul><ul><ul><li>José Gomes Ferreira (‘é autor que vale a pena ler; cuja coragem devíamos imitar’). </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>[aceitarei outro tema, se adequado às celebrações do dia da escola (20/11)] </li></ul></ul></ul>
  39. 43. <ul><li>Formato e regras básicas </li></ul><ul><li>WMP. / Máximo de três minutos (mas admito que o tamanho médio dos filmes este ano seja mais pequeno do que o dos microfilmes feitos o ano passado). / Máximo de 100 MB. / Entregar até 3-7 de Novembro. / Pode haver trabalhos em dupla, se intervierem oralmente ambos os autores. </li></ul>
  40. 44. <ul><li>Conselhos vários </li></ul><ul><li>Estilo será mais de clip do que anúncio muito «matraqueado». Evitar elogio ingénuo e menções demasiado explícitas («ESJGF é ...») e apelos directos. Não afirmar dados discutíveis. Preferir que seja o espectador a inferir (mais do que usar o tal estilo insistente da publicidade artesanal). Não é obrigatório mostrar a escola. </li></ul>
  41. 45. <ul><li>Tem de haver voz (pode não percorrer todo o vídeo, mas, note-se, na maioria dos anúncios de televisão acaba por haver bastante preenchimento com texto). </li></ul>
  42. 46. <ul><li>Se houver dizeres escritos, zelar para que não haja erros ortográficos. </li></ul>
  43. 47. <ul><li>Proximamente, será útil analisar boa publicidade, para retirar o máximo de ensinamentos para o vosso caso; em GdN , ver os melhores bibliofilmes e microfilmes do ano passado; ver outros exemplos que ainda possa pôr. </li></ul>

×