CRP0357-2014-13

581 visualizações

Publicada em

Aula 13 de Produção Gráfica: Gestalt, seção áurea, proporções e grids.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
581
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
197
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CRP0357-2014-13

  1. 1. CRP-0357 Produção Gráfica
  2. 2. Aula 11 Gestalt, grids e seção Áurea
  3. 3. Art Nouveau, 1890-1910 Inspirado por formas da natureza e linhas curvas.
  4. 4. Racionalismo: Bauhaus, 1919 A forma segue a função. Menos é mais.
  5. 5. Art Deco, 1920-1940 Uma mistureba danada.
  6. 6. Percepção: Gestalt, 1920 Organização entre elementos.
 Figuras fortes são estáveis.
  7. 7. Psicologia Gestalt
 (gestalt é FORMA em alemão) • A mente absorve um todo, com tendências de auto-organização. • Primeiro consideramos objetos por inteiro, depois identificamos partes. O conjunto é diferente da soma das suas partes. • A psicologia Gestalt busca entender os princípios da capacidade de adquirir e manter percepções significativas em um mundo caótico. • Para a Gestalt, percepções são produtos de interações complexas entre vários estímulos. O efeito gestalt é a capacidade do cérebro de gerar padrões a partir de elementos independentes.
  8. 8. Percepção: Gestalt • Figuras fortes são estáveis – certas figuras são mais resistentes e estáveis. São formas neutras, normalmente simples, regulares, simétricas e fechadas, com um contorno regular e visível. • Organização entre elementos – por sua arrumação e hierarquia: “parabéns a você,I Feel Good”.Assim que reconhecemos cadeiras dos materiais mais estranhos. CAPTCHA funciona assim.
  9. 9. EMERGÊNCIA O objeto aparece por inteiro,
 depois identificamos suas partes.
  10. 10. EMERGÊNCIA O rosto aparece inteiro, daí identificamos suas partes. ! Ao contrário de um texto escrito, não se vê pedaços da imagem aos poucos compondo o todo.
  11. 11. REIFICAÇÃO A forma é construída pelos espaços vazios.
  12. 12. REIFICAÇÃO O rosto é construído pelos traços que se formam nos espaços entre as linhas e letras (repare a franja). ! Espaços vazios dão suporte para os outros elementos.
  13. 13. PERCEPÇÃO MULTI-ESTÁVEL A percepção oscila entre formas ambíguas,
 permitindo várias interpretações. Pense nos quadros do M. C. Escher.
  14. 14. PERCEPÇÃO MULTI-ESTÁVEL A visão “não para”
 em um lugar. Todos os lugares são interessantes: o rosto, o nome, o fundo. ! Espaços vazios dão suporte para os outros elementos. Isso é interatividade.
  15. 15. INVARIÂNCIA Formas são reconhecidas
 pouco importa seu tamanho, distorção ou escala.
  16. 16. INVARIÂNCIA As letras são reconhecidas
 e podem ser lidas, pouco importa seu tamanho, distorção ou escala. !
  17. 17. FECHAMENTO Tendemos a “completar” a figura,
 ligando áreas similares para fechar espaços próximos.
  18. 18. FECHAMENTO Tendemos a “completar” a figura, ligando as áreas similares para fechar espaços próximos. É fácil ver as bochechas, a língua. ! É o mesmo princípio que permite compreender formas feitas de linhas pontilhadas.
  19. 19. SIMILARIDADE Agrupamos elementos parecidos instintivamente.
  20. 20. SIMILARI- DADE Agrupamos elementos parecidos instintivamente. ! Por mais que você tente evitar, o rosto se destaca do fundo, mesmo sendo da mesma cor.
  21. 21. PROXIMIDADE Elementos próximos
 são considerados partes de um mesmo grupo.
  22. 22. PROXIMIDADE Elementos próximos são considerados partes de um mesmo grupo. ! Por isso os dados do cartaz têm de estar próximos.
  23. 23. SIMETRIA Imagens simétricas são vistas como partes
 de um mesmo grupo, pouco importa sua distância.
  24. 24. SIMETRIA Imagens simétricas são vistas como parte de um mesmo grupo, pouco importa sua distância. ! É o que forma o fundo - e o separa do rosto.
  25. 25. CONTINUIDADE Padrões são vistos como contínuos,
 mesmo que se interrompam.
  26. 26. CONTI- NUIDADE Compreendemos qualquer padrão como contínuo, mesmo que ele se interrompa. ! É o que nos faz ver a “pele” do sr. Brown como algo contínuo, mesmo com todos os “buracos” das letras.
  27. 27. DESTINO COMUM Elementos em uma mesma direção
 são vistos como se estivessem em movimento.
  28. 28. DESTINO COMUM Elementos em uma mesma direção são vistos como se estivessem em movimento. ! Eles formam uma unidade, percebida na “explosão” que acontece no fundo.
  29. 29. GESTALT: EMERGÊNCIA REIFICAÇÃO PERCEPÇÃO MULTI-ESTÁVEL INVARIÂNCIA FECHAMENTO SIMILARIDADE PROXIMIDADE SIMETRIA CONTINUIDADE DESTINO COMUM
  30. 30. GESTALT: • EMERGÊNCIA - o rosto aparece inteiro • REIFICAÇÃO - ele é construído pelos traços formados nos espaços “vazios” • PERCEPÇÃO MULTI-ESTÁVEL - a visão “não para” • INVARIÂNCIA - letras podem ser lidas, mesmo deformadas • FECHAMENTO - “completar” a figura, ligando áreas similares e próximas • SIMILARIDADE - elementos parecidos formam um grupo • PROXIMIDADE - elementos próximos formam um grupo • SIMETRIA - imagens simétricas formam um grupo • CONTINUIDADE - padrões formam contínuos • DESTINO COMUM - elementos na mesma direção parecem ter movimento
  31. 31. Secção áurea Um número “mágico”
  32. 32. phi (φ):
 “mágico” como Pi (π) Pi (π) - a divisão da medida de seu comprimento por seu diâmetro - é uma proporção bastante comum na natureza. Onde há círculo, há π.
  33. 33. Einstein: “não acredito em Deus, mas acredito em φ. Os dois números são irracionais e infinitos.
  34. 34. φ = 1.6180339887… O todo pelo lado maior é igual ao lado maior dividido pelo lado menor. (A+B)/A = A/B = φ
  35. 35. Divisão (secção) Áurea ou Proporção Divina. Só existe um ponto possível: aquele que a divisão resulta em φ, infinitamente.
  36. 36. O Retângulo áureo • É construído usando essa proporção: • O lado maior dividido pelo menor é igual ao perímetro dividido pelo lado maior. • Cada vez que se retira um quadrado de um dos lados, o retângulo que sobra tem as mesmas propriedades. É outro retângulo áureo, em uma progressão infinita.
  37. 37. Sequência
 de Fibonacci Série de números em que o próximo é criado pela soma dos dois números anteriores. Começando com 0 e 1, temos uma sequência de 0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34…
  38. 38. φ e Fibonacci A divisão entre um número e seu anterior está muito próxima da proporção áurea. Quanto mais altos os números,
 mais próxima a proporção. 8/5 = 1,6 e 34/21 = 1,619 etc.
  39. 39. Triângulo áureo Triângulo isósceles em que a proporção
 entre o maior e o menor lados
 correspondem à seção áurea.
  40. 40. Nos acostumamos
 com a proporção áurea. Proporções entre 1:1 e 1:2 são as preferidas por todos, instantaneamente. O número φ é conhecido por poucos, mas objetos que seguem essa proporção costumam dar a impressão de harmonia e familiaridade.
  41. 41. Proporção áurea
 e regra dos terços A regra dos terços é uma aproximação
 da proporção áurea.
  42. 42. HOMEM VITRUVIANO: O corpo “perfeito”.
  43. 43. Proporções
 e o Homem Vitruviano Vitruvius: a construção de um templo
 deveria se basear nas proporções do homem, consideradas divinas. O corpo, com os membros estendidos, deveria caber em duas formas geométricas consideradas perfeitas: o círculo e o quadrado.
  44. 44. Proporções
 do Homem Vitruviano: • Face, do queixo ao topo da testa:
 1/10 da altura do corpo. • Palma da mão, do pulso ao topo do dedo médio: 1/10 da altura do corpo. • Cabeça, do queixo ao topo:
 1/8 da altura do corpo. • Base do pescoço à raiz do cabelo:
 1/6 da altura do corpo. • Meio do peito ao topo da cabeça:
 1/4 da altura do corpo. • Pé: 1/6 da altura do corpo. • Largura do peito:
 1/4 da altura do corpo. • Largura da palma da mão:
 quatro dedos. • Largura dos braços abertos:
 altura do corpo. • Umbigo: centro exato do corpo. • Base do queixo à base das narinas:
 1/3 da face. • Nariz, da base às sobrancelhas:
 1/3 da face. • Orelha: 1/3 da face. • Testa: 1/3 da face.
  45. 45. Grids A estrutura do layout de páginas.
  46. 46. Como estruturar
 elementos em uma página? Processo tradicional: baseado em simetria e na proporção áurea. Processo modernista: baseado nos tons
 de “voz gráfica” do conteúdo.
  47. 47. Processo tradicional Baseado em simetria. 50% da área deveria ser “viva”. Feito de fora para dentro: a forma da página determina a estrutura do conteúdo.
  48. 48. Processo tradicional Monocórdico • Uniforme • Sóbrio • Ritual • Ordenado • Previsível • Linear
  49. 49. Modernismo: A forma segue a função Less is more
  50. 50. Processo modernista: grids Baseado em equilíbrio e contraste. Feito de dentro para fora:
 a estrutura do conteúdo divide a área
 para posicionar os elementos e determinar
 a forma da página.
  51. 51. Processo modernista • Vários “tons de voz” gráfica • Variedade • Informal • Ocasional • Hierarquizado • Surpreendente • Não-linear
  52. 52. Processo modernista • Vários “tons de voz” gráfica • Variedade • Informal • Ocasional • Hierarquizado • Surpreendente • Não-linear
  53. 53. Elementos gráficos: Elemento Tradicional Modernsta Blocos Regulares, simétricos Diferentes tamanhos Equilíbrio Bilateral, uniforme Assimétrico Tipografia Serifa clássica, humanista, didone Serifa moderna,
 sans-serif, script Estrutura Rígida, pouco variável Flexível, varia com o tom Texto Principal Importante,
 mas não essencial Contraste Pequeno Variável
  54. 54. Grid: 1. Formato da página 2. Elementos a dispor 3. Tom do discurso 4. Hierarquia dos elementos
  55. 55. Unidade básica: É a linha, não o ponto nem o centímetro.
  56. 56. Texto: o mais importante É nele em que o leitor passará mais tempo. A composição de design gráfico deve valorizá-lo.
  57. 57. Entrelinha = pauta Ela marca as linhas onde o texto se apoiará.
  58. 58. Projeto gráfico: • Formato da página • Definição da entrelinha • Margens • Colunas e Blocos -
 definidos em múltiplos da entrelinha
  59. 59. O texto é medido em pontos, não frações de milímetros. Você deve primeiro propor uma entrelinha. Depois dividir o número de pontos da página
 pelo tamanho da entrelinha
 para chegar ao número de linhas (ln). O resto horizontal é acomodado na margem interna; o vertical, na inferior.
  60. 60. Página A4: 210 x 297 mm 595,276 x 841,89 pontos • Linhas de 13 pontos: 
 45 linhas + 10,276pt x 64 linhas + 9,89pt • Linhas de 15 pontos:
 39 linhas + 10,276pt x 56 linhas + 1,89pt • Linhas de 20 pontos:
 29 linhas + 15,276pt x 42 linhas + 1,89pt
  61. 61. Grids: considerações • Definição inicial: arbitrária. • Contraste • Concordância • Conflito • Contraste
  62. 62. FIMpg.eca.luli.com.br
  63. 63. Para casa:
 Rediagrame uma página. • Escolha uma página de uma revista que você considere bem diagramada • Identifique o grid e as áreas de texto e de imagem • Vire a página 90º e a rediagrame com os mesmos elementos e hierarquia. • Coloque o original e o resultado na forma de imagem em seu GDocs.
  64. 64. Trabalho final: • Revista (grupo, máximo 4 pessoas) • Formato: não convencional / processo e suporte: livre • Entrega: PDF + descritivo de gráfica • Alfabeto (dupla) • Entrega: PDF (dispor letras com linhas de apoio) • Identidade visual (grupo, máximo 4 pessoas) • Descrição de identiadde visual para uma marca. • Entrega: PDF + descritivo de gráfica
  65. 65. Descritivo de projeto gráfico
 informações necessárias para a produção: • Suporte: tipo, cor, densidade • Processo: silk-screen, flexografia, off-set, etc • Cores: quantas, quais? • Formato da folha de papel original (aproveitamento) • Formato aberto x fechado
 do layout (em cm) • Necessita processos especiais? (relevo seco, timbre) • Usa Tintas especiais? (metálico, fosforecente) • Imagens e sua resolução • Acabamento • Faca • Encadernação e capa • Tiragem • Distribuição

×