1
AS TRÊS GRANDES AMEAÇAS PARA A HUMANIDADE NO SÉCULO XXI
Fernando Alcoforado*
A humanidade se defronta com três grandes a...
2
25 bilhões de toneladas métricas de CO2 na atmosfera, comparado a 15 bilhões em
1990. Se não houver alterações nesses pa...
3
regressão à barbárie e ao comportamento cruel. Para evitar este cenário catastrófico, é
preciso que todos os governos de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

As três grandes ameaças para a humanidade no século xxi

235 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
235
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As três grandes ameaças para a humanidade no século xxi

  1. 1. 1 AS TRÊS GRANDES AMEAÇAS PARA A HUMANIDADE NO SÉCULO XXI Fernando Alcoforado* A humanidade se defronta com três grandes ameaças. A primeira, de natureza econômica, é representada pela crise geral do sistema capitalista mundial que tende a conduzir o mundo à depressão com a falência dos governos, a quebradeira de empresas, o desemprego em massa e até mesmo uma nova conflagração mundial como já ocorreu no século XX com a 1ª e a 2ª Guerra Mundial. A segunda ameaça, de natureza ambiental, é representada pela exaustão dos recursos naturais do planeta, pela escassez da água, pelo crescimento desordenado das cidades e pela catastrófica mudança climática global durante o século XXI resultantes do modo de produção capitalista e do aumento desmesurado da população planetária que tende a produzir graves repercussões sobre as atividades econômicas e o agravamento dos problemas sociais da humanidade, bem como o advento de conflitos internacionais. A terceira ameaça, de natureza geopolítica, é resultante de quatro grandes conflitos internacionais que podem dar início à 4ª Guerra Mundial: 1) O conflito Estados Unidos- China; 2) O conflito Israel- Palestina; 3) O conflito Israel- Irã; e, 4) O conflito Potências Ocidentais- Síria. Quanto à 1ª ameaça, é importante destacar que as principais economias do mundo evidenciam declínio no PIB (Produto Interno Bruto) de 1980 a 2010 todas elas tendendo para a estagnação. À exceção da China, o PIB dos demais países apresenta declínio ou estagnação econômica. A economia mundial caminha celeremente para a depressão porque, além da crise profunda que atinge a União Europeia, os Estados Unidos não apresentam sinais de recuperação e a China mostra sinais evidentes de desaceleração. A crise mundial atual é pior do que a de 1929-1933, porque é absolutamente global. O sistema financeiro internacional já não funciona mais. Um fato indiscutível é que o Consenso de Washington morreu e haverá depressão que durará por muitos anos. Além disso, esta depressão pode levar a um novo sistema mundial. Há que se redesenhar tudo em direção ao futuro. Sobre a segunda ameaça (ambiental), cabe destacar que a humanidade já consome mais recursos naturais (água, petróleo, minérios, etc.) do que o planeta é capaz de repor. O consumo médio da humanidade disparou, mas o crescimento da riqueza se deu à custa do esgotamento dos recursos naturais do planeta. O ritmo atual de consumo é uma ameaça para a prosperidade futura da humanidade. Nos últimos 45 anos, a demanda pelos recursos naturais do planeta dobrou, devido à elevação do padrão de vida nos países ricos e emergentes e ao aumento da população mundial. Quanto às cidades, é importante observar que elas se tornaram o principal habitat da humanidade. Pela primeira vez na história da humanidade, mais da metade da população está vivendo em cidades. Esse número, 3,3 bilhões de pessoas, deve ultrapassar a marca dos 5 bilhões em 2030. Grande parte dos problemas ambientais globais tem origem nas cidades o que faz com que dificilmente se possa atingir a sustentabilidade ao nível global sem torná-las sustentáveis (BEAUJEU-GARNIER. J. Geografia Urbana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1980). Na conferência Planet Under Pressure, foi informado que cerca de 70% do dióxido de carbono expelido na atmosfera é proveniente das concentrações urbanas, e por isso a discussão sobre modelos de cidades sustentáveis é um dos temas centrais para combater as mudanças climáticas. Em 2010, a atividade urbana foi responsável pela emissão de
