Módulo 4 -  A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1  – A População da ...
Aula de História 11ºAno Sumário: Conclusão do Sumário da aula anterior. Sociedade e Poder em Portugal: afirmação do absolu...
<ul><li>Preponderância da nobreza fundiária e mercantilizada As especificidades da sociedade portuguesa resultantes da evo...
<ul><li>A Criação do Aparelho Burocrático do Estado Absoluto Português no séc. XVII - Após a Restauração da Independência,...
<ul><li>1. Justiça ü A mesa de desembargo do paço: tribunal de última instância, tomando decisões que dependem directament...
<ul><li>2. As Finanças ü Em 1642 é reorganizado o Conselho da Fazenda: · Composto por três administradores · Exerce funçõe...
<ul><li>O Século XVIII: a consolidação do absolutismo monárquico   </li></ul><ul><li>ü Aumento do controlo do rei sobre o ...
O Absolutismo Joanino: Reinado de D. João V (1707-1750) <ul><li>ü Baseado no modelo francês de Luís XIV : </li></ul><ul><l...
<ul><li>Impulso à arte barroca em Portugal: Ø Monumentalidade Ø Ideia de movimento acentuado pelas linhas curvas e contra-...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 5

3.639 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
419
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 5

  1. 1. Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento As ordens sociais do Antigo Regime, segundo pintura francesa do século XVII.
  2. 2. Aula de História 11ºAno Sumário: Conclusão do Sumário da aula anterior. Sociedade e Poder em Portugal: afirmação do absolutismo.
  3. 3. <ul><li>Preponderância da nobreza fundiária e mercantilizada As especificidades da sociedade portuguesa resultantes da evolução política: Ø A Burguesia : ü Interesse na ligação com Espanha devido ao acesso à prata sevilhana, para realização do comércio com o Oriente Ø A Nobreza: ü Decisiva no golpe que restaura a independência portuguesa - A Nobreza fundiária (de sangue): -> Ocupa altos cargos na administração e no exército -> Recebe doações e mercês régias para pagamento de favores e de serviços prestados - A Nobreza mercantilizada: </li></ul><ul><li>Obstáculos à afirmação da burguesia impedindo as práticas capitalistas na actividade comercial Reforço financeiro e prestígio social da nobreza mercantilizada -> Ocupa os cargos de direcção do comércio ultramarino </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A Criação do Aparelho Burocrático do Estado Absoluto Português no séc. XVII - Após a Restauração da Independência, em 1640, D. João IV vai proceder à reorganização do aparelho burocrático: </li></ul><ul><li>ü Reactivação de órgãos criados anteriormente ü Introduz algumas reformas ü Reorganização do Conselho de Estado (órgão consultivo criado em 1562) sendo presidido pelo rei e constituído por três secretarias: </li></ul><ul><li>· Negócios do reino · Estrangeiros e guerra · Marinha e ultramar </li></ul><ul><li>A organização do Aparelho de Estado: </li></ul><ul><li>1. Justiça 2. Finanças 3. Administração do reino 4. Assuntos militares </li></ul>
  5. 5. <ul><li>1. Justiça ü A mesa de desembargo do paço: tribunal de última instância, tomando decisões que dependem directamente da vontade do rei ü A casa da suplicação: tribunal superior que exerce a sua jurisdição sobre a região sul ü A relação da casa do Porto: tribunal superior que exerce a sua jurisdição sobre a região norte ü A mesa da consciência e ordem: exerce a sua autoridade sobre as ordens. ü O tribunal do santo ofício: tribunal religioso que inquire, julga e condena os suspeitos de práticas desviantes do catolicismo </li></ul>
  6. 6. <ul><li>2. As Finanças ü Em 1642 é reorganizado o Conselho da Fazenda: · Composto por três administradores · Exerce funções ao nível da regulamentação das alfândegas, da gestão das pensões da coroa e da administração da fazenda real 3. A Administração do Reino: ü Entregue ao conselho ultramarino, que se responsabiliza pelo provimento de oficiais de justiça, da fazenda e da guerra, bem como da expedição das naus </li></ul><ul><li>4. Os Assuntos Militares: -Entregue a dois órgãos: 1. O Conselho de Guerra: ü Compete-lhe a conservação das fortalezas, a expedição de tropas e a nomeação de cargos militares ü Exerce funções judicias através do tribunal do conselho de guerra 2. A Junta dos 3 Estados: ü Administra a recolha de impostos lançados para cobrir despesas relacionadas com a defesa do reino </li></ul>
  7. 7. <ul><li>O Século XVIII: a consolidação do absolutismo monárquico </li></ul><ul><li>ü Aumento do controlo do rei sobre o aparelho de estado ü Perda de poder dos conselhos ü Progressiva centralização das competências nos secretários de estado, colaboradores mais próximos do rei ü Perda de importância das cortes (principal órgão consultivo da monarquia), tendo-se reunido pela última vez em 1697 </li></ul>
  8. 8. O Absolutismo Joanino: Reinado de D. João V (1707-1750) <ul><li>ü Baseado no modelo francês de Luís XIV : </li></ul><ul><li>· Reforço da autoridade do rei: - Controlo directo sobre toda a administração - Deixa de reunir as cortes - Estreito controlo sobre a nobreza · Aumento do prestígio externo: - Neutralidade em relação aos conflitos europeus - Apoio ao Papa contra os turcos recebendo o título de fidelíssimo </li></ul><ul><li>· Fausto da sua corte: </li></ul><ul><li>- As cerimónias públicas ou embaixadas no estrangeiro eram manifestações marcadas pela ostentação e pelo luxo · Apoio às artes e às letras: - Financiamento de bibliotecas (p.e. Universidade de Coimbra) - Apoio à música, teatro e ciência (fundação da Real Academia de História) - Política de grandes construções (palácio - convento de Mafra, aqueduto das águas livres, …) atraindo à corte portuguesa muitos artistas nacionais e estrangeiros </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Impulso à arte barroca em Portugal: Ø Monumentalidade Ø Ideia de movimento acentuado pelas linhas curvas e contra-curvas Ø Riqueza e superabundância dos materiais usados Ø Magnificência das peças e exagero ornamental (talha dourada) </li></ul>

×