Projeto africanidades

3.689 visualizações

Publicada em

Projeto africaniaes

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.689
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto africanidades

  1. 1. REESCRITAS DE TEXTOS:A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL -2º ANO “S”- PROFESSORES: SIMONE RAMOS HENRIQUE LEITE -2011-
  2. 2. APRESENTAÇÃO COM A CHEGADA DO DIA DA CONSCIÊNCIANEGRA, RESOLVEMOS NOS APROFUNDAR NOASSUNTO. PRIMEIRAMENTE BUSCAMOS SABER ADESCENDÊNCIA DA TURMA E FIZEMOS UM GRÁFICODOS AMIGOS DA TURMA E VISUALIZAMOS NO MAPA-MÚNDI OS PAÍSES DE ORIGEM APRESENTADOS.. ASSISTIMOS VÍDEOS SOBRE A CULTURAAFRICANA E LEMOS A COLEÇÃO DE LIVROS:“AFRICANIDADES”, DOS AUTORES: ANTÔNIO JONASDIAS FILHO E MÁRCIA HONORA, COM ILUSTRAÇÃODE LIE. KOBAYASHI, DA EDITORA CIRANDACULTURAL. APÓS A LEITURA DE CADA LIVRO DACOLEÇÃO, FAZÍAMOS UMA REESCRITA COLETIVA,PARA REGISTRARMOS INFORMAÇÕES IMPORTANTESSOBRE A AFRODESCENDÊNCIA AS QUAIS FORAMDIGITADAS E ILUSTRADAS POR ALGUMAS DUPLASDE AMIGOS. A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL, FOIDIGITADA E ILUSTRADA POR TODAS AS DUPLAS,PARA QUE TODOS PUDESSEM ASSIMILAR BEM ESTEMOMENTO HISTÓRICO. COMO O ÚLTIMO TEXTO , FOI O DO FOLCLORE,ESCOLHEMOS ALGUMAS LENDAS PARA LER,DIGITAR E ILUSTRAR. DEPOIS DE TODA DEDICAÇÃO, NASCEU ONOSSO LIVRO. ADORAMOS REALIZAR ESTETRABALHO INFORMATIZADO, QUE ALÉM DEOPORTUNIZAR INFORMAÇÕES SOBRE AAFRODESCENDÊNCIA, COM AS REESCRITAS,APRIMORAMOS NOSSO CONHECIMENTO SOBRE AESTRUTURA DE TEXTOS, ENRIQUECENDO NOSSAS
  3. 3. PRODUÇÕES E EXERCITANDO O USO DAPONTUAÇÃO. PARA ENCANTAR NOSSO ESTUDO, NOSREUNIMOS PARA REALIZAR ALGUMASBRINCADEIRAS DE INFLUÊNCIA AFRICANA. CONVIDAMOS VOCÊ PARA CONHECER AHISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL, LENDO ONOSSO LIVRO. BOA LEITURA! OS AUTORES.
  4. 4. SUMÁRIOA HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL..................4RELIGIÃO AFRICANA NO BRASIL.................................5PERSONAGENS E PERSONALIDADES..........................6CULINÁRIA AFRICANA....................................................7BRINCADEIRAS AFRICANAS..........................................8ATUALIDADES EM AFRICANIDADES...........................9A INFLUÊNCIA AFRICANA NO NOSSO IDIOMA........10FESTAS POPULARES.......................................................11FOLCLORE........................................................................12LENDA: SACI PERERÊ....................................................13LENDA: O CASAMENTO DA PRINCESA................... ..16LENDA: BUMBA-MEU-BOI............................................ 20LENDA: NEGRINHO DO PASTOREIO …......................26DIFERENTES ILUSTRAÇÕES PARA A HISTÓRIADOS AFRICANOS NO BRASIL.....................................27OS AUTORES....................................................................40NOSSOS AUTÓGRAFOS..................................................41
  5. 5. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNA: BEATRIZ E ALANA - 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA OBRASIL PELOS PORTUGUESES QUE OSESCRAVIZARAM. VIERAM AMARRADOS E MALALIMENTADOS NOS PORÕES DOS CHAMADOSNAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE AÇÚCAR,ENTRES OUTROS. INSATISFEITO, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOS,SOFRIAM CASTIGO E OS QUE CONSEGUIAMFUGIR IAM PARA OS QUILOMBOS. LÁ LUTAVAMPELA LIBERDADE DOS ESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTARES, QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRODE 1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS.POR ISSO NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA . O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASILACONTECEU EM 13 DE MAIO 1888, COMANDADOPELA PRINCESA ISABEL QUE ASSINOU A LEIÁUREA. 04
