SlideShare uma empresa Scribd logo
Vista aérea do SITEL Tratamento de Esgoto  conscientização e ação Fernando Azevedo Orth Técnico em Saneamento
Fonte: Eurico Zimbres, www.meioambiente.pro.br " CICLO HIDROLÓGICO
Nascente Rio Caí, RS
Montenegro
 
NASCENTES SEM PROTEÇÃO MARGENS SEM PROTEÇÃO LIXO JOGADO NA ÁGUA Despejos in natura
Arroio Montenegro Rio do Sinos RIO CAI – Captação I
 
Breve histórico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Esgoto Doméstico Resíduos: *Sólidos -Líquidos *Emissão atmosférica ETE Corpo Receptor
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Considerações Iniciais
Gerenciamento de Efluentes Líquidos Domésticos  ,[object Object],[object Object],[object Object],Considerações Iniciais
O emissário de Ipanema, o primeiro do Brasil, foi projetado e construído no início dos anos 1970.
Uma  torrente imunda que o emissário submarino de Ipanema lança no mar. Sem qualquer tratamento. .. Agora pense que isso vem acontecendo há mais de 35 anos.
Gerenciamento de Efluentes Líquidos Domésticos. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Considerações Iniciais
Gerenciamento de Efluentes Líquidos Domésticos e Industriais ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Considerações Iniciais
Custo do  Investimento ,[object Object]
CIDADE ESGOTO SANITÁRIO GRAVIDADE OU   RECALQUE TRATAMENTO  PRELIMINAR TRATAMENTO  PRIMÁRIO TRATAMENTO SECUNDÁRIO TRATAMENTO  TERCIÁRIO CORPO  RECEPTOR VISÃO GERAL DO SES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ETA
Gerenciamento de Efluentes Líquidos Domésticos e Industriais ,[object Object]
Lei Federal 11.445/07 ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fonte:Pesquisa do Instituto Methodus – julho 2009
TRATAMENTO DE ESGOTO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO    DE ESGOTOS SANITÁRIOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],Lançamento de Efluentes
Sistemas de tratamento  existentes na Corsan - Decanto-digestores  - Lagoas aeradas e de estabilização - Lodo ativado - Disposição no solo
  Tratamento Preliminar:  São retirados do esgoto os sólidos grosseiros, como lixo e areia.       Processo:  Utiliza processos físicos, como gradeamento, peneiramento e a sedimentação.  Níveis do Tratamento
Grade e caixa de areia Tratamento preliminar
Limpeza  caixa de areia
Níveis do Tratamento ,[object Object]
Níveis do Tratamento ,[object Object],[object Object]
 
Níveis do Tratamento ,[object Object]
Filtro biológico
Representação esquemática de um sistema de tratamentos anaeróbio do tipo UASB  Representação esquemática de um sistema de filtro anaeróbio
Níveis do Tratamento ,[object Object],[object Object],[object Object]
Tipos mais comuns de tratamento secundário: ,[object Object]
Representação esquemática de um sistema de lagoas de estabilização  Lagoa Aeróbia Grade +  Desarenador Lagoa Facultativa Corpo Receptor
ETE  Santa Rosa  Lagoa estabilização
ETE  - Rosário do Sul  Lagoa estabilização
Lagoa de Estabilização 1 do SITEL
ETE Gramado - Sistema RALF  Reator anaeróbio de leito fluidizado Sistema Proposto para Montenegro
 
