Protozooses

6.504 visualizações

Publicada em

1 comentário
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Protozooses

  1. 1. Protozooses Prof. Emanuel
  2. 2. Estudo dos protozoários Prof. Emanuel• São organismos heterotróficos.• Apresentam grande diversidade de formas.• Livres ou simbiontes• Classificação baseada na locomoção:Rhizopoda (amebas)Flagelados (trypanosoma)Ciliados (paramecium)Esporozoa (plasmodium)
  3. 3. Rhizopodas ou sarcodinas (Amebas) Prof. Emanuel • Locomoção por pseudópodos. • Nutrição por fagocitose. • Digestão intracelular. • Vida livre ou parasitária. • Vacúolos pulsáteis para controle osmótico. • Reprodução assexuada por divisão binária. • Nome genérico  Amebas • Ex.: Amoeba proteus (vida livre) e Entamoeba histolytica (parasita)
  4. 4. Rizhopodas ou sarcodinas (Amebas) Prof. Emanuel Formas de observação Desencistamento Reprodução Cisto Trofozoíto EncistamentoResistência MotilidadeEncontrado nas fezes ReproduçãoForma infectante Forma ativa
  5. 5. Amebíase intestinal Prof. Emanuel
  6. 6. Amebíase (desenteria amebíana) Prof. Emanuela) Agente causador ou etiológico:Entamoeba histolytica • Protozoário amebóide • Parasita monoxeno
  7. 7. Amebíase (desenteria amebíana) Prof. Emanuelb) Hospedeiro definitivo: homemc) Local de parasitismo: intestinos eeventualmente outros orgãosd) Forma de contaminação: Passiva por ingestãodos cistos ou autocontaminação
  8. 8. Amebíase (desenteria amebíana) Prof. Emanuele) Ciclo biológico 1.Cistos no meio 2.Ingestão dos cistos 3.Cistos no estômago 4.Desencistamento no final do intestino delgado 5.Os trofozoítos no intestino grosso podem viver como: a) comensal – não causa danos b) parasita – causa a doença 6.Trofozoítos se destacam da mucosa, sofrendo encistamento; 7.Eliminação dos cistos juntamente com as fezes;
  9. 9. Amebíase (desenteria amebíana) Prof. Emanuel
  10. 10. Amebíase (desenteria amebíana) Prof. Emanuele) sintomas: Diarréia, dor abdominal, náuseas,apatiaf) Profilaxia:• Saneamento básico• Noções de higiene
  11. 11. Flagellata ( Mastigophora ) Prof. Emanuel • Locomoção por flagelos • Simbiontes • Digestão intracelular • Reprodução assexuada por divisão binária. • Ex.: Trichonymphas sp. Trypanosoma, Giardia lambia, Leishmania sp.
  12. 12. Doença de chagas Prof. Emanuel
  13. 13. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel a) Agente causador ou etiológico: Trypanosoma cruzi Tripomastigota • Protozoário flagelado Epimastigota • Parasita heteroxeno Amastigota • Polimorfismo
  14. 14. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. EmanuelTripomastigotas: Sangue do hosp. vertebrado Formato alongado Forma infectante (não se reproduz) Um flagelo aderido ao corpo celular (membranaondulante)
  15. 15. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. EmanuelAmastigotas: encontradas no interior de célulasdo hosp. vertebrado Não apresentam flagelo livre Forma arredondado ou oval Reprodução por divisão binária Fase crônica (intracelular)
  16. 16. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. EmanuelEpimastigotas: Tubo digestório do hospedeiroinvertebrado (vetor). Formato fusiforme Reprodução por divisão binária Um flagelo livre
  17. 17. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel
  18. 18. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuelb) Hospedeiros• Hospedeiro vertebrado: Homem• Hospedeiro invertebrado: Barbeiros hematófagosdos gêneros Rhodnius, Panstrongylus e Triatoma.
  19. 19. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel c) Animais reservatórios: Tatus, gambás, pacas, cães, gatos d) Forma de contaminação: • Contato com as fezes do barbeiro contaminada • Transfusão sanguínea • Transmissão vertical • Ingestão dos Trypanosomas nos alimentos
  20. 20. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel Ciclo Ciclo peridomiciliar Domiciliar Ciclo Silvestre
  21. 21. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuele) Ciclo biológico
  22. 22. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel f) Local de parasitismo: Cólons,esôfago,coração
