SlideShare uma empresa Scribd logo
Tratamento de Águas
Residuais (esgoto)
GRUPO:
Ayenned Banhos, Daniel Estevão, Ingrid Siller,
Mariane Lemos, Nasa Soares e Yasmin
Gundim.
INTRODUÇÃO
Conceito;
Classificação;
Estação de tratamento de esgoto;
Relatório da ONU;
Tratamento de esgoto no Brasil;
Tratamento de esgoto em Vitória;
Algumas reportagens;
Conclusão.
2
2
3
4
5
6
7
1
8
conceito
● Reuso planejado, racional e eficiente;
● Toda a água descartada pelas atividades humanas;
● Características naturais alteradas e com uma quantidade
considerável de poluentes;
● Classificação de acordo com a sua origem.
3
1
classificação
● Águas residuais domésticas: banhos, cozinha, lavagem de
pavimento…
● Águas residuais industriais;
● Águas residuais por escorrência urbana: chuvas, regas, lavagem de
pavimentos públicos…
● Águas residuais de infiltração: infiltrações nos coletores de água nos
terrenos;
● Águas residuais turísticas: estabelecimentos hoteleiros ou
complexos turísticos isolados.
4
2
3
Tratamento de esgoto
5
Estação de tratamento de esgoto (ETE)
Etapas
FASE LÍQUIDA
- Gradeamento grosseiro: Ao chegar às ETEs, os
efluentes, passam pelo gradeamento grosseiro,
onde sólidos, como garrafas, pedaços de
madeira e plásticos, ficam retidos nas barras.
Em seguida, o esgoto passa pela estação
elevatória de esgoto bruto. Esse equipamento
leva o esgoto para o nível superior, onde temos
o gradeamento fino e os desarenadores.6
3
- Gradeamento fino: No gradeamento fino,
ficam retidas nas barras, materiais
como papéis, papelões e tecidos.
- Tanque de areia: Ao chegar ao tanque de
areia, o esgoto passa pelo processo de
sedimentação, os grãos de areia mais
densos vão para o fundo.
7
3
- Reatores RAFA (Reatores Anaeróbios de Fluxo
Ascendente): Dentro dos RAFA, a matéria
orgânica sofre decomposição por bactérias
anaeróbias, resultando na remoção de grande
parte dos sólidos. Ocorre, também, a
separação entre as partes líquida, sólida e
gasosa. A parte líquida segue para o próximo
tanque, a sólida, para o tanque de lodo e a
gasosa, para a central de queimadores de
gases.
8
3
9
- Tanque de aeração: Lá, através de
adição de ar, microorganismos
aeróbios são estimulados a se
alimentar de matéria orgânica no
esgoto. Esse processo dá início à
formação do lodo, reduzindo a carga
poluidora da mistura.
- Decantador secundário: O lodo formado
anteriormente sedimenta e o efluente segue
para a próxima etapa, com isso, a parte
líquida já está 90% livre de impurezas.
- Desinfecção ultravioleta: Neste ponto, o
efluente é exposto a raio ultravioleta e, ao
entrar em contato com a luz germicida, as
bactérias presentes tem seu DNA alterado,
tornando-se estéreis e, portanto, inofensivas.
Terminada essa etapa, o efluente já está limpo
e pode ser lançado em rios e córregos.
10
3
FASE SÓLIDA
- Após passarem pelo tanque de lodo, os efluentes são levados até os
adensadores na casa de desidratação, onde em um processo
semelhante à decantação, parte da água do lodo é removida e depois
inicia-se o processo de secagem. Ainda na casa de desidratação, o lodo
passa por um novo processo de secagem, com o objetivo de reduzir o
teor de líquidos da mistura facilitando no transporte desta em forma de
blocos ao aterro. Finalmente, a parte do lodo que não foi digerida é
reintroduzida no sistema. Para isso, segue, novamente, para a estação
elevatória de esgoto, findando todas as etapas do tratamento de esgoto
e reiniciando o ciclo.
11
3
4
Relatório da onu
12
O desafio das águas residuais urbanas.
- População urbana: 1990-314 milhões;2017-496 milhões
- Aumento da geração de águas residuais:
1º aumento da população urbana
2º Aumento do acesso a instalações sanitárias (88%)
13
4
Expansão desigual dos sistemas de tratamento de água
e esgoto.
Eliminação do esgoto onde não existe rede de tratamento:
1º latrinas
