SEMINÁRIO
LOGÍSTICA REVERSA
DE EMBALAGENS
WORKSHOP "GESTÃO EFICIENTE DE
RESÍDUOS SÓLIDOS"
MISSÃO ECOS
Planejar, propor, executar e apoiar ações que
induzam à prática intersetorial e colaborativa
da sustentabilida...
1. CONSIDERAÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS
2. PLANEJAMENTO/DIAGNÓSTICO
3. ESCOLHA DO SISTEMA DE COLETA NA FONTE
4. ESCOLHA DA CO...
O QUE É GESTÃO EFICIENTE
DE RESÍDUOS?
Sistema composto por diversos procedimentos que
visam a mitigação dos impactos socio...
1. CONSIDERAÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS
1.1 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS
• LR
• Acordos setoriais
• Questão espacial...
1. CONSIDERAÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS
1.2 DECRETO FEDERAL Nº 5.940
1.3 RESOLUÇÃO ANVISA 306/2004 – Regulamento técnico
para...
2. DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO
2.1 QUANTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS
2.2 DIÁLOGO COM ÁREAS ESTRATÉGICAS
2.3 ENVOLV...
3. ESCOLHA DO SISTEMA DE COLETA NA FONTE
3.1 DISPONIBILIDADE DE ESPAÇO
3.2 LOCAL DE ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA
3.3 OPERAÇÃO DE...
4. ESCOLHA DA COOPERATIVA
4.1 CRITÉRIOS
Cnpj; inscrição municipal e/ou estadual; tipos de resíduos que
coleta; número de c...
4. ESCOLHA DA COOPERATIVA
4.2 TERMO DE COMPROMISSO
4.3 DOAÇÃO DOS RESÍDUOS
4.4 OTIMIZAÇÃO CONTRATO COM EMPRESAS DE LIMPEZA...
5. COMUNICAÇÃO
5.1 MUDANÇA DE ROTINA E MOBILIZAÇÃO
5.2 GUIA DE PROCEDIMENTOS
• Coleta nas fontes geradoras
• Armazenagem, ...
5. COMUNICAÇÃO
5.3 CARTILHA DA COLETA SELETIVA
5.4 RELATÓRIOS PARCIAIS
5.5 NOVOS FUNCIONÁRIOS
5.6 CAMPANHA “É OU NÃO É?”
ISOPOR?
É RECICLÁVEL!
CAIXAS TETRAPAK?
É RECICLÁVEL!
RESTO DE COMIDA?
NÃO É RECICLÁVEL!
COPO DESCARTÁVEL?
É RECICLÁVEL!
GUIMBA DE CIGARRO?
NÃO É RECICLÁVEL!
5.7 TREINADORES DA ALEGRIA
5.8 CAMPANHA “SACOLAS PLÁSTICAS? NÃO, OBRIGADO!”
• informar sobre os impactos ambientais
• acabar com o consumo de sacolas...
5.9 CAMPANHA “CAFEZINHO CONSCIENTE”
• xícaras desenvolvidas para as máquinas de café (110ml)
• caneca (400ml)
• Nº de copo...
5.10 BLOCO REAPORVEITÁVEL
• identificar e alertar para
alguns dos principais locais
onde podemos reduzir o
consumo de mate...
5.12 CAMPANHA “PONTOS VERDES”
• identificar e alertar para alguns
dos principais locais onde
podemos reduzir o consumo de
...
6. ACOMPANHAMENTO
lâmpadas fluorescentes consumidas; óleo vegetal
descartado; resíduos recicláveis e não recicláveis;
lixo...
Mario Saladini
Assessoria de Divulgação e Promoção – ADP
SESC – Departamento Nacional
Tel.: (21) 2136-5156
twitter.com/pro...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini

293 visualizações

Publicada em

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Apresentação de Mario Saladini

