Robert Raikes o fundador da ebd

12.977 visualizações

Publicada em

Estudo na PIB Jovaia

Publicada em: Espiritual, Negócios, Tecnologia
1 comentário
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.977
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
304
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
669
Comentários
1
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Robert Raikes o fundador da ebd

  1. 1. ROBERT RAIKES - O Fundador da EBD em 1780<br />O movimento da escola dominical foi um fenômeno importante na Inglaterra e na América, com implicações tanto religiosas <br />quanto seculares. <br />Aconteceu em um momento de despertamento espiritual <br />que tirou a igreja da letargia<br /> e, provavelmente, contribuiu para poupar a Inglaterra da calamidade de uma revolução violenta.<br />A. Kenneth Curtis, J. Stephen Lang<br /> e RandyPetersen<br />Robert Raikes (1735-1811)<br />
  2. 2. Europa no século XVIII - Inglaterra<br />No século XVIII, a burguesia inglesa era a mais opulenta e poderosa da Europa. Londres havia se transformado no centro financeiro mundial e possuía o sistema bancário mais eficiente do mundo, tendo à frente o Banco da Inglaterra (1694). Estimulou-se o investimento industrial, que resultou na grande revolução tecnológica, base do capitalismo.<br />Um prato cheio para que os capitalistas dominassem diretamente a esfera da produção, organizando-a segundo seus interesses. Empenhados no constante aumento da produtividade, os capitalistas investem na melhoria técnica da produção, que acabou desembocando na sua mecanização. É assim que as máquinas converteram se no principal meio de produção.<br />Diferentemente dos meios tradicionais de produção  como a ferramenta, a máquina subordinava o trabalhador a ela, transformando-o num simples apêndice. <br />Por outro lado, a crescente complexidade das máquinas e o seu alto custo foram tornando os meios de produção inacessíveis ao homem comum e a concentração dos meios de produção nas mãos de uma minoria de capitalistas.<br />
  3. 3. Problemas: Cadeias superlotadas<br />Raikes preocupava-se com a reforma do sistema prisional.<br />Entendia que o crime em parte era devido: <br />ao status social e a falta de educação.<br />Como editor, de mente liberal, do GloucesterJournal,<br /> percebia o ciclo de pobreza e de criminalidade. <br />As pessoas eram jogadas na cadeia por não pagarem suas dívidas, <br />e, quando saíam, não havia trabalho disponível para elas. <br />Assim, lançavam mão do crime. Por vários anos, Raikes tentou trabalhar <br />com alguns ex-prisioneiros para ajudá-los a romper o ciclo<br />— esforço que não resultou em benefício algum.<br />
  4. 4. Solução: Tirar as crianças das ruas e ensiná-las<br />
  5. 5. Moinhos Ingleses em Gloucestershire -UK<br />A primeira escola foi concebida para proporcionar às crianças<br />a oportunidade de aprender a ler (a Bíblia) em um momento quando a maioria trabalhava durante seis dias por semana. <br />Foi inaugurada em junho de 1780. <br />As aulas era ministradas em cozinhas residenciais<br />que eram adaptadas como sala de aula.<br />Moinho no Castelo de Warwick<br />Moinho de Hartpury<br />
  6. 6. Lançando a semente<br />Ao plantar essa semente Raikes deu um grande passo<br /> para a transformação do ensino. <br />
  7. 7. Frutos: “Querer aprender”<br /> A sra. Meredith atendendo ao pedido gentil de um editor de jornais chamado Robert Raikes, recebeu um grupo de crianças de rua na cozinha de sua casa em SootyAlley. Ele inclusive pagava àquela mulher um xelim por domingo para que ensinasse crianças maltrapilhas a ler e a recitar versículos da Bíblia. <br /> A escola dominical foi transferida para a cozinha da sra. King, onde MayCrithcley ensinava as crianças das dez ao meio-dia e de uma às cinco da tarde. <br />Raikes exigia que as crianças freqüentassem essas reuniões com as mãos lavadas e o cabelo penteado. <br /> Não demorou muito, e as crianças passaram a querer aprender. Em pouco tempo, noventa crianças freqüentavam a escola dominical a cada semana. Aos poucos, elas aprendiam a ler.<br />Ele sentia que o problema era a ignorância. As crianças pobres nunca tinham chance de freqüentar uma escola — elas precisavam trabalhar para ajudar no sustento de suas famílias. Como resultado, jamais conseguiam sair da pobreza. Porém, se pudessem aprender as coisas básicas — ler e escrever, aritmética e moral bíblica — no dia de folga que havia, poderiam mudar tudo isso algum dia.<br />