  6. 6. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA; SIMONE RAMOSALUNOS: THIAGO, DANIEL E EMILY – 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: RELIGIÃO AFRICANA NO BRASIL OS AFRICANOS TROUXERAM CONSIGO SUACULTURA E TRADIÇÕES RELIGIOSAS. DA MISTURA DE CULTURA E RELIGIÃONASCERAM OUTRAS CRENÇAS NO BRASIL. AS RELIGIÕES AFRICANAS NÃO SE BASEIAM NOLIVRO SAGRADO. O CONHECIMENTO RELIGIOSO ÉTRANSMITIDO DE GERAÇÃO PARA GERAÇÃO, PORMEIO DA ORALIDADE. OFERTAR PRESENTES NA BEIRA – MAR NO ANONOVO FAZ PARTE DO RITUAL RELIGIOSO DOSAFRICANOS. 05
  7. 7. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: BRUNA E PAMELA – 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: PERSONAGENS E PERSONALIDADE OS AFRICANOS TIVERAM UMA HISTÓRIA INICIALBEM DIFÍCIL NO BRASIL. MAS MUITAS FORAM ASPERSONALIDADES NEGRAS IMPORTANTES, QUEAJUDARAM A FORMAR A NOSSA HISTÓRIA, ENTREVÁRIOS VAMOS CITAR :-O POETA , MACHADO DE ASSIS-O POETA, DA CRUZ E SOUZA-O JOGADOR DE FUTEBOL, LEÔNIDAS DA SILVA QUEINVENTOU A JOGADA : BICICLETA-OS JOGADORES DE FUTEBOL: DIDI, GARRINCHA EPELÉ. 06
  8. 8. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNAS: JÉSSICA E EDUARDA – 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: CULINÁRIA AFRICANAA NOSSA CULINÁRIA TEM MUITA INFLUÊNCIAAFRICANA..HOJE CHAMAMOS DE PIRÃO O QUE ERACHAMADO DE ANGU. O ANGU É FEITO DE FARINHADE MILHO E PIRÃO COM FARINHA DE MANDIOCA,FEIJOADA É AFRO-BRASILEIRA, .POIS NASCEU NASSENZALAS. OS SENHORES DAVAM PARA OSESCRAVOS, AS SOBRAS DE CARNE DE PORCO:ORELHA, CAUDA, PÉ ...AI ELES COZINHAVAM TUDOCOM O FEIJÃO E COM OS TEMPEROS QUE JÁCONHECIAM. ESSE PRATO TORNOU-SE CONHECIDO EAPRECIADO POR TODO O BRASIL. ESSAS SÃOOUTRAS COMIDAS DE ORIGEM AFRICANA:PAMONHA, PAÇOCA, CANJICA ,CUSCUZ... 07
  9. 9. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: LUCAS E ANDRÉ – 2 ANOS S REESCRITA COLETIVA: BRINCADEIRAS AFRICANAS MUITAS FORAM AS BRINCADEIRAS TRAZIDASPELOS AFRICANOS. ENTRE ELAS: A MÚSICACANTADA : ESCRAVOS DE JÓ JOGAVAM CAXANGÁ TIRA, PÕE, DEIXA FICAR GUERREIROS COM GUERREIROS FAZEM ZIG – ZIG – ZÁ A BATATA-QUENTE ERA FEITA AO REDOR DAFOGUEIRA, ENQUANTO ASSAVAM AS BATATAS IAMPASSANDO-A QUENTE PARA ESFRIÁ-LA, CANTANDO: BATATA QUENTE, QUENTE, QUENTE, QUENTEQUEIMOU. HOJE USAMOS 1 OBJETO, AO INVÉS DE BATATAS. A MÚSICA PIRULITO QUE BATE-BATE, ERACANTADA AO SOM DE TAMBOR. CHICOTINHO QUEIMADO É UMA BRINCADEIRA DEPULAR CORDA CANTANDO: “ CHICOTINHO QUEIMADO TOME BEM CUIDADO QUEM OLHAR PRA TRÁS LEVA CHICOTADA”. 08
  10. 10. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNAS: JEOVANA E HELENA – 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: ATUALIDADES EM AFRICANIDADES MUITAS CONQUISTAS SE DERAM DESDE AESCRAVIDÃO ATÉ HOJE. SEGUNDO O IBGE DE 2005, EXISTEM NO BRASIL91 MILHÕES DE PESSOAS, QUE AFIRMAM SEREMAFRODESCENDENTES. OS AFRODESCENDENTES POSSUEM UM ESTILOPRÓPRIO E AINDA SOFREM DISCRIMINAÇÕES. EXISTE A FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARESPARA FORTALECER A CULTURA NEGRA NO BRASIL.VEJA O MAPA DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS. 09
