O que é notícia

6.493 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.493
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
184
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é notícia

  1. 1. O que é notícia?
  2. 2. • É qualquer tipo de informação que apresenta um acontecimento novo e recente ou que divulga uma novidade sobre uma situação já existente; • A origem da palavra "notícia" provém do Latim, em que “notitia” significa “notoriedade; conhecimento de alguém; noção”; • Em Jornalismo, uma notícia se caracteriza por um texto informativo de interesse público, que narra algum fato recente ocorrido no país ou no mundo;
  3. 3. • É um gênero textual de cunho jornalístico; • Ou seja, é uma narrativa técnica; • A notícia trata de relatar fatos condicionados ao interesse do público em geral; • A linguagem deve ser clara, objetiva , precisa e imparcial; • Também deve evitar múltiplas interpretações por parte do receptor
  4. 4. • Nesse gênero de notícia, deve ser destacada a veracidade dos fatos, a clareza da linguagem e a objetividade do conteúdo. • De acordo com Nilson Lage, o gênero de narrativa adotado pela imprensa é uma forma de organizar os fatos em sequência temporal. Isso porque o leitor acostumou-se a seguir uma ordem lógica em outras mídias de massa, como televisão e cinema • Lage define então três fases do processo de produção da notícia, começando pela seleção dos fatos, passando pela observação dos eventos, e finalizando na nomeação às coisas. Lage explica ainda que o jornalismo noticioso deve manter-se atento ao uso de vocábulos e palavras para determinados públicos
  5. 5. O que compõe a notícia? • Manchete ou título principal – Geralmente apresenta-se grafado de forma bem evidente, com vistas a despertar a atenção do leitor. Deve ser curto, informativo e expressivo; • Título auxiliar, subtítulo ou bigode – Funciona como um complemento do principal, acrescentando-lhe algumas informações, de modo a torná-lo ainda mais atrativo.
  6. 6. • Lide (do inglês lead) - Corresponde ao primeiro parágrafo, e normalmente sintetiza os traços peculiares condizentes ao fato, procurando se ater aos traços básicos relacionados às seguintes indagações: Quem? Onde? O que? Como? Quando? Por quê? • Corpo da notícia – Relaciona-se à informação propriamente dita, procedendo à exposição de uma forma mais detalhada no que se refere aos acontecimentos mencionados.
  7. 7. • Quando uma notícia é elaborada de acordo com esta constituição, diz-se que segue a técnica da pirâmide invertida, dado que apresenta as informações mais importantes no início e, posteriormente, as informações complementares. Esta técnica costumar e presentar-se do seguinte modo:
  8. 8. • “Pode-se escrever corretamente, do ponto de vista gramatical, mas, se forem empregados palavras difíceis, termos técnicos, neologismos, ou excesso de adjetivação, o leitor que tenha apenas o curso primário, por exemplo, não entenderá a notícia, ficará irritado e deixará de lê-la até o fim. Não será impossível que ele se torne até um inimigo do jornal”. (ERBOLATO, 2001, p. 20)
  9. 9. Mas afinal, o que é a notícia??? • “Se um cachorro morde um homem, isso não é notícia. Se o homem morde o cachorro, também não é notícia. Se o homem estivesse pagando ao cachorro por seus favores sexuais, aí sim seria notícia. Mas não seria uma notícia de primeira página. Para ser manchete, o cachorro teria de ser menor de idade e o homem deveria ter um cargo importante no governo. Ou o cachorro e o homem deveriam ter, ambos, o mesmo sexo – a menos que trabalhassem no cinema, o que transformaria a manchete numa notinha da coluna de fofocas. Se o cachorro tivesse falsificado o nome de alguém bastante conhecido num cheque, aí seria notícia de novo. Agora, se o cachorro fosse um grande anunciante, o caso teria muito menos interesse do que poderia parecer a princípio”. • Júnia Junqueira de Sá – ombudsman da Folha de SP em 1994.
  10. 10. • Nelson Traquina (2005) diz que os próprios jornalistas têm dificuldades em explicar o que é notícia; • Ricardo Noblat, em seu livro ‘Como fazer um jornal diário’ (2003), diz que apenas com o tempo e com a experiência o jornalista terá “faro” para saber o que é notícia. • Isabel Travancas (1992) também contribui com seu pensamento dizendo que, é fácil perceber grandes acontecimentos como uma revolução ou uma guerra. Mas ela também diz que o difícil é perceber o que é notícia enquanto há tantas informações diárias disponíveis.
  11. 11. Critérios de noticiabilidade • Servem para guiar o jornalista, mais especificamente, sobre o que é notícia. Chega todos os dias às redações ‘um oceano’ de informações, mas só algumas serão repassadas à população. • Mas “O que pode levar o leitor a perguntar: qual o critério utilizado pelos profissionais da imprensa para escolher que fatos devem ou não virar notícia?” Felipe Pena (2006, p.71) • Sendo assim, alguns autores formularam o que é importante para que a informação vire notícia;
  12. 12. Mário Erbolato Nilson Lage Mauro Wolf Manuel Carlos Chaparro Proximidade Marco geográfico Proximidade Proximidade Atualidade Atualidade Impacto Interesse humano -Utilidade Identidade Social Identidade Humana Interesse nacional Conseqüências Repercussão Relevância quanto a evolução futura Conseqüências Originalidade Importância Raridade Confidências Expectativa ou suspense Ineditismo Intensidade Surpresa Interesse pessoal Importância do indivíduo (nível hierárquico) Notoriedade Número de pessoas envolvidas Curiosidade Humor Dramaticidade Progresso Conflito Sexo e idade Conhecimento Aventura e conflito Rivalidade Política editorial do jornal Oportunidade Dinheiro Proeminência Culto de heróis Descobertas e invenções
  13. 13. Referências • LAGE, Nilson. Estrutura da notícia. 6 d. São Paulo: Ática, 2006. • PENA, Felipe. Teorias do Jornalismo. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2006. • ERBOLATO, Mário L. Técnicas de Codificação em Jornalismo: redação, captação e edição no jornal diário. 5 ed. São Paulo: Ática, 2001. • TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo, vol.II. A tribo jornalística-uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2005. • TRAVANCAS, Isabel. O mundo dos jornalistas. São Paulo, Summus, 1992. • WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo: Martins Fontes: 2003.

×