Bullying

1.524 visualizações

Publicada em

2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.524
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bullying

  1. 1. Você sofre?
  2. 2. O que é bullying?Bullying é um termo da língua inglesa (bully =“valentão”) que se refere a todas as formas deatitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais erepetitivas, que ocorrem sem motivação evidente esão exercidas por um ou mais indivíduos, causandodor e angústia, com o objetivo de intimidar ou agrediroutra pessoa sem ter a possibilidade ou capacidade dese defender, sendo realizadas dentro de uma relaçãodesigual de forças ou poder.
  3. 3. "É uma das formas de violênciaque mais cresce no mundo",afirma Cléo Fante, educadora eautora do livro Fenômeno Bullying:Como Prevenir a Violência nasEscolas e Educar para a Paz.
  4. 4. O que não é bullying?Discussões ou brigas pontuais, conflitos entre professor e alunoou aluno e gestor não são considerados. Para que seja bullying,é necessário que a agressão ocorra entre pares (colegas declasse ou de trabalho, por exemplo).Todo bullying é umaagressão, mas nem toda a agressão é classificada comobullying. Para Telma Vinha, doutora em PsicologiaEducacional e professora da Unicamp, para ser dada comobullying, a agressão deve apresentar quatro características: aintenção do autor em ferir o alvo, a repetição da agressão, apresença de um público espectador e a concordância do alvocom relação à ofensa.
  5. 5. O bullying é um fenômeno recente?Não. Ele sempre existiu. No entanto, o primeiro a relacionar apalavra a um fenômeno foi Dan Olweus, professor daUniversidade da Noruega, no fim da década de 1970. Aoestudar as tendências suicidas entre adolescentes, opesquisador descobriu que a maioria desses jovens tinhasofrido algum tipo de ameaça e que, portanto, o bullying eraum mal a combater. A popularidade do fenômenocresceu com a influência dos meios eletrônicos, como ainternet, pois os apelidos pejorativos e as brincadeirasofensivas foram tomando proporções maiores. O fato de terconsequências trágicas - como mortes e suicídios - e aimpunidade proporcionaram a necessidade de se discutir deforma mais séria o tema.
  6. 6. O que leva o autor a praticá-lo?Querer ser mais popular, sentir-se poderoso e obter uma boaimagem de si mesmo. Isso tudo o leva a atingir o colega comrepetidas humilhações ou depreciações. É uma pessoa quenão aprendeu a transformar sua raiva em diálogo e para quemo sofrimento do outro não é motivo para ele deixar de agir.Pelo contrário, sente-se satisfeito com a opressão do agredido,supondo ou antecipando quão dolorosa será aquela crueldadevivida pela vítima. Sozinha, a escola não consegue resolver o problema,mas é normalmente nesse ambiente que se demonstram osprimeiros sinais de um praticante de bullying. A tendência éque ele seja assim por toda a vida, a menos que seja tratado.
  7. 7. Como identificar o alvo do bullyingO alvo costuma ser uma criança com baixa autoestima eretraída tanto na escola quanto no lar. Por essascaracterísticas, é difícil esse jovem conseguir reagir, aí é queentra a questão da repetição no bullying, pois se o alunoprocura ajuda, a tendência é que a provocação cesse. Além dos traçospsicológicos, os alvos desse tipo de violência costumamapresentar particularidades físicas. As agressões podem aindaabordar aspectos culturais, étnicos e religiosos.
  8. 8. As consequências para o alunoque é alvo de bullyingO aluno que sofre bullying, principalmente quando não pedeajuda, enfrenta medo e vergonha de ir à escola. Pode quererabandonar os estudos, não se achar bom para integrar o grupo eapresentar baixo rendimento. Uma pesquisa daAssociação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância eAdolescência (Abrapia) revela que 41,6% das vítimas nuncaprocuraram ajuda ou falaram sobre o problema, nem mesmocom os colegas. Aqueles que conseguem reagir podemalternar momentos de ansiedade e agressividade. Para mostrarque não são covardes ou quando percebem que seus agressoresficaram impunes, os alvos podem escolher outras pessoas maisindefesas e passam a provocá-las, tornando-se alvo e agressor
  9. 9. A diferença entre o bullying praticadopor meninos e por meninasDe modo geral, sim. As ações dos meninos são mais expansivase agressivas, portanto, mais fáceis de identificar. Eles chutam,gritam, empurram, batem. Já no universo feminino oproblema se apresenta de forma mais velada. As manifestaçõesentre elas podem ser fofocas, boatos, olhares, sussurros,exclusão. As garotas raramente dizem por que fazem isso. Quemsofre não sabe o motivo e se sente culpada. As meninas agemdessa maneira porque a expectativa da sociedade é de quesejam boazinhas, dóceis e sempre passivas. Para demonstrarqualquer sentimento contrário, elas utilizam meios maisdiscretos, mas não menos prejudiciais.
  10. 10. O que fazer em sala de aula quando seidentifica um caso de bullyingAo surgir uma situação em sala, a intervenção deve ser imediata.O professor pode identificar os atores do bullying: autores,espectadores e alvos. Claro que existem as brincadeiras entrecolegas no ambiente escolar, mas é necessário distinguir o limiarentre uma piada aceitável e uma agressão. Os professores devem:- Incentivar a solidariedade, a generosidade e o respeito àsdiferenças por meio de conversas, campanhas de incentivo à paz eà tolerância, trabalhos didáticos, como atividades de cooperação einterpretação de diferentes papéis em um conflito; - Desenvolver em sala de aula um ambiente favorável àcomunicação entre alunos; -Quando um estudante reclamar de algo ou denunciar o bullying,
  11. 11. CyberbullyingTambém chamado de bullying virtual, o cyberbulling ocorre emmeios eletrônicos, com mensagens difamatórias ou ameaçadorascirculando por e-mails, sites, blogs, redes sociais e celulares. Équase uma extensão do que fazem na escola, mas com oagravante de que as pessoas envolvidas não estão cara a cara.Dessa forma, o anonimato pode aumentar a crueldade doscomentários e das ameaças e os efeitos podem ser tão graves oupiores. A agressão pela internet faz com que a criança ou oadolescente humilhado não se sinta mais seguro em lugaralgum. Esses estudantes não percebem as armadilhas dosrelacionamentos digitais, para eles, é tudo real, como se fosse dojeito tradicional, tanto para fazer amigos como para comprar.
  12. 12. Como lidar com o cyberbullyingMesmo virtual, o cyberbullying precisa receber o mesmocuidado preventivo do bullying e a dimensão dos seus efeitosdeve sempre ser abordada para se evitar a agressão nainternet. Trabalhar com a ideia de que nem sempre se conseguetirar do ar aquilo que foi para a rede dá aos adolescentes anoção de como as piadas ou as provocações não sãoinofensivas. Caso ocorra, é preciso deixar evidente para criançase adolescentes que eles podem confiar nos adultos que oscercam para contar sobre os casos sem medo de represálias,como a proibição de redes sociais ou celulares, uma vez queterão a certeza de que vão encontrar ajuda, mas, muitas vezes,eles não recorrem aos adultos porque acham que o problema sóvai piorar com a intervenção punitiva.
  13. 13. Grupo Ana Consorte Amanda Macedo Fernanda Cappellesso Karol Alves

×