SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Nigel Brooke
GAME/FAE/UFMG
A Fundação Victor Civita, que tem por
missão contribuir para a melhoria da
  qualidade da Educação Básica no             EQUIPE DA FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA
Brasil, produzindo publicações, sites,              DIRETORIA EXECUTIVA
  material pedagógico, pesquisas e                Angela Cristina Dannemann
projetos que auxiliem na capacitação
                                                 COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA
 dos professores, gestores e demais
                                                      Regina Scarpa
     responsáveis pelo processo
educacional, implantou uma área de       REVISTA NOVA ESCOLA/REVISTA GESTÃO ESCOLAR
  estudos com objetivo de levantar                      Gabriel Grossi
                                                         Paola Gentile
dados e informações que auxiliem as
      discussões sobre práticas,               ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS
 metodologias e políticas públicas de                Mauro Morellato
                                                     Adriana Deróbio
 Educação. Para acompanhar outros
    trabalhos, visite o nosso site
       www.fvc.org.br/estudos.



                                                © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
DEFINIÇÕES

Avaliação externa – Avaliação padronizada; avaliação
de sistemas; avaliação em larga escala

Gestão educacional – As políticas das Secretarias
Estaduais de Educação (SEE) que usam como critério
os resultados dos sistemas próprios de avaliação
(sistemas estaduais e os das grandes capitais)

Para quais políticas os gestores estão usando os
resultados dos sistemas de avaliação?

Pesquisa FVC
                                 © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
RESUMO

Sistema classificatório para os usos da avaliação
Achados principais da pesquisa
Política de bonificação ou incentivo salarial
      Alcance
      Características técnicas
      Seus impactos
       Pesquisa no Brasil
       Pesquisa nos Estados Unidos e outros países
Especulações sobre consequências
                                 © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
NÚMERO DE ESTADOS COM SISTEMAS
PRÓPRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCACIONAL
1992-2011




                             © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
SISTEMAS ESTADUAIS DE AVALIAÇÃO


Tendência – Aumento gradual mesmo inconsistente
Hiatos
  Transição para TRI
  Momentos de mudança política
  Recuos
Dados imperfeitos
  Nenhum órgão para coletar esse tipo de informação
  De que consiste um sistema estadual? Abrangência


                               © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
EXPANSÃO E DIVERSIFICAÇÃO

Crescimento no uso dos resultados pelas SEE
  Reformas da Educação década 1990 calcadas na avaliação da
  qualidade (Brasil só um exemplo: 13 países da América Latina
  adotam sistemas de avaliação entre 1990 e 1998)
  Reforma da gestão pública: ênfase na produtividade e
  eficiência do aparato governamental; melhoria na qualidade
  dos serviços públicos; metas e controle a posteriori dos
  resultados. Educação na linha de frente
  Incorporação de modelos de accountability –
  responsabilização dos atores públicos via consequências

Para dar conta da expansão e diversificação dos usos, um
novo sistema classificatório bidimensional
                                      © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
USO DOS RESULTADOS
SISTEMA CLASSIFICATÓRIO




                          © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
© 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
FOCO

Vou me concentrar no uso da avaliação para políticas
de incentivo/bonificação salarial
Política veio para ficar
  Sete estados já têm experiência: Amazonas, Ceará,
  Pernambuco, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito
  Santo e São Paulo
  Distrito Federal já estabeleceu os procedimentos
  Duas capitais – uma conseguiu (São Paulo) e outra não
  (Belo Horizonte)


                                 © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
Até os municípios menores estão
embarcando (usando o Ideb) segundo
reportagem UOL Educação 02/09/2011

Em Trairão, pequena cidade no sudoeste do Pará, a secretária de
Educação fala do projeto que dá mais dinheiro aos professores e às
escolas que apresentam desempenho melhor. “Com o projeto
Professor por Excelência, a gente espera que dê uma alavancada no
município. Para quem mais se destacar, o professor vai ganhar um
valor de R$ 1 mil cada um e a escola, R$ 500. Mesmo não sendo um
valor alto, a gente espera motivar os envolvidos”, explica Maria
Regina
No município de Careiro (AM), o secretário Paulo de Andrade conta
que estipulou uma meta mais “ousada” para estimular seus
profissionais a trabalhar com mais afinco. Na escola, que tira nota 5,1
no Ideb, os professores recebem 14º e 15º salários
                                           © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
QUE POLÍTICA É ESSA?