2º Tanques sépticos
14
4
Cobertura baixa da rede de tratamento de esgoto :
1º Priorização da expansão do tratamento de água.
2º Restrição de recursos orçamentários.
3º Necessidades de atendimento de questões sociais mais urgentes.
15
4
Consequências:
Meio ambiente
saúde e bem estar da população
desenvolvimento econômico ( agropecuária e turismo)
16
4
Expansão do tratamento de águas residuais urbanas
1º Elevado nível de cobertura do tratamento de água
2ºMelhor condição financeira dos Estados
3ºIntegração das economias regionais com os mercados globais
17
4
Preocupações atuais e oportunidades de expansão
● Apresentação de projetos isolados de tratamento de esgotos,
respondendo a problemas sociais e ambientais locais.
● A Expansão das redes de tratamentos de esgotos requer recursos na
ordem de 33 bilhões de dólares, para ampliar a cobertura de esgoto
para 64% até 2030
18
4
Benefícios do tratamento das águas residuais :
- ambientais;
- saúde;
- socioeconômicos.
19
4
5
Tratamento de esgoto no
brasil
20
Apenas 66% das casas
brasileiras têm acesso a
rede de esgoto
21
5
22
5
23
5
● 74% dos domicílios urbanos têm seu esgoto coletado pela
rede, mas essa proporção é de apenas 7,4% nas áreas rurais,
que recorrem principalmente a fossas (80%);
● Em todo o Brasil, apenas 73,7% do esgoto coletado é
tratado;
● Do esgoto gerado no país (coletado ou não) apenas 46%
recebe tratamento.
24
5
● De acordo com o Ministério
da saúde houve três milhões
de internações por conta de
doenças relacionadas à
insuficiência de saneamento
básico em dez anos, entre
2009 e 2018;
● No Brasil, o número de
internações por 100 mil
habitantes passou de 184,7,
em 2009, para 65,6 em 2018.
25
5
De janeiro a março de 2019,
houve 32,4 mil internações por
doenças relacionadas à
insuficiência de saneamento
básico e as crianças foram as
mais afetadas: 40% das
internações foram de pessoas
de até 14 anos.
6
Tratamento de esgoto em
Vitória
26
27
6
7
Algumas reportagens
28
29
7
30
7
31
7
32
7
33
7
8
CONCLUSÃO
34
35
8
● Políticas públicas de tratamento sejam implementadas, bem como
projetos de conscientização da população;
● Agricultura: armazenamento, tratamento e destinação;
● Irrigação de paisagens urbanas e de campos para cultivo;
● Refrigeração de caldeiras e águas de processamento;
● Combate ao fogo, construções, descarga de vasos sanitários, controle de
poeira, sistemas de ar condicionado, lavagem de ruas, pontos de ônibus e
veículos;
● Indústrias de pesca.
36
● Pensamento Verde. O que são águas residuais? Disponível em:
<https://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/o-que-sao-aguas-
residuais/>. Acesso em: 11 de junho de 2019.
● Fragmac. O Entenda o conceito de águas residuais e a importância de seu
tratamento. Disponível em: <https://www.pensamentoverde.com.br/meio-
ambiente/o-que-sao-aguas-residuais/>. Acesso em: 11 de junho de 2019.
● RELATÓRIO MUNDIAL DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS
HÍDRICOS 2017
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
37
● Nações Unidas do Brasil. ONU: 4,5 bilhões de pessoas não dispõem de saneamento
seguro no mundo. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/onu-45-bilhoes-de-
pessoas-nao-dispoem-de-saneamento-seguro-no-mundo/>. Acesso em: 12 de junho
de 2019.
● Cultura Livre . Tratamento de Água e Esgoto. Estação de Tratamento de Efluentes.
Disponível em:
<https://culturalivre.com/tratamento_de_agua_e_esgoto_estacao_de_tratamento
_de_efluentes/>.Acesso em: 12 de junho de 2019.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aproveitamento de agua de chuva first flush
Aproveitamento de agua de chuva first flushAproveitamento de agua de chuva first flush
Aproveitamento de agua de chuva first flush
Lucelino da Costa Laranjeira
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
Carlos Elson Cunha
 
