O SEGUNDO REINADO
(1840 – 1889)
CAFEICULTURA E
MODERNIZAÇÃO CONSERVADORA
O PROBLEMA DA MÃO-DE-OBRA
Colégio Pólis
Sistema A...
Produto 1821 1900 1904
Café 16,3% 56,9% 50,6%
Açúcar 25,3% 4,3% 0,2%
Cacau 0,7% 2,2% 2,8%
Erva-mate - 2,0% 2,5%
Fumo 4,4% ...
Substituição da mã0-de-obra escrava pelo
trabalho assalariado (imigrante);
Modernização dos meios de transporte(estradas
d...
Embarque de sacas do café paulista no porto de Santos (início do séc. XX)
Trem transportando o café paulista (séc. XIX-XX).
Produção de bens primários destinados à
exportação;
Poucos produtos para exportação;
Dependência do café;
Tendência a real...
No dia 30 de abril de 1854 foi
inaugurado o primeiro trecho
da Estrada de Ferro Barão de
Mauá, que ligava o Porto de
Mauá ...
* Um grande problema...
A ABOLIÇÃO
NÃO PODE SER
REDUZIDA A
UM ATO DE
BRANCOS.
SER ESCRAVO.
 Caracteriza-se pela sujeição de um
homem ao outro.
 Transforma-se um ser humano em
propriedade de outro.
...
O ESCRAVO NEGRO
 O negro veio ou foi trazido para o
Brasil?
 Exerceu o papel de força de trabalho
compulsória.
 Grandes...
O CATIVEIRO.
 Negro antes de chegar no Brasil,
várias experiências: captura,
escravização, travessia do
Atlântico, desloc...
A VIAGEM
Ontem a Serra Leoa,
A guerra, a caça ao leão,
O sono dormindo à toa,
Sob as tendas da amplidão
Hoje... O porão ne...
QUANTOS NEGROS
MORRERAM ?
Segundo o historiador Luiz Felipe de
Alencastro:
 40% nos primeiros 6 meses
subsequentes ao apr...
DEMONSTRATIVO
8.330.000
5.000.000
sobreviventes
4.400.000
Sobreviventes
4.000.000
Sobreviventes
2.000.000
sobreviventes
3....
Evitar a saída de africanos do
Continente onde iniciava seu
processo de colonização.
Aumentar seu mercado
consumidor no Br...
Bill Aberdeen – proibição do
tráfico negreiro.
Extingue o tráfico negreiro
brasileiro
Lei doVentre Livre
Lei do Sexagenári...
Aumento do tráfico interno
(Vale do Paraíba)
Cadela da raça Beagle, atende pelo nome
Molly. Desapareceu na Cohab no dia 10/09.
Pertence a uma criança de 2 anos e 4 mes...
 Na noite do dia 11 de março de 1871 os escravos de Joaquim
Guedes de Godoi o assassinaram a golpe de enxada e a
“bordoad...
Oeste
Paulista
Trabalhadores livres na colheita de café, no interior de São Paulo. Século XX
Guerra do Paraguai – fortaleceu o exército
Novos interesses políticos e econômicos:
cafeicultores, comerciante, banqueiros...
Estado e Igreja estavam em pé de guerra no final do período
imperial. Contrariando o imperador, bispos impuseram sanções
c...
Membros do exército –
recrutados na classe média
Muitos escravos lutaram na
Guerra do Paraguai...
... E no dia 15 de novembro de
1889...
A REPUBLICA VELHA (1889-
1930)
A CRISE DA REPÚBLICA (1889-
1894)
Semi-Noturno Anglo
História do Brasil – aula 7
PROCLAMAÇÃO
Dominar o aparelho do Estado e usar em
benefício próprio.
Modernizar o Estado, favorecer novas
atividades como o comércio,...
Governo Provisório
 Grande naturalização;
 Laicização do Estado;
 Reforma do código criminal;
 Reforma do ensino e sis...
A Constituição de 1891
 Estabelecimento do Federalismo;
 Presidencialismo;
 Estabelecimento de três poderes;
 Regime d...
Promulgação da Constituição de 1891
Participação política
 Estabelecimento do voto direto, universal,
masculino e descoberto;
Reformas políticas
 Favoreceram a ação de grupos
dominantes (oligarquias);
 Fortalecimento do poder local
(Coronelismo);...
Objetivo: incentivar a indústria e pagar os
salários dos operários.
Método: grande emissão de dinheiro por
parte dos banco...
Dependiam da Europa e EUA
para comprarem seus
produtos.
Sabotaram a tentativa de
industrialização de Rui
Barbosa.
Apesar da oposição do congresso Deodoro
é eleito devido a pressão dos militares.