- Esgotamento do SES para Montenegro: A avaliação das características topográficas e de ocupação do solo, bem como das áreas potenciais das estações de tratamento, apontam para localização de duas ETEs, uma na bacia do Arroio Montenegro e a outra na bacia Arroio da Cria.  - Rede Coletora: O sistema de coleta a ser avaliado no SES de Montenegro será o separador absoluto.  - Elevatórias de Esgotos: As elevatórias de esgotos propostas para o SES serão para interligação de bacias sanitárias ao sistema geral de coleta e afastamento dos esgotos, adotando-se nestes casos unidades compostas de elevatória propriamente dita e emissário por recalque ; - Tratamento dos Esgotos: Com base em todas as informações disponíveis identificou-se para processo de tratamento do sistema de esgoto a ETE poderá contar com reator anaeróbio, filtro biológico, leitos de secagem e banhado entre as opções de áreas potenciais
O funcionamento do  RALF  é simples. Consiste inicialmente em conduzir o esgoto bruto para um gradeamento fino a fim de remover os sólidos flutuantes e em suspensão; e a um desarenador para remover sólidos sedimentáveis prejudiciais ao processo.  Após o esgoto estar gradeado e desarenado, é conduzido até uma câmara no centro superior do reator; onde é dividido em partes iguais para alimentar tubos difusores, que conduzem o esgoto até o fundo do mesmo. Na parte inferior do reator, o esgoto em fluxo ascendente é misturado com o lodo contido em um manto previamente formado ou inoculado, rico em bactérias anaeróbias.  A matéria orgânica contida no esgoto (80%) fica retida neste manto de lodo e é degradada e estabilizada por meio da atividade metabólica das bactérias.  RALF
As bactérias contidas no manto de lodo transformam a matéria orgânica suspensa em produtos estáveis, como água, biogás e outros elementos inertes. Na parte superior do reator existe uma parede defletora, que serve de interface da zona de digestão e de decantação. Os gases formados se concentram na parte superior interna do reator de onde, através de um tubo, podem ser descartados ou reaproveitados para fins energéticos.  A parte sólida arrastada pelos gases retorna ao manto de lodo após o desprendimento das bolhas geradas. O líquido segue para o decantador periférico e é vertido para uma canaleta que coleta todo o efluente tratado e o conduz para o emissário. Este emissário pode conduzir o efluente para um corpo receptor ou para um pós-tratamento. O lodo excedente gerado no reator deve ser removido periodicamente para leitos de secagem e aterros sanitários.
 
 
Tipos mais comuns de tratamento secundário: ,[object Object]
Representação esquemática de um sistema de lodos ativados com lagoa aerada
ETE - Santa Maria Lodo ativado
Valo de oxidação  -  Estância Velha
Níveis do Tratamento ,[object Object],[object Object]
Níveis do Tratamento ,[object Object],[object Object]
Leitos de secagem
Disposição no solo Tratamento preliminar:  por Gradeamento e Desarenador Tratamento primário: na bacia de infiltração Tratamento secundário: na bacia de infiltração Tratamento terciário: na bacia de infiltração
Projeto  ETE Capão da Canoa Disposição  no solo
ETE  - Capão da Canoa
ETE Tramandaí
Cinturão arborizado Capão da Canoa
O tratamento de efluentes domésticos é uma etapa fundamental na recuperação e preservação dos nossos recursos hídricos. Saneamento de qualidade, é qualidade de vida.  Para lembrar:
Patagônia, Argentina O que será da Mãe Natureza, se nossas crianças não desfrutarem deste espetáculo chamado Terra?
terra.pps FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...TvSaj
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoGrazi Grazi
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoLuan Furtado
 
Livro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º anoRenan Silva
 
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da águaISJ
 
A água e o tratamento da água
A água e o tratamento da águaA água e o tratamento da água
A água e o tratamento da águaISJ
 
áGua e saneamento básico 5 ano
áGua e saneamento básico 5 anoáGua e saneamento básico 5 ano
áGua e saneamento básico 5 anoLuizinha Marçal
 

Mais procurados (14)

Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
 
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
 
Água Potável
Água PotávelÁgua Potável
Água Potável
 
Saneamento Ambiental
Saneamento AmbientalSaneamento Ambiental
Saneamento Ambiental
 
Livro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 10 ciencias 6º ano
 
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
 
Saneamento Ambiental Trabalho
Saneamento Ambiental  TrabalhoSaneamento Ambiental  Trabalho
Saneamento Ambiental Trabalho
 
Qualidade aa água
Qualidade aa águaQualidade aa água
Qualidade aa água
 
GESTÃO DA ÁGUA
 GESTÃO DA ÁGUA GESTÃO DA ÁGUA
GESTÃO DA ÁGUA
 
Efluentes
EfluentesEfluentes
Efluentes
 
A água e o tratamento da água
A água e o tratamento da águaA água e o tratamento da água
A água e o tratamento da água
 
áGua e saneamento básico 5 ano
áGua e saneamento básico 5 anoáGua e saneamento básico 5 ano
áGua e saneamento básico 5 ano
 

Destaque

Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RSTratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RSFranciel Dors
 
Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...
Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...
Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...Instituto Besc
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2João Boos Boos
 
Palestra Saneamento
Palestra SaneamentoPalestra Saneamento
Palestra SaneamentoJoseSimas
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2João Boos Boos
 
Etapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaEtapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaGiullia Netto
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoLuan Furtado
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioJoão Ricardo Bertoncini
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgotoClaudio Santos
 
Aula 2 - Misturas, tipos e métodos de separação
Aula 2 - Misturas, tipos e métodos de separaçãoAula 2 - Misturas, tipos e métodos de separação
Aula 2 - Misturas, tipos e métodos de separaçãoMaiquel Vieira
 
Manual de saneamento - FUNASA
Manual de saneamento  - FUNASAManual de saneamento  - FUNASA
Manual de saneamento - FUNASALaise Bastos
 
Engenharia hidraulica r. j. houghtalen 4ª ed
Engenharia hidraulica   r. j. houghtalen 4ª edEngenharia hidraulica   r. j. houghtalen 4ª ed
Engenharia hidraulica r. j. houghtalen 4ª edGabriel Reis
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básicoThaisRocha05
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAndréa Camara
 

Destaque (20)

Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RSTratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
Tratamento de esgoto - Estação Compacta - Estrela-RS
 
Aula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.revAula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.rev
 
Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...
Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...
Uso de Efluente de Sistemas de Tratamento de Esgoto na Agricultura, por Adolp...
 
16pedag.pe
16pedag.pe16pedag.pe
16pedag.pe
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Palestra Saneamento
Palestra SaneamentoPalestra Saneamento
Palestra Saneamento
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
Apostila de esgoto
Apostila de esgoto Apostila de esgoto
Apostila de esgoto
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Etapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaEtapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de água
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
 
Saneamento Ambiental
Saneamento AmbientalSaneamento Ambiental
Saneamento Ambiental
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
 
Aula 2 - Misturas, tipos e métodos de separação
Aula 2 - Misturas, tipos e métodos de separaçãoAula 2 - Misturas, tipos e métodos de separação
Aula 2 - Misturas, tipos e métodos de separação
 
Manual de saneamento - FUNASA
Manual de saneamento  - FUNASAManual de saneamento  - FUNASA
Manual de saneamento - FUNASA
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
 
Engenharia hidraulica r. j. houghtalen 4ª ed
Engenharia hidraulica   r. j. houghtalen 4ª edEngenharia hidraulica   r. j. houghtalen 4ª ed
Engenharia hidraulica r. j. houghtalen 4ª ed
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água fria
 

Semelhante a TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.

TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.João Boos Boos
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Carlos Elson Cunha
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotosLarissa Freire
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotosBruna Sampaio
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiaNilton Goulart
 
Saneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaSaneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaecoaplicada
 
Apresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéApresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéInácio Tabosa
 
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdfTRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdfalexandrebarbosa458805
 
Águas de Março Teresópolis
Águas de Março TeresópolisÁguas de Março Teresópolis
Águas de Março TeresópolisTiago Oliveira
 
Cartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoCartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoandregrs
 
Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”
Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”
Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”Universidade Corporativa do Transporte
 
Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)
Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)
Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)Nasa Soares Santana
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAPaula Bianchi
 
Apresentação projetos 3 e 4 aula 2
Apresentação projetos 3 e 4 aula 2Apresentação projetos 3 e 4 aula 2
Apresentação projetos 3 e 4 aula 2escola
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da ÁguaAdminefa
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoTtavares
 
Redes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de águaRedes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de águaMateus Dezotti
 

Semelhante a TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007. (20)

TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Saneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaízaSaneamento básico dra anaíza
Saneamento básico dra anaíza
 
Apresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéApresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajé
 
Geren efluentes
Geren efluentesGeren efluentes
Geren efluentes
 
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdfTRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
 
Águas de Março Teresópolis
Águas de Março TeresópolisÁguas de Março Teresópolis
Águas de Março Teresópolis
 
Cartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoCartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologico
 
Cartilha manejo bx
Cartilha manejo bxCartilha manejo bx
Cartilha manejo bx
 
Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”
Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”
Ciclo de Palestra "Reuso de água: iniciativa ambiental no setor de transportes”
 
