Docência na Cibercultura

2.238 visualizações

Publicada em

Apresentação criada pela professora Edméa Santos da UERJ.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Está equipe será responsável em selecionar e preparar todo o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas; A equipe tem um papel fundamental para o processo ensino-aprendizagem nos cursos à distância;
  • Está equipe será responsável em selecionar e preparar todo o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas; A equipe tem um papel fundamental para o processo ensino-aprendizagem nos cursos à distância;
  • Está equipe será responsável em selecionar e preparar todo o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas; A equipe tem um papel fundamental para o processo ensino-aprendizagem nos cursos à distância;
  • Está equipe será responsável em selecionar e preparar todo o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas; A equipe tem um papel fundamental para o processo ensino-aprendizagem nos cursos à distância;
  • Está equipe será responsável em selecionar e preparar todo o conteúdo curricular articulado a procedimentos e atividades pedagógicas; A equipe tem um papel fundamental para o processo ensino-aprendizagem nos cursos à distância;
  • Docência na Cibercultura

    1. 1. DOCÊNCIA NA EAD <ul><li>DE PROFESSOR PARA TUTOR? </li></ul>
    2. 2. ALGUMAS QUESTÕES <ul><li>Como a EAD Online,suas interfaces e Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) poderão contribuir na formação para a cibercultura? </li></ul><ul><li>Que equipes? Como fica o papel do professor? </li></ul>
    3. 3. DA COMUNICAÇÃO DE MASSA À CIBERCULTURA: DESAFIOS PARA A DOCÊNCIA “ O tamanho do meu mundo é do tamanho da minha linguagem”. Wittgenstein Internet Ciberespaço Cibercultura
    4. 4. Técnica homem & máquina “ o homem faz a ferramenta a ferramenta faz o homem”. M. Luhan
    5. 6. Cibercultura Música eletrônica Ciber-sexo Jogos em rede Cultura hackers Teletrabalho Educação online
    6. 7. A EDUCAÇÃO ONLINE PARA ALÉM DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM EVENTO DA CIBERCULTURA
    7. 11. <ul><li>Criar ambientes hipertextuais que agreguem intertextualidade , conexões com outros sites ou documentos; intratextualidade , conexões com no mesmo documento; multivocalidade , agregar multiplicidade de pontos de vistas; navegabilidade , ambiente simples e de fácil acesso e transparência nas informações; mixagem , integração de várias linguagens: sons, texto, imagens dinâmicas e estáticas, gráficos, mapas; multimídia integração de vários suportes midiáticos; </li></ul><ul><li>Potencializar comunicação interativa síncrona , comunicação em tempo real e assíncrona , comunicação a qualquer tempo – emissor e receptor não precisão estar no mesmo tempo comunicativo; </li></ul><ul><li>Criar atividades de pesquisa que estimule a construção do conhecimento a partir de situações problemas, onde o sujeito possa contextualizar questões locais e globais do seu universo cultural; </li></ul><ul><li>Criar ambiências para avaliação formativa , onde os saberes sejam construídos num processo comunicativo de negociações onde a tomada de decisões seja uma prática constante para a (re) significação processual das autorias e co-autorias; </li></ul><ul><li>Disponibilizar e incentivar conexões lúdicas, artísticas e navegações fluídas. </li></ul>Um (AVA) ambiente virtual é um espaço fecundo de significação onde seres humanos e objetos técnicos interagem potencializando assim, a construção de conhecimentos, logo a aprendizagem.
    8. 12. COMO FAZER E ATUAR NA EAD? “ O método não precede a experiência, o método emerge durante a experiência e se apresenta ao final, talvez para uma nova viagem”. Edgar Morin
    9. 13. Como se dá o processo formativo em educação online? Um ambiente virtual de aprendizagem no ciberespaço poderá se constituir em um espaço de formação? Como agregar pesquisadores implicados em uma pesquisa coletiva? Refletir acerca dessas questões não seria possível fora de um contexto concreto de formação, foi necessário então criar um dispositivo de pesquisa capaz de fazer emergir um campo de pesquisa capaz de agregar cenários de aprendizagem e de formação. O conceito de dispositivo tratado aqui é inspirado na idéia de Ardoino que entende o dispositivo como “uma organização de meios materiais e/ou intelectuais, fazendo parte de uma estratégia de conhecimento de um objeto”. (ARDOINO, 2003, p. 80).