 Não é nova. Uso de avaliações externas para
responsabilizar professores, escolas e sistemas pela
aprendizagem dos alunos tem longa história:

   Em 1863, Parlamento britânico criou sistema de
   financiamento de escolas de acordo com os resultados
   dos alunos
   Nova fase dessa política começa com o movimento de
   padrões mínimos na década de 1970 nos EUA. A lei
   Nenhuma Criança Deixada para Trás (2001) é um
   exemplo recente
                                  © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
CARACTERÍSTICAS
  geração
(por exemplo, Ceará 2001 – Prêmio Educacional Escola do Novo
Milênio; Rio de Janeiro 2000 – Programa Nova Escola):
    Prêmio para a média de desempenho mais alto (ou % alunos com
    desempenho satisfatório)
    Ou evolução maior na média de desempenho
    Outros critérios (gestão)
  geração
   Distribuição por faixa de desempenho
   Medida do nível socioeconômico e/ou esforço da escola
   Uso de metas
   Valorização da permanência
   Avaliações múltiplas (matérias, anos)
  geração(?)
   Critérios múltiplos
   Valor agregado                        © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
QUAIS SÃO OS IMPACTOS?

Do ponto de visto do gestor:
   Que há ganhos na aprendizagem pelos efeitos sobre o
   professor – Motivação e competência
   Que há custos também – Custo/benefício

Do ponto de vista dos críticos, os efeitos colaterais dos
testes high stakes (alto impacto) são severos:
   Reduzem o ensino à preparação para os testes/estreitam o
   currículo
   Falseiam os dados das avaliações (inflação)
   Induzem à desonestidade
   Desestruturam métodos colaborativos (quando individualizada)

                                     © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
COMO AVALIAR?
A pesquisa no Brasil é escassa
   Pesquisa descritiva (terminologia: bônus, bonificação, prêmio,
   gratificação, incentivo por mérito, por desempenho, por resultado)
   Pesquisas de impacto
       Sobre a política Nova Escola – Rio de Janeiro (Rodrigues, 2007;
       ganhos em Língua Portuguesa, perdas em Matemática)
       Uma em andamento – C. Ferraz, Pernambuco

Nem pesquisas mais qualitativas sobre os efeitos colaterais
negativos. (?) Uma sobre os efeitos do Acordo de Resultados
em MG (Soares, 2011) (resultados no Simave/Proeb; bônus
até 100% vencimento mensal); “pressão” sobre professores
de Português e Matemática para ensinar de acordo com a
matriz de referência
                                          © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
PESQUISA NOS EUA

Precisa fazer distinções: incentivos salariais versus outros tipos
de incentivo/accountability (por exemplo: Nenhuma Criança
Deixada para Trás (NCLB); exames de saída Ensino Médio)
Professor versus aluno (Nova York, Ohio)
Programas não são comparáveis – Diferentes no
formato/cálculo dos bônus, na forma de medir desempenho
dos professores (testes, VA, critérios múltiplos)
Mesmo assim, volume enorme de estudos e nem todos com a
mesma qualidade. Problema para as meta-avaliações (por
exemplo: Teresa Cozetti Pontual, Remuneração por Mérito,
Fundação Lemann, 2008)
                                       © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
FONTE CONFIÁVEL

National Research Council. Committee on Incentives
and Test-Based Accountability in Public Education. 2011.
   Estudos precisam ter grupo de controle

   Precisa de testes low-stakes como medida de ganho
   real (controlar por distorção/inflação)
   Excluir estudos transversais que comparam resultados
   com e sem programas de incentivos mas sem controlar
   pelos critérios de inclusão nos programas
   Precisa olhar outros países

                                   © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
ESTADOS UNIDOS
Nashville (Springer et al. 2010): experimento de 3 anos; professor de
matemática/ginasial; bônus individual de US$5 a US$15 mil; medida VA (valor
agregado), teste estadual; critério 85% na distribuição distrital. Efeitos
positivos para anos 5 (só um ano) e 6, negativos para 7 e 8
Chicago (Glazerman et al. 2009): 2 anos; ensino fundamental; VA de ganhos
teste estadual + observações; até US$12 mil; das 10 combinações matéria/ano,
8 negativos, nenhum significativo; efeito positivo sobre retenção de
professores
Texas (Jackson, 2010); desde 1996; professores e alunos ensino médio; US$500
a US$1000 para alunos com pontuação de 3 ou mais em testes de advanced
placement; aumento de 1 a 2%/ano na proporção de alunos; e de 5,3% em
alunos indo para faculdade
Escolas do Teacher Advancement Program (Springer, 2008): 2 estados; 1,2 mil
escolas; 4 anos; dados de painel; matemática anos 2 a 5 ganhos significativos
de 0,2 d.p. (desvio padrão de 7 a 8 pontos) (; anos 7 a 10 sem ganho ou
decréscimo. De 18 combinações, ganho médio 0,01 d.p.
                                                © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
OUTROS PAÍSES