  11. 11. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNAS: GIOVANNA E EMILY – 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: A INFLUÊNCIA AFRICANA NO NOSSO IDIOMA OS ESCRAVOS TIVERAM DE APRENDER A FALARPORTUGUÊS PARA SE CONTINUAR COM OS SEUSSENHORES. ENTÃO OCORREU A MISTURA DOSIDIOMAS . ESSAS SÃO ALGUMAS DAS PALAVRAS QUEFALAMOS E QUE SÃO DE ORIGEM AFRICANA .BANGUELA: DESDENTADOCACHIMBO: UTENSÍLIO USADO PARA FUMAR .CAMUNDONGO: RATO PEQUENO.DENGO: MANHA , BIRRAMOLEQUE: MENINO DE POUCO IDADEQUITUTE: COMIDA FINA .SENZALA: ALOJAMENTO DOS ESCRAVOSQUILOMBO: ABRIGO DO ESCRAVOS FUGIDOS. 10
  12. 12. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNAS: GIOVANNA E EMILY - 2 ANO SREESCRITA COLETIVA: FESTAS POPULARES VAMOS CONHECER AS FESTAS EM QUE APARECEM AINFLUÊNCIA AFRICANA . SÃO AS FESTAS DOS BOIS,QUE ESTÁ LIGADO AO TRABALHO AGRÍCOLA. CADAREGIÃO DÁ UM NOME DIFERENTE: BOI-BUMBÁ,BUMBA-BOI, BOI DE MAMÃO, BOIZINHO. AS FESTAS AFRICANAS SÃO CONHECIDAS PELO USODE MÁSCARAS, CHAMADAS DE GELEDÉS. SÃOUSADAS EM CERIMÔNIAS RELIGIOSA, COLHEITA,ETC. A HISTÓRIA DO BOI-BUMBÁ TEM COMOPERSONAGEM O NEGRO FRANCISCO, QUETRABALHAVA EM UMA FAZENDA, E SUA ESPOSA,CATARINA, QUE FICOU GRÁVIDA E SENTIU DESEJODE COMER LÍNGUA DE BOI. FRANCISCO RESOLVEROUBAR O BOI DE SEU PATRÃO PARA ATENDER AODESEJO DE SUA MULHER . ENTÃO SEGUNDO A LENDA , ELE MATA O BOIPREFERIDO DO PATRÃO, QUE BUSCA UM PAJÉ PARARESSUSCITAR O BOI. O BOI RENASCE E TUDO VIRAUMA GRANDE FESTA. 11
  13. 13. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNAS: BRUNA E PAMELA – 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: FOLCLORE O NOSSO FOLCLORE TEM MUITA INFLUÊNCIA DOSAFRICANOS. AS LENDAS COMO: SACI-PERERÊ, BICHO-PAPÃO,NEGRINHO DO PASTOREIO E ZUMBI-DOS-PALMARES. OS FOLGUEDOS COMO:-AFOXÉ: DANÇA-CORTEJO(BAHIA)-BUMBA-MEU-BOI(NORDESTE)-MARACATU-DANÇA-CORTEJO (PERNAMBUCO). OCORRE NOCARNAVAL. AS DANÇA FOLCLÓRICAS: COMO O MACULELÊ EO SAMBA DE RODA QUE DEU ORIGEM AOCARNAVAL . 12
  14. 14. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA : SIMONE RAMOSALUNAS: MILENA E HELLEN - 2 ANO S SAC I-PERERÊ O SACI É MUITO CURIOSO POR TUDO. PULADE UMA PERNA SÓ E ASSUSTA OS CAVALOS PARA OMONTADOR CAIR. TEM TOCA VERMELHA, FUMA CACHIMBO, FAZNÓ NO CABELO DO CAVALO, ESCONDE OS OBJETOSDAS COZINHEIRAS. PARA ELE PARAR DE FAZER ARTE, ELE TEMQUE FICAR DENTRO DA GARRAFA. 13
  15. 15. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: DANIEL STENBACK – 2 ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: SACI-PERERÊ O SACI-PERERÊ FAZ PARTE DO FOLCLOREBRASILEIRO, PRETINHO FEITO CARVÃO, PULANUMA PERNA SÓ, BALANÇANDO O CAPUZ EFUMANDO O SEU CACHIMBO. É MUITO LEVADO EVIVE APRONTANDO MOLECAGENS. QUANDO VISITA O GALINHEIRO FAZ UMABAGUNÇA E NA COZINHA ESCONDE OS OBJETOS, ACOZINHEIRA FICA TÃO BRAVA, QUE ESQUECE APANELA NO FOGO. PARA ELE PARAR DE FAZER BAGUNÇA TEMQUE PRENDÊ-LO DENTRO DE UMA GARRAFA. 14
  16. 16. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: EMERSON E EDUARDO – 2º ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: SACI-PERERÊ O SACI-PERERÊ FAZ PARTE DO FOLCLOREBRASILEIRO. TRAVESSO POPULAR, NUMA PERNA SÓ,BALANÇANDO O CAPUZ E FUMANDO SEUCACHIMBO. É MUITO BAGUNCEIRO APRONTANDO MUITOCOISA FEIA, QUANDO ESTÁ VISITANDO OGALINHEIRO, ELE ASSUSTA AS GALINHAS. QUANDO CHEGA O CAVALEIRO, ELE APRONTA EO CAVALEIRO CHEGA A CAIR DO CAVALO. ELE ATÉFAZ NÓ NA CRINA DO CAVALO. DEPOIS ELE ESCONDE AS COISAS DA COZINHEIRA. O ÚNICO JEITO DE FAZER O SACI PARAR DE FAZERTANTA BAGUNÇA É PRENDENDO-O NA GARRAFA. 15
