Sense-Making: o novo paradigma da 
área de Ciência da Informação. 
As abordagens alternativas e/ou estudos de usuários qua...
como sendo uma construção do sujeito, a partir de suas 
experiências sociais, culturais, políticas e econômicas. Nesse 
se...
(necessidades de informação) quando constroem sentido e se movem 
através do tempo e do espaço. 
 O uso é o emprego dado ...
por sua vez, é visto não como um receptor passivo de informações, mas como um 
centro ativo (MORRIS 1994). 
Referências 
A...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sense making v.2- uma abordagem atual

584 visualizações

Publicada em

Sense making v.2- uma abordagem atual

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
584
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sense making v.2- uma abordagem atual

  1. 1. Sense-Making: o novo paradigma da área de Ciência da Informação. As abordagens alternativas e/ou estudos de usuários qualitativos que estão em voga atualmente são considerados o novo paradigma da Ciência da Informação. Este tipo de abordagem tem como foco principal o usuário da informação. Sobre as pesquisas qualitativas Cunha (1982, p. 17) comenta que: “estudos relacionados com o comportamento dos usuários de informação científica e tecnológica têm sido realizados com frequência cada vez maior nos últimos trinta anos”. Autores como Brenda Dervin, Carol Kuhlthau, Robert Taylor e Choo discorrem em suas publicações sobre o aspecto subjetivo deste tipo de estudo e o comportamento do emprego da informação. Eles são muito citados na literatura de Ciência da Informação e estão sempre presentes nas publicações que falam sobre o novo paradigma da informação. No início da década de 1980 até os dias de hoje, comenta-se na temática de estudos de usuários sobre como os bibliotecários devem mudar a visão da sua profissão. Os conceitos sobre acesso à informação, sistemas de informação ainda são importantes, entretanto o que se percebe é que o tema sobre usuários da informação está tendo maior repercussão. Bibliotecários e profissionais da área de Comunicação e Psicologia fazem parte de um grupo de pessoas que realizam pesquisas para: identificar os usuários dos sistemas de informação e conhecer suas necessidades e reações na busca da informação. No artigo intitulado Novos paradigmas e novos usuários de informação de Sueli Ferreira (1995), a autora fala da mudança da área de atuação do profissional da informaç ão quando diz que: “[...] a ciência da informação [...] vem caminhando do paradigma do acervo para o paradigma da informaç ão”. Logo, percebe-se que a linha de pesquisa sobre estudos de usuários está refletindo sobre esta nova abordagem. Choo apresenta em seu livro três vertentes da pesquisa sobre necessidades e usos da informação e seus respectivos autores. Brenda Dervin e sua criação de significado, Carol Kuhlthau e as reações emocionais no processo de busca da informação e por final Robert Taylor e as dimensões situacionais do ambiente em que a informação é usada. Choo (2006, p.85) argumenta que: “c ada perspectiva lança sua própria luz sobre as escolhas e ações nos principais estágios do comportamento do emprego da informação: necessidade; busca e uso da informaç ão”. Conforme Araújo (2009), a metodologia sense-making desenvolvida por Dervin é encontrada em: Estudos sobre as necessidades, interesses e usos dos meios de comunicação, informação, sistemas de comunicação e mensagens de usuários, patrocinadores, público, pacientes, clientes e cidadãos. Essa abordagem considera a informação
  2. 2. como sendo uma construção do sujeito, a partir de suas experiências sociais, culturais, políticas e econômicas. Nesse sentido, a informação é subjetiva e só se torna significativa no contexto no qual está inserida. (ARAÚJO, 2009, p. 60). A metodologia sense-making elaborada por Dervin tem por finalidade estudar o comportamento informacional dos usuários, ou seja, compreender como os usuários atribuem sentido ao estado em que se encontram e como buscam a informação para sanar suas necessidades. Dervin explica que o sense-making promove uma forma de pensar sobre a diversidade, complexidade e a incompletude, utilizando a metáfora de um ser humano atravessando pelo tempo e espaço caminhando com uma instrução parcial, encontrando lacunas, construindo pontes, avaliando achados e se movendo. (BAPTISTA; CUNHA, 2007, p. 175) É importante destacar que a expressão sense-making é utilizada pela autora (DERVIN, 1983) em dois sentidos. Sense-making refere-se ao objeto de estudo, ao processo empírico por meio do qual os usuários