O Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket

479 visualizações

Publicada em

"Em Londres, um grupo de pessoas criou o "The People’s Supermarket", ou, "O Supermercado das Pessoas". A ideia foi desenvolvida no começo de 2009 inspirado no exemplo do Park Slope Food Co-operative, da cidade de Nova York, EUA. Neste novo modelo, as pessoas tornam-se membros do negócio (e cada membro é também dono) e oferecem horas de trabalho voluntário. Assim, ganham, entre outras coisas, o direito a descontos nas compras. Além do preço menor para os membros, os produtos já têm o valor reduzido, uma vez que o quadro de funcionários fixos é bem pequeno em relação a um supermercado comum."

http://super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/entenda-como-funciona-um-supermercado-colaborativo-que-nao-visa-ao-lucro-pelo-lucro/

UPLOAD PATROCINADO POR:
www.NOVACOMUNIDADE.org - O MODELO COOPERATIVO FAMILIAR
www.MDDVTM.org/educacao - MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA

"Tudo que o homem não conhece não existe para ele. Por isso o mundo tem, para cada um, o tamanho que abrange o seu conhecimento."
(Carlos Bernardo González Pecotche)
"Um povo ignorante é um instrumento cego da sua própria destruição."
(Simón Bolivar)

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket

  1. 1. Guia do Estudante Mundo Estranho Loja Abril viajeaqui Assine Abril Veja Revistas e sites Assine Loja SAC Grupo Abril DIGITE AQUI O QUE VOCÊ PROCURA BUSCAR Lydia Cintra 24 de janeir o de 2012 TweetTweet 273 Gosto 3,8 mil 22 Ideias inovadoras são aquelas que desafiam a lógica do que está estabelecido entre as pessoas. E por serem inovadoras, quebram o conforto do que é conhecido e propõem uma forma diferente (e melhor, muitas vezes) de pensar e agir. Quando o assunto é supermercado, as coisas funcionam mais ou menos assim: existe um dono. Este dono paga funcionários que mantêm os processos em funcionamento (limpeza, estoque, logística, caixa…). O espaço fica aberto para receber clientes, que escolhem os produtos dispostos em prateleiras, pagam por eles e vão embora. Em Londres, um grupo de pessoas decidiu fazer diferente e romper com este roteiro pré-determinado. A primeira explicação está no nome: The People’s Supermarket, ou, O Supermercado das Pessoas. A ideia foi desenvolvida no começo de 2009 por Arthur Potts- Dawson, Kate Bull e David Barrie, inspirado no exemplo do Park Slope Food Co-operative, da cidade de Nova York, EUA. Neste novo modelo, as pessoas tornam-se membros do negócio (e cada membro é também Entenda como funciona um supermercado colaborativo, que não visa ao “lucro pelo lucro” Lydia Cintra SUPER NO FACEBOOK Revista Superinteressante Gosto 1.061.940 pessoas gostam de Revista Superinteressante. Plugin social do Facebook publicidade anuncie Ideias e soluções para implementar a sustentabilidade no seu dia a dia. Jornalista. Gosta de ler e discutir sobre meio ambiente e procura aprender cada dia um pouco mais sobre as relações entre homem e natureza. Escreva para o autor BLOGS SUPERARQUIVO FOTOS TESTES MULTIMÍDIA NEWSGAMES SUPERMANUAL CANAIS LOJA ABRIL TABLET ASSINE
  2. 2. VEJA 17% de desconto 9 x R$ 52,22 CARAS 6 meses gr�tis 12 x R$ 47,23 CLAUDIA 6 meses gr�tis 12 x R$ 12,00 NOVA ESCOLA brinde especial 4 x R$ 22,50 INFO 6 meses gr�tis 12 x R$ 13,90 SA�DE! 6 meses gr�tis 12 x R$ 10,90 Veja outr as assinatur as de r evistas impr essas e digitais, clique aqui. topo dono) e oferecem horas de trabalho voluntário. Assim, ganham, entre outras coisas, o direito a descontos nas compras. Além do preço menor para os membros, os produtos já têm o valor reduzido, uma vez que o quadro de funcionários fixos é bem pequeno em relação a um supermercado comum. Segundo os criadores do “Supermercado das Pessoas”, o objetivo “é criar um comércio sustentável, uma empresa social que alcança o crescimento e as metas de rentabilidade enquanto opera dentro de valores baseados no desenvolvimento da comunidade”. Conheça 15 características do The People’s Supermarket e