Espm midia online_lf_aula2

2.929 visualizações

Publicada em

0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.929
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
240
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espm midia online_lf_aula2

  1. 1. Mídia Online Aula 2: Planejamento de mídia online
  2. 2. Uma breve reflexão
  3. 3. Por que você vai incluir veículos online no seu plano de mídia?
  4. 4. Se for para divulgar um site...
  5. 5. Saiba que foi superada a marca de 110 milhões de sites na internet em outubro de 2007.
  6. 6. Seu banner é persuasivo o suficiente ou sua logomarca ocupa maior parte do espaço?
  7. 7. Ah! E não esqueçam que o Orkut, o MySpace, o Terra, o UOL e todos os sites que existem contam uma única vez, independente do número de páginas internas.
  8. 8. Se for para divulgar a campanha publicitária de seu produto ou serviço...
  9. 9. Saiba que a maioria dos usuários não consideram banners.
  10. 10. Uma pesquisa da Nielsen/Norman Group, realizada em abril de 2007, mostra que os visitantes freqüentes de um site ignoram os espaços destinados a mídia publicitária instintivamente durante sua navegação.
  11. 11. Para chegar a essa constatação não precisamos de muito: a média de retorno de cliques de um banner raramente ultrapassa 0,65% dos impactados, independente do formato utilizado.
  12. 12. Então, mais uma vez, vale ressaltar:
  13. 13. Se sua mensagem não for relevante ela será sumariamente ignorada pelo público.
  14. 14. Pior, ela será invisível para o seu consumidor.
  15. 15. Acho que todos aqui concordam que existem coisas muito mais interessantes na internet que o seu banner, não é?
  16. 16. O público usa a internet pelo mesmo motivo que ele assiste televisão, ouve rádio ou lê jornais e revistas.
  17. 17. Ele busca informação, entretenimento e diversão.
  18. 18. A diferença da internet para esses meios é que o público também pode usá-la para se comunicar, assim como faz com o telefone ou o celular.
  19. 19. Você gosta de ser interrompido quando está fazendo alguma dessas coisas?
  20. 20. Ninguém (ninguém mesmo!) liga a televisão ou o rádio, abre um jornal ou uma revista para ver propaganda.
  21. 21. E essa “regrinha” básica também é válida para a internet.
  22. 22. Então você tem duas saídas...
  23. 23. Seja relevante ou seja o conteúdo.
  24. 24. E isso também vale para o seu “viral”.
  25. 25. Mas esse papo fica para as próximas duas aulas.
  26. 26. Mídia online vs. Mídia offline
  27. 27. Características da mídia online
  28. 28. Características da mídia online Falando especificamente de internet, existem algumas características que a diferenciam dos outros meios como televisão, jornal, revista, rádio e mídia exterior.
  29. 29. Características da mídia online Falando especificamente de internet, existem algumas características que a diferenciam dos outros meios como televisão, jornal, revista, rádio e mídia exterior. A internet é um veículo mensurável Enquanto nos outros meios temos estimativas de audiência, na internet conseguimos saber com precisão quantos impactos geramos, qual o retorno que conseguimos e até a taxa de conversão.
  30. 30. Características da mídia online Falando especificamente de internet, existem algumas características que a diferenciam dos outros meios como televisão, jornal, revista, rádio e mídia exterior. A internet é um veículo mensurável Enquanto nos outros meios temos estimativas de audiência, na internet conseguimos saber com precisão quantos impactos geramos, qual o retorno que conseguimos e até a taxa de conversão. Maior segmentação da veiculação e da mensagem Podemos definir com mais precisão e facilidade a veiculação na internet, tanto por praças quanto por faixa etária e horário, em alguns veículos). Como o custo de produção é muito inferior ao de outras mídias podemos produzir peças segmentadas de acordo com o veículo e o perfil do público.
