SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
1
Apostila
Xadrez
Básico
Prof: Fábio Nobre
Universidade Federal de Viçosa
Educação Física
E-mail:fabiocassioferreiranobre@yahoo.com.br
Campinas/SP
www.xadreznobre.com.br
2
Índice
A lenda-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 3
Tabuleiro---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 4
As peças---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 4
Posição inicial das peças----------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 5
Movimentação das peças-------------------------------------------------------------------------------------------------pg 5 a 8
Rei
Dama
Torre
Bispo
Cavalo
Peão
Movimentos especiais---------------------------------------------------------------------------------------------------pg 8 a 10
Roque
En passant
Xeque-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 10
Xeque-mate-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 10
Afogamento-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 11
Promoção--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 13
Situações de empate-----------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 14
Valor das peças------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 14
Notação-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 15
Símbolos-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 16
Classificação dos lances----------------------------------------------------------------------------------------------------pg 16
Aberturas--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 17
Lances iniciais-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 18
e4
d4
c4
Cf3.
Tipos de aberturas-------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 19 a 20
Ruy Lopes
Giouco Piano
Gambito do Rei
Gambito da Dama
Defesa karo-Kann
Defesa siciliana
Defesa Francesa
Meio jogo-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 21
Final-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 21
Referencia bibliográfica ------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 22
3
XADREZ
A LENDA
Segundo a lenda, existia um rei na Índia. Era um rei honesto, bondoso justo, que
mantinha o reino em prosperidade. Seu reino entrou em guerra com um reino vizinho, e
nessa guerra, apesar de tê-la ganha, viu seu próprio filho morrer no campo de batalha.
O rei mergulhou em profunda tristeza, que acabou levando o seu reino junto.
Ofereceram-se riquezas inimagináveis, e prêmios inconcebíveis a qualquer um
conseguisse tirar o rei da depressão. Mas todos falharam. Mas uma vez, um brama
indiano chegou ao palácio do rei, e lhe apresentou o jogo de xadrez. O rei gostou tanto do
jogo, que prometeu ao brama pedir tudo que quisesse. O brama pediu um grão de milho
para a primeira casa, dois grãos para segunda, quatro para a terceira, oito para a quarta e
assim, sempre dobrando, até a casa sessenta e quatro. O rei ficou espantado perante um
pedido que lhe pareceu tão humilde; e cedeu imediatamente à aparente insignificância da
petição. Mas feitos os cálculos, verificou-se que todos os tesouros da Índia não eram
suficientes para pagar a recompensa pedida. A quantidade era tanta, que, a quantidade
de milho necessária cobriria toda a superfície da terra com uma camada de 20cm de
espessura. O número de grãos de milho era 18.446.744.073.709.551.615!
Tente-se avaliar o que ele significa pelo seguinte: para contar de um até esse
número ("um, dois, três", etc.) trabalhando 24 horas por dia, e supondo que demorasse só
um segundo para cada um dos números consecutivos seriam necessários 58.454.204.609
séculos, isto é, quase sessenta bilhões de séculos!
Dizem que o rei não soube mais o que admirar nele, se a invenção do xadrez ou a
engenhosidade do pedido.
.
Encyclopaedia Britânica do Brasil.
4
TABULEIRO
Joga-se o xadrez sobre um quadrado dividido em 64 casas, pintadas
alternadamente de brancas e pretas, ou outras cores convencionais.
Dispõe-se o tabuleiro de maneira que cada jogador tenha a sua direita a casa de
cor branca.
O conjunto de casas na vertical é chamado de colunas.
O conjunto de casas na horizontal é chamado de fileiras.
AS PEÇAS
Cada jogador dispõe de um conjunto de dezesseis peças das cores braças ou
pretas, sendo que cada jogador inicia a partida com: oito peões, duas torres, dois bispos,
dois cavalos, uma rainha e um rei.
Nome da peça Cor branca Cor preta
Rei
Dama
Torre
Cavalo
Bispo
Peões
5
POSIÇÃO INICIAL DAS PEÇAS
Ao se iniciar uma partida, as peças do xadrez ocupam de cada lado as duas
primeiras horizontais, na seguinte posição: os peões se se estendem pela segunda
horizontal, as torres ficam nas casas laterais da primeira fileira, e ao lado delas ficam os
cavalos e bispo respectivamente. A rainha branca ocupa a casa branca e a rainha preta
na casa preta, e o rei posiciona-se ao seu lado.
MOVIMENTAÇÃO DAS PEÇAS
O REI
O rei é a peça mais importante do jogo.
E seus movimentos são apenas de uma casa em todas as direções.
6
A RAINHA OU DAMA
E a peça que tem mais mobilidade do jogo, o seu raio de ação e o maior entre
todas as peças. Ela se movimenta em todas as direções em todas as direções: fileiras
colunas e diagonais quantas forem às casas possíveis.
E uma fusão entre a torre e bispo.
Torre
A torre move-se em sentido horizontal e vertical, ou seja, nas colunas e fileiras. E
também uma peça com um longo raio de ação.podendo assim atingir um alvo em grandes
distancias.
7
BISPO
O bispo pode mover-se para qualquer casa situada nas diagonais, perto ou
distante, que se originam de sua posição.um bispo que inicia a partida em um casa de cor
branca devera ficar durante toda a partida localizado em tal casa. Sendo que cada lado
tem um bispo situado na casa branca e outro na casa preta.
CAVALO
E a única peça do jogo que pode saltar as suas próprias peças e as peças do
adversário. O seu movimento e caracterizado por mover-se duas casas em linha reta e
depois virar uma casa para a direita ou esquerda. Mas a única peça que captura é a peça
onde o cavalo terminou o seu movimento. E uma peça com um raio de ação médio.
8
PEÃO
É a peça de menor mobilidade do jogo, e é a única peça que captura em uma
direção diferente ao seu deslocamento característico (diagonal), e também e a única
peça que não se move para traz. A sua marcha ocorre na vertical somente uma casa por
vez ou duas quanto esta na sua casa de origem.
MOVIMENTOS ESPECIAIS
ROQUE
Joga-se xadrez movendo –se apenas uma peça de cada vez. Em uma única
circunstancia duas peças podem ser movidas ao mesmo tempo. O movimento referido
chama-se roque e é realizado com o rei e qualquer uma das duas torres. O roque é um
movimento combinado de rei e torre e para efetua-lo será preciso:
Que o espaço entre as peças esteja livre
Que ambas as peças estejam em suas casa iniciais e não tenham realizado
nenhum movimento.
Não estar em xeque.
As casas que o rei passar não poderão esta sendo ameaçadas.
Tocar primeiro no rei para fazer o roque.
O movimento se da em direção da torre duas casas para a direita ou para
esquerda colocando-se a sua respectiva torre ao seu lado.
9
ROQUE
EN PASSANT
É uma jogada realizada somente com os peões, é a única jogada do xadrez que a
peça que captura a outra não fica no lugar original onde a peça esta localizada. E
caracterizada por um peão estar situado na quinta casa do tabuleiro e a peça adversária
