NECESSIDADE E
COMPORTAMENTO
INFORMACIONAL:
BREVE LEITURA DE
MODELOS
Disciplina: Produção e Uso da Informação
Prof. Dr. Die...
PRÓLOGO
• A informação e o insight nascem no coração e na mente dos
indivíduos;
• A busca e o uso da informação são um pro...
ANÁLISE DE ESTUDO: USO X
USUÁRIO
Existem várias maneiras
de se caracterizarem
estudos de usuários; uma
das maneiras mais
...
FOCO NO SISTEMA
 1) estudos orientados ao uso de uma
biblioteca ou centro de informação individual;
FOCO NO USUÁRIO
 2) estudos orientados ao usuário, isto é,
investigação sobre um grupo particular de usuários,
como este ...
A INTEGRAÇÃO DE CHOO
 Para Choo (2003, p. 66-82), os estudos de usuários
não se classificam somente pela sua orientação
(...
A INTEGRAÇÃO DE CHOO
Choo (2003, p. 66-82) propõe uma nova ótica para
interpretação da orientação da pesquisa, ou seja, do...
A INTEGRAÇÃO DE CHOO
 “... o termo sistemas tem um amplo alcance, já que
inclui estruturas sociais, práticas e comunidade...
NECESSIDADE: BUSCA X USO
BUSCA E USO DA INFORMAÇÃO
 Em 1983, Dervin desenvolveu uma teoria que
ficaria conhecida como o modelo do sense-making
• A...
ESTRUTURA DO MODELO SENSE-
MAKING
 A situação, em tempo e espaço, seria o contexto no
qual surge o problema informacional...
BUSCA E USO DA INFORMAÇÃO
Compreensão da
situação
Compreensão das
lacunas
Compreensão dos
auxiliadores
 Que aspecto desta...
BUSCA E USO DA INFORMAÇÃO
 Os modos como as pessoas percebem seus vazios
cognitivos e como desejam informações para
ajudá...
MOTIVOS DA PARADA
•Paradas de situação: grupo de categorias desenvolvidas
para descrever a maneira pela qual as pessoas vê...
PERGUNTAS PARA TRANSPOR O
VAZIO
•Localizar os acontecimentos no tempo e no espaço
•Entender suas causas
•Determinar quais ...
COMO AS PESSOAS PÕE EM
PRÁTICA A INFORMAÇÃO OBTIDA
•Criar ideias
•Encontrar direções ou caminhos
•Adquirir capacidades
•Ob...
PROCESSO DE BUSCA DE
INFORMAÇÃO
•Kuhlthau divide o processo de busca de informação
em seis estágios: iniciação, seleção, e...
Estágios Tarefa apropriada
EMOCIONAL:
Sentimentos
comuns
COGNITIVO:
Pensamentos
FÍSICO:
Ações
Iniciação
Reconhecer as
nece...
NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO
Taylor descreve quatro níveis de necessidade de informações
evidentes nos usuários:
• Visceral –...
BUSCA DE INFORMAÇÃO
Khulthau  busca da informação em seis estágios: iniciação,
seleção, exploração, formulação, coleta e ...
Ellis e Ellis  oito atividades genéricas de busca (modelo
comportamental derivado do estudo dos padrões de busca de
cient...
O USO DA INFORMAÇÃO
 O indivíduo seleciona mensagens entre um grupo
maior de mensagens que recebe ou acompanha.
 Faz a e...
FASES DO COMPORTAMENTO NA
BUSCA INFORMACIONAL DE ELLIS
O USO DA INFORMAÇÃO
 Do ponto de vista do sistema, um documento é relevante para
uma pesquisa quando existe um consenso, ...
MODELO DE USO DA INFORMAÇÃO
CHOO, Chun Wei. Como ficamos sabendo? Um modelo de uso
da informação. In: O autor. A organização do
conhecimento: como as ...
RECOMENDAÇÕES ATIVIDADE FINAL
 Data entrega / apresentação: 02/06 e 09/06
 1ª Determinar a missão da unidade de informaç...