Civis (federalistas) x Militares (Central...
Destituiu os elementos ligados a Deodoro e reabriu
o Congresso.
Libertou os presos políticos.
Empréstimos à indústria
Protecionismo alfandegário (aumento de
taxas para importações e isenção para
importação de máquina...
Tentativas de derrubar Floriano partiram
das oligarquias.
Como Deodoro havia permanecido
somente 8 meses no poder, queriam...
Ocorreu no Rio Grande do sul, depois que
Floriano destituiu os governadores
simpáticos a Deodoro e os substituiu por
outro...
PARTIDO REPUBLICANO (Pica-Paus)
chefiado por Julio de Castilhos, governador.
PARTIDO FEDERALISTA (Maragatos)
chefiado por ...
Empenharam-se em disputas sangrentas que acabaram
por desencadear uma guerra civil, que durou de
fevereiro de 1893 a agost...
Aconteceu em dois momentos. Primeiro,
com a ajuda da Marinha, forçou a renúncia
de Deodoro.
Depois tentou fazer o mesmo co...
O povo demonstrou grande apoio a
Floriano, organizando batalhões voluntários
para lutar ao lado do exército e da maioria
d...
Resultado: A Revolta teve fim em 1894 com
a derrota dos revoltosos devido a contra-
ofensiva organizada pelo governo.
Enquanto isso, em 1º de março de 1894,
Floriano garantia a realização das eleições
que foram vencidas por Prudente de Mora...
Arepública velha (1889-1930)
linhas gerais da economia
 Semi-Noturno Anglo
 História do Brasil – aulas 8
Economia tradicional voltada aos interesses das
oligarquias cafeeiras.
Café está em queda, inflação, desvalorização dos
ré...
Como combater a inflação segundo Campos Sales...
Como: Parar a emissão de moeda e retirando
produtos de circulação.
O que ...
Como: reduzindo gastos, elevando impostos e
cancelando obras públicas.
O que gerou: desemprego (obras públicas), piora
na ...
Como: aumentando a taxa cambial
O que gerou: empobrecimento da população,
declínio da produção interna já que era mais
bar...
Política de Valorização do café
 Compra dos excedentes do produto por
parte do governo;
 Redução das taxas de câmbio;
 ...
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra

4.797 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra

  1. 1. O SEGUNDO REINADO (1840 – 1889) CAFEICULTURA E MODERNIZAÇÃO CONSERVADORA O PROBLEMA DA MÃO-DE-OBRA Colégio Pólis Sistema Anglo de Ensino Aulas 16 a 18
  2. 2. Produto 1821 1900 1904 Café 16,3% 56,9% 50,6% Açúcar 25,3% 4,3% 0,2% Cacau 0,7% 2,2% 2,8% Erva-mate - 2,0% 2,5% Fumo 4,4% 4,0% 2,1% Algodão 21,3% 3,5% 2,1% Borracha - 19,6 18,4% Couro 13,8% 3,1% 6,1%
  3. 3. Substituição da mã0-de-obra escrava pelo trabalho assalariado (imigrante); Modernização dos meios de transporte(estradas de ferro); Expansão da rede bancária e do crédito rural; Modernização dos portos de Santos e do Rio de Janeiro; Dinamização das atividades comerciais.
  4. 4. Embarque de sacas do café paulista no porto de Santos (início do séc. XX)
  5. 5. Trem transportando o café paulista (séc. XIX-XX).
  6. 6. Produção de bens primários destinados à exportação; Poucos produtos para exportação; Dependência do café; Tendência a realizar empréstimos;
  7. 7. No dia 30 de abril de 1854 foi inaugurado o primeiro trecho da Estrada de Ferro Barão de Mauá, que ligava o Porto de Mauá à Raiz da Serra, uma idealização de Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, um dos maiores empreendedores da história do Brasil, que mesmo contra a vontade do imperador D. Pedro II conseguiu realizar tal proeza.
  8. 8. * Um grande problema...
  9. 9. A ABOLIÇÃO NÃO PODE SER REDUZIDA A UM ATO DE BRANCOS.
  10. 10. SER ESCRAVO.  Caracteriza-se pela sujeição de um homem ao outro.  Transforma-se um ser humano em propriedade de outro.  Aristóteles: “Por natureza não pertencia a si mesmo, mas a outra pessoa”.
  11. 11. O ESCRAVO NEGRO  O negro veio ou foi trazido para o Brasil?  Exerceu o papel de força de trabalho compulsória.  Grandes e pequenos engenhos.  Atividades agrícolas primária e secundária. (comercialização).  Açúcar, café, ouro, diamante, serviços domésticos.