fará o lance partindo da sua posição inicial do tabuleiro movendo-se duas casas. Quando
isso acontece a peça que se movimentou duas casas pode ser tomada pela peça
adversária no próximo lance.
Caso o jogador adversário não capture a peça no próximo lance não poderá
realizar-lo.
10
XEQUE
É caracterizado quando o rei esta sendo ameaçado por alguma peça adversária.
É obrigatório o tirar o rei do xeque.
Existem três formas de se sair do xeque que são:
1ª Capturando a peça adversária que esta ameaçando o rei.
2ª Colocando uma peça entre o rei e a peça adversária.
3ª Movendo o rei para uma casa que não esteja sendo ameaçada.
XEQUE MATE
O objetivo do jogo e vencer o adversário com este movimento de peça. O xeque-
mate se caracteriza quando o rei adversário não tem saída de uma determinada situação.
Sendo que este lance pode ocorre tanto o inicio, meio e final da partida.
Vence o jogo quem dar o xeque-mate primeiro no adversário.
O material mínimo para se obter xeque-mate é: rei + dama contra rei, rei + torre
contra rei, rei + 2 bispos contra rei, rei + bispo + cavalo contra rei.
11
AFOGAMENTO
O afogamento é uma situação do jogo na qual é declarado a ambos participantes
o empate. Mesmo que haja grande vantagem material.
Isto acontece quando o jogador que tem a vez não tem nenhuma opção a não ser
colocar o rei em xeque (o que não pode acontecer).
. .. .
12
. . . ..
.. ..
.. ..
13
PROMOÇÃO
Quando o peão atingir a oitava casa de uma coluna qualquer, ou seja, ao atingir a
primeira fileira horizontal do adversário será promovido. Neste, caso, será transformado
imediatamente e obrigatoriamente em: dama, torre, bispo ou cavalo. E a adquirindo os
seus respectivos movimentos.
O peão nunca poderá se transformar em rei.
14
SITUAÇÕES DE EMPATE
E declarado empate quando:
Quando ambos os jogadores concordem com o empate.
Quando o jogador esta sobre xeque–perpétuo.
Quanto não existir material suficiente para dar xeque – mate.
Cinqüenta lances efetuados sem movimentação de peões.
Ambos repetirem a mesma posição três vezes.
VALOR DAS PEÇAS
Os valores das peças no xadrez são relativos, ou seja, depende muito da função
que esteja exercendo, de seu grau de mobilidade, etc. Os valores a seguir servem apenas
para orientar o enxadrista, principalmente no momento de efetuar uma troca.
Peão: representa a unidade, valor 1
Cavalo: 3
Bispo: 3
Torre: 5
Dama: 9
Rei: É a única peça que tem valor absoluto, já que sua perda significa o
final da partida.
Consideramos os valores dos bispos e dos cavalos como aproximadamente
iguais, embora alguns autores considerem o bispo um pouco superior ao cavalo.
Como dissemos acima, isso depende do grau de mobilidade. Como exemplo, em
posições fechadas, geralmente o cavalo será superior, ao passo que em posições
abertas o bispo terá preferência.
15
NOTAÇAO
A federação internacional de xadrez (FIDE), tornou oficial a notação algébrica
para se registrar os lances de uma partida.
Quando anotamos nossas nos podemos detectar e corrigir os erros que nelas
tenham acontecido, e ao revê-los em estudos podemos analisarmos melhor. Este sistema
é a forma que nos tenho de eternizar as partidas para que todos os jogadores tenham a
possibilidade de reproduzir e jogar, analisar, vivenciar e evoluir taticamente refazendo
partidas ocorridas ao longo de sua historia. O sistema de notação permite que as grandes
partidas não se percam.
No tabuleiro abaixo, temos a disposição inicial, cada uma das oito fileiras serão
conhecidas por uma letra minúscula (a, b, c, d, e, f, g, h ) da esquerda para a direita,
do ponto de vista do jogador que esta com as peças brancas.
Também estão dispostos em colunas na posição vertical os números (1,2, 3, 4, 5,
6, 7, 8), na ordem crescente de baixo para cima do ponto de vista do jogador que estiver
com as peças brancas.
No tabuleiro abaixo temos então as coordenadas, e usa-se as mesmas como
normal universal, no mundo do xadrez internacional.
Usa-se a letra inicial da peça para designar qual a peca a que foi movida.
TORRE = T
BISPO = B
PEÃO = P
REI = R
DAMA = D
CAVALO =C
Logo depois se usa a letra da casa para onde a peça foi movida acrescida de seu
respectivo numero.
Por convenção não se usa colocar p para a movimentação dos peões usa-se
apenas a coordenada da casa para qual foi deslocado.
16
Exemplo
O movimento do peão é descrito apenas anotando-se a casa destino. No
gráfico acima temos o movimento do Peão da Dama Branco e Preto,
respectivamente anotados como d3 e d6, somente.
O movimento Cd2 das Brancas no tabuleiro acima deixaria em dúvida qual
dos dois cavalos deveria se dirigir a casa d2. Nestes casos utiliza-se o seguinte
critério para esclarecimento do lance (supondo que o cavalo a ser movido seja o
cavalo da casa b1).
Primeiro - Quando as colunas são diferentes, anota-se o lance: Cbd2 (lê-se
Cavalo de 'b' para 'd2', ou simplesmente Cavalo de 'b', 'd2').
SÍMBOLOS
Estes foram criados para facilitar a visualização das jogadas ocorridas durante
uma partida de xadrez.
O roque pequeno: 0-0
Roque grande: 0-0-0
Captura de peças: x (ex: C x P).
En passant: ep
Promoção: =
Xeque: +
Xeque mate: ++
CLASSIFICAÇÃO DOS LANCES
Quando se analisa um uma partida e comum também utilizar-se de símbolos para
a classificação das jogadas e esses símbolos são:
Lance ótimo: !!
Lance forte: !
Lance fraco: ?
Lance péssimo: ??
Lance duvidoso: !?
17
ABERTURAS
O xadrez é um jogo que o planejamento é a base do jogo, e para o plano
funcionar ele tem que atender a vários fundamentos básicos, que podem ser estudados,
aprendidos e aplicados.
E para estudar as aberturas do xadrez foi criada a teoria das aberturas, e dela
surgiram linhas de jogo que foram estudadas e discutidas, chegando se a diversas
conclusões. Essas aberturas foram classificadas e algums se tornaram famosas pelo uso
por varias autoridades do xadrez mundial.
Seus principais objetivos são:
Desenvolver as peças:
Levar as peças da posição inicial para posições mais centrais, especialmente os
bispos e cavalos. Costuma-se desenvolver pelo menos um dos cavalos antes de mover
os bispos. As torres e a dama geralmente são as últimas a serem movidas. Até que a
maioria das peças esteja melhor colocada, não se move a mesma peça duas vezes, a
menos que isso seja necessário ou possa trazer um benefício imediato.
Procurar ter controle do centro:
Como o valor das peças depende de sua posição e mobilidade, ganhar ou perder
espaço no Xadrez é algo importante. É recomendável ter algumas peças ou situadas nas
casas centrais ou apontando para elas. Geralmente se avança um dos dois peões
centrais duas casas e pelo menos um dos cavalos é movido para a coluna do bispo.
Colocar o rei em segurança:
Uma vez atingido um grau mínimo de desenvolvimento, é importante fazer o
roque, porque ele deixa o rei mais protegido, além de colocar uma das torres em jogo.
Para facilitar o estudo das aberturas, adotaremos o seguinte:
Em cada posição, inclusive na inicial, será escolhido um lance como o lance
natural para a posição. os critérios para sua escolha serão ser o mais comum e óbvio e
portanto o mais utilizado por amadores e grandes mestres, geralmente esse lance é o
melhor para a posição também. ele será único na maioria das posições, e servirá como
base para comparação com outros lances.
Os outros lances que não o natural serão considerados variantes. as variantes
podem ser piores, equivalentes ou até melhores que o lance natural.
