Plano Curricular da Sala 1

12.155 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.155
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
310
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano Curricular da Sala 1

  1. 1. CENTRO SOCIAL SANTA JOANA PRINCESA Ano letivo 2011/2012 Projeto Curricular de Grupo Sala 1 Educadora de Infância: Luísa Campos
  2. 2. 1. Diagnóstico inicial 1.1. Caracterização do grupo de crianças a que se destina o Projecto Curricular de GrupoEste projecto pedagógico destina-se às crianças da Sala 1, da valência de PréEscolar do Centro Social Santa Joana Princesa.O grupo de crianças que frequenta esta sala é formado por:1. Afonso Alves Pereira Santiago 30.05.20072. Afonso de Oliveira Coutinho 01.02.20073. Clara Martins Gonçalves Pinto 24.04.20084. Daniel Arredondo Branco 11.03.20065. Daniel Fonseca Gomes 17.01.20066. Gabriel Silva Gonçalves 27.09.20067. Gabi Mota Coelho 18.11.20088. Hélder Henrique Santos Muge 27.04.20069. Henrique Miguel Pais Nunes da Silva 16.07.200710. Iara Fabiana Machado Marcelino 27.01.200811. Joana Filipa Ferrão dos Santos 29.02.200812. Leonardo Rafael Nunes Marques 22.02.200613. Leonor Margarida Rocha da Cunha 17.12.200514. Luís Gabriel Alves dos Santos 29.01.200815. Margarida Figueiredo Dias 02.02.200716. Martinho Jorge Marques Amado 10.01.200617. Matilde Serra Alão 08.04.200818. Paulo Maximilian Borries Serra 15.01.200819. Sebastião Pedro da Palma Diogo 12.05.200720. Tiago Lopes Brandão 04.03.2007
  3. 3. 21. Victória de Matos Oliveira 02.06.2007Este é um grupo heterogéneo no que diz respeito às idades uma vez que existemcrianças entre 3 e 5 anos, nascidas nos anos de 2005 e 2008.São 21 crianças no total: 8 crianças do sexo feminino e 13 do sexo masculino. Crianças com 3 anos (à data de elaboração do projecto e que completam os 4 nodecorrer do ano lectivo): 7 Crianças com 4 anos (à data de elaboração do projecto e que completam os 5 nodecorrer do ano lectivo): 7 Crianças com 5 anos (à data de elaboração do projecto e que completam os 6 nodecorrer do ano lectivo): 6 Crianças com 6 anos (à data de elaboração do projecto e que completam os 7 nodecorrer do ano lectivo): 1 (criança com NEE)O grupo de crianças é novo entre si mas inclui crianças que frequentavam ainstituição no ano letivo anterior noutros grupos e que foram agrupadas no novogrupo num total de 18; há 3 entradas novas na sala / instituição. Existe uma criança sinalizada com NEE (Necessidades Educativas Especiais)com intervenção da Equipa de Ensino Especial de Aveiro, com presença na salade actividades de uma educadora de ensino especial, 2 vezes por semana (3ªf e4ªf, com apoio total de 4 horas semanais).As únicas informações conhecidas das causas do atraso de desenvolvimento dacriança (linguagem, motor, cognitivo), reportam a 2007 (equipa dedesenvolvimento do Hospital Pediátrico de Coimbra), tendo-lhe sido diagnosticadauma ANOMALIA CROMOSSOMÁTICA, não se conhecendo entretanto outrodiagnóstico; a criança continua a ser avaliada / observada pela Equipa do HospitalPediátrico de Coimbra; 1.2. Características específicas do grupoEste é um grupo heterógeneo de idades (entre os 3 e os 6 anos), e por issomesmo apresenta um grau de desenvolvimento diferente que necessariamenteterá de se ter em conta aquando da planificação das actividades pedagógicas.O facto de haver mais 5 crianças do sexo masculino do que do feminino tambéminfluencia a organização dos espaços da sala: através da observação direta dogrupo pude concluir que os rapazes apreciam mais brincadeiras de construções,
  4. 4. carrinhos, legos, garagem; já as raparigas optam pela biblioteca, casinha e jogosde mesa.Desta forma, os espaços da sala foram criados de modo a permitir um maiornúmero de crianças no espaço das construções para evitar conflitos e gerar umamaior dinâmica entre todos.É um grupo com tendência para actividades de grande grupo, seja brincadeiraslivres (jogos de cooperação), seja para actividades dirigidas (apreciam trabalharem grupo).Todas as crianças controlam os esfíncteres diurnos, sendo que apenas umacriança não consegue defecar na sanita (só o faz na fralda), mas só iniciará afrequência na sala / instituição na semana a seguir à data de elaboração desteprojeto.Cerca de 12 crianças (de 3 e 4 anos) necessitam da sesta diária (duração de 1hora), tendo essa necessidade decorrido da informação prestada pelosencarregados de educação e da observação da educadora em contexto de sala.Ainda se está num período de ajuste de necessidades, sendo portanto flexível onúmero de crianças a dormir a sesta ao longo do ano letivo que agora inicia. A criança sinalizada com NEE requer um pouco mais de atenção por parte doeducador, sobretudo ao nível da compreensão / execução das actividades decoordenação óculo manual, sendo perfeitamente autónoma ao nível dos autocuidados. 1.3. Identificação de interesses e necessidadesEste grupo manifesta, no geral, interesses como:- Conversas de grande grupo (espaço de manta);- Jogos de mesa (dominós, puzzles, cartas,…);- Jogos de construções com blocos, animais, carros, pistas (trabalham muito bemem equipa);- Ouvir e ver histórias;- Cantar e ouvir música (jogos rítmicos, sobretudo acompanhados de instrumentosmusicais, como flauta, pandeireta, guisos);- Brincar livremente, (“faz de conta”);- Actividades de expressão plástica (desenho, modelagem e pintura são ospreferidos);- Respostas a alguns problemas do dia-a-dia (método científico: colocação doproblema, levantamento de hipóteses, experimentação, conclusão);A par dos interesses, destaco como dificuldades do grupo:- Algumas dificuldades no cumprimento de regras;
  5. 5. As necessidades mais evidentes neste grupo são:- A necessidade em trabalhar regras já conhecidas na sala de actividades e/ounovas regras que possam, eventualmente, vir a ser necessárias;- Desenvolvimento de competências pessoais como forma de motivação emelhoramento da auto estima;- Maior autonomia ao nível da alimentação; 1.4 Metas e objectivos a atingirO CSSJP rege-se pela Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar (lei nº5/97 de 10 deFevereiro). Desta forma, os objectivos a atingir com este grupo são os definidospara a Educação Pré-escolar em geral, enunciados na referida Lei-Quadro. Sãoeles:“ a) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base emexperiências de vida democrática numa perspectiva de educação para a cidadania;b) Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no respeito pelapluralidade de culturas, favorecendo uma progressiva consciência como membroda sociedade”;c) Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para osucesso da aprendizagem”;d) Estimular o desenvolvimento global da criança no respeito pelas suascaracterísticas individuais, incutindo comportamentos que favoreçamaprendizagens significativas e diferenciadas”;e) Desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplascomo meios de relação, de informação, de sensibilização estética e decompreensão do mundo”;f) Despertar a curiosidade e o pensamento crítico”;g) Proporcionar à criança ocasiões de bem-estar e de segurança, nomeadamenteno âmbito da saúde individual e colectiva”;h) Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências ou precocidades epromover a melhor orientação e encaminhamento da criançai) Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecerrelações de efectiva colaboração com a comunidade;” (Ministério da Educação,1997:15).