    10. 14. O professor pesquisador é, sobretudo aquele que aprende enquanto ensina e que ensina enquanto aprende. Ser epistemologicamente curioso implica na capacidade de aprender, “ de que decorre a de ensinar, sugere ou, mais do que isso implica a nossa habilidade de aprender a substantividade do objeto apreendido”. Aprender é “construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito ”.(FREIRE, 1996, p.77). Neste sentido assumimos nessa pesquisa o papel de pesquisadora-aprendente. Assim o pesquisador não é apenas quem constata o que ocorre, mas também intervém como sujeito de ocorrências . Ser sujeito de ocorrências no contexto de pesquisa e prática pedagógica implica conceber a pesquisa-formação como processo de produção de conhecimentos sobre problemas vividos pelo sujeito em sua ação docente. A pesquisa-formação contempla a possibilidade da mudança das práticas, bem como dos sujeitos em formação. Assim, “a pessoa é, simultaneamente, objeto e sujeito da formação”. (NÓVOA, 2004, 15).
    11. 15. O pesquisador coletivo é composto por todos os sujeitos participantes, atores e autores da pesquisa. A participação coletiva é condição fundante da pesquisa-ação. Não há pesquisa-ação sem participação coletiva . É necessário o envolvimento pessoal multidimensional, que integre as dimensões do emocional, sensorial, imaginativo, criativo e também racional e implicado pela experiência. “Implicar-me consiste sempre em reconhecer simultaneamente que eu implico o outro e sou implicado pelo outro na sua situação interativa” (BARBIER, 2002, p.101)
    12. 16. PRÁTICA DOCENTE: O PROGRAMA ABERTO ÀS ESTRATÉGIAS “ Ensinar exige pesquisa: não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. Esses que-fazeres se encontram um no corpo do outro. Enquanto ensino continuo buscando, reprocurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. (...). Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade”. Paulo Freire <ul><li>A pesquisa e prática docente deve se constituiur pela recursividade de duas dimensões fundantes: </li></ul><ul><li>A prática-pedagógica interativa e hipertextual. </li></ul><ul><li>A infra-estrutura comunicacional como interfaces e dispositivos formativos. </li></ul>
    13. 17. Fonte: criado pela autora a partir de Morin, Ciurana e Motta (2003). O método é uma estratégia do sujeito que também se apóia sem segmentos programados que são revistos em função da dialógica entre essas estratégias e o próprio caminhar. O método é simultaneamente programa e estratégia e, por retração de seus resultados, pode modificar o programa; portanto o método aprende. (MORIN, 2003, p.28). Tensão entre o inacabamento e a síntese da última interpretação possível. Busca acabamento eficaz e eficiente dos processos. Arte e Ciência Ciência clássica Depende do contexto. Não existe um método fora das condições em que se encontra o sujeito; Ignora o contexto Tira proveito e necessita de seus erros, para a concorrência, iniciativa, decisão e reflexão; Tolera dose fraca e superficial de erros; Necessita da instabilidade – aberta, evolutiva, enfrenta o improviso, o novo, situações aleatórias, utiliza o risco, o obstáculo, a diversidade; Necessita de condições estáveis – repetição do mesmo no mesmo, dose fraca e superficial de risco e de obstáculos; Encontra recursos, faz contornos, realiza investimentos e desvios; Organização predeterminada da ação; ESTRATÉGIA PROGRAMA MÉTODO
    14. 19. DINÂMICA DO CURSO ONLINE ? CONTEÚDOS ATIVIDADES PROJETO PEDAGÓGICO OU DESENHO INSTRUCIONAL PRODUÇÕES