  2. 2. 2 25 bilhões de toneladas métricas de CO2 na atmosfera, comparado a 15 bilhões em 1990. Se não houver alterações nesses padrões, esse índice será de 36,5 bilhões em 2030 (Ver População urbana vai quase dobrar até 2050 disponível no website <http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,populacao-urbana-vai-quase-dobrar-ate- 2050,853960,0.htm>). Desde 1961, a quantidade de gases poluentes despejada pelo homem na atmosfera cresceu 10 vezes. Essa descarga acelera o aquecimento do planeta provocando secas, inundações, extinção de espécies e a possibilidade de elevação do nível dos mares de até 7 metros se ocorrer o degelo dos polos, da Groenlândia e das cordilheiras do Himalaia, dos Alpes e dos Andes da qual resultaria o desaparecimento de muitas ilhas e cidades litorâneas. A terceira grande ameaça é representada pelos conflitos Estados Unidos- China, Israel- Palestina, Israel- Irã e Potências Ocidentais- Síria que podem dar início à 4ª. Guerra Mundial. O primeiro grande conflito é o que colocará frente à frente os Estados Unidos e a China. O presidente Barack Obama lançou em 2012 uma nova estratégia militar global dos Estados Unidos que passará a se concentrar na Ásia-Pacífico para fazer frente à ameaça proveniente da China sem descurar a ameaça do Irã no Oriente Médio. (Ver o artigo Nova estratégia militar global dos Estados Unidos de Ruiz Pereyra Faget publicado no site http://port.pravda.ru/mundo/11-01-2012/32735-estrategia_eua-0/). Por sua vez, a China promove rápida modernização das forças armadas cujos gastos militares vão ultrapassar os orçamentos combinados das doze outras grandes potências da Ásia-Pacífico totalizando 232,5 bilhões de dólares (Ver o artigo do Le Monde La Chine développe son armée à marche forcée publicado no site <http://actualite- israel.com/comment-la-chine-developpe-son-armee-a-marche-forcee-217915/>). O conflito Israel- Palestina coloca em confronto os interesses de dois povos: o palestino e o judeu pela ocupação do mesmo território em disputa. Os palestinos querem estabelecer um Estado Palestino soberano e independente e Israel quer salvaguardar seus interesses a todo o custo. Apesar da devolução da faixa de Gaza e de partes da Cisjordânia para o controle palestino, um acordo final ainda precisa ser estabelecido. Para isso, é preciso resolver os principais pontos de discórdia, que são o status de Jerusalém e o destino de refugiados palestinos e de assentamentos judeus. O conflito Israel- Irã, por sua vez resulta do fato de Israel pretender evitar que o Irã se transforme em uma potência nuclear que possa ameaçar sua sobrevivência como nação. No artigo de Lluís Bassets sob o título O mundo está prestes a entrar em guerra, publicado em 03/02/2012 no jornal El País da Espanha, é informado que Israel está na iminência de desencadear contra o Irã bombardeios de precisão realizados por aviões não tripulados e por bombardeiros carregados com obuses perfuradores com o objetivo de eliminar o perigo nuclear iraniano. Os Estados Unidos e a União Europeia apoiarão Israel, enquanto a Rússia e a China apoiarão o Irã. O conflito entre as potências ocidentais e a Síria faz parte de um xadrez geopolítico muito delicado porque é um país aliado do Irã, junto com quem patrocina movimentos terroristas extremamente agressivos, como o Hezbollah e o Hamas em oposição ao Estado de Israel. A Síria não é o alvo final. A queda do regime da Síria tem como objetivo conter o fortalecimento do Irã, cuja capacidade de produzir armas nucleares o tornaria praticamente inatingível no Oriente Médio e o transformaria numa potência regional em condições de controlar a região detentora das maiores reservas de petróleo do mundo. Enfim, é tudo isso que está em jogo. Tudo leva a crer que na ausência de um governo mundial que seja capaz de mediar os conflitos, a humanidade tende a uma
  3. 3. 3 regressão à barbárie e ao comportamento cruel. Para evitar este cenário catastrófico, é preciso que todos os governos de todos os países do mundo celebrem um contrato social planetário que possibilite o desenvolvimento econômico e social sustentável e o uso racional dos recursos da natureza em benefício de toda a humanidade. *Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros.S

×