SlideShare uma empresa Scribd logo
AAss 
CCaatteeqquueesseess 
ddaa FFéé 
CCoommoo aa ccaatteeqquueessee 
ccoonndduuzz àà ccoonnvveerrssããoo
Situar as «Catequeses da Fé» 
• Uma proposta de caminhada para a 
profissão de fé 
• Valorização de uma celebração marcante na 
vida dos adolescentes, famílias e 
comunidades 
• Diversidade de tradições e modos de 
celebrar 
• Síntese da fé num momento de transição
Situar as «Catequeses da Fé» 
• Projeto específico, mas integrado no 
itinerário catequético 
• Uma síntese do caminho já feito e um 
abrir de novos horizontes 
• Destinatários da proposta pedagógica: 
adolescentes 
• Não tem um ano específico: 
apresenta-se a possibilidade de ser 
integrado na caminhada do 6º ou do 7º 
ano
PPrrooffeessssaarr aa FFéé
• «Que é o homem?» (Sl 8, 5) 
• AA qquueessttããoo ppeerrccoorrrree ttooddaa aa 
hhiissttóórriiaa ddaa hhuummaanniiddaaddee,, 
• ee aa hhiissttóórriiaa ddee ccaaddaa ppeessssooaa 
hhuummaannaa:: «qquuee éé oo hhoommeemm?? 
qquueemm ssoouu eeuu??»
Deus dá-se a conhecer 
• O contemplar do milagre da vida, a busca 
de sentido, o perseguir da verdade da 
beleza e da bondade, levaram a 
humanidade a levantar os olhos para a 
transcendência, a compreender-se numa 
ligação… 
• O homem deseja Deus: «Ó Deus, Tu és o 
meu Deus! Anseio por ti! A minha alma 
tem sede de ti» (Sl 62, 2).
Deus dá-se a conhecer 
• Mas, nesta história, há uma outra busca: 
a de Deus. 
• Foi Ele quem se foi dando a conhecer, 
tirando o véu, rasgando o céu. 
• Até que Ele mesmo se fez um de nós: 
Jesus Cristo, verdadeiro Deus, dá-nos a 
conhecer o rosto de Deus e, verdadeiro 
homem, revela-nos o nosso próprio 
mistério.
Deus dá-se a conhecer 
• É a história deste Deus 
que se dá a conhecer 
que percorre os 
livros da Bíblia…
Uma proposta de caminhada para a profissão de fé
Uma proposta de caminhada para a profissão de fé
Uma proposta de caminhada para a profissão de fé
Uma proposta de caminhada para a profissão de fé
Uma proposta de caminhada para a profissão de fé
O homem responde a Deus 
• Abrão, Moisés… As páginas 
bíblicas são testemunho deste 
Deus que vem visitar a 
humanidade. 
• E as mesmas páginas enchem-se 
também, das histórias destes 
homens e mulheres que sabem 
perceber a presença de Deus e a 
Ele se confiam.
O homem responde a Deus 
• Ao Deus, que se revela, o homem 
corresponde confiando-se, «adentrando-se 
» na sua presença, acolhendo e 
cumprindo a sua palavra: «Faça-se em 
mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38), 
dirá Maria… 
• E os Magos do Oriente, ao seguirem a 
estrela da noite, vieram adorar a Luz da 
Luz, que é fruto deste sim de Maria.
Assim é a fé 
• Nesta rreellaaççããoo entre Deus e a 
pessoa humana, tudo o que 
se passa tem por base, está 
alicerçado, no ddiiáállooggoo: 
• Deus fala, revela-se, vem 
procurar-nos; 
• nós respondemos, 
acolhemos, confiamos, 
adentramo-nos n’Ele…
Assim é a fé 
• AA fféé éé,, eesssseenncciiaallmmeennttee,, uummaa 
rreellaaççããoo ddee ccoonnffiiaannççaa:: 
mesmo sem nunca 
conseguirmos abarcar 
totalmente o mistério de Deus, 
sabemos que Ele nos abarca a 
nós e preenche o mistério da 
nossa vida.
Assim é a fé 
• Querer conhecê-l’O sempre 
mais e confiarmos que a sua 
palavra é para nós um 
ccaammiinnhhoo ddee ffeelliicciiddaaddee, eis o 
essencial da fé enquanto 
conhecimento e confiança.
ddoomm 
ssaallvvaaççããoo 
rreessppoossttaa 
ggaarraannttiiaa 
ccoonnffiiaarr 
rreellaaççããoo 
FFÉÉ 
ccééuu
Partilhar a fé 
• «Vinde e vereis» (Jo 1, 39). 
Entrar na “casa” de Jesus, 
conhecê-l’O de perto, entrar na sua 
intimidade, é o caminho da fé. 
• Esta relação com Jesus é pessoal, 
mas só é possível numa relação 
partilhada com aqueles que vivem 
dentro dessa mesma relação.
Partilhar a fé 
• «A fé é um acto pessoal, uma resposta livre 
do homem à proposta de Deus que Se revela. 
Mas não é um acto isolado. Ninguém pode 
acreditar sozinho, tal como ninguém pode 
viver só. Ninguém se deu a fé a si mesmo, 
como ninguém a si mesmo se deu a vida. Foi 
de outrem que o crente recebeu a fé; a outrem 
a deve transmitir. O nosso amor a Jesus e aos 
homens impele-nos a falar aos outros da 
nossa fé. Cada crente é, assim, um elo na 
grande cadeia dos crentes. Não posso crer 
sem ser amparado pela fé dos outros, e pela 
minha fé contribuo também para amparar os 
outros na fé» (CIC 166).
Partilhar a fé 
