SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
1960 - Lawrence F.
Andrews - American
Board of Orthodontics
.
Exame de modelos
após tratamento para
checar o “nível” da
ortodontia em termos
de oclusão estática.
Sem intenção de
desenvolver um novo
aparelho.
1964 - Levou-se 4 anos para
reunir 120 modelos com
oclusões ótimas.
Requisitos:
 Nunca sujeitos a tratamento
ortodôntico
 Bem alinhados e com boa
aparência anatômica
 Parecem ter oclusão excelente
 Não se beneficiariam com o
tratamento ortodôntico
Após, surgem as 6 chaves da
oclusão normal
Straight Wire – O conceito e o aparelho – L.
Andrews - pg 9
 Em 1974, através da criteriosa análise dos seus 2
últimos trabalhos, Lawrence Andrews cria o primeiro
aparelho totalmente pré-programado da história da
Ortodontia.
CHAVE I- Relação molar
a- cúspide mésio vestibular do 1º MS permanente
oclui no sulco entre as cúspides vestibulares mesial
e mediana do 1º MI permanente. (ANGLE)
b- A crista marginal distal do 1º MS oclui na crista
marginal mesial do 2º MI.
c- A cúspide mesio palatina do 1º MS oclui na fossa
central do 1º MI
CHAVE II - Angulação da coroa (“inclinação”
mesio-distal)
É o ângulo formado pelo EVCC e uma linha
perpendicular ao plano oclusal.
Eixo vestibular da coroa clínica (EVCC)
Para todos os dentes exceto os molares, é a porção
mais proeminente do lóbulo central em cada
superfície vestibular da coroa
Para os molares, é o sulco vestibular que separa
as duas grandes cúspides vestibulares
.
Angulação + Quando a porção cervical da
coroa está distal à porção oclusal ou incisal.
Angulação - Ocorre ao contrário da anterior
Os dentes anteriores são retangulares.
Seu grau de angulação determina a
quantidade de espaço mesio-distal
consumida por eles.
A angulação correta
da coroa varia para cada
grupo de dentes !!!
É determinada pelo ângulo
resultante entre:
 uma perpendicular ao plano
oclusal
 uma tangente ao meio da
superfície labial ou vestibular
da coroa clínica
CHAVE III - Inclinação da coroa (inclinação vestíbulo-
lingual ou lábio-lingual)
Inclinação + Quando a porção cervical da coroa está
para lingual à porção oclusal ou incisal.
Inclinação - Ocorre ao contrário da anterior.
A - DENTES ANTERIORES
A-1 Superiores (IC e IL)
Como norma geral a porção cervical do longo eixo da coroa
dos incisivos superiores inclina-se para lingual em relação à
superfície incisal .
( POSITIVO)
A-2 Inferiores ( IC e IL)
Estão levemente inclinados para lingual.
(NEGATIVO)
B- DENTES POSTERIORES
B-1 Superiores
Medidos do sulco (não da proeminência
vestibular como nos anteriores).
A porção cervical do longo eixo da coroa inclina-
se para vestibular em relação à porção oclusal
( NEGATIVO).
Do canino para os molares, a inclinação negativa
aumenta progressivamente.
B-2 Inferiores
A inclinação lingual aumenta progressivamente
de canino para o 2º MI, e é maior que no arco
superior.
Com o aumento da inclinação lingual da porção cervical das coroas
ântero-superiores, os pontos de contato dos dentes posteriores
movem-se distalmente favorecendo uma oclusão mais satisfatória.
As coroas dos dentes póstero-superiores estão à frente de suas posições normais
quando as coroas dos ântero-superiores apresentam inclinação insuficiente.
A inclinação dos IS e II são complementares, e
influem significantemente na:
Sobremordida
Oclusão correta dos dentes posteriores
CHAVE IV - Rotações
Para a oclusão normal, os dentes não devem
apresentar rotações indesejáveis.
 Dentes posteriores rotados - representa ganho de
espaço no arco
 Dentes anteriores rotados - representa perda de
espaço no arco
CHAVE V - Contatos interproximais cerrados
Na ausência de discrepâncias dentárias, os
contatos deverão ser “justos”.
As discrepâncias dentárias acentuadas deverão ser
corrigidas proteticamente.
CHAVE VI - Curva de Spee
Em modelos normais não tratados
ortodonticamente a curva de Spee variou de um
plano a uma curva moderada.
A maior profundidade encontrada foi de 1,5 mm,
embora uma melhor intercuspidação é obtida
quando ela está praticamente ausente.
a - curva de Spee muito acentuada resulta em
uma área mais restrita para os dentes superiores ,
inclinando-os progressivamente mesial e
distalmente.
b - curva de Spee moderada é mais receptiva à
oclusão normal.
c - a reversão da curva de Spee permite espaço
demasiado para os dentes superiores .
MÉDIA DE PROFUNDIDADE 0 – 2,5mm
ANDREWS – PROFUNDIDADE IDEAL 1,5mm
E quando não é possível conquistar as
6 chaves de oclusão?
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews
As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesedmarchristovam
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalItalo Gabriel
 