  31. 31. Características da mídia online Falando especificamente de internet, existem algumas características que a diferenciam dos outros meios como televisão, jornal, revista, rádio e mídia exterior. A internet é um veículo mensurável Enquanto nos outros meios temos estimativas de audiência, na internet conseguimos saber com precisão quantos impactos geramos, qual o retorno que conseguimos e até a taxa de conversão. Maior segmentação da veiculação e da mensagem Podemos definir com mais precisão e facilidade a veiculação na internet, tanto por praças quanto por faixa etária e horário, em alguns veículos). Como o custo de produção é muito inferior ao de outras mídias podemos produzir peças segmentadas de acordo com o veículo e o perfil do público. Atinge consumidores em horários e locais onde outras mídias estão pouco presentes
  32. 32. Características da mídia online Alguns autores e profissionais também consideram que a internet ajuda a construir a imagem da marca e maximizar a cobertura de outros meios, mas isso não a difere de nenhuma outra mídia e dependem muito do público do seu cliente.
  33. 33. Mídia online vs. Mídia offline
  34. 34. Mídia online vs. Mídia offline Compramos mídia em jornais e revistas pelo seu número de leitores. Não podemos ter certeza que o leitor foi impactado uma vez, vinte vezes ou se ele sequer abriu o jornal naquele dia.
  35. 35. Mídia online vs. Mídia offline Compramos mídia em jornais e revistas pelo seu número de leitores. Não podemos ter certeza que o leitor foi impactado uma vez, vinte vezes ou se ele sequer abriu o jornal naquele dia. Na televisão, compramos a inserção no intervalo pela audiência do programa, mas não sabemos se o telespectador foi ao banheiro, atendeu o telefone ou esqueceu a televisão ligada enquanto foi comer.
  36. 36. Mídia online vs. Mídia offline Compramos mídia em jornais e revistas pelo seu número de leitores. Não podemos ter certeza que o leitor foi impactado uma vez, vinte vezes ou se ele sequer abriu o jornal naquele dia. Na televisão, compramos a inserção no intervalo pela audiência do programa, mas não sabemos se o telespectador foi ao banheiro, atendeu o telefone ou esqueceu a televisão ligada enquanto foi comer. Em ambos os casos, compramos a mídia pelo número médio de leitores e telespectadores. O número de pessoas impactadas pela comunicação é estimado.
  37. 37. Mídia online vs. Mídia offline A mídia digital é capaz de mensurar com precisão o número de impactos e, principalmente, qual foi o retorno uma campanha.
  38. 38. Mídia online vs. Mídia offline A mídia digital é capaz de mensurar com precisão o número de impactos e, principalmente, qual foi o retorno uma campanha. Por exemplo, na internet é possível acompanharmos a origem e cada passo do nosso consumidor até ele efetuar uma compra online. Sabemos com exatidão quais veículos e quais peças trouxeram mais resultados para a campanha e a facilidade de mudar a estratégia é muito maior que na mídia offline.
  39. 39. Mídia online vs. Mídia offline A mídia digital é capaz de mensurar com precisão o número de impactos e, principalmente, qual foi o retorno uma campanha. Por exemplo, na internet é possível acompanharmos a origem e cada passo do nosso consumidor até ele efetuar uma compra online. Sabemos com exatidão quais veículos e quais peças trouxeram mais resultados para a campanha e a facilidade de mudar a estratégia é muito maior que na mídia offline. É possível substituir um banner em pouco tempo e por um baixo custo. Para substituir um comercial de televisão, os custos de produção são normalmente inviáveis e não conseguimos aproveitar o material anterior.
  40. 40. Mídia online vs. Mídia offline A mídia digital é capaz de mensurar com precisão o número de impactos e, principalmente, qual foi o retorno uma campanha. Por exemplo, na internet é possível acompanharmos a origem e cada passo do nosso consumidor até ele efetuar uma compra online. Sabemos com exatidão quais veículos e quais peças trouxeram mais resultados para a campanha e a facilidade de mudar a estratégia é muito maior que na mídia offline. É possível substituir um banner em pouco tempo e por um baixo custo. Para substituir um comercial de televisão, os custos de produção são normalmente inviáveis e não conseguimos aproveitar o material anterior. Em mídias como jornais e revistas, é impossível fazer essa substituição depois da peça veicular.