Índia (Muralidharan and Sundararaman, 2009,2011): experimento 2 anos;
ensino fundamental; incentivos individuais e coletivo; 100 escolas cada
grupo; ganhos em Matemática e Língua; testes específicos; bônus de 3%
salário; ganho médio de 0,19 d.p. (significativo); ganho maior em
matemática. (Escolas com incentivos individuais 0,22 d.p., escolas
coletivos 0,15 d.p.)
Israel (Lavy, 2002): incentivos coletivos; ensino médio; de US$250 a US$
1000 (salário médio 30 mil); 1/3 melhores escolas; medidas diversas inc.
% com diploma; aprox. 62- 1/3 das escolas de ensino médio do pais;
proporção com diploma não mudou; efeito médio nos testes 0,12 d.p.;
efeitos maiores entre alunos de desempenho mais baixo
Israel (Lavy 2009): incentivos individuais; bônus de US$ 1750 a US$ 7,5
mil para professores de inglês e matemática se turmas superaram
expectativas; 49 escolas; número passando e a média nos testes
melhoraram; efeitos significativos; principalmente para alunos de
desempenho mais baixo
                                            © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
CONCLUSÕES NATIONAL RESEARCH COUNCIL

Estados Unidos; efeito médio -0,02 a 0,06 desvios padrão
   Programas de incentivos não têm influenciado níveis de desempenho
   de forma significativa. Muitos programas próximo de zero quando usa
   testes low-stakes de controle
Outros países: os efeitos são maiores mas continuam
relativamente baixos. Média 0,08 d.p. Efeitos mais pronunciados
para Matemática, Ensino Fundamental.
Benefícios pequenos. Porém:
   Muitos desenhos ainda não testados (tipos de incentivo, individual
   versus coletivo, medidas de desempenho, outros tipos de
   accountability, etc)
Custos altos. Não deve substituir investimento em outras políticas
de melhoria
                                           © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
ALGUMAS ESPECULAÇÕES

O ambiente de responsabilização muito mais intenso nos
Estados Unidos, por exemplo, Ensino Médio – expectativas
dos pais e efeito NCLB.

Nesse contexto de preocupação com os resultados dos
alunos, o impacto de incentivos salariais é próximo do zero.

Será que é por esse motivo que os impactos são sempre
maiores nos outros países?

Qual o impacto no Brasil, onde os incentivos salariais são a
opção escolhida para transmitir a importância associada aos
resultados?
                                    © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ainda não temos a pesquisa necessária nem para falar dos
efeitos negativos nem dos possíveis benefícios
Extrair conclusões da pesquisa norte-americana é
extremamente difícil. Além da falta de comparabilidade dos
programas, há a questão do contexto de responsabilização
Talvez a ausência de pesquisa e de comprovação dos efeitos
colaterais, mesmo no Ceará, seja a indicação que os impactos
não seriam tão negativos no Brasil
Os programas de bônus podem ser inócuos em relação à
aprendizagem (EUA) ou podem render benefícios parecidos
com os de outros países (Índia, Israel)
                                    © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
Pesquisa sobre Avaliações Externas - Resultados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário de Letramento Matemático
Seminário de Letramento MatemáticoSeminário de Letramento Matemático
Seminário de Letramento MatemáticoAndréa Thees
 
Apresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas Sustentáveis
Apresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas SustentáveisApresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas Sustentáveis
Apresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas SustentáveisJefferson Sooma
 
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe AssunçãoPLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento EducacionalSimone Lucas
 
Política Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilPolítica Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilLílian Reis
 
Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Luiza Souza
 
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolaresCinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolaresunieubra
 
1º encontro de professores de matemática 2013 1º dia
1º encontro de professores de matemática 2013   1º dia1º encontro de professores de matemática 2013   1º dia
1º encontro de professores de matemática 2013 1º diaRuanna Guido
 
Livro fundamentos e metodologia do ensino da Matematica
Livro fundamentos e metodologia do ensino da MatematicaLivro fundamentos e metodologia do ensino da Matematica
Livro fundamentos e metodologia do ensino da MatematicaMagno Oliveira
 
Ideias para a melhoria do IDEB
Ideias para a melhoria do IDEBIdeias para a melhoria do IDEB
Ideias para a melhoria do IDEBJorge Elarrat
 