Necessidade e comportamento informacional: breve leitura de modelos/Informational behavior and necessity: summary of models
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Necessidade e comportamento informacional: breve leitura de modelos/Informational behavior and necessity: summary of models

458 visualizações

Publicada em

Debate sobre modelos utilizados nos estudos das necessidades e do comportamento informacional / Class conversation about models used for informational behavior and necessity studies. 2015.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
458
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Aqui o “processo de informação e uso” é definido como indispensável à retroalimentação (feedback), para saber se a necessidade de informação foi de fato satisfeita
  • Necessidade e comportamento informacional: breve leitura de modelos/Informational behavior and necessity: summary of models

    1. 1. NECESSIDADE E COMPORTAMENTO INFORMACIONAL: BREVE LEITURA DE MODELOS Disciplina: Produção e Uso da Informação Prof. Dr. Diego A. Salcedo (DCI/UFPE) Monitor: Felipe Nascimento (UFPE) Recife - 2015
    2. 2. PRÓLOGO • A informação e o insight nascem no coração e na mente dos indivíduos; • A busca e o uso da informação são um processo dinâmico e socialmente desordenado que se desdobra em camadas de contingências cognitivas, emocionais e situacionais. • A análise das necessidades e dos usos da informação vem se tornando um componente cada vez mais importante da pesquisa em áreas como a psicologia cognitiva, estudo da comunicação, difusão de inovações, recuperação da informação, sistemas de informação, tomada de decisões e aprendizagem organizacional.
    3. 3. ANÁLISE DE ESTUDO: USO X USUÁRIO Existem várias maneiras de se caracterizarem estudos de usuários; uma das maneiras mais convenientes é dividi-los em dois tipos...
    4. 4. FOCO NO SISTEMA  1) estudos orientados ao uso de uma biblioteca ou centro de informação individual;
    5. 5. FOCO NO USUÁRIO  2) estudos orientados ao usuário, isto é, investigação sobre um grupo particular de usuários, como este grupo obtém a informação necessária ao seu trabalho.
    6. 6. A INTEGRAÇÃO DE CHOO  Para Choo (2003, p. 66-82), os estudos de usuários não se classificam somente pela sua orientação (orientados para o sistema ou para o usuário), mas também pela finalidade da pesquisa, que pode ser dirigida para tarefas ou integrativa.
    7. 7. A INTEGRAÇÃO DE CHOO Choo (2003, p. 66-82) propõe uma nova ótica para interpretação da orientação da pesquisa, ou seja, do estudo de usuários empreendido. Ele avalia o foco no sistema ou no usuário levando em consideração a forma como a informação é avaliada no estudo empreendido.
    8. 8. A INTEGRAÇÃO DE CHOO  “... o termo sistemas tem um amplo alcance, já que inclui estruturas sociais, práticas e comunidades destinadas a partilhar e disseminar informações; instrumentos, serviços e agências que facilitam o acesso à informação; assim como sistemas computadorizados, que permitem que a informação seja procurada e armazenada. A pesquisa orientada para o sistema examina como a informação flui por esses sistemas sociais, e como é possível desenvolver instrumentos e serviços para simplificar o acesso à informação e fomentar a partilha de informações” (Choo, 2003, p. 68).
    9. 9. NECESSIDADE: BUSCA X USO
    10. 10. BUSCA E USO DA INFORMAÇÃO  Em 1983, Dervin desenvolveu uma teoria que ficaria conhecida como o modelo do sense-making • A busca e o uso da informação são analisados em termos do triângulo situação-vazio-uso, exemplificado pelas perguntas: • 1. O que, em sua situação, o está bloqueando? O que está faltando em sua situação? • 2. Quais são suas dúvidas ou confusões? • 3. Que tipo de ajuda você espera receber?
    11. 11. ESTRUTURA DO MODELO SENSE- MAKING  A situação, em tempo e espaço, seria o contexto no qual surge o problema informacional;  A lacuna, que seria a distância entre a situação contextual e a situação desejada (incerteza);  O resultado, que representa a consequência do processo de sense-making (DERVIN, 1983).