Características estáticas e dinâmicas da oclusão normal
Características estáticas e dinâmicas da oclusão normalCaracterísticas estáticas e dinâmicas da oclusão normal
Características estáticas e dinâmicas da oclusão normalMarcelo Henrique Alves Ferreira
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIARayssa Mendonça
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoGracieleSonobe1
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidadesprofguilhermeterra
 
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosNomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosLucas Almeida Sá
 
Preparo dental de Coroas Metalo Cerâmicas
Preparo dental de Coroas Metalo CerâmicasPreparo dental de Coroas Metalo Cerâmicas
Preparo dental de Coroas Metalo CerâmicasClinica Odonto Espaço
 
Conceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontiaConceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontiaClodoaldo Lopes
 
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitaçõesOclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitaçõesFabio Robles
 
Oclusão dentária protec 2013
Oclusão dentária   protec 2013Oclusão dentária   protec 2013
Oclusão dentária protec 2013caiqueacm
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelCamilla Bringel
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelRhuan
 

Mais procurados (20)

APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusões
 
A oclusão normal
A oclusão normalA oclusão normal
A oclusão normal
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 
Aula desenvolvimento da oclusa opdf
Aula desenvolvimento da oclusa opdfAula desenvolvimento da oclusa opdf
Aula desenvolvimento da oclusa opdf
 
Características estáticas e dinâmicas da oclusão normal
Características estáticas e dinâmicas da oclusão normalCaracterísticas estáticas e dinâmicas da oclusão normal
Características estáticas e dinâmicas da oclusão normal
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunosNomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
Nomenclatura e classificação das cavidades 2010 2 alunos
 
Preparo dental de Coroas Metalo Cerâmicas
Preparo dental de Coroas Metalo CerâmicasPreparo dental de Coroas Metalo Cerâmicas
Preparo dental de Coroas Metalo Cerâmicas
 
Conceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontiaConceitos basicos em ortodontia
Conceitos basicos em ortodontia
 
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitaçõesOclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Oclusão dentária protec 2013
Oclusão dentária   protec 2013Oclusão dentária   protec 2013
Oclusão dentária protec 2013
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese Total
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
Moldagem inicial
Moldagem inicialMoldagem inicial
Moldagem inicial
 
Classificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removívelClassificacão da protese parcial removível
Classificacão da protese parcial removível
 

Semelhante a As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews

RESUMO AULA - A oclusão normal pdf
RESUMO AULA - A oclusão normal pdfRESUMO AULA - A oclusão normal pdf
RESUMO AULA - A oclusão normal pdfedmarchristovam
 
Resumo aula - A oclusão normal pdf
Resumo aula - A oclusão normal pdfResumo aula - A oclusão normal pdf
Resumo aula - A oclusão normal pdfedmarchristovam
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalPrincípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalprofguilhermeterra
 