  41. 41. Mídia online vs. Mídia offline
  42. 42. Mídia online vs. Mídia offline Quando preparamos um plano de mídia offline, o foco é no veículo: Perfil do público do programa, praças, freqüência, cobertura e volume.
  43. 43. Mídia online vs. Mídia offline Quando preparamos um plano de mídia offline, o foco é no veículo: Perfil do público do programa, praças, freqüência, cobertura e volume. Em um plano de mídia online, o foco muda para o consumidor: Região, sexo/idade/classe social, cobertura, freqüência, duração, dia/hora.
  44. 44. Métricas
  45. 45. Fontes de pesquisa de mídia
  46. 46. Fontes de pesquisa de mídia Além de contar com os dados fornecidos pelos veículos online, existem outras formas de avaliarmos a pertinência e a adequação deles.
  47. 47. Fontes de pesquisa de mídia Além de contar com os dados fornecidos pelos veículos online, existem outras formas de avaliarmos a pertinência e a adequação deles. Além das fontes de pesquisa de mídia tradicionais, podemos usar algumas ferramentas gratuitas que nos ajudam a compreender o comportamento do público nesses meios.
  48. 48. Fontes de pesquisa de mídia Além de contar com os dados fornecidos pelos veículos online, existem outras formas de avaliarmos a pertinência e a adequação deles. Além das fontes de pesquisa de mídia tradicionais, podemos usar algumas ferramentas gratuitas que nos ajudam a compreender o comportamento do público nesses meios. Ibope Net View (Ibope/NetRatings) Mede o tráfego de sites, perfil demográfico, perfil do internauta, relatórios sobre a receptividade aos anúncios de banners e ranking de anunciantes.
  49. 49. Fontes de pesquisa de mídia Além de contar com os dados fornecidos pelos veículos online, existem outras formas de avaliarmos a pertinência e a adequação deles. Além das fontes de pesquisa de mídia tradicionais, podemos usar algumas ferramentas gratuitas que nos ajudam a compreender o comportamento do público nesses meios. Ibope Net View (Ibope/NetRatings) Mede o tráfego de sites, perfil demográfico, perfil do internauta, relatórios sobre a receptividade aos anúncios de banners e ranking de anunciantes. Ibope TGI Base de dados sobre consumo de mídia, produtos, hábitos e atitudes da população, que permite simular a afinidade entre grupos de consumidores, marcas e mídias. É possível também cruzar dados de características demográficas, estilos de vida, hábitos de consumo e personalidade.
  50. 50. Fontes de pesquisa de mídia
  51. 51. Fontes de pesquisa de mídia Alexa.com Site gratuito que permite comparar a performance de sites através de visitantes únicos, page views e alcance. Ele também possui o ranking dos sites com maior volume de page views dividido por países.
  52. 52. Métricas
  53. 53. Métricas Em mídia online, as métricas são importantes no momento de decisão da compra e para mensurar o Retorno do Investimento (ROI) feito.
  54. 54. Métricas Em mídia online, as métricas são importantes no momento de decisão da compra e para mensurar o Retorno do Investimento (ROI) feito. Principalmente quando pensamos no ROI, precisamos definir qual é o objetivo de negócio e qual o papel da comunicação para escolher quais são as métricas corretas para avaliar o sucesso da campanha.
  55. 55. Métricas: Impressões * Página: na negociação de mídia podemos comprar uma página específica de um site. Essa escolha é determinante, pois ela define qual a segmentação, qual a visibilidade e o preço que será pago.
  56. 56. Métricas: Impressões As Impressões representam o número de oportunidades que o visitante da página* teve para visualizar a peça. * Página: na negociação de mídia podemos comprar uma página específica de um site. Essa escolha é determinante, pois ela define qual a segmentação, qual a visibilidade e o preço que será pago.