• «Como hão-de acreditar naquele de quem 
não ouviram falar? E como hão-de ouvir 
falar, sem alguém que o anuncie?» (Rom 
10, 14). 
• A Igreja é a comunidade de crentes, 
unidos pela mesma fé em Jesus Cristo, 
que procura possibilitar o encontro com 
Jesus Cristo, que insere cada crente na 
aventura de conhecer e aderir a Jesus tal 
como Ele se deu a conhecer.
Partilhar a fé 
• De facto, se «a fé é aquilo que uma pessoa tem de 
mais pessoal» ela «não é um assunto privado. 
Quem deseja crer tem de poder dizer tanto “eu” 
como “nós”, pois uma fé que não possa ser 
partilhada e comunicada seria irracional. Cada 
crente dá o seu consentimento ao credo da Igreja. 
Dela recebeu a fé. Foi ela que, ao longo dos 
séculos, lhe transmitiu a fé, a guardou de 
adulterações e a clarificou constantemente. Crer é, 
portanto, tomar parte de uma convicção comum. A 
fé dos outros transporta-me, como também o fogo 
da minha fé incendeia os outros e os fortalece. O 
“eu” e o “nós” da fé remetem-nos para os dois 
símbolos da fé da Igreja, pronunciados na Liturgia: 
o Símbolo dos Apóstolos (…) e o grande Símbolo 
Niceno-Constantinopolitano» (Youcat 24).
O expressar da fé 
• Quando se ama de verdade, não se pode 
esconder o amor; o amor arranja sempre 
formas de se dar a conhecer, de se 
revelar e exprimir… 
• Escreve São Paulo: «Lembro-vos, irmãos, 
o evangelho que vos anunciei, que vós 
recebestes, no qual permaneceis firmes e 
pelo qual sereis salvos, se o guardardes 
tal como eu vo-lo anunciei; de outro modo, 
teríeis acreditado em vão. Transmiti-vos, 
em primeiro lugar…» (1Cor 15, 1-3).
O expressar da fé 
• Este texto fala-nos desta necessidade 
que, desde o início, a Igreja sentiu: 
procurar exprimir e transmitir a fé em 
fórmulas breves, que condensassem o 
essencial do mistério revelado em Jesus 
Cristo. 
• Não foi a Igreja a “definir” os 
“conteúdos da fé”: acolheu-os e deve 
manter este tesouro que lhe foi 
confiado.
O expressar da fé 
• A estas “sínteses da fé” chamamos: 
• Profissões de fé: porque resumem a 
fé professada pelos cristãos; 
• Credos: porque começam com a 
afirmação «Creio»; 
• Símbolos da fé: porque são um sinal 
de identificação e de comunhão entre 
os crentes, e um sumário das principais 
verdades da fé.
O expressar da fé 
• Acolhendo a missão, dada por Jesus, de 
fazer discípulos de todos os povos 
«baptizando-os em nome do Pai, do Filho 
e do Espírito Santo» (Mt 28, 19), a Igreja, 
àqueles que pediam o baptismo, começou 
a “mostrar” o rosto trinitário de Deus 
com estas breves formulações. Com o 
tempo, foram evoluindo, e hoje 
conservamos dois textos fundamentais:
O expressar da fé 
• Símbolo dos Apóstolos 
Assim chamado porque se considera o 
resumo fiel da fé dos Apóstolos. A sua grande 
autoridade vem-lhe do facto de ser o símbolo 
batismal adotado pela Igreja de Roma. 
• Símbolo de Niceia-Constantinopla 
Assim designado porque o texto resulta 
destes dois primeiros concílios ecuménicos, o 
de Niceia, em 325, e de Constantinopla, em 
381. Desde então que é uma referência para 
as Igrejas do Oriente e Ocidente.
AAllgguummaass 
ooppççõõeess 
ddee bbaassee
Algumas opções de base 
• A fé como a 
construção de uma 
relação pessoal, uma 
amizade que é um 
tesouro
Algumas opções de base 
• As catequeses como 
espaço e tempo de 
vivência do encontro
Algumas opções de base 
• Integrar a fé pessoal 
na história da 
salvação e na 
comunidade
Algumas opções de base 
• Fontes: 
1. Bíblia, 
2. Catecismo da Igreja 
Católica, 
3. Youcat
Algumas opções de base 
• Dimensão simbólica 
transversal: Tesouro
OO ppeerrccuurrssoo 
ddaass 
«CCaatteeqquueesseess 
ddaa FFéé»
Catequese 1: 
«Eu creio, Senhor» (Jo 9, 38) 
Objectivos: 
1. Reconhecer a fé como um dom de Deus 
acolhido, vivido, celebrado e aprofundado 
em Igreja; 
2. Partilhar a resposta de fé a Deus, 
no grupo; 
3. Conhecer o percurso que leva à 
formulação dos símbolos da fé; 
4. Receber o texto do Credo (celebração). 
Celebração da entrega do Credo
Catequese 2 
«Abbá Pai, tudo te é possível…» (Mc 14, 36) 
Um só Deus 
Pai todo-poderoso 
O que nos diz Jesus do Pai? 
O poder do todo-poderoso 
Criador do céu e da terra 
A fé e a ciência 
Senhor do céu e da terra
Catequese 2 
«Abbá Pai, tudo te é possível…» (Mc 14, 36) 
Objectivos: 
1. Aprofundar os conteúdos do primeiro 
artigo da fé; 
2. Abordar o Mistério da Santíssima 
