Filosofia moderna 3 25

434 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
434
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
226
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia moderna 3 25

  1. 1. Filosofia Moderna No período moderno a filosofia passou a ter uma divisão melhor de seu foco de estudo. No início ainda era comum vermos questões no que dizia respeito a provar a existência de Deus e a imortalidade da alma, principalmente em textos de René Descartes e George Berkeley, em suas obras as Meditações e o Tratado, de autoria dos dois, respectivamente. Porém, muitos filósofos deste período pareciam estar usando a filosofia para abrir caminhos que pudessem ajudar a fundamentar algum tipo de concepção, de ideia. Era como se tentassem encontrar uma forma de provar aquilo que tentavam passar. Podemos citar alguns desses filósofos e seus problemas filosóficos como exemplo: Descartes: Buscava conseguir algum fundamento para explicar uma determinada concepção científica; John Locke: Buscava preparar o território para que fosse mais fácil a ciência tomar um rumo e agir de maneira mais direta; Berkeley: Buscava competir com alguma conclusão científica, contrapondo-se aos métodos utilizados pela ciência.
  2. 2. Renascimento O surgimento do Renascimento data do século XIV e utiliza a Europa, mais precisamente a Itália, para a sua iniciação. Este movimento intelectual veio promover uma transformação na organização política e econômica da sociedade da época, ao tempo em que incentivava a recuperação dos valores e modelos da Antiguidade Greco-Romana. Com um ideal baseado no tripé natureza – homem - sociedade, o movimento promoveu notável reflexão do homem sobre seu lugar no mundo.
  3. 3. Ética Ética na filosofia é o estudo dos assuntos morais, do modo de ser e agir dos seres humanos, além dos seus comportamentos e caráter. A ética na filosofia procura descobrir o que motiva cada indivíduo de agir de um determinado jeito, diferencia também o que significa o bom e o mau, e o mal e o bem. A ética na filosofia estuda os valores que regem os relacionamentos interpessoais, como as pessoas se posicionam na vida, e de que maneira elas convivem em harmonia com as demais. O termo ética é oriundo do grego, e significa “aquilo que pertence ao caráter”. A ética diferencia-se de moral, uma vez que, a moral é relacionada a regras e normas, costumes de cada cultura, e a ética é o modo de agir das pessoas.
  4. 4. Política A filosofia política moderna é uma compilação de diversas premissas que vem sendo adotadas pelo sistema político ao longo dos últimos séculos. A maneira de governar está em constante reformulação devido às novas aspirações da sociedade e em alguns casos dos próprios governantes. O objetivo dessas constantes reflexões em relação à efetividade da política visa um ponto de equilíbrio entre os interesses dos governantes e do povo.
  5. 5. Racionalismo A partir da Idade Moderna, o Racionalismo obteve grande crescimento como corrente filosófica e não se pode desvincular essas ideias das aplicações matemáticas. Tradicionalmente, o Racionalismo era definido pelo raciocínio como operação mental, discursiva e lógica para extrair conclusões. As inovações humanas apresentadas com o advento do Renascimento consolidaram o Racionalismo com o acréscimo de elaborações e verificações matemáticas. Para o Racionalismo, tudo tem uma causa inteligível, mesmo que não possa ser demonstrada empiricamente. O Racionalismo foi importante elemento do mundo Moderno para superar o mundo Medieval, pois privilegia a razão em detrimento das experiências do mundo sensível, ou seja, o método mítico como se tinha acesso ao conhecimento durante a Idade Média. Assim, o Racionalismo é baseado na busca da certeza e da demonstração.
  6. 6. Ciência O período de tempo que vai, mais ou menos, da data de publicação da obra de Nicolau Copérnico “Revolutionibus” (1543) até a publicação da obra de Isaac Newton “Philosophia Naturalis Principia Mathematica” (1687), é denominado de “Revolução Científica”. Trata-se de um poderoso movimento de idéias que adquire, no século XVII, as suas características mais expressivas com os pensamentos de Galileu. Pode-se dividir, fundamentalmente, em duas grandes partes as transformações que causaram a Revolução Científica do Séc. XVII, divididas na seguinte maneira: do ponto de vista da cosmologia e do ponto de vista da nova ideia de ciência. Do ponto de vista da cosmologia, é expressiva a demonstração da validade do modelo heliocêntrico, descoberta por Copérnico e empreendida por Galileu; a formulação da noção de um universo infinito, que se inicia com Nicolau de Cusa e Giordano Bruno; e a concepção do movimento dos corpos celestes, principalmente da Terra, em decorrência do modelo heliocêntrico. Do ponto de vista da nova ideia de ciência, teremos a valorização da observação e do método experimental; e a utilização da matemática como linguagem da física, proposta por Galileu sob inspiração platônica e pitagórica. É necessário perceber que o novo modelo de ciência que surge com a Revolução Científica do séc. XVII rompe com a separação antiga entre a ciência(episteme), o saber teórico, e a técnica (techne), o saber aplicado, integrando ciência e técnica e fazendo com que problemas práticos no campo da técnica levem a desenvolvimentos científicos, bem como com que hipóteses teóricas sejam testadas na prática, a partir de sua aplicação na técnica. Com a Revolução Científica abriu-se espaço e caminho para os métodos, as intuições, os modos de pensar e os valores relacionados com o fenômeno que, depois dessa revolução, costumamos chamar de ciência moderna.
  7. 7. Filosofia Moderna Brenda Giane Tainara Turma: 25 MP

×