Estudo do caso 2 saneamento
Estudo do caso 2   saneamentoEstudo do caso 2   saneamento
Estudo do caso 2 saneamento
 
Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)
Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)
Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
 
Apresentação projetos 3 e 4 aula 2
Apresentação projetos 3 e 4 aula 2Apresentação projetos 3 e 4 aula 2
Apresentação projetos 3 e 4 aula 2
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
 
Redes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de águaRedes de abastecimento de água
Redes de abastecimento de água
 

Mais de João Boos Boos

Apresentação alerta caí
Apresentação alerta caíApresentação alerta caí
Apresentação alerta caíJoão Boos Boos
 
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos   montenegroCópia de estação de tramento de esgotos   montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegroJoão Boos Boos
 
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos   montenegroCópia de estação de tramento de esgotos   montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegroJoão Boos Boos
 
Apresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entação
Apresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entaçãoApresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entação
Apresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entaçãoJoão Boos Boos
 
Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.
Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.
Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.João Boos Boos
 
VENHA VIVER A LIBERDADE NAVEGANDO PELO RIO CAÍ.
VENHA  VIVER  A  LIBERDADE  NAVEGANDO  PELO  RIO CAÍ.VENHA  VIVER  A  LIBERDADE  NAVEGANDO  PELO  RIO CAÍ.
VENHA VIVER A LIBERDADE NAVEGANDO PELO RIO CAÍ.João Boos Boos
 

Mais de João Boos Boos (8)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação alerta caí
Apresentação alerta caíApresentação alerta caí
Apresentação alerta caí
 
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos   montenegroCópia de estação de tramento de esgotos   montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegro
 
Pdau lajeado 2010
Pdau lajeado 2010Pdau lajeado 2010
Pdau lajeado 2010
 
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos   montenegroCópia de estação de tramento de esgotos   montenegro
Cópia de estação de tramento de esgotos montenegro
 
Apresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entação
Apresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entaçãoApresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entação
Apresentação 24 aprese citoxidade e genotoxidad entação
 
Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.
Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.
Venha Viever a LIBERDADE Navegando pelo RIO CAÍ.
 
VENHA VIVER A LIBERDADE NAVEGANDO PELO RIO CAÍ.
VENHA  VIVER  A  LIBERDADE  NAVEGANDO  PELO  RIO CAÍ.VENHA  VIVER  A  LIBERDADE  NAVEGANDO  PELO  RIO CAÍ.
VENHA VIVER A LIBERDADE NAVEGANDO PELO RIO CAÍ.
 

Último

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 

Último (20)

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.