Trindade, e da Paternidade e 
Omnipotência de Deus Pai. 
3. Examinar a origem do universo e da vida 
à luz da fé; 
4. Professar a fé em Deus Pai;
Catequese 3 
«Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo» (Mt, 16, 16) 
«Vós não o abandonastes 
ao poder da morte» 
«E o Verbo fez-se homem 
e veio habitar connosco» 
Filho Unigénito de Deus, 
consubstancial ao Pai 
Identidade e missão de Jesus Cristo 
Encarnou pelo Espírito Santo, 
no seio da Virgem Maria
Catequese 3 
«Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo» (Mt, 16, 16) 
Objectivos: 
1. Aprofundar os conteúdos do símbolo da 
fé relativos ao Filho Unigénito; 
2. Reconhecer em Jesus Cristo o Filho 
Unigénito de Deus que desceu dos Céus 
para nossa salvação; 
3. Professar a fé em Jesus Cristo, 
verdadeiro Deus e verdadeiro homem, 
nascido da Virgem Maria; 
4. Celebrar o perdão de Deus (celebração 
penitencial) 
Celebração penitencial
Catequese 4 
«Homem acreditado por Deus, 
Deus o ressuscitou» (At 2, 22-24) 
«Jesus de Nazaré andou de lugar em 
lugar, fazendo o bem» 
«Messias crucificado, escândalo para os 
judeus e loucura para os gentios» 
Por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos, 
padeceu e foi sepultado 
«Deus o ressuscitou» 
Ressuscitou ao terceiro dia 
Subiu aos Céus, onde está sentado à 
direita do Pai 
De novo há-de vir em sua glória
Catequese 4 
«Homem acreditado por Deus, 
Deus o ressuscitou» (At 2, 22-24) 
Objectivos: 
1. Conhecer os conteúdos do símbolo da fé 
relativos ao Filho Unigénito; 
2. Aprofundar o sentido do Mistério Pascal; 
3. Professar a fé em Jesus Cristo morto e 
ressuscitado, fonte da esperança.
Catequese 5 
«O Paráclito vos ensinará tudo» (Jo 14, 26) 
«Recebei o Espírito Santo» 
Senhor que dá a vida, 
e procede do Pai e do Filho 
«Viu o Espírito de Deus 
descer como uma pomba» 
Ele que falou pelos profetas
Catequese 5 
«O Paráclito vos ensinará tudo» (Jo 14, 26) 
Objectivos: 
1. Aprofundar os conteúdos do símbolo da 
fé relativos ao Espírito Santo; 
2. Conhecer os símbolos do Espírito Santo; 
3. Professar a fé Espírito Santo, Senhor que 
dá a vida. 
4. Viver este encontro como presença eficaz 
do Espírito Santo e descobrir como isso 
acontece, neste e nos outros encontros.
Catequese 6 
«Sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja» (Mt 16, 18) 
«É Ele [Cristo] a cabeça do Corpo, 
que é a Igreja» 
Una, santa, católica e apostólica 
Remissão dos pecados, ressurreição dos 
mortos, vida que há-de vir… 
Um só Baptismo 
para remissão dos pecados 
A ressurreição dos mortos, 
e a vida do mundo que há-de vir
Catequese 6 
«Sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja» (Mt 16, 18) 
Objectivos: 
1. Aprofundar os conteúdos do símbolo da 
fé relativos à Igreja; 
2. Conhecer o sentido das notas da Igreja; 
3. Tomar consciência de que se é membro 
da Igreja; 
4. Aprofundar os conteúdos do símbolo da 
fé relativos à vida eterna; 
5. Professar a fé em Igreja (Celebração da 
Fé). 
Celebração da fé
AA pprrooppoossttaa 
ppeeddaaggóóggiiccaa
A proposta pedagógica 
• Uma proposta de trabalho é 
sempre um ponto de partida, 
não um capítulo encerrado… 
• Como utilizar o guia e os 
materiais disponibilizados?
A proposta pedagógica 
• Objectivos 
• Conteúdos 
• Observações pedagógicas
A proposta pedagógica 
• Caixa do tesouro 
• Dinâmicas e jogos; 
• Envolvência de pais, pessoas 
da comunidade, pároco… 
• Tempos pessoais de reflexão 
e oração; 
• Trabalhos de grupo, 
• Celebrações…
A proposta pedagógica 
• Ficha da 
catequese
Conclusão 
Como a catequese 
conduz à conversão
Conclusão 
• A conversão é um dom de Deus, vivido na 
liberdade, só possível no encontro de fé 
que suscita o desejo do seguimento… 
• A fé é um dom de Deus que cresce com o 
conhecimento que se torna relação, 
amizade partilhada… 
• A amizade cresce com o tempo partilhado, 
na cumplicidade criada, num 
«adentrar-se» e guardar no coração…
«A finalidade definitiva da 
catequese é a de fazer que 
alguém se ponha, não apenas em 
contacto, mas em comunhão, em 
intimidade com Jesus Cristo: 
somente Ele pode levar ao amor 
do Pai no Espírito e fazer-nos 
participar na vida da Santíssima 
Trindade.» 
(CT 5)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013
Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013
Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013
Paroquia Cucujaes
 
Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)
Afonso Murad (FAJE)
 
Pastoral da Catequese
Pastoral da CatequesePastoral da Catequese
Pastoral da Catequese
José Vieira Dos Santos
 
Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)
Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)
Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)
boscolandia
 
Ficha de inscrição encontro de casais
Ficha de inscrição encontro de casaisFicha de inscrição encontro de casais
Ficha de inscrição encontro de casais
Carla Brito
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
Catequese Anjos dos Céus
 
2017 4ºano festa da palavra
2017 4ºano festa da palavra2017 4ºano festa da palavra
2017 4ºano festa da palavra
InfanciaSaoJose
 
Guião pai nosso 2017
Guião pai nosso   2017Guião pai nosso   2017
Guião pai nosso 2017
InfanciaSaoJose
 
Oferecimento terço
Oferecimento terçoOferecimento terço
Oferecimento terço
Adriano Marcos Nascimento
 
Catequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parteCatequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parte
Jose Luis Beneli
 
celebração do credo.pdf
celebração do credo.pdfcelebração do credo.pdf
celebração do credo.pdf
MariaZenaidePereira1
 
Planejamento ministerio de crianças e juniores
Planejamento ministerio de crianças e junioresPlanejamento ministerio de crianças e juniores
Planejamento ministerio de crianças e juniores
Grazy P
 
Festa do acolhimento 21 nov10
Festa do acolhimento 21 nov10Festa do acolhimento 21 nov10
Festa do acolhimento 21 nov10
nossasenhoradavisitacao
 
Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)
Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)
Meditacao do Terco
Meditacao do TercoMeditacao do Terco
Meditacao do Terco
JMVSobreiro
 
Sacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônioSacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônio
familiaregsul4
 
Folheto batismo
Folheto batismoFolheto batismo
Folheto batismo
torrasko
 
Folheto 1° comunhao 2012
Folheto 1° comunhao 2012Folheto 1° comunhao 2012
Folheto 1° comunhao 2012
Rogenia
 
Formação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre EucaristiaFormação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre Eucaristia
Gulyver Palestras e Treinamentos
 
Ecc a família na construção do mundo
Ecc   a família na construção do mundoEcc   a família na construção do mundo
Ecc a família na construção do mundo
Presentepravoce SOS
 

Mais procurados (20)

Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013
Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013
Como orientar as catequeses da fe jornadas nacionais de catequistas de 2013
 
Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)Maria no evangelho de lucas (2012)
Maria no evangelho de lucas (2012)
 
Pastoral da Catequese
Pastoral da CatequesePastoral da Catequese
Pastoral da Catequese
 
Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)
Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)
Cbv missa-catequese-roteiro-exemplo-celebracao-primeira-eucaristia (1)
 
Ficha de inscrição encontro de casais
Ficha de inscrição encontro de casaisFicha de inscrição encontro de casais
Ficha de inscrição encontro de casais
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
2017 4ºano festa da palavra
2017 4ºano festa da palavra2017 4ºano festa da palavra
2017 4ºano festa da palavra
 
Guião pai nosso 2017
Guião pai nosso   2017Guião pai nosso   2017
Guião pai nosso 2017
 
Oferecimento terço
Oferecimento terçoOferecimento terço
Oferecimento terço
 
Catequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parteCatequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parte
 
celebração do credo.pdf
celebração do credo.pdfcelebração do credo.pdf
celebração do credo.pdf
 
Planejamento ministerio de crianças e juniores
Planejamento ministerio de crianças e junioresPlanejamento ministerio de crianças e juniores
Planejamento ministerio de crianças e juniores
 
Festa do acolhimento 21 nov10
Festa do acolhimento 21 nov10Festa do acolhimento 21 nov10
Festa do acolhimento 21 nov10
 
Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)
Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)
Oração e benção de envio 2º congresso diocesano (1)
 
Meditacao do Terco
Meditacao do TercoMeditacao do Terco
Meditacao do Terco
 
Sacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônioSacramento do matrimônio
Sacramento do matrimônio
 
Folheto batismo
Folheto batismoFolheto batismo
Folheto batismo
 
Folheto 1° comunhao 2012
Folheto 1° comunhao 2012Folheto 1° comunhao 2012
Folheto 1° comunhao 2012
 
Formação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre EucaristiaFormação de Pais Sobre Eucaristia
Formação de Pais Sobre Eucaristia
 
