CADERNO DE INSTRUÇÃO OPERAÇÕES COMBINADAS COM CARRO DE COMBATE - FUZILEIRO BLINDADO - CI 17-36/1

1.231 visualizações

Publicada em

CADERNO DE INSTRUÇÃO OPERAÇÕES COMBINADAS COM CARRO DE COMBATE - FUZILEIRO BLINDADO - CI 17-36/1

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.231
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
106
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CADERNO DE INSTRUÇÃO OPERAÇÕES COMBINADAS COM CARRO DE COMBATE - FUZILEIRO BLINDADO - CI 17-36/1

  1. 1. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES Caderno de Instrução OPERAÇÕES COMBINADAS COM CARRO DE COMBATE - FUZILEIRO BLINDADO - 1ª Edição - 2002 Experimental Preço: R$ CARGA EM______________ CI 17-36/1
  2. 2. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES PORTARIA N° 008 - COTER, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2001. Caderno de Instrução CI 17-36-1 Operações Combinadas CC - Fzo Bld O COMANDANTE DE OPERAÇÕES TERRESTRES, no uso da delegação de competência conferida pela letra d), item XI, Art. 1° da Portaria N° 441, de 06 de setembro de 2001, resolve: Art. 1° Aprovar, em caráter experimental, o Caderno de Instrução CI 17-36-1 Operações Combinadas CC - Fzo Bld. Art.2°EstabelecerqueaexperimentaçãodesteCadernodeInstrução seja realizada durante os anos de 2002, 2003 e 2004. Art. 3° Determinar que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação. Gen Ex FREDERICO FARIA SODRÉ DE CASTRO Comandante de Operações Terrestres
  3. 3. CI - 17-36/1 OPERAÇÕES COMBINADAS COM CARRO DE COMBATE - FUZILEIRO BLINDADO - NOTA O CI 17-36/1 - O Combinado Carro de Combate - Fuzileiro Blindado - foi elaborado pelo Centro de Instrução de Blindados General Walter Pires. Após revisão do COTER, foi expedido para experimentação em 2002, 2003 e 2004. Solicita-se aos usuários deste Caderno de Instrução a apresentação de sugestões que tenham por objetivo aperfeiçoá-lo ou que se destinem à supressão de eventuais incorreções. As observações apresentadas, mencionando a página, o parágrafo e alinhadotextoaquesereferem,devemcontercomentáriosapropriadosparaseu entendimento ou sua justificação. A correspondência deve ser enviada diretamente ao CIBldGWP, de acordo com Art 78 das IG 10-42 – INSTRUÇÕES GERAIS PARA A CORRES- PONDÊNCIA, PUBLICAÇÕES E OS ATOS NORMATIVOS NO ÂMBITO DO EXÉRCITO, onde serão avaliadas, respondidas e, se for o caso, remetidas ao COTER para aprovação e divulgação. 1ª EDIÇÃO – 2002 Experimental
  4. 4. ÍNDICE DE ASSUNTOS Pag CAPÍTULO 1 – ORGANIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS ARTIGO – O PELOTÃO DE FUZILEIROS BLINDADOS ........................1-1 1-1. Generalidades .............................................................................1-1 1-2. Organização ................................................................................1-2 1-3. Missão .........................................................................................1-3 1-4. Características Básicas da VBTP M113-B ..................................1-3 ARTIGO II – O PELOTÃO DE CARROS DE COMBATE ........................1-5 1-5. Generalidades .............................................................................1-5 1-6. Organização ................................................................................1-5 1-7. Missão .........................................................................................1-6 1-8. Características dos Carros de Combate .....................................1-6 ARTIGO III – O COMBINADO CARRO DE COMBATE – FUZILEIRO BLIN- DADO .......................................................................................................1-12 1-9. Generalidades .............................................................................1-12 1-10. Missões das Forças-Tarefas Blindadas ....................................1-17 1-11. Possibilidades do Combinado ...................................................1-17 1-12. Limitações do Combinado CC – Fzo Bld ...................................1-24 1-13. Emprego do Combinado CC – Fzo Bld......................................1-24 1-14. O Combinado em Movimento ....................................................1-26 1-15. Formações de Combate ............................................................1-34 1-16. Dispositivos do Combinado .......................................................1-39 1-17. Técnicas de Progressão............................................................1-43 CAPÍTULO 2 – OPERAÇÕES OFENSIVAS 2-1. Generalidades .............................................................................2-1 2-2. Medidas de Coordenação e Controle ..........................................2-2 2-3. Marcha para o Combate ..............................................................2-2 2-4. Reconhecimento em Força .........................................................2-7 2-5. Ataque .........................................................................................2-8 2-6. Aproveitamento do Êxito .............................................................2-13 2-7. Perseguição ................................................................................2-14 2-8. Situações Diversas......................................................................2-15 CAPÍTULO 3 – OPERAÇÕES DEFENSIVAS 3-1. Defesa de Área ...........................................................................3-1 3-2. O Combinado como Reserva ......................................................3-10 3-3. Defesa Elástica ...........................................................................3-11 3-4. Movimentos Retrógrados – O Combinado na Ação Retardadora 3-12 3-5. Retraimento.................................................................................3-16 3-6. Retirada.......................................................................................3-18
  5. 5. ANEXO A - FRATRICÍDIO .......................................................................A-1 A-1. Generalidades ...........................................................................A-1 A-2. Causas do Fratricídio ................................................................A-1 A-3. Conseqüências do Fratricídio ....................................................A-2 A-4. Medidas Preventivas para o Fratricídio .....................................A-2 A-5. Reação a um incidente de Fratricídio ........................................A-3 BIBLIOGRAFIA
  6. 6. 1 - 1 CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS ARTIGO I O PELOTÃO DE FUZILEIROS BLINDADOS 1-1. GENERALIDADES a. O pelotão de fuzileiros blindados é o elemento básico da Cia/ Esqd Fzo Bld. Sob determinadas condições poderá ser reforçado por outros grupos de combate ou elementos de apoio de fogo. Pode, também, reforçar outras frações com seus GC e Gp Ap em função da situação tática. b. O grupo de combate é a menor fração de emprego de fuzileiros blinda- dos. c. Os Fzo Bld são aptos a operar em conjunto com os elementos de carros de combate, facilitando o emprego destes, apoiando-os ou precedendo-os na ação. d. Quando desembarcados, poderão ser empregados isolados dos CC, quando o terreno não permitir a progressão de viaturas blindadas.
  7. 7. 1 - 2 1-2. ORGANIZAÇÃO a. GPS; b. Rádio nível SU e Pel; c. Rádio portátil nível Pel e grupo; d. Binóculo de visão noturna com mira laser; e. Detetor portátil de minas; f. Rádio nível pelotão; g. Luneta para tiro noturno de fuzil com mira laser, e h. Óculos de visão noturna para todos os integrantes da fração. Obs: De cada GC, somente 09 homens poderão desembarcar para que possa ser utilizado o apoio de fogo da Mtr .50.
  8. 8. 1 - 3 a. Cerrar sobre o inimigo, a fim de destruí-lo, neutralizá-lo ou capturá-lo, utilizando o fogo, a manobra e o combate aproxima- do. b. Manter o terreno, impedindo, resistindo e repelindo o ataque inimigo por meio do fogo, do combate aproximado e de con- tra-ataques. 1-3.MISSÃO 1-4.CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA VBTP M113-B a. Peso Pronto para o combate ------------10,6 Ton b. Velocidade - À frente ------------------------------62Km/h - À retaguarda ----------------------- 9,5Km/h - Na água -----------------------------5,6Km/h c. Potência do motor ------------------172 hp d. Combustível - Tipo de combustível ------------------------------------------ Óleo diesel - Capacidade total de combustível ------------------------- 300 l - Consumo (em estrada) -------------------------------------- 1,8 Km/l
  9. 9. 1 - 4 - Consumo (em campo) --------------------------------------- 1,07 Km/l - Autonomia (em estrada) ------------------------------------ 540 Km - Autonomia (em campo) ------------------------------------- 321 Km e. Obstáculos - Degrau----------------------------------------------------------- 0,60m - Fosso ------------------------------------------------------------ 1,65m f. Armamento - Principal ----------------- Mtr .50 M2 Browning - Alcance útil ------------- 900m - Alcance máximo------- 6900m - Tipo de munição ------ Mun .50 (comum traçante perfurante) g. Equipamentos Especiais - Equipamento ótico ---------------------------Periscópio M19 Infravermelho Periscópio M17 - Rádio-----------Veicular (EB 11 ERC 201/202/203/ 204/ 616), com alcances: 201 - 8Km 202 - RdA 20 Km (7W) RdB 50 Km (30W) 203 - RdA 8 Km RdB 20/50KM 204 - 20/50 Km 616 – 30/40 Km (antena curta) h. Transposição de curso d’água: - Velocidade máxima--------------------- 5,6 Km/h - Vau máximo sem preparo ------------- 41 cm - Vau máximo com preparação--------- Sem limites i. A VBTP M113-B é um veículo de transporte blindado e não um carro de combate, podendo, contudo, servir de instrumento de combate explorando-se a mobilidade, a fluidez, a blindagem e sua capacidade de servir de base de fogos, além de seus recursos de comunicações.
  10. 10. 1 - 5 ARTIGO II O PELOTÃO DE CARROS DE COMBATE 1-5.GENERALIDADES a. Dotado de grande mobilidade através do campo, potência de fogo e proteção blindada, o Pel CC constitui o elemento de manobra eminentemente ofensivo com que contam as FT. É apto a operar em cooperação com os Fzo Bld. b. O pelotão CC é o elemento básico de emprego do esquadrão, sendo organizado, equipado e instruído para atuar em conjunto, não podendo ser fracionado. É a menor fração de emprego de carros de combate. 1-6.ORGANIZAÇÃO a. GPS; b. Rádio nível SU e Pel; e c. Rádio de nível Pel.
  11. 11. 1 - 6 1-7. MISSÃO a. Cerrar sobre o inimigo, a fim de destruí-lo ou neutralizá- lo, utilizando o fogo, a manobra e a ação de choque. b. Destruir ou desorgani- zar o ataque inimigo por meio do fogo e de contra-ataques. 1-8.CARACTERÍSTICAS DOS CARROS DE COMBATE a. Características da VBC Leopard 1 A1 1) Peso - Pronto para o combate — 40 Ton 2) Velocidade - À frente ---------------62 Km/h - Ré----------------------24 Km/h - Mínima ----------------4 Km/h 3) Potência do Motor-------------------------830 HP 4) Combustível - Tipo de combustível --------------------------------- Óleo diesel - Capacidade total de combustível----------------- 955 l - Consumo ----------------------------------------------- 0,333Km/l - Autonomia --------------------------------------------- 450 Km
  12. 12. 1 - 7 5) Obstáculos - Degrau -------------------------------------115cm - Fosso -------------------------------------- 300cm 6) Armamento a) Principal - Canhão -------------------------------- 105 mm L7 - Alcance de utilização---------------4000 m (c/ calculador) - Tipo de munição - APFSDS-T, APDS-T, HEAT-T, WP-T, H E P - T (HESH-T) b) Secundário (1) Metralhadora ---------------------- 7,62mm M971 MAG - Alcance máximo ----------------3800 m - Tipo de munição ----------------7,62 mm, em fita de elos metálicos articuláveis - Alcance útil -----------------------800 m (2) Metralhadora 7,62 mm M971 MAG coaxial - Alcance máximo ----------------3800 m - Tipo de munição ----------------7,62 mm, em fita de elos metálicos de sintegráveis - Alcance útil -----------------------800 m (3) Lançador de granada - fumígena--------------------------76 mm c) Quantidade de munição transportada - 7,62mm (3500 tiros) - 105mm (60 tiros) - Gr Fumígena (24) - Gr Mão (08) 7) Equipamentos Especiais - Rádio SEM 25 (emissor/receptor tipo 25), com alcance máximo de 25 Km com o CC parado e 12 Km com o carro em movimento. 8) Características Especiais - Pivoteamento - 04 (quatro) marchas à frente e 02 (duas) à retaguarda. - Can, Mtr coaxial e aparelho de pontaria estabilizáveis. - Aparelho de visão noturna ativo (infravermelho) para motorista e Cmt de CC.
  13. 13. 1 - 8 - Preparação para travessia de vau: - 05 min, para vau de até 1,20 m - 30 min, para vau de até 2,25 m b. Características da VBC M 60 A3 TTS 1) Peso - Pronto para o combate ------- 51,4 Ton 2) Velocidade - Baixa ---------------------------------------16,1 Km/h - Alta------------------------------------------ 48,3 Km/h - Ré------------------------------------------- 11,3Km /h 3) Potência do Motor-------------------------750 HP 4) Combustível - Tipo de combustível ---------------------Óleo diesel - Autonomia ---------------------------------450 Km - Consumo -----------------------------------0,3 Km / l - Capacidade total de combustível-----1457,2 l 5) Obstáculos - Degrau -------------------------------------91,4cm - Fosso --------------------------------------259,1cm 6) Armamento a) Principal - Canhão --------------------------------- 105 mm M68 - Alcance máximo de utilização ----- 4600 m - Tipo de munição ---------------------- M68 cartucho fixo - M833 APFSDS - T - M774 APFSDS - T - M735 APFSDS - T - M728 APDS - T - M392 A2 APDS - T - M456 A1 HEAT - T - M416 WP - T b) Secundário (1) Metralhadora .50 M85 - Alcance máximo -------------------------- 6703 m - Tipo de munição -------------------------- Mun .50 (comum / traçante / perfurante)
  14. 14. 1 - 9 - Alcance útil --------------------------------- 2000 m (2) Metralhadora 7,62 mm MAG M240 - Alcance máximo ----------------3725 m - Tipo de munição ----------------7,62 mm com elos desinte- gráveis - Alcance útil -----------------------900 m (3) Lançador de granada fumígena M239 - Munição —— UK L8 A1 RP (fósforo vermelho)Gr Fumígena c) Quantidade de munição transportada - 7,62mm (6000 tiros) - Cal .50 (900 tiros) - M68 105mm (63 tiros) - Granada de mão (08) - M239 SGL fumígenas (24) 7) Equipamentos Especiais - Equipamento de DQBN - Filtro de ar e máscara contra gases 8) Características Especiais - Pivoteamento - Gerador de fumaça - Canhão, Mtr coaxial e Ap pontaria estabilizáveis - Visão termal (TTS) para atirador e Cmt de CC - Aparelho de visão noturna (passivo) para motorista e Cmt de CC - Preparação para travessia de vau - 05 min, para vau de até 1,20 m - 30 min, para vau de até 2,40 m c. Características da VBC M41 1) Peso - Pronto para o combate ------26 Ton 2) Velocidade - Baixa -------------------------------------------------- 16Km/h - Alta----------------------------------------------------- 65Km/h - Ré------------------------------------------------------ 16Km/h
  15. 15. 1 - 10 3) Potência do Motor-------------------------405 HP 4) Combustível - Tipo de combustível ------------------------------- Óleo diesel - Capacidade total de combustível---------------50 l - Autonomia ------------------------------------------- 460 Km - Consumo --------------------------------------------- 0,84 Km/l 5) Obstáculos - Vau máximo -----------------------------------------,20m - Altura máxima de obstáculo a ultrapassar ---0,71m - Fosso ------------------------------------------------- 1,82m 6) Armamento a) Principal - Canhão -------------------------------- 90 mm M32 Br2 - Alcance útil ---------------------------2000 m - Tipo de Munição - 90 AE - Tr (HE – T) - 90 AE AC - Tr (HEAT-T) - 90 AE OD - Tr (HESH – T) - 90 EXC AC - Tr (HEAT – TP - T) - FUMÍGENA (SMOKE – WP – T) - FLECHA – (APDSFS) b) Secundário (1) Metralhadora -------------------------------- .50 M2 Browning - Alcance útil 900 m - Tipo de munição .50 com elos desintegráveis (2) Metralhadora -------------------------------- 7,62 mm (transformada da Browning .30) - Alcance útil --------------------------------- 800 m - Tipo de munição -------------------------- 7,62 mm com elos desintegráveis c) Quantidade de munição transportada - 90 mm (65 tiros) - 7,62 mm (5460 tiros)
  16. 16. 1 - 11 - Cal .50 (600 tiros) 7) Equipamentos Especiais - Rádio ----------------------------Veicular (EB11ERC 201/202/ 203/ 204) com alcances: 201 - 8Km 202 - Rd A 20 Km (7W) Rd B 50 Km (30W) 203 - Rd A 8 Km Rd B 20/50Km 204 - 20/50 Km 8) Características Especiais - Pivoteamento. - Aparelho de visão noturna ativo (infravermelho) para o motorista.
  17. 17. 1 - 12 ARTIGO III O COMBINADO CARRO DE COMBATE – FUZILEIRO BLINDADO 1-9.GENERALIDADES a. Força-tarefa é um grupamento temporário de forças, de valor unidade ou subunidade, sob comando único, integrado por peças de manobra de natureza e/ou tipos diferentes, formado com o propósito de executar uma operação ou missão específica, que exija a utilização de uma forma peculiar de combate. Pode enquadrar, também, elementos de apoio ao combate e de apoio logístico. Em qualquer caso, é organizada em torno de um núcleo de tropas de infantaria ou cavalaria, acrescido dos apoios necessários. b. Caracteriza-se uma FT como forte em carros de combate quando a maioria de suas peças de manobra são de CC, do mesmo modo, uma FT forte em fuzileiro blindado induz que a maioria de seus pelotões são de Fzo Bld. Fig 1-1. Exemplo de FT SU Bld forte em carros de combate. Fig 1-2. Exemplo de FT SU Bld forte em fuzileiros blindados.
  18. 18. 1 - 13 Fig 1-3. Exemplo de FT Cia Fzo Bld equilibrada. Fig 1-4. Exemplo de FT Esqd CC equilibrada. d. O estudo de situação indicará se as FT Esqd/Cia devem ser organizadas com preponderância de CC, de Fzo Bld ou de maneira equilibrada. e. Organiza-se uma FT com predominância de elementos de carros de combate (FT Esqd CC) quando: 1) O terreno apresenta-se lim- po e com poucos obstáculos; c. Uma FT equilibrada possui igual número de pelotões de CC e de Fzo Bld.
  19. 19. 1 - 14 2) A posição do inimigo é su- mariamente organizada; 3) O inimigo é forte em blinda- dos; 4) A velocidade e a ação de choque são fatores preponderantes; e 5) Em missão de contra-ata- que.
  20. 20. 1 - 15 f. Organiza-se uma FT com predominância de elementos de fuzileiros blindados (FT Esqd/Cia Fzo Bld) quando: 4) Há necessidade de limpeza de posições inimigas ou zona de ação; e 3) O inimigo apresenta forte defesa anti-carro; 2) O terreno possui muitos obstáculos e/ou áreas edificadas; 1)A visibilidade é restrita (e os CC não possuem equipamento de vi- são termal);
  21. 21. 1 - 16 5)Amissão exige organiza- ção pormenorizada do terreno. 2) Houver necessidade equivalente de emprego dos carros de combate e fuzileiros blindados; e g. Organiza-se uma FT com igualdade de elementos em CC e Fzo Bld (FT equilibrada) quando: 1) A situação do inimigo é vaga, sem muitas informações sobre sua or- ganização no terreno, porcentagem de disponibilidade de seus pelotões ou suas possibilidades de combate;
  22. 22. 1 - 17 3) A SU estiver cumprindo mis- sões que impliquem em defesa contra forças blindadas. 1-10.MISSÕES DAS FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS a. As missões básicas das forças-tarefas blindadas são: 1) Força-tarefa forte em carros de combate a) Cerrar sobre o inimigo, a fim de destruí-lo ou neutralizá-lo, utilizando o fogo, a manobra e a ação de choque. b) Destruir ou desorganizar o ataque inimigo por meio do fogo e de contra-ataques. 2) FT forte em Fzo Bld a) Cerrar sobre o inimigo, a fim de destruí-lo, neutralizá-lo ou capturá- lo, utilizando o fogo, a manobra e o combate aproximado. b) Manter o terreno, impedindo, resistindo e repelindo o ataque inimigo por meio do fogo, do combate aproximado e de contra-ataques. 3) FT equilibrada a) Cerrar sobre o inimigo, a fim de destruí-lo, neutralizá-lo ou capturá- lo, utilizando o fogo, a manobra, o combate aproximado e a ação de choque. b) Manter o terreno, impedindo, resistindo e repelindo o ataque inimigo por meio do fogo, do combate aproximado e de contra-ataques. c) Executar movimentos retrógrados, particularmente a ação retardadora. 1-11.POSSIBILIDADES DO COMBINADO a. O combinado Inf-CC emprega seu poder de fogo, mobilidade, flexibilidade e proteção blindada para conduzir ou participar de: 1) Operações ofensivas e defensivas continuadas, se apoiadas por um sistema logístico adequado e oportuno. 2) Amplos desbordamentos e envolvimentos. 3) Aproveitamento do êxito e perseguição do inimigo.
  23. 23. 1 - 18 3)Atacar ou defender localida- des; 2) Liderar a ação quando ne- cessário; 1) Apoiar os ataques dos car- ros de combate, para destruir resistên- cias inimigas remanescentes, abrir ou remover obstáculos, neutralizar ou destruir armas AC, designando alvos para os CC e proteger os CC contra o inimigo a pé; 4) Operações de segurança. 5) Movimentos retrógrados e ações dinâmicas da defesa. 6) Conquistar e manter o terreno. 7) Operações de junção. 8) Ações contra forças irregulares. 9) Missões no quadro de defesa interna. 10) Transposição imediata de curso d’água. 11) Defesa elástica. b. Nesse contexto, os pelotões de fuzileiros blindados podem:
  24. 24. 1 - 19 4) Conquistar e manter o terre- no; 5) Participar de transposição de oportunidade e imediata de curso d’água; 6) Combater a pé;
  25. 25. 1 - 20 10) Destruir ou neutralizar ele- mentos de infantaria a pé com seu ar- mamento orgânico; e 9) Proteger obstáculos e im- pedir operações de abertura de bre- cha; 8) Conduzir patrulhas em- barcadas ou desembarcadas e operar PO durante operações de segurança; 7) Realizar infiltrações em po- sições inimigas;
  26. 26. 1 - 21 c. Para garantir a missão, os pelotões de carros de combate têm a possibilidade de: 11) Repelir ataques inimigos através do combate aproximado. 3) Apoiar a transposição de cursos d’água pelos fuzileiros blinda- dos; 2)Apoiar pelo fogo a progres- são dos fuzileiros blindados; 1) Destruir blindados inimigos pelo fogo;
  27. 27. 1 - 22 6) Quando equipados com materiais adequados, eliminar obstá- culos de arame e minas; 4) Liderar a ação sempre que possível; 5) Conduzir operações que requeiram poder de fogo, mobilidade, proteção blindada e ação de choque;
  28. 28. 1 - 23 10) Conduzir operações de combate sob condições de pouca vi- sibilidade, quando dotados de equi- pamentos de visão termal. 9) Utilizar fumígenos, pro- porcionando segurança às ope- rações, inclusive para os Fzo Bld; e 8) Defender posições, repe- lindo o ataque inimigo pelo fogo; 7) Conquistar posição inimiga;
  29. 29. 1 - 24 1-12.LIMITAÇÕES DO COMBINADO CC – FZO BLD a. Os combinados Inf-CC são grupamentos temporários dotados de meios suficientes para períodos limitados de combate. Para a execução de operações continuadas, há necessidade de apoio logístico adequado. b.As limitações das FTrefletem as próprias limitações dos carros de combate e viaturas blindadas, podendo ser citadas, 1) Quanto ao inimigo: a) Vulnerabilidade aos ataques aéreos; e b) Sensibilidade ao emprego de minas, armas AC e obstáculos artificiais. 2) Quanto ao terreno e condições meteorológicas: a) Mobilidade restrita nos terrenos montanhosos, arenosos, pedregosos e pantanosos; b) Reduzida capacidade de transposição de curso d’água; c) Sensibilidade às condições meteorológicas adversas, que reduzem a sua mobilidade; e d) Necessidade de rede rodoviária para apoio. 3) Quanto aos meios: a) Necessidade de volumoso apoio logístico, particularmente de suprimento de classe III, V e IX; b) Limitada capacidade de transposição de cursos d’água pelos carros de combate; c) Manutenção permanente requerida pelo material; d) Necessidade de transporte rodoviário, aéreo, marítimo ou ferroviário para suas viaturas blindadas nos deslocamentos administrativos; e e) Mobilidade estratégica limitada, devido ao elevado peso e desgaste nos trens de rolamento de seus blindados. 1-13.EMPREGO DO COMBINADO CC-FZO BLD a. Os elementos de CC e de Fzo Bld complementam-se e conferem versatilidade e eficiência à FT. b. Os Pel CC combatem em seus carros e os Pel Fzo Bld combatem, sempre que possível, embarcados, podendo combater a pé se a situação o exigir. c. Os elementos de CC são empregados para: 1) Proporcionar ação de choque para conquista e consolidação dos objetivos;
  30. 30. 1 - 25 2) Neutralizar ou destruir as armas e blindados inimigos; 3) Proporcionar apoio de fogo, a fim de possibilitar a progressão dos fuzileiros blindados; 4)Abrir passagens para os fuzileiros blindados nos obstáculos antipessoal; 5) Liderar as ações, sempre que possível; 6) Apoiar a transposição de cursos d’água pelos fuzileiros blindados; 7) Neutralizar ou destruir posições fortificadas pelo fogo direto; e 8) Realizar contra-ataques. d. Os elementos de Fzo Bld são prioritariamente empregados para: 1) Apoiar, quando embarcados, a progressão dos CC 2) Destruir pequenos bolsões de resistência; 3) Abrir ou remover obstáculos, dentro das suas possibilidades; 4) Cooperar na destruição ou neutralização de armas AC; 5) Designar alvos para os CC; 6) Realizar a limpeza e auxiliar na consolidação de objetivos; 7) Proteger os CC contra o inimigo a pé, em bosques, localidades e nas situações de visibilidade precária; 8) Liderar a ação, quando necessário; e 9) Ser empregado a pé, a fim de: a) Conduzir infiltrações; b) Participar de operações aeromóveis limitadas; c) Prover a guarda de prisioneiros; d) Organizar e manter o terreno; e) Realizar patrulhas e ocupar PO; e f) Realizar ações de emboscada contra o inimigo.
  31. 31. 1 - 26 1-14.O COMBINADO EM MOVIMENTO a. Existem 3 processos básicos de progressão CC-Fzo Bld 1) CC e Fzo Bld em uma mesma via de acesso 2) CC e Fzo Bld em eixos convergentes 3) CC apoiando pelo fogo b.Aescolha do processo de progressão ou de uma combinação de processos deve levar em consideração: 1)As tarefas básicas dos carros de combate e fuzileiros blindados descritas acima; 2) A velocidade de progressão do ataque deve ser a máxima permitida pelo terreno e inimigo; 3) Os fuzileiros devem permanecer embarcados o maior tempo possível,
  32. 32. 1 - 27 b) Abrir ou remover obs- táculos; c) Cooperar na neutraliza- ção ou destruição das armas AC do inimigo; de modo que: a) O escalão de ataque possa progredir na velocidade dos CC; b) As baixas dos Fzo Bld sejam minimizadas; e c) Não haja desgaste prematuro dos homens. 4) Os Fzo Bld desembarcam quando for necessário: a) Evitar sua destruição pelo fogo AC inimigo;
  33. 33. 1 - 28 d) Participar do ataque através de regiões densamente matosas, terreno acidentado ou através de localidades; e) Auxiliar a progressão dos CC sob condições de visibilidade e campos de tiro restritos; e f) Realizar a limpeza de um objetivo e auxiliar na consolidação c. Progressão CC-Fzo Bld em uma mesma VA Fig 1-5. Progressão CC-Fzo Bld em uma mesma VA.
  34. 34. 1 - 29 1) Proporciona melhor coordenação e controle; 2) Permite apoio mútuo mais cerrado; 3) Condições que favorecem a adoção deste processo: a) Terreno limpo e plano, com dificuldades para mascarar movimentos; b) Disponibilidade de apenas uma via de acesso; c) O objetivo não pode ser flanqueado facilmente; e d) Necessidade de um maior controle da operação. 4) Os Fzo Bld podem ser empregados embarcados ou a pé a) CC com Fzo Bld embarcado (1) Normalmente, os carros de combate lideram os movimentos, utilizando melhor sua potência de fogo, mas a posição relativa de cada pelotão depende dos fatores da decisão. As VBTP podem ser dispostas à retaguarda e/ ou nos intervalos dos CC, apoiando-os com seus fogos, podendo ainda serem posicionadas nos flancos e à retaguarda da formação dos CC. Fig 1-6. Pel CC liderando com Pel Fzo Bld à retaguarda. (2) Esta técnica, normalmente, é utilizada quando o inimigo não conta com uma defesa anticarro eficiente. (3)Afrente ocupada pelos Pel combinados em uma única formação deve proporcionar dispersão entre as viaturas e espaço para manobra, ocasionando ampliação da frente normal de pelotão.
  35. 35. 1 - 30 Fig 1-7. Dispersão e espaço para manobra. (4) Progressão CC – Fzo Bld em uma mesma VA, com Fzo Bld em movimento por lanços. Fig 1-8. Fzo Bld ocupando posição desenfiada. (a) Esta técnica de movimento aumenta a segurança dos fuzileiros blindados, pois o Pel Fzo Bld desloca-se à retaguarda dos carros, ocupando, sucessivamente, posições desenfiadas no terreno. (b) O controle deve ser exercido de modo a assegurar a execução coordenada do assalto, para que os CC não abordem o objetivo isoladamente.
  36. 36. 1 - 31 (1) Este processo poderá ser empregado em localidades e em situações de pouca visibilidade, como em bosques e sob neblina densa, se os CC não possuem equipamento de visão termal. (2) Os Fzo Bld poderão se colocar entre os CC ou imediatamente à sua retaguarda. Nenhum homem dos GC deve progredir à frente de um CC em movimento. (3) Os CC ficam mais vulneráveis aos fogos AC pela diminuição da velocidade. (4) As VBTP devem progredir logo atrás dos Fzo Bld desembarcados, para estarem disponíveis a qualquer momento, podendo ser utilizado o seu poder de fogo para reforçar o dos carros de combate e dos fuzileiros blindados a pé. b) Progressão CC – Fzo Bld em uma mesma VA, com Fzo Bld desembarcados
  37. 37. 1 - 32 d. CC e Fzo Bld em vias de acesso convergentes 1) Normalmente, a nível SU, os pelotões serão empregados em uma mesma direção. No entanto, poderão surgir situações nas quais os pelotões sejam empregados em direções convergentes. Fig 1-9. O Combinado em direções convergentes. 2)Acoordenação e controle são dificultados neste caso, entretanto, obtém- se o máximo efeito da surpresa. 3) As condições que favorecem o emprego deste processo são: a) Possibilidade de flanqueamento do objetivo. b) Possibilidade de manutenção do controle a despeito das dificuldades. 4) Os dispositivos do combinado quando empregado em vias de acesso diferentes podem ser: a) Pel CC e Pel Fzo Bld juntos em cada via de acesso; b) Pel CC e Pel Fzo Bld em vias de acesso diferentes. 5) CC e Fzo Bld juntos em cada via de acesso Fig 1-10. CC e Fzo Bld juntos em cada via de acesso.
  38. 38. 1 - 33 a) Em cada via de acesso, o combinado Pel CC - Pel Fzo Bld segue as mesmas considerações feitas para os dispositivos dos carros de combate e fuzileiros blindados em uma mesma direção. b) A coordenação deve ser feita de maneira que os pelotões cheguem ao objetivo simultaneamente. 6) CC e Fzo Bld em vias de acesso diferentes Fig 1-11. CC e Fzo Bld em vias de acesso diferentes. a) Neste caso, a coordenação poderá ser feita de maneira que os CC cheguem primeiro ao objetivo, permitindo o uso de munição de tempo da artilharia e de morteiros. b) Esse dispositivo poderá ser adotado quando houver vias de acesso distintas para fuzileiros blindados e carros de combate. O Pel Fzo Bld progride pela via de acesso impraticável para os CC, podendo estar embarcado ou desembarcado. e. Os CC somente apóiam pelo fogo: Fig 1-12. CC somente apóiam pelo fogo
  39. 39. 1 - 34 1) Este dispositivo poderá ser adotado pela FT SU Bld quando o terreno ou o inimigo impedirem a progressão dos Pel CC. Neste caso, os carros de combate apóiam os fuzileiros blindados pelo fogo de seu armamento até que possam retomar a progressão. 2) O Cmt FT SU Bld, além de estabelecer as medidas de coordenação e controle já mencionadas, deve também recomendar ao Cmt Pel CC os cuidados quanto à margem de segurança para o tiro sobre e no intervalo de tropa amiga, para evitar o fratricídio. 3) Quando os Pel Fzo Bld não puderem progredir embarcados, o que é normal nestas situações devido à sua vulnerabilidade ao fogo anticarro do inimigo, as VBTP também apóiam pelo fogo a progressão dos fuzileiros a pé. 1-15.FORMAÇÕES DE COMBATE a. A formação de combate não é rígida. Ela é planejada com base em onde o contato com o inimigo é esperado, dependendo, também, das condições do terreno, visibilidade e missão. b. Em algumas situações, os pelotões devem adotar a formação determina- da pelo Cmt FT SU Bld e, em outras, o Cmt Pel adotará a formação mais adequada segundo sua avaliação da missão, inimigo, terreno, meios e condições meteorológicas. c. Em princípio, a distância entre duas viaturas blindadas deverá ser em torno de 100 metros. Por isso, as frentes das frações blindadas poderão ser maiores do que aquelas estipuladas para a tropa a pé. Fig 1-13. Distância entre viaturas. d. O adequado aproveitamento do terreno é mais importante do que a posição exata que cada carro deve ocupar no dispositivo.
  40. 40. 1 - 35 1) Esta forma- ção é usada quando: a) O desloca- mento necessita de velocidade. b) O terreno restringe o movi- mento. c) A visibili- dade é reduzida. d) O contato com o inimigo é remoto. 2)Aformação em coluna apresenta as seguintes carac- terísticas: a) Permite o máximo controle. b) Permite rápida mudança de formação. c) Propor- ciona pequena potência de fogo à frente e à reta- guarda. d) Permite bom controle de fogos para os flancos. e) Normal- mente utilizada na técnica de pro- gressão contínua. e. Formação em coluna.
  41. 41. 1 - 36 1) Esta formação é utilizada quando: a) A situação do inimigo não está definida. b) O contato é iminente. c) Em operações de busca de informes. 2) A formação em cunha apresenta as seguintes características: a) Facilita a manobra da FT. b) Fácil controle. c) Muito boa potência de fogo à frente e boa para os flancos. d) Boa dispersão, de acordo com o terreno. e) Pode ser usada nas técnicas. de progressão contínua e protegida. f) Permite rápida transição para a progressão por lanços. f. Formação em cunha.
  42. 42. 1 - 37 1) Esta formação é empregada quando: a) O inimigo encontra-se à frente e sua localização é conhecida. 2) Características: a) Proporciona maior potência de fogo à frente do que a formação em cunha e boa potência de fogo para os flancos. b) Garante velocidade de progres- são. c) Permite liberdade de manobra com um pelotão. d) Facilita rápida transição para outra formação. e) Pode ser utilizada nas técnicas de progressão contínua e protegida. f) Permite rápida transição para progressão por lanços. g. Formação em cunha invertida
  43. 43. 1 - 38 1) Emprego: a) Na travessia de cristas. b)Transposição de cursos d’água. c) Transposição de áreas batidas por fogos. d) No assalto, quando o terreno e as condições do inimigo permitirem. e) Ao emergir de uma cortina de fumaça. f) Necessidade de rápido escla- recimento da situação. 2) Características: a) Proporciona máxima potência de fogo à frente e à retaguarda. b) Permite maior velocidade. c) Dificulta a coordenação e o controle. d) Permite utilizar maior número de vias de acesso. e) É menos segura do que as outras formações devido à falta de profundidade. f) Dificulta a transição para ou- tras formações. 1) Emprego: a) Cobrir um flanco exposto. b) Pode ser em es- calão à direita ou à es- querda. 2) Características: a) Boa potência de fogo à frente e no flanco para o qual está escalonado. b) Menor velocidade de progressão. c) Dificulta o contro- le. d) Necessidade de maior número de itinerários para os carros. e) Facilita o empre- go na direção do escalo- namento. h. Formação em linha i. Formação em escalão
  44. 44. 1 - 39 1) Emprego: a) Combate não linear. b) Terreno aberto. c) Poucas informações sobre o inimigo. d) Boa visibilidade. e) Situação tática podendo evoluir rapidamente. 2) Características: a) Proporciona profundida- de ao dispositivo. b) Possibilita boa proteção à frente, nos flancos e na retaguarda. c) Permite à FT desdobrar- se rapidamente para fazer face às ameaças vindas de qualquer direção. d) Ampla flexibilidade. e) Proporciona boa disper- são e velocidade de progressão. 3) Os pelotões podem adotar, também, a formação em losango. j. Formação em losango ou diamante 1-16. DISPOSITIVOS DO COMBINADO a. Generalidades 1) Seguindo os fatores da decisão, o Cmt FT definirá as posições relativas das frações e as distâncias entre os pelotões e as viaturas blindadas. 2) Nos dispositivos da FT, os pelotões em segundo escalão são empregados no apoio de fogo aos elementos de primeiro escalão, podendo ser empregados para manobrar pelos flancos ou mesmo para assumir a missão de um pelotão que tenha sido detido ou desgastado.
  45. 45. 1 - 40 1) Dispositivo normal- mente utilizado durante um ataque ou ação retardadora. Pode ser ne- cessário que os Fzo Bld atuem junto com os CC. 2) Dispositivo que pode ser utilizado na marcha para o combate, quando o Cmt FT necessita de um Pel CC em apoio de fogo. O Pel CC e o Pel Fzo Bld podem estar em apoio mú- tuo, atuando juntos. 3) Dispositivo empregado quando, no ataque, há vias de acesso favorável à In- fantaria desembarcada e via de acesso favorável aos CC e se necessita de um Pel CC no apoio de fogo. 4) Este dispositivo é em- pregado quando os CC não podem progredir e apóiam os Fzo Bld pelo fogo. b. Dispositivos da FT Esqd CC.
  46. 46. 1 - 41 5) Dispositivo utilizado em amplas frentes, havendo vias de acesso favoráveis aos CC e Fzo Bld. A posição do Pel Fzo Bld pode variar para o centro ou laterais conforme o terreno. 1) Dispositivo adotado tanto para o ataque quanto para a defesa. O Pel CC poderá es- tar junto com os Fzo Bld no ataque ou nos núcleos de de- fesa. Poderá, também, estar apoiando a Infantaria pelo fogo, quando o terreno impe- dir a progressão dos CC. 2) Dispositivo adotado nas situações em que o carro de combate pode liderar a pro- gressão. Normalmente, ocor- re na marcha para o comba- te, ataque e aproveitamento do êxito.O Pel Fzo Bld, em segundo escalão, pode pro- gredir junto com o Pel CC, se necessário. 3) Dispositivo utilizado na ação retardadora, entre as po- sições de retardamento, a fim de propiciar aos Pel Fzo Bld a organização sumária de seus núcleos, protegidos pe- los CC. Pode, também, ser utilizado quando o Pel CC li- derar a ação contra posições inimigas sumariamente orga- nizadas e no ataque contra CC inimigo. c. Dispositivos da FT Cia Fzo Bld (As FT Cia Fzo Bld contam com o Pel Ap da Cia Fzo)
  47. 47. 1 - 42 4) Dispositivo emprega- do quando há via de aces- so favorável aos CC e ou- tra via favorável aos Fzo Bld. d. Dispositivos da FT equilibrada. (AFT equilibrada, à 4 pelotões, pode adotar qualquer um dos dispositivos previstos para as outras FT, mantendo em reserva um pelotão.) 1) Dispositivo empregado quando se espera maior quantidade de tarefas para os fuzileiros blindados do que para os carros de combate. Normalmente, na defesa e, em alguns casos, no ataque coordenado quando o terreno e a DAC do inimigo dificultam o movimento dos CC. 2) Os dispositivos acima são empregados quando as tarefas para os CC são em maior quantidade que as para a Infantaria.
  48. 48. 1 - 43 1-17. TÉCNICAS DE PROGRESSÃO a. Generalidades - A técnica de progressão mostra como a FT deve movimentar-se no terreno, permitindo que os carros de combate e Fzo Bld possam apoiar-se mutuamente durante o combate. b. Para adotar a técnica de progressão adequada, deve-se analisar os seguintes fatores: 1) Possibilidade de contato com o inimigo. 2) Tipo de contato esperado. 3) As condições do terreno. 4) Disponibilidade de apoio de fogo. 5) Equilíbrio entre velocidade e segurança necessárias no combate. 6) Premência de tempo. c. A FT pode utilizar as seguintes técnicas de progressão, analisando a possibilidade de contato com o inimigo: OÃSSERGORPEDACINCÉT OTATNOCEDEDADILIBISSOP aunítnoC otomeR adigetorP levávorP soçnaLroP etnenimI d. Progressão contínua 1) Caracteriza-se pelo deslocamento da FT como um todo, sem paradas para observação. Utilizada quando o contato com o inimigo é improvável ou o apoio de fogo for suficiente para neutralizá-lo e a velocidade é um fator importante. 2) A distância entre os pelotões fica determinada pela visibilidade e o terreno, não descuidando da dispersão entre as frações. e. Progressão protegida 1) Utiliza-se este tipo de progressão quando a velocidade é necessá- ria, mas o contato com o inimigo já se torna possível. Esta técnica propicia que o contato inicial com o inimigo seja feito com a menor fração possível, de forma que o restante da FT tenha condições de prover apoio imediato àquela fração. 2) A distância entre os pelotões deve ser baseada na apropriada
  49. 49. 1 - 44 utilização do terreno e na capacidade de observar e prestar o apoio de fogo necessário ao pelotão que lidera a ação. A idéia é dispersar em profundidade a FT, dar flexibilidade ao dispositivo e manter a capacidade de manobrar, caso o contato com o inimigo ocorra. f. Progressão por lanços 1) Técnica utilizada quando o contato com o inimigo é iminente, oferecendo maior segurança, porém pouca velocidade. 2) Os pelotões revezam-se na cobertura e movimento, na execução dos lanços. 3) O pelotão que, naquele momento, provê segurança e apoio recebe um setor de tiro, enquanto outro pelotão utiliza o terreno para progredir para uma posição coberta e abrigada, por lanços, tendo a precaução de não entrar no setor de tiro do pelotão que apóia o movimento. Os lanços devem sempre terminar em uma posição de tiro e não devem ultrapassar a distância de apoio. 4) O pelotão que cobre o movimento deve estar sempre em condições de, imediatamente, apoiar o elemento do lanço quando o mesmo estabelecer contato com o inimigo. 5) Os lanços podem ser alternados ou sucessivos. a) Lanços Alternados Fig 1-14. Lanços alternados. - Caracterizam-se pelo fato do pelotão que executa o lanço
  50. 50. 1 - 45 ultrapassar o pelotão que cobre o movimento, ocupando uma posição de tiro à frente. Possibilitam maior rapidez de deslocamento quando comparado aos lanços sucessivos. Podem ser empregados em terrenos planos e limpos, que não ofereçam boas cobertas e abrigos,ou quando o inimigo apresentar fraca resistência e sua situação for conhecida. b) Lanços Sucessivos Fig 1-15. Lanços sucessivos. - O pelotão que executa o lanço não ultrapassa o pelotão que o apóia, ocupando uma posição de tiro nas suas imediações. Possibilita maior segurança e controle e os pelotões dispõem de melhores condições de observar o terreno e o inimigo antes de iniciarem o lanço. Permite aos motoristas reconhecerem visualmente o seu itinerário até a próxima posição. g. As técnicas de progressão devem estar sempre aliadas às formações de combate. h. Os comandos poderão ser diminuídos em grande parte por meio de uma NGA.
  51. 51. 2 - 1 CAPÍTULO 2 OPERAÇÕES OFENSIVAS 2-1. GENERALIDADES a. O combinado Inf-CC poderá participar de qualquer um dos tipos de operações ofensivas, explorando ao máximo as suas características de mobilidade, ação de choque, proteção blindada, potência de fogo e flexibilidade. b. Durante as operações ofensivas, preferencialmente, deve-se evitar abordar o dispositivo inimigo na sua parte mais forte ou frontalmente, dando prioridade para atuar sobre seu flanco e retaguarda. Fig 2-1. Abordar o inimigo pelo flanco ou retaguarda.
  52. 52. 2 - 2 2-2. MEDIDAS DE COORDENAÇÃO E CONTROLE - A FT SU Bld segue as mesmas prescrições de outras tropas em relação às medidas de coordenação e controle. As poucas exceções são as seguintes: a. O Cmt Pel, ao receber um setor da ZReu, deve atribuir setores de tiro para as Vtr Bld e para o GC, se for o caso. Fig 2-2. Setores de tiro na ZReu. b. Normalmente, as subunidades blindadas não ocupam posição de ataque. c. A FT Bld, via de regra, não marca objetivos intermediários. 2-3. MARCHA PARA O COMBATE a. A FT SU Bld pode marchar como uma força independente, fazer parte do grosso de uma FT U ou ainda atuar como força de segurança (vanguarda, flancoguarda ou retaguarda).
  53. 53. 2 - 3 Fig 2-3. A FT SU Bld como escalão de combate. b. CC-Fzo como escalão de combate. 1) O Esc Cmb de uma FT Vanguarda é, em princípio, uma FT SU Bld reforçada em elementos de engenharia e armas de apoio. 2) Caso o Pel Exp não tenha sido designado pelo Cmt FT U para exercer a missão de escalão de reconhecimento, a FT SU Bld pode destacar um Pel CC ou um Pel Fzo Bld para cumprir esta missão, baseado no seu estudo de situação e nos fatores da decisão (missão, inimigo, terreno e meios). Fig 2-4. FT Cia Fzo Bld no Esc Cmb sem contar com o Pel Exp como Esc Rec.
  54. 54. 2 - 4 3) Em alguns casos, os pelotões CC e Fzo Bld poderão ser empregados juntos no Esc Rec, intensificando o apoio mútuo. Fig 2-5. Pel CC e Fzo Bld sendo empregados juntos. 4) Quando os CC não puderem progredir, a Infantaria assume a liderança apoiada pelo fogo dos CC, até que estes possam retomar a progressão. Fig 2-6. CC impossibilitados de prosseguir apóiam a progressão dos Fzo Bld.
  55. 55. 2 - 5 5) Os escalões de reconhecimento e de combate, sempre que possível, executam um rápido desbordamento para destruir posições inimigas. Fig 2-7. Esc Cmb desborda a Pos Ini. 6) Pequenas resistências de armas automáticas são ultrapassadas facilmente devido à proteção blindada das viaturas, fogos dos canhões e metralhadoras e proteção de fumígenos.As áreas batidas por fogos de artilharia e campos de minas devem ser ultrapassadas ou desbordadas sem demora. No caso de campos de minas, os elementos do Esc Cmb devem procurar locais de passagem ou desbordar o obstáculo, balizando-os e informando ao escalão superior. Caso não seja possível o desbordamento, uma abertura imediata deve ser tentada com os meios orgânicos e elementos de engenharia em apoio. c. O combinado na flancoguarda. 1) A FT SU Bld atua na flancoguarda ocupando posições, em lanços sucessivos ou alternados, que bloqueiam as possíveis vias de acesso do inimigo ao flanco da tropa protegida. 2) As posições ocupadas são normalmente guarnecidas por pelotões, eventualmente GC, e a distância entre elas e o grosso pode ser de 2 a 3 km.
  56. 56. 2 - 6 Fig 2-8. FT SU Bld na flancoguarda. d. CC-Fzo Bld na retaguarda - Na missão de retaguarda, a FT SU Bld ocupa posições sucessivas ou alternadas de bloqueio como um todo ou designa um pelotão para se constituir em um escalão de reconhecimento de retaguarda. Fig 2-9. FT SU Bld na retaguarda.
  57. 57. 2 - 7 2-4. RECONHECIMENTO EM FORÇA a. A FT Esqd CC é o combinado mais apto à execução do reconhecimento em força.As características de mobilidade, potência de fogo e proteção blindada devem ser exploradas ao máximo para se obter êxito na atividade de fazer o inimigo revelar-se. b. O Cmt FT SU Bld planeja e conduz o reconhecimento em força como um ataque. c. O reconhecimento em força pode ser executado como: 1) Um ataque com objetivo limitado. Fig 2-10. Ataque com objetivo limitado. 2) Uma incursão Fig 2-11. Execução de manobra de incursão.
  58. 58. 2 - 8 2-5. ATAQUE a. O combinado Inf-CC no ataque coordenado pode estar enquadrado em uma das seguintes situações: 1) Escalão de ataque; 2) Base de fogos; ou 3) Reserva. b. O combinado emprega qualquer uma das formações de combate e qualquer um dos processos de emprego CC-Fzo Bld já citados, dependendo do terreno e da situação. c. A FT SU Bld no escalão de ataque deve progredir da LP para o objetivo evitando ao máximo as paradas. Entretanto, se a ação do inimigo for intensa, ela poderá ser obrigada a progredir empregando a técnica de fogo e movimento. Fig 2-12. FT SU Bld executando fogo e movimento. d. Os tiros de tempo de artilharia são largamente empregados sobre os pelotões, devido à proteção blindada da tropa amiga. e. Sempre que possível, os carros de combate devem liderar a ação para explorar ao máximo as características de ação de choque, mobilidade e potência de fogo. As VBTP acompanham os CC a uma distância que permita o apoio dos fuzileiros aos carros.
  59. 59. 2 - 9 Fig 2-13. CC liderando ataque. f. Assalto ao objetivo. 1) O Cmt Pel Fzo Bld pode determinar o desembarque de seus homens antes do objetivo, sobre o objetivo ou após o objetivo. No entanto, todo esforço deve ser feito para que os fuzileiros blindados permaneçam embarcados o maior tempo possível, permitindo que os mesmos e os CC assaltem o objetivo juntos. Fig 2-14. CC e Fzo Bld assaltam o objetivo juntos.
  60. 60. 2 - 10 2) O desembarque antes do objetivo somente deve ser conduzido quando a progressão das viaturas blindadas se tornar difícil ou muito lenta, quando for necessária a remoção de obstáculos, cooperar na destruição de armas AC que detenham a progressão das viaturas ou quando for exigida a segurança aproximada aos CC (condições de pouca visibilidade, matas etc). 3) O desembarque dos fuzileiros blindados pode ocorrer no “interior do objetivo”, para limpeza das resistências remanescentes do inimigo, ou “após o objetivo”, realizando um assalto na direção contrária ao movimento inicial, suprimindo as resistências remanescentes pela retaguarda. Fig 2-15. Situações de desembarque dos Fzo Bld.
  61. 61. 2 - 11 g. Consolidação 1) Para assegurar a posse do objetivo, permitir o prosseguimento da operação e fazer face a possíveis contra-ataques, os CC ocupam posições de tiro batendo as vias de acesso mais favoráveis ao Ini. Da mesma forma, os Fzo Bld providenciam a limpeza do objetivo e ocupam posições para proteger os CC e para bater as vias de acesso favoráveis à tropa inimiga a pé. Fig 2-16. CC batendo VA no setor designado e Pel Fzo Bld protegendo os CC e barrando VA favoráveis à tropa a pé. 2) Se a missão da SU no ataque for atacar para conquistar e manter, o Cmt FT SU Bld deve distribuir seus pelotões em um dispositivo que facilite a defesa da posição e sua organização. Fig 2-17. Um exemplo de dispositivo se a missão da SU for conquistar e manter.
  62. 62. 2 - 12 3) Se a missão da SU no ataque for conquistar e ficar em condições de prosseguir, o Cmt FT SU Bld deve dispor seus pelotões de maneira a rapidamente executar preparativos tendo em vista a próxima missão. Fig 2-19. Entrega de suprimento na posição. Fig 2-18. Um exemplo de dispositivo da FT SU Bld ECD prosseguir no ataque. 4) Na consolidação, o apoio de fogo e apoio ao combate cerram à frente. h. Reorganização 1) Para manter ou restabelecer a eficiência combativa e o controle da SU, são realizadas as seguintes medidas: a) Relatórios. b) Recompletamentos. c) Suprimentos. d) Evacuação. e) Controle. 2) O método de entrega de suprimento pode ser “na posição” ou “fora da posição”, conforme a disponibilidade de tempo.
  63. 63. 2 - 13 Fig 2-20. Exemplo de suprimento “fora da posição”. 2-6. APROVEITAMENTO DO ÊXITO a. No aproveitamento do êxito, o combinado pode estar enquadrado em uma das seguintes situações: 1) Participar do 1º ou 2º escalão da Força de Aproveitamento do Êxito. 2) Compor a reserva da F Apvt Ext. 3) Participar da Força de Acompanhamento e Apoio. Fig 2-21. Esquema de um aproveitamento do êxito. b. A FT SU Bld deve adotar um dos dispositivos, já citados, que melhor se aplique à situação do terreno. c. A princípio, o combinado utiliza a técnica da progressão contínua, desbordando as resistências inimigas de pequeno vulto.
  64. 64. 2 - 14 Fig. 2-22. Desbordar resistências de pequeno vulto. d. O combinado na F Apvt Ext pode receber as seguintes missões: 1) Conquistar objetivos profundos na retaguarda do inimigo. 2) Cortar linhas de transporte e suprimentos inimigos. 3) Barrar ou cortar eixos de retraimento do inimigo. 4) Cercar e destruir forças inimigas. 5) Desorganizar a capacidade de comando e controle do inimigo. 6) Desempenhar as missões típicas de reserva de um ataque, assegurando flexibilidade, impulsão e segurança da operação. e. A FT SU Bld na força de acompanhamento e apoio pode ser empregada para: 1) Manter aberta a brecha da penetração realizada pela F Apvt Ext. 2) Assegurar a posse de acidentes capitais de interesse. 3) Limpar terreno ultrapassado. 4) Proteger áreas e instalações à retaguarda da F Apvt Ext. 5) Destruir resistências inimigas ultrapassadas. 6) Substituir elementos da força de aproveitamento do êxito. 2-7. PERSEGUIÇÃO a. Para completar a destruição do inimigo na perseguição, o Combinado Inf – CC pode participar dos seguintes grupamentos:
  65. 65. 2 - 15 1) Força de pressão direta. 2) Força de cerco. Fig. 2-23. Esquema de uma Perseguição 2-8. SITUAÇÕES DIVERSAS a. Redução de um bloqueio de estrada 1) Normalmente, os bloqueios de estrada são realizados em locais de difícil manobra, apoiados em obstáculos naturais e artificiais e armas automáticas. 2) O Cmt Pel, que lidera a ação, esclarece a situação e tenta desbordar empregando o fogo e movimento. 3) Se a ação deste Pel não for bem sucedida, seu Cmt deve determinar que se desdobre no terreno e mantenha o inimigo sob fogo, informando ao Cmt FT SU Bld. 4) O Cmt FT SU Bld emite ordem fragmentária para empregar a SU (-) em ação desbordante. Os elementos de fuzileiros blindados e engenheiros disponíveis, normalmente, são empregados para reduzir o bloqueio e destruir as posições inimigas que o batem.
  66. 66. 2 - 16 Fig. 2-24. FT detida: os CC anulam os fogos Ini sobre a área destruída, Fzo a pé desbordam e o Pel Eng tenta desobstruir. b. Ataque noturno 1) Apesar dos equipamentos sofisticados de visão noturna facilitarem a realização do combate noturno como se de dia fosse, ainda existe uma necessidade de maior preparação e medidas de controle do que o ataque diurno. Fig. 2-25. Medidas de controle de um ataque noturno.
  67. 67. 2 - 17 2) Nos ataques não iluminados, em que as viaturas não são dotadas de dispositivos de visão noturna, normalmente, os fuzileiros desembarcam. 3) Nos ataques iluminados, Os Fzo Bld, dependendo de outros fatores, poderão deslocar-se embarcados. 4) A iluminação do campo de batalha pode ser feita por artifícios iluminativos ou por projetores dos CC, neste caso, podendo ser realizada de maneira direta ou indireta. a) Na iluminação direta, os projetores devem incidir diretamente sobre a zona do objetivo, podendo ser utilizados para designação de objetivos, cegar ou iludir o inimigo. É um processo que não deve ser praticado em todas as situações ou períodos prolongados por propiciar reação imediata do inimigo. Fig. 2-26. Iluminação direta. b) A iluminação indireta é realizada pelos projetores em posições desenfiadas e a luz obtida por reflexão ou difusão dos raios luminosos. Fig. 2-27. Difusão dos raios luminosos.
  68. 68. 2 - 18 Fig. 2-28. Reflexão dos raios luminosos. 5) Durante os ensaios devem ser enfatizadas as medidas de coordenação e controle para abertura de fogos, plano de iluminação e ações no objetivo. Devem ser revistas, também, as medidas para identificação de pessoal e viaturas. 6) Os CC e VBTP que não participarem do escalão de ataque devem ocupar posições de tiro nos flancos da LP para executar fogos de apoio e ficar em condições de apoiar os Fzo Bld em todas as fases do combate. Fig. 2-29. Blindados ocupando posições de tiro nos flancos da LP.
  69. 69. 2 - 19 7) Após o assalto, durante a consolidação, as armas orgânicas e em reforço, CC e VBTP cerram rapidamente para o objetivo. 8) Ataque noturno embarcado a) Progressão (1)Aopção por realizar o ataque noturno embarcado normalmente será feita pelo Cmt FT U. (2) As distâncias entre as viaturas e as eventuais formações utilizadas dependerão do alcance dos equipamentos de visão noturna veiculares. A formação adotada deve facilitar o controle e a manutenção da direção de ataque. (3) Na FT Cia Fzo Bld, a progressão poderá ser realizada com o(s) Pel CC em linha, seguido(s) dos Pel Fzo Bld embarcados e em linha. (4) Na FT Esqd CC, normalmente, o(s) Pel Fzo Bld progredirá(ão) em coluna, imediatamente à retaguarda dos Pel CC. (5) Os fuzileiros blindados desembarcam durante a progressão, quando é necessário apoiar os CC na remoção de obstáculos ou eliminação de armas AC inimigas. (6) Normalmente, os fuzileiros blindados desembarcam antes do objetivo no ataque noturno. b) Assalto (1) O assalto ao objetivo normalmente é feito pelos CC, seguidos pelos fuzileiros blindados, desembarcados, e pelas VBTP. (2) A velocidade deve ser regulada de modo a evitar um excessivo afastamento dos CC e fuzileiros blindados a pé. (3) Sirenes e tiros traçantes podem ser empregados para obter um efeito psicológico sobre o inimigo. (4) Os fuzileiros blindados devem limpar as posições ultrapassadas.
  70. 70. 3 - 1 CAPÍTULO 3 OPERAÇÕES DEFENSIVAS 3-1. DEFESA DE ÁREA a. O combinado Inf – CC é apto a executar as ações dinâmicas da defesa, podendo ser empregado na área de segurança, na área de defesa avançada ou na área de reserva, ou mesmo em mais de uma dessas áreas. Fig 3-1 - Escalonamento da Defesa b. O combinado Inf – CC terá maiores possibilidades de explorar suas características de mobilidade, potência de fogo e ação de choque quando empregado para constituir a reserva.
  71. 71. 3 - 2 c. As FT fortes em Fzo Bld, ou equilibradas, são as tropas mais indicadas para serem utilizadas na ADA. As VBTP e os CC deverão, em princípio, ser usados para reforçar os fogos dos Fzo Bld desembarcados que ocupam os diferentes núcleos de defesa. d. Os Fzo Bld são os elementos mais aptos a ocupar o terreno. Os CC são empregados para reforçar os fogos dos fuzileiros, particularmente os de DAC, e para realizar as ações dinâmicas da defesa. 1) Para tanto, poderá ser distribuída uma seção de CC por núcleo de Fzo Bld, permanecendo, entretanto, o comando com o Cmt Pel CC. 2) Quando houver maior probabilidade do inimigo atacar com blindados em apenas um dos núcleos de defesa, todo o Pel CC poderá ser empregado para reforçar os fogos desse núcleo. Fig 3-2. Pel CC como um todo reforçando os fogos. e. Os CC devem estar em condições de ocupar posições de tiro que possibilitem engajar blindados inimigos o mais à frente possível, adotando as posições de desenfiamento mais convenientes para a ação. Fig 3-3. CC apoiando de posições de desenfiamento. f. Os abrigos individuais, para o homem em pé, podem servir de proteção tanto contra os carros inimigos no ataque, quanto para evitar que os carros amigos atropelem os fuzileiros, quando realizam um contra-ataque. Nesse caso, se faz necessário que os fuzileiros sejam alertados antecipadamente.
  72. 72. 3 - 3 a) Manter o terreno. b) Destruir viaturas blindadas leves ou não blindadas com suas VBTP e seu Armt AC. c) Repelir o assalto inimigo pelo fogo e combate aproximado. g. Possibilidades dos elementos de combate. 1) Os fuzileiros blindados têm as seguintes possibilidades:
  73. 73. 3 - 4 d) Manobrar em qualquer tipo de terreno. e) Realizar contra-ataques. f) Defender núcleos contra o ataque da infantaria inimiga. g) Realizar patrulhamento e ocupar PO.
  74. 74. 3 - 5 h) Construir e defender obs- táculos. i) Realizar emboscadas anti- carro e limpeza de campos de tiro. a) Realizar contra-ataques. b) Destruir os blindados inimigos pelo fogo. 2) Os CC têm as seguintes possibilidades:
  75. 75. 3 - 6 c) Apoiar os elementos de fu- zileiros blindados pelo fogo, manobra e ação de choque. d) Cobrir as VA para a posição defensiva que o inimigo mobilia com os seus blindados. e) Aprofundar a DAC. f) Integrar outras forças.
  76. 76. 3 - 7 h. O Cmt FT SU Bld deve levar em consideração os seguintes fatores ao posicionar os meios de combate na ADA: 1) Utilizar CC e fuzileiros blindados explorando suas melhores características e possibilidades apresentadas anteriormente. 2) Ao posicionar os fuzileiros blindados, dar prioridade ao armamento coletivo para ocupar as posições que batam as vias de acesso, em melhores condições. 3) Posicionar carros de combate de forma que os mesmos cubram vias de acesso favoráveis ao emprego de blindados inimigos. As VBTP podem destruir viaturas blindadas leves ou não blindadas. 4) Empregar os fuzileiros blindados desembarcados, para barrar vias de acesso para infante à pé. 5) Sempre que possível, os fuzileiros blindados devem desembarcar e cavar posições defensivas. 6) Não posicionar fuzileiros blindados desembarcados onde possam ser alvos de fogos indiretos e diretos, antes que o inimigo seja submetido a grande volume de fogos. 7) Considerar sempre a unidade de emprego das frações e armamentos ao empregá-los em apoio, avaliando sempre o apoio mútuo necessário e a capacidade de emassar fogos. i. Uma SU Bld forte em Fzo Bld ou equilibrada, em terreno ideal, poderá defender uma área de 1400m a 1800m de frente. Na defesa em larga frente pode defender de 1800m a 2700m. j. A profundidade de uma FT SU Bld na ADA, normalmente, não excede 1000m. Na defesa em larga frente pode chegar até 2000m. Fig 3-4. Profundidade da FT
  77. 77. 3 - 8 l. Se houver condições, as Vtr Bld podem ocupar posições próximas aos fuzileiros e realizar fogos na mesma via de acesso, aumentando a potência de fogo e a capacidade de destruir blindados inimigos. Fig 3-5. Fzo Bld desembarcados e Vtr Bld ocupando posições para aumentar potência de fogo e capacidade de DAC. m. Outra forma de emprego das Vtr Bld pode incluir as viaturas ocupando posições suplementares e conduzindo seus fogos sobre via de acesso do inimigo diferente daquela batida pelos fuzileiros. Fig 3-6. Vtr Bld ocupando posições suplementares para fazer face a outra ameaça e aumentar potência de fogo dos fuzileiros.
  78. 78. 3 - 9 n. O Pel Fzo Bld poderá, em determinadas situações, conduzir a defesa estando embarcado. Isto pode ocorrer quando a posição defensiva for temporariamente ocupada e será rapidamente mudada, quando não for necessário aumento de segurança e observação proporcionadas pelos fuzileiros desembarcados e quando o poder de fogo proporcionado pelas VBTP for suficiente para conduzir as ações defensivas. Alguns fuzileiros podem estar desembarcados para observação ou realizar fogos AC. Fig 3-7. Defesa embarcada. o. Para aumentar a segurança da SU durante os períodos de visibilidade reduzida, devem ser utilizados os equipamentos dos CC e óculos individuais de visão noturna. Fig 3-8. Utilização do equipamento de visão noturna dos CC (protegidos por fuzileiros desembarcados) para aumentar a segurança da FT SU Bld em períodos de visibilidade reduzida.
  79. 79. 3 - 10 p. Se o inimigo penetrar no LAADA deverá ser detido pelo fogo dos núcleos de defesa dos pelotões vizinhos, armas de apoio e do Pel Res. Eventualmente, se for feita uma pequena penetração do inimigo, poderá ser determinado que o pelotão reserva execute um contra-ataque. Fig 3-9. Penetração do inimigo sendo limitada por fogos dos Pel vizinhos, reserva e de armas de apoio. 3-2. O COMBINADO COMO RESERVA a. O combinado atuando como reserva poderá cumprir uma das seguintes missões: 1) Guarnecer os PAvç C. 2) Limitar penetração inimiga na posição, preparar e ocupar posições de aprofundamento. 3) Executar contra-ataques para expulsar o inimigo e restabelecer a posição. 4) Apoiar ou reforçar as SU de primeiro escalão. 5) Executar missões de segurança de flanco e área de retaguarda. 6) Assumir, mediante ordem, a missão das SU de primeiro escalão. 7) Executar patrulhamento. 8) Cobrir os intervalos e brechas na frente. b. Atuando num contra-ataque 1) Ao realizar um contra-ataque para restabelecimento da posição, a reserva deve ter em mente que a finalidade é recuperar o terreno perdido. Por isso, o inimigo não deverá ser perseguido além do LAADA, exceto pelo fogo. 2) O contra-ataque deverá ser rápido e violento, empregando todos os meios necessários para assegurar o sucesso.
  80. 80. 3 - 11 Fig 3-10. Contra-ataque. 3-3.DEFESA ELÁSTICA a. A defesa elástica assemelha-se a uma grande emboscada, onde o inimigo será canalizado para o interior da ADA com o objetivo de ser destruído pelo fogo em uma área de engajamento. b. O combinado deve utilizar ao máximo as características do terreno para dispor os pelotões, impedindo que o inimigo possa desbordar os núcleos de Pel ou se utilize de cobertas e abrigos contra as vistas e fogos da FT. Fig 3-11. Dispositivo dos pelotões na defesa elástica. c. A FT SU Bld na execução de uma defesa elástica poderá receber uma das seguintes missões: 1) Guarnecer os PAC. 2) Ocupar núcleos de defesa na ADA. 3) Constituir reserva da FT U. d. Se empregado nos PAC, deverá retrair e, se possível, ainda, lançar
  81. 81. 3 - 12 obstáculos de forma a canalizar o inimigo para a área de engajamento. e. Ocupando núcleos de defesa na ADA, o combinado poderá dispor os CC e as armas AC, inicialmente , em posições próximas ao LAADA, com a finalidade de retardar o ataque inimigo, desorganizá-lo e forçá-lo a desembarcar sua infantaria. Após isso, estas armas retornam para suas posições no dispositivo da área de engajamento. Fig 3-12. Pel CC, inicialmente, em posição avançada para DAC e depois ocupando posição para destruição do inimigo na AE. f. A FT forte em CC é a mais apta para atuar como reserva da FT U, sendo empregada nos pontos onde o inimigo tenta romper o dispositivo, forçando-o a permanecer no interior daAE, ou quando o inimigo tentar desbordar a posição defensiva. 3-4.MOVIMENTOS RETRÓGRADOS - O COMBINADO NA AÇÃO RETARDADORA a. A ação retardadora visa desorganizar, retardar, iludir e desgastar o atacante inimigo, trocando espaço por tempo e evitando o combate decisivo. b. Face as suas características, o combinado é particularmente apto ao cumprimento de missões na ação retardadora. Fig 3-13. Pel Fzo evitando o assalto inimigo.
  82. 82. 3 - 13 c. Normalmente, todos os pelotões da FT SU Bld são dispostos em primeiro escalão, ocupando posições de retardamento. Estas se assemelham a uma posição defensiva, com a diferença de que se deve evitar o assalto inimigo, retraindo antes que ele seja consumado. Fig 3-14. Exemplo de dispositivo de uma FT SU Bld com todos os pelotões em 1º escalão . d. Os Pel CC devem ser orientados para as vias de acesso mais favoráveis ao emprego de blindados por parte do inimigo, para mantê-lo sob fogo constante e preciso. Fig 3-15. CC batendo vias de acesso favoráveis a blindados. e. Os CC e VBTP procuram posições com desenfiamento de couraça próximas à crista topográfica, de modo a obterem campos de tiro profundos e rápido acesso aos itinerários de retraimento.
  83. 83. 3 - 14 Fig 3-16. CC com desenfiamento total ocupando desenfiamento de couraça para atirar. f. Os Fzo Bld desembarcados preparam e ocupam posições nas partes mais elevadas do terreno. De acordo com a disponibilidade de tempo, as posições devem ser melhoradas, inclusive com a preparação de posições de muda e suplementares. Fig 3-17. Fzo Bld ocupando posições no terreno. g. De preferência, cada pelotão deverá ter seu itinerário próprio de retraimento, devendo este ser reconhecido previamente. Os Cmt Pel poderão escolher seus itinerários, desde que não haja problemas de coordenação para o combinado. h. O Cmt FT SU Bld solicita apoio de fogo de artilharia e morteiro para iniciar seu retraimento. i. O combinado poderá retrair para a posição de retardamento, mantendo contato com o inimigo.
  84. 84. 3 - 15 Fig 3-18. Os Pel acolhendo e sendo acolhidos mutuamente no retraimento (os números próximos às setas indicam a ordem de retraimento). j. Se o inimigo não mantém a pressão do seu ataque , o retraimento dos pelotões poderá ser feito, de forma mais rápida, diretamente para a posição de retardamento seguinte. Neste caso, um Pel pode receber a missão de manter o inimigo sob observação. Fig 3-19. Retraimento rápido entre as posições de retraimento.
  85. 85. 3 - 16 l. Se não houver a necessidade do emprego de Fzo Bld, eles poderão deslocar-se diretamente para a posição de retardamento seguinte, a fim de antecipar os preparativos da posição. 3-5.RETRAIMENTO a. É um movimento retrógrado que visa romper o contato com o inimigo. Ele pode ser realizado com pressão e sem pressão do inimigo. b. Retraimento sem pressão do inimigo. 1) O Cmt FT SU Bld designa 1/3 dos elementos de manobra e 1/3 a 1/ 2 das armas de apoio orgânicas para comporem o destacamento de contato, simulando as atividades e iludindo o inimigo. O êxito desta operação depende do sigilo e da dissimulação. 2) Para facilitar a composição do destacamento de contato, o Cmt FT SU Bld pode determinar que um GC/Sec CC de cada Pel permaneça em posição. 3) Pelo menos um representante de cada Pel e elementos de comunicações e segurança devem reconhecer a próxima posição e os itinerários a serem utilizados. A posição dos pelotões na nova área deve ser idêntica à posição inicial. 4) Para facilitar a coordenação e controle, o Cmt FT SU Bld pode designar uma ZReu SU no itinerário dos Pel. Do mesmo modo, os Cmt Pel podem designar ZReu Pel para os GC/Sec CC. Fig 3-20. Retraimento dos Pel, menos o destacamento de contato. 5) O retraimento sem pressão pode ser desenvolvido na seguinte ordem: a) 1ª fase – retraimento da ATSU ( por exfiltração). b) 2ª fase – retraimento dos Pel até a ZReu. c) 3ª fase – retraimento do destacamento de contato.
  86. 86. 3 - 17 6) O retraimento do destacamento de contato é feito a tempo de evitar o movimento sob pressão do inimigo. Fig 3-22. “Marcha do papagaio” para a retaguarda. Fig 3-21. Retraimento do destacamento de contato. c. Retraimento sob pressão do inimigo. 1) O Cmt FT SU Bld designa um pelotão como força de proteção para apoiar pelo fogo o retraimento dos pelotões em 1º escalão. Eventualmente, este Pel poderá realizar um contra-ataque para desaferrar um elemento engajado pelo inimigo. 2) O mais viável é que, pelas suas características de proteção blindada e poder de fogo, os CC cubram o retraimento da Infantaria para que esta possa retrair primeiro. 3) A seqüência de retraimento dos pelotões deve ser de tal maneira que o menos engajado retraia primeiro. Se a pressão do inimigo for igual em toda a frente, os pelotões podem retrair como um todo. Para isso, os Pel devem apoiar-se mutuamente, rompendo o contato com o inimigo através do fogo e manobra, realizando um movimento do tipo “marcha do papagaio” para a retaguarda.
  87. 87. 3 - 18 3-6.RETIRADA a. A retirada é um movimento retrógrado no qual uma força, que não está em contato, afasta-se do inimigo. b. O planejamento e a execução são semelhantes ao da marcha para o combate. c. Se o combinado for designado como retaguarda, passa a realizar as ações de uma operação retardadora.
  88. 88. BIBLIOGRAFIA 1. NORMATIVAS a. Art 78 das IG 10-42 – Instruções Gerais para a Correspondência, Publicações e os Atos Normativos no Âmbito do Exército. b. IR 20-02 - Instruções Reguladoras para Elaboração, Identificação, Nu- meração e Difusão de Manuais de Campanha, Manuais Técnicos e Instruções Provisórias. c. C21-30 - Abreviaturas, Símbolos e Convenções Cartográficas. d. MD 33-M-02 - Manual de Siglas e Abreviaturas do MD. 2. SUBSÍDIOS a. IP 100-1 Doutrina Delta. b. IP 17-1 - Forças-Tarefas blindadas. c. Portaria Nº 001/EME-Res, de 06 Jan 99 - Aprova o QO para o RCC de Bda Cav Bld. d. Portaria Nº 002/EME-Res, de 06 Jan 99 - Aprova o QO para o RCC de Bda Inf Bld. e. Portaria Nº 042/EME-Res, de 04 Fev 99 - Aprova o QO para o RCB. f. Portaria Nº 187/EME-Res, de 28 Dez 98, Aprova QO de BIB. g. C 17-1 - Emprego de Blindados. h. C 7-5 - Exercícios para Infantaria. i. C 7-10 - Companhia de Fuzileiros. j. C 7-27 - Batalhões de Infantaria Blindados. l. C I 17-36/1 - Operações Combinadas com Carro de Combate - Fuzileiro Blindado. (Edição 1982). m. C 100-5 - Operações. n. CI 7-21/1 - O Pelotão de Fuzileiros Blindado. o. Caderno de instrução da AMAN - Pelotão de Fuzileiros Blindado. p. FC 7-21 - Mechanized Infantry Squad and Platoon Drills. q. FC 7-7J - The Mechanized Infantry Platoon Squad. r. ARTEP 7-247-10-DRILL - Battle Drills for the Mechanized Infantry Platoon and Squad (M113 - Equipped). s. TC 71-4-2 - The Tank/Mechanized Infantry Team. t. TC 7-4 - The Mechanized Infantry Platoon. u. FM 71-1 - Tank and Mechanized Infantry Company Team. v. FM 71-2 - Tank and Mechanized Infantry Battalion Task Force. x. AnwFE 224/120 VS-Nfd - Der Kampfpanzer. z. AnwFE 222/100 VS-Nfd - Die Panzerkompanie.

×