  57. 57. Métricas: Impressões As Impressões representam o número de oportunidades que o visitante da página* teve para visualizar a peça. A quantidade de impressões compradas deve levar em consideração qual é o volume total de impressões da página. Isso determina qual a visibilidade da sua peça para os visitantes da página em questão. * Página: na negociação de mídia podemos comprar uma página específica de um site. Essa escolha é determinante, pois ela define qual a segmentação, qual a visibilidade e o preço que será pago.
  58. 58. Métricas: Volume de Cliques
  59. 59. Métricas: Volume de Cliques O Volume de Cliques é o total absoluto de cliques recebidos por uma peça em cada veículo.
  60. 60. Métricas: Volume de Cliques O Volume de Cliques é o total absoluto de cliques recebidos por uma peça em cada veículo. Ele permite sabermos quais veículos geraram o maior volume de cliques para a nossa campanha.
  61. 61. Métricas: Volume de Cliques O Volume de Cliques é o total absoluto de cliques recebidos por uma peça em cada veículo. Ele permite sabermos quais veículos geraram o maior volume de cliques para a nossa campanha. O volume de cliques não é capaz de dizer o ROI em um veículo específico. Por exemplo, o volume de cliques pode ser alto em valores absolutos, mas baixo para o número de impressões compradas.
  62. 62. Métricas: CTR
  63. 63. Métricas: CTR O CTR (Taxa de Cliques) é o percentual de cliques por impressões.
  64. 64. Métricas: CTR O CTR (Taxa de Cliques) é o percentual de cliques por impressões. Ele nos permite saber qual percentual de impressões do site que geraram cliques de seus visitantes.
  65. 65. Métricas: CTR O CTR (Taxa de Cliques) é o percentual de cliques por impressões. Ele nos permite saber qual percentual de impressões do site que geraram cliques de seus visitantes. Normalmente, o CTR é o “número mágico” que define qual o retorno de uma campanha. Porém, devemos ter consciência de qual era o objetivo da campanha e principalmente, que tipo de resposta a peça estimulava no consumidor.
  66. 66. Métricas: CPC
  67. 67. Métricas: CPC O CPC (Custo por Clique) é auto explicativo.
  68. 68. Métricas: CPC O CPC (Custo por Clique) é auto explicativo. Avalia a performance do veículo em gerar cliques para a campanha. Quanto menor o CPC, melhor.
  69. 69. Métricas: CPC O CPC (Custo por Clique) é auto explicativo. Avalia a performance do veículo em gerar cliques para a campanha. Quanto menor o CPC, melhor. Devemos ter a mesma cautela ao avaliar o CPC que temos ao avaliar o CTR. Se o objetivo da sua campanha não for gerar cliques, o CPC será elevado.
  70. 70. Métricas: Taxa de conversão
  71. 71. Métricas: Taxa de conversão A Taxa de Conversão é o percentual de vendas/teste/ação por clique.
  72. 72. Métricas: Taxa de conversão A Taxa de Conversão é o percentual de vendas/teste/ação por clique. Ela nos mostra qual é a eficiência da nossa campanha em converter os cliques recebidos em clientes.
  73. 73. Métricas: Taxa de conversão A Taxa de Conversão é o percentual de vendas/teste/ação por clique. Ela nos mostra qual é a eficiência da nossa campanha em converter os cliques recebidos em clientes. Quando utilizamos peças diferentes em uma mesma campanha, a Taxa de Conversão nos auxilia a descobrir quais as peças mais eficientes.
  74. 74. Métricas: CPA
  75. 75. Métricas: CPA O CPA (Custo por Ação) é quanto custa para conquistar um consumidor para promover uma ação.
  76. 76. Métricas: CPA O CPA (Custo por Ação) é quanto custa para conquistar um consumidor para promover uma ação. Ele nos permite avaliar o custo que tivemos para gerar cada venda/teste/ experimentação.
