SlideShare uma empresa Scribd logo

Porque uma economia cooperativa? ( Palestra 07.02.2015)

1) A desigualdade econômica está diretamente relacionada a problemas sociais como criminalidade e saúde mental. Sistemas como cooperativas, empresas sociais e moedas comunitárias podem ajudar a reduzir desigualdades. 2) Cooperativas distribuem lucros entre os trabalhadores em vez de privilegiar acionistas, e exemplos como Mondragón mostraram grande sucesso econômico e social. 3) Empresas sociais priorizam o benefício social sobre o lucro individual, enquanto bancos sem juros e

1 de 45
Baixar para ler offline
Porque uma economia cooperativa?
Introdução
Introdução
www.MDDVTM.org
www.NOVACOMUNIDADE.org
Introdução
Homicídios por 100 mil habitantes Brasil: 25 / Honduras: 67 Noruega: 0,72
Número de presos por 10 mil
habitantes
Estados Unidos: 576 Japão: 40
Índice de Confiança mútua
(Concorda com a frase: “A maior
parte das pessoas são de
confiança”?)
Portugal: 10% Suécia: 66%
População com doenças mentais Estados Unidos: 26% Japão: 8%
Gravidez na adolescência
(Nascimentos por mil adolescentes
entre 15 e 19 anos)
Estados Unidos: 50 Dinamarca: 8
Esperança Média de Vida Moçambique: 42 anos Austrália: 81 anos
Número de mulheres com cancro por
cada 100 habitantes
Estados Unidos: 13 Japão: 1
População que sofre de obesidade Estados Unidos: 30% Noruega: 11%
Percentagem de pessoas que se
consideram felizes
Bulgária: 45% Islândia: 95%
Livro escrito por dois Professores
Universitários Britânicos apresentando
o resultado de vários anos de
investigação (mais de 50
investigadores/ano) sobre a relação
direta entre as desigualdades de
rendimento e os problemas sociais.

Recomendados

Plano de Transição: De Local a Global (Palestra no ZDAY 2013)
Plano de Transição: De Local a Global (Palestra no ZDAY 2013)Plano de Transição: De Local a Global (Palestra no ZDAY 2013)
Plano de Transição: De Local a Global (Palestra no ZDAY 2013)Victor Mendes
 
O MODELO COOPERATIVO FAMILIAR
O MODELO COOPERATIVO FAMILIARO MODELO COOPERATIVO FAMILIAR
O MODELO COOPERATIVO FAMILIARVictor Mendes
 
Palestra no ZDAY 2014
Palestra no ZDAY 2014Palestra no ZDAY 2014
Palestra no ZDAY 2014Victor Mendes
 
Um Micro Resumo do projeto MCF
Um Micro Resumo do projeto MCFUm Micro Resumo do projeto MCF
Um Micro Resumo do projeto MCFVictor Mendes
 
O PRINCIPIO DA COOPERAÇÃO, de Mauricio Adballa (2002)
O PRINCIPIO DA COOPERAÇÃO, de Mauricio Adballa (2002)O PRINCIPIO DA COOPERAÇÃO, de Mauricio Adballa (2002)
O PRINCIPIO DA COOPERAÇÃO, de Mauricio Adballa (2002)Victor Mendes
 
Imersão em Economia Colaborativa
Imersão em Economia ColaborativaImersão em Economia Colaborativa
Imersão em Economia ColaborativaCamila Haddad
 
Economia Colaborativa: tendência ou mudança?
Economia Colaborativa: tendência ou mudança?Economia Colaborativa: tendência ou mudança?
Economia Colaborativa: tendência ou mudança?Camila Haddad
 
Atividade - teoria da complexidade
Atividade - teoria da complexidadeAtividade - teoria da complexidade
Atividade - teoria da complexidadeIsabella Silva
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Porque uma economia cooperativa? ( Palestra 07.02.2015)

Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsClaudio Inacio Schuck
 
Ministério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - CooperativismoMinistério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - CooperativismoPortal Canal Rural
 
Artigo: As empresas sociais e a mudança que queremos ver
Artigo: As empresas sociais e a mudança que queremos verArtigo: As empresas sociais e a mudança que queremos ver
Artigo: As empresas sociais e a mudança que queremos verMarianne Costa
 