  8. 8. Apoio ao Movimento da EBD<br />Cristãos notáveis apoiaram a idéia. John Wesley a amava, e os grupos wesleyanos começaram a usá-la. <br />A popular escritora Hannah More ensinava religião e costura para as meninas de Cheddar. <br />Um mercador de Londres chamado William Fox estava desenvolvendo uma idéia similar, mas decidiu apoiar o projeto de Raikes. Em 1785, Fox fundou, nos diferentes condados da Inglaterra, a Sociedade para o Apoio e Encorajamento das Escolas Dominicais.<br />Até mesmo a rainha Charlotte endossou as escolas dominicais. Ela convocou Raikes para uma audiência particular e, mais tarde, emprestou seu nome para um empreendimento de levantamento de fundos que Fox fundara.<br />
  9. 9. Oposição ao Movimento da EBD <br />A fama também trouxe a oposição dos conservadores, que tinham receio de que os comerciantes quebrassem o mandamento do descanso por temerem a perda de negócios no domingo. <br /> Os líderes religiosos e o bispo de Cantebury, reuniram-se para decidir o fim da EBD<br />Alguns amigos caçoavam de Raikes, chamando-o de "Bobby Ganso e seu bando de esfarrapados".<br />Catedral de Canterbury, Inglaterra, centro mundial do Anglicanismo<br />
  10. 10. DADOS QUALITATIVOS:A contribuição do Movimento da EBD<br />Plantou as sementes da educação pública e revolucionou a educação religiosa<br /> O historiador John Richards Green afirmou: <br /> “As Escolas Dominicais fundadas pelo Sr. Raikes, no final do século XVIII, originaram o estabelecimento da educação pública particular.”<br /> No final do século XIX, o movimento da EBD já fornecera à igreja um grande número de novos hinos.<br /> Os maiores frutos, no entanto, são as incontáveis vidas jovens que foram tocadas pela simples interação e instrução das Escolas Dominicais.<br /> Houve épocas em que um aluno assíduo da Escola Dominical conhecia mais das escrituras do que um sacerdote católico.<br />
  11. 11. DADOS QUANTITATIVOS:A EBD – início em 1780<br />1787 – 250 mil crianças na Inglaterra<br /> Após 50 anos – 1,5 milhão – Mundo inteiro e cerca de 160 mil professores.<br /> Manchester em 1835 – 120 professores, 117 dos quais foram estudantes de EBD<br /> 1792 – Não houve um só caso julgado pela comarca de Gloucester, sendo que antes da EBD, a média era de 50 a 100 réus em cada julgamento.<br /> Fonte: Revista Vida Cristã nº 183<br /> “Estima-se que, atualmente, existam dois milhões de EBD’s em todo o mundo, com 120 milhões de alunos aproximadamente, e oito milhões de professores.” Fonte: http://pibdiv.org/ebd.htm<br />
  12. 12. Monumento – em Londres 1930.<br />
  13. 13. Homenagem ao fundador da EBD<br />
  14. 14. A EBD no Brasil – 1836 ou 1855 ?<br /> A Igreja Metodista trouxe a Escola Dominical para o Brasil. Em 1836, o Rev. JustinSpaulding organizou no Rio de Janeiro, entre estrangeiros, uma congregação com cerca de 40 pessoas e em junho abriu uma Escola Dominical com 30 alunos, dos quais alguns eram brasileiros, ensinados na sua própria língua.<br /> A Escola Dominical com as crianças, teve seu início entre nós em 19 de agosto de 1855 na cidade de Petrópolis-RJ com a presença de cinco crianças. O fundador foi o casal missionário, Robert e Sarah Kalley, da Igreja Congregacional.<br /> 1871 – Fundação da PIB Santa Barbara d’Oeste .<br /> 1882 – Fundação da PIB Salvador.<br />
  15. 15. Honra e Glória ao Senhor Jesus<br /> Toda honra e toda glória <br />deve ser dada ao <br />Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, <br />que através da História da humanidade, <br />sempre levantou pessoas determinadas <br />e usou-as conforme o seu querer, <br />para o crescimento <br />do Reino de Deus aqui na terra.<br />Permita Deus te usar nos projetos divinos.<br />Vamos louvar! - Usa-me.<br />
  16. 16. Confiando em Deus e lançando a semente!<br />Eclesiastes 11:1-6<br />LANÇA o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.<br />Reparte com sete, e ainda até com oito, porque não sabes que mal haverá sobre a terra.<br />Estando as nuvens cheias, derramam a chuva sobre a terra, e caindo a árvore para o sul, ou para o norte, no lugar em que a árvore cair ali ficará.<br />Quem observa o vento, nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará.<br />Assim como tu não sabes qual o caminho do vento, nem como se formam os ossos no ventre da mulher grávida, assim também não sabes as obras de Deus, que faz todas as coisas.<br />Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão igualmente boas.<br />

×