Atendente de clinica odontológica

2.610 visualizações

Publicada em

Noções sobre atendimento em clinica odontologica

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.610
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
131
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atendente de clinica odontológica

  1. 1. ATENDENTE DE CLINICA ODONTOLÓGICA Enf.: Sheilla de Lima Sandes
  2. 2. Pela resolução CFO – 155 de agosto de 1984 houve a regulamentação do Curso de Atendente de Consultório Dentário, juntamente com o Técnico em Higiene Dental. Pela resolução, o Atendente é o profissional qualificado em nível de 2º grau que, sob a supervisão do Dentista ou do Técnico em Higiene Dental, executa tarefas auxiliares no tratamento odontológico.
  3. 3. FUNÇÕES DO ATENDENTE  Orientar os pacientes sobre higiene bucal;  Marcar consultas;  Preencher e anotar fichas clínicas;  Manter em ordem o fichário;  Controlar movimento financeiro;  Revelar e montar radiografias intra – orais;
  4. 4.  Preparar o paciente para o atendimento;  Auxiliar no atendimento;  Instrumentar o cirurgião – dentista e o Técnico em Higiene Dental junto à cadeira operatória;  Promover isolamento relativo;  Manipular materiais restauradores;  Selecionar moldeiras;  Confeccionar modelos de gesso.
  5. 5. É PROIBIDO AO ATENDENTE:  Exercer atividade de forma autônoma;  Prestar assistência, direta ou indiretamente a pacientes, sem a indispensável supervisão do cirurgião – dentista ou do Técnico de Higiene Dental;  Realizar, na cavidade bucal do paciente, procedimentos não discriminados nas funções acima;  Fazer propaganda de seus serviços, mesmo em revistas, jornais ou folhetos especializados da área odontológica.
  6. 6. VOCÊS DEVEM TER ATENÇÃO: Noções de Agendamento Escrever na Hora Controle de Estoque
  7. 7. NO CONTROLE DE ESTOQUE, O QUE NÃO PODE FALTAR?  Luvas de procedimento;  Luvas estéreis;  Mascaras;  Gorro e sapatilhas;  Sugador;  Sabonete liquido;  Desincrostante;  Bactericida;  Revelador e fixador;
  8. 8. NO CONTROLE DE ESTOQUE, O QUE NÃO PODE FALTAR?  Papel toalha  Fio dental;  Rolinhos de algodão;  Fita de autoclave;  Água destilada;  Dique de borracha;  São materiais de maior consumo e sempre acabam no final do mês:  Remédios;  Liquido e pó para cimentação;  Resina fotopolimerizavél;  Instrumentais para reposição;
  9. 9. COMO DEVO AUXILIAR O DENTISTA?  Antes de cada atendimento, perguntar para o dentista qual o procedimento realizará no paciente.  Separar os instrumentos necessários e colocá-los sobre a mesa.  Chamar o paciente, levá-lo até a sala e colocar o babador.  A atenção do ACD deve estar voltada para o  dentista, devido que, quando o mesmo necessita de um instrumento, o ACD deve entregá-lo com aponta voltada para si, como tesoura, espátula, a argola deve estar ao alcance do dentista, para assim agilizar o atendimento.
  10. 10. ESTERILIZANDO OS MATERIAIS  Os instrumentais sujos devem ser colocados no Desincrostante ou germicidas e deixar agir por alguns minutos.  Depois lavar com sabão, esponja grossa e em alguns casos com escova. Após a limpeza secar e embalar em papel Kraft ou embalagem própria de esterilização que são fechados com selador.  Todos depois de embalados devem ter data e nome.  Para agilizar alguns instrumentais podem ser embalados e esterilizados juntos
  11. 11. O QUE É O DENTE? Estrutura dura, saliente e esbranquiçada composta por polpa, dentina e esmalte que é implantada no maxilar e na mandíbula.
  12. 12. PARTES DO DENTE
  13. 13. DENTIÇÃO HUMANA  Um humano adulto tem normalmente 32 dentes: Divididos em:  Quatro incisivos, localizados à frente, cortam pedaços de comida não muito duros.  Junto deles, estão os dois caninos, um de cada lado (sendo quatro no total). Por serem pontiagudos, servem para dilacerar e perfurar.  Os incisivos e os caninos preparam uma quantidade de alimento para serem deglutidos.  Os quatro pré-molares e os seis molares cumprem as funções de cortar, esmagar e triturar.
  14. 14. DENTIÇÃO INFANTIL  Entre os seis meses e os três anos, toda a dentição humana temporária, também chamada "de leite" ou decídua, está formada. É composta por 20 dentes, 10 na mandíbula e 10 na maxila, e é trocada dos seis aos onze anos. O último a cair é o segundo molar decíduo. O siso - o terceiro molar - costuma aparecer aos 21 anos; por isso ficou conhecido como "dente do juízo".