    15. 20. “ A interface atua como uma espécie de tradutor, mediando entre as duas partes, tornando uma sensível para a outra. Em outras palavras, a relação governada pela interface atua como é uma relação semântica, caracterizada por significado e expressão, não por força física. Os computadores digitais são “máquinas literárias”, (...) trabalham com sinais e símbolos”. (JOHNSON, 2001, p.16). comunicação síncrona comunicação assíncrona socialização de produções multimídia leitura hipertextual “ dispositivo de observação e pesquisa, que é quando o etnógrafo procura os meios para estar onde tem necessidade de estar, ver e ouvir o que pode e desenvolver a confiança entre os sujeitos a estudar e fazer mais perguntas”. (COULON, 1995, p. 90-91). O texto é, “o tecido dos significantes que constitui a obra, porque o texto é o próprio aflorar da língua” (BARTHES, 1978, p.17). Assim, toda vez que estamos diante de certas regularidades, características específicas, situadas e contextualizadas num cenário cultural, estamos diante do conceito de gênero textual . Hoje, a Internet tornou-se um imenso laboratório de experimentações de todos os formatos. Assim, antes de entrar propriamente na análise dos gêneros virtuais , seria útil analisar os ambientes ou entornos virtuais em que esses gêneros se situam. (...) Não são domínios dos discursivos, mas domínios de produção e processamento textual em que surgem os gêneros. (MARCUSCHI, 2004, p. 26).
    16. 21. DISPOSITIVOS DE FORMAÇÃO BLOG , DIÁRIOS ONLINE Explicitação e partilha de dilemas. As situações problemáticas que emergem no decorrer na atividade profissional do professor ou do pesquisador-aprendente, podemos denominar de dilema. Um dilema é “todo o conjunto de situações bipolares ou multipolares que se apresentam ao professor no desenrolar da sua atividade profissional”. (ZABALZA, 1994, p. 1994). Muitas vezes os dilemas não aparecem de forma consciente ao pesquisar. Por isso é importante a partilha dos dilemas. O que pode ser problema para um sujeito da pesquisa pode não ser os dilemas de outros sujeitos até que os mesmos deixem seu caráter tácito e passem a ser explicitados para todo o coletivo.
    17. 23. DISPOSITIVOS DE FORMAÇÃO FÓRUM DE DISCUSSÃO A interface fórum permite a construção, estruturação, organização e registro das narrativas e autorias dos sujeitos a partir da multiplicidade e pluralidade de seus discursos. Mediar a partilha de sentidos, garantindo a participação individual e compartilhada dos discursos é um dos grandes desafios da prática docente. Só é possível construir coletivamente o conhecimento quando dispomos da contribuição singular de cada participante. Assim, é preciso fazer emergir ambiências de comunicação e aprendizagem onde cada pesquisador possa se sentir como membro do grupo, atuar como pesquisador-coletivo. “ Não devemos confundir um programa com um gênero, pois mesmo diante da rigidez de um programa, não há rigidez nas estratégias de realização do gênero como instrumento de ação social. O que deveria investigar é qual a real novidade das práticas e não a simples estrutura interna ou a natureza da linguagem”. (MARCUSCHI, 2004, p. 29).
    18. 24. FÓRUM DE DISCUSSÃO Os tópicos e ramos de discussão se configuram como espaços formativos, pois procuramos agregar valor às discussões fazendo emergir vários discursos e narrativas de formação. A orientação dos trabalhos individuais e em grupo, o aprofundamento e emergência de discussões, foram processos mediados pela tela interativa do fórum de discussão. A tela do fórum é interativa “porque é lugar de diálogo, mas também porque é meio desse diálogo”. (SILVA, 2000, p. 116). Assim, todos os participantes foram autores e co-autores da pesquisa e da prática docente.