Plano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborarPlano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborarafavaliacao
 
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópiaApresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópiaEunice Mendes de Oliveira
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daEliana Zati
 
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)Vania Diniz
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Alfabetização e letramento matemático pnaic
Alfabetização e letramento matemático pnaicAlfabetização e letramento matemático pnaic
Alfabetização e letramento matemático pnaicMagda Marques
 
Slide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdfSlide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdfFrancineGomes14
 

Mais procurados (20)

Seminário de Letramento Matemático
Seminário de Letramento MatemáticoSeminário de Letramento Matemático
Seminário de Letramento Matemático
 
Formação
FormaçãoFormação
Formação
 
Currículo
CurrículoCurrículo
Currículo
 
Apresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas Sustentáveis
Apresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas SustentáveisApresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas Sustentáveis
Apresentação Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Escolas Sustentáveis
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe AssunçãoPLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
PLANO DE GESTÃO ESCOLAR - Prof. Noe Assunção
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
 
Política Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilPolítica Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. Infantil
 
Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita Linguagem oral e escrita
Linguagem oral e escrita
 
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolaresCinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
 
1º encontro de professores de matemática 2013 1º dia
1º encontro de professores de matemática 2013   1º dia1º encontro de professores de matemática 2013   1º dia
1º encontro de professores de matemática 2013 1º dia
 
Livro fundamentos e metodologia do ensino da Matematica
Livro fundamentos e metodologia do ensino da MatematicaLivro fundamentos e metodologia do ensino da Matematica
Livro fundamentos e metodologia do ensino da Matematica
 
Ideias para a melhoria do IDEB
Ideias para a melhoria do IDEBIdeias para a melhoria do IDEB
Ideias para a melhoria do IDEB
 
Plano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborarPlano de ensino como elaborar
Plano de ensino como elaborar
 
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópiaApresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
 
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
Avaliação da aprendizagem(e sua importância)
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Alfabetização e letramento matemático pnaic
Alfabetização e letramento matemático pnaicAlfabetização e letramento matemático pnaic
Alfabetização e letramento matemático pnaic
 
Slide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdfSlide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdf
 

Destaque

Avaliação duja
Avaliação dujaAvaliação duja
Avaliação dujaprefjarinu
 
Avaliação Externa das Escolas
Avaliação Externa das EscolasAvaliação Externa das Escolas
Avaliação Externa das EscolasElisabete Cruz
 
Ideb, Prova Brasil
Ideb, Prova BrasilIdeb, Prova Brasil
Ideb, Prova Brasilzearaujo
 
Freitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistema
Freitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistemaFreitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistema
Freitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistemaMariano Marchitiello
 
Apresentação forever living
Apresentação forever livingApresentação forever living
Apresentação forever livingEvandro Araujo
 
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Gleisi Hoffmann
 
Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2SimoneHelenDrumond
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaSadiasoares
 
A escola diante dos indicadores
A escola diante dos indicadoresA escola diante dos indicadores
A escola diante dos indicadoresEditora Moderna
 
Avaliação na educação
Avaliação na educaçãoAvaliação na educação
Avaliação na educaçãoLabted UEL
 
Planejamento bimestral ed. infantil
Planejamento bimestral ed. infantilPlanejamento bimestral ed. infantil
Planejamento bimestral ed. infantilkeillacr
 
Planejamento educação infantil
Planejamento educação infantilPlanejamento educação infantil
Planejamento educação infantilClaudia Ramos
 

Destaque (15)

Avaliação duja
Avaliação dujaAvaliação duja
Avaliação duja
 
Avaliação Externa das Escolas
Avaliação Externa das EscolasAvaliação Externa das Escolas
Avaliação Externa das Escolas
 
Ideb, Prova Brasil
Ideb, Prova BrasilIdeb, Prova Brasil
Ideb, Prova Brasil
 
Freitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistema
Freitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistemaFreitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistema
Freitas, luiz carlos. sobre avaliacao de sistema
 
Apresentação pacto brasil
Apresentação pacto brasilApresentação pacto brasil
Apresentação pacto brasil
 
Apresentação forever living
Apresentação forever livingApresentação forever living
Apresentação forever living
 
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)
Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
 
Avaliação Escolar
Avaliação EscolarAvaliação Escolar
Avaliação Escolar
 
Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
A escola diante dos indicadores
A escola diante dos indicadoresA escola diante dos indicadores
A escola diante dos indicadores
 
Avaliação na educação
Avaliação na educaçãoAvaliação na educação
Avaliação na educação
 
Planejamento bimestral ed. infantil
Planejamento bimestral ed. infantilPlanejamento bimestral ed. infantil
Planejamento bimestral ed. infantil
 
