SlideShare uma empresa Scribd logo
CI 105-5/1
MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES
Caderno de Instrução
SIMULAÇÃO DE COMBATE
Preço: R$ GARGA
EM__________
1ª Edição-2006
Experimental
MINISTÉRIO DA DEFESA
EXÉRCITO BRASILEIRO
COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES
PORTARIA Nº 014 COTER, DE 02 DE MAIO DE 2006.
Caderno de Instrução CI 105-5/1
SIMULAÇÃO DE COMBATE.
O COMANDANTE DE OPERAÇÕES TERRESTRES, no uso da
delegação de competência conferida pela letra e), do item XI, Art. 1º da Port
nº 761, de 2 de dezembro de 2003, do Gab Cmt Ex, resolve:
Art 1º Aprovar, em caráter experimental, o Caderno de Instrução CI
105-5/1 Simulação de Combate.
Art. 2º Determinar que essa Portaria entre em vigor na data de sua
publicação.
Gen Ex RENALDO QUINTAS MAGIOLI
Comandante de Operações Terrestres
O presente Caderno de Instrução destina-se a auxiliar os instrutores e
monitores de tropa no adestramento da Simulação de Combate.
O texto fundamenta-se na doutrina vigente mas deve receber a crítica de
todos quantos o utilizarem para aprender, ensinar ou aplicar.
As sugestões devem ser enviadas para o endereço:
chad@coter.eb.mil.br
ÍNDICE DE ASSUNTOS
Pag
CAPÍTULO 1- INTRODUÇÃO
1-1. Finalidades........................................................................................1
1-2. Referências .......................................................................................1
1-3. Objetivos ...........................................................................................1
1-4. Pressupostos ....................................................................................2
1-5. Processo de elaboração de EXE SML CMB.....................................1
CAPÍTULO 2 – ELABORAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COM-
BATE
2-1. Estabelecimento dos objetivos..........................................................1
2-2. Diretriz do comando aplicador ..........................................................1
2-3. Montagem do tema tático..................................................................2
2-4. Coordenação inicial do exercício ......................................................3
CAPÍTULO 3 – REVISÃO DOUTRINÁRIA
CAPÍTULO 4 – PREPARAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COM-
BATE
4-1. Instalação do centro de simulação e combate..................................1
4-2. Estrutura física ..................................................................................4
4-3. Treinamento de controladores ..........................................................4
4-4. Posto de comando dos comandos executantes ...............................5
4-5. Turno zero .........................................................................................6
CAPÍTULO 5 – DESENVOLVIMENTO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE
COMBATE
5-1. Atividades a serem desenvolvidas ....................................................1
CAPÍTULO 6 – ANÁLISE PÓS-AÇÃO
6-1. Análise Pós-Ação ..............................................................................1
CAPÍTULO 7 – ANÁLISE PÓS-AÇÃO
7-1. Alojamento e alimentação .................................................................1
7-2. Recursos ...........................................................................................1
7-3. Meios providenciados pelo Coter......................................................1
1-1
CAPÍTULO 1
INTRODUÇÃO
1.FINALIDADES
-Estabelecer procedimentos que facilitem ao Grande Comando com o
encargo de Comando Aplicador, a montagem, a organização e a condução
de Exercícios de Simulação de Combate, utilizando os sistemas de simulação
desenvolvidos pelo Comando de Operações Terrestres.
simulação de combate obter os melhores resultados na participação nesses
exercícios.
2.REFERÊNCIAS
-Port Nr 246, de 11 Jun 02 (Diretriz Estratégica de Instrução Militar)
-Port Nr 109–EME, de 10 Nov 1992 (C105-5 - Manual de Campanha –
Exercícios Táticos)
-Port Nr 209-EME de 21 dez 05 (Diretriz para o Aperfeiçoamento e
Modernização do Sistema Integrado de Simulação de Combate)
- Programa de Instrução Militar – Comando de Operações Terrestres
3.OBJETIVOS
Orientar os Comandos Aplicadores quanto a:
-preparação e condução de um Exercício de Simulação de Combate;
- necessidades de efetivos e meios;
-preparação dos componentes da Direção do Exercício e dos controladores
1-2
da DIREX e dos Comandos de Manobra; e
-medidas administrativas necessárias.
Orientar os Comandos Executantes quanto a (o):
- seleção do pessoal participante;
- preparação necessária; e
- material a ser empregado.
4.PRESSUPOSTOS BÁSICOS
a. O termo “Exercício de Simulação de Combate”, neste Caderno de
Instrução, refere-se a um exercício tático, realizado no contexto de um exercício
de posto de comando, no qual são empregados meios computacionais para a
apresentação digital do cenário e para a simulação de operações continuadas de
combate, apoio ao combate e logística.
b. Sistema de Simulação de Combate é o conjunto de programas,
equipamentos e meios de informática organizados para dar suporte, dentro de
normas, técnicas e procedimentos, a um Exercício de Simulação de Combate.
c. O Sistema de Simulação é ferramenta de suporte para a realização de
parâmetros e as condicionantes do exercício e trabalhar para que ele motive e
estimule seus participantes. Dessa forma, serão atingidos os objetivos propostos
para essa atividade.
d. O exercício de simulação de combate pode ser realizado dentro de
diversos contextos em termos do ano de instrução, a saber:
1) Como o todo ou parte de um exercício combinado, nos níveis táticos
Divisão de Exército ou inferiores, em época determinada pelo Grande Comando
responsável;
2) No Período de Adestramento Avançado, como adestramento de
grandes comandos operacionais e seus subordinados;
3) No Período deAdestramento Básico, como adestramento de comandos
operacionais em nível Unidade e Subunidade Independente, (Infantaria e
Cavalaria);
conforme programação de instrução.
e. O contexto do exercício condicionará a época de realização, o cenário
operacional, o escalão e os objetivos a serem alcançados.
f. Comando Aplicador é o Grande Comando com o encargo de montar e
conduzir um Exercício de Simulação de Combate.
g. Comando Executante é o comando que realizará o exercício, sendo este
o que estará “em adestramento”.
h. Direção do Exercício é a equipe responsável pela condução tática do
exercício. As diversas funções que compõem essa equipe serão abordadas com
detalhes posteriormente.
i.Controlador é o elemento responsável pela interface entre o sistema de
simulação e o comando executante, recebendo ordens, inserindo-as no sistema
e transmitindo informações ao seu comando enquadrante.
1-3
5. PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE EXE SML CMB
A realização de um Exercício de Simulação de Combate pode seguir o
seguinte roteiro de atividades:
ATIVIDADE RESPONSÁVELPRODUTOS
ESTABELECIMENTO
DOSOBJETIVOSDO
EXESMLCMB
ComandoMilitardeÁreaouDivisãodeExército
EXPEDIÇÃODA
DIRETRIZDOCOMANDO
APLICADOR
ComandantedoComandoAplicador
-DesignaçãodaEquipedeMontagemeAplicaçãodoExercíciodeSimulaçãodeCombate;
-CondiçõesGeraisdeExecução
ESTABELECIMENTO
DOTEMATÁTICO
EMONTAGEMDO
EXERCÍCIO
ComandoAplicador–EquipedeMontagem
-DeterminaçãodaRegiãodeOperações;
-DeterminaçãodaSituaçãoGeral:localizaçãoinicialecomposiçãodosmeiosdosoponentes;
-Cenáriodaáreadeoperações;
-Informaçõessobreoinimigo(AzuleVermelho);
-ElaboraçãodasOrdensdeOperaçõesdosescalõessuperioresdosoponentes;
-ElaboraçãodoCalendárioGeraldoExercício;
-ElaboraçãodoQuadrodeSincronizaçãodeeventos;
-Divulgaçãodadocumentaçãopreliminar.
REVISÃODOUTRINÁRIA
ComandosExecutantes
-Preparaçãotáticadetodososmilitaresqueirãoparticipardoexercício.
PREPARAÇÃODOEXE
SMLCMB
ComandoAplicador
-InstalaçãodoCentrodeSimulaçãoeControle;
-InstalaçãodoSistemadeComunicações;
-Treinamentodecontroladores;
-TreinamentodasequipesdaDireçãodoExercício;
-Realizaçãodo“TurnoZero”.ComandosExecutantes
-InstalaçãodosPostosdeComando.
-Planejamentosiniciais.
EXECUÇÃODOEXE
SMLCMB
ComandoAplicador
-DesenrolardoExeSmlCmb:transmissãodeInformações,desencadeamentodeeventos;coletadedadosparaaAPA;
-APAparciais(SFC).ComandosExecutantes
-Recebimentodamissão;
-ExpediçãodeOrdemdeOperaçãoedecisõesdeconduta.
ANÁLISEPÓS-AÇÃO
ComandoAplicador/ComandosExecutantes
-AnálisePós-Ação.
Essas etapas serão tratadas nos capítulos que se seguem.
2-1
CAPÍTULO 2
ELABORAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COMBATE
1. ESTABELECIMENTO DOS OBJETIVOS
Os objetivos a serem atingidos nos exercícios de simulação de combate
(Exe Sml Cmb) serão enunciados pelo Escalão de Comando que determinar a
sua realização, por meio de Diretriz de Instrução.
Esse é o primeiro referencial na elaboração do tema tático, que deverá
permitir que sejam explorados os fundamentos doutrinários que embasam os
objetivos propostos.
Outras informações importantes, tais como a designação do Comando
Aplicador, período de execução, participantes, etc, poderão constar dessa
diretriz.
2. DIRETRIZ DO COMANDO APLICADOR
De posse da diretriz do escalão superior, o Comandante do Grande
encarregada de conduzir os trabalhos de montagem do Exe Sml Cmb.
O primeiro passo é a designação do Diretor Executivo e das equipes de
montagem e aplicação do exercício. O Diretor do Exercício é o Comandante do
Comando Aplicador.
A seguir, numa primeira etapa do planejamento, que deve envolver todo o
pelos executantes;
b. As condicionantes que nortearão o Exe Sml Cmb, tais como local de
execução, pessoal empregado, quadros-horários, arbitragem, entre outros;
2-2
c. A distribuição dos papéis a serem desempenhados pelos participan-
tes, inclusive a FOROP (Força Oponente).
3. MONTAGEM DO TEMA TÁTICO
Essa é a fase que demanda maior trabalho intelectual do ComandoAplicador,
devendo ser iniciada o mais cedo possível.
A primeira medida a ser tomada é a seleção da região de operações. Esta
deve ser semelhante à área operacional de provável emprego daquele escalão
em escala apropriada, para permitir os trabalhos de planejamento de todos os
níveis de comando.
COTER no formato vetorial. Esse aproveitamento possibilita o uso de material
de melhor qualidade, favorecendo o exercício. O COTER informará as regiões
disponíveis para facilitar essa seleção
Caso haja uma necessidade não atendida, o Comando Aplicador deverá
solicitar esse material ao COTER, que providenciará a sua preparação junto
antecedência de 02 anos para a obtenção de uma área nova.
A seguir, é elaborada a Situação Geral, que deve ser simples, mas que
permita a criação do cenário estratégico-operacional no qual estarão inseridas
as operações.
Na seqüência, serão determinadas todas as forças que estarão envolvidas
nas operações. Serão levantadas, também, quais as que estarão efetivamente
representadas (Comandos Executantes) e quais serão simuladas sob o controle
da Direção do Exercício.
distribuição dessas forças no terreno e a sua situação tática atual. Essa será, em
estratégica, a ocupação de zonas de destino, objetivos consolidados ou tropas
em reserva em condições de ultrapassar.
O próximo passo é a caracterização da região de operações selecionada,
ainda, as condições meteorológicas em que o exercício se desenrolará, que
poderão ser as existentes na ocasião do exercício.
Com todas as condicionantes estabelecidas, poderão ser confeccionados
os seguintes documentos:
a. Situação Geral;
b. Situações Particulares, atualizadas até a data do exercício;
c. Ordens de Operações dos Escalões Superiores, que contenham o
máximo de informações para permitir o planejamento das operações, dos apoios
ao combate e apoios logísticos (Anexo de Logística, Plano de Apoio de Fogo,
entre outros). A Direção deverá envidar todos os esforços para evitar o docu-
2-3
mento “omitido”.
d. Documentos de Inteligência, onde constarão as informações que
serão repassadas aos participantes no início do Exe Sml Cmb.
e. IECOM.
f. Quadro de Sincronização de Eventos (QSE).
Esse é um documento de controle de grande importância, no qual a Direção
do Exercício visualizará o desenrolar tático do exercício. Esse quadro será
alterado à medida que o planejamento for sendo aprimorado.
4. COORDENAÇÃO INICIAL DO EXERCÍCIO
Além dos documentos acima enumerados, todos relacionados com o
exercício tático, outros planejamentos devem ser efetuados, para assegurar o
bom andamento dos trabalhos.
O Calendário Geral é o documento onde constarão, em ordem cronológica,
os eventos a serem desenvolvidos até o início do Exe Sml Cmb, destacando-se
os respectivos responsáveis.
O Diretor executivo e os demais integrantes da Equipe de Montagem devem
antes do início do Exe.
As providências administrativas decorrentes serão previstas nesse
calendário, para que ocorram dentro dos prazos exigidos pela legislação
(licitações, empenho de despesas, diárias e passagens, etc.).
Os custos dos exercícios devem ser cuidadosamente estimados, tomando
como base os recursos disponibilizados pelo COTER. Uma planilha deve ser
elaborada e encaminhada no mais curto prazo, para permitir a descentralização
em prazo adequado.
participantes, um documento inicial, informando os detalhes de execução já
estabelecidos e algumas informações táticas sobre o exercício.
Essas informações servirão de base para a próxima fase: a Revisão
Doutrinária.
3-1
CAPÍTULO 3
REVISÃO DOUTRINÁRIA
A Revisão Doutrinária é parte fundamental do exercício tático. Para os
executantes, marca o início do exercício.
serão revistos os princípios doutrinários que serão explorados no exercício. Os
trabalhos de comando e de estado-maior devem ser recordados e praticados.
Não deve ser descurada a preparação do pessoal de apoio – comunicações,
auxiliares de seção de estado-maior, etc.
Os militares que trabalharão como Controladores também participarão
representar no Exe Sml Cmb. Não confundir com o treinamento de controladores,
que visa ao preparo para trabalho no Sistema de Simulação de Combate.
Essa atividade é responsabilidade do Comandante do Comando Executante.
Entretanto, o Comando Aplicador pode orientar a sua execução, informando os
assuntos que devem ser estudados com maior ênfase e os Manuais de Campanha
e outras publicações que tratem de assuntos de interesse do exercício.
O Comando Aplicador pode ser abrangente na sua orientação, caso não
deseje revelar, na íntegra, a situação tática do Exercício de Simulação de
Combate. Entretanto, a omissão de informações é prejudicial à preparação dos
participantes.
A elaboração de um programa de instrução anual, no âmbito do Grande
Comando, que viabilize o intercâmbio de conhecimentos entre as diversas
Unidades, aumentará a qualidade dessa revisão.
A Revisão Doutrinária pode ser realizada em qualquer época do ano,
mas a melhor situação é que ela ocorra na semana imediatamente anterior ao
exercício.
4-1
CAPÍTULO 4
PREPARAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COMBATE
Realizados todos os planejamentos referentes ao Exercício Tático, o
Comando Aplicador, na época do exercício, irá coordenar a montagem da
estrutura física de apoio e a preparação dos militares que participarão da
aplicação do Exe Sml Cmb .
Essas atividades compreendem: a instalação do Centro de Simulação e
Controle; treinamento dos Controladores; instalação dos Postos de Comando
(PC) dos Comandos Executantes; e o “Turno Zero”.
1. INSTALAÇÃO DO CENTRO DE SIMULAÇÃO E CONTROLE
O Centro de Simulação e Controle (C Sml Ct) é o conjunto de instalações
físicas destinadas à condução do Exercício de Simulação de Combate. Nele,
trabalham a Direção do Exercício e os Controladores da DIREX e dos Comandos
de Manobra. Pode ser uma instalação permanente (CAESC - Centro deAplicação
de Exercícios de Simulação de Combate) ou adaptada (aquartelamento,
estabelecimento de ensino e outros).
O Comando Aplicador conduz o Exe a partir do C Sml Ct.
O local escolhido para o funcionamento do C Sml Ct deve possuir uma
rede elétrica com estabilidade de tensão, permitir a instalação da rede lógica e
do Sistema de Comunicações (telefone ou rádio), espaço para a instalação do
mobiliário, proteção contra intempéries, etc.
O foco do Exe de Simulação está nos Cmdo executantes e não nos
comprometido pela má escolha do local do C Sml Ct.
O Sistema de Simulação (programa) é instalado nos computadores do C
4-2
Sml Ct, onde são processadas todas as ações táticas e logísticas dos elementos
presentes e não presentes na simulação.
O C Sml Ct dispõe das seguintes equipes e pessoal para a condução do
exercício:
a. DIRETOR DO EXERCÍCIO
Esse encargo pertence ao Comandante do Escalão Aplicador do Exercí-
cio de Simulação de Combate. É o chefe do Centro de Simulação e Controle.
b. DIRETOR EXECUTIVO
É o E3, Adj E3 ou Ch Sec Plj Coop do Comando Aplicador, sendo o subs-
tituto do Diretor do Exercício.
d. EQUIPE DE ARBITRAGEM
É a equipe encarregada pela aplicação da Doutrina Militar Terrestre (DMT)
durante a realização do Exercício de Simulação de Combate.
Nos exercícios no nível tático “batalhão”, esses encargos serão executa-
dos pelo Diretor do Exercício ou seu executivo.
A Arbitragem deve ter especial atenção em não interferir na condução da
manobra, a menos que o erro constatado venha a ferir diretamente a Doutrina,
trazendo vantagens para aquele que o comete.
A Arbitragem também será solicitada a emitir parecer quando houver di-
vergências entre os participantes do Exe Sml Cmb e os resultados de interações
obtidos no Sis Sml Cmb.
Na APA, poderá fazer uma explanação sobre os principais eventos na sua
área, difundindo os ensinamentos colhidos.
e. EQUIPE DA CARTA DE SITUAÇÃO
sível a visualização e o acompanhamento do exercício. Dessa forma, apóia a
Equipe de Arbitragem nas análises doutrinárias.
A equipe tem que estar em condições de assegurar a continuidade do
exercício, em caso de pane do sistema informatizado.
- Chefe da Carta de Situação – E/2 do Comando Aplicador.
ou Cavalaria e auxiliares.
A “Carta de Situação das Operações” deve ser construída sobre uma
tizados.
a. EQUIPE DE SIMULAÇÃO
Encarregada de representar os Escalões e Unidades não presentes como
executantes, mas necessários à condução da Simulação. Atuam no Exercício
sob a coordenação da Direção.
4-3
A equipe de simulação deve ser composta, no mínimo, de:
executantes e vizinhos (DE, Bda e OMDS da Força Azul e FOROP);
Artilharia (AEx, AD), GAC Divisionários, Bia LMF, Bia BA e GAC de Bda não mo-
biliados por Cmdo executantes;
de Engenharia (EEx, ED), B Eng Div e Cia Eng não mobiliados por Cmdo exe-
cutantes;
res das Comunicações (O Com e Of GE), B Com, Cia GE e Cia Com não mobi-
liados por Cmdo executantes;
escalões superiores no Sistema Operacional Logístico (Gpt Log, Ba Log) e BLog
não mobiliados por Cmdo executantes;
- Outros especialistas julgados necessários.
A equipe de simulação não tem “partido”, atuando em proveito do
adequado ao desempenho de suas funções, não sendo desejável que excedam
essa necessidade.
Observação: A DIREX deverá envidar esforços para que os Controladores
sejam Of com o curso da EsAO e que possuam boas noções de operação de
microcomputadores.
b. OFICIAIS CONTROLADORES DOS COMANDOS EXECUTANTES
São os encarregados de inserir as ordens dos Comandos de Manobra no
Sistema de Simulação de Combate, de decidir sobre o emprego do escalão que
representam e de repassar informações sobre a tropa ao seu Comandante ou
Aplicador. Considerando que o Exe não é interrompido durante a sua realização,
recomenda-se o mínimo de 2 (dois) controladores por Cmdo executante, sendo
o ideal a previsão de 2 (dois) controladores por computador disponibilizado por
Cmdo executante.
Esses controladores serão selecionados e indicados pela própria OM. É
fundamental o conhecimento efetivo do emprego tático das frações que irá
controlar.
Cada equipe de controladores deverá ser apoiada por um Sgt e dois Cb / Sd,
que farão o trabalho de apoio, de comunicações e de outros Sv necessários.
Os Controladores, como membros do Centro de Simulação e Controle,
trabalham sob a coordenação da Direção do Exercício, em estreita ligação com
os respectivos Comandos de Manobra.
operação de microcomputadores.
c. EQUIPE DE SUPORTE TÉCNICO
4-4
Composta por militares especialistas em instalação, administração e
manutenção de redes de computadores.
É responsável pela instalação e funcionamento da rede de computadores
e do material de informática do C Sml Ct. Sua principal missão é manter o
sistema em boas condições de funcionamento durante todo o tempo em que
estiver ligado.
conhecimento do Sistema de Simulação em uso.
d. EQUIPE DE APOIO
É responsável pela manutenção das instalações; manutenção e
funcionamento de copiadoras; apoio de café e água e pela obtenção de meios
auxiliares necessários ao funcionamento do C Sml Ct (retroprojetores, projetor
de multimídia, celotex e divisórias).
2. ESTRUTURA FÍSICA
O C Sml Ct deverá ser dividido nos seguintes ambientes de trabalho:
- Direção do Exercício e Equipe de Simulação.
- Controladores da Força Azul;
- Controladores da FOROP; e
- Sala de Instrução.
Os Cmdo executantes ligar-se-ão aos seus respectivos controladores por
um Sistema de Comunicações, a ser instalado pela OM de Com do GCmdo
executante.
local.
Os ambientes dos controladores devem ser subdivididos por Unidade
ou Sistema Operacional. O contato entre os controladores da Direx e os
controladores dos Cmdo executantes deverá ser evitado. O contato entre os
controladores das forças oponentes deve ser proibido, mesmo fora do ambiente
da simulação.
Essa estrutura já deverá estar pronta para o início do treinamento dos
controladores.
3. TREINAMENTO DE CONTROLADORES
Essa atividade deverá receber especial atenção do Comando Aplicador,
pela sua relevância no sucesso do Exe Sml Cmb.
Deve ser realizado na semana imediatamente anterior à realização do Exe
Sml Cmb. Os Controladores, entretanto, deverão se preparar antecipadamente,
pelo estudo dos manuais do Sis Sml Cmb e de outros meios colocados à
disposição pelo COTER.
Essa tarefa não pode ser realizada por uma equipe pequena. Cabe ao
Comando Aplicador dimensioná-la e prepará-la adequadamente para essa
missão. Deverão ser empregados, prioritariamente, aqueles que já possuam
experiência anterior no Sistema de Simulação.
O treinamento será realizado separadamente para os controladores da
4-5
Direção do Exercício e para os dos Comandos de Manobra.
As instruções, preferencialmente, serão realizadas no C Sml Ct, para
ambientar os controladores no seu ambiente de trabalho e testar o Sistema de
Simulação e a rede lógica.
Sempre que possível, o COTER apoiará essa atividade, preparando
antecipadamente militares para a condução desse treinamento ou por intermédio
de um militar especializado de seus quadros.
a. CONTROLADORES DA DIREX
Em razão das possibilidades de interferência na simulação, esses controladores
devem ser bem orientados no sentido de somente atuarem em conformidade
com o determinado pela Direção.
b. CONTROLADORES DOS COMANDOS DE MANOBRA
Os comandantes e seus estados-maiores dependerão do desempenho
manobra.
Deve-se considerar também que exercem dupla função: operador da
interface do Sis Sml Cmb e comandante dos escalões que representa.
Conforme visto para a DIREX, o treinamento deverá ser prioritariamente
focado no trabalho do controlador no contexto de sua própria Unidade.
os relatórios referentes a composição dos meios, efetivos e material de sua
Unidade.
da semana que antecede ao Exe Sml Cmb.
Simulação e Controle e a preparação propriamente dita dos controladores do
exercício que será realizado.
4. POSTO DE COMANDO DOS COMANDOS EXECUTANTES
É o local onde os Comandos Executantes conduzirão seus trabalhos durante
o exercício.
Pode ser montado aproveitando instalações físicas existentes. Entretanto,
para se aproximar da realidade das operações de combate, os Comandos
executantes devem estar dispostos no terreno, ocupando barracas de
comando.
A Cia Com / Bda deverá montar e operar, dentro de suas possibilidades, o
do Grande Comando.
Os Exe Sml Cmb realizados dentro do Ciclo de Adestramento serão
combinados com Exercício de Posto de Comando.
Os PC devem possuir locais para o trabalho de todas as seções do estado-
maior.
As cartas serão fornecidas pelo Comando Aplicador.
O Posto de Comando da FOROP poderá estar próximo ao C Sml Ct, para
facilitar as ligações entre ela e a Direx.
4-6
5. TURNO ZERO
simulação de combate e um “aquecimento” para o exercício, envolvendo
controladores e postos de comando, interligados pelo sistema de comunicações
montado para o exercício. O turno zero deverá ocorrer o mais cedo possível,
após a chegada dos Cmdo executantes no local do Exe.
Para tanto, a DIREx pode preparar eventos de inteligência, táticos ou
de mensagens, tramitação de ordens e informações de combate e algumas
atividades no sistema de simulação.
início da simulação no sistema e caracteriza o início do exercício propriamente
dito.
QUADRO DE ATIVIDADES PARA O TREINAMENTO DE CONTROLADORES
DIA PERÍODO ATIVIDADE RESP
1°
Manhã
equipamentos do Exe Sml Cmb.
- Instalação dos módulos do Sistema
de Simulação.
-Chegada das equipes (instrutores e
controladores) ao local do Exercício.
Comando Aplicador.Equipe de Suporte
Técnico.
Comando
Aplicador.
Equipe de Suporte
Técnica.
Tarde
- Designação de tarefas.
- Distribuição da documentação.
- Orientação geral sobre o exercício.
- Apresentação do Sistema de
Simulação de Combate.
Comando Aplicador
2°a 4º
Manhã e Tarde
- Treinamento da equipe de simulação
(Ct DIREX e Comando de Manobra):
funções comuns e particulares.
- Prática.
Comando Aplicador
5°
- Simulação de um Exe Sml Cmb, com
prática de todas as ordens disponíveis no
sistema.
- Limpeza dos dados do treinamento,
recomposição das tropas destruídas
ou que sofreram baixas. Lembrar de
preservar os itens de cénario que serão
utilizados no Exercício.
- Cadastramento do cenário do exer-
cício.
Comando Aplicador
Controladores
D A regular
- Turno Zero.
- Início do Exe Sml Cmb.
Direx
Equipe simulação
5-1
CAPÍTULO 5
DESENVOLVIMENTO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE
COMBATE
Depois de vencidas todas as fases do planejamento e preparo do Exe Sml
Cmb , inicia-se a sua realização.
Para tanto, é necessário que o C Sml Ct esteja montado, o Sis Sml Cmb
instalado e a rede lógica em funcionamento; os PC dos Comandos de Manobra
prontos e mobiliados; e o Sistema de Comunicações em operação.
1. ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS
que a Direção possa direcionar os esforços de modo a evitar desencontros nas
frentes de atuação. Permitirá também que sejam fornecidas algumas informações
do inimigo ao seu oponente.
Antes do início do exercício, o Comando Aplicador deverá realizar uma
os objetivos do exercício, expor as normas de conduta de todos ao longo do
trabalho e esclarecer alguns aspectos do Sis Sml Cmb.
É importante que todos entendam que não se trata de mostrar as “regras do
jogo”, mas de apresentar as peculiaridades inerentes a um Exe Sml Cmb.
Após essa reunião, a Força Azul receberá a Situação Particular atual,
iniciando seus planejamentos.
Durante o exercício, as ligações entre a Direção, quando esta estiver
representando algum elemento simulado, e os Comandos de Manobra; entre
os controladores e suas Unidades; e entre Unidades, deverão ser efetivadas
utilizando-se do sistema de comunicações de campanha estabelecido. Para
assuntos administrativos, poderão ser empregados outros meios.
5-2
A Direção deverá regular o contato direto entre controladores e suas
Unidades. Inicialmente, o controlador deve participar da expedição da OOp , a
decorrer do Exe Sml Cmb, será permitida a ida do controlador ao seu PC, para
levar relatórios e esclarecer dúvidas. A ida do Cmt ou membro do EM ao C Sml
Ct é indesejável, pois a tela do computador fornece informações que não seriam
acessíveis numa situação real.
O uso de interfaces para apoio à decisão (ApDec) facilita a remessa de
informações digitalizadas aos Comandos de Manobra. A freqüência e os
relatórios que serão disponibilizados por esse sistema também serão regulados
pela Direção.
Muitas vezes, o desenrolar dos acontecimentos conduz o exercício a
um desfecho inesperado, terminando muito antes do previsto. Para essas
eventualidades, a Direção deve estar preparada para, sem ferir a doutrina nem
adotar saídas “milagrosas”, dar novo ânimo ao exercício, de modo que ele tenha
a duração estipulada.
O Quadro de Sincronização de Eventos auxilia a Direção do Exercício na
coordenação dos acontecimentos e na execução de situações planejadas para
fazer frente às situações inesperadas citadas anteriormente.
Não deve haver, entre os participantes, a idéia de que o exercício terá
um “vencedor”. Esse não é o objetivo da Simulação. A situação deve estar
dimensionada para prosseguir no tempo, embora o exercício tenha um prazo
Cronograma de Atividades para uma semana de Exercício de Simulação
de Combate.
DIA PERÍODO ATIVIDADE RESP
D-1 Todo
- Chegada dos Cmdo da
FOROP ao local do Exe. -
Início dos trabalhos da FOROP.
- Chegada dos Cmdo
executantes da Força Azul ao
local do Exe.
Comandos de
Manobra
D
Manhã
- Abertura do Exercício.
- Apresentação das NGA.
- Ambientação do exercício
(DIREX): situação geral e
particular da Força Azul.
- Entrega dos
planejamentos da FOROP e do
emprego do BI ou Rgt Reserva
da Bda Vermelha.
Comando
Aplicador;Direx;FOROP
Tarde
e Noite
- Início dos trabalhos da
Força Azul;
- Entrega dos
planejamentos do
deslocamento da Força Azul,
da área de concentração para
as Z Reu.
- Deslocamento da Força
Força Azul.
Partido Azul
5-3
DIA PERÍODO ATIVIDADE RESP
D+1
Manhã,Tarde e
Noite
- Planejamento dos
Reconhecimentos Az e FOROP.
- Planejamento da Força Azul.-
Entrega dos Plj à DIREX.
- Pedidos de Reconhecimento
Aéreo e VANT (M-T-N).
- Fogos de regulação
- Busca de Informações de
Combate (Patr, Inc e outras).
Força Azul.FOROP.
D+2
A
D+3
Manhã, Tarde e
Noite
- Início das interações. Eventos
gerados pela Direx;
- Condutas: expedição de Ordens
Fragmentárias.
- Preparação para a APA.
Direx,Força Azul.
FOROP.
D+4
Manhã
- Análise Pós-Ação.
- Encerramento do Exercício de
Simulação de Combate.
Todos
Tarde - Retorno às OM.
6-1
CAPÍTULO 6
ANÁLISE PÓS-AÇÃO
1. ANÁLISE PÓS-AÇÃO
AAPAdeve ser encarada, por todos os envolvidos no Exercício de Simulação
de Combate, como o coroamento do exercício e o momento onde todos poderão
compartilhar os ensinamentos colhidos.
Os trabalhos da APA iniciam-se junto com o exercício, na coleta de
dados e informações na documentação elaborada e nas diversas decisões e
condutas empreendidas pelos participantes, dentro dos diferentes Sistemas
Operacionais.
Os recursos disponíveis no Sis Sml Cmb para apoio à APA (geração e
visualização de históricos) devem ser prioritária e intensivamente explorados, a
compreensão da Manobra como um todo; e
capítulo.
O Comando Aplicador deve envidar todos os esforços para criar um
ambiente favorável para a discussão dos aspectos doutrinários mais importantes
destacados durante o exercício. Não é uma busca de erros e culpados, mas a
oportunidade para consolidar conhecimentos que não estão nos manuais.
Após o regresso dos comandos participantes às suas sedes, deve ser feita
uma APA particular de cada elemento, sendo os resultados posteriormente
remetidos para o Comando Aplicador para análise, consolidação e divulgação.
6-2
SEQÜENCIA DE ATIVIDADES DA ANÁLISE PÓS - AÇÃO
Atividades Responsável
1) Coleta de dados durante o
exercício.
Cmdo Aplicador
2) Preparação para a APA.
Cmdo Aplicador e Cmdo
Executantes
3) Apresentação dos objetivos
propostos na Diretriz do Comando
Aplicador.
Cmdo Aplicador
4) Apresentação da situação das
forças em presença e da ordem de
batalha das forças oponentes.
Cmdo Aplicador
5) Apresentação do esquema de
manobra da Força Azul.
Cmdo Bda Az
6) Apresentação do esquema de
manobra da Força Oponente
(FOROP).
Cmdo FOROP
7) Apresentação e debate dos
eventosimportantes,dentrodecada
sistema operacional; comparação
dos resultados alcançados com os
lições aprendidas.
Cmdo Aplicador
8) Consolidação dos ensinamentos
colhidos no exercício.
Cmdo Aplicador
7-1
CAPÍTULO 7
MEDIDAS ADMINISTRATIVAS
1. ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO
A capacidade de acolhimento das instalações do C Sml Ct imporá os limites
de pessoal no exercício. A transferência de etapas dos participantes seguirá as
normas regionais de subsistência. Devem-se envidar esforços para que todo o
processo já esteja concluído antes do início do exercício.
No planejamento da ocupação e do emprego das instalações, deve ser
considerada a separação entre os oponentes e entre os membros da Direção
do Exercício.
2. RECURSOS
Serão repassados pelo COTER, para os Comandos Aplicadores, recursos
recursos devem ser empregados no exercício, podendo ser empregados para
pagamento de despesas com concessionárias e alimentação.
3. MEIOS PROVIDENCIADOS PELO COTER
1) Cartas no formato vetorial para os Sistemas de Simulação, de acordo com
os pedidos dos Cmdo Aplicadores do Exe.
dos Exe (reunião anual de treinamento).
3) Sistema de Simulação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4
CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4
CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
Falcão Brasil
 
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro NavalCGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
Falcão Brasil
 
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
Falcão Brasil
 
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Falcão Brasil
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90 INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25
 MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25 MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25
MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4
 CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4 CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4
CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4
Falcão Brasil
 
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
 RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP) RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
Falcão Brasil
 
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009 CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
Falcão Brasil
 
Guia do aluno comanf 2012
Guia do aluno comanf 2012Guia do aluno comanf 2012
Guia do aluno comanf 2012
Falcão Brasil
 
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
Falcão Brasil
 
CGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter Naval
CGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter NavalCGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter Naval
CGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter Naval
Falcão Brasil
 

Mais procurados (20)

MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
 
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO COMUM PPQ/1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4
CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4
CADERNO DE INSTRUÇÃO O INSTRUTOR DE CORPO DE TROPA CI 20-10/4
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA ...
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
 
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro NavalCGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
 
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
Manual de Ensino Operação de Alvos Aéreos (EB60-ME-23.402)
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA C 6-1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
 
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
MANUAL DE CAMPANHA GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO C 20-1
 
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
Caderno de instrução de treinamento e técnica básica do paraquedista militar ...
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90 INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
 
MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25
 MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25 MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25
MANUAL DE CAMPANHA PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO DE FOGOS C 100-25
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4
 CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4 CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4
CADERNO DE INSTRUÇÃO DESDOBRAMENTO DA SEÇÃO DE COMANDO CI 17-10/4
 
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
 RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP) RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
 
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009 CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
 
Guia do aluno comanf 2012
Guia do aluno comanf 2012Guia do aluno comanf 2012
Guia do aluno comanf 2012
 
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
CGCFN-31.2 - Manual de Operações contra Forças Irregulares dos Grupamentos Op...
 
CGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter Naval
CGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter NavalCGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter Naval
CGCFN-1-5 - Manual de Operações Terrestres de Caráter Naval
 

Destaque

CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3
Falcão Brasil
 
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
Falcão Brasil
 
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15
MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15
MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1
Falcão Brasil
 
OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201
OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201
OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5
MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5
MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5
Falcão Brasil
 
Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405
Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405
Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1 MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...
Falcão Brasil
 

Destaque (20)

CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO EXERCÍCIOS DE DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA (EDL) CI 20-10/3
 
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
 
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402
Manual Técnico do Mestre de Salto Paraquedista EB60-MT-34.402
 
MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15
MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15
MANUAL DE CAMPANHA FORTIFICAÇÕES DE CAMPANHA C 5-15
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO A COMUNICAÇÃO SOCIAL EM APOIO ÀS OPERAÇÕES MILITARES CI ...
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO MEDIDAS DE PROTEÇÃO ELETRÔNICA (MPE) CI 34-1/1
 
OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201
OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201
OPERAÇÕES EM AMBIENTE INTERAGÊNCIAS EB20-MC-10.201
 
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES C 100-5
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE INSTRUÇÃO CI 32/1
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
 
MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5
MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5
MANUAL DE CAMPANHA ESTADO-MAIOR E ORDENS 1º VOLUME C 101-5
 
Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405
Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405
Manual Técnico Salto Livre EB60-MT-34.405
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ESCOLA DE FOGO DE INSTRUÇÃO DO MÍSSIL IGLA 9K38 CI 44-62/1
 
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1 MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1
CADERNO DE INSTRUÇÃO AÇÃO CÍVICO-SOCIAL CI 45-1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO RECONHECIMENTO, ESCOLHA E OCUPAÇÃO DE POSIÇÃO (REOP) NO ...
 

Semelhante a CADERNO DE INSTRUÇÃO SIMULAÇÃO DE COMBATE CI 105-5/1

Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)
Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)
Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)
wallacecarneiro11
 
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
RicardoMarques754649
 
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdfEB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
MarcioAgne2
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
Falcão Brasil
 
ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1
ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1
ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1
Falcão Brasil
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
Lucas Bispo
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
Triplo Sof
 
Treinamento militar - Lutas
Treinamento militar - LutasTreinamento militar - Lutas
Treinamento militar - Lutas
marcelosilveirazero1
 
Treinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutasTreinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutas
Lourenço Junior
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61
 MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61 MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61
MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61
Falcão Brasil
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
Falcão Brasil
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO PPE 07/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO  PPE 07/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO  PPE 07/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO PPE 07/3
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3
Falcão Brasil
 

Semelhante a CADERNO DE INSTRUÇÃO SIMULAÇÃO DE COMBATE CI 105-5/1 (20)

Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)
Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)
Estágio de instrução e preparação para oficiais temporarios (eipot)
 
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
Programa Padrão Instrução Individual Básica 2019
 
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdfEB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
EB70-PP-11.011-Instrução Básica donExercito.pdf
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE PELOTÃO NA DEFESA EXTERNA CI 21-76/1
 
ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1
ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1
ESTÁGIO DE INSTRUÇÃO E DE PREPARAÇÃO PARA OFICIAIS TEMPORÁRIOS (EIPOT) PPE 02/1
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
 
C 20 50 luta
C 20 50 lutaC 20 50 luta
C 20 50 luta
 
Treinamento militar - Lutas
Treinamento militar - LutasTreinamento militar - Lutas
Treinamento militar - Lutas
 
Treinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutasTreinamento físico militar lutas
Treinamento físico militar lutas
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 06/3
 
MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61
 MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61 MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61
MANUAL DE CAMPANHA SERVIÇO DA PEÇA DO EDT FILA 1º VOLUME C 44-61
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO ENFERMAGEM PPE 03/2
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO CORNETEIRO E C...
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
 
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
MANUAL DE CAMPANHA TREINAMENTO FÍSICO MILITAR LUTAS C 20-50
 
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
 
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO PPE 07/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO  PPE 07/3ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO  PPE 07/3
ESTÁGIO BÁSICO PARA SARGENTO TEMPORÁRIO PPE 07/3
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
 
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE COMANDO E APOIO C 7-15
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3
CADERNO DE INSTRUÇÃO MANEABILIDADE DE VIATURAS BLINDADAS CI 17-1/3
 

Mais de Falcão Brasil

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdfEstado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdfSegurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Falcão Brasil
 
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdfSegurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdfSistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdfPrograma Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
Falcão Brasil
 
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfProjeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfSistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Falcão Brasil
 
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Falcão Brasil
 
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdfPrognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdfSistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Falcão Brasil
 

Mais de Falcão Brasil (20)

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdfEstado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdfSegurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
Segurança e Defesa Uma Moldura Teórico-Conceitual.pdf
 
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdfSegurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
Segurança na África e o Entorno Estratégico Brasileiro.pdf
 
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdfSistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
Sistema de Planejamento Estratégico de Defesa (SISPED).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdfPrograma Inclusão Digital do Censipam.pdf
Programa Inclusão Digital do Censipam.pdf
 
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfProjeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
 
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdfSistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
Sistema de Vigilância da Amazônia - SIVAM.pdf
 
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
Uso de Software Livre para Geoinformação na Proteção da Amazônia uma história...
 
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdfPrognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
Prognóstico Climático da Amazônia Trimestre Jul-Ago-Set 2023.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdfSistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológico do CENSIPAM.pdf
 
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
Manual SipamHidro Sistema Integrado de Monitoramento e Alerta Hidrometeorológ...
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 

CADERNO DE INSTRUÇÃO SIMULAÇÃO DE COMBATE CI 105-5/1

  • 1. CI 105-5/1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES Caderno de Instrução SIMULAÇÃO DE COMBATE Preço: R$ GARGA EM__________ 1ª Edição-2006 Experimental
  • 2. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES PORTARIA Nº 014 COTER, DE 02 DE MAIO DE 2006. Caderno de Instrução CI 105-5/1 SIMULAÇÃO DE COMBATE. O COMANDANTE DE OPERAÇÕES TERRESTRES, no uso da delegação de competência conferida pela letra e), do item XI, Art. 1º da Port nº 761, de 2 de dezembro de 2003, do Gab Cmt Ex, resolve: Art 1º Aprovar, em caráter experimental, o Caderno de Instrução CI 105-5/1 Simulação de Combate. Art. 2º Determinar que essa Portaria entre em vigor na data de sua publicação. Gen Ex RENALDO QUINTAS MAGIOLI Comandante de Operações Terrestres
  • 3. O presente Caderno de Instrução destina-se a auxiliar os instrutores e monitores de tropa no adestramento da Simulação de Combate. O texto fundamenta-se na doutrina vigente mas deve receber a crítica de todos quantos o utilizarem para aprender, ensinar ou aplicar. As sugestões devem ser enviadas para o endereço: chad@coter.eb.mil.br
  • 4. ÍNDICE DE ASSUNTOS Pag CAPÍTULO 1- INTRODUÇÃO 1-1. Finalidades........................................................................................1 1-2. Referências .......................................................................................1 1-3. Objetivos ...........................................................................................1 1-4. Pressupostos ....................................................................................2 1-5. Processo de elaboração de EXE SML CMB.....................................1 CAPÍTULO 2 – ELABORAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COM- BATE 2-1. Estabelecimento dos objetivos..........................................................1 2-2. Diretriz do comando aplicador ..........................................................1 2-3. Montagem do tema tático..................................................................2 2-4. Coordenação inicial do exercício ......................................................3 CAPÍTULO 3 – REVISÃO DOUTRINÁRIA CAPÍTULO 4 – PREPARAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COM- BATE 4-1. Instalação do centro de simulação e combate..................................1 4-2. Estrutura física ..................................................................................4 4-3. Treinamento de controladores ..........................................................4 4-4. Posto de comando dos comandos executantes ...............................5 4-5. Turno zero .........................................................................................6 CAPÍTULO 5 – DESENVOLVIMENTO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COMBATE 5-1. Atividades a serem desenvolvidas ....................................................1 CAPÍTULO 6 – ANÁLISE PÓS-AÇÃO 6-1. Análise Pós-Ação ..............................................................................1 CAPÍTULO 7 – ANÁLISE PÓS-AÇÃO 7-1. Alojamento e alimentação .................................................................1 7-2. Recursos ...........................................................................................1 7-3. Meios providenciados pelo Coter......................................................1
  • 5. 1-1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.FINALIDADES -Estabelecer procedimentos que facilitem ao Grande Comando com o encargo de Comando Aplicador, a montagem, a organização e a condução de Exercícios de Simulação de Combate, utilizando os sistemas de simulação desenvolvidos pelo Comando de Operações Terrestres. simulação de combate obter os melhores resultados na participação nesses exercícios. 2.REFERÊNCIAS -Port Nr 246, de 11 Jun 02 (Diretriz Estratégica de Instrução Militar) -Port Nr 109–EME, de 10 Nov 1992 (C105-5 - Manual de Campanha – Exercícios Táticos) -Port Nr 209-EME de 21 dez 05 (Diretriz para o Aperfeiçoamento e Modernização do Sistema Integrado de Simulação de Combate) - Programa de Instrução Militar – Comando de Operações Terrestres 3.OBJETIVOS Orientar os Comandos Aplicadores quanto a: -preparação e condução de um Exercício de Simulação de Combate; - necessidades de efetivos e meios; -preparação dos componentes da Direção do Exercício e dos controladores
  • 6. 1-2 da DIREX e dos Comandos de Manobra; e -medidas administrativas necessárias. Orientar os Comandos Executantes quanto a (o): - seleção do pessoal participante; - preparação necessária; e - material a ser empregado. 4.PRESSUPOSTOS BÁSICOS a. O termo “Exercício de Simulação de Combate”, neste Caderno de Instrução, refere-se a um exercício tático, realizado no contexto de um exercício de posto de comando, no qual são empregados meios computacionais para a apresentação digital do cenário e para a simulação de operações continuadas de combate, apoio ao combate e logística. b. Sistema de Simulação de Combate é o conjunto de programas, equipamentos e meios de informática organizados para dar suporte, dentro de normas, técnicas e procedimentos, a um Exercício de Simulação de Combate. c. O Sistema de Simulação é ferramenta de suporte para a realização de parâmetros e as condicionantes do exercício e trabalhar para que ele motive e estimule seus participantes. Dessa forma, serão atingidos os objetivos propostos para essa atividade. d. O exercício de simulação de combate pode ser realizado dentro de diversos contextos em termos do ano de instrução, a saber: 1) Como o todo ou parte de um exercício combinado, nos níveis táticos Divisão de Exército ou inferiores, em época determinada pelo Grande Comando responsável; 2) No Período de Adestramento Avançado, como adestramento de grandes comandos operacionais e seus subordinados; 3) No Período deAdestramento Básico, como adestramento de comandos operacionais em nível Unidade e Subunidade Independente, (Infantaria e Cavalaria); conforme programação de instrução. e. O contexto do exercício condicionará a época de realização, o cenário operacional, o escalão e os objetivos a serem alcançados. f. Comando Aplicador é o Grande Comando com o encargo de montar e conduzir um Exercício de Simulação de Combate. g. Comando Executante é o comando que realizará o exercício, sendo este o que estará “em adestramento”. h. Direção do Exercício é a equipe responsável pela condução tática do exercício. As diversas funções que compõem essa equipe serão abordadas com detalhes posteriormente. i.Controlador é o elemento responsável pela interface entre o sistema de simulação e o comando executante, recebendo ordens, inserindo-as no sistema e transmitindo informações ao seu comando enquadrante.
  • 7. 1-3 5. PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE EXE SML CMB A realização de um Exercício de Simulação de Combate pode seguir o seguinte roteiro de atividades: ATIVIDADE RESPONSÁVELPRODUTOS ESTABELECIMENTO DOSOBJETIVOSDO EXESMLCMB ComandoMilitardeÁreaouDivisãodeExército EXPEDIÇÃODA DIRETRIZDOCOMANDO APLICADOR ComandantedoComandoAplicador -DesignaçãodaEquipedeMontagemeAplicaçãodoExercíciodeSimulaçãodeCombate; -CondiçõesGeraisdeExecução ESTABELECIMENTO DOTEMATÁTICO EMONTAGEMDO EXERCÍCIO ComandoAplicador–EquipedeMontagem -DeterminaçãodaRegiãodeOperações; -DeterminaçãodaSituaçãoGeral:localizaçãoinicialecomposiçãodosmeiosdosoponentes; -Cenáriodaáreadeoperações; -Informaçõessobreoinimigo(AzuleVermelho); -ElaboraçãodasOrdensdeOperaçõesdosescalõessuperioresdosoponentes; -ElaboraçãodoCalendárioGeraldoExercício; -ElaboraçãodoQuadrodeSincronizaçãodeeventos; -Divulgaçãodadocumentaçãopreliminar. REVISÃODOUTRINÁRIA ComandosExecutantes -Preparaçãotáticadetodososmilitaresqueirãoparticipardoexercício. PREPARAÇÃODOEXE SMLCMB ComandoAplicador -InstalaçãodoCentrodeSimulaçãoeControle; -InstalaçãodoSistemadeComunicações; -Treinamentodecontroladores; -TreinamentodasequipesdaDireçãodoExercício; -Realizaçãodo“TurnoZero”.ComandosExecutantes -InstalaçãodosPostosdeComando. -Planejamentosiniciais. EXECUÇÃODOEXE SMLCMB ComandoAplicador -DesenrolardoExeSmlCmb:transmissãodeInformações,desencadeamentodeeventos;coletadedadosparaaAPA; -APAparciais(SFC).ComandosExecutantes -Recebimentodamissão; -ExpediçãodeOrdemdeOperaçãoedecisõesdeconduta. ANÁLISEPÓS-AÇÃO ComandoAplicador/ComandosExecutantes -AnálisePós-Ação. Essas etapas serão tratadas nos capítulos que se seguem.
  • 8. 2-1 CAPÍTULO 2 ELABORAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COMBATE 1. ESTABELECIMENTO DOS OBJETIVOS Os objetivos a serem atingidos nos exercícios de simulação de combate (Exe Sml Cmb) serão enunciados pelo Escalão de Comando que determinar a sua realização, por meio de Diretriz de Instrução. Esse é o primeiro referencial na elaboração do tema tático, que deverá permitir que sejam explorados os fundamentos doutrinários que embasam os objetivos propostos. Outras informações importantes, tais como a designação do Comando Aplicador, período de execução, participantes, etc, poderão constar dessa diretriz. 2. DIRETRIZ DO COMANDO APLICADOR De posse da diretriz do escalão superior, o Comandante do Grande encarregada de conduzir os trabalhos de montagem do Exe Sml Cmb. O primeiro passo é a designação do Diretor Executivo e das equipes de montagem e aplicação do exercício. O Diretor do Exercício é o Comandante do Comando Aplicador. A seguir, numa primeira etapa do planejamento, que deve envolver todo o pelos executantes; b. As condicionantes que nortearão o Exe Sml Cmb, tais como local de execução, pessoal empregado, quadros-horários, arbitragem, entre outros;
  • 9. 2-2 c. A distribuição dos papéis a serem desempenhados pelos participan- tes, inclusive a FOROP (Força Oponente). 3. MONTAGEM DO TEMA TÁTICO Essa é a fase que demanda maior trabalho intelectual do ComandoAplicador, devendo ser iniciada o mais cedo possível. A primeira medida a ser tomada é a seleção da região de operações. Esta deve ser semelhante à área operacional de provável emprego daquele escalão em escala apropriada, para permitir os trabalhos de planejamento de todos os níveis de comando. COTER no formato vetorial. Esse aproveitamento possibilita o uso de material de melhor qualidade, favorecendo o exercício. O COTER informará as regiões disponíveis para facilitar essa seleção Caso haja uma necessidade não atendida, o Comando Aplicador deverá solicitar esse material ao COTER, que providenciará a sua preparação junto antecedência de 02 anos para a obtenção de uma área nova. A seguir, é elaborada a Situação Geral, que deve ser simples, mas que permita a criação do cenário estratégico-operacional no qual estarão inseridas as operações. Na seqüência, serão determinadas todas as forças que estarão envolvidas nas operações. Serão levantadas, também, quais as que estarão efetivamente representadas (Comandos Executantes) e quais serão simuladas sob o controle da Direção do Exercício. distribuição dessas forças no terreno e a sua situação tática atual. Essa será, em estratégica, a ocupação de zonas de destino, objetivos consolidados ou tropas em reserva em condições de ultrapassar. O próximo passo é a caracterização da região de operações selecionada, ainda, as condições meteorológicas em que o exercício se desenrolará, que poderão ser as existentes na ocasião do exercício. Com todas as condicionantes estabelecidas, poderão ser confeccionados os seguintes documentos: a. Situação Geral; b. Situações Particulares, atualizadas até a data do exercício; c. Ordens de Operações dos Escalões Superiores, que contenham o máximo de informações para permitir o planejamento das operações, dos apoios ao combate e apoios logísticos (Anexo de Logística, Plano de Apoio de Fogo, entre outros). A Direção deverá envidar todos os esforços para evitar o docu-
  • 10. 2-3 mento “omitido”. d. Documentos de Inteligência, onde constarão as informações que serão repassadas aos participantes no início do Exe Sml Cmb. e. IECOM. f. Quadro de Sincronização de Eventos (QSE). Esse é um documento de controle de grande importância, no qual a Direção do Exercício visualizará o desenrolar tático do exercício. Esse quadro será alterado à medida que o planejamento for sendo aprimorado. 4. COORDENAÇÃO INICIAL DO EXERCÍCIO Além dos documentos acima enumerados, todos relacionados com o exercício tático, outros planejamentos devem ser efetuados, para assegurar o bom andamento dos trabalhos. O Calendário Geral é o documento onde constarão, em ordem cronológica, os eventos a serem desenvolvidos até o início do Exe Sml Cmb, destacando-se os respectivos responsáveis. O Diretor executivo e os demais integrantes da Equipe de Montagem devem antes do início do Exe. As providências administrativas decorrentes serão previstas nesse calendário, para que ocorram dentro dos prazos exigidos pela legislação (licitações, empenho de despesas, diárias e passagens, etc.). Os custos dos exercícios devem ser cuidadosamente estimados, tomando como base os recursos disponibilizados pelo COTER. Uma planilha deve ser elaborada e encaminhada no mais curto prazo, para permitir a descentralização em prazo adequado. participantes, um documento inicial, informando os detalhes de execução já estabelecidos e algumas informações táticas sobre o exercício. Essas informações servirão de base para a próxima fase: a Revisão Doutrinária.
  • 11. 3-1 CAPÍTULO 3 REVISÃO DOUTRINÁRIA A Revisão Doutrinária é parte fundamental do exercício tático. Para os executantes, marca o início do exercício. serão revistos os princípios doutrinários que serão explorados no exercício. Os trabalhos de comando e de estado-maior devem ser recordados e praticados. Não deve ser descurada a preparação do pessoal de apoio – comunicações, auxiliares de seção de estado-maior, etc. Os militares que trabalharão como Controladores também participarão representar no Exe Sml Cmb. Não confundir com o treinamento de controladores, que visa ao preparo para trabalho no Sistema de Simulação de Combate. Essa atividade é responsabilidade do Comandante do Comando Executante. Entretanto, o Comando Aplicador pode orientar a sua execução, informando os assuntos que devem ser estudados com maior ênfase e os Manuais de Campanha e outras publicações que tratem de assuntos de interesse do exercício. O Comando Aplicador pode ser abrangente na sua orientação, caso não deseje revelar, na íntegra, a situação tática do Exercício de Simulação de Combate. Entretanto, a omissão de informações é prejudicial à preparação dos participantes. A elaboração de um programa de instrução anual, no âmbito do Grande Comando, que viabilize o intercâmbio de conhecimentos entre as diversas Unidades, aumentará a qualidade dessa revisão. A Revisão Doutrinária pode ser realizada em qualquer época do ano, mas a melhor situação é que ela ocorra na semana imediatamente anterior ao exercício.
  • 12. 4-1 CAPÍTULO 4 PREPARAÇÃO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COMBATE Realizados todos os planejamentos referentes ao Exercício Tático, o Comando Aplicador, na época do exercício, irá coordenar a montagem da estrutura física de apoio e a preparação dos militares que participarão da aplicação do Exe Sml Cmb . Essas atividades compreendem: a instalação do Centro de Simulação e Controle; treinamento dos Controladores; instalação dos Postos de Comando (PC) dos Comandos Executantes; e o “Turno Zero”. 1. INSTALAÇÃO DO CENTRO DE SIMULAÇÃO E CONTROLE O Centro de Simulação e Controle (C Sml Ct) é o conjunto de instalações físicas destinadas à condução do Exercício de Simulação de Combate. Nele, trabalham a Direção do Exercício e os Controladores da DIREX e dos Comandos de Manobra. Pode ser uma instalação permanente (CAESC - Centro deAplicação de Exercícios de Simulação de Combate) ou adaptada (aquartelamento, estabelecimento de ensino e outros). O Comando Aplicador conduz o Exe a partir do C Sml Ct. O local escolhido para o funcionamento do C Sml Ct deve possuir uma rede elétrica com estabilidade de tensão, permitir a instalação da rede lógica e do Sistema de Comunicações (telefone ou rádio), espaço para a instalação do mobiliário, proteção contra intempéries, etc. O foco do Exe de Simulação está nos Cmdo executantes e não nos comprometido pela má escolha do local do C Sml Ct. O Sistema de Simulação (programa) é instalado nos computadores do C
  • 13. 4-2 Sml Ct, onde são processadas todas as ações táticas e logísticas dos elementos presentes e não presentes na simulação. O C Sml Ct dispõe das seguintes equipes e pessoal para a condução do exercício: a. DIRETOR DO EXERCÍCIO Esse encargo pertence ao Comandante do Escalão Aplicador do Exercí- cio de Simulação de Combate. É o chefe do Centro de Simulação e Controle. b. DIRETOR EXECUTIVO É o E3, Adj E3 ou Ch Sec Plj Coop do Comando Aplicador, sendo o subs- tituto do Diretor do Exercício. d. EQUIPE DE ARBITRAGEM É a equipe encarregada pela aplicação da Doutrina Militar Terrestre (DMT) durante a realização do Exercício de Simulação de Combate. Nos exercícios no nível tático “batalhão”, esses encargos serão executa- dos pelo Diretor do Exercício ou seu executivo. A Arbitragem deve ter especial atenção em não interferir na condução da manobra, a menos que o erro constatado venha a ferir diretamente a Doutrina, trazendo vantagens para aquele que o comete. A Arbitragem também será solicitada a emitir parecer quando houver di- vergências entre os participantes do Exe Sml Cmb e os resultados de interações obtidos no Sis Sml Cmb. Na APA, poderá fazer uma explanação sobre os principais eventos na sua área, difundindo os ensinamentos colhidos. e. EQUIPE DA CARTA DE SITUAÇÃO sível a visualização e o acompanhamento do exercício. Dessa forma, apóia a Equipe de Arbitragem nas análises doutrinárias. A equipe tem que estar em condições de assegurar a continuidade do exercício, em caso de pane do sistema informatizado. - Chefe da Carta de Situação – E/2 do Comando Aplicador. ou Cavalaria e auxiliares. A “Carta de Situação das Operações” deve ser construída sobre uma tizados. a. EQUIPE DE SIMULAÇÃO Encarregada de representar os Escalões e Unidades não presentes como executantes, mas necessários à condução da Simulação. Atuam no Exercício sob a coordenação da Direção.
  • 14. 4-3 A equipe de simulação deve ser composta, no mínimo, de: executantes e vizinhos (DE, Bda e OMDS da Força Azul e FOROP); Artilharia (AEx, AD), GAC Divisionários, Bia LMF, Bia BA e GAC de Bda não mo- biliados por Cmdo executantes; de Engenharia (EEx, ED), B Eng Div e Cia Eng não mobiliados por Cmdo exe- cutantes; res das Comunicações (O Com e Of GE), B Com, Cia GE e Cia Com não mobi- liados por Cmdo executantes; escalões superiores no Sistema Operacional Logístico (Gpt Log, Ba Log) e BLog não mobiliados por Cmdo executantes; - Outros especialistas julgados necessários. A equipe de simulação não tem “partido”, atuando em proveito do adequado ao desempenho de suas funções, não sendo desejável que excedam essa necessidade. Observação: A DIREX deverá envidar esforços para que os Controladores sejam Of com o curso da EsAO e que possuam boas noções de operação de microcomputadores. b. OFICIAIS CONTROLADORES DOS COMANDOS EXECUTANTES São os encarregados de inserir as ordens dos Comandos de Manobra no Sistema de Simulação de Combate, de decidir sobre o emprego do escalão que representam e de repassar informações sobre a tropa ao seu Comandante ou Aplicador. Considerando que o Exe não é interrompido durante a sua realização, recomenda-se o mínimo de 2 (dois) controladores por Cmdo executante, sendo o ideal a previsão de 2 (dois) controladores por computador disponibilizado por Cmdo executante. Esses controladores serão selecionados e indicados pela própria OM. É fundamental o conhecimento efetivo do emprego tático das frações que irá controlar. Cada equipe de controladores deverá ser apoiada por um Sgt e dois Cb / Sd, que farão o trabalho de apoio, de comunicações e de outros Sv necessários. Os Controladores, como membros do Centro de Simulação e Controle, trabalham sob a coordenação da Direção do Exercício, em estreita ligação com os respectivos Comandos de Manobra. operação de microcomputadores. c. EQUIPE DE SUPORTE TÉCNICO
  • 15. 4-4 Composta por militares especialistas em instalação, administração e manutenção de redes de computadores. É responsável pela instalação e funcionamento da rede de computadores e do material de informática do C Sml Ct. Sua principal missão é manter o sistema em boas condições de funcionamento durante todo o tempo em que estiver ligado. conhecimento do Sistema de Simulação em uso. d. EQUIPE DE APOIO É responsável pela manutenção das instalações; manutenção e funcionamento de copiadoras; apoio de café e água e pela obtenção de meios auxiliares necessários ao funcionamento do C Sml Ct (retroprojetores, projetor de multimídia, celotex e divisórias). 2. ESTRUTURA FÍSICA O C Sml Ct deverá ser dividido nos seguintes ambientes de trabalho: - Direção do Exercício e Equipe de Simulação. - Controladores da Força Azul; - Controladores da FOROP; e - Sala de Instrução. Os Cmdo executantes ligar-se-ão aos seus respectivos controladores por um Sistema de Comunicações, a ser instalado pela OM de Com do GCmdo executante. local. Os ambientes dos controladores devem ser subdivididos por Unidade ou Sistema Operacional. O contato entre os controladores da Direx e os controladores dos Cmdo executantes deverá ser evitado. O contato entre os controladores das forças oponentes deve ser proibido, mesmo fora do ambiente da simulação. Essa estrutura já deverá estar pronta para o início do treinamento dos controladores. 3. TREINAMENTO DE CONTROLADORES Essa atividade deverá receber especial atenção do Comando Aplicador, pela sua relevância no sucesso do Exe Sml Cmb. Deve ser realizado na semana imediatamente anterior à realização do Exe Sml Cmb. Os Controladores, entretanto, deverão se preparar antecipadamente, pelo estudo dos manuais do Sis Sml Cmb e de outros meios colocados à disposição pelo COTER. Essa tarefa não pode ser realizada por uma equipe pequena. Cabe ao Comando Aplicador dimensioná-la e prepará-la adequadamente para essa missão. Deverão ser empregados, prioritariamente, aqueles que já possuam experiência anterior no Sistema de Simulação. O treinamento será realizado separadamente para os controladores da
  • 16. 4-5 Direção do Exercício e para os dos Comandos de Manobra. As instruções, preferencialmente, serão realizadas no C Sml Ct, para ambientar os controladores no seu ambiente de trabalho e testar o Sistema de Simulação e a rede lógica. Sempre que possível, o COTER apoiará essa atividade, preparando antecipadamente militares para a condução desse treinamento ou por intermédio de um militar especializado de seus quadros. a. CONTROLADORES DA DIREX Em razão das possibilidades de interferência na simulação, esses controladores devem ser bem orientados no sentido de somente atuarem em conformidade com o determinado pela Direção. b. CONTROLADORES DOS COMANDOS DE MANOBRA Os comandantes e seus estados-maiores dependerão do desempenho manobra. Deve-se considerar também que exercem dupla função: operador da interface do Sis Sml Cmb e comandante dos escalões que representa. Conforme visto para a DIREX, o treinamento deverá ser prioritariamente focado no trabalho do controlador no contexto de sua própria Unidade. os relatórios referentes a composição dos meios, efetivos e material de sua Unidade. da semana que antecede ao Exe Sml Cmb. Simulação e Controle e a preparação propriamente dita dos controladores do exercício que será realizado. 4. POSTO DE COMANDO DOS COMANDOS EXECUTANTES É o local onde os Comandos Executantes conduzirão seus trabalhos durante o exercício. Pode ser montado aproveitando instalações físicas existentes. Entretanto, para se aproximar da realidade das operações de combate, os Comandos executantes devem estar dispostos no terreno, ocupando barracas de comando. A Cia Com / Bda deverá montar e operar, dentro de suas possibilidades, o do Grande Comando. Os Exe Sml Cmb realizados dentro do Ciclo de Adestramento serão combinados com Exercício de Posto de Comando. Os PC devem possuir locais para o trabalho de todas as seções do estado- maior. As cartas serão fornecidas pelo Comando Aplicador. O Posto de Comando da FOROP poderá estar próximo ao C Sml Ct, para facilitar as ligações entre ela e a Direx.
  • 17. 4-6 5. TURNO ZERO simulação de combate e um “aquecimento” para o exercício, envolvendo controladores e postos de comando, interligados pelo sistema de comunicações montado para o exercício. O turno zero deverá ocorrer o mais cedo possível, após a chegada dos Cmdo executantes no local do Exe. Para tanto, a DIREx pode preparar eventos de inteligência, táticos ou de mensagens, tramitação de ordens e informações de combate e algumas atividades no sistema de simulação. início da simulação no sistema e caracteriza o início do exercício propriamente dito. QUADRO DE ATIVIDADES PARA O TREINAMENTO DE CONTROLADORES DIA PERÍODO ATIVIDADE RESP 1° Manhã equipamentos do Exe Sml Cmb. - Instalação dos módulos do Sistema de Simulação. -Chegada das equipes (instrutores e controladores) ao local do Exercício. Comando Aplicador.Equipe de Suporte Técnico. Comando Aplicador. Equipe de Suporte Técnica. Tarde - Designação de tarefas. - Distribuição da documentação. - Orientação geral sobre o exercício. - Apresentação do Sistema de Simulação de Combate. Comando Aplicador 2°a 4º Manhã e Tarde - Treinamento da equipe de simulação (Ct DIREX e Comando de Manobra): funções comuns e particulares. - Prática. Comando Aplicador 5° - Simulação de um Exe Sml Cmb, com prática de todas as ordens disponíveis no sistema. - Limpeza dos dados do treinamento, recomposição das tropas destruídas ou que sofreram baixas. Lembrar de preservar os itens de cénario que serão utilizados no Exercício. - Cadastramento do cenário do exer- cício. Comando Aplicador Controladores D A regular - Turno Zero. - Início do Exe Sml Cmb. Direx Equipe simulação
  • 18. 5-1 CAPÍTULO 5 DESENVOLVIMENTO DO EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO DE COMBATE Depois de vencidas todas as fases do planejamento e preparo do Exe Sml Cmb , inicia-se a sua realização. Para tanto, é necessário que o C Sml Ct esteja montado, o Sis Sml Cmb instalado e a rede lógica em funcionamento; os PC dos Comandos de Manobra prontos e mobiliados; e o Sistema de Comunicações em operação. 1. ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS que a Direção possa direcionar os esforços de modo a evitar desencontros nas frentes de atuação. Permitirá também que sejam fornecidas algumas informações do inimigo ao seu oponente. Antes do início do exercício, o Comando Aplicador deverá realizar uma os objetivos do exercício, expor as normas de conduta de todos ao longo do trabalho e esclarecer alguns aspectos do Sis Sml Cmb. É importante que todos entendam que não se trata de mostrar as “regras do jogo”, mas de apresentar as peculiaridades inerentes a um Exe Sml Cmb. Após essa reunião, a Força Azul receberá a Situação Particular atual, iniciando seus planejamentos. Durante o exercício, as ligações entre a Direção, quando esta estiver representando algum elemento simulado, e os Comandos de Manobra; entre os controladores e suas Unidades; e entre Unidades, deverão ser efetivadas utilizando-se do sistema de comunicações de campanha estabelecido. Para assuntos administrativos, poderão ser empregados outros meios.
  • 19. 5-2 A Direção deverá regular o contato direto entre controladores e suas Unidades. Inicialmente, o controlador deve participar da expedição da OOp , a decorrer do Exe Sml Cmb, será permitida a ida do controlador ao seu PC, para levar relatórios e esclarecer dúvidas. A ida do Cmt ou membro do EM ao C Sml Ct é indesejável, pois a tela do computador fornece informações que não seriam acessíveis numa situação real. O uso de interfaces para apoio à decisão (ApDec) facilita a remessa de informações digitalizadas aos Comandos de Manobra. A freqüência e os relatórios que serão disponibilizados por esse sistema também serão regulados pela Direção. Muitas vezes, o desenrolar dos acontecimentos conduz o exercício a um desfecho inesperado, terminando muito antes do previsto. Para essas eventualidades, a Direção deve estar preparada para, sem ferir a doutrina nem adotar saídas “milagrosas”, dar novo ânimo ao exercício, de modo que ele tenha a duração estipulada. O Quadro de Sincronização de Eventos auxilia a Direção do Exercício na coordenação dos acontecimentos e na execução de situações planejadas para fazer frente às situações inesperadas citadas anteriormente. Não deve haver, entre os participantes, a idéia de que o exercício terá um “vencedor”. Esse não é o objetivo da Simulação. A situação deve estar dimensionada para prosseguir no tempo, embora o exercício tenha um prazo Cronograma de Atividades para uma semana de Exercício de Simulação de Combate. DIA PERÍODO ATIVIDADE RESP D-1 Todo - Chegada dos Cmdo da FOROP ao local do Exe. - Início dos trabalhos da FOROP. - Chegada dos Cmdo executantes da Força Azul ao local do Exe. Comandos de Manobra D Manhã - Abertura do Exercício. - Apresentação das NGA. - Ambientação do exercício (DIREX): situação geral e particular da Força Azul. - Entrega dos planejamentos da FOROP e do emprego do BI ou Rgt Reserva da Bda Vermelha. Comando Aplicador;Direx;FOROP Tarde e Noite - Início dos trabalhos da Força Azul; - Entrega dos planejamentos do deslocamento da Força Azul, da área de concentração para as Z Reu. - Deslocamento da Força Força Azul. Partido Azul
  • 20. 5-3 DIA PERÍODO ATIVIDADE RESP D+1 Manhã,Tarde e Noite - Planejamento dos Reconhecimentos Az e FOROP. - Planejamento da Força Azul.- Entrega dos Plj à DIREX. - Pedidos de Reconhecimento Aéreo e VANT (M-T-N). - Fogos de regulação - Busca de Informações de Combate (Patr, Inc e outras). Força Azul.FOROP. D+2 A D+3 Manhã, Tarde e Noite - Início das interações. Eventos gerados pela Direx; - Condutas: expedição de Ordens Fragmentárias. - Preparação para a APA. Direx,Força Azul. FOROP. D+4 Manhã - Análise Pós-Ação. - Encerramento do Exercício de Simulação de Combate. Todos Tarde - Retorno às OM.
  • 21. 6-1 CAPÍTULO 6 ANÁLISE PÓS-AÇÃO 1. ANÁLISE PÓS-AÇÃO AAPAdeve ser encarada, por todos os envolvidos no Exercício de Simulação de Combate, como o coroamento do exercício e o momento onde todos poderão compartilhar os ensinamentos colhidos. Os trabalhos da APA iniciam-se junto com o exercício, na coleta de dados e informações na documentação elaborada e nas diversas decisões e condutas empreendidas pelos participantes, dentro dos diferentes Sistemas Operacionais. Os recursos disponíveis no Sis Sml Cmb para apoio à APA (geração e visualização de históricos) devem ser prioritária e intensivamente explorados, a compreensão da Manobra como um todo; e capítulo. O Comando Aplicador deve envidar todos os esforços para criar um ambiente favorável para a discussão dos aspectos doutrinários mais importantes destacados durante o exercício. Não é uma busca de erros e culpados, mas a oportunidade para consolidar conhecimentos que não estão nos manuais. Após o regresso dos comandos participantes às suas sedes, deve ser feita uma APA particular de cada elemento, sendo os resultados posteriormente remetidos para o Comando Aplicador para análise, consolidação e divulgação.
  • 22. 6-2 SEQÜENCIA DE ATIVIDADES DA ANÁLISE PÓS - AÇÃO Atividades Responsável 1) Coleta de dados durante o exercício. Cmdo Aplicador 2) Preparação para a APA. Cmdo Aplicador e Cmdo Executantes 3) Apresentação dos objetivos propostos na Diretriz do Comando Aplicador. Cmdo Aplicador 4) Apresentação da situação das forças em presença e da ordem de batalha das forças oponentes. Cmdo Aplicador 5) Apresentação do esquema de manobra da Força Azul. Cmdo Bda Az 6) Apresentação do esquema de manobra da Força Oponente (FOROP). Cmdo FOROP 7) Apresentação e debate dos eventosimportantes,dentrodecada sistema operacional; comparação dos resultados alcançados com os lições aprendidas. Cmdo Aplicador 8) Consolidação dos ensinamentos colhidos no exercício. Cmdo Aplicador
  • 23. 7-1 CAPÍTULO 7 MEDIDAS ADMINISTRATIVAS 1. ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO A capacidade de acolhimento das instalações do C Sml Ct imporá os limites de pessoal no exercício. A transferência de etapas dos participantes seguirá as normas regionais de subsistência. Devem-se envidar esforços para que todo o processo já esteja concluído antes do início do exercício. No planejamento da ocupação e do emprego das instalações, deve ser considerada a separação entre os oponentes e entre os membros da Direção do Exercício. 2. RECURSOS Serão repassados pelo COTER, para os Comandos Aplicadores, recursos recursos devem ser empregados no exercício, podendo ser empregados para pagamento de despesas com concessionárias e alimentação. 3. MEIOS PROVIDENCIADOS PELO COTER 1) Cartas no formato vetorial para os Sistemas de Simulação, de acordo com os pedidos dos Cmdo Aplicadores do Exe. dos Exe (reunião anual de treinamento). 3) Sistema de Simulação.