    19. 25. DISPOSITIVOS DE FORMAÇÃO CHAT Os chats são textos emergentes da cultura digital. Os sujeitos da cibercultura se comunicam na e pela interface de forma caótica e hipertextual. A interface permite que todos se comuniquem com todos num mesmo espaço virtual. Dessa forma se, por exemplo, 50 pessoas utilizam ao mesmo tempo a interface chat todos poderão emitir e receber as mensagens de todos. Podemos ter uma infinidade de possibilidades: 1 pessoa falando para 49 pessoas, 25 falando com 25, enfim diversos arranjos dialógicos podem emergir.
    20. 26. CHAT Log do Chat 16/05/2004 21h30 21:14:35 [DAL] Oi Fátima, boa noite.! 21:18:42 [Fati] Oi Dal Boa Noite! É a já está conectada mas não entrou na sala e você não está indicada conexão!!! 21:19:47 [DAu] Eu estava aproveitando para visitar os foruns. Fiz alguns comentários nas suas ´participações, com grande alegria. 21:20:27 [DAu] Espero que goste... 21:21:12 [Fati] Que legal vou lá verificar Ainda não acabei de ler os textos de Cañas e Do autor do Nestor mas estou quase acabando 21:22:14 [DAu] Tivemos muito trabalho por aqui, mas...pela sua experiência conseguirá avançar rapidamente. Você já tem algum grupo? 21:22:31 [Fati] Imagino que você trocou Dal por dau porque teve problema de reentrar? Isto també ocorreu comigo!!! 21:23:07 [DAu] Sim. acho que é nossa prática...não tenho tanta...e vc? 21:23:33 [Fati] Sobre grupos ainda não tenho não Andei dando uns pitacos no grupo de cartografia cognitiva as estou u pouco perdida com os trabalhos de grupo!!! 21:23:46 [DAu] Já viu isto...aprendi aqui no chat...Ale 21:24:38 [Fati] Bem meu teclado está com problema no m--- 21:25:02 [Fati] Como é que você faz estas animações
    21. 27. DISPOSITIVOS DE FORMAÇÃO PORTFÓLIO <ul><li>O portfólio se constituiu como um dispositivo interativo que permite a: </li></ul><ul><li>auto-avaliação - o avaliador é o autor da ação, da produção ou da performance avaliada; </li></ul><ul><li>co-avaliação – o avaliador é um par da ação, da produção ou da performance avaliada; </li></ul><ul><li>heteroavaliação - o avaliador é um ator mais experiente , geralmente o professor da atividade, no tratamento do objeto de estudo a ser avaliado. </li></ul>Não basta ser adepto da idéia de uma avaliação formativa. Um professor deve ainda ter os meios de construir seu próprio sistema de observação, interpretação e intervenção em função de sua concepção pessoa de ensino, dos objetivos, do contrato didático, do trabalho escolar. Propor modelos de ação que exigiriam do agente a renúncia ao que ele é, ao que ele faz de boa vontade, ao que ele crê justo ou eficaz não pode levar a uma mudança duradoura das práticas. (PERRENOUD, 1999, p. 122).
    22. 28. <ul><li>VAMOS SISTEMATIZAR? </li></ul><ul><li>QUE TAL MAPEAR? </li></ul>
    23. 29. Mind Maps
    24. 30. Mapas conceituais
    25. 31. ATIIVIDADES ON-LINE VAMOS VIVENCIAR?
    26. 32. “ Nem tudo o que escrevo resulta numa realização, resulta mais uma tentativa. O que também é um prazer. Pois nem tudo eu quero pegar. Às vezes quero apenas tocar. Depois, o que toco às vezes floresce e os outros podem pegar com as duas mãos”. Clarice Lispector
    27. 33. EDMÉA OLIVEIRA E-mail: mea2@uol.com.br (21) 2530-2688; 9139-3437 SANTOS, Edméa Oliveira. Educação Online - Cibercultura e Pesquisa-formação na prática docente. Tese de doutorado. Salvador: FACED-UFBA. Orientador prof. Dr. Roberto Sidney Macedo. <defesa 4 de abril de 2005>.

    ×