Plano de Logística Sustentável do Instituto de Pesquisas
Jardim Botânico do Rio de Janeiro – PLS JBRJ
SEMANA DO SERVIDOR 2...
PLS JBRJ
A Portaria JBRJ Nº 141/2012, alterada pela de número 25/2013, constituiu a
Comissão Gestora do Plano de Logística...
Convidados
David Ricardo Moreira Ramos - CGP/DG
João Carlos Silva - CRS/DIAT
Karla Ferreira da Silva – CGP/DG
Maíra da Roc...
FUNDAMENTOS LEGAIS
Cenário Mundial:
• 1972 - Conferência de Estocolmo, Suécia - preocupação com as questões ambientais glo...
• 1999 - Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) - concebe o meio ambiente
em sua totalidade, considerando a interd...
• Logística sustentável: processo de coordenação do fluxo de materiais, de
serviços e de informações, do fornecimento ao d...
OBJETIVO:
O objetivo geral do PLS JBRJ é estabelecer diretrizes e um conjunto de
programas de ação para a inserção de atri...
• Etapa 1 – Diagnóstico:
o levantamento do inventário de bens, materiais, contratos e obras
existentes
o levantamento das ...
1. COMPRAS SUSTENTÁVEIS
• Material de Consumo
• Material Permanente
1. OBRAS SUSTENTÁVEIS E MANUTENÇÃO PREDIAL
1. SERVIÇOS...
1. QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO
1. DESLOCAMENTO SUSTENTÁVEL
1. COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDA...
• Compras compartilhadas sustentáveis
• Projeto Papel Zero
• TI Verde (produzidos com menos materiais tóxicos)
• Concreto ...
• Implantação de anemômetros para prevenção de acidentes no arboreto
• Criação de canal de ouvidoria interna
• Incrementar...
Cada servidor, cada área, cada responsável de projeto, cada coordenador,
cada diretor, deverá:
• incorporar em suas rotina...
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo Anual
de E.E. →
Gasto anual
de E.E. em R$
↓
Elaboração de Diagnóstico...
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo Anual de Água
em metros cúbitos →
Gasto Anual de Água
em R$
↓
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo anual de papel em resmas
RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS
NO JBRJ E A3P /JBRJ
Consumo anual de copos descartáveis
INSTRUMENTOS DE SENSIBILIZAÇÃO
PARA CONSUMO CONSCIENTE
Pesquisa para levantamento da percepção
do público interno por grupo de atores, quanto
à adoção da prática de coleta selet...
COLETA SELETIVA E
COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA
OBRAS E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS
• a iluminação convencional existente vem
sendo gradativamente substituída por opções
de ...
E MAIS...
E mais....
• Instalação de luminárias com calhas refletoras;
• aumento da área envidraçada para otimização da ca...
OBRIGADA
Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável- CGPLS
a3p@a3p.jbrj.gov
PLS JBRJ
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação Semana Servidor 2013