  17. 17. ESCOLA M PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: TJHIAGO VOLKMANN COPPI E ADÃO VICTOR – 2 ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: O CASAMENTO DA PRINCESA ERA UMA VEZ UMA PRINCESA QUE QUERIA SECASAR. O REI TAMBÉM QUERIA QUE A PRINCESASE CASASSE. UM DIA, O REI ACHOU O FOGO PARA CASAR-SE COM A PRINCESA, MAS ELA ACHOU A CHUVA.QUANDO O REI FOI FALAR PARA A PRINCESA SOBREO FOGO, ELA FALOU PARA O REI QUE JÁ TINHACOMBINADO CASAMENTO COM A CHUVA. OS DOIS FICARAM PENSANDO COMO IAMRESOLVER ESSA SITUAÇÃO. NO OUTRO DIA, O REI FALOU PARA APRINCESA, VAMOS FAZER UMA CORRIDA. O REI COMEÇOU A CORRIDA, O FOGO SAIU NAFRENTE, MAS A CHUVA COMEÇOU A ALCANÇÁ-LO.FALTAVA POUCO PARA O FOGO GANHAR, COMEÇOUUMA TROVOADA QUE APAGOU O FOGO E A CHUVASE RECUPEROU E GANHOU NA CORRIDA. A PRINCESA FICOU MUITO FELIZ, TODOSFORAM DANÇAR E A PRINCESA SE CASOU E TODOSVIVERAM FELIZES PARA SEMPRE. 16
  18. 18. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: BRUNA LUIZA TOLOMEOTTI E PAMELA K LEMOS - 2º ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: O CASAMENTO DA PRINCESA A BELEZA ANDAVA DE MÃOS DADAS COM APRINCESA ABENA, POIS TINHA TUDO DE BELO NUMASÓ PESSOA, TORNANDO-A BONITA. CERTA MANHÃ, SEU PAI AVISOU PARA TODOS OSHOMENS DA ÁFRICA QUE SUA FILHA ESTAVA PRONTAPARA SE CASAR. COMEÇARAM A CHEGAR OSPRETENDENTES. O PRIMEIRO QUE CHEGOU, FOI ACHUVA, QUE LOGO DECLAROU SUA POESIA : __MEU CORAÇÃO É CHEIO DE ÁGUA, POIS VOCÊME ENCHE DE AMOR. SUA BELEZA ME TRANSFORMAEM ÁGUAS SALGADAS. A PRINCESA FICOU COM O CORAÇÃOAPAIXONADO. MAS O FOGO JÁ HAVIA COMBINADO COM O REIQUE IRIA SE CASAR COM A PRINCESA. ENTÃO PARA RESOLVER A DISPUTA ENTRE ACHUVA E O FOGO, O REI ORGANIZOU UMA CORRIDA,PARA VER QUEM IRIA SE CASAR COM A PRINCESA. O FOGO COMEÇOU GANHANDO A CORRIDA, MASA CHUVA PASSOU NA FRENTE E FOI O VENCEDOR. A PRINCESA FICOU FELIZ MAS O FOGO E A CHUVASE TORNARAM INIMIGOS MORTAIS. 17
  19. 19. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: LUCAS CAVALHEIRO E ANDRÉ VINICIUS – 2º ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: O CASAMENTO DA PRINCESA A BELEZA ANDAVA DE MÃOS DADAS COM APRINCESA ABENA, POIS TINHA REUNIDO NUMA SÓPESSOA, HARMONISMO. A PRINCESA QUERIA SE CASAR. APARECERAMMUITOS PRETENDENTES, OS DOIS PRINCIPAIS ERAM:FOGO E CHUVA. O PAI DECIDIU: QUERO O FOGO. MAS A PRINCESA, JÁ TINHA ESCOLHIDO QUESERIA COM A CHUVA. NAQUELE TEMPO, NÃO SE QUEBRAVA PROMESSAS,ENTÃO O REI E A PRINCESA PENSARAM NUM JEITOPARA RESOLVER O EMPASSE. DECIDIRAM FAZER UMA CORRIDA, O VENCEDORSERIA O MARIDO DE ABENA. OS DOIS ESTAVAM PREPARADOS, DEU A LARGADA.O FOGO CORRIA MUITO RÁPIDO, PORQUE O VENTOAJUDAVA O FOGO, JÁ A CHUVA ERA MAIS LENTA. SÓ QUANDO O FOGO ESTAVA QUASE GANHANDOOUVIRAM UM TROVÃO, E COMEÇOU A CHOVER. A CHUVA FICOU RÁPIDA, GANHOU A CORRIDA ESE CASOU COM A PRINCESA. ATÉ HOJE QUANDO CHOVE, DANÇAM PARACOMEMORAR O CASAMENTO DE ABENA COM ACHUVA. 18
  20. 20. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNOS:GIOVANNA EDUARDA DE PAULA E EMILY GOMES ALBERTON – 2º ANO REESCRITA DA LENDA AFRICANA: O CASAMENTO DA PRINCESA ERA UMA VEZ UMA PRINCESA CHAMADA ABENA,DONA DE GRANDE BELEZA QUE JÁ ESTAVA NAIDADE DE SE CASAR .OS PRINCIPAIS PRETENDENTES ERAM: A CHUVA E OFOGO . A CHUVA FALOU: __CASE COMIGO, PROMETO QUE A FAÇO FELIZ. ABENA FICOU TÃO IMPRESSIONADA COM ASPALAVRAS DA CHUVA QUE DISSE : __PROMETO QUE ME CASAREI COM VOCÊ . POUCO TEMPO DEPOIS, VEIO O FOGO E FALOU: __QUANDO QUISER SE ESQUENTAR, NÃO PRECISADE FOGUEIRA, EU TE ESQUENTAREI. ELA PROMETEU CASAMENTO PARA A CHUVA, MASO PAI JÁ TINHA COMBINADO COM O FOGO . PARA RESOLVER A DISPUTA DOS PRETENDENTES, OPAI RESOLVEU: __VOU FAZER UMA CORRIDA PARA VER QUEM SECASARÁ COM A PRINCESA. O FOGO ESTAVA GANHANDO A CORRIDA, MAS A CHUVA VENCEU E GANHOU O CORAÇÃO DA PRINCESA. E O FOGO E A CHUVA SE TORNARAM INIMIGOS MORTAIS. 19