Contra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_crise
Contra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_criseContra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_crise
Contra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_criseEdmar Roberto Prandini
 
CreBrasileirios 007
CreBrasileirios 007CreBrasileirios 007
CreBrasileirios 007Dener Chaves
 
CreBrasileiros 007
CreBrasileiros 007CreBrasileiros 007
CreBrasileiros 007Dener Chaves
 
Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)
Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)
Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)Victor Mendes
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfAdm.Geisiane Soares
 
Administracao e-o-terceiro-setor
Administracao e-o-terceiro-setorAdministracao e-o-terceiro-setor
Administracao e-o-terceiro-setorAugusto Canuto
 
Responsabilidade social e as empresas do futuro
Responsabilidade social e as empresas do futuro   Responsabilidade social e as empresas do futuro
Responsabilidade social e as empresas do futuro Tiago Robalo Gouveia
 
NIT PORTAL SOCIAL - SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?
NIT PORTAL SOCIAL -  SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?NIT PORTAL SOCIAL -  SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?
NIT PORTAL SOCIAL - SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?Nit Portal Social
 
Economia solidaria
Economia solidariaEconomia solidaria
Economia solidariaBell Abreu
 

Semelhante a Porque uma economia cooperativa? ( Palestra 07.02.2015) (20)

Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010Campanha da Fraternidade 2010
Campanha da Fraternidade 2010
 
Cfe2010
Cfe2010Cfe2010
Cfe2010
 
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
 
Ministério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - CooperativismoMinistério da Agricultura - Cooperativismo
Ministério da Agricultura - Cooperativismo
 
Artigo: As empresas sociais e a mudança que queremos ver
Artigo: As empresas sociais e a mudança que queremos verArtigo: As empresas sociais e a mudança que queremos ver
Artigo: As empresas sociais e a mudança que queremos ver
 
Contra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_crise
Contra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_criseContra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_crise
Contra as desigualdades_propostas_para_ir_alem_da_crise
 
CreBrasileiros 07
CreBrasileiros  07CreBrasileiros  07
CreBrasileiros 07
 
CreBrasileirios 007
CreBrasileirios 007CreBrasileirios 007
CreBrasileirios 007
 
CreBrasileiros 007
CreBrasileiros 007CreBrasileiros 007
CreBrasileiros 007
 
Economia solidária
Economia solidáriaEconomia solidária
Economia solidária
 
Adm 01.pdf
Adm 01.pdfAdm 01.pdf
Adm 01.pdf
 
Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)
Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)
Cooperativa é um capital de democracia (Swissinfo)
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
 
Administracao e-o-terceiro-setor
Administracao e-o-terceiro-setorAdministracao e-o-terceiro-setor
Administracao e-o-terceiro-setor
 
USP, 26 de agosto de 2011
USP, 26 de agosto de 2011USP, 26 de agosto de 2011
USP, 26 de agosto de 2011
 
Responsabilidade social e as empresas do futuro
Responsabilidade social e as empresas do futuro   Responsabilidade social e as empresas do futuro
Responsabilidade social e as empresas do futuro
 
NIT PORTAL SOCIAL - SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?
NIT PORTAL SOCIAL -  SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?NIT PORTAL SOCIAL -  SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?
NIT PORTAL SOCIAL - SOMOS CONSUMISTAS OU É O PAÍS QUE PRODUZ DEMAIS?
 
Economia solidaria
Economia solidariaEconomia solidaria
Economia solidaria
 
Slides Da Cf 2010
Slides Da Cf 2010Slides Da Cf 2010
Slides Da Cf 2010
 
Slides Da Cf 2010
Slides Da Cf 2010Slides Da Cf 2010
Slides Da Cf 2010
 

Mais de Victor Mendes

PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)
PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)
PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)Victor Mendes
 
A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)
A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)
A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)Victor Mendes
 
SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)
SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)
SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)Victor Mendes
 
COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)
COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)
COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)Victor Mendes
 
CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)
CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)
CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)Victor Mendes
 
REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)
REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)
REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)Victor Mendes
 