  6. 6. 1.4.1. Definição dos Objectivos OperacionaisNo que respeita aos objectivos específicos gerais deste projecto curricular,considero que os mesmos se mantêm constantes ao longo de todo o processoeducativo, apesar de as estratégias serem adaptadas à faixa etária a que sedestinam.Assim, proponho como objectivos gerais do grupo: Promover a socialização; Desenvolver a autonomia; Favorecer a auto-estima e o bem-estar; Proporcionar a descoberta de novos locais de interesse, no meio envolvente; Promover o desenvolvimento global da criança (motor, cognitivo, social); Proporcionar vivências do maravilhoso, do fantástico e do imaginário; Estimular a imaginação e a criatividade; Favorecer a expressividade; Tornar a criança desinibida; Desenvolver o sentido de responsabilidade; Estimular a expressão plástica, dramática e musical; Favorecer a interiorização de regras, hábitos de higiene e de arrumação; Promover o sentido de civismo e a interiorização de regras básicas necessárias à inserção na sociedade. 1.5. Características dos 3 aos 5 anosA Criança de 3 anos: Desenvolvimento Social / Comportamental / Emocional:Ao atingir os três anos de idade a criança deixa de ser tão egocêntrica como o eraaté agora, sendo agora capaz de melhor partilhar os brinquedos, sejam seus ou dasala, interagindo com os colegas e tornando-se assim mais
  7. 7. sociável.Por esta altura, a diminuição da dependência dos pais é já mais aparente e tentacompreender com mais atenção o mundo que a rodeia, tenta imitar as acções dapessoa que tem como modelo (mãe, pai ou outra pessoa próxima) e fá-lo comsucesso, reproduzindo essas acções nas brincadeiras de cozinha, quarto, etc.Aos três anos a criança já reage ao estranho de forma mais “racional”, pois aconsciência de que pertence ao seu meio familiar torna-se evidente para a ela, ouseja, ela sabe que pertence a determinada família e conhece os membros dessafamília, uma vez que já adquiriu a sua identidade pessoal, não estando tão àvontade perante o estranho por “medo” de ficar sozinha, fora do seu ambiente.Nesta idade tudo o que “foge” à sua rotina a assusta, tudo o que não seja aspessoas a que está habituada, os locais a que está habituada e mesmo a forma defazer determinadas coisas a que não está habituada.É aos três anos que costumamos dizer que a criança está na idade dos “porquês”,devido à sua curiosidade permanente e crescente de querer saber como e por queé que as coisas acontecem ou são assim. Não se contenta com a resposta sem aexplicação. Além disso está também na fase de se começar a afirmar, a par degostar de agradar os adultos mostrando como já é “crescido”. Desenvolvimento Físico / Motriz:Com três anos o seu equilíbrio da criança está agora mais desenvolvido (salta numsó pé, de olhos fechados é capaz de andar em linha recta durante algunssegundos, percorre maiores distância a pé…).Os movimentos da criança já são mais precisos e o tem um maior domíniorelativamente a si própria (os seus pés são mais firmes e ágeis, caminhando emposição erecta e a coordenação de todos os seus movimentos é mais clara eordenada).No que diz respeito à motricidade fina, a criança já está apta a pegar em objectosem “pinça” (com os dedos polegar e indicador) e é também capaz de desenhar afigura humana, constituída por cabeça e pernas.Com três anos, a criança já é capaz de utilizar correctamente a tesoura, ostalheres (faca e garfo), pede e tem autonomia para ir sozinha à casa de banho,necessitando apenas de ajuda para se limpar. Desenvolvimento da Linguagem:É por volta dos três anos que surge pela primeira vez a forma gramatical daterceira pessoa, o que significa que a criança, além de si própria, toma tambémconsciência dos outros. Ela gosta de aprender palavras novas e produz frasessimples, sendo capaz de reproduzir palavras com três sílabas com perfeita dicção.Utiliza mais os artigos pessoais e começa a diferenciar os géneros das palavras ea dizer os plurais correctamente;Nesta fase é normal que a criança seja “tagarela” por natureza, falando atésozinha ao brincar, fingindo ler histórias ou descrevendo o que faz ou fez.A sua memória linguística aumenta consideravelmente, tendo um enorme prazerem aprender palavras novas e está constantemente a fazer perguntas, na suanecessidade de querer saber mais e mais.
  8. 8. Desenvolvimento Cognitivo / Raciocínio:Ao atingir os três anos de idade, a criança já é capaz de agrupar objectos ouimagens por semelhança, tamanho, forma ou cor.É perfeitamente normal que ainda não consiga dedicar muito tempo a uma tarefapois o seu tempo de concentração é ainda curto, assim, pode não estar muitotempo a jogar um jogo, no entanto já compreende as suas regras básicas.As suas capacidades linguísticas, juntamente com a curiosidade característica dasua idade, fazem com que seja capaz de inventar as suas próprias explicaçõespara as coisas, mesmo que sejam as mais “descabidas”.Nesta fase, ainda não é capaz de perceber relações de causa-efeito. Utiliza ascores que gosta e que lhe apetece usar e não por sentido estético.A Criança de 4 anos: Desenvolvimento Social / Comportamental / Emocional:Ao nível da socialização, a criança de quatro anos está mais interessada nasocialização do que a de três anos. Isto pode ser observado no prazerdemonstrado ao imitar os adultos que a rodeiam e este é um sinal evidente do seuamadurecimento.Nesta altura ela está a crescer e tendo consciência disso mesmo, ela estáinteressada e empenhada no seu “crescer”, ansiosa por ser mais velha. Apesar denão compreender o ano como unidade de tempo, sabe quando e quantos anosfará a seguir e pode mencioná-lo vezes sem conta.Esta fase é de um grande processo de socialização por parte da criança na suavida de grupo juntamente com outras crianças da sua. Têm tendência emorganizar-se em grupos de 4 ou 5 crianças, normalmente separando os grupos derapazes dos de raparigas, não gostando que mais algum entre nesse seu grupo.Numa perspectiva de desenvolvimento, este comportamento, aparentementenegativo, é bastante positivo pois o sentimento de pertencer a um grupo é umpasso importante para a compreensão da natureza dos grupos sociais.Apesar do exagero comum nesta idade, a criança consegue descrever comfacilidade e com fidelidade o que aconteceu em casa ou no jardim de infância, semlhe escaparem as divergências.Nesta altura a criança começa a perceber a sequência temporal dos dias dasemana, dos períodos do dia (manhã, tarde, noite)A imaginação de uma criança de quatro anos não pára. O que para ela antes eraum carro, pode ser, uns minutos depois, uma mesa, uma flor ou o que quer queseja que ache pertinente no momento. Desenvolvimento Físico/ Motriz:A criança desta idade domina melhor toda sua parte motora, incluindo a voz. Asmãos, os braços, as pernas e os pés tornam-se sucessivamente maisindependentes do resto do corpo. Os movimentos das mãos são maisorganizados, mais precisos e menos “desajeitados”. A criança consegue atirar uma