  21. 21. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNAS:EDUARDA RIBEIRO E JÉSSICA DE OLIVEIRA - 2 ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: BUMBA-MEU-BOI SOU UM BOI DIFERENTE, COLORIDO E FESTEIRO,FEITO DE PAPELÃO, MADEIRA, PANOS E FITAS. SOUCHAMADO DE BUMBA MEU BOI E SOUENCONTRADO VÁRIAS VEZES DE NOVEMBRO A6 JANEIRO, NO BRASIL INTEIRO. TENHO UM NOME DIFERENTE EM CADA REGIÃO:BOI BUMBÁ, BOI REIS, BOI CALEMBA. MINHAS FESTAS SÃO TRADIÇÃO, POR ONDE PASSOVOU BRINCANDO E DIVERTINDO O POVO. 20
  22. 22. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNA: BEATRIZ E ALANA - 2 ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: BUMBA-MEU-BOI PODE ME CHAMAR DE BUMBA-MEU-BOI, SOUUM BOI DIFERENTE, COLORIDO, FESTEIRO E FEITODE PAPELÃO, MADEIRAS E PANOS. MINHA FESTA É DE NOVEMBRO A 6 DEJANEIRO. A LENDA DIZ QUE: O BOI MORREU E OSEU DONO FICOU MUITO TRISTE. O DONO DO BOICHAMOU SEUS AMIGOS E O PAJÉ, QUE TENTOUCHAMAR O BOI E ELE NÃO ACORDOU, TODOSFICARAM CANTANDO AO REDOR DO BOI. AÍ ELE ACORDOU CANTANDO: “BOI, BOI, BOI, BOI DA CARA PRETA PEGA ESSE MENINO QUE TEM MEDO DE CARETA. BOI, BOI, BOI, BOI DA CARA BRANCA PEGA ESSE MENINO QUE TEM MEDO DE CARRANCA.” 21
  23. 23. ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE CASTELO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: CAMILA E NATHALIA - 2° ANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: BUMBA MEU BOI ERA UMA VEZ UM HOMEM QUE FICAVA DENTRO DEUMA FANTASIA DE BOI. ELE SE CHAMAVA BUMBA-MEU-BOI. SOU UM BOI, DIFERENTE E COLORIDO. SOU FEITO DE PAPELÃO, MADEIRA, P ANOS E FITAS. MESMO QUE EU SOU UM HOMEM DENTRO DESSEBOI, POSSO ANDAR, CORRER, DANÇAR E CANTAR:BOI, BOI, BOI, BOI DA CARA PRETA, PEGA ESTAMENINA, QUE TEM MEDO DE CARETA. 22
  24. 24. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE ROEPKEALUNAS: NATALIA E CAMILLI -2º ANO S REECRITA DA LENDA AFRICANA: BUMBA-MEU-BOI A LENDA DO BUMBA MEU BOI COMEÇAASSIM: UM HOMEM TINHA UM BOI, QUE GOSTAVAMUITO, MAS O BOI MORREU. ELE CHAMOU O PAJÉPARA TENTAR RESSUSCITAR O BOI. O PAJÉ ORESSUSCITOU VÁRIAS VEZES E TUDO VIROUFESTA. 23
  25. 25. ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE CASTELLOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS:MONIQUE E ISABELA REESCRITA DA LENDA AFRICANA: BUMBA MEU BOI O BUMBA MEU BOI É UMA LENDA FOLCLÓRICA.É UM BOI MUITO FESTEIRO E COLORIDO. A LENDA DIZ QUE: UM DIA UMA MULHERGRÁVIDA , A CATARINA, ESTAVA COM VONTADE DECOMER LÍNGUA DE BOI. O SEU MARIDO, O NEGROFRANCISCO, PARA SATISFAZER O DESEJO DE SUAESPOSA, MATOU O BOI PREFERIDO DO PATRÃO QUEMANDOU OS ´ÍNDIOS CAÇAREM O FRANCISCO, MASELE CHAMA O PAJÉ PARA RESSUSCITAR O BOI. O BOI RESSUSCITA E TUDO VIRA UMA GRANDEFESTA. 24
  26. 26. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNOS: JEOVANA E HELENA-2°ANO “S” REESCRITA DA LENDA AFRICANA: BUMBA MEU BOI A LENDA DO BUMBA MEU BOI, COMEÇA ASSIM: UM HOMEM TINHA UM BOI A QUE ESTIMAVAMUITO. CERTO DIA, O BOI FUGIU E PARA DESESPERODO SEU DONO, FOI ENCONTRADO MORTO. O HOMEMFICOU TÃO TRISTE, QUE PROCUROU UM PAJÉ PARATENTAR RESSUSCITAR O BOI. O BOI RESSUSCITOU E O DONO FICOU TÃOFELIZ... TODO MUNDO FICOU FELIZ. PARA COMEMORAR, FIZERAM UMA FESTA. OBOI FICOU FELIZ POR SUA FESTA E SEU DONO FICOUCOM MUITA ALEGRIA QUE SE ESPALHOU. E ASSIM FICARAM: O BOI COM SEU DONO COMTODA FELICIDADE, FOI SENDO CHAMADO DEBUMBA MEU BOI E FORAM FELIZES PARA SEMPRE. 25