  77. 77. Métricas: Unique Visitors
  78. 78. Métricas: Unique Visitors Unique Visitors é o número absoluto de visitantes que seu site recebeu.
  79. 79. Métricas: Unique Visitors Unique Visitors é o número absoluto de visitantes que seu site recebeu. Na teoria, essa métrica nos permite saber quantas pessoas visitaram nosso site. Porém, esse número não é tão preciso. Mais de uma pessoa pode ter acessado o site de um mesmo computador, em algumas empresas o IP para todos os funcionários é único e, independente do número de visitantes, todos são contabilizados como um etc.
  80. 80. Métricas: Page Views
  81. 81. Métricas: Page Views Page Views é o número de páginas que cada visitante visualizou em seu site.
  82. 82. Métricas: Page Views Page Views é o número de páginas que cada visitante visualizou em seu site. Essa métrica mostra qual o potencial de envolver o consumidor de um site e a relevância de seu conteúdo para ele.
  83. 83. Métricas: Page Views Page Views é o número de páginas que cada visitante visualizou em seu site. Essa métrica mostra qual o potencial de envolver o consumidor de um site e a relevância de seu conteúdo para ele. Da mesma forma, devemos ter consciência de qual o objetivo de nossa comunicação para saber a relevância dessa métrica.
  84. 84. Métricas: Tempo de Permanência
  85. 85. Métricas: Tempo de Permanência O Tempo de Permanência é o tempo que cada visitante permanece em nosso site após acessá-lo.
  86. 86. Métricas: Tempo de Permanência O Tempo de Permanência é o tempo que cada visitante permanece em nosso site após acessá-lo. A importância dessa métrica varia de um projeto para outro e ela depende exclusivamente de qual o objetivo de negócio e de comunicação.
  87. 87. Determinando a Métrica
  88. 88. Determinando a Métrica Resposta direta As métricas mais recomendadas são o CPC, CPA, o Volume de Cliques e a Taxa de Conversão.
  89. 89. Determinando a Métrica Resposta direta As métricas mais recomendadas são o CPC, CPA, o Volume de Cliques e a Taxa de Conversão. Branding, relacionamento e envolvimento As métricas utilizadas podem ser o Unique Visitors, Page Views e/ou Tempo de Permanência. É importante saber que não é sempre que essas três métricas são pertinentes ao projeto.
  90. 90. Determinando a Métrica Resposta direta As métricas mais recomendadas são o CPC, CPA, o Volume de Cliques e a Taxa de Conversão. Branding, relacionamento e envolvimento As métricas utilizadas podem ser o Unique Visitors, Page Views e/ou Tempo de Permanência. É importante saber que não é sempre que essas três métricas são pertinentes ao projeto. Interatividade A métrica mais adequada é a taxa de cliques.
  91. 91. Determinando a Métrica Resposta direta As métricas mais recomendadas são o CPC, CPA, o Volume de Cliques e a Taxa de Conversão. Branding, relacionamento e envolvimento As métricas utilizadas podem ser o Unique Visitors, Page Views e/ou Tempo de Permanência. É importante saber que não é sempre que essas três métricas são pertinentes ao projeto. Interatividade A métrica mais adequada é a taxa de cliques. Awareness Quando o objetivo da peça é gerar awareness para a marca a quantidade de Impressões compradas e sua visibilidade dentro de um site garantem o ROI.
  92. 92. Ferramentas de mensuração
  93. 93. Ferramentas de mensuração Existe uma quantidade enorme de ferramentas de mensuração de resultados, tanto pagas quanto gratuitas.
  94. 94. Ferramentas de mensuração Existe uma quantidade enorme de ferramentas de mensuração de resultados, tanto pagas quanto gratuitas. Veículos (gratuito): Os próprios veículos enviam relatórios da entrega de impressões, volume de cliques, CTR e calculam o CPM pago ao fim da campanha de mídia online.
  95. 95. Ferramentas de mensuração Existe uma quantidade enorme de ferramentas de mensuração de resultados, tanto pagas quanto gratuitas. Veículos (gratuito): Os próprios veículos enviam relatórios da entrega de impressões, volume de cliques, CTR e calculam o CPM pago ao fim da campanha de mídia online. Ferramentas pagas: Dart Doubleclick, Real Media, Predicta, Única entre muitas outras, acompanham o internauta do momento do clique até sua saída do site. Isso nos permite ver quais veículos e peças geraram o maior resultado absoluto e qualitativo, abrindo a possibilidade para alterações no plano e investimentos mais precisos.
  96. 96. Ferramentas de mensuração Existe uma quantidade enorme de ferramentas de mensuração de resultados, tanto pagas quanto gratuitas. Veículos (gratuito): Os próprios veículos enviam relatórios da entrega de impressões, volume de cliques, CTR e calculam o CPM pago ao fim da campanha de mídia online. Ferramentas pagas: Dart Doubleclick, Real Media, Predicta, Única entre muitas outras, acompanham o internauta do momento do clique até sua saída do site. Isso nos permite ver quais veículos e peças geraram o maior resultado absoluto e qualitativo, abrindo a possibilidade para alterações no plano e investimentos mais precisos. Ferramentas gratuitas: Ferramentas como o Google Analytics e Clicky, por exemplo, permitem o acompanhamento diário de visitas de um site. Medem a origem dos cliques, número de páginas visitadas, tempo médio etc. Porém, não consolida os resultados com a mídia online e, na maioria dos casos, os cliques originados através de banners são identificados sem distinção.
  97. 97. Modelos de precificação
  98. 98. Modelos de Precificação
  99. 99. Modelos de Precificação CPM A compra é feita pelo volume de Impressões e o cálculo é em torno do CPM (Custo Por Milhar). Quanto mais segmentado é o veículo, a página interna ou até a forma que será encontrada a sua peça, maior é o CPM.
  100. 100. Modelos de Precificação CPM A compra é feita pelo volume de Impressões e o cálculo é em torno do CPM (Custo Por Milhar). Quanto mais segmentado é o veículo, a página interna ou até a forma que será encontrada a sua peça, maior é o CPM. CPC É a métrica mais comum em links patrocinados. O anunciante paga apenas pelos cliques que o veículo gerar em seus internautas.
  101. 101. Modelos de Precificação CPM A compra é feita pelo volume de Impressões e o cálculo é em torno do CPM (Custo Por Milhar). Quanto mais segmentado é o veículo, a página interna ou até a forma que será encontrada a sua peça, maior é o CPM. CPC É a métrica mais comum em links patrocinados. O anunciante paga apenas pelos cliques que o veículo gerar em seus internautas. Share revenue O anunciante paga ao veículo toda vez que uma visitante gerado por ele efetua uma compra.
  102. 102. Modelos de Precificação CPM A compra é feita pelo volume de Impressões e o cálculo é em torno do CPM (Custo Por Milhar). Quanto mais segmentado é o veículo, a página interna ou até a forma que será encontrada a sua peça, maior é o CPM. CPC É a métrica mais comum em links patrocinados. O anunciante paga apenas pelos cliques que o veículo gerar em seus internautas. Share revenue O anunciante paga ao veículo toda vez que uma visitante gerado por ele efetua uma compra. Conteúdo Patrocínio a seções, canais exclusivos etc.
  103. 103. Planejamento DE Mídia online
  104. 104. Onde investir
  105. 105. Onde investir O mais importante: saiba com clareza qual é o objetivo de negócio do seu cliente e o papel da comunicação. É nesse segundo ponto que, freqüentemente, a área de Mídia erra.
  106. 106. Onde investir O mais importante: saiba com clareza qual é o objetivo de negócio do seu cliente e o papel da comunicação. É nesse segundo ponto que, freqüentemente, a área de Mídia erra. O papel da comunicação é o que a campanha deve fazer pela marca, produto ou serviço. Ele deve guiar toda a estratégia de comunicação, o conceito criativo e a escolha de mídias e veículos.
  107. 107. Onde investir O mais importante: saiba com clareza qual é o objetivo de negócio do seu cliente e o papel da comunicação. É nesse segundo ponto que, freqüentemente, a área de Mídia erra. O papel da comunicação é o que a campanha deve fazer pela marca, produto ou serviço. Ele deve guiar toda a estratégia de comunicação, o conceito criativo e a escolha de mídias e veículos. Hoje, preparar um plano de mídia (seja ele online ou offline), não é apenas identificar qual o público alvo da campanha e escolher os veículos de maior retorno. Muitas vezes o papel da comunicação é engajar o público e veículos de massa possuem, normalmente, um potencial menor que veículos de nicho para esse atingir objetivo.
  108. 108. Onde investir O mais importante: saiba com clareza qual é o objetivo de negócio do seu cliente e o papel da comunicação. É nesse segundo ponto que, freqüentemente, a área de Mídia erra. O papel da comunicação é o que a campanha deve fazer pela marca, produto ou serviço. Ele deve guiar toda a estratégia de comunicação, o conceito criativo e a escolha de mídias e veículos. Hoje, preparar um plano de mídia (seja ele online ou offline), não é apenas identificar qual o público alvo da campanha e escolher os veículos de maior retorno. Muitas vezes o papel da comunicação é engajar o público e veículos de massa possuem, normalmente, um potencial menor que veículos de nicho para esse atingir objetivo. Estar onde seu consumidor está é crucial, mas o principal é conseguir impactá-lo no momento correto e gerar a resposta desejada pela sua campanha.
  109. 109. Onde investir: Links patrocinados Fonte: Google, Yahoo! e Hi-Midia
  110. 110. Onde investir: Links patrocinados Os links patrocinados correspondem a 15% do investimento total da publicidade online no Brasil e a expetativa é que chegue a 40% em 3 anos. Fonte: Google, Yahoo! e Hi-Midia
  111. 111. Onde investir: Links patrocinados Os links patrocinados correspondem a 15% do investimento total da publicidade online no Brasil e a expetativa é que chegue a 40% em 3 anos. A navegação na internet é baseada em sites de busca. Cerca de 80% dos internautas do mundo iniciam sua navegação na internet. Fonte: Google, Yahoo! e Hi-Midia
  112. 112. Onde investir: Links patrocinados Os links patrocinados correspondem a 15% do investimento total da publicidade online no Brasil e a expetativa é que chegue a 40% em 3 anos. A navegação na internet é baseada em sites de busca. Cerca de 80% dos internautas do mundo iniciam sua navegação na internet. 4 dos 5 sites mais acessados do mundo são sites de busca. Fonte: Google, Yahoo! e Hi-Midia
  113. 113. Onde investir: Links patrocinados Os links patrocinados correspondem a 15% do investimento total da publicidade online no Brasil e a expetativa é que chegue a 40% em 3 anos. A navegação na internet é baseada em sites de busca. Cerca de 80% dos internautas do mundo iniciam sua navegação na internet. 4 dos 5 sites mais acessados do mundo são sites de busca. É o tipo de publicidade on-line considerada menos invasiva. Fonte: Google, Yahoo! e Hi-Midia
  114. 114. Onde investir: Links patrocinados Os links patrocinados correspondem a 15% do investimento total da publicidade online no Brasil e a expetativa é que chegue a 40% em 3 anos. A navegação na internet é baseada em sites de busca. Cerca de 80% dos internautas do mundo iniciam sua navegação na internet. 4 dos 5 sites mais acessados do mundo são sites de busca. É o tipo de publicidade on-line considerada menos invasiva. É possível também ser criativo nos sites de busca, e não apenas “marcar território” como muitos anunciantes fazem. Fonte: Google, Yahoo! e Hi-Midia
  115. 115. Links Patrocinados
  116. 116. Links Patrocinados
  117. 117. Criatividade em Links Patrocinados
  118. 118. Criatividade em Links Patrocinados
  119. 119. Onde investir: Portais
  120. 120. Onde investir: Portais Os portais são os sites com maior número de visitantes únicos e páginas visitadas em todo o mundo. Eles possuem conteúdo diversificado e seu alcance é muito grande.
  121. 121. Onde investir: Portais Os portais são os sites com maior número de visitantes únicos e páginas visitadas em todo o mundo. Eles possuem conteúdo diversificado e seu alcance é muito grande. Porém, possui uma dispersão muito alta, devido a diversidade de perfil de seus usuários e a quantidade de páginas internas e conteúdos diferentes.
  122. 122. Onde investir: Portais Os portais são os sites com maior número de visitantes únicos e páginas visitadas em todo o mundo. Eles possuem conteúdo diversificado e seu alcance é muito grande. Porém, possui uma dispersão muito alta, devido a diversidade de perfil de seus usuários e a quantidade de páginas internas e conteúdos diferentes. Os formatos de mídia possíveis são muito variados e vão de banners a links patrocinados e conteúdos.
  123. 123. Onde investir: “VERTICAIS”
  124. 124. Onde investir: “VERTICAIS” Os sites “verticais” possuem conteúdo específico.
  125. 125. Onde investir: “VERTICAIS” Os sites “verticais” possuem conteúdo específico. O tráfego desses sites é inferior ao dos portais e de suas páginas internas segmentadas, porém, o potencial de segmentação deles é elevadíssimo.
  126. 126. Onde investir: “VERTICAIS” Os sites “verticais” possuem conteúdo específico. O tráfego desses sites é inferior ao dos portais e de suas páginas internas segmentadas, porém, o potencial de segmentação deles é elevadíssimo. Outro fator é seu uso para construção de marca. Como seus visitantes costumam ser fiéis, é possível utilizá-los para gerar awareness para marcas com sucesso.
  127. 127. Onde investir: “VERTICAIS” Os sites “verticais” possuem conteúdo específico. O tráfego desses sites é inferior ao dos portais e de suas páginas internas segmentadas, porém, o potencial de segmentação deles é elevadíssimo. Outro fator é seu uso para construção de marca. Como seus visitantes costumam ser fiéis, é possível utilizá-los para gerar awareness para marcas com sucesso. Vale lembrar que nem todos os sites considerados “verticais” possuem um conteúdo tão focado. Por exemplo, o site da ESPN Brasil é focado em esporte, porém, vai de futebol a esportes radicais.
  128. 128. Onde investir: BLOGS
  129. 129. Onde investir: BLOGS Os blogs de maior visibilidade comercializam tanto espaço publicitário quanto conteúdo editorial.
  130. 130. Onde investir: BLOGS Os blogs de maior visibilidade comercializam tanto espaço publicitário quanto conteúdo editorial. A questão ética por trás da decisão de investir em conteúdo editorial deve ser levada em conta. Alguns blogueiros informam que o conteúdo foi pago, outros escrevem o conteúdo a partir de um brief e outros pedem liberdade editorial e se comprometem em não criticar a marca.
  131. 131. Onde investir: BLOGS Os blogs de maior visibilidade comercializam tanto espaço publicitário quanto conteúdo editorial. A questão ética por trás da decisão de investir em conteúdo editorial deve ser levada em conta. Alguns blogueiros informam que o conteúdo foi pago, outros escrevem o conteúdo a partir de um brief e outros pedem liberdade editorial e se comprometem em não criticar a marca. Estar dentro do conteúdo editorial de um blog de visibilidade é o mesmo que ter uma matéria jornalística plantada a favor de uma marca. O potencial de engajamento é muito grande, porém, o risco também é, pois quando uma ação é descoberta gera uma percepção negativa para o anunciante e para o blogueiro.

×