entenda como funciona essa nova forma de comprar: 1. Não há bônus para chefes. Ou seja, não há a concentração da renda e dos lucros. Você pode se perguntar: como viver sem lucro? A ideia é justamente pensar fora da caixa e muitas vezes de forma antagônica ao que é considerado “natural”. Uma margem de lucro menor muitas vezes simplifica as coisas. Dinheiro nem sempre é a forma mais interessante de lucro; 2. A lógica é o alimento PARA as pessoas e PELAS pessoas. Não existe consumidor final. Existem pessoam que consomem e fazem a coisa acontecer. Segundo o Manual dos Membros, a ideia é a criação de um supermercado “que destaca as possibilidades do poder do consumidor e desafia o ‘status quo’.” 3. Quem é membro também é dono do negócio e tem poder de decisão. “Quando você se torna um membro, começa a dividir a propriedade do negócio. Quando você anda em um supermercado tradicional, anda na loja de alguém. Quando é um membro, anda dentro da sua própria loja”, diz o Manual. 4. Qualquer pessoa pode comprar no supermercado. Porém, quem se torna um membro tem alguns benefícios, direitos e responsabilidades a cumprir, como: pagar uma taxa anual de 25 libras, trabalhar voluntariamente em um turno de 4 horas a cada 4 semanas, comprar regularmente no (seu) supermercado, fazer “marketing boca-a-boca” (ou seja, falar do The People’s Supermarket para amigos, colegas, conhecidos, família…) e manter-se informado sobre o que está acontecendo na empresa. 5. Dedicação, energia e engajamento são as características esperadas para quem quer ser (ou já é) um membro; 6. Uma das intenções é conectar a população urbana com a comunidade rural local, provedora dos alimentos que abastecem as cidades; 7. É importante considerar que as pessoas estão prontas para as mudanças. Por isso, novos modelos de consumo devem ser colocados em prática e naturalmente serão bem aceitos pela população (ou pelo menos por parte dela); 8. Um dos propósitos do negócio é um supermercado que atenda as necessidades dos membros da comunidade oferecendo alimentos saudáveis e de alta qualidade, por preços razoáveis; 9. As compras são feitas de fornecedores confiáveis, com os quais o supermercado cria Superinteressante ed. 321 agosto/2013 Enfim, a cura da AIDS Dezesseis pacientes já vencer am o HIV. E um r emédio capaz de cur ar todos os outr os está sendo testado em humanos, com r esultados ex celentes. Conheça os bastidor es da descober ta médica mais impor tante das últimas décadas. - sumár io da edição 321 - folheie a Super inter essante BOMBANDO HOJE NO TWITTER! Como se calcula o número de pessoas em ev entos super lotados, como manif estações? Descubra: abr.io/J3rS Superinteressante @rev istasuper Expand Faça o teste e descubra se v ocê será um Superinteressante @rev istasuper 1h 3h Tweets FollowFollow@revistasuper@revistasuper Tweet to @revistasuper Nome: Nasc.: E-mail: CEP: Apenas 9x R$ 19,20 TV Samsung LED 46 Polegad... Bemol O nline 5 x R$ 503,80 ASSINE RSS fale com a r edação ex pediente política de pr ivacidade ter mos de uso ANUNCIE BLOGS SUPERARQUIVO FOTOS TESTES MULTIMÍDIA NEWSGAMES SUPERMANUAL CANAIS LOJA ABRIL TABLET ASSINE [1987 - 2013] Editora Abril S.A. Todos os direitos reservados.
  3. 3. boas relações; 10. A produção de alimentos local, nas proximidades de Londres, tem preferência. Uma das regras é comprar produtos britânicos sempre que possível; People’s Kitchen, a cozinha criada para evitar desperdícios 11. Um dos principais objetivos é reduzir ao máximo o desperdício de alimentos. Uma das formas encontradas para isso foi a criação de uma “cozinha-restaurante” que prepara pratos com alimentos que estão com a data de vencimento próxima. As refeições devem ser nutritivas e saudáveis, sem conservantes e açúcar em excesso, para os clientes levarem prontas para casa. 12. Ainda para evitar o desperdício, o supermercado faz compostagem, processo de produção de adubo feito com resíduos orgânicos; 13. Como valores do negócio, o supermercado proporciona treinamentos de habilidades para seus funcionários e voluntários que podem ser aplicados tanto no trabalho quando fora dele. A empresa, a partir deste prisma, deve ser um recurso de desenvolvimento para a comunidade como um todo; 14. O ambiente de trabalho é feito para que todos dêem sua contribuição. Todos são bem-vindos e livres de julgamento. E qualquer um pode ser membro. Não há razões sociais, políticas ou religiosas que impeçam uma pessoa de fazer parte; 15. O local não vende cigarro. Uma nova forma de estabelecer relações de compras passa pelo envolvimento de pessoas da comunidade no funcionamento do estabelecimento. Dessa forma, as pessoas se “apropriam” daquilo que faz parte do dia-a-dia (no caso, um supermercado) e fazem com que ele seja mais do que prateleiras que oferecem opções de (quase) tudo. O modelo do The People’s Supermarket é interessante do ponto de vista da cocriação: pessoas, juntas, criam um espaço saudável de trabalho que substitui de forma bastante PATROCINADORES ABRIL NA COPA Abril na Copa Copa 2014 Obras na Arena Amazônia atingem 74,35% de conclusão Arenas da Copa Obras dos estádios da Copa 2014 avançam em velocidade recorde em julho Futebol internacional Tévez abre mão de voltar à seleção argentina: "Acabou" Internacional BUSCAR NO BLOG Buscar ARQUIVO DE POSTS agosto 2013 (2) julho 2013 (8) junho 2013 (8) maio 2013 (8) abril 2013 (8) março 2013 (5) fevereiro 2013 (8) janeiro 2013 (9) dezembro 2012 (10) novembro 2012 (11) outubro 2012 (14) setembro 2012 (11) CATEGORIAS Sem categoria (303)
  4. 4. eficiente o modelo de consumo passivo que conhecemos hoje – que é, também, mais agressivo ao meio ambiente a às relações sociais estabelecidas dentro desse sistema. Este espaço saudável inclui o sorriso que você dá para aquele vizinho que agora é colega de trabalho voluntário e organiza frutas nas gôndolas com você, inclui o cuidado maior que as pessoas aplicam naquilo que fazem quando o resultado está diretamente ligado a elas mesmas e a pessoas próximas e inclui, por fim, a sensação (agradável) de que o que está sendo feito gera um bem comum e não apenas o lucro pelo lucro. Ou seja, um ambiente participativo é menos impessoal, mais caloroso e mais sustentável nas relações entre pessoas e meio ambiente. (Imagens: Facebook/ The People’s Supermarket) TAGS: consumo colaborativo | consumo consciente | the people's supermarket CATEGORIA: Postado em Sem categoria « Post Anterior Próximo Post » Consultar um Vidente Obtenha as Respostas sobre o seu Futuro. Consulta 100% Gratuita Secure.TupakVidente.com/Videncia EF Estude no Estrangeiro Torne-se fluente em 6-9 meses Revista grátis e oferta de voo! www.ef.edu.pt myTeam - Equipas Móveis Gestão de Processos (BPM) . CRM Documentação . Custos . Colaboração www.my-team.pt Gabriel 24 24UTC janeiro 24UTC 2012 às 10:21 Anar quismo !!!! Eduardo 25 25UTC janeiro 25UTC 2012 às 00:26 gostei muito,devia ter um desses no Br asil,ajudar ia na par ticipação do povo Pedro 26 26UTC janeiro 26UTC 2012 às 13:40 show de bola, vou estudar essa ideia par a implementar no br asil Júlia Gandra Neves 30 30UTC janeiro 30UTC 2012 às 16:12 Ador ei a ideia do The People’s Super mar ket! Pois ser ia um ambiente agr adável, onde os “donos funcionár ios” far ia de tudo par a agr adar o seus clientes. O que muitas vezes não acontecer ia se fossem apenas funcionár ios. O Br asil poder ia adotar essa ideia!!! Sem contar que não a desper dicios. Leonardo 30 30UTC janeiro 30UTC 2012 às 20:45 Levando em conta que no mer cado de ações é assim, clar o como a mater ia diz lucr o pelo lucr o, achei inter essante quando se tir a o per sonagem “dono” e se põe no lugar “os donos que tr abalham dir etamente com donos”, é uma ótima ideia, mas o Br asil não está pr epar ado socialmente par a r eceber e apr oveitar por completo essa ótima ideia, e ser ia a for ma mais per feita par a r ealizar o que Kar l Mar x afir ma em r ebelião pr oletár ia r etir ando de vez a empr esa de um único dono, podendo ser cr iado a par tir dai quem sabe o capitalismo-social. Links patrocinados Comentários

×