Planejamento educação infantil
Planejamento educação infantilPlanejamento educação infantil
Planejamento educação infantil
 

Semelhante a Pesquisa sobre Avaliações Externas - Resultados

Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sptelasnorte1
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sptelasnorte1
 
Jovem de Futuro - Transferência
Jovem de Futuro - TransferênciaJovem de Futuro - Transferência
Jovem de Futuro - TransferênciaInstituto Unibanco
 
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...Instituto Unibanco
 
Instituto Unibanco e o Jovem de Futuro
Instituto Unibanco e o Jovem de FuturoInstituto Unibanco e o Jovem de Futuro
Instituto Unibanco e o Jovem de FuturoInstituto Unibanco
 
Aula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptx
Aula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptxAula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptx
Aula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptxMaelDaSilvaNegreiros
 
Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar Thiago Peixoto
 
8ª Conseguro - Claudia Forte
8ª Conseguro - Claudia Forte8ª Conseguro - Claudia Forte
8ª Conseguro - Claudia ForteCNseg
 
Portal Qedu - Ernesto Martins Faria
 Portal Qedu - Ernesto Martins Faria   Portal Qedu - Ernesto Martins Faria
Portal Qedu - Ernesto Martins Faria inovaDay .
 
Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...
Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...
Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...Iasmin Marinho
 
Avaliaoexternadasescolas
Avaliaoexternadasescolas Avaliaoexternadasescolas
Avaliaoexternadasescolas ANA GRALHEIRO
 
A educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão Reis
A educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão ReisA educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão Reis
A educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão ReisJosé Moura Carvalho
 
[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil
[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil
[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no BrasilInstituto Unibanco
 
Apresentação APOIA - Palestra Karin Maria Schloein
Apresentação APOIA - Palestra Karin Maria SchloeinApresentação APOIA - Palestra Karin Maria Schloein
Apresentação APOIA - Palestra Karin Maria SchloeinAna Paula Silva
 
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.Waender Soares
 

Semelhante a Pesquisa sobre Avaliações Externas - Resultados (20)

Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
 
Apresentação sp
Apresentação spApresentação sp
Apresentação sp
 
Jovem de Futuro - Transferência
Jovem de Futuro - TransferênciaJovem de Futuro - Transferência
Jovem de Futuro - Transferência
 
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
Gestão do conhecimento: como funciona a produção e disseminação das tecnologi...
 
Goianésia
GoianésiaGoianésia
Goianésia
 
Instituto Unibanco e o Jovem de Futuro
Instituto Unibanco e o Jovem de FuturoInstituto Unibanco e o Jovem de Futuro
Instituto Unibanco e o Jovem de Futuro
 
Aula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptx
Aula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptxAula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptx
Aula 2 - Avaliação em Educacional atual.pptx
 
Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar Educação: o desafio de mudar
Educação: o desafio de mudar
 
8ª Conseguro - Claudia Forte
8ª Conseguro - Claudia Forte8ª Conseguro - Claudia Forte
8ª Conseguro - Claudia Forte
 
Portal Qedu - Ernesto Martins Faria
 Portal Qedu - Ernesto Martins Faria   Portal Qedu - Ernesto Martins Faria
Portal Qedu - Ernesto Martins Faria
 
Seminario "Estudios sobre evaluación de escuelas"
Seminario "Estudios sobre evaluación de escuelas"Seminario "Estudios sobre evaluación de escuelas"
Seminario "Estudios sobre evaluación de escuelas"
 
Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...
Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...
Bons Resultados no Ideb: estudo exploratório de fatores explicativos no Mato ...
 
Avaliaoexternadasescolas
Avaliaoexternadasescolas Avaliaoexternadasescolas
Avaliaoexternadasescolas
 
A educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão Reis
A educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão ReisA educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão Reis
A educação à luz do digital: o olhar da economia da educação - Ana Balcão Reis
 
[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil
[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil
[Seminário] Wanda Engel - O Ensino Médio no Brasil
 
Apresentação APOIA - Palestra Karin Maria Schloein
Apresentação APOIA - Palestra Karin Maria SchloeinApresentação APOIA - Palestra Karin Maria Schloein
Apresentação APOIA - Palestra Karin Maria Schloein
 
Educacao emcena oct_08
Educacao emcena oct_08Educacao emcena oct_08
Educacao emcena oct_08
 
Convite ao debate
Convite ao debateConvite ao debate
Convite ao debate
 
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
 
avaliacaoexterna.ppt
avaliacaoexterna.pptavaliacaoexterna.ppt
avaliacaoexterna.ppt
 

