Dfc demonstracao fluxo caixa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Dfc demonstracao fluxo caixa

em

  • 49,466 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
49,466
Visualizações no SlideShare
49,466
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
5
Downloads
538
Comentários
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Dfc demonstracao fluxo caixa Presentation Transcript

  • 1. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa (caixa, bancos e aplicações imediatas).
  • 2. Métodos da DFC Método direto – Por este método são demonstrados os pagamentos e recebimentos que entraram no Caixa. (disponibilidades)
  • 3. Modelo de DFC DIRETO DFC da _________em __/12/XX: I - Fluxos das Operações: (+) Recebimento de Vendas (-) Pagamento de Compras (-) Pagamentos de impostos (-) Pagamento de Despesas Operacionais (=) Caixa Gerado pelas Operações II - Fluxos dos Investimentos: (-) Aquisição de Investimentos /imobilizado (+) Vendas de Investimentos /imobilizado (=) Caixa Gerado pelos Investimentos III - Fluxos dos Financiamentos: (+) integralização do capital (+) Empréstimos Bancários (-) Amortização de Financiamentos (-) Pagamentos de dividendos (=) Caixa Gerado pelos Financiamentos Variação Total das Disponibilidades: (I + II + III) Saldo Inicial das Disponibilidades: Saldo Final das Disponibilidades:
  • 4. SITUAÇÃO INICIAL ATIVO PASSIVO E PL X6 X7 X6 X7 Circulante Circulante - Caixa 700 - - fornecedores 100 - - Duplicatas a receber 300 - - Empréstimos 500 - - Estoques 500 - - Permanente - Patrimônio Líquido - - Investimentos 100 Capital 1.500 - Imobilizado 1.000 - Lucros acumulados 1000 - - Diferido 500 - - - - - - Total do ativo 3.100 - Total do passivo/PL 3.100 -
  • 5. Fatos em x7 -Receitas de R$ 2000,00, sendo 70% à vista e o restante a prazo - Impostos sobre vendas: R$ 400,00 -CMV : R$ 250,00 - Depreciação: 10% Imobilizado -- Impostos sobre o lucro: R$ 210,00 - Pagamento de outras despesas: R$ 200,00 (à vista ) - Pagamento dos fornecedores e do empréstimo de x6 (em dinheiro) - compra de um terreno: R$ 50,00 (em dinheiro) - Reserva legal 5% e dividendos:400
  • 6. DRE E VARIAÇÃO DO CAIXA DRE CAIXA VENDAS 2000 (-) IMPOSTOS (400) 700 200 1400 100 V. LÍQUIDAS 1.600 500 (-) CMV (250) 50 LUCRO BRUTO 1.350 (-) DESP. OPER. (300) SD 1250 LUC. OPERAC. 1.050 (-) IR/CSLL (210) LUCRO LIQUID. 840
  • 7. ATIVO PASSIVO E PL X6 X7 X6 X7 Circulante Circulante - Caixa 700 1250 fornecedores 100 0 - Duplicatas a Rec. 300 900 Empréstimos 500 0 - Estoques 500 250 Impostos a Rec. 610 Permanente Dividendos a PG 400 - Investimentos 100 150 - Imobilizado 1.000 1000 P. Líquido - Deprec Acum Capital 1.500 1500 (100) - Diferido Lucros acum. 1408 500 500 1.000 Reserva legal 32 Total do ativo 3.100 3950 Total do passivo/PL 3.100 3950
  • 8. DFC MODELO DIRETO DFC em 31/12/07: I - Fluxos das Operações: (+) Recebimento de Vendas 1.400 (-) Pagamento de Compras (100) (-) Pagamento de Despesas Operacionais (200) (=) Caixa Gerado pelas Operações 1.100 II - Fluxos dos Investimentos: (-) Aquisição de novos Investimentos/Imobilizado (50) (=) Caixa Gerado pelos Investimentos (50) III - Fluxos dos Financiamentos: (+) Empréstimos Bancários 0 (-) Amortização de Financiamentos (500) (=) Caixa Gerado pelos Financiamentos (500) Variação Total das Disponibilidades: 550 Saldo Inicial das Disponibilidades: 700 Saldo Final das Disponibilidades: 1.250
  • 9. DFC MÉTODO INDIRETO Para evidenciar os fluxos operacionais no método indireto, partimos do lucro líquido do exercício da DRE, isto é, partimos do resultado econômico da companhia. Após sucessivos ajustes, chegamos ao valor de fluxo gerado pelo caixa, este método também é conhecido como o método da reconciliação.
  • 10. MODELO DFC INDIRETO DFC da _________em __/12/XX: I - Fluxos das Operações: Resultado do Exercício (+) Depreciação (-) aumento das duplicatas a receber (+) Diminuição dos estoques (-) diminuição de fornecedores (-) diminuição de contas a pagar e impostos a recolher (=) Caixa Gerado pelas Operações II - Fluxos dos Investimentos: (-) Aquisição de Investimentos /imobilizado (+) Vendas de Investimentos /imobilizado (=) Caixa Gerado pelos Investimentos III - Fluxos dos Financiamentos: (+) integralização do capital (+) Empréstimos Bancários (-) Amortização de Financiamentos (-) Pagamentos de dividendos (=) Caixa Gerado pelos Financiamentos Variação Total das Disponibilidades: (I + II + III) Saldo Inicial das Disponibilidades: Saldo Final das Disponibilidades:
  • 11. MODELO DFC INDIRETO DFC da _________em __/12/XX: I - Fluxos das Operações: Resultado do Exercício 840 (+) Depreciação 100 (-) aumento das duplicatas a receber (600) (+) Diminuição dos estoques 250 (-) diminuição de fornecedores (100) (+ aumento de contas a pagar e impostos a recolher 610 (=) Caixa Gerado pelas Operações 1.100 II - Fluxos dos Investimentos: (-) Aquisição de Investimentos /imobilizado (50) (+) Vendas de Investimentos /imobilizado (=) Caixa Gerado pelos Investimentos (50) III - Fluxos dos Financiamentos: (+) integralização do capital (+) Empréstimos Bancários (-) Amortização de Financiamentos (500) (-) Pagamentos de dividendos (=) Caixa Gerado pelos Financiamentos (500) Variação Total das Disponibilidades: (I + II + III) 550 Saldo Inicial das Disponibilidades: 700 Saldo Final das Disponibilidades: 1.250
  • 12. Entendendo o método Indireto O método indireto não apresenta diretamente as variações nas disponibilidades (daí o nome indireto),mas efetua a análise por meio das variações corridas nas demais contas do Ativo Circulante e do Passivo Circulante.
  • 13. Resumo das variações do AC e PC Aumento Redução Contas do AC Redução do Caixa (desembolso) Aumento do Caixa (recebimento) Contas do PC Aumento do Caixa (não pagamento) Redução do Caixa (pagamento)
  • 14. CONCLUSÃO A diferença entre o modelo indireto e o modelo direto da DFC está apenas na evidenciação dos fluxos gerados pelas operações. Não há diferença no que diz respeito aos fluxos gerados pelos financiamentos e pelos investimentos