O slideshow foi denunciado.

SegurançA RodoviáRia

42.374 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • quanto tiveste no trabalho?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Muito bom este slide sobre segurança no transito. Infelizmente as pessoas adquirem o habito de fazer as coisas erradas e acabam se envolvendo em acidentes trágicos.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • A fundação da Juventude está a promover um Concurso Nacional “ Mais vale perder um minuto da vida, do que a vida num minuto!”
    Este concurso tem como objectivo principal sensibilizar os estudantes de ensino superior para a problemática da Educação e Sinistralidade Rodoviária Portuguesa.
    Gostaríamos de lhe pedir o favor de divulgar o nosso link no vosso blogue.
    Muito Obrigado!
    http://www.fjuventude.pt/a-vida-num-minuto-2012-2013/
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • uma cena:porque é que tem as imagens em cima do texto?assim nao se percebe nada.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

SegurançA RodoviáRia

  1. 1. Segurança Rodoviária <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Marisa Moreira N. 13 </li></ul><ul><li>Pedro Ferreira N. 16 </li></ul><ul><li>Renata Ferreira N. 19 </li></ul><ul><li>Vítor Pacheco N. 26 </li></ul><ul><li>9*C </li></ul>
  2. 2. <ul><li>ANTES DA VIAGEM: </li></ul><ul><li>Verifique as condições de segurança do seu veículo, especialmente o estado dos pneus, travões, direcção, suspensão, focagem dos faróis e o estado de funcionamento dos limpa pára-brisas. </li></ul><ul><li>Acondicione correctamente a bagagem a transportar no veículo. A carga mal acondicionada pode alterar a estabilidade e o controlo da direcção, podendo provocar acidentes. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Tenha presente que a fadiga, a doença, refeições pesadas, medicamentos, álcool, entre outros factores, prejudicam a aptidão para conduzir. </li></ul><ul><li>Opte por estradas com menos movimento e evite, se possível, as horas de ponta. </li></ul>ANTES DA VIAGEM :
  4. 4. DURANTE A VIAGEM <ul><ul><li>Assuma o compromisso consigo próprio de que vai respeitar as regras e </li></ul></ul><ul><ul><li>evitar os excessos, atendendo aos seguintes aspectos: </li></ul></ul><ul><li>Regule a velocidade do seu veículo, tendo em conta as condições de segurança do mesmo, a intensidade de tráfego e as condições da via </li></ul><ul><li>Se o pavimento estiver escorregadio, conduza com prudência, para que possa parar o seu veículo sem perigo de acidente. </li></ul><ul><li>Mantenha uma distância segura em relação ao veículo que circula à sua frente. </li></ul>
  5. 5. <ul><ul><li>Antes de ultrapassar, certifique-se de que o pode fazer com segurança. </li></ul></ul><ul><ul><li>Como condição de circulação segura em auto-estrada, utilize a via da esquerda apenas para ultrapassar ou quando a via da direita não estiver livre. </li></ul></ul><ul><ul><li>Evite as manobras perigosas. Seja prudente e conduza com segurança. </li></ul></ul><ul><ul><li>Em caso de avaria, estacione sobre a berma, acenda os intermitentes e coloque o triângulo de sinalização a uma distância de 30m. </li></ul></ul><ul><ul><li>Use correctamente o sistema de luzes, particularmente no cruzamento de veículos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Não conduza mais de duas horas consecutivas. Interrompa periodicamente a sua viagem. </li></ul></ul>
  6. 6. DURANTE A VIAGEM : <ul><li>Use o cinto de segurança ou dispositivo de retenção e faça questão de verificar se os seus acompanhantes seguem o seu exemplo. </li></ul><ul><li>Tenha especial atenção ao transporte de crianças, siga as mais elementares regras de segurança, transportando-as no banco de trás com cinto de segurança ou com um dispositivo de retenção adequado. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>A Prevenção Rodoviária Portuguesa, também conhecida por PRP, é uma associação portuguesa, sem fins lucrativos, com o objectivo de prevenir os acidentes rodoviários e as suas consequências. </li></ul><ul><li>Para o efeito, desenvolve várias acções, como por exemplo: campanhas de sensibilização e recolha de dados estatísticos sobre a sinistralidade rodoviária em Portugal. </li></ul>
  8. 8. Evolução do número de Vítimas Mortais entre 1990 e 2006 <ul><li>Podemos concluir que o número de vítimas mortais desde 1990 até 2006 tem vindo a diminuir. </li></ul>
  9. 9. Evolução do número de Feridos Graves entre 1998 e 2006 - Utentes acidentados dentro das localidades <ul><li>Conclusão: O número de feridos graves de 1998 a 2006 tem vindo a abrandar. </li></ul>
  10. 10. Evolução do número de vítimas mortais 2001-2006, em Portugal <ul><li>Concluímos que, em Portugal, houve uma redução sensível do número de vítimas mortais. </li></ul>
  11. 11. Acidentes <ul><li>Existem dois tipos de acidentes: o evitável e o não evitável. O primeiro é aquele em que deixou de fazer tudo o que razoavelmente poderia ter feito para evitá-lo, enquanto o segundo é aquele em que se esgotando todas as medidas para impedi-lo, este veio a acontecer. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>As causas são: 75% dos acidentes foram causados por falha humana (condutor), 12% por problemas nos veículos, 6% por deficiências das vias e 7% por causas diversas, ou seja, podemos dizer que o homem, no mínimo, é o causador de 93% dos acidentes. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Imprudência dos condutores; </li></ul><ul><li>Excesso de velocidade; </li></ul><ul><li>Desrespeito à sinalização; </li></ul><ul><li>Ingestão de bebidas alcoólicas; </li></ul><ul><li>Ultrapassagens indevidas; </li></ul><ul><li>Má visibilidade (chuva, neblina, serração, noite); </li></ul><ul><li>Falta de atenção ; </li></ul><ul><li>Defeitos nas vias; </li></ul><ul><li>Falta de manutenção adequada dos veículos; </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Distracção interna do condutor (rádio, passageiro, celular, objectos soltos no interior do veículo); </li></ul><ul><li>Acção evasiva inadequada, frente a um factor adverso (buraco, veículo parado, etc.); </li></ul><ul><li>Técnica inadequada ao dirigir veículo (não observar o retrovisor externo e esquerdo, por exemplo); </li></ul><ul><li>Avaliação errada de distância e velocidade de um outro veículo, tanto no mesmo sentido (andar na &quot;cola&quot;) como em sentido contrário; </li></ul><ul><li>Falta de cortesia no trânsito; </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Não obediência das normas de circulação e conduta (tanto para condutores como para pedestres); </li></ul><ul><li>Falta de conhecimento e obediência das leis de trânsito (condutores e pedestres </li></ul><ul><li>Impunidade dos infractores; </li></ul><ul><li>Sensação de omnipotência advinda do comportamento inadequado ao dirigir; </li></ul><ul><li>Falta de educação para o trânsito; </li></ul><ul><li>Travessia em locais perigosos e fora da faixa ou semáforo. </li></ul><ul><li>Sonolência, falta de descanso, drogas (remédios, psicotrópicos, tranquilizantes, etc.) e fadiga. </li></ul>Entre as diversas causas podemos citar :
  16. 16. Nós estamos a realizar um trabalho sobre Segurança Rodoviária e gostávamos de entrevistá-lo. Pode ser? Claro que sim, será um prazer ajudar-vos. Entrevistador Sr. Vítor
  17. 17. Já teve algum acidente? Sim, já tive alguns acidentes, mas houve um que vai ficar sempre na minha memória. Entrevistador Sr. Vítor
  18. 18. Por que é que o senhor diz isso? Eu e a minha esposa íamos visitar um parente nosso, quando uma senhora e a sua filha bateram contra o nosso carro. Entrevistador Sr. Vítor
  19. 19. E chama a isto trágico? Sim, porque, a filha da senhora foi projectada e acabou por falecer. Entrevistador Sr. Vítor
  20. 20. Lamentámos muito, mas sabe quais foram as causas? Sei, a menina não trazia cinto e a sua mãe vinha distraída a falar ao telemóvel, não viu o meu carro e embateu. Entrevistador Sr. Vítor
  21. 21. E o senhor e a sua mulher tiveram algum ferimento? Felizmente não. Entrevistador Sr. Vítor
  22. 22. Obrigada pela seu testemunho. De nada. Entrevistador Sr. Vítor

×