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Guilherme Terra
 
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Guilherme Terra
 
1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf
1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf
1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdfEdwinCardoso3
 
Movimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese TotalMovimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)
Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)
Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)Vinicius Laranjeira
 
RESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICA
RESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICARESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICA
RESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICAodontologiainforma
 

Semelhante a As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews (20)

A oclusão normal pdf
A oclusão normal pdfA oclusão normal pdf
A oclusão normal pdf
 
A oclusão normal pdf
A oclusão normal pdfA oclusão normal pdf
A oclusão normal pdf
 
A oclusão normal pdf
A oclusão normal pdfA oclusão normal pdf
A oclusão normal pdf
 
RESUMO AULA - A oclusão normal pdf
RESUMO AULA - A oclusão normal pdfRESUMO AULA - A oclusão normal pdf
RESUMO AULA - A oclusão normal pdf
 
Resumo aula - A oclusão normal pdf
Resumo aula - A oclusão normal pdfResumo aula - A oclusão normal pdf
Resumo aula - A oclusão normal pdf
 
A oclusão normal pdf
A oclusão normal pdfA oclusão normal pdf
A oclusão normal pdf
 
INTRODUÇÃO A OCLUSÃO.pdf
INTRODUÇÃO A OCLUSÃO.pdfINTRODUÇÃO A OCLUSÃO.pdf
INTRODUÇÃO A OCLUSÃO.pdf
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 
Oclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusalOclusão e ajuste oclusal
Oclusão e ajuste oclusal
 
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusalPrincípios de Oclusao e ajuste oclusal
Princípios de Oclusao e ajuste oclusal
 
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusalPrincípios de oclusão e ajuste oclusal
Princípios de oclusão e ajuste oclusal
 
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
 
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
Oclusão e ajuste oclusal 2012 1
 
1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf
1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf
1CLASSIFICAÇÃO-ANGLE-E-LISCHER-e-06-chaves-13_3191_.pdf
 
Aula anatomia dental
Aula anatomia dentalAula anatomia dental
Aula anatomia dental
 
Desoclusão
DesoclusãoDesoclusão
Desoclusão
 
Movimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese TotalMovimentos mandibulares em Prótese Total
Movimentos mandibulares em Prótese Total
 
Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)
Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)
Seminário edgewise mestrado 2013 vinicius-mayara (2)
 
Oclusão.pptx
Oclusão.pptxOclusão.pptx
Oclusão.pptx
 
RESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICA
RESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICARESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICA
RESUMO DENTISTICA- PRINCÍPIOS GERAIS DE DENTÍSTICA
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