  1. 1. SEMINÁRIO LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS WORKSHOP "GESTÃO EFICIENTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS"
  2. 2. MISSÃO ECOS Planejar, propor, executar e apoiar ações que induzam à prática intersetorial e colaborativa da sustentabilidade nas atividades desenvolvidas nos Departamentos Nacionais do SESC e do SENAC e na CNC, com o objetivo de mitigar os impactos socioambientais e otimizar os recursos das instituições.
  3. 3. 1. CONSIDERAÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS 2. PLANEJAMENTO/DIAGNÓSTICO 3. ESCOLHA DO SISTEMA DE COLETA NA FONTE 4. ESCOLHA DA COOPERATIVA 5. COMUNICAÇÃO 6. ACOMPANHAMENTO
  4. 4. O QUE É GESTÃO EFICIENTE DE RESÍDUOS? Sistema composto por diversos procedimentos que visam a mitigação dos impactos socioambientais e a melhoria contínua do fluxo e controle dos resíduos sólidos, desde a geração até a destinação final.
  5. 5. 1. CONSIDERAÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS 1.1 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS • LR • Acordos setoriais • Questão espacial • Lixões • Coorresponsabilidade • Campanha “Separe o lixo e acerte na lata”
  6. 6. 1. CONSIDERAÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS 1.2 DECRETO FEDERAL Nº 5.940 1.3 RESOLUÇÃO ANVISA 306/2004 – Regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde 1.4 CONAMA 307 – Gestão dos resíduos da construção civil 1.5 ABNT NBR 10004/2004 – Classificação de resíduos sólidos 1.6 LEI ESTADUAL SP Nº 12.300/2006 – Política Estadual de Resíduos Sólidos 1.7 LEI MUNICIPAL SP Nº 13.782/2004 – Cadastro de grandes geradores de resíduos sólidos
  7. 7. 2. DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO 2.1 QUANTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS 2.2 DIÁLOGO COM ÁREAS ESTRATÉGICAS 2.3 ENVOLVIMENTO DA EQUIPE DE LIMPEZA 2.4 MAPEAMENTO DE COOPERATIVAS NO ENTORNO 2.5 ASPECTOS X IMPACTOS
  8. 8. 3. ESCOLHA DO SISTEMA DE COLETA NA FONTE 3.1 DISPONIBILIDADE DE ESPAÇO 3.2 LOCAL DE ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA 3.3 OPERAÇÃO DE COLETA INTERNA 3.4 CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO 3.5 CONTATO COM COOPERATIVA
  9. 9. 4. ESCOLHA DA COOPERATIVA 4.1 CRITÉRIOS Cnpj; inscrição municipal e/ou estadual; tipos de resíduos que coleta; número de cooperativados; tipo de armazenamento (galpão ou céu aberto); licença ambiental; relatório de gestão e de rateio; transporte próprio; quantidade mínima coletada; há queima de resíduos no local?; localização (residencial ou comercial).
  10. 10. 4. ESCOLHA DA COOPERATIVA 4.2 TERMO DE COMPROMISSO 4.3 DOAÇÃO DOS RESÍDUOS 4.4 OTIMIZAÇÃO CONTRATO COM EMPRESAS DE LIMPEZA 4.5 PROBLEMA OPERACIONAL DE COLETA
  11. 11. 5. COMUNICAÇÃO 5.1 MUDANÇA DE ROTINA E MOBILIZAÇÃO 5.2 GUIA DE PROCEDIMENTOS • Coleta nas fontes geradoras • Armazenagem, pesagem e quantificação • Transporte externo e disposição final • Documentação • Responsabilidades
  12. 12. 5. COMUNICAÇÃO 5.3 CARTILHA DA COLETA SELETIVA 5.4 RELATÓRIOS PARCIAIS 5.5 NOVOS FUNCIONÁRIOS
  13. 13. 5.6 CAMPANHA “É OU NÃO É?”
  14. 14. ISOPOR?
  15. 15. É RECICLÁVEL!
  16. 16. CAIXAS TETRAPAK?
  17. 17. É RECICLÁVEL!
  18. 18. RESTO DE COMIDA?
  19. 19. NÃO É RECICLÁVEL!
  20. 20. COPO DESCARTÁVEL?
  21. 21. É RECICLÁVEL!
  22. 22. GUIMBA DE CIGARRO?
  23. 23. NÃO É RECICLÁVEL!
  24. 24. 5.7 TREINADORES DA ALEGRIA
  25. 25. 5.8 CAMPANHA “SACOLAS PLÁSTICAS? NÃO, OBRIGADO!” • informar sobre os impactos ambientais • acabar com o consumo de sacolas • Nº de sacolas economizadas: 36.000/ano
  26. 26. 5.9 CAMPANHA “CAFEZINHO CONSCIENTE” • xícaras desenvolvidas para as máquinas de café (110ml) • caneca (400ml) • Nº de copos descartáveis (80,110,200 e 300 ml) economizados: 990.700
  27. 27. 5.10 BLOCO REAPORVEITÁVEL • identificar e alertar para alguns dos principais locais onde podemos reduzir o consumo de materiais e, por consequência, reduzir a produção de resíduos • Nº de folhas de papel A4 economizadas: 37.600
  28. 28. 5.12 CAMPANHA “PONTOS VERDES” • identificar e alertar para alguns dos principais locais onde podemos reduzir o consumo de materiais e, por consequência, reduzir a produção de resíduos 5.11 REUSÁVEIS DO RESTAURANTE • substituição de copos de refresco e de sobremesas descartáveis • Nº de copos de 300 ml economizados: 254.000/ano • Nº de copos de 110 ml economizados: 79.200/ano
  29. 29. 6. ACOMPANHAMENTO lâmpadas fluorescentes consumidas; óleo vegetal descartado; resíduos recicláveis e não recicláveis; lixo eletrônico; pilhas e baterias. • INDICADORES
  30. 30. Mario Saladini Assessoria de Divulgação e Promoção – ADP SESC – Departamento Nacional Tel.: (21) 2136-5156 twitter.com/programaecos msaladini@sesc.com.br

×