200 visualizações

Publicada em

Apresentação Semana Servidor 2013

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Semana Servidor 2013

  1. 1. Plano de Logística Sustentável do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro – PLS JBRJ SEMANA DO SERVIDOR 2013 IMPLICAÇÕES SOBRE A CONDUTA INDIVIDUAL E COLETIVA DO PLS JBRJ OUTUBRO / 2013
  2. 2. PLS JBRJ A Portaria JBRJ Nº 141/2012, alterada pela de número 25/2013, constituiu a Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável (CGPLS) no âmbito da Comissão Permanente da A3P/JBRJ, formada por: João Elisiário Lima de Rezende (Coordenador da CGPLS) - CRL/DG Marcia Salgueiro Maria Teixeira Wenzel (Coordenadora da A3P/JBRJ) – SEA/DIAT Carmelita Santoro Bottino (Coordenadora substituta da A3P/JBRJ) – SEA/DIAT Ana Lucia Duque Alfaia Lagos - MUSEU Ana Lucia Miguel Marmello Barreiro - DIPEQ Carla Beatriz Duarte de Souza - MUSEU Carlos Alexandre dos Santos Sawczuk – CCAV/DIAT Clarice Martins Ribeiro – Herbário/DIPEQ Claudia Rabelo Lopes - ASCOM/GAB Debora Sieczkowski Nascimento – CROMA/DIAT Gustavo Klotz Tato – CCAV/DIAT Luciana Mautone - CPL Luciana Oertel Lancellotti - GAB Maria Fernanda de Souza Lavandeira - ENBT Marina de Jesus Fernandes - DIPEQ Patrick Rodrigues Perrotta – CROMA/DIAT Paulo Sergio Rocha de Ornelas – CRL/DG Suindara Rodrigues Ney – DG
  3. 3. Convidados David Ricardo Moreira Ramos - CGP/DG João Carlos Silva - CRS/DIAT Karla Ferreira da Silva – CGP/DG Maíra da Rocha e Silva – ASCOM/GAB Monica Sousa da Rocha -- COPLAN / DG Paulo Victor de Sousa Almeida – CTIC /DG Paulo Roberto Sampaio da Rocha – SSP/DG Renato Máximo de Almeida Pizarro Drummond– CTIC / DG Rosana Simões Medeiros – BIBLIOTECA / DIPEQ Sergio Paulo Carvalho Souza - COPLAN / DG Ulisses Carvalho de Souza – CRS /DIAT PLS JBRJ
  4. 4. FUNDAMENTOS LEGAIS Cenário Mundial: • 1972 - Conferência de Estocolmo, Suécia - preocupação com as questões ambientais globais e a temática da educação ambiental na agenda internacional. No Brasil: • 1981 - Política Nacional do Meio Ambiente - estabelece o marco inicial das ações para conservação ambiental e incorporação do tema nas atividades de diversos setores da sociedade • 1988 - Constituição Brasileira - estabelece que o Estado e a sociedade devem garantir a proteção do meio ambiente, viabilizando qualidade de vida para as presentes e futuras gerações • 1992 (Rio 92) - Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento fortaleceu o tema desenvolvimento sustentável, apesar do conflito de interesses econômicos entre países pobres e ricos. • Convenção sobre Diversidade Biológica e Mudança do Clima • Carta da Terra (declaração de princípios éticos fundamentais para a construção de uma sociedade global justa, sustentável e pacífica) • Agenda 21 (sugere uma parceria global para integrar ambiente e desenvolvimento, com inclusão social)
  5. 5. • 1999 - Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) - concebe o meio ambiente em sua totalidade, considerando a interdependência entre o meio natural, o socioeconômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade. • 2010 – IN Nº 01 - define critérios de sustentabilidade ambiental para obras públicas e bens e serviços. • 2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) - reúne o conjunto de diretrizes e ações a ser adotado com vistas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos. • 2011 - Plano de Ação de Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) - documento "vertebrador" das ações de governo, do setor produtivo e da sociedade que direcionam o Brasil para padrões mais sustentáveis de produção e consumo. • JUN/2012 - Decreto nº 7.746, - regulamenta o art. 3º da 8666, para estabelecer critérios, práticas e diretrizes para a promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações realizadas pela Administração Pública Federal; art.16 - prevê a elaboração e implementação de Planos de Gestão de Logística Sustentável – PLS. • NOV/2012 – IN SLTI Nº 10 – estabelece regras e prazo para elaboração do PLS. FUNDAMENTOS LEGAIS
  6. 6. • Logística sustentável: processo de coordenação do fluxo de materiais, de serviços e de informações, do fornecimento ao desfazimento, que considera a proteção ambiental, a justiça social e o desenvolvimento econômico equilibrado • Critérios de sustentabilidade: parâmetros utilizados para avaliação e comparação de bens, materiais ou serviços em função do seu impacto ambiental, social e econômico • Práticas de sustentabilidade: ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade nas atividades da Administração Pública • Práticas de racionalização: ações que tenham como objetivo a melhoria da qualidade do gasto público e contínua primazia na gestão dos processos CONCEITOS- IN SLTI Nº 10
  7. 7. OBJETIVO: O objetivo geral do PLS JBRJ é estabelecer diretrizes e um conjunto de programas de ação para a inserção de atributos de sustentabilidade na gestão do JBRJ DIRETRIZES: O PLS do JBRJ tem como referencial a Agenda Ambiental na Administração Pública “que visa promover a responsabilidade socioambiental e; • inserir critérios de sustentabilidade nas atividades da administração pública. → mudanças nos investimentos, compras e contratação de serviços; • gestão adequada dos resíduos gerados e dos recursos naturais utilizados; • promoção da melhoria na qualidade de vida no ambiente de trabalho OBJETIVO E DIRETRIZES DO PLS
