Lei Maria da Penha
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Lei Maria da Penha

on

  • 1,462 visualizações

Slide - Lei Maria da Penha

Slide - Lei Maria da Penha

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
1,462
Visualizações no SlideShare
1,462
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
0
Downloads
38
Comentários
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Lei Maria da Penha Lei Maria da Penha Presentation Transcript

    • Lei Maria da PenhaAspectos Criminológicos e Penais Edson Luz Knippel
    • PESQUISA IBOPE/INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO - 2006 PERCEPÇÃO E REAÇÕES DASOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHERPesquisa elaborada antes da vigência da Lei Maria da Penha Fonte: Portal de Violência Doméstica
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADESOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS De 2004 a 2006 aumentou o nível de preocupação com a violência doméstica em todas as regiões do país, menos no Norte /Centro-Oeste, que já tinha o patamar mais alto (62%). Nas regiões Sudeste e Sul o nível de preocupação cresceu, respectivamente, 7 e 6 pontos percentuais.
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADESOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS33% apontavam a violência contra as mulheresdentro e fora de casa como o problema que mais preocupa a brasileira na atualidade.
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS51% dos entrevistados declararam conhecer aomenos uma mulher que é ou foi agredida por seu companheiro.
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS Em cada quatro entrevistados, três consideram que as penas aplicadas nos casos de violência contra a mulher são irrelevantes e que a justiçatrata este drama vivido pelas mulheres como um assunto pouco importante.
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADESOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS 54% dos entrevistados afirmaram que osserviços de atendimento a casos de violência contra as mulheres não funcionam.
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADESOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS 65% dos entrevistados acreditavam queatualmente as mulheres denunciam mais quando são agredidas. Destes, 46% atribuem o maior número de denúncias ao fato de que as mulheres estão mais informadas e 35% acham que é porque hoje elas são mais independentes.
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADESOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS 64% disseram que o homem que agride a mulher deve ser preso (na opinião tanto de homens como mulheres); 21%, prestar trabalho comunitário (21%); e 12%, doar cesta básica.Um segmento menor prefere que o agressor seja encaminhado para: grupo de apoio (29%); ou terapia de casal (13%).
    • PERCEPÇÃO E REAÇÕES DA SOCIEDADESOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER PRINCIPAIS RESULTADOS Perguntados sobre o que acham que acontece quando a mulher denuncia:33% dos entrevistados afirmaram que “Quando o marido fica sabendo, ele reage e ela apanha mais”;27% responderam que não acontece nada com o agressor; 21% crêem que o agressor vai preso;12% supõem que o agressor recebe uma multa ou é obrigado a doar uma cesta básica.
    • FINALIDADECoibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher.
    • FUNDAMENTOS LEGAIS Art. 226, § 8º da CF; Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres; Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; Outros Tratados Internacionais ratificados pelo Brasil.
    • CONCEITO DE VIOLÊNCIADOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER (art. 5º)É a ação ou omissão baseada no gênero que lhecause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial.
    • GÊNERO“GÊNERO é um conjunto de papéis que sãoconferidos à mulher como obrigatórios e dosquais ela não pode afastar-se, sob pena deperder as condicionantes que justificam o‘respeito’ que a sociedade lhe deve dedicar”(Silvia Pimentel, Ana Lúcia P. Schritzmeyer eValéria Pandjiarjian).
    • Lei Maria da PenhaPRINCIPAIS ASPECTOS- elimina penas como o pagamento de cestasbásicas e multas, que têm contribuído para abanalização da violência contra as mulheres, epropõe penalidades como prisão ao agressor ou oencaminhamento à prestação de serviços (17);-estabelece o atendimento multidisciplinar para amulher (29/32);-tipifica a violência doméstica.
    • Tipificação da Violência Doméstica Violência Doméstica§ 9º Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade: Pena - detenção, de 3 meses a 3 anos. § 10. Nos casos previstos nos §§ 1º a 3º deste artigo, se as circunstâncias são as indicadas no § 9º deste artigo, aumenta-se a pena em 1/3 (um terço). § 11. Na hipótese do § 9º deste artigo, a pena será aumentada de um terço se o crime for cometido contra pessoa portadora de deficiência.
    • A CONSTITUCIONALIDADE DA LEI MARIA DA PENHA Visão doutrinária e jurisprudencial. Nosso posicionamento.
    • DISCUSSÃO DOUTRINÁRIA Argumentos pela Constitucionalidade da Lei - Possui base constitucional (artigo 226, 8º, CF);- Possui base em Tratados em Convenções Internacionais; - Respeita o princípio da isonomia, tratando de formaiguais os iguais e desiguais os desiguais, na exata medida de sua desigualdade; - Não fere dispositivos constitucionais relativos a organização judiciária e a competência do JECRIM. Maria Berenice Dias
    • DISCUSSÃO DOUTRINÁRIA Argumentos pela Inconstitucionalidade da Lei- Fere o princípio da isonomia, ao estabelecer, de forma injustificada, tratamento jurídico entre mulheres e homens; - Altera organização judiciária dos Estados; - Fere o artigo 98, I, CF ao retirar do JECRIM acompetência para o julgamento das infrações penais de menor potencial ofensivo. Guilherme de Souza Nucci
    • Decisão proferida por Magistrado de Sete Lagoas (MG) “Esta Lei Maria da Penha é, portanto, de uma heresiamanifesta. Herética porque é antiética; herética porque fere a lógica de Deus; herética porque é inconstitucional e por tudo isso flagrantemente injusta”. “Ora! A desgraça humana começou no Éden: por causa da mulher - todos nós sabemos - mas também em virtude da ingenuidade e da fragilidade emocional do homem. (...) a mulher moderna —dita independente, que nem de pai para seus filhos precisa mais, a não ser dos espermatozóides— assim só o é porque se frustrou como mulher, como serfeminino. O mundo é masculino! A idéia que temos de Deus é masculina! Jesus foi homem!". "A vingar esse conjunto de regras diabólicas, a família estará em perigo, como inclusive já está: desfacelada, osfilhos sem regras, porque sem pais; o homem subjugado. A lei é um "monstrengo tinhoso".
    • MANIFESTAÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE ADC 19 Proposta pela Presidência da República. Liminar indeferida.Em 02/03/2009, os autos foram recebidos pelo Minitro Relator Marco Aurélio, com parecer favorável da Procuradoria Geral da República. Pedido de preferência deferido em 04/02/2009.
    • MANIFESTAÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE ADIn 4424 Proposta pela Procuradoria Geral da República, em 04/06/2010. Rel. Ministro Marco AurélioObjeto: Afastar aplicabilidade do JECRIM e determinar otipo de ação penal destinado ao crime de lesão corporal leve, praticado em situação de violência doméstica.
    • NOSSO POSICIONAMENTOA LEI MARIA DA PENHA É CONSTITUCIONAL.