Aula 4

2.960 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.960
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
419
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 4

  1. 1. Módulo 4 - A EUROPA NOS SÉCULOS XVII E XVIII – SOCIEDADE, PODER E DINÂMICAS COLONIAIS 11ºAno Unidade 1 – A População da Europa nos séculos XVII e XVIII: crises e crescimento As ordens sociais do Antigo Regime, segundo pintura francesa do século XVII.
  2. 2. Aula de História 11ºAno Sumário: O absolutismo Régio PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO ABSOLUTISMO O rei estava desobrigado do respeito pelas leis Ninguém podia obrigar o rei a executar o que quer que fosse O rei legislava sem partilhar esse poder O rei usava a equidade, imparcialidade e misericórdia na aplicação da lei A inteligência e a razão eram apanágio da autoridade real pelo que era vital incutir no rei um conjunto de virtudes e qualidades no uso do poder
  3. 3. <ul><li>Os fundamentos do poder real </li></ul><ul><li>O REI </li></ul><ul><li>Vértice da hierarquia social </li></ul><ul><li>Legitimação do poder feita pela origem divina do mesmo. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Fundamentos e atributos do poder real (BOSSUET): </li></ul><ul><li>É sagrado; </li></ul><ul><li>É paternal </li></ul><ul><li>É absoluto </li></ul><ul><li>É submetido à Razão (percepção superior das coisas). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>O Rei como garante da ordem Social </li></ul><ul><li>Ele legisla; </li></ul><ul><li>Ele executa; </li></ul><ul><li>Ele julga </li></ul><ul><li>Tomou o lugar do Estado com o qual se identifica e confunde. </li></ul><ul><li>O rei torna-se o garante da ordem social estabelecida e é nessa qualidade que recebe, das mãos de Deus o seu poder. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A encenação do poder </li></ul><ul><li>A corte é o espelho do poder dos reis absolutos; </li></ul><ul><li>Quem não frequentava a corte virava as costas ao poder; </li></ul><ul><li>A governação era centrada e feita no palácio; </li></ul><ul><li>A corte representava o cume do poder e da força; </li></ul><ul><li>Imagem do país para o estrangeiro; </li></ul><ul><li>Cada gesto tinha um significado político, social e diplomático; </li></ul><ul><li>Carregadas de protocolo todas as cerimónias tinham significado político. </li></ul><ul><li>O grande palácio foi construído à imagem do Rei-Sol. </li></ul><ul><li>Luís XIV ---------- Paradigma do rei absoluto </li></ul><ul><li>Versalhes ------- Paradigma da Corte real </li></ul><ul><li>A vida em Versalhes era uma encenação do poder e da grandeza do soberano </li></ul><ul><li>A opulência dos banquetes, a riqueza do vestuário, a complicação do cerimonial que rodeava todos os actos convergiam no endeusamento da pessoa real </li></ul>

×