Estacoes tratamento esgoto
Estacoes tratamento esgotoEstacoes tratamento esgoto
Estacoes tratamento esgoto
Alexandre Panerai
 
CaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De ChuvaCaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De Chuva
Ionara Urrutia Moura
 
Captação de água da chuva - MIDS
Captação de água da chuva - MIDSCaptação de água da chuva - MIDS
Captação de água da chuva - MIDS
Silviene Florentino
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
saramandaia
 
Seminario aterros
Seminario   aterrosSeminario   aterros
Seminario aterros
Carlos Elson Cunha
 
Esgotos e Lixeiras
Esgotos e LixeirasEsgotos e Lixeiras
Esgotos e Lixeiras
claudialopes
 
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Semasa - Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André
 
A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...
A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...
A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...
B&R Consultoria Empresarial
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
Paula Bianchi
 
Atlas Esgotos - Marcos Von Sperling
Atlas Esgotos - Marcos Von SperlingAtlas Esgotos - Marcos Von Sperling
Atlas Esgotos - Marcos Von Sperling
CBH Rio das Velhas
 
Água para Todos
Água para Todos Água para Todos
Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
Patrícia Ventura
 
Destinação do resíduo
Destinação do resíduoDestinação do resíduo
Destinação do resíduo
Regiano Teixeira
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Problemas de esgoto
Problemas de esgotoProblemas de esgoto
Aterro sanitário
Aterro sanitário   Aterro sanitário
Aterro sanitário
Cricia Santoos
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
Giovanna Ortiz
 
"Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu...
"Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu..."Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu...
"Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu...
Marcelo Suster
 

Mais procurados (20)

Aproveitamento de agua de chuva first flush
Aproveitamento de agua de chuva first flushAproveitamento de agua de chuva first flush
Aproveitamento de agua de chuva first flush
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
Estacoes tratamento esgoto
Estacoes tratamento esgotoEstacoes tratamento esgoto
Estacoes tratamento esgoto
 
CaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De ChuvaCaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De Chuva
 
Captação de água da chuva - MIDS
Captação de água da chuva - MIDSCaptação de água da chuva - MIDS
Captação de água da chuva - MIDS
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
 
Seminario aterros
Seminario   aterrosSeminario   aterros
Seminario aterros
 
Esgotos e Lixeiras
Esgotos e LixeirasEsgotos e Lixeiras
Esgotos e Lixeiras
 
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
Seminário Desafios Ambientais Contemporâneos - Mesa 1 Laura Bueno - Escassez ...
 
A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...
A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...
A solução para a crise hídrica mais perto do que se imagina 20% da água entre...
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
 
Atlas Esgotos - Marcos Von Sperling
Atlas Esgotos - Marcos Von SperlingAtlas Esgotos - Marcos Von Sperling
Atlas Esgotos - Marcos Von Sperling
 
Água para Todos
Água para Todos Água para Todos
Água para Todos
 
Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
 
Destinação do resíduo
Destinação do resíduoDestinação do resíduo
Destinação do resíduo
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Problemas de esgoto
Problemas de esgotoProblemas de esgoto
Problemas de esgoto
 
Aterro sanitário
Aterro sanitário   Aterro sanitário
Aterro sanitário
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
"Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu...
"Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu..."Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu...
"Transformação de Resíduos em Produtos e Cases de Reciclagem de Embalagens Mu...
 

Semelhante a Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)

Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Apresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéApresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajé
Inácio Tabosa
 
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdfTRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
alexandrebarbosa458805
 
Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...
Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...
Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...
Paulino Lopes
 
Aula 1 tratamento de Efluentes.pdf
Aula 1 tratamento de Efluentes.pdfAula 1 tratamento de Efluentes.pdf
Aula 1 tratamento de Efluentes.pdf
DiegoSarmento9
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
Carlos Elson Cunha
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Bruna Sampaio
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Larissa Freire
 
Jornal Semasa - Saneamento Básico de Santo André
Jornal Semasa - Saneamento Básico de Santo AndréJornal Semasa - Saneamento Básico de Santo André
Jornal Semasa - Saneamento Básico de Santo André
Erica Santos
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
Giovanna Ortiz
 
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_águaAula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Fernando Tronchul
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Maira Teixeira
 
Projeto Verde Perto
Projeto Verde PertoProjeto Verde Perto
Projeto Verde Perto
independent
 
Centro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinasCentro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinas
pbjunior
 
20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...
20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...
20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...
Development Workshop Angola
 
Apres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrioApres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrio
Marcia Marques
 
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...
CBH Rio das Velhas
 
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Cra-es Conselho
 
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptxEstudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
RaquelOlimpio1
 
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosMarielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Fórum de Desenvolvimento do Rio
 

Semelhante a Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos) (20)

Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Apresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéApresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajé
 
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdfTRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
TRATAMENTO_ESGOTO_SANITARIO...............................pdf
 
Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...
Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...
Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Principais desafios de Angola e São Tom...
 
Aula 1 tratamento de Efluentes.pdf
Aula 1 tratamento de Efluentes.pdfAula 1 tratamento de Efluentes.pdf
Aula 1 tratamento de Efluentes.pdf
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2   evolução dos sistemas de esgotosAula 2   evolução dos sistemas de esgotos
Aula 2 evolução dos sistemas de esgotos
 
Jornal Semasa - Saneamento Básico de Santo André
Jornal Semasa - Saneamento Básico de Santo AndréJornal Semasa - Saneamento Básico de Santo André
Jornal Semasa - Saneamento Básico de Santo André
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_águaAula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
 
Projeto Verde Perto
Projeto Verde PertoProjeto Verde Perto
Projeto Verde Perto
 
Centro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinasCentro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinas
 
20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...
20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...
20190816 DW Debate:Gestão de Resíduos e os Desafios de Desenvolvimento Susten...
 
Apres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrioApres dia 18 08 unigrandrio
Apres dia 18 08 unigrandrio
 
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Plano Municipal de Sanea...
 
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
 
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptxEstudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
 
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosMarielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
 

Mais de Nasa Soares Santana

Tecnologia das redes inteligentes
Tecnologia das redes inteligentesTecnologia das redes inteligentes
Tecnologia das redes inteligentes
Nasa Soares Santana
 
Curiosidade das Aves
Curiosidade das AvesCuriosidade das Aves
Curiosidade das Aves
Nasa Soares Santana
 
FIBRA DE COCO
FIBRA DE COCOFIBRA DE COCO
FIBRA DE COCO
Nasa Soares Santana
 
bim
bim bim
Matemática contagem.
Matemática contagem.Matemática contagem.
Matemática contagem.
Nasa Soares Santana
 
Fascismo
FascismoFascismo

Mais de Nasa Soares Santana (6)

Tecnologia das redes inteligentes
Tecnologia das redes inteligentesTecnologia das redes inteligentes
Tecnologia das redes inteligentes
 
Curiosidade das Aves
Curiosidade das AvesCuriosidade das Aves
Curiosidade das Aves
 
FIBRA DE COCO
FIBRA DE COCOFIBRA DE COCO
FIBRA DE COCO
 
bim
bim bim
bim
 
Matemática contagem.
Matemática contagem.Matemática contagem.
Matemática contagem.
 
Fascismo
FascismoFascismo
Fascismo
 

Último

Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 

Último (11)

Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 

Tratamento de esgoto (tratamentos de aguas reiduos)

  • 1. Tratamento de Águas Residuais (esgoto) GRUPO: Ayenned Banhos, Daniel Estevão, Ingrid Siller, Mariane Lemos, Nasa Soares e Yasmin Gundim.
  • 2. INTRODUÇÃO Conceito; Classificação; Estação de tratamento de esgoto; Relatório da ONU; Tratamento de esgoto no Brasil; Tratamento de esgoto em Vitória; Algumas reportagens; Conclusão. 2 2 3 4 5 6 7 1 8
  • 3. conceito ● Reuso planejado, racional e eficiente; ● Toda a água descartada pelas atividades humanas; ● Características naturais alteradas e com uma quantidade considerável de poluentes; ● Classificação de acordo com a sua origem. 3 1
  • 4. classificação ● Águas residuais domésticas: banhos, cozinha, lavagem de pavimento… ● Águas residuais industriais; ● Águas residuais por escorrência urbana: chuvas, regas, lavagem de pavimentos públicos… ● Águas residuais de infiltração: infiltrações nos coletores de água nos terrenos; ● Águas residuais turísticas: estabelecimentos hoteleiros ou complexos turísticos isolados. 4 2
  • 6. Estação de tratamento de esgoto (ETE) Etapas FASE LÍQUIDA - Gradeamento grosseiro: Ao chegar às ETEs, os efluentes, passam pelo gradeamento grosseiro, onde sólidos, como garrafas, pedaços de madeira e plásticos, ficam retidos nas barras. Em seguida, o esgoto passa pela estação elevatória de esgoto bruto. Esse equipamento leva o esgoto para o nível superior, onde temos o gradeamento fino e os desarenadores.6 3
  • 7. - Gradeamento fino: No gradeamento fino, ficam retidas nas barras, materiais como papéis, papelões e tecidos. - Tanque de areia: Ao chegar ao tanque de areia, o esgoto passa pelo processo de sedimentação, os grãos de areia mais densos vão para o fundo. 7 3
  • 8. - Reatores RAFA (Reatores Anaeróbios de Fluxo Ascendente): Dentro dos RAFA, a matéria orgânica sofre decomposição por bactérias anaeróbias, resultando na remoção de grande parte dos sólidos. Ocorre, também, a separação entre as partes líquida, sólida e gasosa. A parte líquida segue para o próximo tanque, a sólida, para o tanque de lodo e a gasosa, para a central de queimadores de gases. 8 3
  • 9. 9 - Tanque de aeração: Lá, através de adição de ar, microorganismos aeróbios são estimulados a se alimentar de matéria orgânica no esgoto. Esse processo dá início à formação do lodo, reduzindo a carga poluidora da mistura.
  • 10. - Decantador secundário: O lodo formado anteriormente sedimenta e o efluente segue para a próxima etapa, com isso, a parte líquida já está 90% livre de impurezas. - Desinfecção ultravioleta: Neste ponto, o efluente é exposto a raio ultravioleta e, ao entrar em contato com a luz germicida, as bactérias presentes tem seu DNA alterado, tornando-se estéreis e, portanto, inofensivas. Terminada essa etapa, o efluente já está limpo e pode ser lançado em rios e córregos. 10 3
  • 11. FASE SÓLIDA - Após passarem pelo tanque de lodo, os efluentes são levados até os adensadores na casa de desidratação, onde em um processo semelhante à decantação, parte da água do lodo é removida e depois inicia-se o processo de secagem. Ainda na casa de desidratação, o lodo passa por um novo processo de secagem, com o objetivo de reduzir o teor de líquidos da mistura facilitando no transporte desta em forma de blocos ao aterro. Finalmente, a parte do lodo que não foi digerida é reintroduzida no sistema. Para isso, segue, novamente, para a estação elevatória de esgoto, findando todas as etapas do tratamento de esgoto e reiniciando o ciclo. 11 3
  • 13. O desafio das águas residuais urbanas. - População urbana: 1990-314 milhões;2017-496 milhões - Aumento da geração de águas residuais: 1º aumento da população urbana 2º Aumento do acesso a instalações sanitárias (88%) 13 4
  • 14. Expansão desigual dos sistemas de tratamento de água e esgoto. Eliminação do esgoto onde não existe rede de tratamento: 1º latrinas 2º Tanques sépticos 14 4
  • 15. Cobertura baixa da rede de tratamento de esgoto : 1º Priorização da expansão do tratamento de água. 2º Restrição de recursos orçamentários. 3º Necessidades de atendimento de questões sociais mais urgentes. 15 4
  • 16. Consequências: Meio ambiente saúde e bem estar da população desenvolvimento econômico ( agropecuária e turismo) 16 4
  • 17. Expansão do tratamento de águas residuais urbanas 1º Elevado nível de cobertura do tratamento de água 2ºMelhor condição financeira dos Estados 3ºIntegração das economias regionais com os mercados globais 17 4
  • 18. Preocupações atuais e oportunidades de expansão ● Apresentação de projetos isolados de tratamento de esgotos, respondendo a problemas sociais e ambientais locais. ● A Expansão das redes de tratamentos de esgotos requer recursos na ordem de 33 bilhões de dólares, para ampliar a cobertura de esgoto para 64% até 2030 18 4
  • 19. Benefícios do tratamento das águas residuais : - ambientais; - saúde; - socioeconômicos. 19 4
  • 20. 5 Tratamento de esgoto no brasil 20
  • 21. Apenas 66% das casas brasileiras têm acesso a rede de esgoto 21 5
  • 22. 22 5
  • 23. 23 5 ● 74% dos domicílios urbanos têm seu esgoto coletado pela rede, mas essa proporção é de apenas 7,4% nas áreas rurais, que recorrem principalmente a fossas (80%); ● Em todo o Brasil, apenas 73,7% do esgoto coletado é tratado; ● Do esgoto gerado no país (coletado ou não) apenas 46% recebe tratamento.
  • 24. 24 5 ● De acordo com o Ministério da saúde houve três milhões de internações por conta de doenças relacionadas à insuficiência de saneamento básico em dez anos, entre 2009 e 2018; ● No Brasil, o número de internações por 100 mil habitantes passou de 184,7, em 2009, para 65,6 em 2018.
  • 25. 25 5 De janeiro a março de 2019, houve 32,4 mil internações por doenças relacionadas à insuficiência de saneamento básico e as crianças foram as mais afetadas: 40% das internações foram de pessoas de até 14 anos.
  • 26. 6 Tratamento de esgoto em Vitória 26
  • 27. 27 6
  • 29. 29 7
  • 30. 30 7
  • 31. 31 7
  • 32. 32 7
  • 33. 33 7
  • 35. 35 8 ● Políticas públicas de tratamento sejam implementadas, bem como projetos de conscientização da população; ● Agricultura: armazenamento, tratamento e destinação; ● Irrigação de paisagens urbanas e de campos para cultivo; ● Refrigeração de caldeiras e águas de processamento; ● Combate ao fogo, construções, descarga de vasos sanitários, controle de poeira, sistemas de ar condicionado, lavagem de ruas, pontos de ônibus e veículos; ● Indústrias de pesca.
  • 36. 36 ● Pensamento Verde. O que são águas residuais? Disponível em: <https://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/o-que-sao-aguas- residuais/>. Acesso em: 11 de junho de 2019. ● Fragmac. O Entenda o conceito de águas residuais e a importância de seu tratamento. Disponível em: <https://www.pensamentoverde.com.br/meio- ambiente/o-que-sao-aguas-residuais/>. Acesso em: 11 de junho de 2019. ● RELATÓRIO MUNDIAL DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS 2017 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
  • 37. 37 ● Nações Unidas do Brasil. ONU: 4,5 bilhões de pessoas não dispõem de saneamento seguro no mundo. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/onu-45-bilhoes-de- pessoas-nao-dispoem-de-saneamento-seguro-no-mundo/>. Acesso em: 12 de junho de 2019. ● Cultura Livre . Tratamento de Água e Esgoto. Estação de Tratamento de Efluentes. Disponível em: <https://culturalivre.com/tratamento_de_agua_e_esgoto_estacao_de_tratamento _de_efluentes/>.Acesso em: 12 de junho de 2019. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA