Piscicanálise 3 faifa

10.733 visualizações

Publicada em

0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.733
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
711
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Piscicanálise 3 faifa

  1. 1. <ul>A Psicanálise </ul>
  2. 2. <ul>Psicanálise – Visão Geral </ul><ul>Definição </ul><ul>Psicanálise é um campo clínico e de investigação teórica da psiquê humana independente da psicologia, embora também inserido nesta. Abrange três áreas: 1. um método de investigação da mente e seu funcionamento; 2. um sistema teórico sobre a vivência e o comportamento humano; 3. um método de tratamento psicoterapêutico. desenvolvido por Sigmund Freud, médico neurologista vienense nascido em 1856 que se propõe à compreensão e análise do homem, compreendido enquanto sujeito do inconsciente. </ul><ul>objeto de estudo - psicopatologia ou comportamento anormal </ul><ul>método - observação clínica. </ul>
  3. 3. <ul>Psicanálise – Esboço </ul><ul><li>História da Psicanálise
  4. 4. Sigmund Freud
  5. 5. O caso Anna O
  6. 6. Os fatores Sexuais da Neurose
  7. 7. A análise dos Sonhos
  8. 8. Psicanálise como um sistema de Personalidade
  9. 9. Os Instintos
  10. 10. Os Níveis de Personalidade
  11. 11. A Ansiedade
  12. 12. Mecanismos de Defesa
  13. 13. Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade
  14. 14. Conclusão </li></ul>
  15. 15. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>há 4000 anos os babilônicos acreditavam que a possessão demoníaca era a causa de psicopatologias ou distúrbios mentais. </ul>
  16. 16. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>há aproximadamente 2300 anos os filosofos gregos afirmavam ser o distúrbio mental resultante de processos mentais desordenados. </ul>
  17. 17. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>do Século lV ao XV o distúrbio mental passa a ser atribuído novamente aos demônios. </ul>
  18. 18. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>por volta do Séc XVlll </ul><ul>a psicopatologia era vista como comportamento irracional. </ul><ul>pinel - médico frânces encara a psicopatologia como fenômeno natural passível de tratamento. </ul><ul>Gottofried - filosófo e matemático alemão discursa sobre os graus de consciência. </ul>
  19. 19. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>Século XlX </ul><ul>Mesmer - médico suábio Usa a hipnóse para supostas curas de doentes mentais. </ul><ul>Charcot - diretor clínico de um hospital neurológico em paris, tratava a histeria feminina por meio da hipnose. entendia a histeria como causa somática, ou seja, física. </ul>
  20. 20. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>Século XlX </ul><ul>janet - psicólogo e neurologista francês, entende a histeria como distúrbio mental </ul>
  21. 21. <ul>História da Psicanálise Influências sobre a Psicanálise anteriores a Freud </ul><ul>Século XlX </ul><ul>Darwin - naturalista britânico escreve sobre: </ul><ul><li>Conflitos e processos mentais inconscientes
  22. 22. significado dos sonhos
  23. 23. simbolismo oculto de comportamentos
  24. 24. importância do impulso sexual
  25. 25. forças biológicas do amor e da fome </li></ul>
  26. 26. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Sigmund Freud </ul>
  27. 27. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Divã de Freud </ul><ul>Freud, Considerado pai da Psicanálise . Nasceu a 6 de maio de 1856, em Freiberg, Moravia. </ul><ul>(atualmente Pribor, República Checa), </ul>
  28. 28. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Divã de Freud </ul><ul>1881- obteve licenciatura em medicina </ul>
  29. 29. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Divã de Freud </ul><ul>De 1885-86, foi aluno de Charcot , em Paris. Charcot chamou a atenção da comunidade médica ao adoptar a hipnose como técnica terapêutica. </ul>
  30. 30. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Em 1887, estuda as doenças nervosas e introduz a hipnose na sua prática clínica. </ul>
  31. 31. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Divã de Freud </ul><ul>De 1893-96, trabalha com Josef Breuer em casos clínicos </ul><ul>como o de “Anna O”. Como resultado deste trabalho, </ul><ul>surge a obra, de 1895, escrita em parceria com Breuer, “ Estudos sobre a histeria”. </ul>
  32. 32. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>No ano seguinte, em 1896, Freud emprega pela primeira vez o termo “ Psicanálise”. </ul>
  33. 33. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Em 1897 Freud começa a sua auto-análise (que foi muito importante para o desenvolvimento das teorias psicanalíticas). </ul>