  9. 9. bola com a mão acima do ombro e é capaz de cortar com tesoura em linha recta.Já aperta os atacadores dos sapatos e pode manter-se numa só perna.Uma criança com quatro anos é capaz de comer sozinha com destreza e eficácia econsegue comer e falar em simultâneo. É extremamente faladora e gosta deaprender e utilizar palavras novas e diferentes. Por vezes, inventa ela própriapalavras para descrever situações concretas.Aos quatro anos, a criança já não se contenta com frases simples, querendodominar as conjunções e os advérbios. Usa expressões como “sabes que”,“realmente”, “enorme”, “faz de conta que”, “e tudo mais”. Tende igualmente arepetir frases feitas da cultura linguística em que vive tais como provérbios, taiscomo “quem foi ao mar, perdeu o seu lugar”. Desenvolvimento Cognitivo / Raciocínio / Linguagem:Nos desenhos, para além da representação de pessoas e objectos, observa-setambém a representação de acontecimentos.Começa a existir preocupação em representar formas idênticas àquilo que sabe enão só ao que se vê. Aparecem assim nos desenhos com grandes detalhes,surgem os rebatimentos e as transparências. Devido à grande preocupação emtornar o desenho realista, a criança representa detalhes invisíveis, assim comovárias perspectivas em simultâneo.O pensamento assenta essencialmente no uso de símbolos, na compreensão deidentidades, na compreensão de causa e efeito, na capacidade para classificar ena compreensão de número.O egocentrismo é outra característica desta idade, pois este revela a incapacidadede entender e considerar o ponto de vista de outra pessoa.Esta criança tem tendência a atribuir vida a objectos inanimados (animismo), assimcomo também confundem o que é real com a aparência exterior.Apesar de compreender que um dia se segue a um outro, aos quatro anos, acriança ainda não apresenta uma compreensão concreta do ano como unidade detempo. Ela tenta crescer, até de uma forma consciente, pois um dos seus grandesinteresses é ter cinco anos.Relativamente à linguagem, segundo Gesell, a criança comenta os seus própriosdiscursos, gosta de utilizar as palavras, de experimentá-las e brincar com elas,bem como inventar novas palavras. Nesta fase, o fluxo das suas interrogações émuito grande, pois os seus usuais “comos” e “porquês” não significam apenas umasimples procura de conhecimento, mas também uma forma de exercitar alinguagem e a audição.Contrariamente aos três anos, nesta fase, a criança interessa-se mais pelasocialização do que pela oposição. Adora passar a maior parte do tempo a brincare a conversar com os seus amigos.A Criança de 5 anos: Desenvolvimento Social / Comportamental / Emocional:
  10. 10. A criança de cinco anos costuma pensar no que vai dizer, pois preocupa-se emfalar de forma mais cuidada, além disso exige agora respostas plausíveis às suasperguntas.Muitas vezes, é uma criança que gosta de ajudar, seja em casa nas tarefas juntocom os pais (por já “ser grande”), no jardim-de-infância ou qualquer outro ambienteque lhe seja familiar.Nesta fase, a criança costuma já pedir autorização para realizar tarefas deresponsabilidade, sabe quando tem que pedir “por favor” e “desculpa” sem quetenha que ser lembrado.As crianças desta idade que têm irmãos mais novos, começam agora a sentir-seresponsáveis pelos irmãos e é aqui que o ciúme, característico das idadesanteriores, é substituído pelo sentimento de protecção.A teimosia é uma característica que demarca bem esta idade. Esta provém da suamaior autoconfiança, o que faz com que dificilmente “saia a perder” perante umadiscussão mesmo com adultos. Enerva-se com facilidade e frequência e não cedefacilmente, contrariando ordens que não são do seu agrado, chorando, gritando e,por vezes, partindo os seus próprios pertences, muitas vezes levando ao limite apaciência dos pais.Algumas crianças nesta idade têm ainda medo de certos elementos da naturezacomo trovões, escuridão, porque ainda não compreendem as causas queroriginam estes fenómenos.O principal temor destas crianças não são as histórias de bruxas e fantasmas, maso medo de ver-se privada da companhia da sua mãe e outros familiares maischegados, que saia de casa e não volte mais.Para libertar as suas tensões é comum o roer as unhas ou coçar o nariz, que sãona realidade, formas de libertar e descarregar tensões. Outras mostram-seruidosas e revoltadas. Tudo depende do seu carácter e da sua personalidade.Toda a sua curiosidade se centra no mistério da concepção e do nascimento, e porisso manifestam uma impressionante ternura para com o irmão mais pequeno. Omenino sente maior interesse pelo bebé do que pelas suas circunstâncias,enquanto a menina sente certa preocupação em saber por onde saem as criançasda barriga da mãe.Meninos e meninas desta idade costumam mostrar-se bastante envergonhados enão gostam de mostrar algumas partes do seu corpo. Algumas crianças desejamtransformar-se em pessoas de sexo oposto, enquanto outras rejeitam tudo o quese refere ao sexo oposto. Desenvolvimento Físico/ Motriz:A sua motricidade está muito bem desenvolvida.Possui bastante equilíbrio e mais controlo, as suas posturas cada vez são menosexageradas. Sobe e desce as escadas alternando os pés e a grande velocidade.Muda de brincadeira com grande facilidade, mas costuma sentir grandepredilecção pela bicicleta ou jogar à bola (mais os meninos).É capaz de permanecer sentada muito mais tempo do que antes, embora a suaimobilidade dure pouco tempo. O seu tempo de concentração numa determinadatarefa ou num jogo aumentou consideravelmente em relação aos anos anteriores.