18
Lances iniciais
e 4
Uso: 50%
Critica
Domina importantes casas centrais pelo peão.
Abre as diagonais para o bispo e para a dama.
As brancas ameaçam jogar em d4 em seguida, dominando o centro, que é muito
importante no jogo.
Leva a uma partida aberta, com iniciativa para as brancas.
Deve ser o lance preferido para os que iniciam no xadrez.
d 4
Uso: 30%
Critica
Coloca um peão no centro, dominando importantes casas centrais.
Abre diagonal para o bispo, e a coluna semi-aberta para a dama.
As brancas ameaçam jogar e4 em seguida, dominando completamente o centro.
Leva a uma partida truncada e mais complexa que e4,com manobras lentas,
preferida geralmente por jogadores de maior experiência.
São mais importantes as noções de jogo posicional.
Há muitos jogadores que abrem sempre com d4.
c 4
Uso: <10%
Crítica
Domina a importante casa central d5 com um peão do flanco.
Leva a uma partida truncada e de combate.
É uma ótima abertura, e por isso é arma secreta de vários mestres.
As brancas jogam uma “defesa siciliana invertida”.
Cf3
Uso: <10%
Critica
Domina importantes casas centrais e situa idealmente o cavalo.
Visa o domínio do centro pelos flancos.
É uma “defesa indiana invertida” com um lance a mais.
Considerada uma abertura hiper moderna, não e recomendada para iniciantes.
19
Tipos de aberturas
Ruy Lopes (1). e4 , e5; (2). Cf3 , Cc6; (3) Bb5,
Por muito tempo, tem sido uma das mais favoritas dos que iniciam com P4R. Na
maioria de suas variantes, permite às brancas exercerem uma pressão difícil de ser
neutralizada. A idéia fundamental é manter durante o maior tempo possível uma pressão
sobre a casa central 5R, de maneira a forçar as pretas a abandonarem o centro. No
entanto, nada está perdido, pois a melhor forma de tentar melhorar o jogo das negras é
explorando a variante do Ponto Forte.
Critica
É uma das aberturas mais antigas do xadrez.
É a abertura mais perfeita para as brancas com (1). e4
Vulnera o cavalo que defende o peão central que esta sendo ameaçado.
As brancas mantém a iniciativa e uma leve, mas, persistente vantagem.
O roque já está preparado.
Giouco Piano (1). e4, e5; (2). Cf3, Cc6; (3).Bc4, Bc5
Embora tida como uma linha de jogo calmo, permite o desenvolvimento de
partidas emocionantes e equilibradas. Seus ataques são morosos e pode um bom
principiante oferecer resistência a um jogador experiente. Nesta abertura, é de grande
importância o avanço do peão da dama protegido, visando a estrutura de usar forte centro
de peões.
Critica
Entra em cheio na Abertura Italiana, com partida equilibrada.
As brancas tam vários ataques, mas as pretas sempre tem bons recursos
defensivos.
Gambito do Rei (1).e4 , e5; (2). f4, exf4
Critica
Poucos ainda preferem esta abertura, pois dispõem as pretas igualar o jogo ou
mesmo obter vantagens.
É uma abertura clássica, muito usada antigamente.
É arriscada para as brancas, mas há um certo "veneno".
As variantes são complicadas.
Gambito da Dama (1) d4, d5; (2). c4, dxc4
O segundo lance das pretas permite às brancas, muitas vezes, maior presença no
centro. Como é observado, em muitas partidas é perigoso para as pretas tratar de
conservar o peão ganho com a aceitação do gambito. O melhor para as pretas é recusá-
lo.
20
Critica
O gambito da dama é o gambito mais famoso do xadrez, e é uma ótima opção.
Ataca o peão central com o peão do flanco.
O peão é entregue apenas temporariamente, e será recuperado se as pretas
aceitarem o gambito.
É o lance preferido dos mestres.
Defesa karo-Kann (1). e4, c6
Esta defesa é essencialmente defensiva, com grandes chances de contra-ataque.
Um jogador que deseje apenas o empate, evitando riscos, deve adotar esta defesa.
Critica
Leva a um jogo com idéias estratégicas semelhantes à Defesa Francesa.
É uma defesa segura, mas com pouco contra-jogo. Leva a um meio jogo rico em
manobras complexas.
Seu julgamento sofreu muitas oscilações em diferentes épocas, e depende muito
do gosto pessoal.
Kasparov prefere a Caro-Kann à Defesa Francesa, principalmente para
amadores, pois na Caro-Kann o bispo da dama se desenvolve com facilidade.
Usada ocasionalmente pelos mestres.
Defesa siciliana (1). e4, c5
É excelente campo para o enxadrista de combinação, apresentando muitas
possibilidades táticas. Sua idéia principal baseia-se em aniquilar o centro adversário de
peões, capturando o peão da dama, além de permitir as pretas mudarem o rumo do jogo.
Critica
Domina a importante casa d4, evitando P4D.
É uma defesa agressiva e leva a uma partida de combate
É considerada a melhor defesa contra P4R.
Evita a Ruy Lopez.
É a grande preferida dos mestres da atualidade.
Defesa Francesa (1). e4, e6
Mais conservado que a Siciliana e mais enérgica que a Caro-kann, esta defesa se
adapta ao estilo de jogadores que possuem persistência defensiva. Também permite aos
jogadores buscar o domínio do centro de uma forma diferente da convencional P4R das
pretas.
Critica
As pretas avançam o peão do rei somente uma casa, e cedem o centro para o
adversário.
Apesar de permitir P4D ao adversário e bloquear seu próprio bispo, a defesa
francesa é uma linha de jogo agressiva.
As pretas começam em uma posição restringida, porém há várias possibilidades
de libertação. É importante o conhecimento de suas variantes.
Usada ocasionalmente pelos mestres.
21
Meio jogo
É a segunda fase a ser executada, fase de manobras táticas, pois deve-se
estabelecer um plano de ataque ou defesa, dependendo de como foi a abertura. Este
plano deve ter como objetivo conseguir vantagens de posição e desenvolvimento de
combinações. A troca de peças é inevitável, pois ambos vão tentar conseguir ganho de
peças. Quem cometer algum erro de troca, será muito difícil se recuperar. Dependendo de
como está sendo a movimentação das peças, pode-se até acontecer o xeque-mate, que
muitas vezes só ocorre no final de partida.
Final
Esta fase também serve para que o jogador identifique o plano do adversário e
tente impedi-lo ou dificultá-lo. Deve-se ter cuidado, porque a fase final está quase
chegando e o mate está a caminho.Esta fase inicia-se após a troca de peças pesadas
como DAMAS, TORRES e peças menores (CAVALO e BISPO), ou a troca de grande
parte das peças. Geralmente, considera-se que o final inicia quando já foram trocadas
peças suficientes para que o REI possa participar ativamente do jogo. Os principais
objetivos da final são:
-colocar o REI em atividade para colaborar com os PEÕES e tentar conseguir
condições para que um PEÃO seja promovido.
Nem todos os jogos conseguem chegar nesta fase. Dependendo da situação do
jogo, o xeque mate pode vir antes ou no início da fase final. Diz-se, nesta fase, que há
oposição, que a presença de um rei diante do outro, em fila, coluna ou diagonal,
impedindo cada qual o avanço do adversário. Só há oposição quando é impar o número
de casas que separam um rei do outro; sendo direta, quando apenas uma casa separa os
reis; à distância, quando estão separados por 3 ou 5 casas; e virtual, quando, não
estando os reis na mesma coluna, fila ou diagonal, se encontram em posição recíproca tal
que qualquer um deles que se mova cede a oposição ou a distância ao adversário.
22
Referencia bibliográfica
http://www.geocities.com/Athens/Acropolis/8430/
http://www.xadrez.pro.br/
http://www.yellowfingerchessclub.hpg.ig.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Xadrez ♟️ Apostila Xadrez Básico - Livro

Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eternoCarlos Elson Cunha
 
Projeto Xadrez
Projeto XadrezProjeto Xadrez
Projeto XadrezLukems
 
Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010
Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010
Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010Milton Alvaro Menon
 
E.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZ
E.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZE.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZ
E.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZAEC-Inglês
 
Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...
Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...
Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...xomesix405
 
Xadrez ppt trabalho final
Xadrez ppt trabalho finalXadrez ppt trabalho final
Xadrez ppt trabalho finalcarlameneal
 
Vivenciando o xadrez
Vivenciando o xadrezVivenciando o xadrez
Vivenciando o xadrezcacaurosseto
 
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli BorgesXadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borgespdescola
 
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli BorgesXadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borgespdescola
 
Educação física asg
Educação física asgEducação física asg
Educação física asgFoz
 
Apostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdf
Apostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdfApostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdf
Apostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdfxomesix405
 

Semelhante a Xadrez ♟️ Apostila Xadrez Básico - Livro (20)

Seminário sobre xadrez
Seminário sobre xadrezSeminário sobre xadrez
Seminário sobre xadrez
 
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eterno
 
Xadrez
XadrezXadrez
Xadrez
 
Regras do xadrez
Regras do xadrezRegras do xadrez
Regras do xadrez
 
Regras do xadrez
Regras do xadrezRegras do xadrez
Regras do xadrez
 
Projeto Xadrez
Projeto XadrezProjeto Xadrez
Projeto Xadrez
 
Arquivo para atividade 5
Arquivo para atividade 5Arquivo para atividade 5
Arquivo para atividade 5
 
Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010
Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010
Vou aprender a jogar xadrez versæo 2010
 
E.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZ
E.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZE.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZ
E.B. Boca do Monte - Torneio de XADREZ
 
Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...
Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...
Xadrez ♟️ Cartilha De Xadrez Autor Evandro Amorim Barbosa, Gerson Peres Batis...
 