  34. 34. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Nesse mesmo ano, rompe com a teoria traumática da neurose, de Breuer. Datam desta altura o reconhecimento da sexualidade infantil e do complexo de Édipo . </ul>
  35. 35. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Em 1900 publica a sua obra mais conhecida e, seguramente, a mais importante para o autor: </ul><ul>“ A interpretação dos sonhos”. </ul>
  36. 36. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>O ano de 1923 fica marcado pelo fato de ter sido diagnosticado a Freud um câncer na cavidade bucal, considerado incurável e extremamente agressivo. </ul>
  37. 37. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Em 1933, em Berlim, os livros de Freud são </ul><ul>queimados , na sequência da subida dos nazistas ao </ul><ul>poder. A psicanálise é banida porque Freud é Judeu e porque contradiz o totalitarismo. </ul>
  38. 38. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Em 1938 abandona Viena e regugia-se na </ul><ul>Inglaterra , na sequência da anexação da Austria </ul><ul>pela Alemanha nazista. </ul>
  39. 39. <ul>Sigmund Freud - Biografia </ul><ul>Freud morre em Londres no dia 23 de Setembro de 1939. </ul>
  40. 40. <ul>O caso Anna O </ul><ul>Bertha Pappenheim </ul><ul>Josef Breuer </ul><ul>Sigmund Freud </ul>
  41. 41. <ul>O caso Anna O </ul><ul><li>Bertha Pappenheim, vulgo Anna O, judia 21, anos, considerada a primeira paciente psicanalítica. </li></ul><ul><li>Pai de Anna morre e ela adoece. </li></ul><ul><li>Breur inicia o tratamento de Anna em 1880 e diagnostica o caso como histeria. </li></ul><ul><li>Breur usa a hipnose e verifica que os sintomas da histeria de Anna desaparecem enquanto ela recorda situações afetuosas. </li></ul><ul><li>Anna sente alívio ao falar sobre as experiências durante a hipnose e se refere as conversas como uma limpeza de chaminé, ou seja, cura da palavra. </li></ul>
  42. 42. <ul>O caso Anna O </ul><ul><li>Breur verifica a cura de um sintoma da histeria de Anna por meio de uma cartase emocional. </li></ul><ul><li>Breur estabelecem um procedimento técnico terapêutica para cura de Anna. </li></ul><ul><li>Freud conhece o método catártico.
  43. 43. Freud e Breur publicam “studies on Histeria” que marca o início formal da psicanálise . </li></ul>
  44. 44. <ul>Os Fatores sexuais da neurose </ul><ul><li>Charcot chama a atenção de freud para o papel do sexo no comportamento histérico.
  45. 45. Chrobak, ginecologista, defende a origem de distúrbios mentais como causas sexuais .
  46. 46. Freud credita, exclusivamente, ao sexo como causa do comportamento neurótico
  47. 47. A maioria dos pacientes de Freud relataram experiências sexuais tramáticas na infância envolvente membros da própria família.
  48. 48. Durante as sessões seus pacientes não conseguem relatar completamente as recordações traumáticas
  49. 49. Freud elabora o conceito da repressão
  50. 50. Freud passa a analisar os sonhos dos pacientes acreditando ser eles representações dos desejos reprimidos situados no incosciente. </li></ul>
  51. 51. <ul>A análise dos Sonhos </ul><ul><li>Aos 41 anos Freud abdicara ao sexo
  52. 52. No ano que abdcara ao sexo, Freud se autodiagnosticara com uma neurose de ansiedade e neurastememia resultante de tensão sexual.
  53. 53. Freud analisa seus próprios sonhos para revelar seus conflitos inconscientes.
  54. 54. Freud percebe pelas analises que nutria hostilidade pelo pai. Desejos sexuais pela irmã mais velha e durante a infância, paixão pela mãe.
  55. 55. passados dois anos de auto-análise, Freud publica sua principal obra:” The interpretation of drems” (1900).
  56. 56. Obs: Freud considerava o ato sexual degradante, contaminador da mente e do corpo. </li></ul>
  57. 57. <ul>Psicanálise como um sistema de Personalidade </ul><ul>Os instintos </ul><ul>Força propulsora ou motivadora da personalidade Fontes internas de estimulação corporal Instintos de vida : fome, sede e sexo motivados pela libido. Instintos de morte: masoquismo, suícidio, agessão e ódio. </ul><ul>Os níveis de Personalidade </ul><ul>id : fonte de energia psíquica e o aspecto da personalidade relacionado aos instintos Ego :o aspecto racional da personalidade responsável pelo controle dos instintos Superego : o aspecto moral da personalidade, produto da internalização dos valores dos pais e da sociedade. </ul>
  58. 58. <ul>Psicanálise como um sistema de Personalidade </ul>
  59. 59. <ul>Psicanálise como um sistema de Personalidade </ul>
  60. 60. <ul>A Ansiedade </ul><ul>funciona como um alerta das ameaças contra o ego Freud descreveu Três tipos de ansiedade: </ul><ul>ansiedade objetiva : medo dos perigos reais. ansiedade neurótica : medo da punição por expressar os desejos impulsivos. ansiedade moral : surge do medo da consciêcia. </ul><ul>A ansiedade provoca tensão, motivando o indivíduo a tomar atitude para reduzi-lá, então o ego desenvolve os mecanismos de defesa. </ul>
  61. 61. <ul>Mecanismos de defesa do Ego </ul><ul>São comportamentos que representam as negações inconscientes ou da realidade, mas que são adotados para proteger o ego contra a ansiedade. </ul><ul><li>Negação
  62. 62. deslocamento
  63. 63. projeção
  64. 64. racionalização
  65. 65. formação de reação
  66. 66. regressão
  67. 67. repressão
  68. 68. sublimação </li></ul>
  69. 69. <ul>Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade </ul><ul>Freud estava convencido de que os distúrbios neuróticos manifestos pelos seus pacientes tinham origem em experiências da infância. Freud acreditava que o padrão de personalidade do adulto era estabelecido no começo da vida, estando quase completamente formado por volta dos cinco anos. Na teoria psicanalítica do desenvolvimento, a criança passa por uma série de estágios psicossexuais. No decorrer desses estágios, as crianças são consideradas auto-eróticas, isto é, elas obtêm prazer erótico ou sensual ao estimular as zonas erógenas do corpo ou ao ser estimuladas pelos pais ou por outras pessoas que costumam cuidar delas normalmente. Cada estágio de desenvolvimento tende a estar localizado numa zona erógena específica. </ul>
  70. 70. <ul>Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade </ul><ul>O estágio oral vai do nascimento ao segundo ano de vida. Durante essa fase, a estimulação da boca, como sugar, morder e engolir, é a fonte primária de satisfação erótica. A satisfação inadequada nesse estágio — demasiada’ ou muito pouca — pode produzir um tipo oral de personalidade, uma pessoa excessivamente preocupada com hábitos bucais como fumar, beijar e comer. Freud acreditava que uma ampla gama de comportamentos adultos, do otimismo exagerado ao sarcasmo e ao cinismo, era atribuível a incidentes ocorridos no curso do estágio oral de desenvolvimento. </ul>
  71. 71. <ul>Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade </ul><ul>No estágio anal , a gratificação vai da boca para o ânus, e as crianças derivam prazer da zona anal. Durante esse estágio, que coincide com o período de treinamento da higiene pessoal, as crianças podem expelir ou reter fezes, em ambos os casos desafiando os pais. Conflitos durante esse período podem resultar num adulto anal expulsivo, que é sujo, perdulário e extravagante, ou num adulto anal retentivo, demasiado asseado, parcimonioso e compulsivo. </ul>
  72. 72. <ul>Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade </ul><ul>Durante o estágio fálico , que ocorre por volta do quarto ano de idade, a satisfação erótica se transfere para a região genital. Há muita manipulação e exibição dos órgãos genitais, bem como fantasias sexuais. Freud situou nesse estágio o desenvolvimento do complexo de Êdipo, a partir da lenda grega em que Édipo mata inadvertidamente o pai e desposa a mãe. Freud sugeriu que as crianças sentem atração sexual pelo genitor do sexo oposto e temor pelo genitor do mesmo sexo, agora percebido como rival. Freud derivou essa noção de suas próprias experiências infantis. “Também no meu caso, encontrei amor na mãe e ciúme do pai”, escreveu ele (Freud, 1954, p. 223). </ul>
  73. 73. <ul>Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade </ul>De modo geral, as crianças superam o complexo de Édipo identificando-se com o genitor do mesmo sexo e substituindo o anseio sexual com relação ao genitor do sexo oposto pela afeição. Contudo, as atitudes com relação ao sexo oposto no decorrer desse período persistem e influenciam as relações adultas com membros do sexo oposto. Um dos resultados da identificação com o genitor do mesmo sexo é o desenvolvimento do superego. Ao assumirem os modos e atitudes desse genitor, as crianças também adotam os seus padrões do superego.
  74. 74. <ul>Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade </ul><ul>As crianças que sobreviverem às muitas lutas desses primeiros estágios entram num período de latência , que dura mais ou menos do quinto ao décimo segundo ano de vida. Então, ao ver de Freud, o início da adolescência e a proximidade da puberdade assinalam o começo do estágio genital . O comportamento heterossexual se torna evidente, e a pessoa começa a se preparar para o casamento e para formar uma família. </ul>
  75. 75. <ul>Psicanálise – Conclusão </ul><ul>Concluimos que a psicanálise, apesar de não ser validada totalmente pela ciência, trouxe grande impacto para o mundo ao afirmar não ser o homem agente racional da própria vida , pois se encontra sob a influência de forças inconscientes que não percebe e sobre as quais tem pouco ou nenhum controle. </ul>

×