  12. 12. O CATIVEIRO.  Negro antes de chegar no Brasil, várias experiências: captura, escravização, travessia do Atlântico, deslocado do seu habitat e de sua organização social.  Vários produtos são trocados por escravos, entre eles a cachaça.
  13. 13. A VIAGEM Ontem a Serra Leoa, A guerra, a caça ao leão, O sono dormindo à toa, Sob as tendas da amplidão Hoje... O porão negro, fundo, Infecto, apertado, imundo, Tendo a peste por jaguar... E o sono sempre cortado Pelo arranco de um finado E o baque de um corpo ao mar... (Castro Alves, “Navio Negreiro”)
  14. 14. QUANTOS NEGROS MORRERAM ? Segundo o historiador Luiz Felipe de Alencastro:  40% nos primeiros 6 meses subsequentes ao apresamento.  12% durante o mês que ficava no porto.  9% na travessia
  15. 15. DEMONSTRATIVO 8.330.000 5.000.000 sobreviventes 4.400.000 Sobreviventes 4.000.000 Sobreviventes 2.000.000 sobreviventes 3.330.000 600.000 400.000 2.000.000 No Apresamento 1º seis mêses No embarque Na travessia 1º ano no Brasil
  16. 16. Evitar a saída de africanos do Continente onde iniciava seu processo de colonização. Aumentar seu mercado consumidor no Brasil.
  17. 17. Bill Aberdeen – proibição do tráfico negreiro. Extingue o tráfico negreiro brasileiro Lei doVentre Livre Lei do Sexagenário Lei Aurea
  18. 18. Aumento do tráfico interno (Vale do Paraíba)
  19. 19. Cadela da raça Beagle, atende pelo nome Molly. Desapareceu na Cohab no dia 10/09. Pertence a uma criança de 2 anos e 4 meses. Se você a encontrar, favor devolver à Rua Maurício Biondo Neto, 256 (perto do Mercado Todo Dia). Fones para contato: 9745-2397 .
  20. 20.  Na noite do dia 11 de março de 1871 os escravos de Joaquim Guedes de Godoi o assassinaram a golpe de enxada e a “bordoadas”. Cerca de 11 dos 44 escravos do senhor estavam envolvidos no crime e ao observar os depoimentos dos diversos escravos interrogados identificamos os possíveis motivos que os levaram a cometer tal delito. Camilo, escravo que dera um golpe de enxada em seu senhor, ao ser perguntado sobre o motivo que levara a ele e seus companheiros a assassinarem seu senhor, respondeu que:  “(...) seo Senhor era mau; que não lhes dava licença para criarem nem plantarem, que não lhes dava ceia, sendo que no almoço e jantar era pouca a comida; que só lhes dava por ano uma muda de roupa, e que aos Domingos agora não lhes permitia trabalhar para fora dando-lhes um minguado salário pelos seus serviços(...)”
  21. 21. Oeste Paulista
  22. 22. Trabalhadores livres na colheita de café, no interior de São Paulo. Século XX
  23. 23. Guerra do Paraguai – fortaleceu o exército Novos interesses políticos e econômicos: cafeicultores, comerciante, banqueiros... Não se sentiam representado pela monarquia!!
  24. 24. Estado e Igreja estavam em pé de guerra no final do período imperial. Contrariando o imperador, bispos impuseram sanções contra católicos maçons, como expulsá-los de irmandades religiosas, o que atingia altos dignitários do governo, como o visconde do Rio Branco. D. Pedro II chegou a mandar prender dois bispos, mas, para não acirrar os ânimos, voltou atrás na decisão e fez mudanças no seu gabinete, retirando os maçons. A imprensa não perdoou o recuo, como se vê na charge de Bordallo Pinheiro, de 1875. Nas palavras de Guilherme Pereira das Neves, “retirava-se do cetro de D. Pedro II a aura mágica, que lhe tinha assegurado até então o exercício do poder”. A QUESTÃO RELIGIOSA - Afinal... deu a mão à palmatória!
  25. 25. Membros do exército – recrutados na classe média Muitos escravos lutaram na Guerra do Paraguai...
  26. 26. ... E no dia 15 de novembro de 1889...
  27. 27. A REPUBLICA VELHA (1889- 1930) A CRISE DA REPÚBLICA (1889- 1894) Semi-Noturno Anglo História do Brasil – aula 7
  28. 28. PROCLAMAÇÃO
  29. 29. Dominar o aparelho do Estado e usar em benefício próprio. Modernizar o Estado, favorecer novas atividades como o comércio, serviços e indústria. Centralizar o poder, maior investimento nas forças armadas.