J. carvalho xadrez sem mestre
J. carvalho   xadrez sem mestreJ. carvalho   xadrez sem mestre
J. carvalho xadrez sem mestre
 
Xadrez ppt trabalho final
Xadrez ppt trabalho finalXadrez ppt trabalho final
Xadrez ppt trabalho final
 
Xadrez éLcio
Xadrez éLcioXadrez éLcio
Xadrez éLcio
 
Vivenciando o xadrez
Vivenciando o xadrezVivenciando o xadrez
Vivenciando o xadrez
 
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli BorgesXadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borges
 
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli BorgesXadrez na E.M. Norma Sueli Borges
Xadrez na E.M. Norma Sueli Borges
 
MANUAL DO JOGO DE XADREZ "BRAINS CHESS"
MANUAL DO JOGO DE XADREZ "BRAINS CHESS"MANUAL DO JOGO DE XADREZ "BRAINS CHESS"
MANUAL DO JOGO DE XADREZ "BRAINS CHESS"
 
Xadrez por João e Diogo 8º4
Xadrez por João e Diogo 8º4Xadrez por João e Diogo 8º4
Xadrez por João e Diogo 8º4
 
Educação física asg
Educação física asgEducação física asg
Educação física asg
 
Apostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdf
Apostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdfApostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdf
Apostila de Xadrez NÍVEIS INICIANTES E BÁSICO.pdf
 

Mais de xomesix405

Xadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdf
Xadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdfXadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdf
Xadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdfxomesix405
 
fred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdf
fred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdffred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdf
fred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdfxomesix405
 
Manual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdf
Manual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdfManual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdf
Manual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdfxomesix405
 
ABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdf
ABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdfABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdf
ABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdfxomesix405
 
Agostini-Xadrez_Básico - Manual de Xadrez
Agostini-Xadrez_Básico - Manual de XadrezAgostini-Xadrez_Básico - Manual de Xadrez
Agostini-Xadrez_Básico - Manual de Xadrezxomesix405
 
Manual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdf
Manual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdfManual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdf
Manual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdfxomesix405
 

Mais de xomesix405 (6)

Xadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdf
Xadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdfXadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdf
Xadrez-para-Iniciantes-Prof-Luciano-Gomes-de-Sousa.pdf
 
fred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdf
fred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdffred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdf
fred-reinfeld-manual-completo-de-aberturas-de-xadrez_compress.pdf
 
Manual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdf
Manual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdfManual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdf
Manual básico de xadrez autor Mário Lúcio Zico.pdf
 
ABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdf
ABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdfABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdf
ABC Do Xadrez Guia de Aprendizagem autor Fernanda Marinho.pdf
 
Agostini-Xadrez_Básico - Manual de Xadrez
Agostini-Xadrez_Básico - Manual de XadrezAgostini-Xadrez_Básico - Manual de Xadrez
Agostini-Xadrez_Básico - Manual de Xadrez
 
Manual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdf
Manual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdfManual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdf
Manual_de_xadrez_2023_-_pdf_(1)_compressed.pdf
 

Último

“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasillucasp132400
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEMCOMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEMVanessaCavalcante37
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEMCOMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 

Xadrez ♟️ Apostila Xadrez Básico - Livro

  • 1. 1 Apostila Xadrez Básico Prof: Fábio Nobre Universidade Federal de Viçosa Educação Física E-mail:fabiocassioferreiranobre@yahoo.com.br Campinas/SP www.xadreznobre.com.br
  • 2. 2 Índice A lenda-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 3 Tabuleiro---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 4 As peças---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 4 Posição inicial das peças----------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 5 Movimentação das peças-------------------------------------------------------------------------------------------------pg 5 a 8 Rei Dama Torre Bispo Cavalo Peão Movimentos especiais---------------------------------------------------------------------------------------------------pg 8 a 10 Roque En passant Xeque-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 10 Xeque-mate-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 10 Afogamento-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 11 Promoção--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 13 Situações de empate-----------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 14 Valor das peças------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 14 Notação-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 15 Símbolos-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- pg 16 Classificação dos lances----------------------------------------------------------------------------------------------------pg 16 Aberturas--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 17 Lances iniciais-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 18 e4 d4 c4 Cf3. Tipos de aberturas-------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 19 a 20 Ruy Lopes Giouco Piano Gambito do Rei Gambito da Dama Defesa karo-Kann Defesa siciliana Defesa Francesa Meio jogo-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 21 Final-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 21 Referencia bibliográfica ------------------------------------------------------------------------------------------------------pg 22
  • 3. 3 XADREZ A LENDA Segundo a lenda, existia um rei na Índia. Era um rei honesto, bondoso justo, que mantinha o reino em prosperidade. Seu reino entrou em guerra com um reino vizinho, e nessa guerra, apesar de tê-la ganha, viu seu próprio filho morrer no campo de batalha. O rei mergulhou em profunda tristeza, que acabou levando o seu reino junto. Ofereceram-se riquezas inimagináveis, e prêmios inconcebíveis a qualquer um conseguisse tirar o rei da depressão. Mas todos falharam. Mas uma vez, um brama indiano chegou ao palácio do rei, e lhe apresentou o jogo de xadrez. O rei gostou tanto do jogo, que prometeu ao brama pedir tudo que quisesse. O brama pediu um grão de milho para a primeira casa, dois grãos para segunda, quatro para a terceira, oito para a quarta e assim, sempre dobrando, até a casa sessenta e quatro. O rei ficou espantado perante um pedido que lhe pareceu tão humilde; e cedeu imediatamente à aparente insignificância da petição. Mas feitos os cálculos, verificou-se que todos os tesouros da Índia não eram suficientes para pagar a recompensa pedida. A quantidade era tanta, que, a quantidade de milho necessária cobriria toda a superfície da terra com uma camada de 20cm de espessura. O número de grãos de milho era 18.446.744.073.709.551.615! Tente-se avaliar o que ele significa pelo seguinte: para contar de um até esse número ("um, dois, três", etc.) trabalhando 24 horas por dia, e supondo que demorasse só um segundo para cada um dos números consecutivos seriam necessários 58.454.204.609 séculos, isto é, quase sessenta bilhões de séculos! Dizem que o rei não soube mais o que admirar nele, se a invenção do xadrez ou a engenhosidade do pedido. . Encyclopaedia Britânica do Brasil.
  • 4. 4 TABULEIRO Joga-se o xadrez sobre um quadrado dividido em 64 casas, pintadas alternadamente de brancas e pretas, ou outras cores convencionais. Dispõe-se o tabuleiro de maneira que cada jogador tenha a sua direita a casa de cor branca. O conjunto de casas na vertical é chamado de colunas. O conjunto de casas na horizontal é chamado de fileiras. AS PEÇAS Cada jogador dispõe de um conjunto de dezesseis peças das cores braças ou pretas, sendo que cada jogador inicia a partida com: oito peões, duas torres, dois bispos, dois cavalos, uma rainha e um rei. Nome da peça Cor branca Cor preta Rei Dama Torre Cavalo Bispo Peões
  • 5. 5 POSIÇÃO INICIAL DAS PEÇAS Ao se iniciar uma partida, as peças do xadrez ocupam de cada lado as duas primeiras horizontais, na seguinte posição: os peões se se estendem pela segunda horizontal, as torres ficam nas casas laterais da primeira fileira, e ao lado delas ficam os cavalos e bispo respectivamente. A rainha branca ocupa a casa branca e a rainha preta na casa preta, e o rei posiciona-se ao seu lado. MOVIMENTAÇÃO DAS PEÇAS O REI O rei é a peça mais importante do jogo. E seus movimentos são apenas de uma casa em todas as direções.
  • 6. 6 A RAINHA OU DAMA E a peça que tem mais mobilidade do jogo, o seu raio de ação e o maior entre todas as peças. Ela se movimenta em todas as direções em todas as direções: fileiras colunas e diagonais quantas forem às casas possíveis. E uma fusão entre a torre e bispo. Torre A torre move-se em sentido horizontal e vertical, ou seja, nas colunas e fileiras. E também uma peça com um longo raio de ação.podendo assim atingir um alvo em grandes distancias.
  • 7. 7 BISPO O bispo pode mover-se para qualquer casa situada nas diagonais, perto ou distante, que se originam de sua posição.um bispo que inicia a partida em um casa de cor branca devera ficar durante toda a partida localizado em tal casa. Sendo que cada lado tem um bispo situado na casa branca e outro na casa preta. CAVALO E a única peça do jogo que pode saltar as suas próprias peças e as peças do adversário. O seu movimento e caracterizado por mover-se duas casas em linha reta e depois virar uma casa para a direita ou esquerda. Mas a única peça que captura é a peça onde o cavalo terminou o seu movimento. E uma peça com um raio de ação médio.
  • 8. 8 PEÃO É a peça de menor mobilidade do jogo, e é a única peça que captura em uma direção diferente ao seu deslocamento característico (diagonal), e também e a única peça que não se move para traz. A sua marcha ocorre na vertical somente uma casa por vez ou duas quanto esta na sua casa de origem. MOVIMENTOS ESPECIAIS ROQUE Joga-se xadrez movendo –se apenas uma peça de cada vez. Em uma única circunstancia duas peças podem ser movidas ao mesmo tempo. O movimento referido chama-se roque e é realizado com o rei e qualquer uma das duas torres. O roque é um movimento combinado de rei e torre e para efetua-lo será preciso: Que o espaço entre as peças esteja livre Que ambas as peças estejam em suas casa iniciais e não tenham realizado nenhum movimento. Não estar em xeque. As casas que o rei passar não poderão esta sendo ameaçadas. Tocar primeiro no rei para fazer o roque. O movimento se da em direção da torre duas casas para a direita ou para esquerda colocando-se a sua respectiva torre ao seu lado.