  11. 11. Gosta de trepar e subir a todo o ladoUtiliza os olhos e as mãos praticamente como um adulto. Os seus movimentos sãoprecisos e perfeitamente coordenados. As mãos adquirem maior agilidade emostram-se cada vez mais hábeis. A criança sente prazer em realizar trabalhos.Gosta de construir, observa os movimentos dos adultos para de imediato os imitar,gosta de copiar desenhos e contornos, algo muito útil, pois constitui umapreparação para a escrita. Costuma ser muito orgulhosa nos seus trabalhos. Temdefinida a mão para comer e para escrever. Continua a ser necessário muitoesforço para permanecer sentada durante muito tempo.Normalmente a criança desta idade come sozinha, sabendo usar perfeitamente ogarfo e a colher e alguns ainda não conseguem usar a faca correctamente, sendoa tarefa de cortar a carne ainda difícil para a criança.Nas refeições com a família já está à mesa sem se levantar e o seucomportamento melhora bastante nesta idade.Já sabe esperar pelo fim das refeições para fazer as suas necessidades e já selimpa sozinha. Desenvolvimento Cognitivo / Raciocínio:A criança é muito orgulhosa de si, muito contente por ser mais velha eresponsável, encanta-a a conduta dos adultos e quer ser como eles.Cada vez é maior o diálogo com os pais, mais aberto e seguro. Ela respondeajudando no que pode, dando afecto e agradando, sendo cada vez mais um serhumano fácil de lidar.Nesta idade dá-se uma mudança de grande interesse na personalidade da criança.Começa a fazer planos, já não se mostra passiva perante os acontecimentos, poissabe que dela dependem algumas coisas.Tem uma grande memória. Muitas vezes para agradar a mãe dizem “ mãe hojevou-me portar bem”, promessa essa quase nunca cumprida.Sentem muito orgulho do pai, que lhes oferece sensações de segurança eprotecção.Toma as suas decisões com bastante rapidez e quando fracassa costuma pôr asculpas para a pessoa fisicamente mais próxima.Desenvolvimento da Linguagem:O Jardim de Infância constitui a prova do nível de aprendizagem de comunicaçãoda criança. Ao imitar os adultos e seus comportamentos, ganha destreza ao utilizaras palavras e amplifica o seu vocabulário. é a grande prova do nível deaprendizagem da comunicação da criança. Nesta fase a criança identificapronomes pessoais, distinguindo os géneros (masculino de feminino). 2. Fundamentação das Opções EducativasA escolha das opções/intencionalidades educativas a desenvolver este ano letivona sala 1 advêm da observação direta do educador durante o mês em curso
  12. 12. (Setembro), das informações fornecidas pelas educadoras de algumas criançasdos anos letivos anteriores e das informações prestadas pelos pais.Assim, pretende-se desenvolver actividades lúdicas, apelativas, diferentes todosos dias e que englobem todas as áreas de desenvolvimento das crianças definidaspara a Educação Pré Escolar (Formação Pessoal e Social, Expressões eConhecimento do Mundo).Será dada especial importância à dinâmica de grupos (sentido de partilha e entreajuda, respeito pelo outro e pela diferença), ao cumprimento de regrasestabelecidas em conjunto na sala e a actividades individuais que permitamdesenvolver competências nos vários domínios referidos nas Metas deAprendizagem para a Educação Pré Escolar.Os temas definidos mensalmente não têm um caráter definitivo, estanque,podendo ser desenvolvidos noutras datas ou sofrer reformulações se o grupoassim o entender e se o decorrer das actividades assim o ditar.Assim, este projecto tem como principal objectivo desenvolver um espíritodemocrático, permitindo às crianças saber respeitar-se a si e aos outros nacomunidade envolvente. 3. MetodologiaConsidero que todo o educador deve ser conhecedor de todos os modelos deconcepção para a Educação Pré Escolar / Pedagógica, sendo capaz de extrairdeles o que considera ser mais proveitoso e enriquecedor das suas própriaspráticas pedagógicas.Este conhecimento e adequação à sua prática pedagógica deve ser flexível eaberto à comunidade educativa, partilhando experiências, sucessos e dificuldades,numa perspetiva de cooperação e trabalho de equipa com o restante corpodocente da instituição.Considero que os vários modelos pedagógicos existentes se complementam, eprocuro não basear a minha pratica pedagógica num só, tentando diversificá-la eindo ao encontro dos aspectos com os quais melhor identifico a minha prática emcada um destes modelos.Sendo assim, baseio-me essencialmente nos modelos pedagógicossocioconstrutivistas como: Movimento da Escola Moderna (MEM) e Reggio Emíliae a Metodologia de Projecto. Todos estes modelos têm como principalcaracterística a aprendizagem activa por parte da criança, onde os seus interessessão a base do trabalho desenvolvido pelo educador, que tenta proporcionar àcriança um conjunto de experiências significativas nas quais o que sabem e o quequerem saber são um fio condutor para proporcionar tais experiências.
  13. 13. MEM (Movimento Escola Moderna) - tem como primeiro pressuposto aconstituição dos grupos de crianças, integrando diversas idades e não por faixasetárias. Esta organização tem como objectivo assegurar a heterogeneidade quemelhor garanta o respeito pelas diferenças individuais no exercício da entreajuda ecolaboração entre as crianças. Defende a organização da sala de actividades poráreas pedagógicas, que determinam o tipo de actividades e materiais queproporcionam. Existe uma constante interacção entre a comunidade educativa e asfamílias e restante comunidade, sendo fonte de conhecimento e formação para ascrianças.Reggio Emília - defende que as crianças aprendem através dos cinco sentidos ede todos os instrumentos possíveis (o corpo, a palavra e o pensamento). Tudo issoinfluencia o modo como a criança constrói a identidade e o conhecimento,interpretando o meio que a rodeia. Desta forma, as crianças são encorajadas aexplorar o que está à sua volta e a expressar-se através de todas as suas cemlinguagens naturais ou formas de expressão. O ambiente físico é considerado oterceiro educador.Metodologia de Projecto - o desenvolvimento do projecto baseia-se numaconversa entre as sugestões do educador e as das crianças. Esta metodologia,assente no construtivismo social, baseia-se num percurso em que as fases,embora interligadas, podem realizar-se de acordo com uma certa ordem, geridapelo educador. 4. Organização do Ambiente Educativo4.1. A organização do grupoA organização do grupo em contexto de sala permite o desenvolvimento de váriostipos de interacções e dinâmicas importantes e significativas para o seudesenvolvimento.Desta forma teremos:Actividades individuais – o educador realiza pequenas actividades com cadacriança individualmente, sendo por isso mais fácil aperceber-se das suasdificuldades e as suas necessidades (identificação de áreas fortes e áreas fracasda criança);Actividades em pequenos grupos – o educador realiza actividades, seja emgrupos de idades idênticas ou diferentes, identificando as necessidades dascrianças e promovendo a ajuda entre elas.Actividades em grande grupo – o educador realiza actividades para partilha deconhecimentos, de experiências promovendo a ajuda mútua entre os membros dogrupo e entre pares.
  14. 14. 4.2. A organização do espaçoO edifício do CSSJP encontra-se dividido, a nível de elementos materiais, daseguinte forma:- No piso superior funcionam as valências de Creche (4 salas de actividades, copae 2 casas de banho) e de Pré-Escolar (3 salas de actividades, 1 salão polivalente e3 casas de banho). Quanto a outras dependências encontram-se a secretaria,gabinete da Coordenadora Pedagógica, sala do Corpo Docente, cozinha, refeitório,despensa, lavandaria e instalações sanitárias das funcionárias;- No piso inferior funciona o salão polivalente / festas, bastidores, sala de inglês,Ludoteca, sala de música, terapia da fala, arrumos;- No espaço exterior existe uma garagem e a casa das máquinas, o parque infantil,o parque de jogos e a horta da instituição.Organização dos espaços da Sala 1:A sala está dividida em áreas de actividades distintas, devidamente identificadas ede interesse específico. São elas: Área da Manta (reunião); Área dos Jogos de Chão (animais, jogos de construção e carros); Área da Casinha (Quarto e Cozinha); Área dos Jogos de Mesa; Área dos Jogos de Mesa; Área da Expressão Plástica (desenho e recorte); Área da Modelagem / Pintura; (Outras áreas poderão ser criadas / reformuladas ao longo do ano de acordo como decorrer das atividades desenvolvidas / interesses do grupo). 4.3. Organização do tempoOs dias da semana estão estruturados sob a forma de rotinas. A rotina diáriapoderá estar sujeita a alteração de acordo com as necessidades e/ou interessesdo momento.
  15. 15. 07.45h – 09.00h: CAF *09.00h – 09.30h: Acolhimento na sala de actividades / Higiene pessoal09.30h – 11.45h: Atividades dirigidas pelo educador / BSE **11.45h – 12.00h: Higiene pessoal12.00h – 13.00h: Almoço13.00h – 14.00h: Período de Descanso / CAF *14.00h – 15.45h: Atividades dirigidas pelo educador15.45h – 16.00h: Higiene pessoal16.00h – 17.00h: Lanche / Higiene pessoal17.00h – 19.00h: CAF * * Componente de Apoio à Família ** Brincar Social EspontâneoHORÁRIO DE COMPONENTE LETIVA: 09.00h – 12.00h / 14.00h – 16.00hHORÁRIO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA: 07.45h – 09.00h / 12.00h – 14.00h / 16.00h –19.00hHORÁRIO DE PROLONGAMENTO: 7.30H – 8.00h / 19.00h – 19.30h 4.4. Organização da equipa 21Crianças; Uma Educadora de Infância: Luísa Campos Uma Ajudante de Acção Educativa: Fátima Dinis Uma Ajudante de Acção Educativa polivalente: Cláudia Granjo Uma Animadora Sócio Cultural: Liliana Baladares Uma Educadora do Ensino Especial: Filipa Bagão Pais das crianças Restante comunidade educativa do CSSJP (Directora, Coordenadorapedagógica, Funcionárias, Utentes, Direcção)
  16. 16.  Professores das actividades extra-curriculares (Dança, Natação, Karaté,Capoeira, Música e Inglês) Comunidade envolvente. 4.5. Organização do estabelecimentoA organização do estabelecimento poderá ser consultada com maior pormenor erigor no “Regulamento Interno do Jardim-de-Infância do CSSJP”. 5. Intenções de trabalho para o ano letivoO mês de Setembro será sobretudo de conhecimento individual das crianças,conhecimento mútuo, criar laços afetivos entre todos, um espírito de grupo e depertença ao mesmo.Só se a criança se sentir segura, querida, amada, conforto na “escola”, serápossível que aprenda, se divirta, que cresça.Assim, e com um conhecimento mais aprofundado de cada criança e dosinteresses gerais do grupo, posso delinear as linhas gerais do projectopedagógico, que vão ao encontro das necessidades de desenvolvimento do grupoe dos seus interesses.Sendo um grupo maioritariamente masculino e com a média de idades nos 4 anos,os seus interesses passam pelas brincadeiras de “faz de conta” (carros, garagens,construções); é um grupo com especial apetência para actividades de modelageme desenho, valorizando muito as construções livres. Necessitam ainda de modelosao nível do desenho, sendo que algumas crianças não pegam corretamente nolápis; ao nível do recorte há muitas necessidades de ajuda;As atividades a desenvolver com as crianças mais novas serão ao nível dodesenvolvimento mais aprofundado da “Área da Formação Pessoal e Social” e da“Área das Expressões”, estando a “Área do Conhecimento do Mundo” maisvocacionada para as crianças mais velhas.Isto não significa todavia que existirão actividades apenas para uma faixa etária dogrupo! Significa apenas que o educador fará um esforço acrescido no sentido defomentar actividades de carácter geral que englobem TODAS as áreas dedesenvolvimento das crianças preconizadas pelas “Orientações Curriculares paraa Educação de Infância”, nas quais TODAS as crianças participam (com objetivosespecíficos bem delineados de acordo com a idade e competências de cada uma),dando maior destaque e intencionalidade às áreas relacionadas com a formaçãopessoal e social e das expressões às crianças mais novas, e enfatizando umamaior valorização de temáticas relacionadas com o conhecimento científico paraas crianças mais velhas.
  17. 17. Assim, algumas das temáticas escolhidas para desenvolver ao longo do ano,foram previamente discutidas e escolhidas com as crianças e remetem para osseus interesses e necessidades (Os Animais, O Corpo, Os Sentimentos,Comunicação, A Água, As Sementes, O Livro).Para além destas temáticas, serão realizadas as actividades / festividades comunsa todas as valências da instituição e que fazem parte do “Plano Anual deActividades” e todas as que surgirem e forem do interesse do grupo.Na organização das actividades vamos tentar possibilitar não só o jogo e asbrincadeiras livres, mas também todo um conjunto de experiências educativas quepossibilitem às crianças a interiorização de regras e valores através do conto devárias histórias, canções de roda, entre outros.Relativamente às experiências educativas de cariz mais orientado, estas sãorealizadas tendo em conta a faixa etária de grupo de crianças, respeitando quer oseu nível de desenvolvimento, quer a sua aprendizagem. Como tal, e àsemelhança do que já tem acontecido em anos anteriores da minha experiênciaem salas heterógeneas, o grupo de crianças será dividido de forma a que ascrianças que tenham mais dificuldades numa determinada tarefa sejam ajudaspelas outras que não as sintam. Assim, desenvolve-se a colaboração, a entreajudae a auto-estima deste grupo de crianças.Tendo em conta o Projeto Curricular e o Plano Anual de Actividades, o objectivo écriar experiências educativas que possibilitem aprendizagens significativas para ogrupo de crianças em geral e para cada uma delas em particular.Assim, e tendo em conta as Orientações Curriculares e as Metas de Aprendizagempara a Educação de Infância pretende-se desenvolver as várias Áreas deConteúdo:Área de Formação Pessoal e Social: Desenvolvimento da auto estima e identidade; Desenvolvimento da independência e autonomia; Desenvolvimento da cooperação; Desenvolvimento da convivência democrática / cidadania; Desenvolvimento da solidariedade e respeito pela diferença;Área de Expressão e Comunicação:
  18. 18. Domínio da Expressão Motora: Desenvolvimento de competências de equilíbrio e deslocamentos no espaço; Desenvolvimento de competências de perícia e manipulações; Desenvolvimento de jogos com regras e respeito pelas mesmas;Domínio da Expressão Dramática: Desenvolvimento da criatividade e imaginação; Desenvolvimento de expressão e comunicação;Domínio da Expressão Plástica: Desenvolvimento de vários meios de expressão (pintura, desenho, colagem,modelagem, entre outros meios expressivos); Desenvolvimento da capacidade de criar objectos, cenas reais ou imaginadas,em formato tridimensional, utilizando materiais de diferentes texturas, formas evolume; Desenvolvimento da capacidade de se apropriar da linguagem elementar dasartes;Domínio da Expressão Musical: Desenvolvimento da capacidade de Interpretação e Comunicação; Desenvolvimento da criatividade; Desenvolvimento da Percepção Sonora e Musical;Domínio da Linguagem Oral e Abordagem à Escrita: Desenvolvimento da consciência fonológica; Desenvolvimento do reconhecimento e escrita de palavras; Desenvolvimento da compreensão de discursos orais e interacções verbais;
  19. 19. Domínio da Matemática: Desenvolvimento do conceito de números e operações simples; Desenvolvimento de conceitos simples de geometria e medida;Área de Conhecimento do Mundo: Desenvolvimento de conceitos de Localização no Espaço e no Tempo; Desenvolvimento do conhecimento do ambiente natural e social; Desenvolvimento da compreensão do dinamismo das inter -relações natural-social; A fomentação do desejo de saber e de compreender; O desenvolvimento da capacidade de reflectir, da tomada de consciência e deespírito crítico. 5.1. Conjunto de Estratégias e MétodosO conjunto de estratégias e métodos para a operacionalização dos objectivosanteriormente descritos são: Actividades dirigidas planificadas; Actividades dirigidas não planificadas; Actividades expontâneas; Saídas ao exterior; Plano Anual de Actividades, onde constam actividades comuns a toda ainstituição; Actividades/ Rotinas que promovam e assegurem o bem-estar e os cuidadosbásicos de cada criança. Registos escritos do educador / fichas de observação das crianças;
  20. 20. Em todas as actividades é facilitado o envolvimento das famílias nodesenvolvimento do processo educativo.5.2. Plano de Actividades Sociopedagógicas Mês Temáticas a Objectivos Algumas explorar específicos estratégias a adoptar - Conhecimento - Permitir um Brincar Social do grupo; conhecimento Espontâneo - Identificação mais (BSE), dos espaços / aprofundado do Conversas de áreas; grupo / adultos / grande grupo e - Introdução de pais; pequeno grupo, instrumentos de - Desenvolver canções, registo um espírito de histórias, jogos (calendário, pertença ao motores, mapa de tempo, grupo e aos desenhos livres, regras dos espaços; colagens, espaços); - Estabelecer recorte, - Elaboração de laços afectivos modelagem, símbolos entre todos os elaboração de SETEMBRO individuais; envolventes no cartazes e - Primeiras processo outras… observações / educativo; registos do grupo - Estabelecer as (identificação das áreas da sala e “áreas fortes” e respectivas “fracas” ); regras; - O Outono - Permitir um (principais conhecimento características e mais trabalhos aprofundado de alusivos); algumas - Primeira características Reunião de Pais; relacionadas com o Outono - A NOSSA (vestuário, HORTA (cuidar alterações de pedaço de climáticas, terra em horta observação de comum com as elementos da restantes salas Natureza, frutos de pré escolar e da época, …); CATL, plantação - Desenvolver e
  21. 21. de ervas alargar o aromáticas); vocabulário; - SEMANA DO - Sensibilizar as BSE, histórias, ANIMAL – PAA crianças para o canções, registos (campanha de respeito pelos fotográficos, recolha de bens animais; trabalhos de para oferta a - Desenvolver expressão uma organização conceitos / plástica, de apoio aos conhecimentos actividades de animais do mundo expressão abandonados, animal; dramática na diferenças entre - alargar o sala, recortes, animais conhecimento do pinturas, domésticos, meio natural dos colagens… selvagens e animais; marinhos, - fomentar a Confeção de principais partilha e receitas caraterísticas, educação para a culinárias na como nascem, cidadania; sala;OUTUBRO de que se alimentam, o - Alargar o habitat de cada conhecimento Visita à Quinta um, revestimento individual; Pedagógica; do corpo, - Explorar as elaboração de diferenças entre Visita à Loja do origamis, de géneros; Cidadão; máscaras de - Desenvolver o animais, registo vocabulário; escrito com - Chamar a recurso a atenção para os recortes, cuidados a ter desenhos, com o corpo / pesquisas sobre saúde; o mundo animal); - EU E O MEU CORPO (os cuidados a ter com o nosso - Favorecer as corpo, relações entre a elaboração de escola e as um boneco famílias; articulado com as principais
  22. 22. partes do corpoidentificadas,exploração defotos dascrianças comdiferentesidades,elaboração doBilhete deIdentidade,elaboração detabela com pesoe altura dascrianças;- I FeiraGastronómicado CSSJP –PAA (confeção ecomercializaçãode produtosalimentares);Outrasactividades doPAA:- A NOSSAHORTA (cuidarde pedaço deterra em hortacomum com asrestantes salasde pré escolar eCATL, plantaçãode ervasaromáticas);- PequenoAlmoço naEscolinha (aolongo de todo oano);- As Profissões(última 6ªf decada mês);- Cozinha
  23. 23. pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês); - Semana da - Sensibilizar BSE, histórias, Saúde e Bem para uma vida canções, registos Estar (higiene saudável; fotográficos, oral, higiene do - desenvolver trabalhos de corpo, competências ao expressão alimentação nível da plástica, saudável, formação actividades de exercício físico e pessoal e expressão boas práticas) - conhecimento do dramática na PAA mundo; sala, recortes, - promoção de pinturas, - S. MARTINHO saúde e bons colagens… (comemoração hábitos de vida; de data festiva, Confeção de lenda S. - promover a receitas Martinho, vivência de uma culinárias naNOVEMBRO trabalhos data de sala; alusivos ao tema, calendário; as castanhas); - promover Visita aos - Vamos diferentes formas Correios de Comunicar com de comunicação; Santa Joana os Nossos - promover as Amigos (o que relações inter são cartas, familiares; explorar - criar o gosto diferentes formas pela de escrita, comunicação construir oral e escrita; envelopes e selos, construção - fomentar o de marco do intercâmbio de correio, registo experiências das cartas entre as enviadas e valências e recebidas, restante intercâmbio com comunidade as outras salas, educativa
  24. 24. escrever cartas envolvente; às famílias; Outras actividades do PAA: - A NOSSA HORTA (cuidar de pedaço de terra em horta comum com as restantes salas de pré escolar e CATL, plantação de ervas aromáticas); - Pequeno Almoço na Escolinha (ao longo de todo o ano); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês); Actividades - Promover o BSE, trabalhos relacionadas imaginário e a de expressão com o NATAL; fantasia; plástica, - Festa de Natal; - Promover a actividades de partilha e a expressão - A NOSSA capacidade de dramática, HORTA (cuidar ajudar o outro; canções, lenga de pedaço de - Fomentar a lengas, histórias terra em horta participação em e contos…DEZEMBRO comum com as projectos restantes salas comuns Visita à Casa do de pré escolar e (decorações, Pai Natal,
  25. 25. CATL, plantação festa de Natal); Almoço e de ervas - Sensibilizar Cinema (Fórum aromáticas); para a de Aveiro) importância de pensarmos no Outro; - Dia de Reis - Comemorar BSE, histórias, (elaborar coroas uma data de canções, registos de reis, calendário; fotográficos, confeccionar - Promover uma trabalhos de bolo-rei) tradição popular / expressão conhecimento do plástica, - O Inverno mundo; actividades de (principais expressão caraterísticas); - Desenvolver o dramática na vocabulário sala, recortes, - Semana da associado ao pinturas, Educação para Inverno; colagens… a Cidadania - Inventariar as (respeito pelo principais Confeção de outro, características receitas multiculturalidade desta estação do culinárias naJANEIRO , respeito pela ano; sala; Natureza, reciclagem, - Educar para os educação valores de rodoviária) – respeito, partilha; PAA - Educar para a cidadania; Outras - Promover actividades do atitudes e PAA: comportamentos responsáveis; - 2ª Reunião de - trabalhar a Pais; educação - Exposição rodoviária; Fotográfica; - A NOSSA HORTA (cuidar - Proceder à de pedaço de elaboração dos terra em horta relatórios de comum com as observação / restantes salas avaliação de pré escolar e qualitativa de