Mais de Fundação Victor Civita

Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2
Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2
Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2Fundação Victor Civita
 
Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1
Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1
Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1Fundação Victor Civita
 
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2Fundação Victor Civita
 
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1Fundação Victor Civita
 
Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011
Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011
Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Práticas de seleção e capacitação de diretores escolares
Práticas de seleção e capacitação de diretores escolaresPráticas de seleção e capacitação de diretores escolares
Práticas de seleção e capacitação de diretores escolaresFundação Victor Civita
 
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...Fundação Victor Civita
 

Mais de Fundação Victor Civita (18)

Panorama História - 2011
Panorama História - 2011Panorama História - 2011
Panorama História - 2011
 
Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 2 - 2011
 
Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011
Panorama de Matemática - Fundamental 1 - 2011
 
Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2
Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2
Panorama - Língua Portuguesa - Fundamental 2
 
Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1
Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1
Panorama Língua Portuguesa - Fundamental 1
 
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 2
 
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1
Myrian Nemirovsky - Semana da Educação 2011 - Parte 1
 
Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011
Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011
Bibliografia - Palestra Cláudia Broitman - Semana da Educação 2011
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
 
Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Educação Física - Prêmio Victor Civita 2011
 
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
 
Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Arte - Prêmio Victor Civita 2011
 
Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Alfabetização - Prêmio Victor Civita 2011
 
Práticas de seleção e capacitação de diretores escolares
Práticas de seleção e capacitação de diretores escolaresPráticas de seleção e capacitação de diretores escolares
Práticas de seleção e capacitação de diretores escolares
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
Estudos e Pesquisas Educacionais
Estudos e Pesquisas EducacionaisEstudos e Pesquisas Educacionais
Estudos e Pesquisas Educacionais
 
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
Formação do Coordenador Pedagógico - Edição Especial (Estudos e Pesquisas Edu...
 
"Brasil: Educação nos últimos 25 anos"
"Brasil: Educação nos últimos 25 anos""Brasil: Educação nos últimos 25 anos"
"Brasil: Educação nos últimos 25 anos"
 

Último

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 

Último (20)

Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 

Pesquisa sobre Avaliações Externas - Resultados

  • 2. A Fundação Victor Civita, que tem por missão contribuir para a melhoria da qualidade da Educação Básica no EQUIPE DA FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA Brasil, produzindo publicações, sites, DIRETORIA EXECUTIVA material pedagógico, pesquisas e Angela Cristina Dannemann projetos que auxiliem na capacitação COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA dos professores, gestores e demais Regina Scarpa responsáveis pelo processo educacional, implantou uma área de REVISTA NOVA ESCOLA/REVISTA GESTÃO ESCOLAR estudos com objetivo de levantar Gabriel Grossi Paola Gentile dados e informações que auxiliem as discussões sobre práticas, ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS metodologias e políticas públicas de Mauro Morellato Adriana Deróbio Educação. Para acompanhar outros trabalhos, visite o nosso site www.fvc.org.br/estudos. © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 3. DEFINIÇÕES Avaliação externa – Avaliação padronizada; avaliação de sistemas; avaliação em larga escala Gestão educacional – As políticas das Secretarias Estaduais de Educação (SEE) que usam como critério os resultados dos sistemas próprios de avaliação (sistemas estaduais e os das grandes capitais) Para quais políticas os gestores estão usando os resultados dos sistemas de avaliação? Pesquisa FVC © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 4. RESUMO Sistema classificatório para os usos da avaliação Achados principais da pesquisa Política de bonificação ou incentivo salarial Alcance Características técnicas Seus impactos Pesquisa no Brasil Pesquisa nos Estados Unidos e outros países Especulações sobre consequências © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 5. NÚMERO DE ESTADOS COM SISTEMAS PRÓPRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCACIONAL 1992-2011 © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 6. SISTEMAS ESTADUAIS DE AVALIAÇÃO Tendência – Aumento gradual mesmo inconsistente Hiatos Transição para TRI Momentos de mudança política Recuos Dados imperfeitos Nenhum órgão para coletar esse tipo de informação De que consiste um sistema estadual? Abrangência © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 7. EXPANSÃO E DIVERSIFICAÇÃO Crescimento no uso dos resultados pelas SEE Reformas da Educação década 1990 calcadas na avaliação da qualidade (Brasil só um exemplo: 13 países da América Latina adotam sistemas de avaliação entre 1990 e 1998) Reforma da gestão pública: ênfase na produtividade e eficiência do aparato governamental; melhoria na qualidade dos serviços públicos; metas e controle a posteriori dos resultados. Educação na linha de frente Incorporação de modelos de accountability – responsabilização dos atores públicos via consequências Para dar conta da expansão e diversificação dos usos, um novo sistema classificatório bidimensional © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 8. USO DOS RESULTADOS SISTEMA CLASSIFICATÓRIO © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 9. © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 10. FOCO Vou me concentrar no uso da avaliação para políticas de incentivo/bonificação salarial Política veio para ficar Sete estados já têm experiência: Amazonas, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo Distrito Federal já estabeleceu os procedimentos Duas capitais – uma conseguiu (São Paulo) e outra não (Belo Horizonte) © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 11. Até os municípios menores estão embarcando (usando o Ideb) segundo reportagem UOL Educação 02/09/2011 Em Trairão, pequena cidade no sudoeste do Pará, a secretária de Educação fala do projeto que dá mais dinheiro aos professores e às escolas que apresentam desempenho melhor. “Com o projeto Professor por Excelência, a gente espera que dê uma alavancada no município. Para quem mais se destacar, o professor vai ganhar um valor de R$ 1 mil cada um e a escola, R$ 500. Mesmo não sendo um valor alto, a gente espera motivar os envolvidos”, explica Maria Regina No município de Careiro (AM), o secretário Paulo de Andrade conta que estipulou uma meta mais “ousada” para estimular seus profissionais a trabalhar com mais afinco. Na escola, que tira nota 5,1 no Ideb, os professores recebem 14º e 15º salários © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 12. QUE POLÍTICA É ESSA? Não é nova. Uso de avaliações externas para responsabilizar professores, escolas e sistemas pela aprendizagem dos alunos tem longa história: Em 1863, Parlamento britânico criou sistema de financiamento de escolas de acordo com os resultados dos alunos Nova fase dessa política começa com o movimento de padrões mínimos na década de 1970 nos EUA. A lei Nenhuma Criança Deixada para Trás (2001) é um exemplo recente © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 13. CARACTERÍSTICAS geração (por exemplo, Ceará 2001 – Prêmio Educacional Escola do Novo Milênio; Rio de Janeiro 2000 – Programa Nova Escola): Prêmio para a média de desempenho mais alto (ou % alunos com desempenho satisfatório) Ou evolução maior na média de desempenho Outros critérios (gestão) geração Distribuição por faixa de desempenho Medida do nível socioeconômico e/ou esforço da escola Uso de metas Valorização da permanência Avaliações múltiplas (matérias, anos) geração(?) Critérios múltiplos Valor agregado © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 14. QUAIS SÃO OS IMPACTOS? Do ponto de visto do gestor: Que há ganhos na aprendizagem pelos efeitos sobre o professor – Motivação e competência Que há custos também – Custo/benefício Do ponto de vista dos críticos, os efeitos colaterais dos testes high stakes (alto impacto) são severos: Reduzem o ensino à preparação para os testes/estreitam o currículo Falseiam os dados das avaliações (inflação) Induzem à desonestidade Desestruturam métodos colaborativos (quando individualizada) © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 