    12. 12. BUSCA E USO DA INFORMAÇÃO Compreensão da situação Compreensão das lacunas Compreensão dos auxiliadores  Que aspecto desta situação o concerne?  Por onde você gostaria de começar?  O que o trouxe à este ponto?  No que você está trabalhando?  O que parece estar faltando?  O que você está tentando entender?  O que você gostaria de saber a respeito disso?  Você está procurando o sentido de que?  Que confusões você está tentando superar?  O que o ajudaria?  O que você está tentando fazer?  Você se vê indo para que direção?  Como você planeja usar isso?
    13. 13. BUSCA E USO DA INFORMAÇÃO  Os modos como as pessoas percebem seus vazios cognitivos e como desejam informações para ajudá-las podem ser codificados em categorias universais aplicáveis a diferentes grupos de usuários da informação.  Três grupos de categorias: •Motivo das paradas (do ponto de vista do usuário) •Perguntas para transpor o vazio •Uso da informação
    14. 14. MOTIVOS DA PARADA •Paradas de situação: grupo de categorias desenvolvidas para descrever a maneira pela qual as pessoas vêem o caminho à sua frente sendo bloqueado: •Parada de decisão: dois ou mais caminhos •Parada de barreira: bloqueio da passagem •Parada rotatória: sem caminho à frente •Parada de inundação: a estrada desapareceu •Parada problemática: em estrada que não escolheu •Outras categorias dependem de a pessoa julgar o entorno do ponto de vista perceptivo (quanta neblina há na estrada), situacional (quantas interseções tem a estrada) e social (quantas pessoas viajam na mesma estrada).
    15. 15. PERGUNTAS PARA TRANSPOR O VAZIO •Localizar os acontecimentos no tempo e no espaço •Entender suas causas •Determinar quais resultados são esperados •Definir as características da pessoa, dos outros, dos acontecimentos e dos objetos.
    16. 16. COMO AS PESSOAS PÕE EM PRÁTICA A INFORMAÇÃO OBTIDA •Criar ideias •Encontrar direções ou caminhos •Adquirir capacidades •Obter apoio ou confirmação •Motivar-se •Conectar-se aos outros •Acalmar-se ou relaxar •Sentir prazer ou felicidade •Alcançar os objetivos
    17. 17. PROCESSO DE BUSCA DE INFORMAÇÃO •Kuhlthau divide o processo de busca de informação em seis estágios: iniciação, seleção, exploração, formulação, coleta e apresentação. •Cada estágio do processo de busca, caracteriza-se pelo comportamento do usuário em três campos de experiência: • o emocional (sentimentos), • o cognitivo (pensamento) e • o físico (ação).
    18. 18. Estágios Tarefa apropriada EMOCIONAL: Sentimentos comuns COGNITIVO: Pensamentos FÍSICO: Ações Iniciação Reconhecer as necessidades de informação Insegurança e apreensão Se concentram no problema e o relacionam com experiências passadas Discutir possíveis tópicos e abordagens com outras pessoas Seleção Identificar um campo ou tema geral a ser investigado Otimismo e prontidão para buscar Escolher um tema que tenha probabilidade de sucesso Procurar informações secundárias dentro do tema geral Exploração Expandir sua compreensão sobre o tema geral Confusão, dúvida, frustração Tornar-se bem informado e orientado Formular um foco ou ponto de vista pessoal Formulação Estabelecer o foco ou perspectiva sobre o problema Clareza Mais claros e mais direcionados Coleta Reunir as informações pertinentes ao foco Senso de direção, confiança, interesse no projeto Interesse aumentado Interagir com sistemas e serviços de informação Especificar e procurar determinada informação Apresentação Completar a busca de informação Alívio e satisfação OU desapontamento Compreensão das questões investigadas Usar a informação
    19. 19. NECESSIDADE DE INFORMAÇÃO Taylor descreve quatro níveis de necessidade de informações evidentes nos usuários: • Visceral – vaga sensação de insatisfação, um vazio de conhecimento que quase sempre é inexprimível em termos lingüísticos. • Consciente – área de indecisão que pode ser descrita mentalmente através de afirmações vagas ou narrativas ambíguas. • Formalizada – uma necessidade apontada formalmente, normalmente através de uma pergunta ou um tópico. • Adaptada – a questão conforme apresentada para o sistema de informação.