Ecc a família na construção do mundo
Ecc   a família na construção do mundoEcc   a família na construção do mundo
Ecc a família na construção do mundo
 

Semelhante a Uma proposta de caminhada para a profissão de fé

Ano da fé actualizado
Ano da fé actualizadoAno da fé actualizado
Ano da fé actualizado
Fábio Soares
 
A Porta da Fé
A Porta da FéA Porta da Fé
A Porta da Fé
Clarisse Kopp
 
O ano da fé
O ano da féO ano da fé
Ano da fé
Ano da féAno da fé
Ano da fé
JP Sanita
 
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
Helio Diniz
 
Temas Ano da Fé
Temas Ano da FéTemas Ano da Fé
Temas Ano da Fé
pr_afsalbergaria
 
A fé
A féA fé
Conceito de fé
Conceito de féConceito de fé
Conceito de fé
fbarboith
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
Creio em Jesus Cristo -10 º ano catequese
Creio em Jesus Cristo -10 º ano catequeseCreio em Jesus Cristo -10 º ano catequese
Creio em Jesus Cristo -10 º ano catequese
catsimoes
 
O Credo Apostólico
O Credo ApostólicoO Credo Apostólico
O Credo Apostólico
Ary Queiroz Jr
 
Dízimo no Ano da Fé
Dízimo no Ano da Fé Dízimo no Ano da Fé
Dízimo no Ano da Fé
Conage
 
Porta Fidei [síntese]
Porta Fidei [síntese]Porta Fidei [síntese]
Porta Fidei [síntese]
Blog VALDERI
 
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amorEntregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Fábio Vasconcelos
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
boasnovassena
 
Estudo - Ano da fé ficha-03
Estudo - Ano da fé ficha-03Estudo - Ano da fé ficha-03
Estudo - Ano da fé ficha-03
Bernadetecebs .
 
Quem é Jesus
Quem é JesusQuem é Jesus
Quem é Jesus
Jucieudo Costa
 
RED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
RED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxRED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
RED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
Os traços característicos da igreja fiel
Os traços característicos da igreja fielOs traços característicos da igreja fiel
Os traços característicos da igreja fiel
Sebastião Luiz Chagas
 
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Robson Rocha
 

Semelhante a Uma proposta de caminhada para a profissão de fé (20)

Ano da fé actualizado
Ano da fé actualizadoAno da fé actualizado
Ano da fé actualizado
 
A Porta da Fé
A Porta da FéA Porta da Fé
A Porta da Fé
 
O ano da fé
O ano da féO ano da fé
O ano da fé
 
Ano da fé
Ano da féAno da fé
Ano da fé
 
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
INICIAÇÃO CRISTÃ Nº01
 
Temas Ano da Fé
Temas Ano da FéTemas Ano da Fé
Temas Ano da Fé
 
A fé
A féA fé
A fé
 
Conceito de fé
Conceito de féConceito de fé
Conceito de fé
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Creio em Jesus Cristo -10 º ano catequese
Creio em Jesus Cristo -10 º ano catequeseCreio em Jesus Cristo -10 º ano catequese
Creio em Jesus Cristo -10 º ano catequese
 
O Credo Apostólico
O Credo ApostólicoO Credo Apostólico
O Credo Apostólico
 
Dízimo no Ano da Fé
Dízimo no Ano da Fé Dízimo no Ano da Fé
Dízimo no Ano da Fé
 
Porta Fidei [síntese]
Porta Fidei [síntese]Porta Fidei [síntese]
Porta Fidei [síntese]
 
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amorEntregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
Entregas: Creio, Pai nosso e Mandamento do amor
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
Estudo - Ano da fé ficha-03
Estudo - Ano da fé ficha-03Estudo - Ano da fé ficha-03
Estudo - Ano da fé ficha-03
 
Quem é Jesus
Quem é JesusQuem é Jesus
Quem é Jesus
 
RED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
RED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxRED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
RED269-Aula3.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Os traços característicos da igreja fiel
Os traços característicos da igreja fielOs traços característicos da igreja fiel
Os traços característicos da igreja fiel
 
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
 

Mais de Paroquia Cucujaes

A familia e os frageis irma conceiçao
A familia e os frageis  irma conceiçaoA familia e os frageis  irma conceiçao
A familia e os frageis irma conceiçao
Paroquia Cucujaes
 
Eucaristia - repartir unir
Eucaristia - repartir unirEucaristia - repartir unir
Eucaristia - repartir unir
Paroquia Cucujaes
 
2 encontro introdutório - catequese familiar
2 encontro introdutório - catequese familiar2 encontro introdutório - catequese familiar
2 encontro introdutório - catequese familiar
Paroquia Cucujaes
 
1 encontro introdutório catequese familiar
1 encontro introdutório catequese familiar1 encontro introdutório catequese familiar
1 encontro introdutório catequese familiar
Paroquia Cucujaes
 
Trabalhos do 5 ano catequese
Trabalhos do 5 ano catequeseTrabalhos do 5 ano catequese
Trabalhos do 5 ano catequese
Paroquia Cucujaes
 
Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)
Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)
Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)
Paroquia Cucujaes
 
Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011
Paroquia Cucujaes
 

Mais de Paroquia Cucujaes (7)

A familia e os frageis irma conceiçao
A familia e os frageis  irma conceiçaoA familia e os frageis  irma conceiçao
A familia e os frageis irma conceiçao
 
Eucaristia - repartir unir
Eucaristia - repartir unirEucaristia - repartir unir
Eucaristia - repartir unir
 
2 encontro introdutório - catequese familiar
2 encontro introdutório - catequese familiar2 encontro introdutório - catequese familiar
2 encontro introdutório - catequese familiar
 
1 encontro introdutório catequese familiar
1 encontro introdutório catequese familiar1 encontro introdutório catequese familiar
1 encontro introdutório catequese familiar
 
Trabalhos do 5 ano catequese
Trabalhos do 5 ano catequeseTrabalhos do 5 ano catequese
Trabalhos do 5 ano catequese
 
Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)
Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)
Jv cat (TEMA: “Do Catecismo da Igreja católica aos Catecismos Nacionais”)
 
Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011Preparaçao 1ª comunhao 2011
Preparaçao 1ª comunhao 2011
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Uma proposta de caminhada para a profissão de fé

  • 1. AAss CCaatteeqquueesseess ddaa FFéé CCoommoo aa ccaatteeqquueessee ccoonndduuzz àà ccoonnvveerrssããoo
  • 2. Situar as «Catequeses da Fé» • Uma proposta de caminhada para a profissão de fé • Valorização de uma celebração marcante na vida dos adolescentes, famílias e comunidades • Diversidade de tradições e modos de celebrar • Síntese da fé num momento de transição
  • 3. Situar as «Catequeses da Fé» • Projeto específico, mas integrado no itinerário catequético • Uma síntese do caminho já feito e um abrir de novos horizontes • Destinatários da proposta pedagógica: adolescentes • Não tem um ano específico: apresenta-se a possibilidade de ser integrado na caminhada do 6º ou do 7º ano
  • 5. • «Que é o homem?» (Sl 8, 5) • AA qquueessttããoo ppeerrccoorrrree ttooddaa aa hhiissttóórriiaa ddaa hhuummaanniiddaaddee,, • ee aa hhiissttóórriiaa ddee ccaaddaa ppeessssooaa hhuummaannaa:: «qquuee éé oo hhoommeemm?? qquueemm ssoouu eeuu??»
  • 6. Deus dá-se a conhecer • O contemplar do milagre da vida, a busca de sentido, o perseguir da verdade da beleza e da bondade, levaram a humanidade a levantar os olhos para a transcendência, a compreender-se numa ligação… • O homem deseja Deus: «Ó Deus, Tu és o meu Deus! Anseio por ti! A minha alma tem sede de ti» (Sl 62, 2).
  • 7. Deus dá-se a conhecer • Mas, nesta história, há uma outra busca: a de Deus. • Foi Ele quem se foi dando a conhecer, tirando o véu, rasgando o céu. • Até que Ele mesmo se fez um de nós: Jesus Cristo, verdadeiro Deus, dá-nos a conhecer o rosto de Deus e, verdadeiro homem, revela-nos o nosso próprio mistério.
  • 8. Deus dá-se a conhecer • É a história deste Deus que se dá a conhecer que percorre os livros da Bíblia…
  • 14. O homem responde a Deus • Abrão, Moisés… As páginas bíblicas são testemunho deste Deus que vem visitar a humanidade. • E as mesmas páginas enchem-se também, das histórias destes homens e mulheres que sabem perceber a presença de Deus e a Ele se confiam.
  • 15. O homem responde a Deus • Ao Deus, que se revela, o homem corresponde confiando-se, «adentrando-se » na sua presença, acolhendo e cumprindo a sua palavra: «Faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38), dirá Maria… • E os Magos do Oriente, ao seguirem a estrela da noite, vieram adorar a Luz da Luz, que é fruto deste sim de Maria.
  • 16. Assim é a fé • Nesta rreellaaççããoo entre Deus e a pessoa humana, tudo o que se passa tem por base, está alicerçado, no ddiiáállooggoo: • Deus fala, revela-se, vem procurar-nos; • nós respondemos, acolhemos, confiamos, adentramo-nos n’Ele…
  • 17. Assim é a fé • AA fféé éé,, eesssseenncciiaallmmeennttee,, uummaa rreellaaççããoo ddee ccoonnffiiaannççaa:: mesmo sem nunca conseguirmos abarcar totalmente o mistério de Deus, sabemos que Ele nos abarca a nós e preenche o mistério da nossa vida.
  • 18. Assim é a fé • Querer conhecê-l’O sempre mais e confiarmos que a sua palavra é para nós um ccaammiinnhhoo ddee ffeelliicciiddaaddee, eis o essencial da fé enquanto conhecimento e confiança.
  • 19. ddoomm ssaallvvaaççããoo rreessppoossttaa ggaarraannttiiaa ccoonnffiiaarr rreellaaççããoo FFÉÉ ccééuu
  • 20. Partilhar a fé • «Vinde e vereis» (Jo 1, 39). Entrar na “casa” de Jesus, conhecê-l’O de perto, entrar na sua intimidade, é o caminho da fé. • Esta relação com Jesus é pessoal, mas só é possível numa relação partilhada com aqueles que vivem dentro dessa mesma relação.
