Bullying

229 visualizações

Publicada em

Slides contendo informações interessantes sobre o bullying.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
229
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bullying

  1. 1. O QUE É BULLYING?
  2. 2. O bullying pode ocorrer em qualquer contexto social, como escolas, universidades, famílias, vizinhança e locais de trabalho. O que, à primeira vista, pode parecer um simples apelido inofensivo pode afetar emocional e fisicamente o alvo da ofensa.
  3. 3. Além de um possível isolamento ou queda do rendimento escolar, crianças e adolescentes que passam por humilhações racistas, difamatórias ou separatistas podem apresentar doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie traços da personalidade.
  4. 4. Discussões ou brigas pontuais não são bullying. Para que seja bullying, é necessário que a agressão ocorra entre pares (colegas de classe ou de trabalho, por exemplo). Todo bullying é uma agressão, mas nem toda a agressão é classificada como bullying.
  5. 5. ATENÇÃO!!!
  6. 6. Não. O bullying sempre existiu. No entanto, o primeiro a relacionar a palavra a um fenômeno foi Dan Olweus, professor da Universidade da Noruega, no fim da década de 1970. Ao estudar as tendências suicidas entre adolescentes, o pesquisador descobriu que a maioria desses jovens tinha sofrido algum tipo de ameaça e que, portanto, o bullying era um mal a combater.
  7. 7. PODER, POPULARIDADE, IMAGEM DE SI MESMO. É uma pessoa que não aprendeu a transformar sua raiva em diálogo e para quem o sofrimento do outro não é motivo para ele deixar de agir. Pelo contrário, sente-se satisfeito com a opressão do agredido, supondo ou antecipando quão dolorosa será aquela crueldade vivida pela vítima, o que o leva a sentir prazer.
  8. 8. Sim. É comum pensar que há apenas dois envolvidos no conflito: o autor e o alvo. Esse terceiro personagem é responsável pela continuidade do conflito. O espectador é uma testemunha dos fatos.
  9. 9. TAMBÉM SÃO CONSIDERADOS ESPECTADORES OS QUE ATUAM COMO PLATEIA ATIVA OU COMO TORCIDA, REFORÇANDO A AGRESSÃO, RINDO OU DIZENDO PALAVRAS DE INCENTIVO. ELES RETRANSMITEM IMAGENS OU FOFOCAS.
  10. 10. ALVOS COMUNS
  11. 11. É a prática do bullying em ambientes virtuais, tais como redes sociais, softwares de comunicação, tais como Facebook, What’s up, Skype, Linkden, e assim por diante.
  12. 12. O Marco Civil de abril de 2014 instituiu leis brasileiras para controlar e tornar segura a navegação naWeb e o uso de recursos tecnológicos:  Redes sociais só podem ser utilizadas por maiores de 16 anos;  Celulares não pertencem às crianças. O chip é cadastrado no CPF de um maior de 18 anos. Por este motivo, quem responde por atos cometidos por crianças e adolescentes é o adulto responsável.  Além de outros pormenores.
  13. 13. SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA:
  14. 14.  VÍTIMA: - Pedir ajuda; - Não acreditar no que o agressor diz; - Não agir com passividade ou agressividade; - Não acreditar que merece a situação.  AGRESSOR e seus familiares: - Colocar-se no lugar da vítima (empatia); - Pedir ajuda dos pais ou professores; - Procurar ajuda especializada.
  15. 15.  ESPECTADORES: - Colocar-se no lugar da vítima; - Pedir ajuda; - Não incentivar agressões físicas ou verbais; - Não levar adiante recados, apelidos e formas de expor a vítima; - Lembrar de que o espectador omisso é co- autor da ação.
  16. 16.  REVISTA ESCOLA. São Paulo: Editora Abril. Ago. 2009.  FANTE, Cléo. Fenômeno Bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz.  SCHELB, Guilherme. Violência e Criminalidade Infanto-juvenil.

×