  27. 27. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNOS: CAUÃ HENRIQUE DE PAULA E JEAN CLAUDIO 2ºANO S REESCRITA DA LENDA AFRICANA: NEGRINHO DO PASTOREIO: ERA UMA VEZ UM NEGRINHO QUEMORAVA EM UMA FAZENDA. SEU DONO O MANDOUDISPUTAR UMA CORRIDA DE CAVALO, COMO ELEPERDEU, FOI CASTIGADO. O CASTIGO ERA:o FAZENDEIRO MANDOU ELE CUIDARDOS CAVALOS DURANTE O DIA E A NOITE, MASELES FUGIRAM. ENTÃO O FAZENDEIRO O JOGOUNO FORMIGUEIRO. NO OUTRO DIA, ELE APARECEU COM OCAVALOS E SEM NENHUM ARRANHÃO . AGORA ELE ACHA TODAS AS COISAS, É SÓACENDER UMA VELA E PEDIR. 26
  28. 28. DIFERENTES ILUSTRAÇÕES PARA: “ A HISTÓRIADOS AFRICANOS NO BRASIL” 27
  29. 29. ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE CASTELLOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS:MONIQUE E ISABELA REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA OBRASIL PELOS PORTUGUESES QUE OSESCRAVIZARAM, VIERAM AMARRADOS E MALALIMENTADOS NOS PORÕES DOS CHAMADOSNAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA -DE-AÇÚCARENTRE OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA , OS QUE ERAM CAPTURADOS, SOFRIAMCASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. 28
  30. 30. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE ROEPKEALUNAS: NATALIA E CAMILLI -2º ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARAO BRASIL PELOS PORTUGUESES QUE OSESCRAVIZARAM. VIERAM AMARRADOS E MALALIMENTADOS NOS PORÕES DOS CHAMADOSNAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE-AÇÚCARENTRE OUTROS·INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOS, SOFRIAMCASTIGO E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADE DOSESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTADORES, QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS.POR ISSO NESSE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL, ACONTECEUEM 13 DE MAIO DE 1888, PELA PRINCESA ISABELQUE ASSINOU A LEI ÁUREA. 29
  31. 31. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNAS: EDUARDA RIBEIRO E JÉSSICA DE OLIVEIRA - 2 ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTORIA DO AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES, QUE OS ESCRAVIZARAM.VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS, NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE-AÇÚCAR,ENTRE OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOS, SOFRIAMCASTIGO E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADE DOSESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTADORES, QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS.POR ISSO NESSE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL, ACONTECEUEM 13 DE MAIO DE 1888, PELA PRINCESA ISABELQUE ASSINOU A LEI ÁUREA. 30
  32. 32. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNAS: MILENA E HELLEN - 2º ANO S A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES QUE OS ESCRAVIZARAM,VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS . ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE -AÇÚCARENTRE OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOS SOFRIAMCASTIGO E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTARES PELO FIM DA ESCRAVIDÃO, QUE MORREUEM 20 DO NOVEMBRO DE 1625, POR ISSO NESTE DIA ÉCOMEMORADO O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA. 31
  33. 33. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: THIAGO VOLKMANN COPPI DANIEL STENBACK ADÃO VICTOR - 2º ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA OBRASIL PELOS PORTUGUESES QUE OSESCRAVIZARAM. VIERAM AMARRADOS E MALALIMENTADOS NOS PORÕES DOS CHAMADOSNAVIOS NEGREIROS. ERAM OBRIGADOS ATRABALHAR NA PLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANADE AÇÚCAR, ENTRE OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA, .OS QUE ERAM CAPTURADOS SOFRIAMCASTIGO E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR, IAM PARAOS QUILOMBOS. LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADEDOS ESCRAVOS. O ZUMBI, FOI UM DOS PRINCIPAIS LUTARESQUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE 1625,CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS. POR ISSO,NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DA CONSCIÊNCIANEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL,ACONTECEU EM 13 DE MAIO DE 1888, COMANDADOPELA PRINCESA ISABEL, QUE ASSINOU A LEI ÁUREA. 32
  34. 34. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNOS: JEOVANA E HELENA-2°ANO “S” A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES QUE OS ESCRAVIZARAM,VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE-AÇÚCARENTRES OUTROS . INSATISFEITOS, TENTARAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOS, SOFRIAMCASTIGO E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS “QUILOMBOS”, LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADEDOS ESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTADORES QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS. PORISSO NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL ACONTECEUEM 13 DE MAIO DE 1888 PELA PRINCESA ISABEL QUEASSINOU A LEI ÁUREA. 33
  35. 35. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: EMERSON E EDUARDO – 2º ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA OBRASIL PELOS PORTUGUESES QUE OSESCRAVIZARAM. VIERAM AMARRADOS E MALALIMENTADOS NOS PORÕES DOS CHAMADOSNAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE-AÇÚCAR,ENTRES OUTROS. INSATISFEITOS TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA, OS QUE ERAM CAPTURADOS, SOFRIAMCASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADE DOSESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTADORES QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRODE 1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS.POR ISSO NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL, ACONTECEUEM 13 DE MAIO DE 1888 PELA PRINCESA ISABEL QUEASSINOU A LEI ÁUREA. 34
  36. 36. ESCOLA MUNICIPAL PRESIDENTE CASTELO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: CAMILA E NATHALIA - 2° ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES QUE OS ESCRAVIZARAM.VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS. ELESERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NA PLANTAÇÃODA CANA DE AÇÚCAR. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA, OS QUE ERAM CAPTURADOS SOFRIAMCASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADE DOSESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTADORES QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS. PORISSO NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA . O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL ACONTECEUEM 13 DE MAIO DE 1888, PELA PRINCESA ISABEL QUEASSINOU A LEI ÁUREA. 35
  37. 37. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: BRUNA LUIZA TOLOMEOTTI E PAMELA K LEMOS - 2º ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES QUE OS ESCRAVIZARAM.VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS. ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE-AÇÚCAR,ENTRE OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA .OS QUE ERAM CAPTURADOS, SOFRIAMCASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS.LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADEDOS ESCRAVOS . O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTARES, QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625, CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS. PORISSO NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA . O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL, ACONTECEUDIA 13 DE MAIO DE 1888, PELA PRINCESA ISABELQUE ASSINOU A LEI ÁUREA. 36
  38. 38. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNOS:GIOVANNA EDUARDA DE PAULA E EMILY GOMES ALBERTON – 2º ANO “S” REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL . OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES QUE OS ESCRAVIZARAM.VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS . ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DE CANA – DE – AÇÚCAR,ENTRES OUTROS . INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA . OS QUE ERAM CAPTURADOS , SOFRIAMCASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. LÁ LUTARAM PELA LIBERDADE DOSESCRAVOS . O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTES LUTARESQUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625,CONDENADO PELO GOVERNO PORTUGUÊS . PORISSO NESTE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA . O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL ACONTECEU EM13 DE MAIO DE 1888, PELA PRINCESA ISABEL QUEASSINOU A LEI ÁUREA. 37
  39. 39. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA:SIMONE RAMOSALUNOS: CAUÃ HENRIQUE DE PAULA E JEAN CLAUDIO 2ºANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES QUE OS ESCRAVIZARAM. VIERAM AMARRADOS E MALALIMENTADOS NOS PORÕES DOS CHAMADOSNAVIOS NEGREIROS ELES ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NAPLANTAÇÃO E COLHEITA DA CANA-DE AÇÚCAR,ENTRES OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOSSOFRIAM CASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR,IAM PARA OS QUILOMBOS. E LÁ LUTAVAM PELALIBERDADE DOS ESCRAVOS. O ZUMBI, FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTADORES QUE MORREU EM 20 DENOVEMBRO DE 1625, CONDENADO PELOGOVERNO PORTUGUÊS. POR ISSO NESTE DIA ÉCOMEMORADO O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASILACONTECEU EM 13 DE MAIO 1888, COMANDADOPELA PRINCESA ISABEL, QUE ASSINOU A LEIÁUREA. 38
  40. 40. ESCOLA M. PRESIDENTE CASTELLO BRANCOPROFESSORA: SIMONE RAMOSALUNOS: LUCAS CAVALHEIRO E ANDRÉ VINÍCIUS – 2º ANO S REESCRITA COLETIVA: A HISTÓRIA DOS AFRICANOS NO BRASIL OS AFRICANOS FORAM TRAZIDOS PARA O BRASILPELOS PORTUGUESES, QUE OS ESCRAVIZARAM. VIERAM AMARRADOS E MAL ALIMENTADOS NOSPORÕES DOS CHAMADOS NAVIOS NEGREIROS. ERAM OBRIGADOS A TRABALHAR NA PLANTAÇÃO ECOLHEITA DA CANA-DE -AÇÚCAR, ENTRES OUTROS. INSATISFEITOS, TENTAVAM FUGIR DE TANTAINJUSTIÇA. OS QUE ERAM CAPTURADOS SOFRIAMCASTIGOS E OS QUE CONSEGUIAM FUGIR IAM PARAOS QUILOMBOS. LÁ LUTAVAM PELA LIBERDADE DOSESCRAVOS. O ZUMBI FOI UM DOS MAIS IMPORTANTESLUTARES, QUE MORREU EM 20 DE NOVEMBRO DE1625.POR ISSO NESSE DIA É COMEMORADO O DIA DACONSCIÊNCIA NEGRA. O FIM DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL ACONTECEU EM13 DE MAIO DE 1888, PELA PRINCESA ISABEL QUEASSINOU A LEI ÁUREA 39
  41. 41. OS AUTORES... 40
  42. 42. NOSSOS AUTÓGRAFOS 39; 41

×