  • 21. Partilhar a fé • «A fé é um acto pessoal, uma resposta livre do homem à proposta de Deus que Se revela. Mas não é um acto isolado. Ninguém pode acreditar sozinho, tal como ninguém pode viver só. Ninguém se deu a fé a si mesmo, como ninguém a si mesmo se deu a vida. Foi de outrem que o crente recebeu a fé; a outrem a deve transmitir. O nosso amor a Jesus e aos homens impele-nos a falar aos outros da nossa fé. Cada crente é, assim, um elo na grande cadeia dos crentes. Não posso crer sem ser amparado pela fé dos outros, e pela minha fé contribuo também para amparar os outros na fé» (CIC 166).
  • 22. Partilhar a fé • «Como hão-de acreditar naquele de quem não ouviram falar? E como hão-de ouvir falar, sem alguém que o anuncie?» (Rom 10, 14). • A Igreja é a comunidade de crentes, unidos pela mesma fé em Jesus Cristo, que procura possibilitar o encontro com Jesus Cristo, que insere cada crente na aventura de conhecer e aderir a Jesus tal como Ele se deu a conhecer.
  • 23. Partilhar a fé • De facto, se «a fé é aquilo que uma pessoa tem de mais pessoal» ela «não é um assunto privado. Quem deseja crer tem de poder dizer tanto “eu” como “nós”, pois uma fé que não possa ser partilhada e comunicada seria irracional. Cada crente dá o seu consentimento ao credo da Igreja. Dela recebeu a fé. Foi ela que, ao longo dos séculos, lhe transmitiu a fé, a guardou de adulterações e a clarificou constantemente. Crer é, portanto, tomar parte de uma convicção comum. A fé dos outros transporta-me, como também o fogo da minha fé incendeia os outros e os fortalece. O “eu” e o “nós” da fé remetem-nos para os dois símbolos da fé da Igreja, pronunciados na Liturgia: o Símbolo dos Apóstolos (…) e o grande Símbolo Niceno-Constantinopolitano» (Youcat 24).
  • 24. O expressar da fé • Quando se ama de verdade, não se pode esconder o amor; o amor arranja sempre formas de se dar a conhecer, de se revelar e exprimir… • Escreve São Paulo: «Lembro-vos, irmãos, o evangelho que vos anunciei, que vós recebestes, no qual permaneceis firmes e pelo qual sereis salvos, se o guardardes tal como eu vo-lo anunciei; de outro modo, teríeis acreditado em vão. Transmiti-vos, em primeiro lugar…» (1Cor 15, 1-3).
  • 25. O expressar da fé • Este texto fala-nos desta necessidade que, desde o início, a Igreja sentiu: procurar exprimir e transmitir a fé em fórmulas breves, que condensassem o essencial do mistério revelado em Jesus Cristo. • Não foi a Igreja a “definir” os “conteúdos da fé”: acolheu-os e deve manter este tesouro que lhe foi confiado.
  • 26. O expressar da fé • A estas “sínteses da fé” chamamos: • Profissões de fé: porque resumem a fé professada pelos cristãos; • Credos: porque começam com a afirmação «Creio»; • Símbolos da fé: porque são um sinal de identificação e de comunhão entre os crentes, e um sumário das principais verdades da fé.
  • 27. O expressar da fé • Acolhendo a missão, dada por Jesus, de fazer discípulos de todos os povos «baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo» (Mt 28, 19), a Igreja, àqueles que pediam o baptismo, começou a “mostrar” o rosto trinitário de Deus com estas breves formulações. Com o tempo, foram evoluindo, e hoje conservamos dois textos fundamentais:
  • 28. O expressar da fé • Símbolo dos Apóstolos Assim chamado porque se considera o resumo fiel da fé dos Apóstolos. A sua grande autoridade vem-lhe do facto de ser o símbolo batismal adotado pela Igreja de Roma. • Símbolo de Niceia-Constantinopla Assim designado porque o texto resulta destes dois primeiros concílios ecuménicos, o de Niceia, em 325, e de Constantinopla, em 381. Desde então que é uma referência para as Igrejas do Oriente e Ocidente.
  • 30. Algumas opções de base • A fé como a construção de uma relação pessoal, uma amizade que é um tesouro
  • 31. Algumas opções de base • As catequeses como espaço e tempo de vivência do encontro
  • 32. Algumas opções de base • Integrar a fé pessoal na história da salvação e na comunidade
  • 33. Algumas opções de base • Fontes: 1. Bíblia, 2. Catecismo da Igreja Católica, 3. Youcat
  • 34. Algumas opções de base • Dimensão simbólica transversal: Tesouro
  • 35. OO ppeerrccuurrssoo ddaass «CCaatteeqquueesseess ddaa FFéé»
  • 36. Catequese 1: «Eu creio, Senhor» (Jo 9, 38) Objectivos: 1. Reconhecer a fé como um dom de Deus acolhido, vivido, celebrado e aprofundado em Igreja; 2. Partilhar a resposta de fé a Deus, no grupo; 3. Conhecer o percurso que leva à formulação dos símbolos da fé; 4. Receber o texto do Credo (celebração). Celebração da entrega do Credo
  • 37. Catequese 2 «Abbá Pai, tudo te é possível…» (Mc 14, 36) Um só Deus Pai todo-poderoso O que nos diz Jesus do Pai? O poder do todo-poderoso Criador do céu e da terra A fé e a ciência Senhor do céu e da terra
  • 38. Catequese 2 «Abbá Pai, tudo te é possível…» (Mc 14, 36) Objectivos: 1. Aprofundar os conteúdos do primeiro artigo da fé; 2. Abordar o Mistério da Santíssima Trindade, e da Paternidade e Omnipotência de Deus Pai. 3. Examinar a origem do universo e da vida à luz da fé; 4. Professar a fé em Deus Pai;
  • 39. Catequese 3 «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo» (Mt, 16, 16) «Vós não o abandonastes ao poder da morte» «E o Verbo fez-se homem e veio habitar connosco» Filho Unigénito de Deus, consubstancial ao Pai Identidade e missão de Jesus Cristo Encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria
  • 40. Catequese 3 «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo» (Mt, 16, 16) Objectivos: 1. Aprofundar os conteúdos do símbolo da fé relativos ao Filho Unigénito; 2. Reconhecer em Jesus Cristo o Filho Unigénito de Deus que desceu dos Céus para nossa salvação; 3. Professar a fé em Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, nascido da Virgem Maria; 4. Celebrar o perdão de Deus (celebração penitencial) Celebração penitencial
  • 41. Catequese 4 «Homem acreditado por Deus, Deus o ressuscitou» (At 2, 22-24) «Jesus de Nazaré andou de lugar em lugar, fazendo o bem» «Messias crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gentios» Por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado «Deus o ressuscitou» Ressuscitou ao terceiro dia Subiu aos Céus, onde está sentado à direita do Pai De novo há-de vir em sua glória
  • 42. Catequese 4 «Homem acreditado por Deus, Deus o ressuscitou» (At 2, 22-24) Objectivos: 1. Conhecer os conteúdos do símbolo da fé relativos ao Filho Unigénito; 2. Aprofundar o sentido do Mistério Pascal; 3. Professar a fé em Jesus Cristo morto e ressuscitado, fonte da esperança.
  • 43. Catequese 5 «O Paráclito vos ensinará tudo» (Jo 14, 26) «Recebei o Espírito Santo» Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho «Viu o Espírito de Deus descer como uma pomba» Ele que falou pelos profetas
  • 44. Catequese 5 «O Paráclito vos ensinará tudo» (Jo 14, 26) Objectivos: 1. Aprofundar os conteúdos do símbolo da fé relativos ao Espírito Santo; 2. Conhecer os símbolos do Espírito Santo; 3. Professar a fé Espírito Santo, Senhor que dá a vida. 4. Viver este encontro como presença eficaz do Espírito Santo e descobrir como isso acontece, neste e nos outros encontros.
  • 45. Catequese 6 «Sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja» (Mt 16, 18) «É Ele [Cristo] a cabeça do Corpo, que é a Igreja» Una, santa, católica e apostólica Remissão dos pecados, ressurreição dos mortos, vida que há-de vir… Um só Baptismo para remissão dos pecados A ressurreição dos mortos, e a vida do mundo que há-de vir
  • 46. Catequese 6 «Sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja» (Mt 16, 18) Objectivos: 1. Aprofundar os conteúdos do símbolo da fé relativos à Igreja; 2. Conhecer o sentido das notas da Igreja; 3. Tomar consciência de que se é membro da Igreja; 4. Aprofundar os conteúdos do símbolo da fé relativos à vida eterna; 5. Professar a fé em Igreja (Celebração da Fé). Celebração da fé
  • 48. A proposta pedagógica • Uma proposta de trabalho é sempre um ponto de partida, não um capítulo encerrado… • Como utilizar o guia e os materiais disponibilizados?
  • 49. A proposta pedagógica • Objectivos • Conteúdos • Observações pedagógicas
  • 50. A proposta pedagógica • Caixa do tesouro • Dinâmicas e jogos; • Envolvência de pais, pessoas da comunidade, pároco… • Tempos pessoais de reflexão e oração; • Trabalhos de grupo, • Celebrações…
  • 51. A proposta pedagógica • Ficha da catequese
  • 52. Conclusão Como a catequese conduz à conversão
  • 53. Conclusão • A conversão é um dom de Deus, vivido na liberdade, só possível no encontro de fé que suscita o desejo do seguimento… • A fé é um dom de Deus que cresce com o conhecimento que se torna relação, amizade partilhada… • A amizade cresce com o tempo partilhado, na cumplicidade criada, num «adentrar-se» e guardar no coração…
  • 54. «A finalidade definitiva da catequese é a de fazer que alguém se ponha, não apenas em contacto, mas em comunhão, em intimidade com Jesus Cristo: somente Ele pode levar ao amor do Pai no Espírito e fazer-nos participar na vida da Santíssima Trindade.» (CT 5)