  15. 15. CUIDADOS COM OS DENTES
  16. 16.  Quando pensamos em higiene bucal, normalmente, nos vem à mente escovar os dentes apenas, mas cuidar da nossa saúde bucal vai além disso. O consumo de qualquer tipo de alimento contribui para a proliferação de bactérias dentro da boca, então os resíduos alimentares precisam sempre ser retirados após as refeições. Isso deve ser feito em todas as fases da vida, inclusive ainda quando bebê, mesmo que a criança não tenha dentes.
  17. 17. O QUE É A CÁRIE?  A cárie é uma doença infecto-contagiosa multifatorial que resulta em destruição e perda dos dentes se não tratada a tempo e de forma adequada. Esta doença é provocada por bactérias que estão constantemente em nossas bocas, no entanto estas bactérias precisam interagir com outros fatores para que a doença cárie se desenvolva.
  18. 18. O QUE É A CÁRIE?
  19. 19. NOÇÕES DE MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS
  20. 20.  A manutenção adequada do equipamento é necessária e importante, pois, além de minimizar os custos operacionais, auxiliará a reduzir falhas no equipamento que poderão ser evitadas somente com cuidados de manutenção.  Os ambientes de trabalho dos dentistas podem ser diferenciados em vários aspectos, porém basicamente são compostos por:
  21. 21.  Cadeira Odontológica: É um equipamento de suma importância para o paciente e o profissional, possui comando de pé para acionamento de todos os movimentos do assento e encosto, inclusive movimentos automáticos, baixo nível de ruído e conforto do paciente conduzem o profissional ao desenvolvimento agradável do seu trabalho.
  22. 22. REFLETOR ODONTOLÓGICO: A qualidade da luz deve ser similar à luz do dia, não provocando distorção ou dúvidas na seleção de cores dos dentes e materiais utilizados, iluminação sem sombras e mesmo em trabalhos mais prolongados, a luz não deve produzir calor acima do limite permitido. UNIDADE AUXILIAR: Este é um equipamento de apoio ao cirurgião – dentista, possibilitando ao paciente, cuspir durante o tratamento. O ato de cuspir está reduzindo e com isso o uso da unidade auxiliar está também diminuindo, sendo substituída pela sucção de alta potência
  23. 23. O mocho é de fundamental importância para o dentista que necessita estar adequadamente sentado. A postura profissional correta evitará problemas de coluna, circulatório e outros. APARELHO DE RAIO-X: Destina – se a tomada radiográfica periapical, e pode ser: •Coluna móvel (analógico ou digital) ou parede (analógico ou digital).
  24. 24. Um compressor adequado deve atuar com sistema de compressão a seco, não produzindo assim ar impregnado de óleo como os compressores convencionais utilizados em borracharias e outros serviços. A função do filtro de ar é depositar as partículas sólidas e condensar a umidade ainda restante, enviando ar totalmente filtrado para o equipamento e peças de mão, contribuindo para uma maior durabilidade dos equipamentos.
  25. 25. AUTOCLAVE: É um equipamento que foi projetado para esterilizar instrumentos e outros materiais soltos ou empacotados. ESTUFA: É um equipamento utilizado para esterilização a calor a seco.
  26. 26. Jato e ultrassom com reservatório especifico para líquido de irrigação e função para endodontia (analógico e digital). O amalgamador é um aparelho destinado à preparação do amálgama (liga de limalha e mercúrio) utilizado para restaurações posteriores.
  27. 27. O QUE É ENDODONTIA?
  28. 28.  É a especialidade da odontologia que cuida principalmente das dores causadas pela inflamação da polpa dental, que é um tecido com vasos sangüíneos e nervos localizados no interior do dente. As causas da doença pulpar são conhecidas e sempre estão associadas à presença de bactérias no interior do canal.  O papel do endodontista, durante o tratamento, é conseguir aplicar meios capazes de eliminar a bactérias por meio da associação de substâncias químicas antimicrobianas e da limpeza adequada das paredes internas do canal.
  29. 29.  Alguns sinais como a presença de escurecimento da coroa do dente, presença de dor, aparecimento de fístulas ou inchaços na gengiva com secreção podem ser indícios de que a polpa dental está doente ou morta. Se eles persistirem, após o tratamento do canal, é sinal de que a terapia não funcionou.
  30. 30. ÓTIMO DOMINGO E ATÉ A PRÓXIMA AULA!!!

×