As 6 chaves da oclusão normal de Lawrence F. Andrews

  • 1.
  • 2.
  • 3. 1960 - Lawrence F. Andrews - American Board of Orthodontics . Exame de modelos após tratamento para checar o “nível” da ortodontia em termos de oclusão estática. Sem intenção de desenvolver um novo aparelho.
  • 4.
  • 5. 1964 - Levou-se 4 anos para reunir 120 modelos com oclusões ótimas. Requisitos:  Nunca sujeitos a tratamento ortodôntico  Bem alinhados e com boa aparência anatômica  Parecem ter oclusão excelente  Não se beneficiariam com o tratamento ortodôntico Após, surgem as 6 chaves da oclusão normal
  • 6. Straight Wire – O conceito e o aparelho – L. Andrews - pg 9
  • 7.  Em 1974, através da criteriosa análise dos seus 2 últimos trabalhos, Lawrence Andrews cria o primeiro aparelho totalmente pré-programado da história da Ortodontia.
  • 8. CHAVE I- Relação molar a- cúspide mésio vestibular do 1º MS permanente oclui no sulco entre as cúspides vestibulares mesial e mediana do 1º MI permanente. (ANGLE)
  • 9.
  • 10.
  • 11. b- A crista marginal distal do 1º MS oclui na crista marginal mesial do 2º MI.
  • 12.
  • 13.
  • 14. c- A cúspide mesio palatina do 1º MS oclui na fossa central do 1º MI
  • 15.
  • 16. CHAVE II - Angulação da coroa (“inclinação” mesio-distal) É o ângulo formado pelo EVCC e uma linha perpendicular ao plano oclusal.
  • 17. Eixo vestibular da coroa clínica (EVCC) Para todos os dentes exceto os molares, é a porção mais proeminente do lóbulo central em cada superfície vestibular da coroa Para os molares, é o sulco vestibular que separa as duas grandes cúspides vestibulares
  • 18. .
  • 19. Angulação + Quando a porção cervical da coroa está distal à porção oclusal ou incisal. Angulação - Ocorre ao contrário da anterior
  • 20.
  • 21. Os dentes anteriores são retangulares. Seu grau de angulação determina a quantidade de espaço mesio-distal consumida por eles.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. A angulação correta da coroa varia para cada grupo de dentes !!!
  • 27.
  • 28. É determinada pelo ângulo resultante entre:  uma perpendicular ao plano oclusal  uma tangente ao meio da superfície labial ou vestibular da coroa clínica CHAVE III - Inclinação da coroa (inclinação vestíbulo- lingual ou lábio-lingual)
  • 29. Inclinação + Quando a porção cervical da coroa está para lingual à porção oclusal ou incisal. Inclinação - Ocorre ao contrário da anterior.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. A - DENTES ANTERIORES A-1 Superiores (IC e IL) Como norma geral a porção cervical do longo eixo da coroa dos incisivos superiores inclina-se para lingual em relação à superfície incisal . ( POSITIVO) A-2 Inferiores ( IC e IL) Estão levemente inclinados para lingual. (NEGATIVO)
  • 34. B- DENTES POSTERIORES B-1 Superiores Medidos do sulco (não da proeminência vestibular como nos anteriores). A porção cervical do longo eixo da coroa inclina- se para vestibular em relação à porção oclusal ( NEGATIVO). Do canino para os molares, a inclinação negativa aumenta progressivamente.
  • 35. B-2 Inferiores A inclinação lingual aumenta progressivamente de canino para o 2º MI, e é maior que no arco superior.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. Com o aumento da inclinação lingual da porção cervical das coroas ântero-superiores, os pontos de contato dos dentes posteriores movem-se distalmente favorecendo uma oclusão mais satisfatória.
  • 40. As coroas dos dentes póstero-superiores estão à frente de suas posições normais quando as coroas dos ântero-superiores apresentam inclinação insuficiente.
  • 41. A inclinação dos IS e II são complementares, e influem significantemente na: Sobremordida Oclusão correta dos dentes posteriores
  • 42. CHAVE IV - Rotações Para a oclusão normal, os dentes não devem apresentar rotações indesejáveis.  Dentes posteriores rotados - representa ganho de espaço no arco  Dentes anteriores rotados - representa perda de espaço no arco
  • 43.
  • 44. CHAVE V - Contatos interproximais cerrados Na ausência de discrepâncias dentárias, os contatos deverão ser “justos”. As discrepâncias dentárias acentuadas deverão ser corrigidas proteticamente.
  • 45.
  • 46. CHAVE VI - Curva de Spee Em modelos normais não tratados ortodonticamente a curva de Spee variou de um plano a uma curva moderada. A maior profundidade encontrada foi de 1,5 mm, embora uma melhor intercuspidação é obtida quando ela está praticamente ausente.
  • 47. a - curva de Spee muito acentuada resulta em uma área mais restrita para os dentes superiores , inclinando-os progressivamente mesial e distalmente. b - curva de Spee moderada é mais receptiva à oclusão normal. c - a reversão da curva de Spee permite espaço demasiado para os dentes superiores .
  • 48. MÉDIA DE PROFUNDIDADE 0 – 2,5mm ANDREWS – PROFUNDIDADE IDEAL 1,5mm
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63. E quando não é possível conquistar as 6 chaves de oclusão?