de informação atribuem sentido às situações em que se encontram (às lacunas cognitivas, às necessidades de informação sentidas, ao engajamento no processo de busca da informação) e, também, às informações que encontram; que utilizam e das quais se apropriam. Mas sense-making também se refere à forma de estudar o comportamento informacional dos usuários, isto é, ao tipo de metodologia preparada para analisar os processos pelos quais os usuários atribuem sentido às situações em que se encontram e às informações que utilizam. Essa metodologia relaciona-se diretamente com o estabelecimento de categorias ou tipos ideais de situações, de parada de situação, de busca de informação e de uso da informação no contexto das descontinuidades do real encontradas pelos usuários no contexto de suas vivências e atuações. A metodologia sense-making é amplamente utilizada no Brasil, principalmente na área de Ciência da Informação em estudos sobre as necessidades, interesses e usos dos meios de comunicação, informação, sistemas de comunicação e mensagens de usuários, patrocinadores, público, pacientes, clientes e cidadãos. Essa abordagem considera a informação como sendo uma construção do sujeito, a partir de suas experiências sociais, culturais, políticas e econômicas. Nesse sentido, a informação é subjetiva e só se torna significativa no contexto no qual está inserida. O modelo de DERVIN é construído sobre o trinômio: Situação-Lacuna-Uso  A situação é o contexto tempo-espaço. O momento e a forma que surge a necessidade de certa informação.  As lacunas são as paradas ou barreiras ao movimento que devem ser ultrapassadas por pontes cognitivas, ou questões que as pessoas têm
  3. 3. (necessidades de informação) quando constroem sentido e se movem através do tempo e do espaço.  O uso é o emprego dado ao conhecimento recém-adquirido, traduzido, na maioria dos estudos, como a informação útil. Figura 1 - Arte original da Metáfora Sense-Making da Dra. Dervins. Podemos dizer que as pontes cognitivas são construídas através de organizadores prévios que são propostos como um recurso instrucional potencialmente facilitador da aprendizagem significativa, no sentido de servirem de pontes entre novos conhecimentos e aqueles já existentes na estrutura cognitiva do usuário. É muito difícil definir se um determinado material é ou não um organizador prévio, pois isso depende sempre da natureza do material de aprendizagem, do nível de desenvolvimento cognitivo do aprendiz e do seu grau de familiaridade prévia com a tarefa de aprendizagem. Neste momento o profissional da informação se torna essencial para fomentar e recuperar estes materiais de acordo com o perfil do usuário. Digamos que o papel do bibliotecário nesta “c onstruç ão” é fornecer o cimento para que o “c onstrutor” usuário adicione os blocos de conhecimento adquiridos através de ideias, pensamentos, memórias e intuições estabelecidas pelo mesmo. O modelo do Sense-making reconhece que a busca de informação envolve um processo cognitivo interno, compreendendo não só aspectos intelectuais, mas emocionais (atitudes, reações em face do meio social). Ele vê a informação como subjetiva, situacional, holística e cognitiva: em resumo, construtivista. O usuário,
  4. 4. por sua vez, é visto não como um receptor passivo de informações, mas como um centro ativo (MORRIS 1994). Referências ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila; PEREIRA, Giselle Alves; FERNANDES, Janaína Rozário. A contribuição de B. Dervin para a Ciência da Informação no Brasil. Encontros Bibli:Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 14, n.28, p. 57-72, 2009. BAPTISTA, Sofia Galvão; CUNHA, Murilo Bastos da. Estudo de usuários: visão global dos métodos de coleta de dados. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12,n. 2, p. 168-184, maio/ago. 2007. CUNHA, Murilo Bastos da. Metodologias para estudo de usuários de informação científica e tecnológica. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, DF, v. 10, n. 2, p. 5-19, jul./dez. 1982. CHOO, Chun Wei. Como ficamos sabendo _ um modelo de uso da informação. In: ______A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2. ed. São Paulo: Senac, 2006. cap. 2,p. 63-120. FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Novos paradigmas e novos usuários de informação. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 25, n. 2, 1995. Morris, Ruth. Rumo a um serviço de informação centrado no usuário (Toward a user-centered information service). Journal of the American Society for Information Science, v.45, n. 1, p. 11-30, 1994.

×