  26. 26. CATL, plantação cada criança; de ervas aromáticas); - fomentar o - Pequeno intercâmbio de Almoço na experiências Escolinha (ao entre as longo de todo o valências e ano); restante - As Profissões comunidade (última 6ªf de educativa cada mês); envolvente; - Cozinha pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês); Os Sentimentos - Reconhecer a BSE, histórias, e Afetos: importância das canções, registos (comparar relações afetivas; fotográficos, caraterísticas - Exprimir afetos trabalhos de individuais, e sentimentos; expressão explorar imagens - Estabelecer plástica, de expressões laços de amizade actividades de faciais e e confiança; expressão corporais, o que - Conhecer e dramática na é ter amigos, valorizar a sala, recortes, elaborar a árvore amizade; pinturas,FEVEREIRO dos afetos, colagens… jogos); Confeção de - O Carnaval - Comemorar receitas (trabalhos uma data de culinárias na alusivos, desfile calendário; sala; pelas ruas da freguesia); Outras actividades do - fomentar o PAA: intercâmbio de - A NOSSA experiências HORTA (cuidar entre as de pedaço de valências e
  27. 27. terra em horta restante comum com as comunidade restantes salas educativa de pré escolar e envolvente; CATL, plantação de ervas aromáticas); - Pequeno Almoço na Escolinha (ao longo de todo o ano); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês); - As Feirinhas do CSSJP (4 tasquinhas temáticas – livro, artesanato, gastronomia, avós) - A ÁGUA - Incentivar a BSE, histórias, (explorar a capacidade de canções, registos importância da observação e fotográficos, água para os análise; trabalhos de seres vivos, - Desenvolver o expressão como poupar espírito científico plástica, água, onde e a capacidade actividades de podemos de encontrar expressão encontrar água, respostas para dramática naMARÇO os estados da os problemas; sala, recortes, água- líquido, - Reconhecer o pinturas, sólido e gasoso - ciclo da água; colagens… , experiências na - Reconhecer a sala – vapor de importância da Confeção de água, gelo, o que água para a vida; receitas
  28. 28. flutua e não - sensibilizar culinárias na flutua, elaborar para a ecologia e sala; folhetos de formas de sensibilização preservação do para distribuir na ambiente; Visita a uma comunidade estação de educativa e pelos tratamento de pais); águas residuais - Comemorar - Elaboração da datas festivas e prenda alusiva festas de ao “DIA DO PAI” calendário; - A Primavera - explorar as (principais principais características, caraterísticas da vestuário, Primavera; frutos,…) - - Sensibilizar Comemoração para a vida do “Dia da vegetal; Árvore”; - Explorar o ciclo - Semear feijões de crescimentoMARÇO em frascos e das plantas; outras plantas na - Explorar sala vocabulário (aromáticas), associado; construção de espantalhos, elaborar um herbário conjunto com flores e plantas secas; Outras actividades do PAA: - A NOSSA HORTA (cuidar de pedaço de terra em horta comum com as restantes salas de pré escolar e CATL, plantação
  29. 29. de ervas aromáticas); - Pequeno Almoço na Escolinha (ao longo de todo o ano); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez porMARÇO mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês); - A PÁSCOA - Comemorar BSE, leitura em (alguns trabalhos uma data de voz alta de alusivos, lanche calendário; contos infantis, convívio); manuseamento de histórias pelas - Semana das - Incentivar o crianças, Artes (histórias, gosto pela elaboração de contos e ditos, cultura; histórias em pintura, expªº - Promover a pequeno grupo, dramática, comunicação inventariação de workshop de através de trava línguas eABRIL música, cinema) diferentes formas lenga lengas - PAA; de expressão; conhecidos dos - Abrir a pais e das - O Livro (conto instituição à crianças, filmes, de histórias, comunidade; dramatizações; exploração de lenga lengas, - Sensibilizar construção do para a leitura e Visita à Bilioteca Livro dos diferentes formas Municipal de problemas, de escrita; Ílhavo; construção do - Dar Livro das continuidade a Ida à Feira de Profissões dos uma actividade Março; Pais); do plano anual de actividades Visita à Portucel (profissões); de Aveiro
  30. 30. Outras actividades do PAA: - A NOSSA HORTA (cuidar de pedaço de terra em horta comum com as restantes salas de pré escolar eABRIL CATL, plantação de ervas aromáticas); - Pequeno Almoço na Escolinha (ao longo de todo o ano); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês; - Exposição Fotográfica; - Elaboração da - Comemorar BSE, leitura em prenda alusiva uma data festiva voz alta de ao “DIA DA de calendário; contos infantis, MÃE” manuseamento de histórias pelas - Semana da - Evidenciar o crianças, Cidade de meio envolvente; elaboração de Aveiro – PAA - Fomentar o histórias emMAIO (explorar gosto pela zona pequeno grupo, actividades e geográfica em inventariação de elementos que as crianças trava línguas e específicos da residem; lenga lengas nossa cidade, - Fomentar as conhecidos dos
  31. 31. pintura de raízes culturais pais e das barricas de ovos da comunidade crianças, filmes, moles); envolvente; dramatizações; - Comemoração - Sensibilizar do DIA DA para a FAMÍLIA - PAA preservação do Passeio de meio ambiente; Barco Moliceiro; - Incentivar a Visita à Oficina Outras participação das do Doce; actividades do famílias no PAA: processo Visita à UA; - A NOSSA educativo; HORTA (cuidar Visita ao Museu de pedaço de de Santa Joana; terra em horta comum com as Ida ao parque D. restantes salas Afonso VMAIO de pré escolar e CATL, plantação de ervas aromáticas); - Pequeno Almoço na Escolinha (ao longo de todo o ano); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês; - Comemoração - Desenvolver BSE, leitura em do “DIA actividades que voz alta de MUNDIAL DA permitam a contos infantis,JUNHO CRIANÇA” comemoração de manuseamento (actividades todas as crianças de histórias pelas lúdicas); de um dia crianças, diferente, que elaboração de
  32. 32. - Festa / Desfile lhes é dedicado; histórias em dos Santos pequeno grupo, Populares; - Comemorar inventariação de - Festa de Final uma tradição trava línguas e D’Ano / Festa de popular; lenga lengas Finalistas conhecidos dos (atuações dos - Comemorar o pais e das grupos e entrega encerramento crianças, filmes, de diplomas e das atividades dramatizações; pastas de letivas; finalistas às crianças de 5JUNHO anos); - Reunir - Elaboração elementos de das “avaliações observação e qualitativas” / avaliação relatórios de qualitativa das observação finais crianças e sua para os discussão com encarregados de os pais; educação; - Fomentar o - Terceira intercâmbio entre Reunião de as valências e Pais; maior envolvimento das - O VERÃO / famílias; (principais - Permitir às características); crianças mais velhas o Outras encerramento de actividades do uma fase / etapa PAA: das suas vidas; - A NOSSA HORTA (cuidar de pedaço de terra em horta comum com as restantes salas de pré escolar e CATL, plantação de ervas aromáticas);
  33. 33. - Pequeno Almoço na Escolinha (ao longo de todo o ano); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez por mês);JUNHO - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês; - - Período de - Promover Frequência do Praia; actividades de período balnear,JULHO carácter lúdico; actividades no - Jogos de - Promover o parque exterior, grande grupo; contacto com a passeio grande,