Só a democracia permite que haja recursos para a próxima geração
Só a democracia permite que haja recursos para a próxima geraçãoSó a democracia permite que haja recursos para a próxima geração
Só a democracia permite que haja recursos para a próxima geraçãoVictor Mendes
 
"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL" de Torkom Saraydarian (1990)
"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL"  de Torkom Saraydarian (1990)"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL"  de Torkom Saraydarian (1990)
"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL" de Torkom Saraydarian (1990)Victor Mendes
 
Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...
Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...
Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...Victor Mendes
 
Tabela de taxa de encerceração mundial por países
Tabela de taxa de encerceração mundial por paísesTabela de taxa de encerceração mundial por países
Tabela de taxa de encerceração mundial por paísesVictor Mendes
 
Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...
Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...
Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...Victor Mendes
 
Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)
Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)
Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)Victor Mendes
 
Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)
Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)
Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)Victor Mendes
 
Jornal Cooperativa da Grécia
Jornal Cooperativa da GréciaJornal Cooperativa da Grécia
Jornal Cooperativa da GréciaVictor Mendes
 
O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?
O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?
O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?Victor Mendes
 
A cidade de Roseto nos USA
A cidade de Roseto nos USAA cidade de Roseto nos USA
A cidade de Roseto nos USAVictor Mendes
 
O Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket
O Supermercado das Pessoas / The People’s SupermarketO Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket
O Supermercado das Pessoas / The People’s SupermarketVictor Mendes
 
1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias
1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias
1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde própriasVictor Mendes
 
Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)
Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)
Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)Victor Mendes
 
Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...
Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...
Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...Victor Mendes
 

Mais de Victor Mendes (20)

PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)
PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)
PRINCIPIOS E PRÁTICA DE COOPERATIVISMO, de Luís António Pardal (1977)
 
A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)
A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)
A DOUTRINA ANARQUISTA AO ALCANCE DE TODOS, de José Oiticica (1925)
 
SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)
SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)
SOBRE O ESPÍRITO DO COOPERATIVISMO, de António Sérgio (1958)
 
COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)
COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)
COOPERATIVISMO, Discursos políticos, de Henrique de Barros (1978)
 
CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)
CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)
CHEGAR NOVO A VELHO, do Dr. Manuel Pinto Coelho (2015)
 
REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)
REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)
REPENSAR A ECONOMIA, de Ivo Gomes Francisco (2014)
 
Só a democracia permite que haja recursos para a próxima geração
Só a democracia permite que haja recursos para a próxima geraçãoSó a democracia permite que haja recursos para a próxima geração
Só a democracia permite que haja recursos para a próxima geração
 
"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL" de Torkom Saraydarian (1990)
"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL"  de Torkom Saraydarian (1990)"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL"  de Torkom Saraydarian (1990)
"A PSICOLOGIA DA COOPERAÇÃO E CONSCIÊNCIA GRUPAL" de Torkom Saraydarian (1990)
 
Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...
Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...
Austrália, primeira cooperativa eólica comunitária, hepburn wind community wi...
 
Tabela de taxa de encerceração mundial por países
Tabela de taxa de encerceração mundial por paísesTabela de taxa de encerceração mundial por países
Tabela de taxa de encerceração mundial por países
 
Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...
Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...
Estudo sobre a Empresa Social como uma ferramenta para se alcançar a prosperi...
 
Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)
Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)
Cooperativismo, Artigo de Glória Rebelo (Professora Universitária)
 
Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)
Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)
Duas redes de supermercado cooperativos dominam a Suíça (Swissinfo)
 
Jornal Cooperativa da Grécia
Jornal Cooperativa da GréciaJornal Cooperativa da Grécia
Jornal Cooperativa da Grécia
 
O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?
O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?
O que faz com que as cooperativas sejam bem sucedidas?
 
A cidade de Roseto nos USA
A cidade de Roseto nos USAA cidade de Roseto nos USA
A cidade de Roseto nos USA
 
O Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket
O Supermercado das Pessoas / The People’s SupermarketO Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket
O Supermercado das Pessoas / The People’s Supermarket
 
1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias
1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias
1200 catalães praticam a autogestão com moeda, educação e saúde próprias
 
Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)
Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)
Cooperativa de Consumo COOPPOVO, Leiria (Noticia 1)
 
Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...
Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...
Apresentação do MOVIMENTO DE DEMOCRACIA DIRECTA EDUCATIVA www.MDDVTM.org (ver...
 

Último

MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...azulassessoriaacadem3
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 
Jornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de Resende
Jornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de ResendeJornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de Resende
Jornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de ResendeIsabelPereira2010
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...leitev350
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 

Último (20)

MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
1. Encontre um Livro Didático de Língua Portuguesa, que seja para o 1º, 2º ou...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
Jornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de Resende
Jornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de ResendeJornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de Resende
Jornal DeClara n.º 73 fevereiro 2024, Clara de Resende
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 

Porque uma economia cooperativa? ( Palestra 07.02.2015)

  • 1. Porque uma economia cooperativa?
  • 5. Homicídios por 100 mil habitantes Brasil: 25 / Honduras: 67 Noruega: 0,72 Número de presos por 10 mil habitantes Estados Unidos: 576 Japão: 40 Índice de Confiança mútua (Concorda com a frase: “A maior parte das pessoas são de confiança”?) Portugal: 10% Suécia: 66% População com doenças mentais Estados Unidos: 26% Japão: 8% Gravidez na adolescência (Nascimentos por mil adolescentes entre 15 e 19 anos) Estados Unidos: 50 Dinamarca: 8 Esperança Média de Vida Moçambique: 42 anos Austrália: 81 anos Número de mulheres com cancro por cada 100 habitantes Estados Unidos: 13 Japão: 1 População que sofre de obesidade Estados Unidos: 30% Noruega: 11% Percentagem de pessoas que se consideram felizes Bulgária: 45% Islândia: 95%
  • 6. Livro escrito por dois Professores Universitários Britânicos apresentando o resultado de vários anos de investigação (mais de 50 investigadores/ano) sobre a relação direta entre as desigualdades de rendimento e os problemas sociais.
  • 7. LUCRO - Nas pessoas coletivas (Empresas) - Nas pessoas singulares (cidadãos) JUROS -Diretos - Indiretos -Invisíveis MECANISMOS QUE AUMENTAM AS DESIGUALDADES
  • 8. LUCRO (Empresas) "Se a Apple fosse uma cooperativa de trabalhadores cada funcionário teria recebido um dividendo (lucro) anual de 327.000 Euros em cima de seus salários.
  • 11. LUCRO (Cidadãos) Nº de Famílias Rendimento Mensal Se distribuído em recursos: 1.500.000 440,00 € Renaul Clio Comercial (1 m3) 500.000 839,00 € Renault Kangoo (2,30 m3), 1.000.000 1.466,00 € Renault Traffic (5 m3) 300.000 3.744,00 € Renault Master (10 m3) 15.000 12.500,00 € IVECO (35 m3) 879 > 18.000,00 € Camião TIR Lucro = Receber o máximo com o esforço mínimo
  • 12. LUCRO LUCRO - Nas pessoas coletivas (Empresas) - Nas pessoas singulares (cidadãos) COOPERATIVAS EMPRESAS SOCIAIS MUTUALISMO EMPRESAS DE COMUNHÃO
  • 13. LUCRO COOPERATIVAS “… pessoas coletivas autónomas que através da cooperação visam, sem fins lucrativos, a satisfação das necessidades e aspirações económicas, sociais ou culturais dos seus membros." GRUPO COOPERATIVO MONDRAGON - 120 cooperativas (universidade, banco, cadeia de supermercados, industrias, etc) - 7º maior grupo empresarial de Espanha - mais de 80 mil trabalhadores - Volume de negócios: 13 mil milhões de Euros - Salário mais alto: 6 salários mínimos - Lucro: Inexistente - Empresa com a maior produtividade de Espanha “Como forma de transformar as nossas sociedades, as empresas controladas pelos trabalhadores (Cooperativas) apresentam a vantagem de poderem coexistir lado a lado com estruturas empresariais convencionais. Podem coexistir novas e velhas formas empresariais: a transformação da sociedade pode começar desde já, poderemos assim embarcar numa transformação fundamental da nossa sociedade por via de uma transição ordeira, fazendo crescer a nova sociedade a partir da velha. (…) À medida que o sector das empresas controladas pelos trabalhadores se alargasse, as normas e os valores das pessoas relativamente às taxas de remuneração apropriada para diferentes trabalhos, e que diferenciais são aceitáveis, acabariam por mudar e deixaria de existir no sector privado um patronato incrivelmente rico que convida a comparações e leva as pessoas a pensar que tais salários poderiam ser justificados. Talvez esteja na altura de rejeitarmos um mundo onde as pessoas encaram a maximização dos lucros pessoais como um objetivo louvável na vida.” Tamanho: 500 José María Arizmendiarrieta
  • 14. LUCRO
  • 15. “O cooperativismo é no mundo em que vivemos, cada vez mais global e individualista, uma das atividades económicas mais nobre e socialmente mais justa e solidária. Criar uma empresa cooperativa é um ato individual mas revelador do espírito mais altruísta do ser humano. A palavra cooperar resulta da conjugação de duas expressões latinas: cum e operari, querendo dizer tomar parte com, ou participar numa obra comum. Cooperar corresponde assim ao ato mais nobre do ser humano, significando participar em comum com o seu semelhante numa atividade sócio económica na qual vão partilhar um ideal comum, um fim económico, mas social e sobretudo na mudança social da comunidade e do meio envolvente. O homem desde os primórdios da civilização que vive um grande dilema entre o ser individual e o ser gregário. É uma luta entre a defesa do eu, do homem com ser egoísta, a pensar somente em si, sem necessidade de cooperação e por outro lado o homem que sente necessidade de autoajuda, designadamente económica, através de organizações democráticas. Aqui surge o associativismo e o cooperativismo. Em linhas gerais podemos assinalar que o fenómeno cooperativo tem origem na necessidade de alguns homens porem em comum capital, sobretudo humano de forma a superar as suas limitações, diria insuficiências do ser humano com ser individual. Temos assim na origem do espírito cooperativo, o espírito cooperativo do ser humano. Podemos encontrar mesmo a primeira fundamentação do espírito cooperativo na Bíblia, onde deparamos com diversas passagens sobre cooperação entre homens num verdadeiro trabalho de cariz associativo. Por outro lado temos as ideias cooperativas e associativas defendidas pela Igreja católica que durante o século XX, em particular na Europa e na América Latina estimulou a criação de cooperativas como forma de promoção da dignidade dos homens, das comunidades, do direito ao emprego, autossustentabilidade de si e da família. Vários homens da Igreja, em particular Papas, através de encíclicas defenderam a solidariedade, a entreajuda e cooperação no trabalho, na economia e na sociedade como alternativa ao Estado, muitas vezes ineficiente e incapaz e também ao sector privado apenas preocupado com o lucro. A nível da intervenção no terreno e na comunidade muitos párocos, em particular na América Latina promoveram a criação de cooperativas com instrumento ao serviço do desenvolvimento social e económico das populações. O cooperativismo assenta assim no principio da cooperação que se define como a base doutrinal, o fio condutor do sector cooperativo, traduzindo-se em palavras tais como: solidariedade, entreajuda, dádiva aos outros e receber.” LUCRO
  • 16. LUCRO EMPRESAS SOCIAIS No ano 2006 Mohamed Yunus e o Banco Gramen (fundado por ele em 1976) ganharam o premio nobel pela criação do microcrédito, um conceito que retirou milhões de pessoas da pobreza no Bangladesh e no resto do mundo. "Avancei do microcrédito para um conceito muito mais alargado. Este novo conceito trará uma mudança fundamental à arquitetura da nossa economia capitalista, aproximando-a de um enquadramento completo e satisfatório ao libertá-la das falhas básicas que conduzem á pobreza e a outros males sociais e ambientais: trata-se do conceito de empresa social.“ Regras • Os investidores só podem reaver a quantia que investiram. Nem sequer é levada em conta a inflação. • Quando a quantia investida for reembolsada, o lucro fica na empresa, para a sua expansão ou melhoramento. Exemplos de empresas sociais no Bangladesh: • A Grameen Phone é uma empresa de telecomunicações lançada em 1996 e em meados de 2009 tornou-se a maior empresa tributada no Bangladeche, com mais de 25 milhões de assinantes. • A Grameen Danone é uma empresa de produtos lácteos com uma produção mensal de mais de 100 Toneladas. • A Grameen Shakti (Grameen Energia) tornou-se a empresa de sistemas domésticos de energia solar de mais rápido crescimento no mundo. Sabia que… No ano 2011 se a EDP e a PT fossem Empresas Sociais teriam devolvido a cada português mais de 234 Euros só referentes a Juros e Lucros?
  • 17. LUCRO MUTUALISMO Ausência de fim lucrativo “As associações mutualistas não têm fins lucrativos. O destino dos resultados é definido pelos associados, em assembleia geral, podendo ser distribuídos pelas modalidades subscritas por estes.” EMPRESAS DE COMUNHÃO “A Economia de Comunhão (EdC) foi lançada por Chiara Lubich em Maio de 1991 no Brasil e atualmente existem no mundo cerca de 756 empresas EdC, 12 das quais em Portugal. As empresas livremente decidem colocar em comum os lucros da empresa segundo três finalidades de igual importância: - para a ajuda aos pobres; - para o desenvolvimento da empresa; - para a formação cultural.
  • 18. LUCRO - Nas pessoas coletivas (Empresas) - Nas pessoas singulares (cidadãos) JUROS -Diretos - Indiretos -Invisíveis MECANISMOS QUE AUMENTAM AS DESIGUALDADES
  • 19. JUROS • Mecanismo simples: quem tem pouco dinheiro (recursos) paga a quem tem muito dinheiro. • Mecanismo aumentador da desigualdade. • Mecanismo proibido ou considerado negativo por várias religiões: o Proibido pelos muçulmanos (a Banca dos Países Islâmicos não utiliza o juro) o Parcialmente proibido pelas Testemunhas de Jeová o Foi proibido durante séculos pela Igreja Católica
  • 20. JUROS INDIRETOS EMPRESAS - Juros incorporados no preço dos produtos ESTADO Juros incorporados nos impostos Sabia que… cerca de 30% do valor que pagamos pelos bens e serviços que adquirimos é composto por rendimentos de capitais como os juros? DIRETOS Dois em um
  • 21. “O assassino económico identifica um país (…) depois conseguimos um enorme empréstimo ao seu país através do Banco Mundial, do FMI ou outra organização (…) que beneficiam apenas uns poucos muito ricos daquele país (...) e aos pobres é deixada uma enorme dívida, tão grande que eles nunca a vão poder reembolsar." JUROS
  • 22. JUROS INVISIVEIS SISTEMA MONETÁRIO •Todo o dinheiro é criado como divida (empréstimos) através do sistema de reservas fracionadas. • Todo o dinheiro tem juros agregados. o O dinheiro dos juros não é criado aquando do empréstimo pelo que tem sempre:  ou haver alguém a falir (crises)  ou ser emitido novo dinheiro (inflação) através de mais empréstimos. • Resultado: o Sistema Monetário é um mecanismo que suga constantemente recursos da base para o topo. Sabia que… Estimasse que 80% da população mais pobre pague juros aos 10% mais ricos?
  • 23. BANCOS SEM JUROS MOEDAS COMUNITÁRIAS JUROS JUROS -Diretos - Indiretos -Invisíveis
  • 24. BANCOS SEM JUROS JUROS “O Banco JAK, ou JAK Medlemsbank, é uma instituição financeira cooperativa, propriedade dos membros, com sede em Skövde na Suécia e baseada num conceito que surgiu na Dinamarca em 1931. Os cerca de 38 mil membros (em Novembro de 2011) determinam as políticas do Banco e a sua Direção. Os membros do Banco JAK não cobram ou pagam juros sobre seus empréstimos, um princípio compartilhado com o sistema bancário islâmico . Todas as atividades do banco ocorrem fora do mercado de capitais visto que os seus empréstimos são financiados exclusivamente pelas poupanças dos membros. Em 2011 os membros tinham acumulado 131 milhões de Euros em poupança, dos quais 98 milhões foram alocados em empréstimos aos membros. Os custos administrativos e de desenvolvimento são pagos através de quotas e taxas sobre os empréstimos.” O Conceito do Banco JAK é de difícil crescimento porque quem lá deposita dinheiro acaba por perder dinheiro por duas vias: - Porque não recebe juros - Porque vê o seu dinheiro desvalorizar devido á Inflação Artificial
  • 25. BANCOS SEM JUROS JUROS "A manipulação da quantidade de dinheiro em uma economia tem apenas um objetivo: financiar as políticas governamentais. Não há nenhum outro motivo para se manipular a quantidade de dinheiro de uma economia. (...) As primeiras pessoas que receberem esse dinheiro recém-criado poderão adquirir bens e serviços a preços ainda inalterados. À medida que esse dinheiro recém- criado vai circulando pela economia, os preços vão subindo. As pessoas que receberem esse dinheiro por último terão de lidar com um aumento de preços sem que ainda tenham tido um aumento em suas rendas. Logo, há uma redistribuição de riqueza em favor daqueles que primeiro receberam esse dinheiro em detrimento daqueles que o receberão por último — os quais ficarão continuamente mais pobres. Os que primeiro recebem este dinheiro são principalmente os membros do sistema bancário, o governo e as indústrias favoritas do governo." A Inflação Artificial funciona através da manipulação da quantidade de dinheiro em circulação na economia e tem sido utilizada desde sempre pelos governos como um imposto invisível para financiar guerras e clientelas, sem terem de enfrentar a resistência da população a um imposto visível. A INFLAÇÃO NATURAL ARTIFICIAL
  • 26. MOEDAS COMUNITÁRIAS JUROS • Não utilizam juros. •Todas as comunidades podem criar o seu próprio dinheiro. • Podem ser mais complexas ou mais simples. • Não precisam de ter dinheiro em papel. o Existe software gratuito para gerir o sistema. o Existem moedas comunitárias espalhadas por todo o mundo. OBJETIVOS DUM PONTO DE VISTA LOCAL:  uma forma do dinheiro ser gasto na região e dessa forma fixar a riqueza na região fortalecendo as empresas locais e aumentando o emprego. • Poder realizar transações de bens e serviços sem precisar do dinheiro oficial. • Preparar a comunidade para continuar a realizar as trocas necessárias à vida em comunidade no caso de acontecer um colapso do sistema financeiro como tem acontecido regularmente na história. OBJETIVOS DUM PONTO DE VISTA GLOBAL:  Educar os participantes através do exemplo e da prática sobre as regras básicas dum sistema monetário justo. •Alertar a população para os problemas existentes no sistema monetário oficial. • Fortalecer o espírito comunitário. • Ter a satisfação de utilizar um dinheiro limpo que não explora nem empobrece ninguém nem alimenta exploradores. •Agir na consciência "Sê a mudança que queres ver no mundo”.
  • 28. LUCRO - Nas pessoas coletivas (Empresas) - Nas pessoas singulares (cidadãos) JUROS -Diretos - Indiretos -Invisíveis MECANISMOS QUE AUMENTAM AS DESIGUALDADES
  • 29. SISTEMA ECONÓMICO COMPETITIVO PIRAMIDAL Sabia que… Um americano consome 5 vezes mais que um mexicano, 10 vezes mais que um chinês e 30 vezes mais que um indiano? CARACTERISTICAS DA PIRAMIDE: • Composta por estruturas extremamente sólidas e muito bem organizadas através de empresas, sindicatos, associações, partidos, maçonarias, países, organizações internacionais de comércio, de saúde, de segurança, etc • Vivesse um ambiente de guerra, uma guerra económica por recursos, onde todos tentam defender ou reforçar a sua posição.
  • 30. COOPERATIVAS MODELO COOPERATIVO FAMILIAR MUTUALISMO Banco do Tempo EMPRESAS DE COMUNHÃO Moedas Comunitárias BANCOS SEM JUROS EMPRESAS SOCIAIS O manual para a construção duma sociedade que considere todos os seres humanos como iguais, que funcione como uma FAMÍLIA global, utilizando um Modelo económico COOPERATIVO em substituição do atual Modelo nocivamente COMPETITIVO.
  • 31. Cidadãos por todo o país conhecem, ANALISAM a fundo, e divulgam o Modelo Cooperativo Familiar www.NOVACOMUNIDADE.org 1ª FASE (trabalhos já iniciados)
  • 32. Nas suas comunidades organizam a criação de Empresas Cooperativas Sociais MCF que forneçam o máximo dos serviços necessários á vida em comunidade… Rede MCF Sapataria Supermercado Banco Restaurante PadariaFarmácia Oficina Posto de Abastecimento Combustíveis Mediadoras Objetivo secundário: tornar a comunidade o mais independente possível de organismos estatais centrais. Substituir uma cultura de dependência por uma cultura de responsabilidade. … e que funcionam segundo as mesmas 5 regras:
  • 33. 1. Não tem empréstimos bancários nem aluguer de instalações. • Bancos sem juros • Moedas Alternativas JUROS -Diretos - Indiretos -Invisíveis
  • 34. 2. Lucros só podem ser aplicados no desenvolvimento da Empresa/Rede • COOPERATIVAS • Empresas Sociais • Mutualismo • Empresas de Comunhão LUCRO - Nas pessoas coletivas (Empresas) - Nas pessoas singulares (cidadãos)
  • 35. 3. Salário Geral igual para todos os trabalhadores de toda a Rede. (As exceções são aprovadas democraticamente pela Assembleia da Cooperativa) • Banco do Tempo Sabia que… Já existem no mundo muitas cooperativas que praticam uma politica de salários iguais?
  • 36. 4. Valor máximo do Salário Geral definido pelos clientes (na 1ª fase)
  • 37. 5. Integração progressiva de Redes MCF até haver apenas uma Rede MCF. Rede MCF Sapataria Super Banco Restaurante PadariaFarmácia Oficina Combustíveis Mediadoras
  • 38. “A ciência da cooperação deve ser ensinada para as pessoas desde sua infância e trazida até a vida adulta. Deve ser claro para todos que cooperação é uma ciência que pode substituir a psicologia das disputas, antagonismos, luta, guerra e derramamento de sangue. A vida mudará drasticamente quando as pessoas aprenderem como cooperar. A cooperação não pode continuar através da imposição, força ou técnicas totalitárias. As pessoas devem ter uma visão, entendê-la e olhar meios de realizá-la. Os indivíduos devem formar grupos e esses devem formar grupos maiores, até que todos os grupos se tornem uma humanidade, tendo desenvolvido uma consciência global. Essa é a maneira como a dor, sofrimento e destruição podem ser eliminados de nosso planeta no futuro. Todos os recursos do globo podem, então, ser usados para guiar a humanidade para um estado ainda mais elevado de consciência.”
  • 41. "Depois de mais de duas décadas de tentativas sem sucesso para conseguir forjar um pacto global para travar as alterações climáticas, os negociadores das Nações Unidas que se reúnem na América do Sul esta semana estão expressando um novo otimismo de que poderão finalmente alcançar o tão esquivo acordo. No entanto os cientistas alertam que mesmo com um acordo para parar o ritmo atual de emissões de gases com efeito de estufa, o mundo vai se tornar cada vez mais desagradável. E sem um acordo, dizem os cientistas, o mundo pode eventualmente se tornar inabitável para os humanos." O Futuro???
  • 44. O Futuro??? CIENTISTAS AVISAM: FALTAM "3 MINUTOS" PARA O APOCALIPSE O Boletim de Cientistas Atômicos foi fundado em 1945 por cientistas da Universidade de Chicago que tinham ajudado a desenvolver as primeiras armas atômicas no Projeto Manhattan. Eles criaram o Relógio do Apocalipse, dois anos depois, usando a imagem de apocalipse (meia-noite) e da linguagem contemporânea de explosão nuclear (contagem regressiva para zero) para transmitir as ameaças para a humanidade e para o planeta. A decisão de mudar (ou deixar no lugar) o ponteiro dos minutos do Relógio do Apocalipse é feita todos os anos pelo Conselho Cientifico do Boletim em conjunto com o seu Conselho de Patrocinadores, que inclui 17 prêmios Nobel. O relógio tornou-se um indicador universalmente reconhecido da vulnerabilidade do mundo a uma catástrofe de armas nucleares, mudanças climáticas, e a novas tecnologias emergentes em outros domínios. Neste ano de 2015 o Boletim avançou o relógio para apenas três minutos para a meia-noite apontando como principais motivos as emissões de carbono, o armamento avançado e a má governação nesses setores.
  • 45. FIM