  30. 30. Governo Provisório  Grande naturalização;  Laicização do Estado;  Reforma do código criminal;  Reforma do ensino e sistema bancário;  Fim das instituições monárquicas (poder moderador, senado vitalício, voto censitário, Conselho de Estado) 
  31. 31. A Constituição de 1891  Estabelecimento do Federalismo;  Presidencialismo;  Estabelecimento de três poderes;  Regime de representatividade (Senadores e deputados eleitos pelo povo, com mandatos de 9 e 3 anos, respectivamente)
  32. 32. Promulgação da Constituição de 1891
  33. 33. Participação política  Estabelecimento do voto direto, universal, masculino e descoberto;
  34. 34. Reformas políticas  Favoreceram a ação de grupos dominantes (oligarquias);  Fortalecimento do poder local (Coronelismo);  Fraudes, corrupção, exclusão;
  35. 35. Objetivo: incentivar a indústria e pagar os salários dos operários. Método: grande emissão de dinheiro por parte dos bancos, aumentou impostos de produtos importados. Resultado: onda especulativa, empresas fantasmas e inflação generalizada.
  36. 36. Dependiam da Europa e EUA para comprarem seus produtos. Sabotaram a tentativa de industrialização de Rui Barbosa.
  37. 37. Apesar da oposição do congresso Deodoro é eleito devido a pressão dos militares. Civis (federalistas) x Militares (Centralistas) Hostilização de Deodoro pelo Congresso: ele manda fechar!! Ameaçado por protestos resolve renunciar Eleição e Renúncia de Deodoro (1891)
  38. 38. Destituiu os elementos ligados a Deodoro e reabriu o Congresso. Libertou os presos políticos.
  39. 39. Empréstimos à indústria Protecionismo alfandegário (aumento de taxas para importações e isenção para importação de máquinas, equipamentos e matéria-prima. Medidas em benefício dos mais pobres (reduziu preço dos aluguéis, isentou a carne de impostos.
  40. 40. Tentativas de derrubar Floriano partiram das oligarquias. Como Deodoro havia permanecido somente 8 meses no poder, queriam convocar outras eleições. Como o fato era ilegal, partiu-se pra luta armada.
  41. 41. Ocorreu no Rio Grande do sul, depois que Floriano destituiu os governadores simpáticos a Deodoro e os substituiu por outros escolhidos por ele. Acabou tornando-se uma sangrenta guerra civil...
  42. 42. PARTIDO REPUBLICANO (Pica-Paus) chefiado por Julio de Castilhos, governador. PARTIDO FEDERALISTA (Maragatos) chefiado por Silveira Martins.
  43. 43. Empenharam-se em disputas sangrentas que acabaram por desencadear uma guerra civil, que durou de fevereiro de 1893 a agosto de 1895, e que foi vencida pelos pica-paus, seguidores de Júlio de Castilhos.
  44. 44. Aconteceu em dois momentos. Primeiro, com a ajuda da Marinha, forçou a renúncia de Deodoro. Depois tentou fazer o mesmo com Floriano.
  45. 45. O povo demonstrou grande apoio a Floriano, organizando batalhões voluntários para lutar ao lado do exército e da maioria da Marinha que permaneceu apoiando o governo.
  46. 46. Resultado: A Revolta teve fim em 1894 com a derrota dos revoltosos devido a contra- ofensiva organizada pelo governo.
  47. 47. Enquanto isso, em 1º de março de 1894, Floriano garantia a realização das eleições que foram vencidas por Prudente de Morais, representante da oligarquia cafeeira paulista. A vitória de Prudente de Morais significou a derrota política do florianismo, da classe media e da burguesia, que tinham tentado promover uma industrialização do país e fortalecer sua economia, garantindo independência econômica...
  48. 48. Arepública velha (1889-1930) linhas gerais da economia  Semi-Noturno Anglo  História do Brasil – aulas 8
  49. 49. Economia tradicional voltada aos interesses das oligarquias cafeeiras. Café está em queda, inflação, desvalorização dos réis em relação à libra esterlina, despesas maiores que asreceita.
  50. 50. Como combater a inflação segundo Campos Sales... Como: Parar a emissão de moeda e retirando produtos de circulação. O que gerou: declínio dos negócios, mercado interno e indústria em situação difícil.
  51. 51. Como: reduzindo gastos, elevando impostos e cancelando obras públicas. O que gerou: desemprego (obras públicas), piora na vida da população, empobrecimento das camadas médias. Como combater a inflação segundo Campos Sales...
  52. 52. Como: aumentando a taxa cambial O que gerou: empobrecimento da população, declínio da produção interna já que era mais barato comprar produtos importados. Como combater a inflação segundo Campos Sales...
  53. 53. Política de Valorização do café  Compra dos excedentes do produto por parte do governo;  Redução das taxas de câmbio;  Manutenção da margem de lucro dos cafeicultores;

×