  34. 34. - Passeio final Natureza; de ano Pré escolar Outras actividades doJULHO PAA: - A NOSSA HORTA (cuidar de pedaço de terra em horta comum com as restantes salas de pré escolar e CATL, plantação de ervas aromáticas); - As Profissões (última 6ªf de cada mês); - Cozinha pedagógica (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês; - Exposição Fotográfica; Outras - Proceder ao ActividadesAGOSTO actividades do encerramento lúdicas, PAA: das actividades; arrumações e - A NOSSA limpezas; HORTA (cuidar de pedaço de terra em horta comum com as restantes salas de pré escolar e CATL, plantação de ervas aromáticas); - Cozinha pedagógica
  35. 35. (uma vez por mês); - Vamos Dar Vida ao Salão de Festas (uma vez por mês; - Encerramento do ano letivo; 5.3. Outros Aspectos RelevantesExiste no CSSJP um Plano Anual de Actividades (PAA) que constitui, em conjuntocom o Projecto Educativo da instituição e os Regulamentos Internos das valências,um dos principais instrumentos de trabalho e de práticas pedagógicas adesenvolver ao longo do ano. O principal objectivo deste Plano (respeitando osobjectivos definidos nas Orientações Curriculares para a Educação de Infância), éo de sistematizar todas as vivências comuns às valências, integrando assim ascrianças na comunidade educativa e na comunidade em geral. 6. Procedimentos de avaliação 6.1. Avaliação com as criançasDurante o desenvolvimento do projecto recorrerei aos seguintes elementos deavaliação: Observação directa de cada criança; Elaboração de Portfólio Individual da Criança, ao longo do ano onde constarãoregistos escritos, Ficha de Registo de Observação, Ficha de ObservaçãoIndividual, trabalhos exemplificativos e outros elementos que se mostrempertinentes para a avaliação qualitativa das crianças; Avaliação em conjunto com a crianças: o que tem corrido bem / mal; ondepodemos melhorar, o que podemos mudar na nossa sala; 6.2. Avaliação com a equipa educativaO Projecto Curricular de Grupo será o instrumento principal de orientação nasactividades pedagógicas ao longo do ano lectivo e será alvo de constante reflexãoem conjunto com a restante comunidade educativa.
  36. 36. Todas as atividades desenvolvidas no âmbito do Plano Anual de Atividades serãodevidamente avaliadas na Ficha de Avaliação do referido Plano. 6.3. Avaliação com as famíliasEsta colaboração é de extrema importância no que toca a todo o processoeducativo da criança, na medida em que ajuda permanentemente nodesenvolvimento e na aprendizagem de cada criança.Será feita através da consulta aos pais, de registos de reuniões gerais e individuaise do inquérito de final de ano distribuído às famílias. 7. Relação com as famílias e outros parceiros educativosAo longo do ano lectivo é importante a relação que se estabelece com os Pais /Encarregados de Educação e outros parceiros educativos: Trocas informais sobre o decorrer do Projecto; Partilha de saberes e de interesses sobre as motivações das crianças.Além disso, tentaremos estabelecer momentos de trabalho em equipa quer com asrestantes salas da instituição, assim como o restante pessoal, com o objectivo deuma maior comunicação entre os elementos desta equipa pedagógica, sempre queas atividades desenvolvidas assim o proporcionem ou seja vontade expressa dogrupo de crianças. 8. Comunicação de resultados e divulgação dainformaçãoAs estratégias de divulgação de informação adoptadas pelo CSSJP são: Horário de atendimento aos pais e Encarregados de Educação (todas as 4ªs e5ªs feiras das 16.00h às 17.00h e todas as 6ªs feiras das 16.00h às 19.00h); Caderneta do aluno; Reuniões de pais - à semelhança dos anos anteriores existirão três momentoschave de avaliação: Setembro, Janeiro e Junho. Estes períodos são coincidentescom as Reuniões de Pais cujo objectivo é, em conjunto, reflectir sobre o trabalhopedagógico que tem vindo a ser realizado; Site do CSSJP (http://www.cssjp.pt/)
  37. 37.  O Projecto Pedagógico de Sala poderá ser solicitado, em suporte de papel, nasecretaria do CSSJP. 9. Planificação das actividadesPara além de tudo o que ficou definido no Plano Curricular de Grupo, aplanificação com intencionalidade pedagógica será realizada e afixada semanal emensalmente. 10. Observações finaisSeguem-se algumas informações de carácter geral que poderão ser úteis aos paise a todos os agentes educativos envolvidos neste projecto. Período a que se reporta o Projecto Curricular de GrupoO período de vigência deste projecto é de 1 de Outubro de 2011 a 15 de Agosto de2012, sendo que o mês de Setembro será destinado à adaptação do grupo aosnovos espaços e rotina, à equipa educativa e à primeira observação do grupo. A Componente lectiva e a Componente de Apoio à FamíliaA Lei-Quadro (Lei nº5/97 de 10 de Fevereiro) consigna os objectivos da educaçãopré-escolar e prevê que, para além dos períodos específicos para odesenvolvimento de actividades pedagógicas, curriculares ou lectivas (25 horassemanais), existam actividades de animação e apoio às famílias.A grande diferença entre a componente lectiva e a componente de apoio à famíliareside na intencionalidade de cada período. Assim, durante o tempo de actividadeslectivas pretende-se proporcionar à criança a estimulação e desafio para quepossa progredir, atingindo níveis de desenvolvimento e aprendizagem a que nãochegaria por si só. Isto é, são planificadas e estruturadas actividades cujo objectivoé o desenvolvimento integral e harmonioso de cada criança. No que respeita àcomponente de apoio à família, esta será marcada por um processo educativoinformal, onde o principal objectivo é o fruir, ou seja trata-se de um tempo onde acriança deve ter liberdade para escolher o que deseja fazer.Desta forma, no CSSJP estão distintos estes dois períodos de acordo com oseguinte horário:HORÁRIO DE COMPONENTE LETIVA: 09.00h – 12.00h / 14.00h – 16.00hHORÁRIO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA: 07.45h – 09.00h / 12.00h – 14.00h / 16.00h –19.00hHORÁRIO DE PROLONGAMENTO: 7.30H – 8.00h / 19.00h – 19.30h
  38. 38.  Outras Informações:- Horário de EntradaO horário de entrada para o Jardim-de-infância é até às 9h30m, salvo aviso préviopor parte do Encarregado de Educação. É importante o seu cumprimento dado queas actividades na sala iniciam a essa hora;- Actividades Extra-Curriculares(Decorrem no horário da componente de apoio à família)Natação (duas vezes por semana, na Piscina dos Galitos);Dança (uma vez por semana, nas instalações do CSSJP);Inglês (para as crianças de 4/5/6 anos, uma vez por semana, nas instalações doCSSJP)Karaté – Do (uma ou duas vezes por semana, nas instalações do CSSJP);Capoeira (duas vezes por semana, nas instalações do CSSJP);Música: (uma vez por semana, nas instalações do CSSJP);Teatro (uma vez por semana, nas instalações do CSSJP);Todas as actividades extra curriculares são da responsabilidade dos técnicosespecializados para o efeito e serão dinamizadas no horário de componente nãolectiva do educador de infância.

×