  • 1. Vista aérea do SITEL Tratamento de Esgoto conscientização e ação Fernando Azevedo Orth Técnico em Saneamento
  • 2. Fonte: Eurico Zimbres, www.meioambiente.pro.br " CICLO HIDROLÓGICO
  • 5.  
  • 6. NASCENTES SEM PROTEÇÃO MARGENS SEM PROTEÇÃO LIXO JOGADO NA ÁGUA Despejos in natura
  • 7. Arroio Montenegro Rio do Sinos RIO CAI – Captação I
  • 8.  
  • 9.
  • 10. Esgoto Doméstico Resíduos: *Sólidos -Líquidos *Emissão atmosférica ETE Corpo Receptor
  • 11.
  • 12.
  • 13. O emissário de Ipanema, o primeiro do Brasil, foi projetado e construído no início dos anos 1970.
  • 14. Uma torrente imunda que o emissário submarino de Ipanema lança no mar. Sem qualquer tratamento. .. Agora pense que isso vem acontecendo há mais de 35 anos.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. CIDADE ESGOTO SANITÁRIO GRAVIDADE OU RECALQUE TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRIMÁRIO TRATAMENTO SECUNDÁRIO TRATAMENTO TERCIÁRIO CORPO RECEPTOR VISÃO GERAL DO SES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO ETA
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22. Fonte:Pesquisa do Instituto Methodus – julho 2009
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Sistemas de tratamento existentes na Corsan - Decanto-digestores - Lagoas aeradas e de estabilização - Lodo ativado - Disposição no solo
  • 27. Tratamento Preliminar: São retirados do esgoto os sólidos grosseiros, como lixo e areia.      Processo: Utiliza processos físicos, como gradeamento, peneiramento e a sedimentação.  Níveis do Tratamento
  • 28. Grade e caixa de areia Tratamento preliminar
  • 29. Limpeza caixa de areia
  • 30.
  • 31.
  • 32.  
  • 33.
  • 35. Representação esquemática de um sistema de tratamentos anaeróbio do tipo UASB Representação esquemática de um sistema de filtro anaeróbio
  • 36.
  • 37.
  • 38. Representação esquemática de um sistema de lagoas de estabilização Lagoa Aeróbia Grade + Desarenador Lagoa Facultativa Corpo Receptor
  • 39. ETE Santa Rosa Lagoa estabilização
  • 40. ETE - Rosário do Sul Lagoa estabilização
  • 42. ETE Gramado - Sistema RALF Reator anaeróbio de leito fluidizado Sistema Proposto para Montenegro
  • 43.  
  • 44. - Esgotamento do SES para Montenegro: A avaliação das características topográficas e de ocupação do solo, bem como das áreas potenciais das estações de tratamento, apontam para localização de duas ETEs, uma na bacia do Arroio Montenegro e a outra na bacia Arroio da Cria. - Rede Coletora: O sistema de coleta a ser avaliado no SES de Montenegro será o separador absoluto. - Elevatórias de Esgotos: As elevatórias de esgotos propostas para o SES serão para interligação de bacias sanitárias ao sistema geral de coleta e afastamento dos esgotos, adotando-se nestes casos unidades compostas de elevatória propriamente dita e emissário por recalque ; - Tratamento dos Esgotos: Com base em todas as informações disponíveis identificou-se para processo de tratamento do sistema de esgoto a ETE poderá contar com reator anaeróbio, filtro biológico, leitos de secagem e banhado entre as opções de áreas potenciais
  • 45. O funcionamento do RALF é simples. Consiste inicialmente em conduzir o esgoto bruto para um gradeamento fino a fim de remover os sólidos flutuantes e em suspensão; e a um desarenador para remover sólidos sedimentáveis prejudiciais ao processo. Após o esgoto estar gradeado e desarenado, é conduzido até uma câmara no centro superior do reator; onde é dividido em partes iguais para alimentar tubos difusores, que conduzem o esgoto até o fundo do mesmo. Na parte inferior do reator, o esgoto em fluxo ascendente é misturado com o lodo contido em um manto previamente formado ou inoculado, rico em bactérias anaeróbias. A matéria orgânica contida no esgoto (80%) fica retida neste manto de lodo e é degradada e estabilizada por meio da atividade metabólica das bactérias. RALF
  • 46. As bactérias contidas no manto de lodo transformam a matéria orgânica suspensa em produtos estáveis, como água, biogás e outros elementos inertes. Na parte superior do reator existe uma parede defletora, que serve de interface da zona de digestão e de decantação. Os gases formados se concentram na parte superior interna do reator de onde, através de um tubo, podem ser descartados ou reaproveitados para fins energéticos. A parte sólida arrastada pelos gases retorna ao manto de lodo após o desprendimento das bolhas geradas. O líquido segue para o decantador periférico e é vertido para uma canaleta que coleta todo o efluente tratado e o conduz para o emissário. Este emissário pode conduzir o efluente para um corpo receptor ou para um pós-tratamento. O lodo excedente gerado no reator deve ser removido periodicamente para leitos de secagem e aterros sanitários.
  • 47.  
  • 48.  
  • 49.
  • 50. Representação esquemática de um sistema de lodos ativados com lagoa aerada
  • 51. ETE - Santa Maria Lodo ativado
  • 52. Valo de oxidação - Estância Velha
  • 53.
  • 54.
  • 56. Disposição no solo Tratamento preliminar: por Gradeamento e Desarenador Tratamento primário: na bacia de infiltração Tratamento secundário: na bacia de infiltração Tratamento terciário: na bacia de infiltração
  • 57. Projeto ETE Capão da Canoa Disposição no solo
  • 58. ETE - Capão da Canoa
  • 61. O tratamento de efluentes domésticos é uma etapa fundamental na recuperação e preservação dos nossos recursos hídricos. Saneamento de qualidade, é qualidade de vida. Para lembrar:
  • 62. Patagônia, Argentina O que será da Mãe Natureza, se nossas crianças não desfrutarem deste espetáculo chamado Terra?