Avaliaoexternadasescolas

370 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliaoexternadasescolas

  1. 1. Avaliação Externa das Escolas LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DALICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO II ANO LECTIVO 2009/2010 Elisabete Cruz | ecruz@fpce.ul.pt Instituto de Educação da Universidade de Lisboa | 11 de Novembro de 2009
  2. 2. 1. ENQUADRAMENTO 2. SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO E DO ENSINO NÃO SUPERIOR Objectivos do sistema de avaliação Estrutura da avaliação 3. MODELO DE AVALIAÇÃO EXTERNA3. MODELO DE AVALIAÇÃO EXTERNA Princípios Objectivos Quadro de referência Escala de avaliação Questões e Tensões
  3. 3. Lançamento de um programa nacional de avaliação dos estabelecimentos de educação Despacho conjunto n.º 370/2006, de 3 de MaioDespacho conjunto n.º 370/2006, de 3 de Maio Continuidade do processo de avaliação externa das escolas (IGE) Decreto Regulamentar n.º 81-B/2007, de 31 de Julho Sistema de avaliação da educação e do ensino não superior Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro
  4. 4. OBJECTIVOS Apoiar a formulação e o desenvolvimento das políticas de educação e formação. Dotar a administração educativa de um quadro de informações sobre o funcionamento do sistema educativo. políticaspolíticas informaçõesinformações Promover uma cultura de qualidade, exigência e responsabilidade nas escolas. Incentivar as acções e os processos de melhoria da qualidade, do funcionamento e dos resultados das escolas. Sensibilizar os vários membros da comunidade educativa para a participação activa no processo educativo. Garantir a credibilidade do desempenho dos estabelecimentos de educação e de ensino. culturacultura credibilidadecredibilidade melhoriamelhoria participaçãoparticipação
  5. 5. AVALIAÇÃO EXTERNA | Indicadores de avaliaçãoAVALIAÇÃO EXTERNA | Indicadores de avaliaçãoAVALIAÇÃO EXTERNA | Indicadores de avaliaçãoAVALIAÇÃO EXTERNA | Indicadores de avaliação Cumprimento da escolaridade obrigatória; Resultados escolares; ESTRUTURA Grau de concretização do projecto educativo; AUTOAUTOAUTOAUTO----AVALIAÇÃO | Termos de análiseAVALIAÇÃO | Termos de análiseAVALIAÇÃO | Termos de análiseAVALIAÇÃO | Termos de análise Resultados escolares; Inserção no mercado de trabalho; Organização e desenvolvimento curricular; Participação da comunidade educativa; Organização e métodos e técnicas de ensino e de aprendizagem; (…) educativo; Nível de execução de actividades; Desempenho dos órgãos de administração e gestão; Sucesso escolar; Prática de uma cultura de colaboração.
  6. 6. PRINCÍPIOS
  7. 7. OBJECTIVOS Fomentar nas escolas uma interpelação sistemática sobre a qualidade das suas práticas e dos seus resultados; Articular os contributos da avaliação externa com a cultura e os dispositivos de auto-avaliação das escolas;cultura e os dispositivos de auto-avaliação das escolas; Reforçar a capacidade das escolas para desenvolverem a sua autonomia; Concorrer para a regulação do funcionamento do sistema educativo; Contribuir para um melhor conhecimento das escolas e do serviço público de educação, fomentando a participação social na vida das escolas.
  8. 8. QUADRO DE REFERÊNCIA Resultados | Como conhece a escola os resultados dos seus alunos, quais são e o que faz para os garantir? Prestação do serviço educativo | Para obter esses resultados, que serviço educativo presta a escola e como o presta?como o presta? Organização e gestão escolares | Como se organiza e é gerida a escola para prestar esse serviço educativo? Liderança | Que lideranças tem a escola e que visão estratégica está por trás da organização e da gestão? Capacidade de auto-regulação e melhoria da escola | Como garante a escola o controlo e a melhoria deste processo?
  9. 9. ESCALA DE AVALIAÇÃO Muito Bom | regulação sistemática, procedimentos explícitos, generalizados e eficazes… Bom | acção intencional e frequente, procedimentos explícitos e eficazes… Suficiente | acção pouco explicita e sistemática… Insuficiente | não desenvolve suficientes acções positivas e coesas…
  10. 10. Produz informação valiosa para saber em que domínios as escolas necessitam melhorar? Ou, é um motivo de “desgosto” quando as expectativas não são concretizadas? É uma fonte de informação para reorientar oÉ uma fonte de informação para reorientar o trabalho das escolas? Ou, é uma fonte de perplexidade em relação à utilidade do processo de avaliação? É um instrumento de política educativa que colabora no esforço global para a melhoria da educação? Ou, é uma pressão para obter melhores resultados e fomentar a competição?
  11. 11. A tridimensionalidade do modelo (melhoria + regulação + informações) ? A condução do processo pela Inspecção- Geral da Educação (IGE)? PONTOS CRÍTICOS Geral da Educação (IGE)? A adopção de domínios definidos a priori ? O posicionamento de todos os domínios no mesmo patamar valorativo? Os padrões de medida adoptados (clareza)? O acompanhamento depois da entrega do relatório? (…)
  12. 12. Avaliação Externa das Escolas LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DALICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO II ANO LECTIVO 2009/2010 Elisabete Cruz | ecruz@fpce.ul.pt Instituto de Educação da Universidade de Lisboa | 11 de Novembro de 2009

×