  • 9. 9 ROQUE EN PASSANT É uma jogada realizada somente com os peões, é a única jogada do xadrez que a peça que captura a outra não fica no lugar original onde a peça esta localizada. E caracterizada por um peão estar situado na quinta casa do tabuleiro e a peça adversária fará o lance partindo da sua posição inicial do tabuleiro movendo-se duas casas. Quando isso acontece a peça que se movimentou duas casas pode ser tomada pela peça adversária no próximo lance. Caso o jogador adversário não capture a peça no próximo lance não poderá realizar-lo.
  • 10. 10 XEQUE É caracterizado quando o rei esta sendo ameaçado por alguma peça adversária. É obrigatório o tirar o rei do xeque. Existem três formas de se sair do xeque que são: 1ª Capturando a peça adversária que esta ameaçando o rei. 2ª Colocando uma peça entre o rei e a peça adversária. 3ª Movendo o rei para uma casa que não esteja sendo ameaçada. XEQUE MATE O objetivo do jogo e vencer o adversário com este movimento de peça. O xeque- mate se caracteriza quando o rei adversário não tem saída de uma determinada situação. Sendo que este lance pode ocorre tanto o inicio, meio e final da partida. Vence o jogo quem dar o xeque-mate primeiro no adversário. O material mínimo para se obter xeque-mate é: rei + dama contra rei, rei + torre contra rei, rei + 2 bispos contra rei, rei + bispo + cavalo contra rei.
  • 11. 11 AFOGAMENTO O afogamento é uma situação do jogo na qual é declarado a ambos participantes o empate. Mesmo que haja grande vantagem material. Isto acontece quando o jogador que tem a vez não tem nenhuma opção a não ser colocar o rei em xeque (o que não pode acontecer). . .. .
  • 12. 12 . . . .. .. .. .. ..
  • 13. 13 PROMOÇÃO Quando o peão atingir a oitava casa de uma coluna qualquer, ou seja, ao atingir a primeira fileira horizontal do adversário será promovido. Neste, caso, será transformado imediatamente e obrigatoriamente em: dama, torre, bispo ou cavalo. E a adquirindo os seus respectivos movimentos. O peão nunca poderá se transformar em rei.
  • 14. 14 SITUAÇÕES DE EMPATE E declarado empate quando: Quando ambos os jogadores concordem com o empate. Quando o jogador esta sobre xeque–perpétuo. Quanto não existir material suficiente para dar xeque – mate. Cinqüenta lances efetuados sem movimentação de peões. Ambos repetirem a mesma posição três vezes. VALOR DAS PEÇAS Os valores das peças no xadrez são relativos, ou seja, depende muito da função que esteja exercendo, de seu grau de mobilidade, etc. Os valores a seguir servem apenas para orientar o enxadrista, principalmente no momento de efetuar uma troca. Peão: representa a unidade, valor 1 Cavalo: 3 Bispo: 3 Torre: 5 Dama: 9 Rei: É a única peça que tem valor absoluto, já que sua perda significa o final da partida. Consideramos os valores dos bispos e dos cavalos como aproximadamente iguais, embora alguns autores considerem o bispo um pouco superior ao cavalo. Como dissemos acima, isso depende do grau de mobilidade. Como exemplo, em posições fechadas, geralmente o cavalo será superior, ao passo que em posições abertas o bispo terá preferência.
  • 15. 15 NOTAÇAO A federação internacional de xadrez (FIDE), tornou oficial a notação algébrica para se registrar os lances de uma partida. Quando anotamos nossas nos podemos detectar e corrigir os erros que nelas tenham acontecido, e ao revê-los em estudos podemos analisarmos melhor. Este sistema é a forma que nos tenho de eternizar as partidas para que todos os jogadores tenham a possibilidade de reproduzir e jogar, analisar, vivenciar e evoluir taticamente refazendo partidas ocorridas ao longo de sua historia. O sistema de notação permite que as grandes partidas não se percam. No tabuleiro abaixo, temos a disposição inicial, cada uma das oito fileiras serão conhecidas por uma letra minúscula (a, b, c, d, e, f, g, h ) da esquerda para a direita, do ponto de vista do jogador que esta com as peças brancas. Também estão dispostos em colunas na posição vertical os números (1,2, 3, 4, 5, 6, 7, 8), na ordem crescente de baixo para cima do ponto de vista do jogador que estiver com as peças brancas. No tabuleiro abaixo temos então as coordenadas, e usa-se as mesmas como normal universal, no mundo do xadrez internacional. Usa-se a letra inicial da peça para designar qual a peca a que foi movida. TORRE = T BISPO = B PEÃO = P REI = R DAMA = D CAVALO =C Logo depois se usa a letra da casa para onde a peça foi movida acrescida de seu respectivo numero. Por convenção não se usa colocar p para a movimentação dos peões usa-se apenas a coordenada da casa para qual foi deslocado.
  • 16. 16 Exemplo O movimento do peão é descrito apenas anotando-se a casa destino. No gráfico acima temos o movimento do Peão da Dama Branco e Preto, respectivamente anotados como d3 e d6, somente. O movimento Cd2 das Brancas no tabuleiro acima deixaria em dúvida qual dos dois cavalos deveria se dirigir a casa d2. Nestes casos utiliza-se o seguinte critério para esclarecimento do lance (supondo que o cavalo a ser movido seja o cavalo da casa b1). Primeiro - Quando as colunas são diferentes, anota-se o lance: Cbd2 (lê-se Cavalo de 'b' para 'd2', ou simplesmente Cavalo de 'b', 'd2'). SÍMBOLOS Estes foram criados para facilitar a visualização das jogadas ocorridas durante uma partida de xadrez. O roque pequeno: 0-0 Roque grande: 0-0-0 Captura de peças: x (ex: C x P). En passant: ep Promoção: = Xeque: + Xeque mate: ++ CLASSIFICAÇÃO DOS LANCES Quando se analisa um uma partida e comum também utilizar-se de símbolos para a classificação das jogadas e esses símbolos são: Lance ótimo: !! Lance forte: ! Lance fraco: ? Lance péssimo: ?? Lance duvidoso: !?
  • 17. 17 ABERTURAS O xadrez é um jogo que o planejamento é a base do jogo, e para o plano funcionar ele tem que atender a vários fundamentos básicos, que podem ser estudados, aprendidos e aplicados. E para estudar as aberturas do xadrez foi criada a teoria das aberturas, e dela surgiram linhas de jogo que foram estudadas e discutidas, chegando se a diversas conclusões. Essas aberturas foram classificadas e algums se tornaram famosas pelo uso por varias autoridades do xadrez mundial. Seus principais objetivos são: Desenvolver as peças: Levar as peças da posição inicial para posições mais centrais, especialmente os bispos e cavalos. Costuma-se desenvolver pelo menos um dos cavalos antes de mover os bispos. As torres e a dama geralmente são as últimas a serem movidas. Até que a maioria das peças esteja melhor colocada, não se move a mesma peça duas vezes, a menos que isso seja necessário ou possa trazer um benefício imediato. Procurar ter controle do centro: Como o valor das peças depende de sua posição e mobilidade, ganhar ou perder espaço no Xadrez é algo importante. É recomendável ter algumas peças ou situadas nas casas centrais ou apontando para elas. Geralmente se avança um dos dois peões centrais duas casas e pelo menos um dos cavalos é movido para a coluna do bispo. Colocar o rei em segurança: Uma vez atingido um grau mínimo de desenvolvimento, é importante fazer o roque, porque ele deixa o rei mais protegido, além de colocar uma das torres em jogo. Para facilitar o estudo das aberturas, adotaremos o seguinte: Em cada posição, inclusive na inicial, será escolhido um lance como o lance natural para a posição. os critérios para sua escolha serão ser o mais comum e óbvio e portanto o mais utilizado por amadores e grandes mestres, geralmente esse lance é o melhor para a posição também. ele será único na maioria das posições, e servirá como base para comparação com outros lances. Os outros lances que não o natural serão considerados variantes. as variantes podem ser piores, equivalentes ou até melhores que o lance natural.