  23. 23. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel f) Local de parasitismo: Cólons,esôfago,coração
  24. 24. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel f) Local de parasitismo: Cólons,esôfago,coração
  25. 25. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanuel g) Sintomas: • Chagoma • Hipertrofia da musculatura parasitada • Insuficiência cardíaca
  26. 26. Doença de Chagas (Tripanossomíase americana) Prof. Emanueli) Profilaxia • Eliminação dos barbeiros • Melhoria das condições de moradias rurais • Inspeção do sangue utilizado nas transfusões www.fiocruz.br/chagas/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=1
  27. 27. Leishmaniose Prof. Emanuel
  28. 28. Leishmaniose Prof. Emanuela) Agente causador: Leishmania sp L. braziliensis – Leishmaniose cutânea L. chagasi – Leishmaniose viceral • Protozoário flagelado • Parasita heteroxeno • Promastigota • Amastigota
  29. 29. Leishmaniose Prof. Emanuelb) Hospedeiros:• Vertebrados – Homem, cães e animaissilvestres Macrófago
  30. 30. Leishmaniose Prof. Emanuelb) Hospedeiros:• Invertebrado - Mosquitoflebotomídeo • Gênero Lutzomia • Hospedeiro invertebrado • Hematófago • Hábitat: Zonas de mata
  31. 31. Leishmaniose Prof. Emanuel
  32. 32. Leishmaniose Prof. Emanuel
  33. 33. Leishmaniose Prof. Emanuelc) Contaminação: • Picada do mosquito flebótomo contaminado
  34. 34. Leishmaniose Prof. Emanueld) Ciclo biológico:
  35. 35. Leishmaniose Prof. Emanuel
  36. 36. Leishmaniose Prof. Emanueld) Local de parasitismo• Pele – Forma cutânea• Vísceras – Formavisceral ( Calazar )e) Profilaxia• Combate ao mosquitoflebótomo
  37. 37. Leishmaniose Prof. Emanuel
  38. 38. Tricomoníase Prof. Emanuel
  39. 39. Giardíase Prof. Emanuel
  40. 40. Doença do sono Prof. Emanuel
  41. 41. Cilliophora (Ciliados) Prof. Emanuel • Locomoção por cílios. • Nutrição pelo sulco oral. • Digestão intracelular. • Macro e micronúcleo. • Vacúolos Pulsáteis • Excreção pelo citoprocto. • Vida livre ou simbióticos. • Reprodução assexuada por divisão binária e sexuada por conjugação. • Ex.: Paramaecium sp Balantidium coli
  42. 42. Cilliophora (Ciliados) Prof. Emanuel Vacúolo contrátil Micronúcleo Cílios Macronúcleo Canal Sulco oral Vacúolo Citostoma contrátil Citofaringe Poro excretor Vacúolo alimentar Ampola radial Retículoendoplasmático Citoprocto Cílios
  43. 43. Cilliophora (Ciliados) Prof. Emanuel
  44. 44. Sporozoa (Apicomplexa ) Prof. EmanuelToxoplasma gondii • Sem estruturas de locomoção. • Complexo apical • Parasitas. • Ciclo vital complexo. Plasmodium falciparum • Reprodução por metagênese: fase assexuada por divisão múltipla e fase sexuada por fecundação. • Ex.: Plasmodium e Toxoplasma.
  45. 45. Malária Prof. Emanuel
  46. 46. Malária ou impaludismo Prof. Emanuela) Agente causador: Plasmodium sp • Protozoário heteroxeno • Parasita intracelular • Plasmodium malariae - Malária quartã • Plasmodium vivax – Malária terçã benigna • Plasmodium falciparum – Malária terçã maligna
  47. 47. Malária Prof. Emanuelb) Hospedeiros• HI – Homem• HD – Mosquito Anopheles • Vetor ou agente transmissor • Hematófago (fêmea) • Hábitat: Matas e florestas da zona intertropical
  48. 48. Malária (Doença tropical) Prof. Emanuel
  49. 49. Malária (Doença tropical) Prof. EmanuelAnopheles
  50. 50. Malária Prof. Emanuelc) Forma de contaminação: Picada do mosquitoanopheles fêmea. Inoculação dos esporozóitos
  51. 51. Malária Prof. Emanueld) Local de parasitismo: Fígado e hemácias Fase eritrocítica (merozóitos e gametócitos) Pigmento maláricoFase intrahepáticaou pré-eritrocítica (merozóitos)
  52. 52. Malária Prof. Emanuele) Ciclo de vida ESPOROZÓITO forma infectante para o homem GAMETÓCITO forma infectante para o mosquito
  53. 53. Malária Prof. Emanuel
  54. 54. Malária Prof. Emanuelf) Sintomas• Febre alta• Dor de cabeça• Fadiga• Calafrio• Sudorese Hemólise = crise malárica Siclemia e resistência malárica
  55. 55. Malária Prof. Emanuelg) Profilaxia• Combate ao mosquito anopheles • Controle químico • Controle biológico
  56. 56. Toxoplasmose Prof. Emanuel

×