    20. 20. BUSCA DE INFORMAÇÃO Khulthau  busca da informação em seis estágios: iniciação, seleção, exploração, formulação, coleta e apresentação. Marchionini  busca da informação em ambiente eletrônico em oito subprocessos que se desenvolvem paralelamente: • Reconhecer e aceitar um problema de informação • Definir e entender o problema; • Escolher um sistema de busca; • Formular questões; • Executar a busca; • Examinar os resultados; • Extrair informações; • Refletir e repetir ou parar.
    21. 21. Ellis e Ellis  oito atividades genéricas de busca (modelo comportamental derivado do estudo dos padrões de busca de cientistas sociais, físicos e químicos): • Iniciar  identificar fontes que podem servir como ponto de partida. • Encadear  seguir novas fontes sugeridas pelas fontes iniciais. • Vasculhar  agrupar informações relacionadas pelo tema. • Diferenciar  filtrar e selecionar fontes. • Monitorar  manter-se a par dos progressos ocorridos numa área, acompanhando regularmente determinadas fontes. • Extrair  explorar sistematicamente uma ou mais fontes. • Verificar  checagem para garantir correção ou ausência de erros óbvios. • Finalizar  voltar a literatura após a conclusão de uma pesquisa, na fase de escritura do texto.
    22. 22. O USO DA INFORMAÇÃO  O indivíduo seleciona mensagens entre um grupo maior de mensagens que recebe ou acompanha.  Faz a escolha quando percebe uma relação significativa (com base em seu conhecimento e sua rede de referências, assim como no conteúdo e na forma da mensagem) entre o conteúdo da mensagem e a tarefa ou problema que tem em mãos.  O resultado do uso da informação é uma mudança no estado de conhecimento do indivíduo ou de sua capacidade de agir.  A relevância é considerada um bom indicador do uso da informação.
    23. 23. FASES DO COMPORTAMENTO NA BUSCA INFORMACIONAL DE ELLIS
    24. 24. O USO DA INFORMAÇÃO  Do ponto de vista do sistema, um documento é relevante para uma pesquisa quando existe um consenso, entre os que atuam naquele campo, de que é importante. De uma perspectiva humana, a relevância é: 1.Subjetiva 2.Cognitiva 3.Situacional 4.Multidimensional 5.Dinâmica 6.Mensurável Classes de usos: 1. Esclarecimento 2. Compreensão do problema 3. Instrumental 4. Factual 5. Confirmativa 6. Projetiva 7. Motivacional 8. Pessoal ou política
    25. 25. MODELO DE USO DA INFORMAÇÃO
    26. 26. CHOO, Chun Wei. Como ficamos sabendo? Um modelo de uso da informação. In: O autor. A organização do conhecimento: como as organizações usam informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003. p. 63-120. MARTÍNEZ-SILVEIRA, Martha; ODDONE, Nanci. Necessidades e comportamento informacional: conceituação e modelos. Ciência da Informação, Brasília, v. 36, n. 1, p. 118-127, 2007. As duas referências abaixo foram indicadas como leitura e serviram de base para a elaboração desta apresentação pelo Monitor.
    27. 27. RECOMENDAÇÕES ATIVIDADE FINAL  Data entrega / apresentação: 02/06 e 09/06  1ª Determinar a missão da unidade de informação – Definir qual o objetivo que ela se propõe cumprir, para tê-la como meta nas ações que desenvolver;  2ª Mapeamento dos processos – Especificar quais os procedimentos adotados no desenvolvimento dos processos básicos da unidade de informação (seleção, tratamento e disseminação);  3ª Identificar as necessidades dos usuários – Através de estudos de usuário, é preciso identificar quais os critérios de valor para os usuários do serviço;  4ª Inferências no processo – A partir do mapeamento dos processos e da identificação dos critérios de valor pelo usuário, é possível realizar inferências no sentido de reduzir os custos das funções proporcionando maiores benefícios aos usuários, com o mínimo de esforços possíveis;  5ª Promover a divulgação dos serviços – Criar a percepção do valor aos usuários, fazendo com que tomem conhecimento dos serviços oferecidos e das potencialidades da unidade de informação.

    ×