  • 18. 18 Lances iniciais e 4 Uso: 50% Critica Domina importantes casas centrais pelo peão. Abre as diagonais para o bispo e para a dama. As brancas ameaçam jogar em d4 em seguida, dominando o centro, que é muito importante no jogo. Leva a uma partida aberta, com iniciativa para as brancas. Deve ser o lance preferido para os que iniciam no xadrez. d 4 Uso: 30% Critica Coloca um peão no centro, dominando importantes casas centrais. Abre diagonal para o bispo, e a coluna semi-aberta para a dama. As brancas ameaçam jogar e4 em seguida, dominando completamente o centro. Leva a uma partida truncada e mais complexa que e4,com manobras lentas, preferida geralmente por jogadores de maior experiência. São mais importantes as noções de jogo posicional. Há muitos jogadores que abrem sempre com d4. c 4 Uso: <10% Crítica Domina a importante casa central d5 com um peão do flanco. Leva a uma partida truncada e de combate. É uma ótima abertura, e por isso é arma secreta de vários mestres. As brancas jogam uma “defesa siciliana invertida”. Cf3 Uso: <10% Critica Domina importantes casas centrais e situa idealmente o cavalo. Visa o domínio do centro pelos flancos. É uma “defesa indiana invertida” com um lance a mais. Considerada uma abertura hiper moderna, não e recomendada para iniciantes.
  • 19. 19 Tipos de aberturas Ruy Lopes (1). e4 , e5; (2). Cf3 , Cc6; (3) Bb5, Por muito tempo, tem sido uma das mais favoritas dos que iniciam com P4R. Na maioria de suas variantes, permite às brancas exercerem uma pressão difícil de ser neutralizada. A idéia fundamental é manter durante o maior tempo possível uma pressão sobre a casa central 5R, de maneira a forçar as pretas a abandonarem o centro. No entanto, nada está perdido, pois a melhor forma de tentar melhorar o jogo das negras é explorando a variante do Ponto Forte. Critica É uma das aberturas mais antigas do xadrez. É a abertura mais perfeita para as brancas com (1). e4 Vulnera o cavalo que defende o peão central que esta sendo ameaçado. As brancas mantém a iniciativa e uma leve, mas, persistente vantagem. O roque já está preparado. Giouco Piano (1). e4, e5; (2). Cf3, Cc6; (3).Bc4, Bc5 Embora tida como uma linha de jogo calmo, permite o desenvolvimento de partidas emocionantes e equilibradas. Seus ataques são morosos e pode um bom principiante oferecer resistência a um jogador experiente. Nesta abertura, é de grande importância o avanço do peão da dama protegido, visando a estrutura de usar forte centro de peões. Critica Entra em cheio na Abertura Italiana, com partida equilibrada. As brancas tam vários ataques, mas as pretas sempre tem bons recursos defensivos. Gambito do Rei (1).e4 , e5; (2). f4, exf4 Critica Poucos ainda preferem esta abertura, pois dispõem as pretas igualar o jogo ou mesmo obter vantagens. É uma abertura clássica, muito usada antigamente. É arriscada para as brancas, mas há um certo "veneno". As variantes são complicadas. Gambito da Dama (1) d4, d5; (2). c4, dxc4 O segundo lance das pretas permite às brancas, muitas vezes, maior presença no centro. Como é observado, em muitas partidas é perigoso para as pretas tratar de conservar o peão ganho com a aceitação do gambito. O melhor para as pretas é recusá- lo.
  • 20. 20 Critica O gambito da dama é o gambito mais famoso do xadrez, e é uma ótima opção. Ataca o peão central com o peão do flanco. O peão é entregue apenas temporariamente, e será recuperado se as pretas aceitarem o gambito. É o lance preferido dos mestres. Defesa karo-Kann (1). e4, c6 Esta defesa é essencialmente defensiva, com grandes chances de contra-ataque. Um jogador que deseje apenas o empate, evitando riscos, deve adotar esta defesa. Critica Leva a um jogo com idéias estratégicas semelhantes à Defesa Francesa. É uma defesa segura, mas com pouco contra-jogo. Leva a um meio jogo rico em manobras complexas. Seu julgamento sofreu muitas oscilações em diferentes épocas, e depende muito do gosto pessoal. Kasparov prefere a Caro-Kann à Defesa Francesa, principalmente para amadores, pois na Caro-Kann o bispo da dama se desenvolve com facilidade. Usada ocasionalmente pelos mestres. Defesa siciliana (1). e4, c5 É excelente campo para o enxadrista de combinação, apresentando muitas possibilidades táticas. Sua idéia principal baseia-se em aniquilar o centro adversário de peões, capturando o peão da dama, além de permitir as pretas mudarem o rumo do jogo. Critica Domina a importante casa d4, evitando P4D. É uma defesa agressiva e leva a uma partida de combate É considerada a melhor defesa contra P4R. Evita a Ruy Lopez. É a grande preferida dos mestres da atualidade. Defesa Francesa (1). e4, e6 Mais conservado que a Siciliana e mais enérgica que a Caro-kann, esta defesa se adapta ao estilo de jogadores que possuem persistência defensiva. Também permite aos jogadores buscar o domínio do centro de uma forma diferente da convencional P4R das pretas. Critica As pretas avançam o peão do rei somente uma casa, e cedem o centro para o adversário. Apesar de permitir P4D ao adversário e bloquear seu próprio bispo, a defesa francesa é uma linha de jogo agressiva. As pretas começam em uma posição restringida, porém há várias possibilidades de libertação. É importante o conhecimento de suas variantes. Usada ocasionalmente pelos mestres.
  • 21. 21 Meio jogo É a segunda fase a ser executada, fase de manobras táticas, pois deve-se estabelecer um plano de ataque ou defesa, dependendo de como foi a abertura. Este plano deve ter como objetivo conseguir vantagens de posição e desenvolvimento de combinações. A troca de peças é inevitável, pois ambos vão tentar conseguir ganho de peças. Quem cometer algum erro de troca, será muito difícil se recuperar. Dependendo de como está sendo a movimentação das peças, pode-se até acontecer o xeque-mate, que muitas vezes só ocorre no final de partida. Final Esta fase também serve para que o jogador identifique o plano do adversário e tente impedi-lo ou dificultá-lo. Deve-se ter cuidado, porque a fase final está quase chegando e o mate está a caminho.Esta fase inicia-se após a troca de peças pesadas como DAMAS, TORRES e peças menores (CAVALO e BISPO), ou a troca de grande parte das peças. Geralmente, considera-se que o final inicia quando já foram trocadas peças suficientes para que o REI possa participar ativamente do jogo. Os principais objetivos da final são: -colocar o REI em atividade para colaborar com os PEÕES e tentar conseguir condições para que um PEÃO seja promovido. Nem todos os jogos conseguem chegar nesta fase. Dependendo da situação do jogo, o xeque mate pode vir antes ou no início da fase final. Diz-se, nesta fase, que há oposição, que a presença de um rei diante do outro, em fila, coluna ou diagonal, impedindo cada qual o avanço do adversário. Só há oposição quando é impar o número de casas que separam um rei do outro; sendo direta, quando apenas uma casa separa os reis; à distância, quando estão separados por 3 ou 5 casas; e virtual, quando, não estando os reis na mesma coluna, fila ou diagonal, se encontram em posição recíproca tal que qualquer um deles que se mova cede a oposição ou a distância ao adversário.