15. COMO AVALIAR? A pesquisa no Brasil é escassa Pesquisa descritiva (terminologia: bônus, bonificação, prêmio, gratificação, incentivo por mérito, por desempenho, por resultado) Pesquisas de impacto Sobre a política Nova Escola – Rio de Janeiro (Rodrigues, 2007; ganhos em Língua Portuguesa, perdas em Matemática) Uma em andamento – C. Ferraz, Pernambuco Nem pesquisas mais qualitativas sobre os efeitos colaterais negativos. (?) Uma sobre os efeitos do Acordo de Resultados em MG (Soares, 2011) (resultados no Simave/Proeb; bônus até 100% vencimento mensal); “pressão” sobre professores de Português e Matemática para ensinar de acordo com a matriz de referência © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 16. PESQUISA NOS EUA Precisa fazer distinções: incentivos salariais versus outros tipos de incentivo/accountability (por exemplo: Nenhuma Criança Deixada para Trás (NCLB); exames de saída Ensino Médio) Professor versus aluno (Nova York, Ohio) Programas não são comparáveis – Diferentes no formato/cálculo dos bônus, na forma de medir desempenho dos professores (testes, VA, critérios múltiplos) Mesmo assim, volume enorme de estudos e nem todos com a mesma qualidade. Problema para as meta-avaliações (por exemplo: Teresa Cozetti Pontual, Remuneração por Mérito, Fundação Lemann, 2008) © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 17. FONTE CONFIÁVEL National Research Council. Committee on Incentives and Test-Based Accountability in Public Education. 2011. Estudos precisam ter grupo de controle Precisa de testes low-stakes como medida de ganho real (controlar por distorção/inflação) Excluir estudos transversais que comparam resultados com e sem programas de incentivos mas sem controlar pelos critérios de inclusão nos programas Precisa olhar outros países © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 18. ESTADOS UNIDOS Nashville (Springer et al. 2010): experimento de 3 anos; professor de matemática/ginasial; bônus individual de US$5 a US$15 mil; medida VA (valor agregado), teste estadual; critério 85% na distribuição distrital. Efeitos positivos para anos 5 (só um ano) e 6, negativos para 7 e 8 Chicago (Glazerman et al. 2009): 2 anos; ensino fundamental; VA de ganhos teste estadual + observações; até US$12 mil; das 10 combinações matéria/ano, 8 negativos, nenhum significativo; efeito positivo sobre retenção de professores Texas (Jackson, 2010); desde 1996; professores e alunos ensino médio; US$500 a US$1000 para alunos com pontuação de 3 ou mais em testes de advanced placement; aumento de 1 a 2%/ano na proporção de alunos; e de 5,3% em alunos indo para faculdade Escolas do Teacher Advancement Program (Springer, 2008): 2 estados; 1,2 mil escolas; 4 anos; dados de painel; matemática anos 2 a 5 ganhos significativos de 0,2 d.p. (desvio padrão de 7 a 8 pontos) (; anos 7 a 10 sem ganho ou decréscimo. De 18 combinações, ganho médio 0,01 d.p. © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 19. OUTROS PAÍSES Índia (Muralidharan and Sundararaman, 2009,2011): experimento 2 anos; ensino fundamental; incentivos individuais e coletivo; 100 escolas cada grupo; ganhos em Matemática e Língua; testes específicos; bônus de 3% salário; ganho médio de 0,19 d.p. (significativo); ganho maior em matemática. (Escolas com incentivos individuais 0,22 d.p., escolas coletivos 0,15 d.p.) Israel (Lavy, 2002): incentivos coletivos; ensino médio; de US$250 a US$ 1000 (salário médio 30 mil); 1/3 melhores escolas; medidas diversas inc. % com diploma; aprox. 62- 1/3 das escolas de ensino médio do pais; proporção com diploma não mudou; efeito médio nos testes 0,12 d.p.; efeitos maiores entre alunos de desempenho mais baixo Israel (Lavy 2009): incentivos individuais; bônus de US$ 1750 a US$ 7,5 mil para professores de inglês e matemática se turmas superaram expectativas; 49 escolas; número passando e a média nos testes melhoraram; efeitos significativos; principalmente para alunos de desempenho mais baixo © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 20. CONCLUSÕES NATIONAL RESEARCH COUNCIL Estados Unidos; efeito médio -0,02 a 0,06 desvios padrão Programas de incentivos não têm influenciado níveis de desempenho de forma significativa. Muitos programas próximo de zero quando usa testes low-stakes de controle Outros países: os efeitos são maiores mas continuam relativamente baixos. Média 0,08 d.p. Efeitos mais pronunciados para Matemática, Ensino Fundamental. Benefícios pequenos. Porém: Muitos desenhos ainda não testados (tipos de incentivo, individual versus coletivo, medidas de desempenho, outros tipos de accountability, etc) Custos altos. Não deve substituir investimento em outras políticas de melhoria © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 21. ALGUMAS ESPECULAÇÕES O ambiente de responsabilização muito mais intenso nos Estados Unidos, por exemplo, Ensino Médio – expectativas dos pais e efeito NCLB. Nesse contexto de preocupação com os resultados dos alunos, o impacto de incentivos salariais é próximo do zero. Será que é por esse motivo que os impactos são sempre maiores nos outros países? Qual o impacto no Brasil, onde os incentivos salariais são a opção escolhida para transmitir a importância associada aos resultados? © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados
  • 22. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ainda não temos a pesquisa necessária nem para falar dos efeitos negativos nem dos possíveis benefícios Extrair conclusões da pesquisa norte-americana é extremamente difícil. Além da falta de comparabilidade dos programas, há a questão do contexto de responsabilização Talvez a ausência de pesquisa e de comprovação dos efeitos colaterais, mesmo no Ceará, seja a indicação que os impactos não seriam tão negativos no Brasil Os programas de bônus podem ser inócuos em relação à aprendizagem (EUA) ou podem render benefícios parecidos com os de outros países (Índia, Israel) © 2011 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados