2015 curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 4: tempo e dinheiro - seus manejos

552 visualizações

Publicada em

Em uma série de oito encontros, abordaremos algumas circunstâncias cruciais acerca do lugar e do papel do psicanalista na condução do tratamento. Privilegiaremos a articulação dos demarcadores conceituais com a experiência prática da análise, almejando verificar como, de fato, um psicanalista atua face o mal-estar contemporâneo.

Publicada em: Internet
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
552
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2015 curso 'A PRÁTICA DO PSICANALISTA' - Aula 4: tempo e dinheiro - seus manejos

  1. 1. Curso A prática do psicanalista Coordenação Alexandre Simões Encontro 4: Tempo e dinheiro: seus manejos na experiência analítica
  2. 2. Tempo, transferência e manejo: Lacan, no artigo Posição do inconsciente no congresso de Bonneval [1960] (vide Escritos), apontou para esta circunstância: a transferência é um conceito ligado ao tempo e ao seu manejo
  3. 3. O tempo interno a uma sessão: diálogo com a problemática crucial do tempo lógico: O tempo lógica e a asserção da certeza antecipada (Lacan, 1945)
  4. 4. O fundamental não é, precisamente, o tempo escasso (demasiadamente acelerado) ou o tempo flutuante ... para escaparmos da standardização do tempo congelado dos 50 minutos da tradição pós-freudiana
  5. 5. Lacan nos propõe, em seu clássico artigo sobre o tempo, uma tripartição internamente capilarizada: momento de concluir instante de ver tempo para compreender
  6. 6. Mas, há um detalhe fundamental que o levará a pensar o momento de concluir como um corte ... que o levará a propor o fim de uma sessão como uma estrutura análoga ao de um corte ou suspensão
  7. 7. O passo em direção a uma conclusão há de ser provocado/precipitado
  8. 8. Em outros termos: Neste tempo lógico, o instante é decisivo O desdobramento de uma análise é questão de tempo. Não se trata aqui de um tempo cronológico, que absorve linearmente os instantes na corrida do passado ao futuro, mas um tempo lógico.
  9. 9. Devemos também considerar a própria palavra do psicanalista como corte: o discurso do analista manifesta-se na clínica como esse escansão, batimento, interrupção, Intrusão, ruptura, pausa, silêncio, descontinuidade.
  10. 10. O tempo no intervalo entre as sessões sessão a sessão b sessão c sessão d sessão n
  11. 11. O tempo em distintas épocas de um percurso analítico -> fatias de análise (tranches d’analyse)
  12. 12. O dinheiro na análise: duas perspectivas significante objeto
  13. 13. Prosseguiremos com o tema de nosso próximo encontro: Sonhos, chistes e atos falhos: como ouvi-los? Até lá! ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.

×