A Verdade Sobre a Venda de Carros RecuperadosPor João DrummondImagine leitor, a seguinte situação: você vai a uma revended...
Veiculo sinistrado/recuperado é aquele veiculo que sofreu sinistro que pode serclassificado em três níveis, (não aquelas b...
E nos casos que o eram ficavam tranqüilas, porque afinal era só comprar o veiculo devolta do cliente encrenqueiro, já com ...
O consumidor vitimado por esta situação não deve se intimidar e se acomodar, já quetem não só o direito, mas o dever de re...
A LebreA Revendedora - xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxO Consumidor – yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyySegue em próximo capitulo...
A verdade sobre a venda de carros recuperados
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A verdade sobre a venda de carros recuperados

66.264 visualizações

Publicada em

Publicada em: Indústria automotiva
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
66.264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.364
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A verdade sobre a venda de carros recuperados

  1. 1. A Verdade Sobre a Venda de Carros RecuperadosPor João DrummondImagine leitor, a seguinte situação: você vai a uma revendedora de automóveis, aprocura de um veículo para passeio ou trabalho, encontra um que te serve e agrada,verifica a documentação onde nada consta e fecha o negocio com uma entrada emdinheiro e o restante financiando em “ene” vezes.Toca a vida em frente, pagando o financiamento, e quando ao seu término tentavende-lo descobre o que mesmo fora sinistrado anos antes.Preocupado vai até a Empresa que o revendeu e faz sua reclamação formal. AEmpresa mostra, num primeiro momento certo descaso e começa a protelar a respostaalegando falta de tempo do departamento jurídico.Neste meio tempo sua ansiedade aumenta e você começa a se informar comadvogados conhecidos, PROCONs, etc. e a resposta é sempre a mesma: voçê estácoberto de razão, mas é melhor procurar um advogado especialista em direto doconsumidor, ou tentar um acordo com a revenda, porque estes casos são demorados ecaros na justiça e não existem garantias de resultados.Aí, desanimado, volta a Empresa que (involuntariamente ou não) o enganou, eresolve por aceitar um acordo que o livra do abacaxi. Acordo este melhor para elaque para você, mas enfim a questão se encerra com um gostinho amargo de que ajustiça no Brasil não funciona para quem não tem dinheiro.As revendas perpetuam estas praticas, e se livram deste tipo de problema quando elevem à tona. Esta era a rotina.Imagine agora que você, como sujeito curioso, em lugar de aceitar este acordo,começa a pesquisar mais a fundo a questão, tentando entender o que acontece nestescasos.Primeiro você descobre o que é veículo sinistrado/recuperado e como o mercado ovê.
  2. 2. Veiculo sinistrado/recuperado é aquele veiculo que sofreu sinistro que pode serclassificado em três níveis, (não aquelas batidinhas de esquina).Quando o sinistro é classificado em pequeno e médio nível, ele pode ser recuperado evoltar a circular depois de passar por uma inspeção por empresa especializada, ereceber um selo ou certificado, mas tendo a observação “recuperado” e o numero deCIV constante no certificado de registro.Passa então a ter uma classificação negativa no mercado com um valor depreciado, esendo rejeitado por financeiras, seguradoras e revendedoras.Quando o veiculo sofre sinistro classificado em grande nível ou monta, no caso deleestar segurado, a seguradora dá perda total, indeniza ao cliente e recebe o veiculobatido em troca.Aquele veículo é geralmente encostado em um pátio a céu aberto (ex: Palácio dosLeilões) e fica até ser arrematado em lotes como sucatas. Pode servir como estoquede peças de reposição, ou ser reclassificado por pericia encomendada como de mediamonta.Ai ele passa por um processo de recuperação em oficina de lanternagem e mecânica evolta a circular normalmente, lógico que depois de ser inspecionado e receber CIV,que deve estar Constante no certificado de registro juntamente com a observação“recuperado”.Até 2009 estes veículos não tinham tratamento especial pelos DETRANs eCONTRAM sendo comercializados como outros veículos, e cabia ao comprador atarefa de verificar seu estado real e condições para trafegar.Algumas coisas estranhas acontecem nos DETRANs nestes casos, e às vezes como sediz popularmente: dez reais resolvem muitas coisas por caminhos tortuosos.Como muitos destes veículos apresentaram problemas estruturais que foram causasde acidentes graves, o CONTRAM passou a determinar que eles tivessem constantesem seus documentos a condição de veículos recuperados.Foi ai que a casa caiu para as revendedoras que até então, mesmo sabendo da suacondição, os vendiam com a certeza que nunca seriam descobertas.
  3. 3. E nos casos que o eram ficavam tranqüilas, porque afinal era só comprar o veiculo devolta do cliente encrenqueiro, já com a depreciação de seu uso.A coisa era tão tranqüila que estas revendedoras e os advogados que as defendem seesqueceram de ler o que diz a lei para estes casos.Dizem que no Brasil, algumas leis pegam e outras não. As leis estão aí para seremcumpridas, mas para isto é preciso que as pessoas saibam que elas existam e quebriguem pela sua aplicação.Qualquer juiz, ao ler e interpretar uma lei, o faz a luz da realidade e da sua intenção eestá apenas fazendo sua obrigação como funcionário público a serviço do Estado e dademocracia. Se for diferente o processo sobe para instancias superiores, e a sentençapode ser reformada. Não há ai nenhuma concessão ou favor ao cidadão, apenas ocumprimento da lei.Existem casos em que Empresas descobertas em flagrante descumprimento ao códigodo consumidor, se sentem seguras para, diante de clientes mais determinados, sevalerem de instrumentos legais e ex-judiciais como meio de intimidação.A razão disto é estarem sendo orientados por advogados ou ignorantes da lei ouespertalhões e que acreditam que na outra ponta se encontra mais um clientedesinformado, capaz de se intimidar com estas manobras ardilosas.Para quem não sabe citação extrajudicial se compra em um cartório de títulos edocumentos por algo em torno de Cr$ 30,00, e pode se voltar contra o denunciante seas denuncias não puderem ser comprovadas.Por aí se vê como advogados falastrões que escutam pouco e lêem menos aindapodem colocar seus clientes em uma roubada.Empresas que venderam veículos nestas condições têm sim responsabilidade sobreestas vendas, independente se sabiam ou não, e de resoluções de DETRANs e deCONTRAM.Se sabiam foram desonestas e desleais, se não sabiam foram imprudentes, porqueninguém que tem como especialidade venda de veículos, pode fazê-lo sem conhecersua procedência.
  4. 4. O consumidor vitimado por esta situação não deve se intimidar e se acomodar, já quetem não só o direito, mas o dever de reclamar.É importante fazer com que a lei seja respeitada e cumprida, e que Empresashabituadas a este tipo de negócios respondam perante a justiça e a sociedade edeixem para trás definitivamente praticas comerciais abusivas e desonestas.O Gato
  5. 5. A LebreA Revendedora - xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxO Consumidor – yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyySegue em próximo capitulo!!!!!!!!!!!!!!!!!!

×