  8. 8. • Etapa 1 – Diagnóstico: o levantamento do inventário de bens, materiais, contratos e obras existentes o levantamento das práticas de sustentabilidade e de racionalização do uso de materiais e serviços já praticadas • Etapa 2 – Elaboração: o levantamento de programas para o PLS → definição de objetivo, iniciativas/ações e metas; unidades responsáveis; prazos; identificação de riscos e previsão de recursos (pessoal, material e financeiro). • Etapa 3 – Aprovação da Presidência do JBRJ • Etapa 4 – Implementação do PLS • Etapa 5 – Monitoramento (Indicadores e Metas) e Avaliação • Etapa 6 – Análise Crítica e Revisão de Metas: 12 meses. ETAPAS DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PLS
  9. 9. 1. COMPRAS SUSTENTÁVEIS • Material de Consumo • Material Permanente 1. OBRAS SUSTENTÁVEIS E MANUTENÇÃO PREDIAL 1. SERVIÇOS SUSTENTÁVEIS • Gestão de Resíduos Coleta Seletiva Solidária Coleta para tratamento e destinação adequada de resíduos perigosos Gestão de resíduos vegetais • Energia elétrica • Água e esgoto • Limpeza • TI e Telefonia • Segurança Patrimonial PROGRAMAS DO PLS
  10. 10. 1. QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO 1. DESLOCAMENTO SUSTENTÁVEL 1. COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE 1. SENSIBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE 1. CAPACITAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE 1. ATENDIMENTO AO VISITANTE 1. CENTRO DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 11. MUSEU DO MEIO AMBIENTE PROGRAMAS DO PLS
  11. 11. • Compras compartilhadas sustentáveis • Projeto Papel Zero • TI Verde (produzidos com menos materiais tóxicos) • Concreto permeável no entorno das edificações • Telhados verdes • Acessibilidades aos prédios e no arboreto • Construções Sustentáveis • Reaproveitamento de águas pluviais • Reaproveitamento das águas cinzas • Utilização de energia solar • Instalação de circuitos de TV com gravação INOVAÇÃO E DESAFIOS DO PLS ESTUDO / PLANEJAMENTO / PROJETO BÁSICO / PROJETO EXECUTIVO / PROJETO ORÇAMENTÁRIO
  12. 12. • Implantação de anemômetros para prevenção de acidentes no arboreto • Criação de canal de ouvidoria interna • Incrementar uso de vídeo conferência • Adaptação da frota veicular para GNV • Acompanhamento anual de emissões de poluentes da frota veicular • Carona solidária • Capacitação interna para atender aos temas do PLS • Inclusão de conteúdos sobre logística sustentável em cursos do e para o JBRJ • Áudio guias • QR Codes, aplicativos para smartfones e tablets no arboreto • Sistema wetland – para tratamento de efluentes INOVAÇÃO E DESAFIOS DO PLS Plano Logística Sustentável (PLS) / Projeto Esplanada Sustentável (PES) / A3P/ Planejamento Estratégico / Plano Diretor
  13. 13. Cada servidor, cada área, cada responsável de projeto, cada coordenador, cada diretor, deverá: • incorporar em suas rotinas e pedidos de compras e serviços, alternativas mais sustentáveis; • buscar capacitação específica que atenda às iniciativas propostas no PLS; • consultar fontes de informação, ex. o sitio da A3P/JBRJ na página do JBRJ: http://www.jbrj.gov.br/a3p_site/index.html • participar de eventos que tratem da temática sustentabilidade; • estabelecer intercâmbio entre órgãos da Administração Pública para troca de experiências NOSSO COMPROMISSO INDIVIDUAL E COLETIVO
  14. 14. RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS NO JBRJ E A3P /JBRJ Consumo Anual de E.E. → Gasto anual de E.E. em R$ ↓ Elaboração de Diagnóstico de Eficientização Energética, produzido a partir de convênio firmado com FURNAS Centrais Elétricas e JBRJ, com proposições para sistema de iluminação, transformadores, análise tarifária e sistemas de refrigeração de ar (2003)
  15. 15. RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS NO JBRJ E A3P /JBRJ Consumo Anual de Água em metros cúbitos → Gasto Anual de Água em R$ ↓
  16. 16. RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS NO JBRJ E A3P /JBRJ Consumo anual de papel em resmas
  17. 17. RESULTADOS JÁ ALCANÇADOS NO JBRJ E A3P /JBRJ Consumo anual de copos descartáveis
  18. 18. INSTRUMENTOS DE SENSIBILIZAÇÃO PARA CONSUMO CONSCIENTE
  19. 19. Pesquisa para levantamento da percepção do público interno por grupo de atores, quanto à adoção da prática de coleta seletiva, bem como do interesse de participação no processo. COLETA SELETIVA E COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA
  20. 20. COLETA SELETIVA E COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA
  21. 21. OBRAS E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS • a iluminação convencional existente vem sendo gradativamente substituída por opções de baixo consumo; • uso de sensores de presença; • temporizadores e medidores de vazão; • sanitários com caixa acoplada e modelo de válvula de descarga de duplo acionamento; • tintas sem componentes voláteis tóxicos; • exigência de selo de madeira certificada; • resíduos da construção civil separados na origem; • acessibilidade dos espaços internos e externos; • mobiliário considerando critérios de sustentabilidade e ergonomia; • a CPL vem atendendo a legislação vigente de acessibilidade e sustentabilidade, na elaboração dos editais com seus anexos.
  22. 22. E MAIS... E mais.... • Instalação de luminárias com calhas refletoras; • aumento da área envidraçada para otimização da captação de luz natural; • substituição gradativa de todos os reatores convencionais por reatores eletrônicos; • substituição dos aparelhos de ar condicionado pelos tipo split ou multisplit; • reforma de quadros elétricos de distribuição; • instalação de pedais nas Fontes Wallace; • adoção de copos d’água e café descartáveis de papel; • adoção de carros elétricos para serviços e visitantes; • adoção de ginástica laboral; • expansão do Programa Social Educação e Trabalho; • diversificação das compras compartilhadas sustentáveis; • destinação adequada dos resíduos perigosos gerados no JBRJ, como: químicos, bilógicos e tóxicos; • instalação do PREVFOGO.
  23. 23. OBRIGADA Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável- CGPLS a3p@a3p.jbrj.gov PLS JBRJ

×